Questões de Teorias curriculares (Pedagogia)

Limpar Busca
Segundo Silva, o fenômeno chamado multiculturalismo tem sua origem nos países dominantes do norte "... grupos culturais dominados no interior daqueles países para terem suas formas culturais reconhecidas e representadas na cultura nacional"(p. 85). Nessa perspectiva, Tomaz Tadeu da Silva afirma que identidade, alteridade e diferença; subjetividade, significação e discurso; representação; cultura; gênero, raça, etnia e sexualidade; multiculturalismo, são características das teorias de currículo:
  • A Tradicionais
  • B Conservadoras
  • C Críticas
  • D Pós-críticas
  • E Tecnicistas
No livro Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo (1999), Tomaz Tadeu da Silva, afirma que a partir das teorizações críticas de base marxista, a questão da desigualdade - tomada como fenômeno vinculado à injustiça - se estabeleceu nesse campo de discussão. A preocupação em compreender, na perspectiva de transformar, os contextos através dos quais a escola atuava de forma discriminatória em relação às classes trabalhadoras mobilizou a produção de autores das denominadas teorias críticas, como Bordieu, Passeron, Michel Apple, Paulo Freire, por exemplo, e de correntes de pensamento como a Nova Sociologia da Educação.
Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é:
  • A Um espaço de poder.
  • B Um espaço exclusivamente técnico.
  • C Um espaço obrigatoriamente de repetição.
  • D Um espaço por excelencia dos saberes clássicos.
  • E Um espaço unicamente para os saberes estabelecidos pelos documentos legais.
No livro Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo (1999), Tomaz Tadeu da Silva, afirma que a partir das teorizações críticas de base marxista, a questão da desigualdade - tomada como fenômeno vinculado à injustiça - se estabeleceu nesse campo de discussão. A preocupação em compreender, na perspectiva de transformar, os contextos através dos quais a escola atuava de forma discriminatória em relação às classes trabalhadoras mobilizou a produção de autores das denominadas teorias críticas, como Bordieu, Passeron, Michel Apple, Paulo Freire, por exemplo, e de correntes de pensamento como a Nova Sociologia da Educação.
Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é:
  • A Um espaço de poder.
  • B Um espaço exclusivamente técnico.
  • C Um espaço obrigatoriamente de repetição.
  • D Um espaço por excelencia dos saberes clássicos.
  • E Um espaço unicamente para os saberes estabelecidos pelos documentos legais.
No livro Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo (1999), Tomaz Tadeu da Silva, afirma que a partir das teorizações críticas de base marxista, a questão da desigualdade - tomada como fenômeno vinculado à injustiça - se estabeleceu nesse campo de discussão. A preocupação em compreender, na perspectiva de transformar, os contextos através dos quais a escola atuava de forma discriminatória em relação às classes trabalhadoras mobilizou a produção de autores das denominadas teorias críticas, como Bordieu, Passeron, Michel Apple, Paulo Freire, por exemplo, e de correntes de pensamento como a Nova Sociologia da Educação.
Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é:
  • A Um espaço de poder.
  • B Um espaço exclusivamente técnico.
  • C Um espaço obrigatoriamente de repetição.
  • D Um espaço por excelencia dos saberes clássicos.
  • E Um espaço unicamente para os saberes estabelecidos pelos documentos legais.
No livro Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo (1999), Tomaz Tadeu da Silva, afirma que a partir das teorizações críticas de base marxista, a questão da desigualdade - tomada como fenômeno vinculado à injustiça - se estabeleceu nesse campo de discussão. A preocupação em compreender, na perspectiva de transformar, os contextos através dos quais a escola atuava de forma discriminatória em relação às classes trabalhadoras mobilizou a produção de autores das denominadas teorias críticas, como Bordieu, Passeron, Michel Apple, Paulo Freire, por exemplo, e de correntes de pensamento como a Nova Sociologia da Educação.
Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é:
  • A Um espaço de poder.
  • B Um espaço exclusivamente técnico.
  • C Um espaço obrigatoriamente de repetição.
  • D Um espaço por excelencia dos saberes clássicos.
  • E Um espaço unicamente para os saberes estabelecidos pelos documentos legais.