Questões de Gestão de Processos e Equipes de Trabalho (Enfermagem)

Limpar Busca

Durante uma auditoria, o enfermeiro glosou alguns medicamentos e materiais cuja prescrição e utilização não constavam no prontuário do paciente.
Esse procedimento denomina-se glosa

  • A linear.
  • B técnica.
  • C contábil.
  • D operativa.
  • E administrativa.

A fase de implementação do processo de trabalho de enfermagem inicia quando a(o) enfermeira(o) considera as várias ações a serem realizadas, elegendo a mais adequada para atingir a meta e os objetivos elaborados na fase de planejamento. Essas ações de implementação do processo de enfermagem, junto ao paciente, podem ser realizadas

  • A pela equipe técnica da enfermaria; pelos atendentes de enfermagem; pelo paciente e pela família.
  • B pela(o) enfermeira(o) do dia responsável pela enfermaria; pelos técnicos de enfermagem; pelos atendentes de enfermagem e pelos acompanhantes.
  • C pela equipe interprofissional que trabalha na enfermaria; pela(o) enfermeira(o)-chefe que elaborou o plano de cuidados; pelo acompanhante do paciente.
  • D pela(o) enfermeira(o) que traçou o plano de cuidados; pela(o) enfermeira(o) que atua na mesma equipe; pelos técnicos de enfermagem; pelos familiares e pelo próprio paciente.
  • E pelas(os) enfermeiras(os) que elaboraram o plano de cuidado; pelos médicos da equipe; pelos atendentes de enfermagem.

A gestão de conflitos consiste em um aspecto importante da gerência de enfermagem. O estudo desse campo permite ao(a) enfermeiro(a) manejar os conflitos presentes no cotidiano da prática em equipe, sendo a negociação um dispositivo empregado. Destacam-se alguns estilos de negociação, como:

  • A Mediador e estratégico.
  • B Estratégico e organizado.
  • C Confrontador e amigável.
  • D Provocador e articulador.
  • E Elaborador e comunicador.

Em conformidade com o artigo 3º da Portaria n° 122, de 25 de janeiro de 2011, os enfermeiros poderão integrar apenas as equipes dos Consultórios na Rua nas seguintes modalidades:

  • A Modalidades I e II.
  • B Modalidades I, II e III.
  • C Modalidades II e III.
  • D Modalidades III e IV.
  • E Modalidades III, IV e V.

A adoção da redução de danos é uma prática importante do trabalho das equipes dos Consultórios na Rua. Essa prática inclui a distribuição de insumos, o contato com o usuário no local onde ele vive e as ações de prevenção e educação em saúde. De acordo com Simões, Couto; Miranda, Delgado (2017), a orientação clínica do trabalho da Redução de Danos

  • A é construída no encontro.
  • B precisa ser planejada.
  • C está voltada para as ações de prevenção ao uso de drogas.
  • D é construída por meio da longitudinalidade do cuidado.
  • E visa à integração do usuário ao CAPS local.