Questões de Parada Cardiorespiratória (PCR) (Enfermagem)

Limpar Busca

Em relação ao Suporte Básico de Vida para Adultos e Qualidade na Reanimação Cardiopulmonar, aplicados por profissionais de saúde, segundo a AHA (2015), assinale a afirmativa correta.

  • A Comprimir o tórax em uma profundidade de pelo menos 3 polegadas a cada compressão.
  • B Realizar ventilações boca a boca a cada 15 compressões torácicas.
  • C Realizar as compressões torácicas em uma frequência de 100 a 120 compressões por minuto.
  • D Otimizar a interrupção das compressões a cada ciclo de 30 compressões para 2 ventilações para checagem do pulso femural em no mínimo 15 segundos.
Em PCR de ritmos não chocáveis, a American Hearth Association recomenda administrar a epinefrina o mais rápido possível e RCP de alta qualidade, pois:
  • A Isso pode resultar na eliminação do ritmo e na recuperação de um ritmo organizado e, em seguida, de um ritmo de perfusão, mesmo antes da administração dos medicamentos.
  • B Ao administrar a epinefrina, imediatamente, após o primeiro choque, entende-se que as pessoas que efetuam a intervenção, não saberão se a FV/TVSP foi eliminada.
  • C Há necessidade de se otimizar a pressão de perfusão cerebral, porque um ventrículo isquêmico, sem ritmo espontâneo, tem probabilidade de permanecer nessa condição, a não ser que a perfusão coronária (do miocárdio) melhore.
  • D Não há evidências para determinar se é melhor administrar um agente antiarrítmico antes, ou depois da epinefrina, e nem mesmo, quando o antiarrítmico deve ser administrado; essa decisão pode depender da acuidade das circunstâncias.
Os aspectos fundamentais do Suporte Básico de Vida (SBV) no adulto, incluem: reconhecimento imediato da PCR, contato com o sistema de emergência, início da RCP de alta qualidade e uso do DEA, logo que disponível. Sendo assim, marque a alternativa que não corresponde aos aspectos principais a serem observados nas compressões torácicas.
  • A Frequência.
  • B Sincronicidade.
  • C Retorno do tórax a cada compressão.
  • D Interrupção mínima.

De acordo com as atualizações da American Heart Association (AHA) publicadas em 2020, a cadeia de sobrevivência no ambiente extra-hospitalar apresenta 6 etapas, as quais segue a sequência:

  • A Ressuscitação cardiopulmonar (RCP) de alta qualidade, acionamento do serviço de emergência, ressuscitação avançada, desfibrilação, cuidados pós-PCR (polimerase chain reaction - reação em cadeia da polimerase) e recuperação.
  • B acionamento do serviço de emergência, RCP de alta qualidade, desfibrilação, ressuscitação avançada, cuidados pós-PCR e recuperação.
  • C desfibrilação, acionamento do serviço de emergência, RCP de alta qualidade, ressuscitação avançada, recuperação e cuidados pós-PCR.
  • D ressuscitação avançada, desfibrilação, RCP de alta qualidade, acionamento do serviço de emergência, recuperação e cuidados pós-PCR.

A equipe do SAMU foi acionada para uma situação de PCR identificada por um transeunte na Praça do Ferreira. Você é o enfermeiro que prestou o primeiro atendimento à vítima e estudou recentemente acerca do algoritmo de PCR para adultos apresentado nas atualizações publicadas pela American Heart Association (AHA), em 2020, portanto, sabe que:

  • A a adrenalina deve ser aplicada imediatamente nas situações de ritmos não chocáveis (assistolia e atividade elétrica sem pulso - AESP).
  • B as compressões devem ser iniciadas tão logo se identifique a não responsividade da vítima e ausência de pulso central por, pelo menos, 10 segundos.
  • C a verificação do ritmo deve ser sempre precedida da RCP e do fornecimento de oxigênio.
  • D em ritmos chocáveis, a carga de desfibrilação é de 360J, para aparelhos bifásicos, e 120 a 200J, para aparelhos monofásicos.