Questões da Prova da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) - Contador (2017)

Limpar Busca

A partir da leitura do Texto I, depreende-se que, para o autor,

  • A o choro só é permitido às crianças, que sempre têm boas razões para chorar.
  • B o choro de um adulto é uma aberração da natureza, pois adultos não choram.
  • C o pranto é um meio de aliviar as tristezas, não importando a idade de quem chora.
  • D o pranto significa a vontade de lutar pelo que se deseja na vida adulta.
  • E o pranto é uma válvula de escape para a conquista de problemas recorrentes.

Considere o excerto “Um adulto chorando era incompreensível para mim, um acontecimento pasmoso, uma aberração da natureza, pois os adultos podiam tudo e tudo lhes era permitido” (linhas 9-10). Considere, ainda, os seguintes fragmentos desse excerto:

(1) “Um adulto chorando era incompreensível para mim, um acontecimento pasmoso, uma aberração da natureza,”

(2) “pois os adultos podiam tudo e tudo lhes era permitido”.


Estabelecendo-se uma relação de sentido entre (1) e (2), é CORRETO afirmar que o excerto apresenta

  • A uma aparente contradição: se, em (2), tudo é permitido aos adultos, isso incluiria permissão para chorar; no entanto, em (1), o fato de o adulto poder tudo não justifica a incompreensão do choro.
  • B duas opiniões divergentes: em (1), o autor refere-se à incompreensão em relação ao choro do adulto, enquanto, em (2), restringe o choro à criança por esta ser mais sensível e ter motivos para chorar.
  • C uma oposição: se, em (2), tudo é permitido aos adultos, e isso prevê o choro, em (1) não existe sentido em dizer que somente a criança tem muitas razões para chorar, mesmo que seja escondido.
  • D duas possibilidades de interpretação: em (1), o fato de que o adulto tem autonomia e, portanto, não precisa conter o choro; em (2), o fato de que a criança tem vários motivos para chorar, desde o seu nascimento.
  • E um contraste entre a infância e a vida adulta: em (1), o adulto pode fazer e querer tudo; em (2), o adulto está circunscrito a uma situação que restringe suas escolhas e o obriga a se contentar com o que lhe é oferecido.

Com a expressão “O poeta encontrou uma pedra no meio do caminho” (linha 1), o autor faz referência a

  • A um belo conto, tendo em vista o recurso da coesão referencial.
  • B outra crônica, usando o recurso da coesão anafórica.
  • C um triste poema, fazendo uso da metaforização.
  • D um famoso poema, utilizando-se da intertextualidade.
  • E outra peculiar crônica, por meio do intertexto.

O prefixo “in-”, geralmente, é anexado a uma palavra a fim de produzir um sentido de negação do seu significado, como ocorre em “inexpugnável” (linha 7). Esse sentido de negação NÃO está presente em

  • A inalienável.
  • B inexprimível.
  • C intocável.
  • D inaudível.
  • E inflamável.

No excerto “Queria ganhar uma bicicleta e fora convencida a continuar com o insípido velocípede?” (linhas 14 e 15), a expressão “fora convencida” pressupõe a ação de alguém

  • A capaz de persuadir a moça.
  • B impossibilitado de atender à moça.
  • C obrigado a modificar a atitude da moça.
  • D preparado para prender a atenção da moça.
  • E incapaz de lidar com as escolhas da moça.