Resumo de Português - Objeto Direto

O objeto direto completa o sentido do verbo transitivo direto, sendo então chamado de complemento verbal. Ele indica o ser que sofre a ação verbal.

Os verbos transitivos diretos são aqueles que não precisam de um complemento para concluir o seu sentido, respondendo principalmente às perguntas o quê? ou quem?. Eles não precisam de preposição para criar regência verbal.

Os objetos diretos são representados por: substantivos, pronomes substantivos, pronomes oblíquos átonos e orações subordinadas substantivas objetivas diretas.

Objeto direto representado por um substantivo:

  • Alana comeu a coxinha.
  • Márcia esperava o irmão.

Objeto direto representado por um pronome substantivo:

  • Separe isto com muito cuidado.
  • As famílias fizeram tudo para a festa dos noivos.

Objeto direto representado por um pronome oblíquo átono (o, a, os, as, me, te, se, nos, vos):

  • A prima deixou-a feliz.
  • Ele ama-o demais.

Objeto direto representado por uma oração subordinada substantiva objetiva direta:

  • Quero que você seja minha namorada.
  • Os trabalhadores não sabiam que era dia de despedimentos.

Objeto direto preposicionado

Quando o objeto direto vem precedido de preposição ele é classificado como objeto direto preposicionado. Isso ocorre quando:

  • Refere-se a um substantivo próprio;
  • Refere-se a um pronome oblíquo tônico;
  • Refere-se a um pronome indefinido;
  • Refere-se ao pronome relativo quem;
  • Refere-se aos numerais ambos e ambas;
  • Encontra-se antecipado na frase, sendo uma construção comum em provérbios;
  • Pretende-se evitar ambiguidade na leitura da frase.

Exemplos de objeto direto preposicionado:

  • Parabenizaram a mim, a Adriano e a todos.
  • Eu tenho um irmão a quem perguntar isso.
  • A empresa contratou a ambas.
  • Ao pai o filho idolatra.

Objeto direto pleonástico

Pleonasmo é uma das figuras linguagem, ele é caracterizado pela repetição do discurso a fim de ressaltá-lo. Dessa forma, quando o objeto direto é repetido para destacar um discurso é classificado como objeto direto pleonástico.

  • Aquela canção, ouvi-a muito na minha infância.
  • Os convites, a Rebeca recebeu-os.

Atenção! Às vezes, os verbos intransitivos podem surgir como objetos diretos, exercendo a função de verbos transitivos diretos:

  • Durante todo o filme chorei lágrimas de felicidade.
  • Ontem choveu uma chuva intensa e constante.

Figuras Linguagem

As figuras de linguagem são usadas para dar destaque às nossas mensagens. Elas podem ser classificadas em metáfora, hipérbole, eufemismo, ironia, elipse, zeugma, comparação, metonímia, antítese, paradoxo, prosopopeia, pleonasmo, anáfora, sinestesia, gradação, aliteração, polissíndeto, assíndeto e onomatopeia.

Objeto indireto

O objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto, obrigatoriamente acompanhado de uma preposição. O objeto indireto indica o elemento o qual a ação foi destinada.

Os verbos transitivos indiretos precisam de um complemento que conclua o seu sentido e responda as perguntas de quê?, para quê?, de quem?, para quem?, em quem?, dentre outras. O objeto indireto tem que ter uma preposição para criar regência verbal.

Esse objeto é representado por substantivos, pelos pronomes oblíquos lhe e lhes, e por orações subordinadas substantivas objetivas indiretas.

Objeto indireto representado por um substantivo:

  • Eu discordei da opinião do Gutemberg.
  • O aluno respondeu a pergunta da diretora.

Objeto indireto representado por um pronome oblíquo:

  • Enviei-lhes todas as cartas.
  • Afasta o animal de mim.

Objeto indireto representado por uma oração subordinada substantiva objetiva indireta:

  • O gerente da empresa necessita de que todos os funcionários estejam presentes na reunião.
  • As mães insistiram muito em que os jovens tivessem aulas de reposição.

Objeto indireto não preposicionado

Existem casos que o objeto indireto pode aparecer sem preposição, isso ocorre quando são representados por um pronome oblíquo (me, te, lhe, nos, vos, lhes) ou pelo pronome reflexivo se. Isso acontece porque esses pronomes representam as construções: a mim, a ti, a ele, a nós, a vós, a eles e a si.

  • O juiz declarou-me inocente.
  • Teu pai deu-te uma chance.

Objeto indireto pleonástico

Da mesma forma que ocorre com o objeto direto, o objeto indireto é pleonástico quando existe uma repetição do objeto indireto. Isso é feito para que o objeto indireto se torne mais eloquente, isto é, quando o objeto indireto aparece no começo da oração, sendo repetido após o verbo por um pronome oblíquo.

  • Aos meus pais, dei-lhes muito carinho.
  • Ao coordenador, pedi-lhe uma explicação.

É preciso ficar atento para não confundir o objeto indireto com o objeto direto preposicionado. O objeto indireto precisa da preposição para completar o sentido de um verbo transitivo.

O objeto direto pode utilizar preposição para concluir o sentido de um verbo transitivo de forma facultativa. Isso acontece para impedir ambiguidades ou por questões linguísticas.

Ao filho a mãe apanhou.

Ao filho é o objeto direto preposicionado do período. Confirmamos que o uso da preposição é facultativo se o invertermos: “A mãe apanhou o filho.” A mensagem está clara e correta, sem a necessidade da preposição.

Agora, observe:

À Recife eu vou.

Ao invertemos: “Eu vou Recife”, a mensagem deixa de fazer sentido, porque o uso da preposição é obrigatório. Assim, estamos diante de um objeto indireto.

Objeto Indireto x Complemento Nominal

Devemos ter cuidado para não atrapalhar o objeto indireto com o complemento nominal. O objeto indireto serve para completar o sentido de um verbo.

O papel do complemento nominal, por sua vez, é completar o sentido de um substantivo, adjetivo ou advérbio.

Exemplos:

  • Tenho medo de errar. (de errar = complemento nominal)
  • Fábia não acredita na sua habilidade. (na sua habilidade = objeto indireto)
  • Seja obediente às normas. (às normas = complemento nominal)
  • Joana não confia em Ana. (em Ana = objeto indireto)

Preposição

Ao longo do texto falamos muito de preposição, mas o que é preposição? Preposição é a palavra invariável que cria relação entre dois ou mais termos da oração.

As preposições podem ser de:

Lugar: O avião veio de Salvador.

Modo: Os alunos eram colocados em fila.

Tempo: Por dois anos ele morou aqui.

Distância: A cinquenta metros daqui passa um rio.

Causa: Com a seca, os bichos começaram a morrer.

Instrumento: Ele cortou o piso com a máquina.

Finalidade: A cidade foi enfeitada para o São João

Classificação das Preposições

As preposições são divididas em preposições essenciais e preposições acidentais:

Preposições Essenciais – São palavras que só atuam como preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.

Preposições Acidentais – São palavras de diferentes classes gramaticais que em alguns casos exercem a função de preposição: afora, como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, visto etc.

Voltar

Questões