Resumo de História - Antiguidade

A Antiguidade, também chamada de Idade Antiga, compreende o período em que iniciou-se o conhecimento da escrita, por volta de 4.000 a.C., indo até a queda do Império Romano do Ocidente (476 d.C.). Essa época tem início depois do período Neolítico marcando a divisão da Pré-História.

Essa divisão acontece pelo fato de que, antes da invenção da escrita, não havia história, já que as histórias sobre as civilizações começaram a ser registradas de forma clara através da escrita. A periodização das épocas também está ligada a acontecimentos sociais e econômicos relacionado à história da Europa e do Oriente Médio, primeiras civilizações a se desenvolverem no Mediterrâneo.

Para facilitar a compreensão da história da humanidade, a historiografia tradicional a divide em períodos baseados em grandes transformações de mundo. Isso apenas é possível depois que acontecem, ou seja, somente em uma época posterior, pois dependem muito das mudanças de relações do ser humano.

Os períodos até hoje são Pré-História, Idade Antiga, História Medieval (Idade Média), Idade Moderna e História Contemporânea.

Como cada povo tinha suas crenças, costumes e próprias histórias, a Idade Antiga pode ser contada a partir de duas perspectivas: Antiguidade Oriental e Antiguidade Clássica.

Antiguidade oriental

A Antiguidade oriental é contada a partir das histórias das civilizações egípcia, hebraica, fenícia e mesopotâmica. Esses povos ocuparam a região norte da África e o Oriente Médio, próximos ao mar Mediterrâneo. 

A civilização suméria surgiu ao mesmo tempo em que a civilização egípcia. Desse grupo também fazem parte os babilônios, hebreus, fenícios, celtas e etruscos.

Os povos orientais da Mesopotâmia se desenvolveram na produção agrícola em terras férteis próximas a grandes rios, como no rio Eufrates, Tigre e rio Nilo, na África. Sua organização econômica se destacava na época, pois os mesopotâmicos possuíam uma forma de governo teocrática, na qual todo bem produzido pela comunidade era dividido entre o consumo próprio e os governantes.

No Egito Antigo funcionava da mesma forma e os faraós, líderes governantes que tinham todo poder centrado a eles, eram tidos como deuses.

Esses povos foram incluídos nos estudos europeus por terem grande proximidade cultural e econômica com as civilizações europeias.

A forma de escrita mais conhecida da Antiguidade era a hieroglífica, na qual os escribas utilizavam desenhos e símbolos para representar objetos, conceitos e ideias. O texto era formado pela  junção dos hieróglifos.

Os egípcios utilizavam o papel feito do papiro e até mesmo construções de palácios, templos e pirâmides para escrever os hieróglifos. Eles ainda são conhecidos pelas grandes pirâmides construídas que até hoje são objetos de estudo de historiadores.

Os hebreus se estabeleceram na Palestina e, posteriormente, se mudaram para o Egito por causa de uma longa seca e fome na região onde estavam, porém foram escravizados pelo faraó.

Os fenícios (povos que dominavam a navegação e o comércio) habitaram a costa oriental do mar Mediterrâneo, no litoral da Síria, e os Persas (povos fundadores de grandes impérios) ocuparam o litoral da Ásia Menor.

Já os chineses e os hindus se distanciaram dos outros povos por causa da localização geográfica.

Antiguidade clássica ou ocidental

A Antiguidade clássica refere-se ao período de formação do Ocidente através do desenvolvimento dos povos gregos e romanos. Essas civilizações foram responsáveis pela origem do povo europeu, desenvolvendo sua rica cultura, filosofia, ciência e artes plásticas.

O conceito de democracia surgiu na Grécia Antiga. A língua, a cultura e os costumes da Roma Antiga também se espalharam pela Europa, tornando-lhe um grande império. O latim, por exemplo, é a língua original de onde advém o português, o italiano, espanhol, entre outras, e pode ser considerada como uma das maiores heranças deixadas por esses povos para o mundo de hoje.

A Grécia foi fundada no território banhado pelas águas do mar Mediterrâneo, do Jônico e do Egeu. No período arcaico da Grécia, existiram civilizações importantes como as cretenses e as micênicas, assim como as cidades de Esparta e Atenas, além do famoso Período Homérico.

 A cultura helenística e o império de Alexandre Magno, conhecido também por Alexandre, o Grande, fazeram parte do período histórico clássico da Grécia.

A história de Roma possui dois períodos importantes: a Monarquia Romana e a República Romana. As mudanças de Império e as invasões bárbaras propiciaram o fim da Antiguidade.

Algumas civilizações tão antigas quanto essas não são incluídas nesse período da Antiguidade pelos historiadores, porque não tiveram uma participação significativa no relacionamento com os europeus, tanto econômica quanto cultural. São exemplos as civilizações chinesa, hindu e pré-colombianas na América, que ficavam distantes das grandes civilizações orientais e ocidentais.

Civilizações pré-colombianas

As civilizações pré-colombianas se localizavam na América do Sul e se organizavam da mesma forma que as civilizações do Oriente.

Habitavam essa região os povos denominados incas, maias e astecas, conhecidos pelo vasto conhecimento em astronomia e aplicação de elementos matemáticos e geométricos nas construções.

Sua vivência era baseada na rígida hierarquia, na teocracia centralizada, na servidão dos camponeses e na privatização da terra pelo Estado, características da política oriental e ocidental.

Fim da Antiguidade

O fim da Idade Antiga é marcado pelo declínio do poder romano em 476 d.C, com a queda do último imperador do Ocidente. Com os crescentes descontentamentos, o Império Romano teve que ser dividido em Ocidente e Oriente. As invasões dos bárbaros ao Império Romano do Ocidente aceleraram esse processo de derrocada.

A parte oriental ficou conhecida como Império Bizantino, mantendo-se até 1453 em Constantinopla, na capital Bizâncio (atual Istambul, na Turquia).

O Império Bizantino obteve poder e extenso território que contemplava uma vasta região da Europa se estendendo ao sul da Espanha no Oriente Médio.

Por ser um povo bastante rico, construíram uma cidade com belos edifícios de mármore e criaram painéis com pequenas pedras, trabalho no qual chamavam de mosaico. Além disso, desenvolveram sua própria cultura e religião, criando a Igreja Ortodoxa, e dotaram o grego como língua ao invés do latim. Um dos principais imperadores foi Justiniano I.

A periodização do tempo é baseada nas mudanças ocorridas na Europa, como se só existissem civilizações nesse continente. A Oceania e a América passam a ter “existência” na história a partir da Idade Moderna.

Apesar da distância entre as civilizações, nenhum povo era autossuficiente, todos se relacionavam entre si. Mesmo não estando na história da Antiguidade, não quer dizer que não existiam outras sociedades pelo mundo.

Voltar

Questões