Resumo de Geografia - Bandeira de Portugal

A bandeira de Portugal é o principal símbolo da nação. Conhecida oficialmente como bandeira nacional, ela também é chamada pelos nomes de Bandeira de Quinas ou Bandeira Verde-Rubra.

Características da bandeira de Portugal

A bandeira de Portugal é composta basicamente por duas faixas verticais. Do lado esquerdo, a cor verde, representando 40% da bandeira, e do lado direito, a cor vermelha, correspondendo a 60%.

A cor vermelha significa a conquista, a virilidade e a alegria, além de representar o sangue derramado pelos portugueses durante as guerras. Já a cor verde simboliza a esperança do povo português, mas há controvérsia de que a cor também represente as florestas do seu território.

No centro, a bandeira de Portugal possui o Escudo de Armas de Portugal, assentado sobre a Esfera Armilar Manuelina.

Esfera armilar

A esfera armilar consiste em uma representação esférica do universo, pois se trata de uma ferramenta astronômica, na qual os navios se baseavam durante as grandes navegações. Isso porque o instrumento funcionava como uma espécie de bússola, que adotava o sol e as estrelas como ponto de referência.

O símbolo foi introduzido pelo rei D. Manuel I (1495-1521) e o representava como rei dos cinco continentes. Além disso, a esfera armilar da bandeira de Portugal foi símbolo pessoal do rei D. Henrique, considerado o navegador que tanto fez pelo desenvolvimento das expedições.

Escudo português

O escudo português está presente nas bandeiras nacionais do país desde 1143, sendo o principal e mais antigo símbolo da bandeira de Portugal. Atualmente, é composto por sete castelos amarelos desenhados sobre uma borda vermelha.

No fundo branco, por sua vez, há cinco escudos azuis, cada um, contendo cinco besantes, nome usado para classificar as moedas de ouro no Império Bizantino.

Na história do país há relatos de que os escudos da bandeira de Portugal tenham algo em comum com o chamado “Milagre de Ourique”. Milagre esse que conta sobre a aparição de Jesus Cristo para o conde Afonso Henriques, no qual o filho de Deus teria profetizado as suas vitórias na Batalha de Ourique.

História da bandeira

Antigamente, em meados de 1495, as bandeiras nacionais que representavam o país eram armorias, ou seja, tinham apenas um escudo sobre retalhos quadrados de tecido. Além disso, na Idade Média, elas eram utilizadas pelo exército durante as batalhas, a fim de representar cada senhor feudal.

Nessa época, os  monarcas possuíam a sua própria bandeira. A cada conquista de novos territórios ou então falecimento do rei, a bandeira passava por novas modificações. As cores predominantes eram azul e branco, enquanto que as cores verde e vermelha foram acrescentadas apenas com o surgimento da República Portuguesa.

O modelo final da bandeira de Portugal foi decidido por uma comissão, nomeada pelo governo no dia 15 de outubro de 1910, momento em que houve a Proclamação da República, já que os políticos não chegavam a um acordo comum sobre como deveria ser o símbolo português.

A comissão era formada pelo jornalista João Chagas, pelo pintor Bordalo Pinheiro e pelo escritor Abel Botelho. A aprovação do projeto foi estabelecida no dia 29 de novembro do mesmo ano.

Bandeiras militares de Portugal

Além do modelo oficial, Portugal possui outras estandartes nacionais, que são usadas para fins militares.

Elas foram estabelecidas pelo Decreto n° 150 de 1911. São elas: a Estandarte Nacional Padrão, usada em desfiles militares; a Jaque Nacional, usada em navios de guerra da Marinha de Portugal; e a Flâmula Nacional, usada em embarcações oficiais da Marinha.

Além disso, o decreto sobre o qual a bandeira está regulamentada descreve- a da seguinte forma:

Artigo 1.º A Bandeira Nacional, como símbolo da Pátria, representa a soberania da Nação e a independência, a unidade e a integridade de Portugal, devendo ser respeitada por todos os cidadãos, sob pena de sujeição à cominação prevista na lei penal.

O mesmo decreto estabelece regra de utilização da bandeira. Entre as regras principais estão:

  • A bandeira deverá ser hasteada todos os dias em órgãos de soberania, monumentos nacionais, institutos, empresas e outros edifícios públicos;
  • A bandeira nacional deverá permanecer hasteada entre as 9 horas e o pôr do sol;
  • Quando for hasteada durante a noite, a bandeira deve ser, sempre que possível, iluminada por meio de projetores;
  • Quando for decretado luto nacional, a bandeira será hasteada à meia altura durante toda a duração do decreto;
  • Quando for hasteada junto com outras bandeiras, a bandeira nacional de Portugal não poderá estar abaixo das outras, e ocupará:
  • Se houver dois mastros, o da direita;
  • Se houver três mastros, o do meio;
  • Se houver mais de três mastros, o da ponta direita, se o número for par ou o do meio, se for ímpar;
  • Sempre ocupará o topo mais alto.

Resumo sobre a bandeira de Portugal

A bandeira de Portugal é considerada um dos principais símbolos da nação. Ela também é conhecida como Bandeira de Quinas ou Bandeira Verde-Rubra.

Ela é composta por duas faixas verticais, sendo a do lado esquerdo, a cor verde, representando 40% da bandeira, e do lado direito, a cor vermelha, correspondendo a 60%. No centro tem-se Escudo de Armas de Portugal, assentado sobre a Esfera Armilar Manuelina.

Voltar

Questões