Resumo de Português - Vocativo

O vocativo é o termo da oração como chamamos ou abordamos o nosso interlocutor, seja ele real ou imaginário.

O vocativo não possui conexão sintática à outra expressão da oração, isto é, não é associada com o sujeito ou predicado, diferente do aposto que faz relação com o restante da frase.

O vocativo é um termo da oração que usamos diariamente. Veja abaixo exemplos:

  • Amigo, vamos assistir Vingadores hoje?
  • Lindos, nada de bagunça na sala de aula!
  • Ó menina, vem pra dentro que está trovejando.
  • Oh, meu bem, isso não é certo.
  •  Veja, minha querida, que lugar adorável.

Formação do vocativo

O vocativo pode ser constituído por:

  • Substantivos – Pedro, hora de ir para casa.
  • Adjuntos adnominais –  Força, minha querida, nós vamos vencer.
  • Pronomes pessoais do caso reto – Atenção, você, trafegue mais devagar.

Substantivo            

Os substantivos são usados para nomear seres, objetos, ações, lugares, etc. Existem nove tipos de substantivos: substantivo comum,  substantivo  próprio, substantivo coletivo, substantivo abstrato, substantivo concreto, substantivo composto, substantivo simples, substantivos primitivos e derivados. Eles posem der flexionados em gênero, número e grau.

Adjuntos adnominais

O adjunto adnominal é usado para determinar, especificar ou explicar um substantivo.

Esse termo tem função adjetiva na oração, que pode ser exercida por adjetivos, locução adjetiva, artigos, pronomes adjetivos e numerais adjetivos.

Pronome pessoal do caso reto

Os pronomes pessoais substituem o substantivo, fazendo a indicação direta das pessoas do discurso. Os pronomes pessoais podem variar de acordo com sua função nas orações, eles podem ser do caso reto ou do caso oblíquo.

Vocativo e aposto

Aposto e vocativo são confundidos com frequência. Para que isso não ocorra é necessário ficar atento à diferença entre eles. O aposto constitui uma relação sintática com outro termo da oração, já o vocativo não cria relação sintática com nenhum termo da oração.

Aposto: Aquela criança, a Eduarda, ainda não lanchou.

Vocativo: Eduarda, venha lanchar!

Através desses exemplos, podemos perceber que o aposto Eduarda se refere ao substantivo criança, esclarecendo-o. O vocativo Eduarda é um termo, que não se relaciona com os demais termos da oração.

Além disso, o aposto pode aparecer ou não destacado por sinais de pontuação. O vocativo sempre aparecerá destacado com sinais de pontuação.

Aposto destacado com sinais de pontuação:

Mariana, a filha do casal, declarou que ficaria em casa.

Aposto não destacado com sinais de pontuação:

A filha do casal Mariana declarou que ficaria em casa

Vocativo sempre destacado com sinais de pontuação:

Filha, é importante ficar em casa!

Vocativo e vírgula

Consegue identificar um  erro no trecho abaixo?

Oi amigo. Tudo tranquilo?

Caso tenha percebido que faltava a vírgula entre “Oi” e “amigo”, você acertou.

Forma correta: Oi, amigo. Tudo tranquilo?

Um dos erros de português mais comuns é a falta da vírgula do vocativo.

Observe alguns exemplos do emprego da vírgula na forma correta:

  • Rosa, vamos ao teatro?
  • Obrigado, professor.
  • Bom dia, Amanda.
  • Boa noite, minha filha.
  • Boa tarde, Letícia.
  • Olá, professora.
  • Olá, gente.        
  • Tudo bem, meu tio?
  • Parabéns, meu querido!
  • Feliz aniversário, meu bem!
  • Querido amigo, desejo-lhe boa prova.
  • Oi, amigo.
  • Oi, querido.
  • Oi, meu amor.
  • Oi, pessoal!
  • Oi, gente!
  • Traga logo, meu filho, o presente que você me prometeu.
  • Na vida, querido, não se pode ter tudo.
  • Espere, Alexandre, que eu já estou chegando.

A vírgula que separa o vocativo do resto da oração é obrigatória. Se a vírgula do vocativo não for empregada, o significado pode ser alterado.

Veja essas frases:

  • Você viu o funcionário Roberto?
  • Vou lhes contar outro caso pessoal.
  • Ouça minha amiga.
  • Você conhece Ana?
  • Não é minha amiga?
  • Não é mesmo Ricardo Silva?

Agora, com vírgula:

  • Você viu o funcionário, Roberto?
  • Vou lhes contar outro caso, pessoal.
  • Ouça, minha amiga.
  • Você conhece, Ana?
  • Não é, minha amiga?
  • Não é mesmo, Ricardo Silva?

O sentido da frase pode ser alterado completamente. Por isso, não podemos desmerecer a importância da vírgula do vocativo. Ela é obrigatória.

Vocativo em situações formais

Em momentos formais, o vocativo é formado por pronomes de tratamento ou locução de adjetivo + substantivo. No Enem, por exemplo, o candidato que utiliza de forma correta essa regra mostra que sabe usá-los em diferentes situações.

Veja os exemplos:

Discurso à comunidade do Colégio

Senhor diretor, senhores professores e senhoras professoras, colegas de estudo, boa tarde,
É com grande satisfação que….

Carta ao presidente

Local e data.

Ao Excelentíssimo senhor presidente Fulano de tal

Excelentíssimo senhor,
Escrevo para….

Carta ao reitor da universidade

Local e data.

Ao magnífico reitor, da universidade Tal, Professor Doutor Fulano de tal

Magnífico reitor,
Escrevo para…

Atenção! Não é preciso memorizar os pronomes de tratamento e locuções. Prezado Senhor ou Prezados Senhores e outros pronomes de tratamento simples já bastam.

Resumo sobre vocativos

O vocativo é o termo da oração utilizado para chamar ou abordar o interlocutor, seja ele imaginário ou real. Não possui conexão sintática com outra expressão da oração, ou seja, não é ligada com o sujeito ou predicado.

É muito comum a utilização do vocativo no dia a dia, como, por exemplo:

  • Amigo, você vem aqui em casa amanhã?
  • Olha, meu amor, que bela cidade.
Voltar

Questões