Resumo de Biologia - Sarampo

O sarampo é uma doença infectocontagiosa causada pelo vírus morbillivirus. Ela é transmitida através do contato com secreções contaminadas, que normalmente são eliminadas na tosse ou espirro.

Além das secreções expelidas pelo nariz ou boca, a contaminação também é possível pela dispersão de gotículas com partículas virais que ficam no ar, uma vez que o vírus pode permanecer por tempo relativamente longo no ambiente, principalmente em locais fechados, a exemplo de hospitais e escolas.

Não existe uma causa determinante para o sarampo. Os surtos acontecem devido ao fluxo de pessoas suscetíveis a doença ou que ainda não foram vacinadas, já que a circulação do vírus é consequência de uma população que não está imune.

Veja no vídeo mais detalhes sobre o sarampo:

Sintomas do Sarampo

O período médio de incubação, isto é, o tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas, é de aproximadamente 12 dias. Entretanto, a transmissão do vírus pode ocorrer antes mesmo desse processo e estender-se até o quarto dia após o surgimento de placas vermelhas na pele.

Os sintomas do sarampo são:

  • Tosse;
  • Coriza;
  • Febre alta;
  • Mal-estar;
  • Encefalite;
  • Conjuntivite;
  • Fotofobia (sensibilidade a luz);
  • Perda de apetite;
  • Manchas avermelhadas sobre a pele, que começam no rosto e se estendem até os pés.

As manchas têm duração mínima de 3 dias. Além desses sintomas, em alguns casos, podem ocorrer infecção dos ouvidos (otite), diarreia, pneumonia, convulsões e lesões ao sistema nervoso.  

Depois da primeira fase existem os sintomas de remissão:

  • Manchas que vão escurecendo;
  • Diminuição da febre;
  • Descamação fina, com aspecto de farinha.

Em bebês, o primeiro sintoma  é a febre alta, que começa em torno de 39 °C e dura aproximadamente 3 dias. Depois disso, podem acontecer erupções de coloração rosada nos braços e pernas. Nesse período é normal que a criança fique mais irritada.

As complicações do sarampo atingem de forma mais agressiva os desnutridos, recém-nascidos, gestantes e indivíduos portadores de imunodeficiências, como as pessoas contaminadas pelo vírus HIV.

Diagnóstico

O diagnóstico do sarampo é basicamente clínico. O vírus é identificado através da realização de exames laboratoriais como o IgM para Sarampo ou PCR (reação da cadeia de polimerase).

Tratamento

Não há um tratamento específico para o sarampo, seja em adultos, crianças ou bebês. Como se trata de uma doença autolimitada, o tratamento é sintomático, ou seja, visa apenas o alívio dos sintomas.

Os pacientes devem manter uma rotina alimentar equilibrada, com alimentos saudáveis, e ingerir bastante líquido. Além disso, é recomendado o repouso absoluto durante todo o período de infecção ou pelo menos até O quatro dias depois do aparecimento das manchas, que é o momento de contágio. 

O médico, no entanto, pode aumentar esse período em casos de complicações, pois a doença se torna mais grave quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos.

Prevenção

A vacinação é a forma mais indicada de prevenir a doença, pois garante a eficácia em 97 % dos casos. Conforme a SBIM (Sociedade Brasileira de Imunização), a vacina contra o sarampo deve ser aplicada em duas doses.

A primeira é feita com a vacina tríplice viral (vacina para sarampo, rubéola e caxumba) e deve ser tomada a partir do 12° mês de vida da criança, enquanto a segunda é em função da vacina tetra viral (vacina para sarampo, rubéola, caxumba e varicela) e deve ser aplicada entre o 15° e o 24° mês. Ambas são oferecidas nos postos de saúde.

As doses são recomendadas para evitar surtos e garantir a imunidade das pessoas. Em casos de crianças que não foram vacinadas, o recomendado é evitar o contato com pessoas contaminadas.

Mulheres grávidas e adultos que não foram vacinados ainda na infância devem tomá-los. Para esse público serão oferecidas duas doses com intervalo mínimo de 30 dias.

A vacina deve ser tomada dentro de 72 horas em casos de contato com pessoas contaminadas. Nos indivíduos com  imunidade comprometida é aplicado o soro (imunoglobulina humana), que, se administrado até 5 dias do contato, elimina o vírus da doença.

Diferença entre sarampo e catapora

Embora sejam doenças infectocontagiosas, manifestadas através de lesões na pele, e que atingem principalmente as crianças, o sarampo e a catapora são completamente diferentes. A catapora ou varicela é causada pelo vírus Herpesvirus varicellae. Veja as características em comum e principais diferenças entre elas.

Pontos em comum

  • Acomete crianças;
  • São transmitidas através de gotículas de saliva, além da mãe para o feto durante a gravidez;
  • O tratamento é sintomático;
  • A prevenção é feita com vacinas.

Diferenças

  • A catapora raramente acomete os recém-nascidos;
  • As lesões da catapora começam com as manchas e depois evoluem para pequenas bolhas cheias de líquido amarelado que se espalham pelo rosto, corpo e couro cabeludo;
  • A catapora provoca coceiras no corpo;
  • A catapora também é transmitida pela secreção das feridas, já o sarampo pela secreção das vias respiratórias;
  • Na catapora, as lesões aparecem dentro de 24 h, enquanto no sarampo o surgimento das placas vermelhas pode levar até três dias.
Voltar

Questões