Questões de Lesões Não-Cariosas (Odontologia)

Limpar Busca

As Lesões Cervicais Não Cariosas (LCNC) são um grupo de alterações na estrutura dental, de origem multifatorial, que em algumas situações precisam ser restauradas. Como o processo de restauração das LCNC apresenta desafios nas suas várias etapas, a obtenção de um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado, ele requer uma análise criteriosa dos dados da anamnese e das características específicas da lesão presente. A respeito das LCNC, considere as afirmações a seguir.


I. Lesões de Abrasão resultam da fricção entre um dente e um agente externo, podendo ocorrer tanto nas superfícies incisais/oclusais dos dentes quanto nas faces livres.

II. LCNC em molares com cavidades rasas, não sintomáticas, sem evidência de progressão e que o indivíduo consegue higienizar adequadamente não devem ser restauradas, apenas acompanhadas.

III. A idade do indivíduo é um fator determinante na decisão de se restaurar ou não LCNC.

IV. As LCNC podem ser restauradas com resinas compostas microparticuladas.

V. Lesões de Abfração não devem ser restauradas com resinas compostas.


É CORRETO apenas o que se afirma em

  • A I, II e III.
  • B II, III e IV.
  • C I, IV e V.
  • D I, II, III e V.
  • E I, II, IV.

O tratamento consiste em

  • A cirurgia perirradicular, uma vez que o retratamento endodôntico não cirúrgico do dente 22 acarretaria a perda da reabilitação, elevando os custos do tratamento.
  • B retratamento endodôntico do dente 22, devido ao risco de fratura radicular envolvido em uma abordagem cirúrgica.
  • C extração do dente 22 e implante unitário, devido à necessidade de remover tecido de granulação na região periapical por meio de curetagem.
  • D proservação radiográfica da região do dente 22, com retornos periódicos semestrais, uma vez que a lesão é assintomática.
  • E extração do dente 22, raspagem do ligamento periodontal com objetivo de remover o tecido perirradicular infectado e reimplante intencional.

Atenção: Para responder a questão abaixo considere as informações a seguir:


Paciente com 38 anos de idade, sexo feminino, queixa-se de dor nos dentes superiores ao ingerir sorvetes, refrigerantes gelados ou chás quentes. Adicionalmente, a paciente refere constrangimento com o aspecto estético dos dentes sensíveis. O exame clínico mostra lesões não cariosas na região cervical dos dentes 14 e 15.


Na abordagem dos fatores etiológicos destas lesões, deve-se investigar se a paciente

  • A apresenta o hábito de vômito intencional após as refeições como método para perder peso, resultando em erosão nos dentes.
  • B apresenta contatos parafuncionais dos dentes 14 e 15 com os dentes antagonistas, com queixa de cansaço nos músculos da mastigação, resultando em erosão dos dentes.
  • C consome refrigerantes e sucos de frutas cítricas com frequência, produzindo desgastes nos tecidos dentais na forma de atrição.
  • D é destra, utiliza escova dental com cerdas duras e efetua movimentos horizontais durante a escovação, produzindo abrasão nos dentes.
  • E consome frutas cítricas e refrigerantes entre as refeições, resultando em perda gradual de estrutura dental na forma de abrasão.

O quadro clínico é compatível com o diagnóstico de

  • A glossite atrófica.
  • B glossite migratória benigna.
  • C síndrome da ardência bucal.
  • D candidíase atrófica.
  • E varizes linguais.

A apresentação de opções para a resolução da queixa principal da paciente inclui

  • A o encaminhamento da paciente a um profissional de ginecologia, visando à terapia de reposição hormonal para enfrentar os desconfortos da menopausa.
  • B o encaminhamento da paciente a um profissional de psiquiatria, devido ao componente emocional presente na sensação de desconforto e ausência de alterações morfológicas na língua.
  • C o tratamento curativo do desconforto bucal por meio de antifúngicos que atuarão sobre a Candida albicans usualmente presente nas lesões mucosas orais.
  • D o tratamento paliativo da sensação de desconforto, com utilização tópica de clonazepam, acompanhado do apoio de terapia cognitiva comportamental por profissional especializado.
  • E a redução de danos futuros, entre os quais se destaca a predisposição da paciente a infecções oportunistas que tenham a cavidade bucal como porta de entrada.