Questões de Vanguardas Europeias (Literatura)

Limpar Busca
O Jeca Tatu, que desponta no artigo “Velha Praga”, incluído em Urupês, é o símbolo do atraso e ignorância do homem rural paulista, responsável pela devastação das matas da Mantiqueira, pela prática agrícola da queimada (coivara) e pela decadência da agricultura da região. O Jeca foi tomado como símbolo nacionalista em discurso famoso de Rui Barbosa, no Senado, transformou-se depois, em garotopropaganda de um conhecido fortificante, o Biotônico Fontoura. Posteriormente, o autor reconhece que o Jeca Tatu, embora possuísse todos os defeitos que apontou, ainda era a melhor coisa que o Brasil possuía. Em 1947, em outro livrinho. O Zé Brasil, o autor retoma a figura do Jeca, mas em outra perspectiva: o sistema econômico brasileiro é o culpado de tudo, tudo pertence a uns poucos homens, e os milhões de jecas-tatus e zés-brasis é que pagam... Jeca Tatu simboliza a situação do caipira brasileiro, abandonado pelos poderes públicos às doenças, ao atraso econômico, educacional e à indigência política. Jeca Tatu, um caipira de barba rala e calcanhares rachados, porque não gostava de usar sapatos, era pobre, ignorante e avesso aos hábitos de higiene urbanos. Morava na região do Vale do Paraíba (SP), distinta por seu atraso, naquela época. O criador da personagem Jeca Tatu é:
  • A Rui Barbosa.
  • B Monteiro Lobato.
  • C Euclides da Cunha.
  • D Lima Barreto.
Para desvirginar o labirinto Do velho e metafísico Mistério, Comi meus olhos crus no cemitério, Numa antropofagia de faminto!
A digestão desse manjar funéreo Tornado sangue transformou-me o instinto De humanas impressões visuais que eu sinto, Nas divinas visões do íncola¹ etéreo²!
Vestido de hidrogênio incandescente, Vaguei um século, improficuamente³, Pelas monotonias siderais...
Subi talvez às máximas alturas, Mas, se hoje volto assim, com a alma às escuras, É necessário que ainda eu suba mais!
(“Solilóquio de um Visionário”, de Augusto dos Anjos, Eu e Outras Poesias)

¹íncola: habitante
²etéreo: referente ao céu
³improficuamente: inutilmente
Augusto dos Anjos é um poeta contextualizado no Pré-Modernismo, época literária em que houve um entrecruzamento de várias posturas artísticas. Assinale a opção que traz um aspecto de estilo não incorporado no poema acima.
  • A Do Modernismo, em sua fase inicial, a busca pela hegemonia da cultura popular, com linguagem acessível.
  • B Do Parnasianismo, o rigor formal, a escolha do soneto com uso de rimas ricas, ou seja, com palavras de classes gramaticais diferentes.
  • C Do Simbolismo, a evocação do aspecto espiritual, mais as referências ao metafísico, etéreo, vago e misterioso.
  • D Do Naturalismo, a utilização de vocabulário científico (“hidrogênio”) e imagens agressivas, antirromânticas.
  • E Do Expressionismo, o gosto pelo grotesco, com imagens deformadas, pelo tom de exagero.

Leia o fragmento para responder a QUESTÃO .

Horácio não gostava de ser contestado, mas compreendeu não era bom tema de conversa. Voltou à literatura, aconselhando os outros a lerem Drummond de Andrade, na sua opinião o melhor poeta de língua portuguesa de sempre. Qual Camões, qual Pessoa, Drummond é que era, tudo estava nele, até a situação de Angola se podia inferir na sua poesia. Por isso vos digo, os portugueses passam a vida a querer-nos impingir a sua poesia, temos de a estudar na escola, e escondem-nos os brasileiros, nossos irmãos, poetas e prosadores sublimes, relatando os nossos problemas e numa linguagem bem mais próxima da que falamos nas cidades. Quem não leu Drummond é um analfabeto. Os outros iam comendo, trocando de vez em quando olhares cúmplices. Até que Malongo e Vítor terminaram a refeição. Malongo despediu-se, levantando-se, um analfabeto vos saúda. Vítor e Furtado riram, Horácio fingiu que não ouviu. Agarrou no braço de Furtado e continuou a cultivá-lo com versos de Drummond e os seus próprios, dedicados ao grande brasileiro.
Fonte: PEPETELA. A geração da utopia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 2000, p. 30-31 (fragmento).


No fragmento do romance do escritor angolano Pepetela, Horácio aconselha seus amigos Malongo, Vítor e Furtado a lerem o poeta Drummond de Andrade.
Analise as afirmativas a seguir.

I. A poesia de Drummond é melhor que a de Camões e de Pessoa.
II. Há uma aproximação entre a literatura de Drummond e a realidade angolana.
III. Nas escolas portuguesas se estuda a poesia de Drummond.
IV. A poesia de Drummond está sendo usada para alfabetizar nas escolas angolanas.
V. As obras dos literatos brasileiros possuem uma linguagem próxima a dos angolanos nas cidades.


Assinale a alternativa CORRETA.

  • A Apenas as afirmativas II, IV e V estão corretas.
  • B Apenas as afirmativas II, III e IV estão corretas.
  • C Apenas as afirmativas I, II e V estão corretas.
  • D Apenas as afirmativas I, III e V estão corretas.
Manoel Wenceslau Leite de Barros foi um poeta brasileiro do Século XX, pertencente, cronologicamente, à geração de 45, mais formalmente ao Pós-Modernismo Brasileiro, situando-se mais próximo das vanguardas europeias do início do Século XX, da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswald de Andrade. Sobre o poeta mato-grossense, marque os itens com V (verdadeiro) ou F (falso) e assinale a alternativa correta:
( ) Sua poesia tem como uma das principais características o pantanal, indo sua temática para muito além do paisagismo inócuo. ( ) Seus poemas se plasmam, por meio de sua natureza e de seu cotidiano, a linguagem poética procura transformar em tátil, olfativo, visual, gustativo e auditivo aquilo que é paradoxalmente abstrato. ( ) Transfigurando poeticamente o universo em suas aparentes e visíveis minúcias, sublinha em realidade, a estreita dimensão dos seres humanos diante da natureza, diante da linguagem, diante do cosmos. ( ) Aborda o uso de vocabulário coloquial-rural e de uma sintaxe que homenageia a oralidade e a oralitura, ampliando as possibilidades expressivas e comunicativas do léxico por meio da formação de palavras novas (neologismos).
  • A V - V - V - V.
  • B V - F - V - V.
  • C V - V - F - V.
  • D V - V - V - F.

O poema anterior pertence a um dos primeiros momentos da Literatura Nacional, o ........................., que vai de 1836 (com a obra ....................... de ..........................) até 1881, quando Machado de Assis publica .................................


Assinale a alternativa que completa as lacunas do texto anterior, com correção e na ordem em que se encontram.

  • A Indianismo – Caramuru – Santa Rita Durão - Helena
  • B Romantismo – Suspiros Poéticos e Saudades – Gonçalves de Magalhaes – Memórias Póstumas de Brás Cubas
  • C Bucolismo – Prosopopeia – Bento Teixeira – Dom Casmurro
  • D Naturalismo – O Mulato – Aluísio Azevedo – Dom Casmurro
  • E Parnasianismo – I Juca Pirama – Gonçalves Dias – Memorial de Aires