Questões de Obturação dos Canais Radiculares (Odontologia)

Limpar Busca

O acesso ao canal radicular é um conjunto de procedimentos que vai possibilitar a chegada ao interior da cavidade pulpar.

Assinale a alternativa correta sobre esse processo.

  • A A forma de conveniência para os molares superiores é a de um trapézio, com a base maior voltada para a mesial e a base menor voltada para a distal e será conseguida com a remoção do teto da câmara pulpar.
  • B Nos pré-molares superiores, o ponto de eleição para abertura coronária está localizado na face oclusal, no terço médio do sulco principal mésio-distal e a forma de conveniência para os dentes desse grupo é uma elipse com o longo eixo no sentido vestíbulo-palatal.
  • C No grupo dos pré-molares inferiores o ponto de eleição para a abertura coronária está localizado na face oclusal, no meio do sulco principal. Para pré-molares inferiores que apresentem uma cúspide lingual muito atrofiada, a haste da broca deve sofrer uma ligeira inclinação para vestibular, para assim atingir a porção mais volumosa do canal radicular.
  • D A forma de conveniência para os dentes incisivos superiores e inferiores, assim como para os caninos superiores e inferiores, é idêntica, sendo um triângulo, de ângulos arredondados, com a base voltada para o bordo incisal e o vértice localizado no ponto inicial.
  • E Durante o acesso aos primeiros molares inferiores, a ponta de esmalte que une as cúspides disto-vestibular e mésio-palatal sempre que possível deverá ser preservada pois ela constitui um elemento de reforço da coroa desses dentes.

Na atualidade, existem imensas técnicas para obturação dos canais radiculares, tendo todas elas uma única intenção, o selamento hermético, de modo a eliminar qualquer comunicação do meio externo com o espaço pulpar, podendo assim estimular uma possível reparação biológica (Cavatoni et al., 2009). Analise as afirmativas abaixo e dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).


( ) A Técnica de Condensação Lateral é a técnica de obturação mais conhecida e utilizada entre os profissionais e dentre suas vantagens tem-se o excelente controle do comprimento endodôntico. No entanto esta técnica apresenta inúmeros inconvenientes, como: a impossibilidade de obter uma obturação tridimensional, não produz uma massa homogênea de material de obturação, excessivo consumo de material, tempo despendido, selamento apical deficiente e a má adaptação do material obturador às paredes dentinárias, entre outras.

( ) Técnica de Termocompactação de McSpadden é um tipo de técnica termoplástica que visa a plastificação da guta-percha pelo calor e a condensação da mesma por intermédio de um instrumento semelhante a uma lima K-Flexofile. Essa técnica produz resultados satisfatórios em relação à melhor adaptação da guta-percha às paredes dentinárias e ao excelente selamento apical, além de depender de aparelhos simples. Apresenta como desvantagens: não permitir um perfeito controle do limite apical da obturação, possibilitando sobreobturação, risco de fratura do compactador, não existe sensação tátil sobre os procedimentos realizados, exige grande atenção para que o compactador não entre no canal em sentido contrário, pois levaria à fratura.

( ) System B – Sistema de Condensação em Ondas Contínuas: técnica de compactação de ondas contínuas utiliza um condutor de calor elétrico, unidade System B® e condensadores cônicos de aço inoxidável. Esta técnica promove um selamento tridimensional hermético da anatomia do sistema de canais radiculares, com excelente controle apical dos materiais obturadores. Ela apresenta falhas de obturação durante a execução e possibilidade de formação de bolhas. O alto custo deste aparelho poderia justificar a escolha por outra técnica que pudesse garantir a qualidade de um selamento hermético.

( ) O sistema Obtura® II aquece a guta-percha a 70ºC, enquanto o sistema Ultrafil® 3D utiliza a guta-percha a uma temperatura de 160ºC, ambas as técnicas enquadram-se como técnicas termomecânicas e como tais, mostram dificuldades relativas ao controle vertical da obturação e, portanto apresenta indicações específicas para os casos em que haja uma boa constrição apical do canal.


Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo. 

  • A V, V, V, F
  • B V, F, V, F
  • C V, F, F, F
  • D F, V, F, V

Em 1943, Grossman propôs uma técnica de irrigação de canais radiculares que resiste à crítica, por cinquenta anos, e consiste em uso alternado de uma solução de hipoclorito de sódio a 5% com o:

  • A Peróxido de hidrogênio a 3%.
  • B Hipoclorito de sódio com 2,5%.
  • C Hidróxido de Cálcio a 0,14%.
  • D Éter sulfato de sódio a 0,125%.
  • E Sulfato de cobre a 0,014%.

A técnica de condensação lateral de guta-percha é a mais conhecida dentre as diversas técnicas de obturação radicular.
Assinale a alternativa que apresenta as etapas dessa técnica.

  • A Preparo do canal de maneira cônica progressiva, mantendo o forame apical o menor possível, adaptação do cone principal aquém da extensão de trabalho com resistência à remoção, remoção do cone principal e aplicação do cimento e, por fim, assentamento do cone no canal com a porção coronária removida com calor.
  • B Seleção do cone principal com diâmetro idêntico ao do canal, radiografia para a confirmação do assentamento do cone, aplicação de cimento nas paredes do canal, escolha do espaçador, colocação de cones acessórios, remoção do excesso de guta-percha e compactação da porção coronária com calcador apropriado.
  • C Seleção do cone principal com diâmetro maior ao do canal, radiografia para a confirmação do posicionamento do cone aquém da extensão de trabalho, aplicação de cimento nas paredes do canal, escolha do espaçador, colocação de cones acessórios, remoção do excesso de guta-percha e compactação da porção coronária com calcador apropriado.
  • D Preparo do canal de maneira cônica progressiva, mantendo o forame apical o menor possível, adaptação do cone principal até o ápice do canal com facilidade para a remoção, remoção do cone principal e aplicação do cimento e, por fim, assentamento do cone no canal com a porção coronária removida com calor.

Ao diagnosticar uma perfuração radicular, deve-se

  • A utilizar solução desinfetante de irrigação, como solução salina, em qualquer extensão de perfuração para evitar danos significativos nos tecidos perirradiculares.
  • B utilizar solução desinfetante de irrigação, como o hipoclorito de sódio caso a perfuração não seja tão ampla que permita um dano significativo nos tecidos perirradiculares.
  • C conter o sangramento vigoroso com uso de adstringentes, como sulfato ferroso.
  • D evitar o uso de MTA no reparo das perfurações, principalmente em áreas estéticas.