Resolver o Simulado Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - Agente Censitário - Nível Médio

0 / 60

Administração Geral

1

Mecanismo pelo qual um sistema se informa sobre seu desempenho a fim de regular-se. A definição citada refere-se ao conceito de

  • A homeostasia.
  • B black box.
  • C retroação.
  • D output.
2

Analise as afirmativas abaixo a assinale a que não configura uma vantagem da centralização.

  • A Permite a formação de executivos locais ou regionais mais motivados e conscientes dos seus resultados operacionais.
  • B Elimina esforços duplicados de vários tomadores de decisão reduzindo custos operacionais.
  • C Permite maior especialização e vantagens de certas funções, como compras e tesouraria.
  • D As decisões da cúpula são mais consistentes com os objetivos empresariais e globais.
3

Com relação ao confronto das teorias de Taylor e Fayol, relacione as colunas e, a seguir, assinale a alternativa que corresponda à sequência correta.


1 – Taylor

2 – Fayol


( ) Aumento da eficiência da empresa por meio da forma e disposição dos órgãos componentes da organização e das suas inter-relações estruturais.

( ) Aumento da eficiência da empresa por meio do aumento de eficiência ao nível operacional.

( ) Administração Científica.

( ) Ênfase na estrutura.

( ) Ênfase nas tarefas.

( ) Teoria Clássica.

  • A 2 – 2 – 1 – 2 – 1 – 1
  • B 1 – 2 – 1 – 1 – 2 – 2
  • C 2 – 1 – 2 – 2 – 1 – 1
  • D 2 – 1 – 1 – 2 – 1 – 2
4

Em relação ao tema qualidade total, julgue os itens abaixo e marque V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a alternativa com a sequência correta.


( ) É aplicável a todos os níveis da organização.

( ) A mudança cultural provocada é profunda.

( ) É aplicável somente no nível operacional.

( ) Deve ter início no topo da empresa.

  • A V – F – F – V
  • B V – V – F – V
  • C F – V – V – F
  • D F – F – V – F
5

A teoria da hierarquia de necessidades baseia-se em alguns aspectos. Assinale o item que apresenta de forma correta um desses aspectos.

  • A Cada pessoa possui uma única motivação.
  • B Ainda que um nível inferior de necessidade não esteja satisfeito, níveis mais elevados surgirão.
  • C Todas as pessoas chegam ao topo da pirâmide, assim satisfazendo plenamente suas necessidades.
  • D A frustração da satisfação de certas necessidades passa a ser considerada ameaça psicológica.
6

Conforme afirmado pela Teoria da Contingência, as organizações estão envolvidas em diferentes contextos, denominados ambiente. Contudo, existe um ambiente mais próximo de cada organização, do qual as organizações extraem suas entradas e no qual depositam suas saídas. Tal ambiente é denominado

  • A geral.
  • B de tarefa.
  • C intrínseco.
  • D condicional.
7

Frederick W. Taylor, o fundador da Administração Científica, tinha a preocupação de racionalizar, padronizar e prescrever normas de conduta ao administrador, levando os engenheiros da Administração Científica a pensarem em princípios de administração. Qual desses princípios busca selecionar cientificamente os trabalhadores de acordo com suas aptidões e prepará-los e treiná-los para produzirem mais e melhor, de acordo com o método planejado, se refere ao:

  • A Princípio de Preparo.
  • B Princípio do Controle.
  • C Princípio da Execução.
  • D Princípio de Planejamento.
8

Dentre as diversas teorias administrativas, assinale aquela que representa uma reafirmação e atualização dos postulados clássicos, enfatizando a prática e aplicação da administração.

  • A Teoria Comportamental da Administração.
  • B Teoria das Relações Humanas.
  • C Teoria Estruturalista.
  • D Teoria Neoclássica.
9

Dos itens abaixo apresentados, assinale o único relacionado à Teoria Matemática.

  • A Sua principal área de atuação na administração é o processo decisorial.
  • B É uma alternativa democrática e participativa muito interessante para a renovação e revitalização das organizações.
  • C Usada para analisar cientificamente o trabalho e estabelecer racionalmente o método mais adequado de executá-lo.
  • D Apresenta novos conceitos de organização, de cultura e mudança organizacional dentro de pressupostos da abordagem sistêmica da administração.
10

Várias foram as consequências trazidas pela informática para a administração. Assinale a alternativa que não apresenta uma dessas consequências.

  • A Automação
  • B Downsizing
  • C Integração do negócio
  • D Tecnologia da informação
11

É um modelo de administração participativa que tem como conclusão que a empresa somente será eficaz se permitir que cada pessoa tenha autonomia e liberdade para decisões sobre o próprio trabalho. Tais aspectos referem-se à

  • A Teoria Y.
  • B Teoria Z.
  • C Teoria da Aceitação da Autoridade.
  • D Teoria do Equilíbrio Organizacional.
12

Para Henri Fayol, como toda ciência, a Administração deve se basear em leis ou princípios que denominou de "princípios gerais" de Administração. A partir dessa premissa, e de acordo com esses princípios, marque V para verdadeiro e F para falso nas afirmativas abaixo e, em seguida, assinale a alternativa com a sequência correta.


( ) Unidade de direção: cada pessoa deve receber ordens de apenas um único superior. É o princípio da autoridade única.

( ) Iniciativa: a harmonia e união entre as pessoas devem ser incentivadas para impedir desavenças e dissidências.

( ) Centralização: refere-se à concentração da autoridade na base da hierarquia da organização.

( ) Equidade: amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal.

  • A F – V – V – F
  • B V – F – F – V
  • C F – F – F – V
  • D V – V – V – F
13

A partir da Abordagem Neoclássica surge o processo administrativo – planejamento, organização, direção e controle. Dentre eles, o planejamento é um processo que começa com objetivos, que são resultados futuros que se pretendem atingir. A partir dessa premissa, considere as seguintes frases:


I – Diretrizes são as atividades necessárias para atingir cada uma das metas.

II – Procedimentos são os modos pelos quais os programas deverão ser executados ou realizados.

III – Políticas se referem a uma colocação dos objetivos ou intenções da organização como guias orientadores da ação administrativa.

IV – Métodos são regras ou regulamentos que cercam e que asseguram os procedimentos. São comandos diretos e objetivos de cursos de ação a seguir.


Quanto ao desdobramento dos objetivos, está correto o que se afirma em

  • A I e III.
  • B I e IV.
  • C II e III.
  • D II somente.
14

A Administração por Objetivos (APO) ou administração por resultados, embora constitua uma excelente ferramenta administrativa, não ficou isenta de alguns problemas. Assinale a alternativa que não corresponde a um desses problemas apresentados pela APO.

  • A Focalização sobre resultados mais facilmente mensuráveis do que sobre resultados mais importantes.
  • B Estabelecimento de objetivos para cada departamento ou posição de gerência.
  • C Perseguição rígida de objetivos irrelevantes.
  • D Coerção sobre subordinados.
15

Quanto aos estilos de liderança, assinale a alternativa que corresponde àquele em que a divisão das tarefas fica a critério do grupo e cada membro tem liberdade de escolher seus companheiros de trabalho.

  • A Laissez-faire
  • B Democrática
  • C Autocrática
  • D Liberal

Gestão de Pessoas

16

Sobre a Administração de Recursos Humanos, assinale a alternativa correta.

  • A A administração de recursos humanos tem como foco o processo de produção da empresa, preocupando-se em melhorar a efetividade entre as máquinas e a matéria prima.
  • B A administração de recursos humanos se preocupa com a preservação do equilíbrio entre as necessidades dos colaboradores e os objetivos organizacionais.
  • C A administração de recursos humanos surgiu a partir do princípio da unidade de comando, segundo o qual cada funcionário é responsável pela gestão executiva da empresa.
  • D Atualmente, administrar recursos humanos significa ver o trabalhador como uma máquina virtual, em que não há limites para a máxima eficiência.
17

Analise as afirmativas a seguir sobre o Departamento de Recursos Humanos (RH):


I. Ao RH compete, entre outras funções, recrutar os melhores talentos e lutar contra a resistência à mudança.

II. O RH tem se consolidado cada vez mais como o departamento de uma pessoa só, enxugando a estrutura da empresa.

III. O RH é o único departamento da empresa que não sofre influência da transformação digital, pois trata apenas de questões burocráticas.


É correto o que se afirma

  • A apenas em I.
  • B apenas em I e III.
  • C apenas em II e III
  • D em nenhuma das afirmativas.
18

São influências organizacionais internas no modelo de diagnóstico de gestão de pessoas, EXCETO:

  • A missão, visão e objetivos estratégicos.
  • B regulamentos legais.
  • C cultura organizacional.
  • D natureza das tarefas.
  • E estilo de gestão.
19

A chamada Era da Informação e o advento do século XXI introduziram novos paradigmas no contexto da gestão de pessoas. Este novo cenário NÃO contempla:

  • A empowerment e liderança colaborativa.
  • B orientação para resultados.
  • C criatividade e intuição.
  • D orientação para processos.
  • E proatividade e empreendedorismo.
20

Assinale a alternativa que menciona corretamente os seis processos básicos da gestão de pessoas.

  • A Agregar, aplicar, recompensar, desenvolver, manter e monitorar pessoas.
  • B Orientar, estabelecer, recompensar, agregar, desenvolver e reter pessoas.
  • C Compreender, apoiar, reter, conceber, acompanhar e recompensar pessoas.
  • D Estabelecer, agregar, desenvolver, recompensar, reter e treinar pessoas.
  • E Agregar, orientar, desenvolver, monitorar, avaliar e recompensar pessoas.

Português

21
TEXTO I
Os outros que ajudam (ou não)

Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos quarenta anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.
O homem frequentou os Alcoólicos Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo do AA o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano – renunciando a conviver com o filho bebê. Voltou para casa (e para as reuniões do AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra – apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".
Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e sentou-se na mesa para festejar e jantar. E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de premier cru de Château Lafite: agora que estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é? O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou era (e sempre foi) não sua companheira de vida, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado. Quem foi fumante e conseguiu parar quase certamente já encontrou um amigo que um dia lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que parou, você vai poder fumar de vez em quando – só um não pode fazer mal.
Também há os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.
Há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo. Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço – e até elogios (quando merecidos).
Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar do sedentarismo, da obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros registram e transmitem, todos os dias, os seus fracassos e os seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não.
Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!"). Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não vai parar de comer, fumar ou beber – apenas vai passar a comer, fumar e beber com medo.
Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os nossos próximos, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?
Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tivessem) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo o nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu. Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser a nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que a nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

CONTARDO, Calligaris. Todos os reis estão nus. Org. Rafael Cariello. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

Em “Também os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente...”, o verbo em destaque foi empregado corretamente, obedecendo às regras de concordância verbal. Assinale a alternativa em que a obediência a essas regras não foi observada

  • A Havia muitas pessoas que gostariam de provar novos sabores.
  • B Revisei o artigo que me foi entregue havia duas semanas.
  • C Devem haver muitos amigos que colaboram com o nosso fracasso.
  • D Hipóteses haverão de existir sobre as causas desses insucessos.
22
TEXTO I
Os outros que ajudam (ou não)

Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos quarenta anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.
O homem frequentou os Alcoólicos Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo do AA o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano – renunciando a conviver com o filho bebê. Voltou para casa (e para as reuniões do AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra – apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".
Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e sentou-se na mesa para festejar e jantar. E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de premier cru de Château Lafite: agora que estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é? O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou era (e sempre foi) não sua companheira de vida, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado. Quem foi fumante e conseguiu parar quase certamente já encontrou um amigo que um dia lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que parou, você vai poder fumar de vez em quando – só um não pode fazer mal.
Também há os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.
Há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo. Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço – e até elogios (quando merecidos).
Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar do sedentarismo, da obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros registram e transmitem, todos os dias, os seus fracassos e os seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não.
Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!"). Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não vai parar de comer, fumar ou beber – apenas vai passar a comer, fumar e beber com medo.
Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os nossos próximos, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?
Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tivessem) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo o nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu. Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser a nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que a nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

CONTARDO, Calligaris. Todos os reis estão nus. Org. Rafael Cariello. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

É possível observar a obediência às regras de regência verbal no trecho “...levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo”, em que o verbo levar foi empregado como transitivo direto e indireto. Assinale a alternativa em que o verbo destacado não atende às regras de Regência Verbal, de acordo com a Norma Padrão da Língua Portuguesa.

  • A Os amigos não lhe perdoam por não conseguir perder peso.
  • B As reportagens sobre regimes e dietas não o interessavam mais.
  • C O gerente chamou os funcionários para uma reunião de urgência.
  • D jovem respondeu a pergunta que lhe foi feita objetivamente.
23
TEXTO I
Os outros que ajudam (ou não)

Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos quarenta anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.
O homem frequentou os Alcoólicos Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo do AA o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano – renunciando a conviver com o filho bebê. Voltou para casa (e para as reuniões do AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra – apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".
Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e sentou-se na mesa para festejar e jantar. E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de premier cru de Château Lafite: agora que estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é? O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou era (e sempre foi) não sua companheira de vida, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado. Quem foi fumante e conseguiu parar quase certamente já encontrou um amigo que um dia lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que parou, você vai poder fumar de vez em quando – só um não pode fazer mal.
Também há os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.
Há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo. Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço – e até elogios (quando merecidos).
Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar do sedentarismo, da obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros registram e transmitem, todos os dias, os seus fracassos e os seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não.
Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!"). Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não vai parar de comer, fumar ou beber – apenas vai passar a comer, fumar e beber com medo.
Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os nossos próximos, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?
Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tivessem) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo o nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu. Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser a nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que a nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

CONTARDO, Calligaris. Todos os reis estão nus. Org. Rafael Cariello. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

Assinale a alternativa em que a colocação do pronome átono não obedece às regras determinadas pela norma padrão culta da Língua Portuguesa.

  • A Eu não me calarei diante dessas injustiças.
  • B Como julgariam-na se soubessem da sua fuga da dieta.
  • C Ia-me esquecendo das prescrições sobre minha nova dieta.
  • D Só quero avisá-lo sobre esses amigos que não ajudam.
24
TEXTO I
Os outros que ajudam (ou não)

Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos quarenta anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.
O homem frequentou os Alcoólicos Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo do AA o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano – renunciando a conviver com o filho bebê. Voltou para casa (e para as reuniões do AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra – apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".
Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e sentou-se na mesa para festejar e jantar. E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de premier cru de Château Lafite: agora que estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é? O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou era (e sempre foi) não sua companheira de vida, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado. Quem foi fumante e conseguiu parar quase certamente já encontrou um amigo que um dia lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que parou, você vai poder fumar de vez em quando – só um não pode fazer mal.
Também há os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.
Há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo. Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço – e até elogios (quando merecidos).
Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar do sedentarismo, da obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros registram e transmitem, todos os dias, os seus fracassos e os seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não.
Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!"). Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não vai parar de comer, fumar ou beber – apenas vai passar a comer, fumar e beber com medo.
Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os nossos próximos, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?
Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tivessem) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo o nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu. Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser a nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que a nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

CONTARDO, Calligaris. Todos os reis estão nus. Org. Rafael Cariello. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

O uso dos dois-pontos no trecho “No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não”, explica-se, pois

  • A anuncia uma citação.
  • B trata-se de uma enumeração explicativa.
  • C indica a consequência do que foi enunciado.
  • D exprime uma interrupção da fala do narrador.
25
TEXTO I
Os outros que ajudam (ou não)

Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos quarenta anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.
O homem frequentou os Alcoólicos Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo do AA o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano – renunciando a conviver com o filho bebê. Voltou para casa (e para as reuniões do AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra – apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".
Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e sentou-se na mesa para festejar e jantar. E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de premier cru de Château Lafite: agora que estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é? O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou era (e sempre foi) não sua companheira de vida, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado. Quem foi fumante e conseguiu parar quase certamente já encontrou um amigo que um dia lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que parou, você vai poder fumar de vez em quando – só um não pode fazer mal.
Também há os que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.
Há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele já não sabe se vem dos outros ou dele mesmo. Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço – e até elogios (quando merecidos).
Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar do sedentarismo, da obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros registram e transmitem, todos os dias, os seus fracassos e os seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos integrantes instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e os demais sabem imediatamente se ele progrediu ou não.
Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!"). Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não vai parar de comer, fumar ou beber – apenas vai passar a comer, fumar e beber com medo.
Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os nossos próximos, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?
Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tivessem) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo o nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu. Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser a nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que a nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

CONTARDO, Calligaris. Todos os reis estão nus. Org. Rafael Cariello. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

No trecho “...levam o indivíduo a lidar com um desprezo que ele não sabe se vem dos outros ou dele mesmo.”, o termo em destaque exprime uma ideia de

  • A tempo.
  • B lugar.
  • C modo.
  • D intensidade.
26
TEXTO II

Fazer ferro passou a ser isso: contrariar a afinidade dos dois elementos, divorciá-los, romper um equilíbrio de milhões de anos. O oxigênio, porém, nunca se conforma com isso e vinga-se. Reage sem cessar e com paciência de beneditino desfaz lentamente a obra do homem. Oxida-a. Enferruja-lhe o ferro. Faz o ferro voltar ao estado primitivo de óxido, ou ferrugem.
Para dissociar os dois elementos é necessário aquecer o minério a altíssima temperatura, na presença de outro gás tão atrativo que, apesar do seu amor pelo ferro, o oxigênio abandona o seu velho amigo para ligar-se ao novo. Como sob a ação do álcool o homem mais sisudo faz coisas que jamais faria em estado sóbrio, assim sob a ação inebriante do calor o pobre oxigênio perde a cabeça e troca sua ligação de milhões de anos com o ferro por um “rabicho” de momento. Cessada, entretanto, a ação do calor, o oxigênio volta ao seu juízo e furiosamente passa a oxidar o ferro outra vez.
Esse gás-sereia com que o homem rompe o velhíssimo matrimônio é o óxido de carbono, o qual, recebendo em seu seio o oxigênio do minério, se transforma em gás carbônico.”

LOBATO, Monteiro. Ferro e o voto secreto. São Paulo: Globo, 2010. (fragmento)

Os termos sublinhados no trecho “Reage sem cessar e com paciência de beneditino...” podem ser classificados como

  • A adjetivos.
  • B locuções adjetivas.
  • C locuções adverbiais.
  • D substantivos.
27
TEXTO II

Fazer ferro passou a ser isso: contrariar a afinidade dos dois elementos, divorciá-los, romper um equilíbrio de milhões de anos. O oxigênio, porém, nunca se conforma com isso e vinga-se. Reage sem cessar e com paciência de beneditino desfaz lentamente a obra do homem. Oxida-a. Enferruja-lhe o ferro. Faz o ferro voltar ao estado primitivo de óxido, ou ferrugem.
Para dissociar os dois elementos é necessário aquecer o minério a altíssima temperatura, na presença de outro gás tão atrativo que, apesar do seu amor pelo ferro, o oxigênio abandona o seu velho amigo para ligar-se ao novo. Como sob a ação do álcool o homem mais sisudo faz coisas que jamais faria em estado sóbrio, assim sob a ação inebriante do calor o pobre oxigênio perde a cabeça e troca sua ligação de milhões de anos com o ferro por um “rabicho” de momento. Cessada, entretanto, a ação do calor, o oxigênio volta ao seu juízo e furiosamente passa a oxidar o ferro outra vez.
Esse gás-sereia com que o homem rompe o velhíssimo matrimônio é o óxido de carbono, o qual, recebendo em seu seio o oxigênio do minério, se transforma em gás carbônico.”

LOBATO, Monteiro. Ferro e o voto secreto. São Paulo: Globo, 2010. (fragmento)

Está de acordo com as regras da gramática normativa para a concordância verbal a oração da alternativa

  • A Há estudos que explicam por que o oxigênio passa a oxidar o ferro.
  • B Foi visto, em várias aulas, todos os assuntos relacionados à fabricação de ferro.
  • C Após a leitura do texto, teve início os debates sobre a comercialização do ferro no início do século XX.
  • D Um grupo de escritores decidiram escrever artigos que pudessem ajudar no desenvolvimento econômico do país.
28
Das palavras abaixo, aponte a que apresenta uma quantidade maior de letras do que fonemas.
  • A Máximo.
  • B Pipoca.
  • C Sapato.
  • D Hóspede.
29
Analise as frases abaixo:
Hoje, acordei de _________ humor. O jantar deveria estar pronto _________ duas horas. Saia daí, _________ vai molhar. João e Sophia possuem um gosto musical _________.
A alternativa que preenche corretamente as lacunas é:
  • A Mau, à, senão, a fim.
  • B Mau, há, senão, afim.
  • C Mal, à, se não, afim.
  • D Mal, há, senão, a fim.
30

Assinale a alternativa em que o uso do acento grave, indicador de crase, é facultativo.

  • A "E pareciam a sua imaginação em três figuras vivas: uma mulher muito formosa; uma figura negra de olho de brasa e pé de cabra; e o mundo, coisa vaga e maravilhosa (...)." (Eça de Queirós)
  • B "Por mais que eu mesmo conhecesse o dano/ a que dava ocasião minha brandura,/ nunca pude fugir ao ledo engano." (Cláudio M. da Costa)
  • C "Talvez, prezado amigo, que imagine/ que neste momento se conserve/ eterna a sua glória." (Tomá A. Gonzaga)
  • D "Deixei os dois na varanda e fiquei no pátio, a respeitosa distância." (Mia Couto)

Raciocínio Lógico

31

Considere falsa a seguinte afirmação:


“Se Rafael é professor, então Michelle é aluna”


A afirmação verdadeira é

  • A Michelle é aluna.
  • B Rafael é professor.
  • C Rafael não é professor, e Michelle não é aluna.
  • D Rafael não é professor, ou Michelle é aluna.
32

Analisando a proposição “Se não estudarmos o conteúdo de Raciocínio Lógico por ser extenso ou não estudarmos por considerarmos complicado, então não nos sairemos bem no concurso”, assinale a alternativa correta no que se refere ao estudo de Estruturas Lógicas.

  • A A negação da proposição “não estudamos o conteúdo de Raciocínio Lógico por ser extenso ou não estudamos por considerarmos complicado” está expressa corretamente por “estudamos o conteúdo de Raciocínio Lógico por ser extenso ou estudamos por considerar complicado”.
  • B A proposição é logicamente equivalente à proposição: “Se nos sairmos bem no concurso, estudaremos o conteúdo de Raciocínio Lógico por ser extenso e por considerarmos complicado”.
  • C A proposição é logicamente equivalente à proposição “Estudaremos o conteúdo de Raciocínio Lógico por ser extenso ou estudaremos por considerarmos complicado ou não nos sairemos bem no concurso.”
  • D Se a proposição for verdade, então será́ verdadeira a proposição “estudaremos o conteúdo de Raciocínio Lógico para não nos sairmos bem no concurso”.
33

Observe a seguinte sequência numérica: 2, 3, 5, 9, 17, 33, ...


Se a sequência mantiver o mesmo padrão, é correto afirmar que o próximo valor da sequência é

  • A 55.
  • B 65.
  • C 75.
  • D 85.
34

Em uma empresa educacional, a diretora quer comemorar os aniversariantes do mês. Diante disso, deparou-se com um problema de logística em seu planejamento: qual seria o número mínimo de pessoas que deve haver em um grupo para que possamos afirmar que nele há, pelo menos, 4 pessoas nascidas no mesmo mês, para assim organizar melhor o evento? O número que responde corretamente a dúvida da diretora é

  • A 37.
  • B 49.
  • C 13.
  • D 25.
35

Jorge guarda suas blusas em uma das gavetas do seu armário. Estão na gaveta, cinco blusas pretas, sete amarelas, quatro verdes, uma rosa, três vermelhas e quatro azuis. Certa noite, no escuro, Jorge retira algumas blusas da gaveta. Qual o número mínimo de blusas a serem pegas por Jorge a fim de ter certeza que foram retiradas ao menos duas blusas da mesma cor?

  • A Duas
  • B Cinco
  • C Seis
  • D Sete
  • E Dez
36
De acordo com os seus conhecimentos envolvendo conjuntos, assinale a alternativa que com certeza é possível afirmar.
  • A Se o conjunto A tem 2 elementos e o conjunto B tem 5 elementos, então A ∪ B tem 7 elementos.
  • B Se o conjunto A tem 5 elementos e o conjunto B tem 4 elementos, então A ∩ B tem 4 elementos.
  • C Se A = {1, 2, 3} e B = {0, 1, 4, 5}, então A – B = {0, 4, 5}.
  • D Se A ∩ B = ∅, A tem 3 elementos e B tem 4 elementos, então A ∪ B tem 7 elementos.
  • E Se A = {1} e B = {1, 3, 4}, então B – A = {1}.
37

Observe as equivalências propostas a seguir:


93 = 45

53 = 25

49 = 23

123 = X



Seguindo a lógica das equivalências, o número que substitui CORRETAMENTE X é:

  • A 65.
  • B 70.
  • C 60.
  • D 75.
38

Um hospital tem 1 médico para cada 4 pacientes e 5 enfermeiros para cada 10 médicos. Determine o número de paciente por enfermeiro.

  • A 5
  • B 6
  • C 4
  • D 2
  • E 8
39

Um técnico de edificações da cidade de Itabira/MG precisa sortear diariamente 3 casas para vistoriar. Ele escreve o endereço de 12 casas residenciais e 6 casas comerciais em papeis e coloca-os em uma urna. No primeiro dia serão retirados aleatoriamente e sem reposição 3 papéis. Nessa situação, a probabilidade da primeira casa ser comercial, a segunda residencial e a terceira também ser residencial, é igual à:

  • A 792/4894.
  • B 2/3.
  • C 33/68.
  • D 11/68.
40
Considere como verdadeira a seguinte sentença: “Carlos escreve poemas e ensina Gramática”. A negação dessa sentença, por definição, será dada por
  • A “Carlos não escreve poemas ou não ensina Gramática”.
  • B “Carlos escreve poemas ou não ensina Gramática”.
  • C “Carlos não escreve poemas ou ensina Gramática”.
  • D “Carlos escreve poemas ou ensina Gramática”.
  • E “Carlos não escreve poemas se, e somente se, ensina Gramática”.

Legislação Federal

41

A Lei nº 10.308, de 20 de novembro de 2001, dispõe sobre a seleção de locais, a construção, o licenciamento, a operação, a fiscalização, os custos, a indenização, a responsabilidade civil e as garantias referentes aos depósitos de rejeitos radioativos, além de proibir o depósito de rejeitos de quaisquer naturezas em determinados locais. Em qual local é expressamente proibida a deposição desses rejeitos?

  • A Terrenos desapropriados e declarados como utilidade pública pela União.
  • B Águas territoriais.
  • C Instalações de extração ou de beneficiamento de minérios.
  • D Depósitos provisórios
42
Analise as assertivas e assinale a alternativa CORRETA quanto a algumas das ações de defesa civil no âmbito municipal:
I. Identificar e mapear as áreas de risco de desastres. II. Promover a fiscalização das áreas de risco de desastre e vedar novas ocupações nessas áreas. III. Declarar situação de emergência e estado de calamidade pública. IV. Proceder à avaliação de danos e prejuízos das áreas atingidas por desastres. V. Prover solução de moradia temporária às famílias atingidas por desastres.
  • A Todas as assertivas estão corretas.
  • B Todas as assertivas estão incorretas.
  • C Somente a assertiva III está incorreta.
  • D Somente as assertivas I, II e IV estão corretas.
  • E Somente as assertivas III e V estão corretas.
43

Com base nas disposições do Estatuto da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Resolução Coun nº 35, de 13 de maio de 2011), assinale a alternativa correta.

  • A A UFMS terá, mediante adesão e contribuição financeira voluntária de servidores ativos e inativos, Programa de Assistência à Saúde, cujos benefícios se estenderão aos seus dependentes e pensionistas.
  • B O Conselho de Extensão, Cultura e Esporte é o órgão de jurisdição de primeiro grau da UFMS de caráter deliberativo e consultivo em matéria de extensão, cultura e esporte.
  • C A Assembleia Universitária, convocada e presidida pelo Reitor e reunida em sessão solene, constituirá fórum de debates de assuntos relevantes de âmbito estadual e nacional e de entrega de títulos e dignidades universitárias aprovadas pelo Conselho de Graduação (Cograd).
  • D A função de Diretor de Unidade da Administração Setorial será exercida por professor da Carreira do Magistério Superior da UFMS, nomeado na forma da lei, e na sua ausência, pelo Vice-Reitor.
  • E Os cursos de graduação e de pós-graduação terão como objetivo formar profissionais nas diferentes áreas do conhecimento, aptos à inserção no mercado de trabalho, ao exercício da cidadania, ao prosseguimento do seu próprio desenvolvimento e à participação no desenvolvimento da sociedade, com ênfase para o exercício da docência, considerando a importância da educação para o Brasil.
44
Fazem parte das ações de gestão de risco no âmbito da defesa civil em geral, EXCETO:
  • A Elaborar planos e exercícios simulados, destinados ao desenvolvimento e aperfeiçoamento do sistema de autodefesa, conforme os riscos de cada município ou região.
  • B Trabalhar ininterruptamente na capacitação e no aperfeiçoamento de agentes.
  • C Fazer o direcionamento dos agentes públicos somente para trabalhos paliativos de ajuda material, sem interação com outros órgãos estatais.
  • D Promover a avaliação permanente dos riscos existentes e do grau de vulnerabilidade do sistema receptor a seus efeitos.
  • E Efetuar trabalho de redução dos danos e prejuízos causados por um desastre.
45

Nos termos do Estatuto da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Resolução Coun nº 35, de 13 de maio de 2011), assinale a alternativa INCORRETA.

  • A São instrumentos institucionais da UFMS: I – a Constituição Federal; II – a Legislação Federal pertinente; III – o Estatuto, que estabelecerá as normas gerais; IV – o Regimento Geral, que detalhará o processo de execução, no que houver de comum para a UFMS; V – os Regimentos Internos dos Órgãos Colegiados, integrantes da sua estrutura organizacional; e VI – os instrumentos normativos.
  • B A UFMS, nos termos da Constituição Federal, goza de autonomia didáticocientífica, administrativa e de gestão orçamentária, financeira e patrimonial.
  • C Os recursos financeiros da UFMS serão provenientes, dentre outros, de receitas provenientes de patentes, marcas, direitos autorais e outros previstos em lei.
  • D A estrutura da UFMS compreenderá: I – os Conselhos Superiores; II – as Unidades da Administração Central; III – as Unidades da Administração Setorial; IV – as Unidades Suplementares; V – o Diretório Central dos Estudantes (DCE); e VI – a Assembleia Universitária.
  • E Serão Unidades Suplementares da UFMS aquelas com finalidades culturais, técnicas, assistenciais, desportivas, recreativas, para prestação de serviços e apoio às atividades de ensino, pesquisa e extensão, e serão vinculadas à Reitoria, conforme disposto no Regimento Geral da UFMS.
46
De acordo com o Estatuto Geral das Guardas Municipais, assinale a alternativa INCORRETA:
  • A A guarda municipal é subordinada ao chefe do Poder Executivo municipal.
  • B A guarda municipal é formada por servidores públicos integrantes de carreira única e plano de cargos e salários, conforme disposto em lei municipal.
  • C O exercício das atribuições dos cargos da guarda municipal não requer capacitação específica.
  • D Os cargos em comissão das guardas municipais deverão ser providos por membros efetivos do quadro de carreira do órgão ou entidade.
  • E Municípios limítrofes podem, mediante consórcio público, utilizar, reciprocamente, os serviços da guarda municipal de maneira compartilhada.
47
De acordo com o Estatuto Geral das Guardas Municipais, assinale a alternativa INCORRETA:
  • A Aos guardas municipais, é autorizado o porte de arma de fogo, conforme previsto em lei.
  • B É assegurado ao guarda municipal o recolhimento à cela, isoladamente dos demais presos, quando sujeito à prisão antes de condenação definitiva.
  • C As guardas municipais utilizarão uniforme e equipamentos padronizados, preferencialmente, na cor azul-marinho.
  • D O Município deverá proceder a criação de órgão de formação, treinamento e aperfeiçoamento dos integrantes da guarda municipal.
  • E A estrutura hierárquica da guarda municipal não pode utilizar denominação idêntica à das forças militares, quanto aos postos e graduações, títulos, uniformes, distintivos e condecorações.
48

Na hipótese de a UFMS receber recurso via transferência voluntária, oriundo do Governo Estadual de Mato Grosso do Sul, ela estará sujeita, no que tange à aplicação desse recurso, à fiscalização do seguinte órgão de controle externo:

  • A Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul.
  • B Tribunal de Contas da União.
  • C Controladoria-Geral da União.
  • D Controladoria-Geral de Campo Grande.
  • E Controladoria-Geral do Estado de Mato Grosso do Sul.
49

Com base no Estatuto Geral das Guardas Municipais (Lei Federal nº 13.022/2014), assinale a alternativa correta.

  • A A carteira de identidade de guarda municipal confere ao seu portador livre porte ou posse de arma, franco acesso aos locais públicos e privados e tem fé pública em todo o território nacional.
  • B Nos primeiros 5 (cinco) anos de funcionamento, a guarda municipal poderá ser dirigida por profissional estranho a seus quadros, preferencialmente com experiência ou formação na área de segurança ou defesa social.
  • C É assegurado ao guarda municipal o recolhimento à cela, isoladamente dos demais presos, quando sujeito à prisão após condenação definitiva.
  • D Suspende-se o direito ao porte de arma de fogo em razão de restrição médica.
50

Assinale a alternativa correta considerando o Regimento Geral da UFMS, aprovado pela Resolução Coun nº 78, de 22 de setembro de 2011.

  • A O Conselho de Unidade da Unidade da Administração Setorial poderá reunir-se extraordinariamente sempre que convocado pelo seu Presidente ou por solicitação de no mínimo dois terços de seus membros, com antecedência mínima de dois dias úteis e máxima de cinco dias úteis.
  • B O Projeto Pedagógico de criação de curso de graduação será elaborado por uma Comissão constituída para este fim, designada pelo Pró-Reitor de Graduação ou pelo Reitor da UFMS.
  • C A atividade de pesquisa na UFMS, considerada como função específica, tem como objetivo a investigação científica e a inovação tecnológica, a crítica e a difusão do conhecimento no âmbito da cultura, ciência e tecnologia.
  • D A organização dos processos seletivos para os cursos de graduação e de pós-graduação é de responsabilidade da Pró-Reitoria de Graduação, sob supervisão e execução da Fapec ou Copeve, conforme o caso.
  • E São de responsabilidade do Coordenador de Curso as atribuições previstas para os Coordenadores Administrativos e de Gestão Acadêmica nas Unidades da Administração Setorial nas quais não houver essas funções.
51

Analise as afirmativas a seguir sobre as competências das Guardas Municipais:
I. É competência geral das guardas municipais, entre outras, a proteção de bens públicos municipais, incluídos neles os de uso comum, os de uso especial e os dominiais. II. É competência geral das guardas municipais, entre outras, proteger o patrimônio ecológico, histórico, cultural, arquitetônico e ambiental do Município, inclusive adotando medidas educativas e preventivas. III. Não compete às guardas municipais auxiliar na segurança de grandes eventos.
É correto o que se afirma

  • A apenas em I.
  • B apenas em I e II.
  • C apenas II e III.
  • D em I, II e III.
52

Nos termos do Código de Ética Profissional dos Servidores em Exercício na Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Resolução Coun nº 31, de 18 de junho de 2015), assinale a alternativa INCORRETA.

  • A Ao conceito de moralidade na administração pública, deve ser acrescida a ideia de que o fim é sempre o bem comum, pois servir ao interesse público é a missão fundamental dos governos e das instituições públicas.
  • B O convívio no ambiente de trabalho deve estar alicerçado na cordialidade, no respeito mútuo, na boa vontade, na compreensão, na equidade, no bem-estar, na segurança de todos, na colaboração e no espírito de equipe, sem preconceitos ou discriminações, na busca de um objetivo comum, independente da posição hierárquica ou cargo.
  • C A utilização de recursos e bens públicos disponibilizados para o trabalho deve ser pautada pelos princípios da legalidade, da economicidade e da responsabilidade social e ecológica, evitando-se todo e qualquer desperdício e desvio de uso. O uso da internet e do correio eletrônico devem ser realizados no interesse do serviço, observando-se as normas estabelecidas.
  • D Considerando o pensamento crítico e a liberdade de expressão, o servidor pode realizar ou provocar exposições nas redes sociais e em mídias alternativas que resultem em dano à reputação de membros da comunidade universitária e de terceiros, ciente de que poderá ser instaurado Processo Administrativo Disciplinar, conduzido pela Auditoria, para apurar sua conduta, sem prejuízo da ação penal cabível.
  • E Apurado desvio de conduta ética por parte de servidor que, por força de lei, contrato ou qualquer outro ato jurídico, preste serviços na UFMS de natureza permanente, temporária, excepcional ou eventual, independentemente de ser remunerado ou não, a Comissão de Ética da UFMS comunicará o fato ao gestor do instrumento responsável pela contratação.
53

De acordo com o Estatuto Geral das Guardas Municipais (Lei Federal nº 13.022/2014), é correto afirmar que as guardas municipais não poderão ter efetivo superior a

  • A 0,2% (dois décimos por cento) da população, em Municípios com até 50.000 (cinquenta mil) habitantes.
  • B 0,3% (três décimos por cento) da população, em Municípios com até 50.000 (cinquenta mil) habitantes.
  • C 0,4% (quatro décimos por cento) da população, em Municípios com até 50.000 (cinquenta mil) habitantes.
  • D 0,5% (cinco décimos por cento) da população, em Municípios com até 50.000 (cinquenta mil) habitantes.
54
No que se refere ao serviços de vigilância do patrimônio público, praticado pelo guarda municipal, é CORRETO afirmar que:
  • A As guardas municipais podem e devem fazer patrulhas nos logradouros públicos para proteção dos bens e serviços públicos do município.
  • B As guardas municipais somente podem atuar na proteção dos bens públicos durante o período diurno.
  • C A vigilância ostensiva e coercitiva com abordagem de suspeitos nas imediações do prédios públicos é dever legal dos guardas municipais.
  • D A guarda municipal deve sempre requisitar o auxílio de empresas de segurança privada para a vigilância do patrimônio público.
  • E Faz parte do serviço de vigilância da guarda municipal a ronda noturna também nas ruas internas dos condomínios particulares.
55

De acordo com o Código de Ética Profissional dos Servidores em Exercício na Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Resolução Coun nº 31, de 18 de junho de 2015), assinale a alternativa INCORRETA:

  • A O servidor não deve utilizar nem permitir o uso do seu cargo ou função, ou do nome da UFMS, de forma que possibilite a interpretação de que a Instituição sanciona ou respalda suas atividades pessoais ou a de terceiros, ou avaliza qualquer opinião, produto, serviço ou empresa.
  • B É dever do servidor registrar que as opiniões expressas ou veiculadas em aulas, palestras e livros, ou em qualquer outra forma de publicação, são de caráter pessoal e não refletem o posicionamento da UFMS.
  • C O servidor não deve exercer o seu poder ou a autoridade inerente ao cargo nem utilizar-se das prerrogativas de suas atribuições funcionais com finalidade estranha ao interesse público.
  • D É obrigatório que o servidor registre o ponto diariamente e utilize e estimule o uso de crachá ou outra forma de identificação, a fim de facilitar a identificação do servidor pelos cidadãos que buscam os serviços da UFMS e contribuir para um ambiente de trabalho seguro, onde terceiros sejam facilmente identificados, monitorados e advertidos, conforme o caso.
  • E É permitida a publicação de textos, acadêmicos ou não, em nome e em benefício próprio, desde que tenham caráter genérico, refiram-se a informações de conhecimento público ou contemplem interpretação puramente acadêmica, sem adentrar em questões tratadas internamente no âmbito da UFMS.
56

Assinale a única alternativa que indica o instrumento mediante o qual municípios limítrofes podem utilizar, reciprocamente, os serviços da guarda municipal de maneira compartilhada.

  • A parceria público-privada
  • B consórcio público
  • C servidão administrativa
  • D convênio
57
Quanto aos procedimentos de proteção e vigilância das repartições públicas, é INCORRETO afirmar que:
  • A Na ronda de verificação e checagem, após o expediente todas as portas e janelas da repartição pública devem ser devidamente verificadas e trancadas.
  • B O acesso de prestadores de serviço após o horário de expediente deve ser previamente agendado com autorização do superior responsável.
  • C A ronda noturna nas ruas, acessos, imediações da repartição pública, devem ser executadas somente após autorização verbal do superior responsável.
  • D Durante o expediente, o guarda municipal, quando possível, deve agir em situações de dano ao erário público.
  • E Em regra, é vedado ao guarda municipal deixar seu posto de trabalho para executar serviços particulares, durante o expediente.
58

Considerando a Lei Federal nº 11.091, de 12 de janeiro de 2005, que dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, assinale a alternativa INCORRETA.

  • A O desenvolvimento do servidor na carreira dar-se-á, exclusivamente, pela mudança de nível de capacitação e de padrão de vencimento mediante, respectivamente, Progressão por Capacitação Profissional e Progressão por Mérito Profissional.
  • B Progressão por Mérito Profissional é a mudança para a classe e o padrão de vencimento imediatamente subsequente, a cada 3 (três) anos de efetivo exercício, desde que o servidor apresente resultado positivo fixado em programa de avaliação de desempenho, observado o respectivo nível de capacitação.
  • C A mudança de nível de capacitação e de padrão de vencimento não acarretará mudança de nível de classificação.
  • D A liberação do servidor para a realização de cursos de Mestrado e Doutorado está condicionada ao resultado favorável na avaliação de desempenho.
  • E O Incentivo à Qualificação somente integrará os proventos de aposentadorias e as pensões quando os certificados considerados para a sua concessão tiverem sido obtidos até a data em que se deu a aposentadoria ou a instituição da pensão.
59

Assinale a única alternativa que indica o órgão em que não é reconhecida a representatividade das guardas municipais.

  • A Conselho Nacional de Justiça
  • B Conselho Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Segurança Pública
  • C Conselho Nacional das Guardas Municipais
  • D Conselho Nacional de Segurança Pública
60
Não são considerados bens para efeito de vigilância e proteção por parte da guarda municipal:
  • A Praças municipais.
  • B Unidades de saúde do SUS.
  • C Parques municipais.
  • D Shopping Centers.
  • E Ruas e avenidas.
Voltar para lista