Resumo de Biologia - Fígado

O fígado, originado do latim “ficatu”, é considerado a maior glândula e o segundo maior órgão que o corpo humano possui.

É uma glândula desenvolvida ligada ao tubo digestivo, que exerce funções essenciais para o organismo e executa alterações complexas de vários elementos, como a secreção de bile e  modificação de glicogênio em glicose.

Características do Fígado

O fígado é um anexo do sistema digestivo e funciona como uma glândula exócrina que libera as secreções em um conjunto de tubos que se abrem na região externa. Ele também funciona como glândula endócrina porque solta substâncias no sangue ou nos vasos linfáticos. 

De superfície lisa e cor vermelho-escuro, o fígado é dividido em quatro lobos: direito; esquerdo; caudado e quadrado.  O lobo direito é bem maior que o esquerdo. Cada lobo é constituído por muitas células, chamadas de hepatócitos.

O órgão fica localizado no lado direito do abdômen, no hipocôndrio direito, no epigástrio e em uma pequena parte do hipocôndrio esquerdo, embaixo do diafragma. Costuma pesar entre 1,3 e 1,5 kg em pessoas adultas. Nas crianças,  tem uma proporção maior em relação ao corpo, cerca de 1/20 do peso total de um bebê recém-nascido.

O fígado é tão grande quando a criança está na primeira infância, que é possível senti-lo no lado direito, embaixo da margem inferior das costelas.

A glândula possui intensa e rápida capacidade de regeneração. Nele não existem nervos e, apesar da cápsula que o envolve ser enervada, não costuma apresentar sinais quando alguma doença o atinge.

Se houver algum impacto forte pode provocar a ruptura dessa cápsula que o encobre e causar uma dilaceração instantânea do seu tecido. Essas lesões são sérias e muito graves, muita das vezes até fatais, por conta da grande quantidade de sangue que se perde devido aos vasos sanguíneos que o constituem.

Funções

O fígado exerce várias funções importantes no organismo humano, como:

  • Armazenamento de vitaminas (A, B12, D, E, K) e minerais (ferro, cobre);
  • Armazenamento e liberação de glicose;
  • Conversão de amônia em ureia;
  • Destruição das bactérias, das hemácias e células sanguíneas desgastadas;
  • Emulsificação de gorduras durante o processo de digestão através da secreção da bile;
  • Filtragem dos micro-organismos;
  • Lipogênese, produção de triacilglicerol (gorduras);
  • Metabolismo das proteínas;
  • Metabolismo dos carboidratos;
  • Metabolismo dos lipídios;
  • Participação na regulação do volume sanguíneo;
  • Possui importante ação de desintoxicação contra substâncias nocivas ao organismo (álcool, cafeína, gorduras);
  • Principal produtor de eritrócitos no primeiro trimestre de uma gestação e perde essa função nas últimas semanas da gravidez;
  • Processamento de drogas e hormônios;
  • Produção de bile;
  • Produção de proteínas nobres, como a albumina, que mantém a água dentro do organismo;
  • Reciclagem de hormônios;
  • Síntese da maioria das proteínas do plasma;
  • Síntese de albumina (importante para osmolaridade do sangue);
  • Síntese de angiotensinógeno (hormônio que aumenta a pressão sanguínea quando ativado pela renina);
  • Síntese de armazenamento e quebra do glicogênio;
  • Síntese de protrombina e fibrogênio (fatores de coagulação do sangue);
  • Síntese do colesterol que é metabolizado e excretado pela bile.

Doenças

As doenças do fígado geralmente são silenciosas e não demonstram sintomas, mas, um grande número pode atingir qualquer indivíduo. Seguem os exemplos:

Alfa-1 Antitripsina (AAT)

Distúrbio genético com diversas implicações clínicas que afeta principalmente o fígado e os pulmões.

Câncer de Fígado

É uma doença que possui como principais fatores de risco a cirrose e as infecções crônicas provocadas pelos vírus das hepatites B e C.

Cirrose Biliar Primária (CBP)

Doença autoimune, colestática e inflamatória, é caracterizada pela destruição dos ductos biliares intra-hepáticos e colestase.

Cirrose Hepática

Lesão hepática crônica, resultado de várias causas, que provoca a formação de cicatrizes e insuficiência hepática.

Colangite Esclerosante Primária (CEP)

Doença crônica causada pela inflamação e cicatrização progressivas das vias biliares intra e extra-hepáticas.

Doença de Wilson

Também chamada de degeneração hepatolenticular, é uma doença hereditária autossômica recessiva e sua principal característica é o acúmulo tóxico de cobre nos tecidos, principalmente fígado e cérebro. isso leva o portador a manifestar sintomas neuropsiquiátricos e hepáticos.

Doença Hepática Alcoólica

É a lesão causada pela ingestão excessiva de álcool, que pode provocar três tipos de lesões: acumulação de gordura (esteatose), inflamação (hepatite alcoólica) e aparecimento de cicatrizes (cirrose).

Doenças Hepáticas Causadas por Toxinas – Hepatotoxidade

São definidas como lesões causadas por medicações ou toxinas que levam anormalidades em exames laboratoriais hepáticos.

Doenças Metabólicas Hereditárias

É um grupo de doenças que causam deficiências ou defeitos enzimáticos.

Esteatose Hepática

É o acúmulo e/ou a infiltração de gordura no fígado.

Fibrose Hepática

É uma cicatrização exuberante em que o excesso de tecido conectivo se acumula no órgão.

Hemocromatose

É uma doença na qual acontece o depósito de ferro nos tecidos em virtude de excesso no organismo.

Hepatite Autoimune (HAI)

Doença causada por um distúrbio do sistema imunológico, que passa a reconhecer as células do órgão (principalmente hepatócitos) como estranhas.

Hepatites Virais Agudas

Inflamação hepática difusa causada por vírus hepatotrópicos específicos, que apresentam vários modos de transmissão e epidemiologia.

Hepatites Virais Crônicas

É aquela doença que persiste por mais de seis meses.

Hepatopatias ou Criptogênicas de Etiologia Desconhecida

Nome dado para descrever a doença crônica independente da etiologia.

Insuficiência Hepática

São as deficiências do órgão para desempenhar as funções de metabolizar e sintetizar proteína e a auto regeneração.

Patologias de Origem Autoimune

Qualquer condição que tenha origem em uma reação imunitária anormal, ou seja, o corpo ataca uma parte normal do seu próprio organismo.

Síndrome de Alagille

Também conhecida como displasia artériohepática, hipoplasia biliar intra-hepática, paralisia dos ductos interloculares da bile ou síndrome da escassez de ductos biliares intra-hepáticos, é uma doença genética que afeta órgãos como o fígado e coração.

Síndrome de Gilbert

 Doença de hepatopatia branda em que o órgão não processa adequadamente a bilirrubina.

Voltar

Questões