Questões comentadas das provas da Instituto Consulplan

Limpar Busca
Considere o trecho: “É, nem tudo está perdido, pelo contrário, se ainda resta gente que pode e quer cultivar essas delicadas flores do espírito, comentando isso e aquilo, o namoro da empregada, a nova receita de bolo, o último capítulo da novela, o preço da alcatra [...]” (9º§). É certo que a autora lista, nesse trecho, temas que partilham uma característica em comum, o que se pode notar nas alternativas a seguir, que dispõem vocábulos que corretamente descrevem os assuntos elencados e podem ser empregados para referir-se a eles quanto à característica compartilhada, EXCETO:
  • A Banalidades.
  • B Amenidades.
  • C Trivialidades.
  • D Singularidades.
Ainda que o conhecimento quanto à significação das palavras em um texto seja uma competência importante para a sua compreensão, é certo que, em contextos nos quais há a presença de termos incomuns ao linguajar cotidiano, a inferência pode ser de grande valia para a assimilação plena das ideias expostas. Considere, portanto, os trechos:
“Moça que, em plena cidade e infensa à agitação a seu redor, dispunha ainda de lazer [...]” (3º§)
“A casa estava rodeada por um mínimo jardim e tinha à frente um alpendre também pequenino, protegido da chuva.” (4º§)
“Tudo muito devagar, como se nada urgisse, e aquele colóquio, diante da chuva, tivesse a importância natural das coisas mais simples.” (6º§)
A alternativa que, correta e respectivamente, dispõe um sinônimo para cada um dos vocábulos sublinhados é: 
  • A sensível; poste; e, chafariz.
  • B desfavorável; quintal; e, idoso.
  • C contrária; telheiro; e, conversa.
  • D resistente; coluna; e, admiração.
Ao início da crônica, a autora detalha um acontecimento atribuído ao poeta Murilo Mendes para, ao longo do texto, compará-lo a uma experiência ocorrida consigo mesma. A razão para a comparação entre as situações se fundamenta no fato de que tanto Murilo quanto a autora presenciaram cenas de:
  • A Tranquilidade em meio às atribulações urbanas, o que remete ao passado.
  • B Habitualidade, que se imergiam no cotidiano da época e remetiam ao presente.
  • C Natureza humana, rotineiras tanto no espaço urbano quanto no rural, independentemente do tempo.
  • D Modernidade em meio à rudimentariedade das construções urbanas da década de 80, o que remete ao futuro.
Os pronomes constituem uma classe de palavras cuja função majoritária é substituir e/ou retomar significados léxicos anteriormente abordados em um texto, ou mesmo fazer referência a eles. Um equívoco comum é considerar que esses significados léxicos aos quais os pronomes se referem sejam apenas substantivos. Um exemplo que comprova o contrário se dá no trecho “Os dois nem repararam em nossa presença curiosa, ou, se fizeram, acharam-na corriqueira.” (6º§), uma vez que, nesse caso, o pronome oblíquo sublinhado substitui:
  • A O numeral “dois”.
  • B O adjetivo “curiosa”.
  • C A oração “acharam-na corriqueira”.
  • D A oração “repararam em nossa presença curiosa”.
Sabe-se que o gênero textual crônica tem como uma de suas principais características a versatilidade, uma vez que pode se dar de diversas formas, as quais podem ser facilmente identificadas pela leitura de seu conteúdo. O texto em questão, por exemplo, constitui um exemplo de crônica:
  • A Poética, pois utiliza a função emotiva da linguagem para pautar-se na expressão lírica.
  • B Argumentativa, pois constrói argumentação sobre um tema cotidiano de modo a persuadir o leitor.
  • C Humorística, pois faz uso de ironia e expressões jocosas para estabelecer o ponto de vista da autora quanto a um determinado tópico.
  • D Narrativo-descritiva, pois apresenta uma narração ao mesmo tempo que descreve minuciosamente situações sob um prisma individual.