Questões de Auditoria Página 1

Um auditor independente concluiu que o uso do pressuposto de continuidade operacional, em determinada empresa auditada, é apropriado, mas que há incerteza significativa.


Ele verificou que as demonstrações contábeis descrevem adequadamente os principais eventos que podem levantar dúvida quanto à capacidade de continuidade; avaliou os planos da administração para esses eventos e que há divulgação clara sobre essa incerteza.


Em seu relatório o auditor deve 

  • A expressar uma opinião sem ressalva e sem parágrafo de ênfase.
  • B expressar uma opinião sem ressalva e com parágrafo de ênfase.
  • C expressar uma opinião com ressalva.
  • D expressar uma opinião adversa.
  • E abster-se de expressar sua opinião.

Segundo Almeida (2012), o objetivo do auditor externo ou independente é emitir sua opinião sobre as demonstrações financeiras examinadas. Para atingir esse objetivo, o auditor necessita planejar adequadamente seu trabalho e seguir alguns passos de auditoria. Sendo assim, qual é o último procedimento que deve executar antes da emissão do parecer?

  • A Avaliar o controle interno.
  • B Avaliar as evidências.
  • C Executar a revisão das contas contábeis.
  • D Efetuar a revisão analítica.
  • E Estabelecer natureza, datas e extensão dos procedimentos de auditoria.
A avaliação de riscos corresponde à análise da relevância dos riscos identificados, incluindo a resposta ao risco, indicando a decisão gerencial para mitigar os riscos, a partir de uma abordagem geral e estratégica, e considerando as hipóteses de eliminação, redução, aceitação ou compartilhamento. Também está incluída na avaliação de riscos a 
  • A forma como serão distribuídos.
  • B avaliação da probabilidade de sua ocorrência.
  • C definição das ações de prevenção e de reversão.
  • D maneira de mensuração de custos.
De acordo com a conceituação prevista na NBC TA 240, que trata da responsabilidade do auditor em relação à fraude, no contexto da auditoria de demonstrações contábeis, 
  • A demonstrações contábeis devem ser consideradas fraudulentas apenas quando decorram de manipulação, falsificação ou alteração de registros contábeis ou documentos comprobatórios que serviram de base à sua elaboração. 
  • B fatores de risco de fraude, quando detectados e documentados pelo auditor, devem ser relatados como evidência da ocorrência de fraude, ou, no mínimo, de distorção relevante. 
  • C o dever profissional do auditor de manter a confidencialidade da informação do cliente veda qualquer espécie de comunicação de identificação de fraude a autoridades de supervisão. 
  • D fatores de risco de fraude são eventos ou condições que indiquem incentivo ou pressão para que a fraude seja perpetrada ou ofereçam oportunidade para que ela ocorra. 
  • E a aplicação incorreta, intencional, dos princípios contábeis relativos a valores, classificação, forma de apresentação ou divulgação poderá ensejar distorção significativa decorrente de erro, não caracterizando, contudo, fraude. 
Ao examinar as demonstrações financeiras de uma entidade, o auditor verifica as relações entre dados que envolvem cálculos e o emprego de índices financeiros simples, faz a análise vertical das demonsTrações, coteja quantias reais com dados históricos e quantias orçadas etc. Nesse caso, ao utilizar modelos matemáticos e estatísticos, como a análise de regressão, o auditor adota o procedimento denominado
  • A inspeção.
  • B confirmação.
  • C recálculo.
  • D contagem.
  • E revisão analítica.