Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) - Diversos Cargos (FAPEC - 2020) Questão 4

      A miscigenação brasileira é tão antiga quanto o Brasil. Começou na primeira geração de colonizadores portugueses, muitos dos quais se casavam com índias e adotavam modos tupi. Em meio à brutalidade da escravidão, ex-escravos africanos e filhos livres deles também se casaram com brancos e brancas, gerando uma população majoritariamente mestiça. José Bonifácio, o Patriarca da Independência e defensor da Abolição, já enxergava o casamento inter-racial como uma das grandes forças culturais da nova nação que ele ajudava a fundar. Você, que está lendo este texto, provavelmente tem um pouco dessas três origens (e de outras) no seu DNA.

      Na cultura, algo similar acontece. [...] A cultura oficial por muito tempo pretendeu ser europeia, embora contasse com expoentes mestiços e negros (como Padre Vieira, o poeta simbolista Cruz e Souza, Machado de Assis). Com o modernismo, hoje centenário, o valor da miscigenação finalmente entrou em nossa consciência, para não sair mais dela. 

      Dito isso, não existe racismo no Brasil, então? Claro que existe. E muito. Mesmo assim, as últimas décadas foram palco de um fenômeno positivo, que é a revalorização da nossa matriz africana e a afirmação da beleza negra e mestiça [...]. Essa beleza nunca deixou de ser notada, por exemplo, na música popular, mas era inferiorizada em grande parte da cultura e das relações humanas. 

      Ao trazermos para cá a militância americana, apagamos a mestiçagem brasileira como realidade social e como valor. Em vez de abraçar o que é brasileiro e livremente usado por pessoas de todas as cores e credos, essa militância reforça justamente aquilo que deveria ser combatido: a segregação. 

(FONSECA, Joel Pinheiro da. A receita brasileira para um futuro livre de racismo. Superinteressante, São Paulo: Editora Abril, abr. 2017. p. 10-11. Fragmento com adaptações).  



Sobre relações de sentido produzidas no texto, é correto o que se afirma na alternativa:

  • A o uso da palavra “finalmente” (segundo parágrafo), além de apontar para o término de um processo de longa extensão, deixa implícita uma avaliação positiva do autor sobre a miscigenação e sobre o papel do modernismo na valorização desse processo.
  • B a palavra “finalmente” (segundo parágrafo) é usada pelo autor exclusivamente em seu papel de advérbio de tempo, pois não só indica a longa duração da escravidão e a permanência de práticas racistas no Brasil, mas também aponta a antiguidade do modernismo.
  • C a palavra “então” (terceiro parágrafo) foi empregada exclusivamente como advérbio de tempo, equivalendo a ‘agora’, ‘hoje’.
  • D a oração “que ele ajudava a fundar” (primeiro parágrafo) introduz, no período, ideia de explicação.
  • E a oração “que deveria ser combatido” (quarto parágrafo) introduz, no período, ideia de explicação.