Resumo de Educação Física - Esportes Paralímpicos

Os Esportes Paralímpicos melhoram a condição cardiovascular dos praticantes, aprimora a força, a agilidade, a coordenação motora e o equilíbrio. Além de aumentar a autoconfiança e a autoestima das pessoas com deficiência, tornando-as mais seguras e otimistas.

Com isso, os Esportes Paralímpicos proporcionam a sociabilização com pessoas deficientes e não deficientes. Não só isso! tornam o indivíduo mais independente para a realização de suas atividades diárias e faz com que a sociedade conheça melhor as suas capacidades.

História dos Esportes Paralímpicos

Os Esportes Paralímpicos surgiram nos anos 40, a partir da necessidade de reabilitar os militares sobreviventes na Segunda Guerra Mundial e que tiveram algum membro amputado ou que passaram a utilizar cadeira de rodas. Organizada pelo médico Ludwig Guttman, essa competição esportiva foi realizada em Stoke Mandeville, na Inglaterra.

Mas, a 1ª Paralimpíada só aconteceu em 1960, em Roma, na Itália. Já em 1989, foi criado o primeiro Comitê Paralímpico Internacional e, em 2001, foi realizado o acordo entre essa entidade e o Comitê Olímpico Internacional (COI). Com isso, a cidade-sede das olimpíadas também pôde organizar os Jogos Paralímpicos.

A participação do Brasil começou em 1976, em Toronto, no Canadá. A primeira medalha veio quatro anos depois, junto com a criação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Esportes Paralímpicos Individuais

São esportes individuais executados por um atleta.

  • Atletismo: esporte voltado para deficientes físicos, visuais e intelectuais. Nessa modalidade há provas de corrida, salto, arremesso e lançamentos, tanto no feminino quanto no masculino;
  • Bocha: a competição consiste em lançar bolas coloridas o mais perto possível de uma branca, além de poder ser realizada individualmente, em dupla ou grupo;
  • Ciclismo: paralisados cerebrais, deficientes visuais, amputados e lesionados medulares (cadeirantes), competem no ciclismo adaptado. Os atletas podem competir em quatro tipos de bike, de acordo com a deficiência: convencionais, triciclos, handbikes e tandem (utilizadas por atletas com deficiência visual e os guias);
  • Esgrima em cadeira de rodas: a modalidade é realizada por atletas com deficiência locomotora, com amputações, lesão medular ou paralisia cerebral;
  • Hipismo: competem homens e mulheres que tenham deficiência físico-motora ou visual. Os cavaleiros são classificados de acordo com a sua deficiência e julgados pela sua capacidade ou habilidade equestre;
  • Judô: a modalidade é disputada por pessoas com deficiência visual, divididos em categorias de acordo com o peso corporal. O atleta inicia a luta já em contato com o quimono do oponente;
  • Natação: as adaptações são feitas nas largadas, viradas e chegadas. Os nadadores cegos recebem um aviso do assistente técnico (tapper), por meio de um bastão com ponta de espuma quando estão se aproximando das bordas;
  • Tênis de mesa: participam atletas com paralisia cerebral, amputados e cadeirantes. As competições são divididas entre andantes e cadeirantes, com jogos individuais, em duplas ou por equipes;
  • Triatlo: a prova engloba 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida, e pode ser praticada por pessoas com variados tipos de deficiência, como cadeirantes, amputados ou cegos.
  • Tiro Esportivo: a classificação dos atletas é feita de acordo com o equilíbrio, a mobilidade dos membros, a força muscular e o grau de funcionalidade do tronco;
  • Tiro com arco: pode ser disputado por pessoas com amputações, paraplégicos e tetraplégicos e paralisia cerebral. Além de pessoas com atrofia muscular e escleroses, com disfunções nas articulações, problemas na coluna e múltiplas deficiências;
  • Vela: os atletas são classificados de 1 a 7 pontos. O sistema de classificação é feito levando em consideração a estabilidade, a mobilidade, a visão e funções motoras do corpo;
  • Halterofilismo: atletas que possuem deficiência nos membros inferiores (amputados e lesionados) e paralisados. Os competidores executam um movimento chamado supino, deitados em um banco. Cada competidor tem três tentativas, sendo que o maior peso levantado é considerado o resultado final;
  • Remo: os atletas são divididos em classes conforme sua capacidade motora e cada classe compete utilizando um tipo de barco;
  • Paracanoagem: destinada aos atletas com deficiência físico-motora. As provas são com velocidade de 200m e 500m, em linha reta e águas calmas;
  • Tênis em cadeira de rodas: o atleta cadeirante precisa mandar a bola para o outro lado antes que ela toque no chão pela terceira vez;
  • Parataekwondo:  os atletas com deficiência auditiva, visual, intelectual, física podem competir na modalidade. O esporte é dividido por classe e por categorias de peso;

Esportes Paralímpicos Coletivos

Esportes coletivos executados com duas ou mais pessoas com deficiência.

  • Futebol de 5: exclusivo para cegos ou deficientes visuais, o esporte é composto por cinco jogadores (quatro jogadores vendados e um goleiro com visão total). O técnico, o goleiro e o guia (que fica atrás do gol) auxiliam os jogadores dizendo onde se posicionar e para onde devem chutar;
  • Futebol de 7: é praticado por atletas com paralisia cerebral, decorrente de sequelas de traumatismo crânio-encefálico ou de acidentes vasculares cerebrais;
  • Vôlei sentado: podem competir atletas com alguma deficiência física ou relacionada à locomoção. São 6 jogadores em cada time, divididos por uma rede de altura diferente e em uma quadra menor do que na versão olímpica da modalidade;
  • Goalball: esse esporte foi desenvolvido exclusivamente para pessoas com deficiência visual. A bola tem um guizo em seu interior para que os jogadores saibam sua direção, por isso, a torcida só pode se manifestar no momento do gol;
  • Basquete em cadeira de rodas: realizado em quadra, com cinco atletas por time, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola a cada dois toques dados na cadeira.

Esportes Paralímpicos de Inverno

  • Snowboard: cada atleta realiza três descidas em uma pista com diferentes saltos e obstáculos. A classificação funcional dos atletas se dá de acordo com o comprometimento dos membros superiores e com o comprometimento dos membros inferiores;
  • Biatlo:  é um esporte que combina esqui cross-country com tiro esportivo, duas disciplinas muito distintas. Os atletas são divididos nas categorias sentado, em pé e com deficiência visual.
  • Esqui cross country: o esquiador pode usar uma sit-ski, uma espécie de “trenó” adaptado com um par de esquis,  dependendo da deficiência. Já os deficientes visuais competem com um atleta-guia;
  • Esqui alpino: os atletas são classificados em categorias com deficiência visual, de pé e sentado, que competem também em um sit-ski e utilizam estabilizadores ao invés de bastões.
  • Hóquei no gelo: esporte rápido, altamente físico e jogado por homens e mulheres com deficiência física nos membros inferiores do corpo. Os jogadores usam trenós com duas lâminas, além de duas varas, uma com ponta para empurrar e outra para o tiro;
  • Curling em cadeira de rodas: as equipes, formadas por homens e mulheres, precisam elaborar estratégias que envolvam empurrar ou bloquear as pedras do outro grupo.
Voltar