Resumo de Educação Artística - Neoplasticismo

Um movimento artístico que surgiu em 1917

Neoplasticismo foi o termo designado a um estilo artístico criado pelo pintor holandês Piet Mondrian em 1917. O movimento, que também é considerado uma teoria da arte, foi caracterizado pelo abstracionismo geométrico, ou seja, os artistas do neoplasticismo utilizavam as formas geométricas, mas não para representar objetos específicos, como personagens ou paisagens, mas figuras abstratas, irreais, próprias da abstração.
O Neoplasticismo também teve grande contribuição do pintor, teórico e arquiteto Theo van Doesburg, que, juntamente com Mondrian, criou a revista De Stijl, um dos principais veículos de comunicação e divulgação teórica do movimento. 
Tendo ampla disseminação, o neoplasticismo foi ganhando espaço em vários países da Europa, por isso foi considerado um movimento muito importante para a pintura e arquitetura europeia até o final da década de 1920.

Características do Neoplasticismo

Para entender o neoplasticismo e seus elementos, é preciso conhecer a trajetória de seu criador. Piet Mondrian foi o principal teórico do Neoplasticismo e também seu fundador. Em 1912, o holandês foi até Paris, na época, ainda como um artista do Expressionismo e grande seguidor de Van Gogh. 
Mondrian também era um discípulo do Fauvismo, outro movimento artístico de vanguarda do século XX. Porém, ao conhecer o Cubismo, seu “fazer artístico” passou por uma grande mudança, fazendo com que o artista desenvolvesse um estilo próprio e nada objetivo, ao qual denominou Neoplasticismo.
A arte neoplástica ou movimento De Stijl (O Estilo) como também ficou conhecida por conta da revista, era caracterizada por sua estética inovadora e do uso simplório das formas. Em uma declaração, Doesburg, usa essa frase para representá-la: “Despimos a natureza de todas as suas formas e só ficará o estilo”.
Pode-se dizer que as principais características do movimento são:
  • Depuração ou refinamento das formas até que elas cheguem aos elementos primários: planos, linhas e cubos
  • Valorização da arte geométrica
  • Arte abstrata
  • Uso de cores puras e saturadas (usava-se muito as cores primárias: amarelo, azul e vermelho ou tons de cinza, negro e branco)
  • Arte racionalista
  • Busca pelo equilíbrio e harmonia através de linhas horizontas e verticais. Linhas curvas ou oblíquas não eram utilizadas
  • Produção de ritmos assimétricos, porém equilibrados
  • Uso de ângulos retos, principalmente na arquitetura, massas coloridas retangulares em diversas proporções
Embora todo o Abstracionismo fosse inspirado por Kandinsky, o artista que introduziu a abstração no campo das artes visuais, Mondrian, não estava preocupado em representar a emoção lírica (o que ocorria na arte abstrata), mas a realidade pura.
Um dos princípios básicos do neoplasticismo está nos traços essenciais. Como explicado acima, a expressão plástica e representação dá lugar a elementos básicos. Não há espaço para o tridimensional, modelagem, texturas, linhas curvas. Os artistas buscam na assimetria, o equilíbrio. Parece paradoxal, mas as composições se completam.
A cor pura projetada sobre o plano encontra seu oposto na cor cinza, no preto e no branco. Planos abertos com planos fechados, linha fina com espessa, linhas horizontais e verticais, planos retangulares e quadrado na tela, cor e não cor, tudo sobre um plano único. É um jogo de relações.
Sem detalhes ou elementos da natureza, o neoplasticismo é, segundo Mondrian, “a expressão pura da relação”.

Principais artistas do movimento

Do Neoplasticismo, destacam-se:
Piet Mondrian (1872-1944), foi um grande pintor holandês que se consagrou no século XX e suas obras se tornaram um símbolo da modernidade. Quando estava iniciando, ele pintava paisagens, mas suas obras já mostravam a inquietação que sentia ao representar a natureza. O artista mantinha sempre uma visão geométrica das coisas.
Mondrian já era conhecido por sua contribuição na arte cubista, mas continuou depurando suas formas até chegar a uma resposta, baseada nas proporções ideais entre as relações das formas de um espaço.
Para o pintor, todos os objetos, sejam pessoas ou paisagens, tinham uma essência por trás da imagem. E essa estrutura íntima está em harmonia no universo, cabia ao artista revelar a essência escondida e a harmonia universal. Para desvelá-la era preciso se livrar de todo o excesso de cores, linhas e formas, deixando apenas seus elementos primários.
Foi justamente quando passou a desenvolver essa teoria que as curvas e linhas diagonais foram deixadas de lado em suas obras, ficando somente as linhas horizontais e verticais. Da mesma forma, o artista abandonou as cores secundárias, usando apenas as primárias, e a “não-cor” como o branco e cinza. A junção desses elementos, que na verdade se tornava assimétrico, resultava no equilíbrio.
Theo van Doesburg (1883-1931), pseudónimo de Christian Emil Marie Küpper, foi um artista plástico, crítico de arte, poeta, designer gráfico, escritor e arquiteto holandês. Além de se associar ao Neoplasticismo, Doesburg também estava relacionado ao Dadaísmo e Concretismo. Junto com Mondrain, foi o fundador da revista De Stikj e professor da Bauhaus, uma escola de arte vanguardista da Alemanha.
Van Doesburg acreditava que a arte deveria conciliar dois grandes componentes da vida, “a natureza e o intelecto”. A primeira exposição de pintura que realizou foi em 1908, em Haia. Na época, sua arte ainda estava dentro do Naturalismo, mas a partir de 1916 ele se volta para a abstração.
Logo após a mudança, Theo publicou seus primeiros números da de Stijl, como um representante do movimento neoplasticista. Na época, ele estava sob influência de seu amigo e compatriota Piet Mondrian. Mas a relação entre os dois se rompe alguns anos mais depois e em 1926, o artista já escrevia um manifesto para explicar a Arte elementarista.

A Revista “De Stijl”

A “De Stijl” foi uma revista fundada em 1917 na Holanda, e por divulgar o Neoplasticismo acabou também se tornando o nome desse estilo. No cenário da Arte Moderna, o “De Stijl” ou “O Estilo” enquanto movimento, foi desenvolvido através da parceria de designers, arquitetos e artistas.
Embora tivesse dois principais fundadores, seu objetivo não era o de ser uma organização hierárquica e rígida, por isso logo ganhou cooperadores de todos os lugares. A intenção desse movimento sempre foi a de reunir o que havia de mais atual e moderno nos campos da arquitetura, arte, música, literatura, a cada período.
Voltar