Questões de História Econômica Mundial (Economia)

Limpar Busca

Na obra O neoliberalismo: história e implicações (2014), o geógrafo David Harvey analisa as diversas características desse “paradigma” econômico e como o Estado deve se comportar para a implantação desse paradigma.


Segundo esse autor, não é característica do neoliberalismo:

  • A Favorecimento de fortes direitos individuais à propriedade privada.
  • B Ampliação da intervenção do Estado na economia de forma direta e indireta.
  • C Diminuição da cobrança de impostos sobre as rendas mais elevadas.
  • D Apoio à participação de instituições financeiras internacionais no mercado interno.
O Coeficiente de Gini mede a desigualdade de distribuição de renda, mas também pode ser utilizado para qualquer distribuição, como concentração de terra, riqueza entre outras.
Sobre isso, assinale a alternativa correta.
  • A O coeficiente de Gini consiste em um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à completa desigualdade de renda e 1 corresponde à completa igualdade de renda
  • B A construção do coeficiente de Gini é baseada na “Curva de Laffer”
  • C Uma desvantagem do coeficiente de Gini é que a curva de Laffer, utilizada para o cálculo, pode subestimar o valor real da desigualdade de renda
  • D A construção do coeficiente de Gini é baseada na “Curva de Lorenz”
  • E O Brasil apresentou um coeficiente de Gini, no ano de 2018, de 0,609
A globalização vem transformando a economia mundial contemporânea. Logo, sob a abordagem econômica, destacam-se cinco enfoques conceituais. Assinale a alternativa que sinaliza os cinco enfoques de forma correta.
  • A Financeiro; Comercial; Transnacional; Institucional e Governabilidade
  • B Financeiro; Social; Produtivo; Institucional e Governabilidade
  • C Financeiro; Comercial; Produtivo; Institucional e Governabilidade
  • D Financeiro; Comercial; Multinacional; Institucional e Governabilidade
  • E Financeiro; Educacional; Produtivo; Institucional e Governabilidade

A flutuação cambial também nos ensinou uma importante lição. Uma vez liberalizados os fluxos de capitais no plano global, tem havido quase nenhuma diferença se as taxas de câmbio são fixas ou flutuantes. Já em 1978, James Tobin, um economista keynesiano da Universidade de Yale e futuro prêmio Nobel, apontou para o problema central. “O debate sobre o regime cambial mais apropriado negligencia um problema essencial: o problema fundamental é a excessiva mobilidade dos fluxos de capitais de curto prazo. As economias nacionais e os governos nacionais não são capazes de conter os enormes efeitos dos movimentos de capitais sobre as respectivas taxas de câmbio, sem comprometer os principais objetivos das políticas econômicas nacionais com respeito ao crescimento econômico, à criação de empregos e à estabilidade inflacionária”. RODRIK, D. The Globalization paradox: democracy and the future of the world economy. New York:W.W. Norton & Company, 2011, p.107. Tradução livre e adaptada. O trecho acima refere-se aos impactos da globalização econômica na esfera

  • A produtiva
  • B comercial
  • C financeira
  • D tecnológica
  • E política