Questões da Prova do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IF-RR) (2018)

Limpar Busca
A respeito da obra literária “Urihi – nossa terra, nossa floresta” do escritor Devair Fiorotti, não é correto afirmar:
  • A A obra é composta por vinte poemas que retratam as andanças e angústias de um garimpeiro em terras indígenas.
  • B A obra traz uma proposta conceitual que une seus poemas com a ilustração do artista plástico Jaider Esbell.
  • C Os poemas contam a história real de um yanomami que foi roubado de sua tribo para morar com um garimpeiro.
  • D A inspiração do autor para escrever a obra veio de sua percepção da sociedade e de observações que ele fez durante pesquisas e entrevistas com garimpeiros, indígenas macuxi e outras vivências.
  • E Os poemas que compõem a obra retratam temas, como: política, infância, garimpo, morte, costume e ritos dos indígenas.

A partir do poema IX, p. 43, do livro “Urihi – nossa terra, nossa floresta”, responda à questão .


Antes havia mais o silêncio

antes havia somente o voar dos pássaros

hoje, os pássaros pousam em pistas clandestinas

sobre corpos de garimpeiros mortos

trazem doenças aos rios, por causa do ouro

dizem que não há garimpo

dizem que não houve massacre

dizem que não exista.

(FIOROTTI, Devair. Urihi – nossa terra, nossa floresta. São Paulo: Editora Patuá, 2017)


Marque a alternativa que contém erro de análise:

  • A Nos versos “dizem que não há garimpo/dizem que não houve massacre/dizem que não exista”, há a presença da figura de linguagem denominada anáfora.
  • B Em “dizem que não há garimpo”, o sujeito desta oração é indeterminado.
  • C No verso “trazem doenças aos rios, por causa do ouro”, o fragmento destacado é exemplo da figura de linguagem conhecida como aliteração.
  • D Em “os pássaros pousam em pistas clandestinas”, o trecho grifado exerce a função sintática de adjunto adverbial de lugar.
  • E No verso “antes havia somente o voar dos pássaros”, o vocábulo grifado é um substantivo.
Marque a opção falsa sobre o poema “Os Estatutos do Homem” de Thiago de Mello:
  • A Os versos presentes no Artigo X nos chamam a atenção para um problema que aflige a sociedade: a violência. Desta forma, o sentido do trecho “uso do traje branco” representa o culto pela paz.
  • B No Artigo VII, o poeta enaltece valores como justiça e alegria ao estabelecer comparações com elementos como reinado e bandeira.
  • C Neste poema, o poeta chama a atenção do leitor para os valores simples da natureza humana.
  • D No trecho “a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio”, o poeta utiliza a figura de linguagem “comparação” como recurso estilístico.
  • E Este poema é dedicado a Carlos Heitor Cony. Foi escrito em 1964, em meio à turbulência de um país marcado pela mácula dos Atos Institucionais que cerceavam a liberdade, suprimindo Direitos.
Sobre o poema “Os Estatutos do Homem” de Thiago de Mello, todas as afirmativas são verdadeiras, exceto:
  • A Nos versos “Expulso do grande baú do medo/o dinheiro se transformará em uma espada fraternal”, o poeta nos remete a questão da ganância, do consumismo exagerado que toma conta da vida de muitas pessoas. Assim, enquanto tantos possuem muito, outros têm muito pouco ou quase nada.
  • B O poema se constrói com palavras de ordem ao brasileiro que se via destituído de escolha política, e passaria a viver, mas não se obrigava a aceitar o governo militar, um duríssimo golpe contra a verdade e a democracia.
  • C No Artigo VIII, os versos “Fica decretado que a maior dor/sempre foi e será sempre/ não poder dar-se amor/ a quem se ama/ e saber que é a água/que dá à planta o milagre da flor” decretam o amor como essencial ao homem, tanto quanto a água é indispensável à planta e para que esta manifeste o milagre da floração.
  • D A disposição dos versos do poema obedece à estrutura do texto jornalístico: são nove artigos, devidamente numerados com algarismos romanos. Cada Artigo (estrofe) abre-se com frases denotativas e incisivas.
  • E No Artigo IX “Fica permitido que o pão de cada dia/ tenha no homem o sinal de seu suor/ Mas que sobretudo tenha/ sempre o quente sabor da ternura”, temos a crítica ao trabalho dentro dos princípios capitalistas, a crítica da sua dignificação no imaginário popular, reificada pela religião.
Nos versos “Fica decretado que os homens/estão livres do jugo da mentira”, o sentido figurado da palavra destacada “jugo” só não está correto em:
  • A forca
  • B submissão
  • C obediência
  • D opressão
  • E sujeição