Resumo de Geografia - Cordilheira dos Andes

A Cordilheira dos Andes é uma ampla cadeia acidentada formada por um conjunto contínuo de montanhas que se localiza ao longo da costa ocidental da América do Sul. Ela é considerada a maior do mundo em se tratando de comprimento, tem cerca de oito mil quilômetros de extensão. Sua largura varia entre 200 e 700 km e possui a altitude média de 4.000 metros.

Cordilheira dos Andes

A Cordilheira dos Andes é chamada de “Anti(s)” em quíchua – importante família de línguas indígenas da América do Sul, falada atualmente por cerca de dez milhões de pessoas de vários grupos étnicos de países, como: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru ao longo dos Andes. Quíchua é uma das línguas oficiais da Bolívia, do Equador e do Peru.

A Cordilheira dos Andes tem sua formação geológica originada do período terciário e o Monte Aconcágua é seu ponto culminante com 6.962 metros de altitude, localizado em território argentino. Os Andes ocupam áreas de vários países, como: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

A cordilheira atravessa todo o continente sul-americano, se estende da Venezuela até a Patagônia. Ela caracteriza a paisagem de Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru que também são chamados de América Andina – constituição dos países da América do Sul que são atravessados pela cordilheira dos Andes.

O surgimento da cordilheira foi o resultado de um choque que aconteceu entre duas placas tectônicas, a placa de Nazca se moveu em direção à placa Sul-americana. Quando as duas placas se chocaram, há milhões de anos, a placa de Nazca por ser mais densa, penetrou por debaixo da placa Sul-americana, provocando a elevação do terreno sobre a região do choque e esse evento originou as montanhas elevadas, formando a cordilheira do Andes.

A parte meridional funciona como uma longa fronteira natural entre Argentina e Chile. Já na zona central, os Andes se expandem e dão lugar para um elevado planalto chamado de Altiplano, compartilhado por Bolívia, Chile e Peru. A cordilheira volta a se estreitar no norte do Peru, se alarga na Colômbia e novamente se estreita e se divide quando entra na Venezuela.

Nas regiões da Colômbia e da Venezuela, a cordilheira se ramifica e se estende até a proximidade do mar do Caribe. Especialistas acreditam que a Cordilheira surgiu gradativa e lentamente. Mas pesquisas de geólogos reiteraram essa teoria, sinalizando que a cadeia de montanhas surgiu de repente.

A Cordilheira dos Andes possui zonas climáticas bem distintas, por causa da extensão no sentido dos meridianos. Semiárido é o clima da zona, que sofre uma constante variação junto com a vegetação da região. O clima frio é predominante, com nevascas em altitude, que são bastante comuns.

Picos

A região norte da Argentina e do Chile partilham dos picos mais altos dos Andes. Depois vem o Peru com a Cordilheira Branca, a Bolívia com a Cordilheira Real e os Andes Equatorianos. O Aconcágua localizado na Argentina é o maior cume e mede 6.962 metros de altitude, ele é o ponto mais alto do continente americano.

O Nudo de Vilcanota que fica na região sul do Peru, atinge seu ponto mais elevado no monte Ausangate que mede cerca de 6.384 metros de altitude. Há ainda, o glaciar de Quelccaya, um dos dois únicos glaciares planos existentes na zona tropical do planeta Terra. Segue a lista dos picos mais altos da Cordilheira dos Andes:

  • Aconcágua – Argentina: montanha mais alta fora da Ásia (6.962 m).
  • Ojos del Salado – Argentina / Chile: é um estratovulcão, considerado o vulcão mais alto do mundo (6.893 m).
  • Monte Pissis – Argentina: terceiro ponto mais alto do continente americano (6.793 m).
  • Mercedario – Argentina: é divulgado que mede 6.770 m, mas não existe uma informação precisa dessa altitude e sim uma estimativa dada pela Missão Topográfica Radar Shuttle (SRTM), (6.720 m).
  • Huascarán – Peru: o mais meridional dos picos dos Andes peruanos (6.768).
  • Bonete Chico – Argentina: é a quarta montanha mais alta do continente americano (6.759 m).
  • Llullaillaco – Argentina / Chile: é um estratovulcão, a última erupção explosiva aconteceu em 1877 (6.739 m).
  • Yerupaja – Peru: é a montanha mais alta da cordilheira Huayhuash (6.635 m).
  • Tupungato – Argentina / Chile: é um vulcão (6.570 m).
  • Nevado Sajama – Bolívia: é um estratovulcão extinto que forma um cone isolado, é o monte mais alto da Bolívia (6.542 m).

Outros Picos

Picos importantes da Cordilheira dos Andes:

  • Illimani – Bolívia (6.438 m)
  • Illampu – Bolívia (6.368 m)
  • Ausangate – Peru (6.384 m)
  • Vulcão Parinacota – Bolívia / Chile (6.348 m)
  • Chimborazo – Equador (6.268 m)
  • Salcantay – Peru (6.271 m)
  • Cerro Plata – Argentina (5.828 m)
  • Licancabur – Bolívia / Chile (5.920 m)
  • Cotopaxi – Equador (5.897 m)
  • Nevado del Huila – Colômbia (5.364 m)
  • Cerro Vallecitos – Argentina (5.550 m)
  • Nevado del Ruiz – Colômbia (5.311 m)
  • Tungurahua – Equador (5.023 m)
  • Pico Bolívar – Venezuela (4.978 m)

Voltar

Questões