Resumo de Português - Antítese

Antítese é uma figura de linguagem que tem como principal característica a proximidade de palavras ou expressões de sentidos opostos. O termo tem origem grega “antíthesis”, que significa “oposição e contraste entre palavras e ideias”.

Os autores do período Barroco – estilo artístico que surgiu entre o final do século XVI e meados do século XVIII baseado nos excessos, contrastes e dualidades – se utilizaram muito da antítese para expressar os conflitos enfrentados naquele período, principalmente com relação à oposição entre fé e razão.

Antes de compreender as especificidades da antítese e como ela pode ser aplicada, é importante entender o que são figuras de linguagem.

Figuras de linguagem

Figuras de linguagem são recursos linguísticos utilizados em textos com o intuito de dar mais ênfase a comunicação ou provocar um determinado efeito na interpretação. Elas muitas vezes não exploram o sentido literal das palavras, e sim a sua sonoridade, e são classificadas em:

  • Figuras de palavras ou semânticas: são aquelas que usam palavras com um sentido não convencional com o objetivo de causar maior expressividade. Alguns exemplos são a metáfora, metonímia, catacrese, sinestesia, perífrase e comparação.
  • Figuras de pensamento: combinam ideias e pensamentos, como a hipérbole, eufemismo, paradoxo, apóstrofe, personificação, lilote, gradação e a antítese.
  • Figuras de sintaxe ou construção: apresentam uma diferença na estrutura gramatical da frase, como o zeugma, hipérbato, elipse, anacoluto, pleonasmo, anáfora, silepse e polissíndeto.
  • Figuras de som ou harmonia: possuem relação com a sonoridade das palavras, a exemplo da assonância, onomatopeia, aliteração e paronomásia.

Exemplos de antítese

A antítese é muito utilizada na linguagem oral e escrita com o intuito de reforçar o sentido de cada palavra, assim como o sentido da relação oposta entre elas. Veja abaixo alguns exemplos:

  • Residem juntamente no teu peito/um demônio que ruge e um deus que chora.” (Olavo Bilac)
  • “Meus olhos andam cegos de te ver.” (Florbela Espanca)
  • “Já estou cheio de me sentir vazio, meu corpo é quente e estou sentindo frio.” (Renato Russo)
  • “Eu vi a cara da morte, e ela estava viva”. (Cazuza)
  • “Eu presto atenção no que eles dizem, mas eles não dizem nada.” (Humberto Gessinger)
  • “Mas que seja infinito enquanto dure.” (Vinicius de Moraes)
  • “Uma menina me ensinou, quase tudo que eu sei, era quase escravidão, mas ela me tratava como um rei.” (Renato Russo).
  • Tristeza não tem fim, felicidade, sim.” (Vinicius de Moraes)
  • “O mito é o nada que é tudo.” (Fernando Pessoa)
  • “Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem”. (Renato Russo)
  • “Que vai, pisando a terra e olhando o céu.” (Vinicius de Moraes)

Observe que as palavras destacadas em cada frase apresentam sentidos completamente opostos. Veja mais alguns exemplos:

  • Meu avô, ex-boxista, gosta muito de me contar suas vitórias e derrotas.
  • Alegria e tristeza são duas constantes da vida.
  • No Rio de Janeiro, de um lado você vê pobreza, do outro lado você vê riqueza.
  • Todos os dias, os médicos lidam com a vida e a morte.
  • Sem a escuridão, não saberíamos apreciar a luz.

Na canção “Certas Coisas”, composta por Lulu Santos e Nelson Mota também é possível perceber de forma bastante clara a antítese:

“Não existiria som se não
Houvesse o silêncio
Não haveria luz se não
Fosse a escuridão
A vida é mesmo assim
Dia e noite, não e sim.”

Diferença entre antítese e paradoxo

De maneira geral, a antítese é muito confundida com o paradoxo pelo fato de ambas fazerem relação com palavras opostas. O Guia Estudo lhe ajuda a identificar a diferença entre eles.

O paradoxo é utilizado para representar ideias com sentidos opostos, não apenas palavras. Pode ser definido ainda com uma afirmação que aparenta ser verdadeira, porém que leva a uma contradição lógica. Para facilitar a compreensão, analise os exemplos abaixo:

“Se você quiser me prender, vai ter que saber me soltar.” (Tiranizar – Caetano Veloso)

Veja que o compositor, propositalmente, fez um paradoxo com as palavras prender e soltar de maneira que o ouvinte compreenda que o sentido é: se o eu-lírico quiser mantê-lo “preso” no relacionamento, terá que “soltá-lo”, ou seja, dar liberdade.

Veja outros exemplos de paradoxo:

  • “Ardor em… coração nascido./ Pranto por belos olhos derramado/ Incêndio em mares de água disfarçado/ Rio de neve em fogo convertido.” (Gregório de Matos)
  • Ele não encara a realidade, vive sonhando acordado.
  • Riquinho, personagem das HQs é o pobre menino rico.
  • O pobre demonstrou sábia ignorância.
  • Bastou ouvir o teu silêncio para chorar de saudades.” (Reinaldo Dias)
  • “Eu sou um velho moço.”
  • “É proibido proibir.” (Caetano Veloso)

A principal diferença entre antítese e paradoxo, portanto, é que a primeira ocorre quando há a aproximação de duas palavras com significados opostos na mesma frase, enquanto o paradoxo emprega ideias contrárias entre o mesmo referente na frase.

Veja os exemplos:

Antítese

“Onde queres bandido sou herói.” (Caetano Veloso)

Nessa frase, o personagem não é bandido e herói ao mesmo tempo. Uma segunda pessoa espera que ele seja o bandido, mas na verdade ele é o herói.

Paradoxo

“É ferida que dói e não se sente.” (Camões)

Como doer tem relação com o tato, é impossível sentir a dor e não sentir nada ao mesmo tempo. Portanto, apesar da aproximação de duas palavras de sentido contrário, há contradição.

Antítese no Enem

De maneira geral, as figuras de linguagem são um dos temas que caem com mais frequência na prova de Linguagens e Códigos do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Então, para se dar bem nas questões que abordarem esse assunto, é muito importante treinar, principalmente, a leitura de textos literários, pois neles a incidência de figuras de linguagem é maior.

Especificamente com relação a antítese, é imprescindível assimilar as suas características e principalmente a diferença entre ela e paradoxo, conforme já explicado nesse texto. Para isso, analisar exemplos e responder questões relacionadas ao tema, principalmente em provas de anos anteriores ajudarão bastante na compreensão de ambos.

Vale revisar também os conceitos de metáfora, metonímia, eufemismo e pleonasmo, que podem ser cobrados no Enem.

Voltar

Questões