Questões de História e Geografia do Estado do Rio Grande do Norte (História e Geografia de Estados e Municípios)

Limpar Busca
“O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida resumida do progresso a longo prazo em três dimensões básicas do desenvolvimento humano: renda, educação e saúde. O objetivo da criação do IDH foi o de oferecer um contraponto a outro indicador muito utilizado, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita, que considera apenas a dimensão econômica do desenvolvimento” (PNUD, 2018). Com relação ao IDH e PIB per capita do estado do Rio Grande do Norte, assinale a alternativa correta.
  • A O valor de IDH do Rio Grande do Norte é de 0.824, semelhante ao do estado do Alagoas
  • B O valor de IDH do Rio Grande do Norte está entre os cinco menores do Brasil
  • C O PIB per capita do Rio Grande do Norte está entre os cinco maiores do Brasil
  • D O PIB per capita do Rio Grande do Norte está abaixo do PIB per capita do Brasil
O Rio Grande do Norte abrange diferentes domínios morfoclimáticos brasileiros, apresentando diferentes características vegetacionais em seu território. Em relação à vegetação no estado do Rio Grande do Norte, assinale a alternativa correta.
  • A O litoral do estado apresenta predominância de áreas de mangue e floresta subtropical
  • B Na porção oeste do estado predominam fitofisionomias do Cerrado
  • C Formações vegetais de mata atlântica podem ser identificadas no litoral do estado
  • D Extensas áreas do território do estado estão relacionadas ao bioma amazônico

O Instituto Brasileiro de Geografa e Estatística (IBGE) divide o estado do Rio Grande do Norte em quatro mesorregiões, sendo elas: Leste Potiguar, Agreste Potiguar, Central Potiguar e Oeste Potiguar. Relacione as informações contidas na coluna A (cidades do Rio Grande do Norte) com a coluna B (mesorregiões do Rio Grande do Norte).


Coluna A – Cidades do Rio Grande do Norte

1. João Câmara

2. Natal

3. Angicos

4. Parnamirim

5. Mossoró

6. Santa Cruz


Coluna B – Mesorregiões do Rio Grande do Norte

I. Leste Potiguar

II. Agreste Potiguar

III. Central Potiguar

IV. Oeste Potiguar


Assinale a alternativa que apresente a sequência correta:

  • A 1. III; 2. II; 3. II; 4. I; 5. IV; 6. II
  • B 1. II; 2. I; 3. III; 4. I; 5. IV; 6. II
  • C 1. II; 2. III; 3. IV; 4. I; 5. IV; 6. III
  • D 1. III; 2. IV; 3. III; 4. II; 5. II; 6. III

As pesquisas sobre o período colonial no Rio Grande do Norte têm discutido as questões referentes às disputas entre os povos nativos e a consolidação do domínio português. Nesse contexto, os trabalhos mais recentes sobre a história colonial do Rio Grande do Norte indicam que

  • A as missões de aldeamento dos Tupi e dos Tarairiú, nos séculos XVII e XVIII, fracassaram como estratégias de, por meio da catequese, integrar os indígenas no projeto colonial português.
  • B a repressão dos portugueses aos indígenas alcançou seu ponto máximo na “Guerra dos Bárbaros” (1680-1720), quando terços militares e o bandeirante Domingos Jorge Velho exterminaram as populações nativas no sertão do Seridó.
  • C os registros eclesiásticos das freguesias no Seridó evidenciam, do último quartel do século XVIII à primeira metade do século XIX, a presença de índios junto a outros grupos sociais participando dos rituais cristãos: batizado, matrimônio e exéquias.
  • D os percursos feitos por diferentes grupos instituíram demarcações político-administrativas (arraiás, povoados e, posteriormente, vilas) e eclesiásticas (freguesias), que assinalaram o fracasso português na conquista da terra e dos nativos nos séculos XVI e XVII.

No Brasil, a instauração da República, em 1889, inaugurou uma nova fase na política nacional. No Rio Grande de Norte, os primeiros anos da República foram dominados pela oligarquia Albuquerque Maranhão. Nas primeiras décadas desse regime no Rio Grande do Norte,

  • A os novos mecanismos políticos da República abriram espaço à consolidação dos interesses e das perspectivas de classe dos grandes proprietários rurais e da elite comercial.
  • B as lutas de Pedro Velho contra o “jacobinismo” militar fizeram dele o representante republicano mais típico da corrente centralizadora e industrialista do Estado.
  • C a crítica simultânea da ordem escravista e da forma monárquica-centralizadora evidenciava o protagonismo da classe média no movimento republicano no Estado.
  • D a ampliação do corpo eleitoral, com a República, influiu decisivamente na capacidade de as classes subalternas interferirem politicamente, pondo fim à tradicional dominação paternalista dos coronéis com seus eleitores.