Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (DETRAN-SP) - Analista de Trânsito (FCC - 2019) Questão 3

                                     O paradoxo da promessa


      Em que circunstâncias alguém se exalta e defende com ardor uma opinião? “Ninguém sustenta fervorosamente que 7 x 8 = 56, pois se pode demonstrar que isso é uma verdade”, observa Bertrand Russel. O ânimo persuasivo só recrudesce e lança mão das artes e artimanhas da retórica apaixonada quando se trata de incutir opiniões que são duvidosas ou demonstravelmente falsas.

      O mesmo vale para o ato de prometer alguma coisa. O simples fato de que uma promessa precisa ser feita com toda a ênfase indica a existência de dúvida quanto à sua concretização. Só prometemos acerca do que exige um esforço extra da vontade. E quanto mais solene ou enfática a promessa – “Te juro, meu amor, agora é pra valer!” – mais duvidosa ela é: protesting too much (‘proclamar excessivo’), como dizem os ingleses. “Só os deuses podem prometer, porque são imortais”, adverte o poeta.

(Adaptado de: GIANETTI, Eduardo. Trópicos utópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 26) 



Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

  • A Têm muitas pessoas que creem poder ter uma promessa qualquer garantia de que venha a cumpri-la.
  • B São justamente aqueles que mais prometem quem menos cumprem o que prometeram com ânimo tão susceptível.
  • C Ainda quando se ponham em promessas todo o ardor, visto que nem assim mesmo se possam garanti-las.
  • D Até mesmo as promessas de amor soam tão mais duvidosas quanto maior a ênfase com que se fazem.
  • E Não cabem aos humanos tentar prometer tudo aquilo com que só os deuses se podem encarregar.

Encontre mais questões

Voltar