Resumo de Português - Pleonasmo

O pleonasmo é uma das figuras de linguagem que acrescenta desnecessariamente informação na oração.

No contexto de fala informal é muito comum as pessoas utilizarem o pleonasmo, normalmente, por desconhecimento das regras gramaticais. Nesse caso, ocorre o uso de palavras com sentidos ou de significações próximas.

Na literatura, como nos textos de poesias, alguns poetas em determinadas construções sintáticas utilizam repetições intencionalmente para dar ênfase.

As letras de muitas músicas também são compostas utilizando-se desse recurso linguístico. Leia abaixo um refrão da música “Longe de você” de Charlie Brown Jr:

Longe de você eu enlouqueço muito mais
Eu vivo na espera de poder viver a vida com você
Vejo pessoas sem saberem pra onde o mundo vai
Eu conto as horas para estar com você [grifos nossos]

O autor da música “Longe de você” utilizou-se de pleonasmo porque todo mundo que vive, obviamente vive a vida. E consequentemente acrescentou duas palavras semanticamente próximas, “vivo” e “viver”.

Para eliminar esse vício de linguagem, a reconstrução da oração poderia ser da seguinte maneira: “Eu espero poder viver com você.”

O pleonasmo utilizado equivocadamente ou de forma intencional possui na gramática da língua portuguesa duas classificações – o pleonasmo literário e o pleonasmo vicioso. Continue lendo esse artigo e aprenda mais sobre o assunto.

Valor expressivo: pleonasmo literário

Com o objetivo de intensificar e reforçar ideias e palavras, propositadamente os poetas, escritores da literatura brasileira, compositores e cordelistas utilizam repetições e informações redundantes.

A utilização dessa figura de linguagem nesse caso específico é chamado de pleonasmo literário e a principal característica é o valor expressivo no texto.

Leia e observe o poema de Manoel de Bandeira:

Quando hoje acordei, ainda fazia escuro
(Embora a manhã já estivesse avançada).
Chovia.
Chovia uma triste chuva de resignação
Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da noite […]. [grifos nossos]

No quarto verso o poeta optou por acrescentar a palavra “chuva” sendo que essa ideia já está expressa no verbo chover, conjugado como “chovia”.

O emprego do pleonasmo literário também ocorre nos seguintes trechos de poesias e músicas abaixo. Leia e observe as palavras grafadas:

Exemplo 1

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal. [grifos nossos] (Fernando Pessoa)

O poeta Fernando Pessoa reforça a ideia de “mar salgado” com o acréscimo da palavra “sal”. Intencionalmente é uma frase escrita com redundância.

Exemplo 2

E rir meu riso
E derramar meu pranto. [grifos nossos] (Vinicius de Moraes)

O poeta e compositor brasileiro Vinicius de Moraes utiliza o verbo “rir” e o substantivo “riso” para chamar a atenção do leitor. Ele utilizou duas palavras com relações semânticas semelhantes.

Exemplo 3

Iam vinte anos desde aquele dia
Quando com os olhos eu quis ver de perto
Quanto em visão com os da saudade via. [grifos nossos] (Alberto de Oliveira)

Não existe outra forma de ver ou de enxergar que não seja com os olhos. Entretanto, apenas para dar mais expressividade à ideia da percepção, o poeta Alberto de Oliveira construiu esse pleonasmo literário.

Exemplo 4

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã [grifos nossos] (Chico Buarque)

O músico e escritor Chico Buarque ao compor a letra a música “Cotidiano” também utiliza-se do pleonasmo literário.

No terceiro verso a ideia de “sorriso” já está explicita no verso “sorri”. Mas o músico prefere usar a repetição de forma proposital.

Valor negativo: pleonasmo vicioso

Tanto na modalidade da língua oral quanto na língua escrita, o uso do exagero linguístico, ou seja, informações adicionais ou palavras com sentidos semelhantes que incorram no erro gramatical, tem valor negativo.

Assim, ao escrever qualquer tipo de gêneros textuais e não se ater às regras gramaticas, e sem querer cometer redundâncias e repetições, ocorre o chamado pleonasmo vicioso.

Da mesma forma acontece na fala informal. Sem um monitoramento linguístico é comum ocorrer os deslizes e infringir as regras gramaticais. Nesse caso, trata-se de um vício de linguagem porque o falante não se dar conta do “gramaticalmente correto”.

Leia abaixo as expressões mais comuns de pleonasmo vicioso e os seguintes exemplos:

  • entrar para dentro

Exemplo 1: Júlia, entre para dentro e pegue os biscoitos de chocolate.
Exemplo 2: Precisamos entrar para dentro do local da cerimônia.

  • anexar junto

Exemplo 3: Vou anexar junto todos os documentos, informou a secretária.
Exemplo 4: João anexou junto o envelope e as cartas.

  • ver com os olhos

Exemplo 5: Preciso ver a veracidade da cena com meus próprios olhos.
Exemplo 6: Quero te ver pela última vez com meus olhos.

  • elo de ligação

Exemplo 7: O único elo de ligação entre nós é nosso filho.
Exemplo 8: Nosso elo de ligação é o nosso amor.

  • conclusão final

Exemplo 9: Preciso fazer a conclusão final do meu trabalho.
Exemplo 10: O revisor fará a conclusão final do livro.

  • sair para fora

Exemplo 11: Carlos, saia para fora e chame sua irmã.
Exemplo 12: Turma, vamos sair para fora e lanchar debaixo da mangueira.

  • subir para cima

Exemplo 13: Joaninha, suba lá em cima e pegue as roupas do varal para mim.
Exemplo 14: Pedro e Cauã vão subir para cima do décimo andar do edifício.

  • multidão de pessoas

Exemplo 15: No feriado de Tiradentes o aeroporto de Guarulhos estava com uma multidão de pessoas.
Exemplo 16: Durante os festejos da Páscoa o shoppings centers da cidade ficaram com uma multidão de pessoas.

  • voltar atrás

Exemplo 17: Nosso sindicato não permitirá voltar atrás no acordo com os empresários.
Exemplo 18: Priscila, Rebeca e Maria não vão voltar atrás no compromisso firmado.

  • demasiadamente excessivo

Exemplo 19: Catarina, meu amor por você é demasiadamente excessivo, declarou o noivo apaixonado.
Exemplo 20: Desejo que Deus lhe conceda bênçãos demasiadamente excessivas meu filho. 

Voltar

Questões