Questões da Prova do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) - Analista de Controle Externo - Organizacional - Engenharia Civil (2012)

Limpar Busca

“Em alguns países, a presença da polícia dentro das escolas tem sido uma das respostas mais recorrentes para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas". Nesse primeiro período do texto, deslocou-se o termo “em alguns países" para outras posições na frase; a nova posição que pode ALTERAR o sentido da frase original é:

  • A A presença da polícia dentro das escolas, em alguns países, tem sido uma das respostas mais recorrentes para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas.
  • B A presença da polícia dentro das escolas tem sido, em alguns países, uma das respostas mais recorrentes para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas.
  • C A presença da polícia dentro das escolas tem sido uma das respostas mais recorrentes, em alguns países, para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas.
  • D A presença da polícia, em alguns países, dentro das escolas tem sido uma das respostas mais recorrentes para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas.
  • E A presença da polícia dentro das escolas tem sido uma das respostas mais recorrentes para enfrentar a violência das sociedades contemporâneas em alguns países.

Uma parte do cronograma físico-financeiro de uma obra está representada a seguir. Nela observam-se os prazos previstos para cada atividade, seus custos previstos mês a mês, e os totais acumulados. A evolução física anotada e os custos reais mensais e acumulados referem-se ao final do terceiro mês de execução:



Analisando-se os dados apresentados, pode-se afirmar que:

  • A o projeto está cumprindo exatamente o cronograma previsto;
  • B o atraso que se observa em algumas atividades é compensado pelo adiantamento de outras;
  • C o projeto apresenta superávit orçamentário de aproximadamente 5,26%;
  • D o projeto apresenta sobrecusto de aproximadamente 2,86% para as atividades listadas;
  • E não é possível concluir algo sobre o andamento físico-orçamentário sem uma visita à obra para atualização do cronograma.

Num certo edifício há duas equipes, cada uma com dois pedreiros e um ajudante, atuando diretamente no assentamento da alvenaria de vedação. Essas duas equipes são apoiadas por uma terceira equipe, com três ajudantes, atuando no andar térreo, que centraliza a produção de argamassa e envia blocos do estoque para os andares em execução. Conta-se também com a presença de dois outros ajudantes da construtora, com funções gerais de apoio, que são responsáveis pelo descarregamento e transporte de blocos e de sacos de cimento e cal até o estoque da obra. Há, ainda, um encarregado do serviço, responsável pela orientação dos operários e controle das atividades.



Sabe-se que a jornada diária é de 9 horas de trabalho e que no dia em estudo foram produzidos 50 metros quadrados de alvenaria, sendo a produtividade estimada através do cálculo da Razão Unitária de Produção (RUP), que é igual ao número de homens-hora por quantidade de serviço ocorrida em um único dia de trabalho.

Considerando-se inicialmente apenas os pedreiros que fazem o assentamento dos tijolos e, em uma segunda abordagem, a totalidade da equipe diretamente envolvida no serviço, a RUP diária seria, respectivamente, de:

  • A 0,72 Hh/m2 e 2,48 Hh/m2;
  • B 1,08 Hh/m2 e 2,16 Hlh/m2;
  • C 1,08 Hh/m2 e 1,98 Hh/m2;
  • D 0,72 Hh/m2 e 2,16 Hh/m2;
  • E 1,08 Hh/m2 e 2,48 Hh/m2.
Contratos de construção requerem atualização financeira no curso de sua execução. Mesmo com baixa inflação, a mão de obra, os materiais, os equipamentos, os combustíveis e, ainda, os custos indiretos, sofrem reajustes de valor. Assim, temos hipoteticamente um contrato cuja medição deve ser reajustada a cada seis meses. Considerando que “I1” corresponde ao valor da Ia medição a 30 dias da data de início da execução do contrato, “n” ao índice mensal de reajuste e “ds” o dissídio anual coletivo, e que estes serão aplicados às faturas correspondentes, o valor da fatura de reajuste após a sexta medição será:
  • A I6 + (I6 x n6) + {[(I1 + I2 + I3 + I4 + I5 ) ÷ 5] x [(nl + n2 + n3 + n4 + n5) ÷5] + ds};
  • B I6 + (I6 x n6) + {[(II + I2 + I3 + I4 + I5 ) ÷ 5] x [(nl + n2 + n3 + n4 + n5) ÷ 5] + ds proporcional};
  • C 16 + {[(Ilx n1 + I2x n2 +13 xn3 + I4 x n4+15 x n5 )] + ds proporcional};
  • D [(I1 x n1 + I2x n2 + I3 xn3 +I4 x n4+ 15 x n5 + I6 x n6) + ds proporcional]:
  • E [(I1 x n1 + I2x n2 + I3 xn3 +I4 x n4+ 15 x n5+ 16 x n6)] + ds].

Um pilar de concreto armado mostrado na figura está submetido a uma carga concêntrica P. Sabendo-se que os módulos de elasticidade do aço e do concreto estão numa razão 10:1 e as áreas de seção transversal estão numa razão 1:40, a relação σaço / σconcreto , entre as tensões nos dois materiais é :



  • A σaço / σconcreto =10:
  • B σaço / σconcreto = 5:
  • C σaço / σconcreto = 8:
  • D σaço / σconcreto = 12:
  • E σaço / σconcreto = 6.