Resumo de Biologia - Vesícula biliar

A vesícula biliar é um órgão que fica junto ao fígado. Ela ajuda na digestão dos alimentos através do líquido verde que abriga: a bile. Essa substância é responsável por dissolver as partículas de gorduras que são ingeridas.

De igual forma aos rins, a vesícula biliar pode fazer cálculos. O que leva a essa produção, tanto pode ser as irregularidades no sistema digestório ou na alimentação, bem como a combinação desses dois fatores aliados à predisposição genética.

A bile

Chamada também como bílis, a bile é um líquido verde e de sabor amargo. Ela é produzida no fígado e fica reservada na vesícula para ser usada quando a digestão envolve gorduras.

A composição da bile é:

  • Água
  • Bicarbonato de sódio
  • Pigmentos
  • Gordura
  • Sais inorgânicos
  • Colesterol
  • Ácidos

Trajetória da bile

Primeiro a bile é produzida no fígado e passa para a vesícula. Quando necessário ela entra no processo digestivo: circula pelos ductos biliares e termina o seu trajeto no intestino. Quando chega nessa última fase, a bile emulsiona as gorduras fazendo com que as pequenas partículas lipídicas (as gorduras) aumentem o tamanho. Dessa forma, essas partículas ficam expostas à ação das enzimas que finalizam o processo de digestão.

Doenças que acontecem na vesícula biliar

Mesmo sendo pequena, a vesícula biliar tem uma função importante no corpo. Quando ela adoece ou tem algum tipo de dificuldade do seu trabalho natural, todo o corpo pode sentir sérios sintomas.

Esse órgão deixa de funcionar corretamente quando inflama ou algo atrapalha suas vias de saída e entrada; tumores ou pedras são duas possibilidades de interrupções das atividades normais da vesícula.

Pedras na vesícula

A enfermidade mais conhecida que acomete a vesícula biliar é a formação de cálculos. As pedras na vesícula são constituídas basicamente por colesterol e sais biliares. Elas podem ter diversos tamanhos, tanto pedras pequenas como grãos, quanto outras tão grandes que ocupam toda a vesícula.

Os sintomas podem variar de acordo cada indivíduo. Tem pessoas que passam anos, até a vida toda, sem apresentar sintomas, enquanto outras têm mudanças leves e algumas têm grandes transtornos.

O indivíduo com pedras na vesícula biliar pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Intolerância a alimentos gordurosos;
  • Dor no lado direito do abdômen;
  • Dor nas costas;
  • Dor de cabeça;
  • Distensão abdominal;
  • Enjoos;
  • Vômitos;
  • Diarreias;
  • Cólicas na parte superior do abdômen.

Tratamento para pedra na vesícula

Há remédios que amenizam os sintomas dos cálculos na vesícula. De igual forma, existem dietas especiais receitadas por médicos, que também auxiliam no dia a dia do paciente enfermo.

O real tratamento para as pedras na vesícula biliar é a cirurgia de retirada total do órgão. Normalmente o médico, junto com a decisão do paciente, resolve retirar toda a vesícula porque a medicina entende que se ela produziu pedras a primeira vez certamente produzirá tempos depois da retirada dos primeiros cálculos. Assim, haveria a necessidade de uma nova cirurgia. Retirar o órgão exclui a possibilidade de nova formação de pedras.

Os cálculos biliares surgem por diversos motivos, entre eles idade, predisposição genética, má alimentação, problemas no fígado e/ou no restante do aparelho digestivo.

Colecistite

A colecistite é outra enfermidade que pode acometer a vesícula biliar. Trata-se de uma inflamação. Normalmente ela é causada pela existência de pedras no órgão. Mas há situações raras em que mesmo sem as pedras na vesícula a colecistite acontece.

Ela causa grandes transtornos. Os sintomas são fortes, desconfortáveis, agudos e podem se tornar crônicos. Eles são:

  • Dor abdominal que dura mais de seis horas;
  • Náuseas;
  • Febre.

A colecistite tanto pode ser aguda, como pode ser crônica. A forma aguda acontece subitamente. Isso quer dizer que ela é rápida, surge sem sinais prévios. O primeiro sintoma é uma dor intensa no abdômen, uma cólica forte na região da vesícula. Cerca de 95% das pessoas que tiveram a colecistite aguda tiveram pedras na vesícula. A dor surge quando as pedras tentam passar pelos ductos biliares, por serem corpos estranhos e maiores que a passagem, por isso o corpo reage com dor.

Quando não há pedras na vesícula, mas a região está inflamada, os médicos chamam o quadro de colecistite alitiásica. O órgão não tem cálculos, mas tem uma espécie de lama formada pelos mesmos componentes das pedras que levam aos incômodos.

Já a colecistite crônica é a inflamação repetitiva, ou seja, após várias crises agudas o paciente passa a ter um problema crônico.

Outras enfermidades

  • Doença da vesícula biliar de cálculos crônicos
  • Formações de tecidos (pólipos) na vesícula
  • Defeitos da vesícula biliar presentes no nascimento (congênito)
  • Colangite esclerosante
  • Gangrena ou abscessos
  • Tumores da vesícula biliar e do ducto biliar

A vídeo laparoscopia

A vídeo laparoscopia é uma técnica de cirurgia caracterizada por ser menos invasiva. Durante o procedimento são feitos, em média, três furos no abdômen para uma cirurgia de extração de vesícula, por exemplo. Ao contrário disso, a vesícula só pode ser retirada com uma cirurgia tradicional que faz um corte na região do órgão com cerca de 30 centímetros.

Esse tipo de cirurgia pode ser usado para diversos tipos de correções no aparelho digestivo, urinário e reprodutor. Mas ela é muito conhecida pela boa eficiência no caso das vesículas.

O cirurgião introduz, através de uma perfuração no abdômen, uma câmera acoplada a uma espécie de mangueira. Em outras duas ou três perfusões ele faz a operação sendo guiado pelo que vê através da câmera.

Essa técnica é escolhida pelo médico em comum acordo com o paciente, de acordo as restrições dele. As vantagens que a vídeo laparoscopia pode apresentar são a pouca invasão ao corpo e a rápida recuperação.

Voltar

Questões