Resolver o Simulado Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - Soldado Combatente - FUNDEP - Nível Médio

0 / 40

Matemática

1

Uma sala quadrada foi ladrilhada com pisos de cerâmica em formato de hexágonos regulares, cujos lados medem 1,2 metros (Figura 2). Durante o processo de colocação dos pisos, foram gastos 19 pisos, que foram cortados,conforme a área da sala (Figura 1). Despreze o espaço entre as cerâmicas e o espaço entre as cerâmicas e as paredes.



Sendo T o perímetro dessa sala, determine o valor T√2, em metros.

  • A 9,6
  • B 27,2
  • C 38,4
  • D 48
2

Em uma pista circular, o chamado “marco zero" é o local em que as pessoas costumam iniciar suas atividades físicas (caminhada, corrida, etc.). A partir do “marco zero" foram feitas marcações a cada 100 metros nos sentidos horário e anti-horário. Dessa forma, a cada 100 metros, é possível visualizar duas marcações de distância, com cores e posições distintas, referentes aos percursos realizados nos dois sentidos. Vitor está caminhando no sentido horário e se encontra com Ana, que está caminhando no sentido anti-horário (ambos partindo do “marco zero"). No momento desse encontro, Vitor, que está na primeira volta, observa que a marcação indicada para ele é de 1 200 metros. Enquanto Ana está na segunda volta e já percorreu um total de 7 800 metros.

Dessa forma, qual o comprimento dessa pista circular?

  • A 1 200
  • B 3 300
  • C 4 500
  • D 5 500
3

Eduardo tem atualmente uma dívida de R$ 6 300,00, que é resultado de um empréstimo de R$ 4 200,00, que não teve nenhum valor pago.

Como o empréstimo foi feito a juros compostos à taxa de 20% ao ano, e considerando que log 2 = 0,3 e log 3 = 0,48, é CORRETO afirmar que o empréstimo foi feito aproximadamente há:

  • A 2 anos.
  • B 2 anos e 3 meses.
  • C 2 anos e 6 meses.
  • D 3 anos.
4

No dia 02 de setembro, Maria descobriu um composto muito eficaz para controle de rugas. No dia 03 de setembro, ela informou sua descoberta a três amigas e, no dia 04 de setembro, cada uma delas repassou essa informação a outras três amigas. E a informação dessa descoberta foi sendo repassada de uma amiga para outras três amigas, a cada dia. Sabe-se que nenhuma mulher recebeu essa informação mais de uma vez e que essa notícia foi repassada no mesmo ano.

Nessas condições, no dia 10 de setembro, o número de mulheres que ficaram sabendo dessa descoberta era:

  • A inferior ou igual a 300 mulheres.
  • B superior a 300 mulheres e inferior a 800 mulheres.
  • C superior a 1 000 mulheres e inferior a 5 000 mulheres.
  • D superior ou igual a 5 000 mulheres.
5

Em um sistema, a temperatura (T), dada em graus Celsius, varia em função do tempo (t) de funcionamento, dado em horas, podendo ser modelado pela expressão:

T(t) = 20 + 2.sen t

O tempo, em horas, necessário para se atingir, pela primeira vez, a temperatura de 21 ºC, considerando π = 3, é:

  • A 0,25
  • B 0,5
  • C 1
  • D 1,5
6

Existem distintos métodos de se balancear uma reação química, entre eles, o algébrico, que utiliza um sistema de equações, em que as variáveis são os coeficientes estequiométricos.

A queima do etanol pode ser descrita pela seguinte equação:

xC2H6O + yO2 → zCO2 + wH2O

Em que x, y, z e w são os coeficientes estequiométricos.

O sistema que será utilizado para balancear essa equação é dado por:

  • A
  • B
  • C
  • D
7

Com 12 fiscais, deve-se fazer um grupo de trabalho com 3 deles. Como esse grupo deverá ter um coordenador, que pode ser qualquer um deles, o número de maneiras distintas possíveis de se fazer esse grupo é:

  • A 4
  • B 660
  • C 1 320
  • D 3 960
8

Em uma empresa, em 20 dias, a média de produção diária de um determinado produto foi de 120 unidades, com um desvio-padrão de 5 unidades. Nos dois dias seguintes a esse período, foram produzidas, respectivamente, 123 e 118 unidades.

Assim, se tomarmos o período de 22 dias, em relação aos 20, é possível afirmar que:

  • A a média se mantém.
  • B a média diminui.
  • C o desvio-padrão se mantém.
  • D o desvio-padrão diminui.
9

Ao fatorar em números primos o número 270, a quantidade de números primos, distintos, que encontramos é

  • A 1
  • B 2
  • C 3
  • D 4
10

A figura a acima é formada por um quadrado de lado igual a 2 cm. Neste quadrado, foi representado um arco formando um quarto de círculo, cujo raio é também igual a 2 cm. A área em preto, em cm2, é igual a:

  • A π
  • B 4 x π
  • C 4
  • D 4 - π

Português

11

[...]

A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria e acompanhar todos os passos de fabricação de um produto acaba, inevitavelmente, levando a um conhecimento profundo de cada sistema, permitindo, principalmente, o planejamento de ações em longo prazo. Por outro lado, este conhecimento detalhado do sistema leva à análise das interações do produtor com outras empresas, sejam elas fornecedores, consumidores de subprodutos ou consumidores finais.

Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas vem ganhando força e levando a considerações sobre as interações do sistema com o meio ambiente. Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição. A analogia com os ecossistemas permite um passo além: fechar os ciclos de materiais e energia com a formação de uma eco-rede que “imita" os ciclos biológicos fechados.

A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende. A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa. O desenvolvimento desta abordagem pretende oferecer um quadro conceitual para o interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural e aplicar esta compreensão aos sistemas industriais de forma a alcançar um padrão de industrialização que seja não só mais eficiente, mas também intrinsecamente ajustado às tolerâncias e características do sistema natural.

Esta abordagem implica em (1) aplicar a teoria dos sistemas e a termodinâmica aos sistemas industriais, (2) definir os limites do sistema incorporando o sistema natural e (3) otimizar o sistema. Neste contexto, o sistema industrial é planejado e deve operar como um sistema biológico dependente do sistema natural. O sistema industrial é considerado um subsistema da biosfera, isto é, uma organização particular de fluxos de matéria, energia e informação. Sua evolução deve ser compatível com o funcionamento de outros ecossistemas. Parte-se do princípio de que é possível organizar todo o fluxo de matéria e de energia, que circula no sistema industrial, de maneira a torná-lo um circuito quase inteiramente fechado. Neste contexto, uma abordagem sistêmica é necessária para visualizar as conexões entre o sistema antropológico, o biológico e o ambiente. Pode-se dizer que o principal objetivo da ecologia industrial é transformar o caráter linear do sistema industrial para um sistema cíclico, em que matérias primas, energia e resíduos sejam sempre reutilizados.

[...]

GINANNET, Biagio F.; ALMEIDA, Cecilia M. V. B. Disponível em: <http://hottopos.com/regeq12/art1.htm> . Acesso em: 11 set. 2015 (Fragmento adaptado).

De acordo com a leitura do texto, pode-se afirmar que:

  • A o desenvolvimento da ecologia industrial acaba gerando um conhecimento profundo de como otimizar processos.
  • B o sistema industrial é a abordagem que pretende oferecer um quadro conceitual para interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural.
  • C o principal objetivo da ecologia industrial é fazer com que matérias-primas, energia e resíduos sejam sempre utilizados.
  • D podem ser considerados subsistemas da biosfera o sistema industrial e o sistema antropológico.
12

[...]

A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria e acompanhar todos os passos de fabricação de um produto acaba, inevitavelmente, levando a um conhecimento profundo de cada sistema, permitindo, principalmente, o planejamento de ações em longo prazo. Por outro lado, este conhecimento detalhado do sistema leva à análise das interações do produtor com outras empresas, sejam elas fornecedores, consumidores de subprodutos ou consumidores finais.

Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas vem ganhando força e levando a considerações sobre as interações do sistema com o meio ambiente. Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição. A analogia com os ecossistemas permite um passo além: fechar os ciclos de materiais e energia com a formação de uma eco-rede que “imita" os ciclos biológicos fechados.

A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende. A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa. O desenvolvimento desta abordagem pretende oferecer um quadro conceitual para o interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural e aplicar esta compreensão aos sistemas industriais de forma a alcançar um padrão de industrialização que seja não só mais eficiente, mas também intrinsecamente ajustado às tolerâncias e características do sistema natural.

Esta abordagem implica em (1) aplicar a teoria dos sistemas e a termodinâmica aos sistemas industriais, (2) definir os limites do sistema incorporando o sistema natural e (3) otimizar o sistema. Neste contexto, o sistema industrial é planejado e deve operar como um sistema biológico dependente do sistema natural. O sistema industrial é considerado um subsistema da biosfera, isto é, uma organização particular de fluxos de matéria, energia e informação. Sua evolução deve ser compatível com o funcionamento de outros ecossistemas. Parte-se do princípio de que é possível organizar todo o fluxo de matéria e de energia, que circula no sistema industrial, de maneira a torná-lo um circuito quase inteiramente fechado. Neste contexto, uma abordagem sistêmica é necessária para visualizar as conexões entre o sistema antropológico, o biológico e o ambiente. Pode-se dizer que o principal objetivo da ecologia industrial é transformar o caráter linear do sistema industrial para um sistema cíclico, em que matérias primas, energia e resíduos sejam sempre reutilizados.

[...]

GINANNET, Biagio F.; ALMEIDA, Cecilia M. V. B. Disponível em: <http://hottopos.com/regeq12/art1.htm> . Acesso em: 11 set. 2015 (Fragmento adaptado).

No trecho “Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição.", a função dos travessões é:

  • A separar orações intercaladas.
  • B substituir o uso dos dois-pontos.
  • C enfatizar palavras ou expressões.
  • D realçar termos explicativos.
13

Igualdade de quê?
EDUARDO GIANNETTI


O filósofo grego Diógenes fez do controle das paixões e da autossuficiência os valores centrais de sua vida: um casaco, uma mochila e uma cisterna de argila na qual pernoitava eram suas posses.
Intrigado, o imperador Alexandre Magno foi até ele e propôs: “Sou o homem mais poderoso do mundo. Peça o que desejar e lhe atenderei”. Diógenes não titubeou: “O senhor poderia sair um pouco de lado, pois sua sombra está bloqueando o meu banho de sol”.
O filósofo e o imperador são casos extremos, mas ambos ilustram a tese socrática de que, entre os mortais, o mais próximo dos deuses em felicidade é aquele que de menos coisas carece. Alexandre, ex-pupilo e mecenas de Aristóteles, aprendeu a lição. Quando um cortesão zombava do filósofo por ter “desperdiçado” a oferta que lhe fora feita, o imperador retrucou: “Pois saiba, então, que se eu não fosse Alexandre, eu desejaria ser Diógenes”. Os extremos se tocam.
O que há de errado com a desigualdade do ponto de vista ético? Como o exemplo revela, a desigualdade não é um mal em si — o que importa é a legitimidade do caminho até ela.
A justiça — ou não — de um resultado distributivo depende do enredo subjacente. A questão crucial é: a desigualdade observada reflete essencialmente os talentos, esforços e valores diferenciados dos indivíduos ou, ao contrário, ela resulta de um jogo viciado na origem — de uma profunda falta de equidade nas condições iniciais de vida, da privação de direitos elementares e/ou da discriminação racial, sexual ou religiosa?
O Brasil fez avanços reais nos últimos 20 anos, graças à conquista da estabilidade econômica e das políticas de inclusão social. Continuamos, porém, sendo um dos países mais desiguais do planeta. No ranking da distribuição de renda, somos a segunda nação mais desigual do G-20, a quarta da América Latina e a 12ª do mundo.
Mas não devemos confundir o sintoma com a moléstia. Nossa péssima distribuição de renda é fruto de uma grave anomalia: a brutal disparidade nas condições iniciais de vida e nas oportunidades de nossas crianças e jovens desenvolverem adequadamente suas capacidades e talentos de modo a ampliar o seu leque de escolhas possíveis e eleger seus projetos, apostas e sonhos de vida.
Nossa “nova classe média” ascendeu ao consumo, mas não ascendeu à cidadania. Em pleno século 21, metade dos domicílios não tem coleta de esgoto; a educação e a saúde públicas estão em situação deplorável; o transporte coletivo é um pesadelo diário; cerca de 5% de todas as mortes — em sua maioria pobres, jovens e negros — são causadas por homicídios e um terço dos egressos do ensino superior (se o termo é cabível) é analfabeto funcional.
quando se trata de adquirir uma nova frota de jatos supersônicos suecos; ou financiar a construção de estádios “padrão Fifa” (boa parte fadada à ociosidade); ou licitar a construção de um trem-bala de R$ 40 bilhões ou bancar um programa de submarinos nucleares de R$ 16 bilhões. O valor dos subsídios cedidos anualmente pelo BNDES a um seleto grupo de grandes empresas-parceiras supera o valor total do Bolsa Família. O que falta é juízo.
O Brasil continuará sendo um país violento e absurdamente injusto, vexado de sua desigualdade, enquanto a condição da família em que uma criança tiver a sorte ou o infortúnio de nascer exercer um papel mais decisivo na definição do seu futuro do que qualquer outra coisa ou escolha que ela possa fazer.
A diversidade humana nos dá Diógenes e Alexandre. Mas a falta de um mínimo de equidade nas condições iniciais e na capacitação para a vida tolhe a margem de escolha, vicia o jogo distributivo e envenena os valores da nossa convivência. A desigualdade nas oportunidades de autorrealização, ouso crer, é a raiz dos males brasileiros.

GIANNETTI, Eduardo. Igualdade de quê?, Tendências/Debates, Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 fev. 2014. (Adaptado)
Assinale a alternativa em que o termo indicado entre parênteses NÃO é complemento da forma verbal em destaque.
  • A “(...) é aquele que de menos coisas carece.” (3º parágrafo) (DE MENOS COISAS)
  • BFaltam recursos?” (9º parágrafo) (RECURSOS)
  • C “O Brasil fez avanços reais nos últimos 20 anos (...).” (6º parágrafo) (AVANÇOS REAIS)
  • D ‘“(...) Peça o que desejar e lhe atenderei”.’ (2º parágrafo) (LHE)
14

[...]

A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria e acompanhar todos os passos de fabricação de um produto acaba, inevitavelmente, levando a um conhecimento profundo de cada sistema, permitindo, principalmente, o planejamento de ações em longo prazo. Por outro lado, este conhecimento detalhado do sistema leva à análise das interações do produtor com outras empresas, sejam elas fornecedores, consumidores de subprodutos ou consumidores finais.

Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas vem ganhando força e levando a considerações sobre as interações do sistema com o meio ambiente. Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição. A analogia com os ecossistemas permite um passo além: fechar os ciclos de materiais e energia com a formação de uma eco-rede que “imita" os ciclos biológicos fechados.

A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende. A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa. O desenvolvimento desta abordagem pretende oferecer um quadro conceitual para o interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural e aplicar esta compreensão aos sistemas industriais de forma a alcançar um padrão de industrialização que seja não só mais eficiente, mas também intrinsecamente ajustado às tolerâncias e características do sistema natural.

Esta abordagem implica em (1) aplicar a teoria dos sistemas e a termodinâmica aos sistemas industriais, (2) definir os limites do sistema incorporando o sistema natural e (3) otimizar o sistema. Neste contexto, o sistema industrial é planejado e deve operar como um sistema biológico dependente do sistema natural. O sistema industrial é considerado um subsistema da biosfera, isto é, uma organização particular de fluxos de matéria, energia e informação. Sua evolução deve ser compatível com o funcionamento de outros ecossistemas. Parte-se do princípio de que é possível organizar todo o fluxo de matéria e de energia, que circula no sistema industrial, de maneira a torná-lo um circuito quase inteiramente fechado. Neste contexto, uma abordagem sistêmica é necessária para visualizar as conexões entre o sistema antropológico, o biológico e o ambiente. Pode-se dizer que o principal objetivo da ecologia industrial é transformar o caráter linear do sistema industrial para um sistema cíclico, em que matérias primas, energia e resíduos sejam sempre reutilizados.

[...]

GINANNET, Biagio F.; ALMEIDA, Cecilia M. V. B. Disponível em: <http://hottopos.com/regeq12/art1.htm> . Acesso em: 11 set. 2015 (Fragmento adaptado).

O termo em destaque das frases a seguir pode ser corretamente substituído pelo que está entre parênteses, EXCETO em:

  • A “A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria [...]" [APERFEIÇOAR] (1º parágrafo)
  • B “Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas [...]" [PARECENÇA] (2º parágrafo)
  • C “Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica [...] [COMPARAÇÃO] (2º parágrafo)
  • D “A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa." [CENÁRIO] (3º parágrafo)
15

[...]

A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria e acompanhar todos os passos de fabricação de um produto acaba, inevitavelmente, levando a um conhecimento profundo de cada sistema, permitindo, principalmente, o planejamento de ações em longo prazo. Por outro lado, este conhecimento detalhado do sistema leva à análise das interações do produtor com outras empresas, sejam elas fornecedores, consumidores de subprodutos ou consumidores finais.

Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas vem ganhando força e levando a considerações sobre as interações do sistema com o meio ambiente. Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição. A analogia com os ecossistemas permite um passo além: fechar os ciclos de materiais e energia com a formação de uma eco-rede que “imita" os ciclos biológicos fechados.

A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende. A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa. O desenvolvimento desta abordagem pretende oferecer um quadro conceitual para o interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural e aplicar esta compreensão aos sistemas industriais de forma a alcançar um padrão de industrialização que seja não só mais eficiente, mas também intrinsecamente ajustado às tolerâncias e características do sistema natural.

Esta abordagem implica em (1) aplicar a teoria dos sistemas e a termodinâmica aos sistemas industriais, (2) definir os limites do sistema incorporando o sistema natural e (3) otimizar o sistema. Neste contexto, o sistema industrial é planejado e deve operar como um sistema biológico dependente do sistema natural. O sistema industrial é considerado um subsistema da biosfera, isto é, uma organização particular de fluxos de matéria, energia e informação. Sua evolução deve ser compatível com o funcionamento de outros ecossistemas. Parte-se do princípio de que é possível organizar todo o fluxo de matéria e de energia, que circula no sistema industrial, de maneira a torná-lo um circuito quase inteiramente fechado. Neste contexto, uma abordagem sistêmica é necessária para visualizar as conexões entre o sistema antropológico, o biológico e o ambiente. Pode-se dizer que o principal objetivo da ecologia industrial é transformar o caráter linear do sistema industrial para um sistema cíclico, em que matérias primas, energia e resíduos sejam sempre reutilizados.

[...]

GINANNET, Biagio F.; ALMEIDA, Cecilia M. V. B. Disponível em: <http://hottopos.com/regeq12/art1.htm> . Acesso em: 11 set. 2015 (Fragmento adaptado).

No trecho “A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende.", a palavra destacada pode ser substituída, sem prejuízo do sentido original da frase, em:

  • A A ecologia industrial propõe, consequentemente, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende.
  • B A ecologia industrial propõe, contudo, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende.
  • C A ecologia industrial propõe, porquanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende.
  • D A ecologia industrial propõe, conquanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende.
16

[...]

A ideia de otimizar processos, categorizar todas as operações de uma indústria e acompanhar todos os passos de fabricação de um produto acaba, inevitavelmente, levando a um conhecimento profundo de cada sistema, permitindo, principalmente, o planejamento de ações em longo prazo. Por outro lado, este conhecimento detalhado do sistema leva à análise das interações do produtor com outras empresas, sejam elas fornecedores, consumidores de subprodutos ou consumidores finais.

Neste contexto, a analogia entre sistemas industriais e ecossistemas vem ganhando força e levando a considerações sobre as interações do sistema com o meio ambiente. Apesar de existirem algumas reservas relativas à metáfora biológica, os conceitos que utilizam essa metáfora – metabolismo industrial e ecologia industrial – contribuem, de forma significativa, para um avanço diante do problema da poluição. A analogia com os ecossistemas permite um passo além: fechar os ciclos de materiais e energia com a formação de uma eco-rede que “imita" os ciclos biológicos fechados.

A ecologia industrial propõe, portanto, fechar os ciclos, considerando que o sistema industrial não apenas interage com o ambiente, mas é parte dele e dele depende. A ecologia industrial é tanto um contexto para ação como um campo para pesquisa. O desenvolvimento desta abordagem pretende oferecer um quadro conceitual para o interpretar e adaptar a compreensão do sistema natural e aplicar esta compreensão aos sistemas industriais de forma a alcançar um padrão de industrialização que seja não só mais eficiente, mas também intrinsecamente ajustado às tolerâncias e características do sistema natural.

Esta abordagem implica em (1) aplicar a teoria dos sistemas e a termodinâmica aos sistemas industriais, (2) definir os limites do sistema incorporando o sistema natural e (3) otimizar o sistema. Neste contexto, o sistema industrial é planejado e deve operar como um sistema biológico dependente do sistema natural. O sistema industrial é considerado um subsistema da biosfera, isto é, uma organização particular de fluxos de matéria, energia e informação. Sua evolução deve ser compatível com o funcionamento de outros ecossistemas. Parte-se do princípio de que é possível organizar todo o fluxo de matéria e de energia, que circula no sistema industrial, de maneira a torná-lo um circuito quase inteiramente fechado. Neste contexto, uma abordagem sistêmica é necessária para visualizar as conexões entre o sistema antropológico, o biológico e o ambiente. Pode-se dizer que o principal objetivo da ecologia industrial é transformar o caráter linear do sistema industrial para um sistema cíclico, em que matérias primas, energia e resíduos sejam sempre reutilizados.

[...]

GINANNET, Biagio F.; ALMEIDA, Cecilia M. V. B. Disponível em: <http://hottopos.com/regeq12/art1.htm> . Acesso em: 11 set. 2015 (Fragmento adaptado).

De acordo com a ideia principal do texto, a melhor opção de título para ele, dentre as opções a seguir, é:

  • A A ecologia industrial
  • B O sistema industrial
  • C O ecossistema
  • D A biosfera
17

Agrotóxicos sem veneno

No bê-á-bá da Agronomia se aprende que um inseto somente pode ser considerado uma praga se causar danos econômicos às plantações. Isso porque, na natureza bruta, folhas e grãos são normalmente mastigados pelos bichinhos, que se reproduzem no limite estabelecido por seus predadores naturais. Quando, por qualquer motivo, se rompe o equilíbrio do ecossistema, altera-se a dinâmica das populações envolvidas naquela cadeia alimentar. Advêm problemas ecológicos.

[...]

Pois bem, nem o aumento dos humanos, que já ultrapassaram 7 bilhões de habitantes, nem a expansão rural, que já ocupa 37% da superfície da Terra, cessaram. Embora a tecnologia tenha conseguido notáveis sucessos, o vetor básico continua atuando: novas bocas para alimentar exigem mais alimentos, que pressionam o desmatamento, que aumenta o desequilíbrio dos ecossistemas, que favorece o surgimento de pragas e doenças. Trajetória da civilização.

A safra brasileira tem batido recordes, ampliando o uso de defensivos agrícolas. Além do mais, nos trópicos o calor e a umidade favorecem o surgimento de pragas e doenças nas lavouras. Graças, porém, ao desenvolvimento tecnológico, nos últimos 40 anos se observou forte redução, ao redor de 90%, nas doses médias dos inseticidas e fungicidas aplicados na roça. Quer dizer, se antes um agricultor despejava dez litros de um produto por hectare, hoje ele aplica apenas um litro. Menos mal.

Fórmulas menos tóxicas, uso do controle biológico e integrado, métodos de cultivo eficientes, inseticidas derivados de plantas, vários elementos fundamentam um caminho no rumo da sustentabilidade. Os agroquímicos são mais certeiros, menos agressivos ao meio ambiente e trazem menores riscos de aplicação aos trabalhadores rurais. Nada, felizmente, piorou nessa agenda.

Surge agora, nos laboratórios, uma geração de moléculas que atuam exclusivamente sobre o metabolismo dos insetos-praga, bloqueando sinais vitais. Funcionam de forma seletiva, combatendo-os sem aniquilar os predadores naturais, nem afetar insetos benéficos ou animais mamíferos. No sentido ambiental, configuram-se como pesticidas não venenosos, deixando de ser “agrotóxicos". Sensacional.

Existe, ainda, contaminação de alimentos por agrotóxicos tradicionais. O problema, contudo, difere do de outrora, quando resíduos cancerígenos dominavam as amostras coletadas. Hoje a grande desconformidade recai sobre o uso de produtos químicos não autorizados para aquela lavoura pesquisada, embora permitidos em outras. Raramente se apontam resíduos químicos acima dos limites mínimos de tolerância.

Isso ocorre por dois motivos. Primeiro, o governo tem sido extremamente lerdo no registro de novos defensivos agrícolas. Segundo, mostra-se muito onerosa, para as empresas, cada autorização de uso para lavouras distintas.

Resultado: inexistindo produto “oficial" para o canteiro de pimentão, por exemplo, o horticultor utiliza aquele outro vendido para tomate. O problema, como se percebe, é mais agronômico, menos de saúde.

Muita gente critica os defensivos químicos, considera agrotóxico um palavrão. Mesmo na agricultura orgânica, imaginada como solução milagrosa, todavia, se permite utilizar caldas químicas elaboradas com sulfato de cobre, hidróxido de cálcio e enxofre.

Resumo da história: na escala requerida pela população, as lavouras sempre exigirão pesticidas contra organismos que as atacam. Importa o alimento ser saudável.

GRAZIANO, Xico. Agrotóxicos sem veneno. Opinião. Estadão, São Paulo, 5 mar. 2013. Disponível em: <http://zipnet.met/bxR9nQ> Acesso em: 7 out. 2015 (adaptado).

De acordo com o texto, é possível afirmar que:

  • A os insetos são um problema para a lavoura quando, por algum tipo de desequilíbrio ecológico, tornam-se incontroláveis por pesticidas, transformando-se em pragas.
  • B um dos entraves para a correta utilização dos pesticidas é a burocracia, que faz com que o produtor opte por produtos mais baratos na hora de definir quais usará na lavoura.
  • C o advento da nova geração de moléculas que atua exclusivamente no metabolismo dos insetos que atacam as lavouras, prejudicando sua produtividade, é a nova esperança de alimentos produzidos sem agrotóxicos.
  • D o uso de pesticidas será sempre necessário, independentemente do crescimento da população e da consequente demanda por alimentos advindos da lavoura.
18

Agrotóxicos sem veneno

No bê-á-bá da Agronomia se aprende que um inseto somente pode ser considerado uma praga se causar danos econômicos às plantações. Isso porque, na natureza bruta, folhas e grãos são normalmente mastigados pelos bichinhos, que se reproduzem no limite estabelecido por seus predadores naturais. Quando, por qualquer motivo, se rompe o equilíbrio do ecossistema, altera-se a dinâmica das populações envolvidas naquela cadeia alimentar. Advêm problemas ecológicos.

[...]

Pois bem, nem o aumento dos humanos, que já ultrapassaram 7 bilhões de habitantes, nem a expansão rural, que já ocupa 37% da superfície da Terra, cessaram. Embora a tecnologia tenha conseguido notáveis sucessos, o vetor básico continua atuando: novas bocas para alimentar exigem mais alimentos, que pressionam o desmatamento, que aumenta o desequilíbrio dos ecossistemas, que favorece o surgimento de pragas e doenças. Trajetória da civilização.

A safra brasileira tem batido recordes, ampliando o uso de defensivos agrícolas. Além do mais, nos trópicos o calor e a umidade favorecem o surgimento de pragas e doenças nas lavouras. Graças, porém, ao desenvolvimento tecnológico, nos últimos 40 anos se observou forte redução, ao redor de 90%, nas doses médias dos inseticidas e fungicidas aplicados na roça. Quer dizer, se antes um agricultor despejava dez litros de um produto por hectare, hoje ele aplica apenas um litro. Menos mal.

Fórmulas menos tóxicas, uso do controle biológico e integrado, métodos de cultivo eficientes, inseticidas derivados de plantas, vários elementos fundamentam um caminho no rumo da sustentabilidade. Os agroquímicos são mais certeiros, menos agressivos ao meio ambiente e trazem menores riscos de aplicação aos trabalhadores rurais. Nada, felizmente, piorou nessa agenda.

Surge agora, nos laboratórios, uma geração de moléculas que atuam exclusivamente sobre o metabolismo dos insetos-praga, bloqueando sinais vitais. Funcionam de forma seletiva, combatendo-os sem aniquilar os predadores naturais, nem afetar insetos benéficos ou animais mamíferos. No sentido ambiental, configuram-se como pesticidas não venenosos, deixando de ser “agrotóxicos". Sensacional.

Existe, ainda, contaminação de alimentos por agrotóxicos tradicionais. O problema, contudo, difere do de outrora, quando resíduos cancerígenos dominavam as amostras coletadas. Hoje a grande desconformidade recai sobre o uso de produtos químicos não autorizados para aquela lavoura pesquisada, embora permitidos em outras. Raramente se apontam resíduos químicos acima dos limites mínimos de tolerância.

Isso ocorre por dois motivos. Primeiro, o governo tem sido extremamente lerdo no registro de novos defensivos agrícolas. Segundo, mostra-se muito onerosa, para as empresas, cada autorização de uso para lavouras distintas.

Resultado: inexistindo produto “oficial" para o canteiro de pimentão, por exemplo, o horticultor utiliza aquele outro vendido para tomate. O problema, como se percebe, é mais agronômico, menos de saúde.

Muita gente critica os defensivos químicos, considera agrotóxico um palavrão. Mesmo na agricultura orgânica, imaginada como solução milagrosa, todavia, se permite utilizar caldas químicas elaboradas com sulfato de cobre, hidróxido de cálcio e enxofre.

Resumo da história: na escala requerida pela população, as lavouras sempre exigirão pesticidas contra organismos que as atacam. Importa o alimento ser saudável.

GRAZIANO, Xico. Agrotóxicos sem veneno. Opinião. Estadão, São Paulo, 5 mar. 2013. Disponível em: <http://zipnet.met/bxR9nQ> Acesso em: 7 out. 2015 (adaptado).

Dentre os trechos a seguir, assinale aquele cuja palavra ou expressão destacada não expressa uma opinião do autor do texto.

  • A “Embora a tecnologia tenha conseguido notáveis sucessos, o vetor básico continua atuando: novas bocas para alimentar exigem mais alimentos, que pressionam o desmatamento, que aumenta o desequilíbrio dos ecossistemas, que favorece o surgimento de pragas e doenças. Trajetória da civilização."
  • B “Quer dizer, se antes um agricultor despejava dez litros de um produto por hectare, hoje ele aplica apenas um litro. Menos mal."
  • C “Os agroquímicos são mais certeiros, menos agressivos ao meio ambiente e trazem menores riscos de aplicação aos trabalhadores rurais. Nada, felizmente, piorou nessa agenda."
  • D “No sentido ambiental, configuram-se como pesticidas não venenosos, deixando de ser 'agrotóxicos'. Sensacional."
19

Agrotóxicos sem veneno

No bê-á-bá da Agronomia se aprende que um inseto somente pode ser considerado uma praga se causar danos econômicos às plantações. Isso porque, na natureza bruta, folhas e grãos são normalmente mastigados pelos bichinhos, que se reproduzem no limite estabelecido por seus predadores naturais. Quando, por qualquer motivo, se rompe o equilíbrio do ecossistema, altera-se a dinâmica das populações envolvidas naquela cadeia alimentar. Advêm problemas ecológicos.

[...]

Pois bem, nem o aumento dos humanos, que já ultrapassaram 7 bilhões de habitantes, nem a expansão rural, que já ocupa 37% da superfície da Terra, cessaram. Embora a tecnologia tenha conseguido notáveis sucessos, o vetor básico continua atuando: novas bocas para alimentar exigem mais alimentos, que pressionam o desmatamento, que aumenta o desequilíbrio dos ecossistemas, que favorece o surgimento de pragas e doenças. Trajetória da civilização.

A safra brasileira tem batido recordes, ampliando o uso de defensivos agrícolas. Além do mais, nos trópicos o calor e a umidade favorecem o surgimento de pragas e doenças nas lavouras. Graças, porém, ao desenvolvimento tecnológico, nos últimos 40 anos se observou forte redução, ao redor de 90%, nas doses médias dos inseticidas e fungicidas aplicados na roça. Quer dizer, se antes um agricultor despejava dez litros de um produto por hectare, hoje ele aplica apenas um litro. Menos mal.

Fórmulas menos tóxicas, uso do controle biológico e integrado, métodos de cultivo eficientes, inseticidas derivados de plantas, vários elementos fundamentam um caminho no rumo da sustentabilidade. Os agroquímicos são mais certeiros, menos agressivos ao meio ambiente e trazem menores riscos de aplicação aos trabalhadores rurais. Nada, felizmente, piorou nessa agenda.

Surge agora, nos laboratórios, uma geração de moléculas que atuam exclusivamente sobre o metabolismo dos insetos-praga, bloqueando sinais vitais. Funcionam de forma seletiva, combatendo-os sem aniquilar os predadores naturais, nem afetar insetos benéficos ou animais mamíferos. No sentido ambiental, configuram-se como pesticidas não venenosos, deixando de ser “agrotóxicos". Sensacional.

Existe, ainda, contaminação de alimentos por agrotóxicos tradicionais. O problema, contudo, difere do de outrora, quando resíduos cancerígenos dominavam as amostras coletadas. Hoje a grande desconformidade recai sobre o uso de produtos químicos não autorizados para aquela lavoura pesquisada, embora permitidos em outras. Raramente se apontam resíduos químicos acima dos limites mínimos de tolerância.

Isso ocorre por dois motivos. Primeiro, o governo tem sido extremamente lerdo no registro de novos defensivos agrícolas. Segundo, mostra-se muito onerosa, para as empresas, cada autorização de uso para lavouras distintas.

Resultado: inexistindo produto “oficial" para o canteiro de pimentão, por exemplo, o horticultor utiliza aquele outro vendido para tomate. O problema, como se percebe, é mais agronômico, menos de saúde.

Muita gente critica os defensivos químicos, considera agrotóxico um palavrão. Mesmo na agricultura orgânica, imaginada como solução milagrosa, todavia, se permite utilizar caldas químicas elaboradas com sulfato de cobre, hidróxido de cálcio e enxofre.

Resumo da história: na escala requerida pela população, as lavouras sempre exigirão pesticidas contra organismos que as atacam. Importa o alimento ser saudável.

GRAZIANO, Xico. Agrotóxicos sem veneno. Opinião. Estadão, São Paulo, 5 mar. 2013. Disponível em: <http://zipnet.met/bxR9nQ> Acesso em: 7 out. 2015 (adaptado).

A função das aspas utilizadas nos parágrafos 5 e 8 (“agrotóxicos" e “oficial") é de:

  • A marcar as palavras como citações, para distingui-las do resto do contexto.
  • B fazer sobressair as palavras marcadas não peculiares à linguagem do texto.
  • C acentuar o valor significativo das palavras que foram marcadas.
  • D realçar o tom irônico das palavras marcadas no texto.
20

Agrotóxicos sem veneno

No bê-á-bá da Agronomia se aprende que um inseto somente pode ser considerado uma praga se causar danos econômicos às plantações. Isso porque, na natureza bruta, folhas e grãos são normalmente mastigados pelos bichinhos, que se reproduzem no limite estabelecido por seus predadores naturais. Quando, por qualquer motivo, se rompe o equilíbrio do ecossistema, altera-se a dinâmica das populações envolvidas naquela cadeia alimentar. Advêm problemas ecológicos.

[...]

Pois bem, nem o aumento dos humanos, que já ultrapassaram 7 bilhões de habitantes, nem a expansão rural, que já ocupa 37% da superfície da Terra, cessaram. Embora a tecnologia tenha conseguido notáveis sucessos, o vetor básico continua atuando: novas bocas para alimentar exigem mais alimentos, que pressionam o desmatamento, que aumenta o desequilíbrio dos ecossistemas, que favorece o surgimento de pragas e doenças. Trajetória da civilização.

A safra brasileira tem batido recordes, ampliando o uso de defensivos agrícolas. Além do mais, nos trópicos o calor e a umidade favorecem o surgimento de pragas e doenças nas lavouras. Graças, porém, ao desenvolvimento tecnológico, nos últimos 40 anos se observou forte redução, ao redor de 90%, nas doses médias dos inseticidas e fungicidas aplicados na roça. Quer dizer, se antes um agricultor despejava dez litros de um produto por hectare, hoje ele aplica apenas um litro. Menos mal.

Fórmulas menos tóxicas, uso do controle biológico e integrado, métodos de cultivo eficientes, inseticidas derivados de plantas, vários elementos fundamentam um caminho no rumo da sustentabilidade. Os agroquímicos são mais certeiros, menos agressivos ao meio ambiente e trazem menores riscos de aplicação aos trabalhadores rurais. Nada, felizmente, piorou nessa agenda.

Surge agora, nos laboratórios, uma geração de moléculas que atuam exclusivamente sobre o metabolismo dos insetos-praga, bloqueando sinais vitais. Funcionam de forma seletiva, combatendo-os sem aniquilar os predadores naturais, nem afetar insetos benéficos ou animais mamíferos. No sentido ambiental, configuram-se como pesticidas não venenosos, deixando de ser “agrotóxicos". Sensacional.

Existe, ainda, contaminação de alimentos por agrotóxicos tradicionais. O problema, contudo, difere do de outrora, quando resíduos cancerígenos dominavam as amostras coletadas. Hoje a grande desconformidade recai sobre o uso de produtos químicos não autorizados para aquela lavoura pesquisada, embora permitidos em outras. Raramente se apontam resíduos químicos acima dos limites mínimos de tolerância.

Isso ocorre por dois motivos. Primeiro, o governo tem sido extremamente lerdo no registro de novos defensivos agrícolas. Segundo, mostra-se muito onerosa, para as empresas, cada autorização de uso para lavouras distintas.

Resultado: inexistindo produto “oficial" para o canteiro de pimentão, por exemplo, o horticultor utiliza aquele outro vendido para tomate. O problema, como se percebe, é mais agronômico, menos de saúde.

Muita gente critica os defensivos químicos, considera agrotóxico um palavrão. Mesmo na agricultura orgânica, imaginada como solução milagrosa, todavia, se permite utilizar caldas químicas elaboradas com sulfato de cobre, hidróxido de cálcio e enxofre.

Resumo da história: na escala requerida pela população, as lavouras sempre exigirão pesticidas contra organismos que as atacam. Importa o alimento ser saudável.

GRAZIANO, Xico. Agrotóxicos sem veneno. Opinião. Estadão, São Paulo, 5 mar. 2013. Disponível em: <http://zipnet.met/bxR9nQ> Acesso em: 7 out. 2015 (adaptado).

Nos trechos a seguir, os pronomes destacados referem-se às expressões entre parênteses, EXCETO em:

  • A “Hoje a grande desconformidade recai sobre o uso de produtos químicos não autorizados para aquela lavoura pesquisada [...]" (LAVOURA PESQUISADA)
  • B “Raramente se apontam resíduos químicos acima dos limites mínimos de tolerância. Isso ocorre por dois motivos." (RESÍDUOS QUÍMICOS)
  • C “[...] o horticultor utiliza aquele outro vendido para tomate." (PRODUTO OFICIAL)
  • D “[...] que se reproduzem no limite estabelecido por seus predadores naturais." (BICHINHOS)

Biologia

21
"A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou hoje o pedido de liberação comercial de mosquitos transgênicos contra a dengue, desenvolvidos por uma empresa britânica, chamada Oxitec. Os mosquitos são geneticamente modificados para serem estéreis, de modo que, ao copularem com as fêmeas de Aedes Aegypti na natureza, bloqueiam a reprodução da espécie. Testes realizados em dois bairros da cidade de Juazeiro, na Bahia, resultaram em uma redução de até 90% do número de insetos transmissores da dengue nessas localidades.
A decisão da CTNBio, por 16 votos a 1, atesta que os mosquitos transgênicos são seguros, tanto para a saúde humana quanto para o meio ambiente, autorizando a empresa a buscar o registro comercial para colocá-los no mercado - o que deverá ocorrer nos próximos meses. A Oxitec já tem uma fábrica pronta para entrar em operação em Campinas, com capacidade para produzir 2 milhões de mosquitos transgênicos por semana, além de uma parceria com a empresa brasileira.”

Disponível em: <http://blogs.estadao.com.br/herton-escobar/mosquito-transgenico-contra-a-dengue-e-aprovado-para-liberacao-comercial-no-brasil/ >.
Acesso em: 11 de abr. de 2014.



Em relação à biotecnologia empregada, assinale a alternativa CORRETA.

  • A A inserção de proteínas plasmáticas nos mosquitos bloqueia a produção dos óvulos.
  • B No caso apresentado, do ponto de vista científico, a técnica empregada é danosa.
  • C A produção de alimentos e produtos agrícolas com essa tecnologia é rara no Brasil.
  • D Com essa tecnologia, é possível produzir insulina humana em nível industrial.
22
"A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou hoje o pedido de liberação comercial de mosquitos transgênicos contra a dengue, desenvolvidos por uma empresa britânica, chamada Oxitec. Os mosquitos são geneticamente modificados para serem estéreis, de modo que, ao copularem com as fêmeas de Aedes Aegypti na natureza, bloqueiam a reprodução da espécie. Testes realizados em dois bairros da cidade de Juazeiro, na Bahia, resultaram em uma redução de até 90% do número de insetos transmissores da dengue nessas localidades.
A decisão da CTNBio, por 16 votos a 1, atesta que os mosquitos transgênicos são seguros, tanto para a saúde humana quanto para o meio ambiente, autorizando a empresa a buscar o registro comercial para colocá-los no mercado - o que deverá ocorrer nos próximos meses. A Oxitec já tem uma fábrica pronta para entrar em operação em Campinas, com capacidade para produzir 2 milhões de mosquitos transgênicos por semana, além de uma parceria com a empresa brasileira.”

Disponível em: <http://blogs.estadao.com.br/herton-escobar/mosquito-transgenico-contra-a-dengue-e-aprovado-para-liberacao-comercial-no-brasil/ >.
Acesso em: 11 de abr. de 2014.



Em relação à doença citada, são fatores ambientais e antrópicos que causam o aumento da incidência urbana dessa patologia, EXCETO.

  • A Construção de represas para hidrelétricas.
  • B Acúmulo de lixo em lotes vagos.
  • C Elevação da temperatura ambiental.
  • D Elevação do índice pluviométrico.
23

Muito comum em jardins e pastagens, a Mimosa Pudica, conhecida popularmente como dormideira, sensitiva ou dorme-dorme, quando tocada, fecha seus ramos.


O movimento vegetal apesentado pela Mimosa Pudica é um exemplo de

  • A Geotropismo.
  • B Nastismo.
  • C Quimiotactismo.
  • D Fototactismo.
24

Leia essa afirmativa:

Se nadou e depois coçou, é porque pegou!”

Essa afirmação é um dito popular muito comum em áreas rurais para indivíduos que nadam em lagos, açudes, ou represas e refere-se a uma parasitose relativamente comum, o que não significa que a ausência de coceira seja ausência de contaminação.

Sobre o parasita a que o dito popular se refere, assinale a alternativa CORRETA.

  • A Possui parede celular de quitina.
  • B Pode ser transmitido pelo carrapato.
  • C Possui uma estrutura chamada de canal ginecóforo.
  • D A hemolinfa é presente em seu sistema circulatório.
25

O albinismo é uma característica em que o indivíduo portador não produz melanina devido à ausência de enzimas na síntese dessa proteína.

Sobre essa característica, assinale a alternativa INCORRETA.

  • A O albinismo é uma característica que pode ser analisada por meio de genética mendeliana.
  • B O alelo para essa característica só se manifesta quando em dose dupla.
  • C Nos gametas do indivíduo albino, o alelo dominante estará presente.
  • D No indivíduo albino, o gene recessivo estará presente em seus neurônios.

Química

26

Suponhamos que você precisa preparar uma solução de ácido clorídrico (HCl) a partir de uma solução estoque do reagente que tem densidade igual a 1,2g/mL e o percentual do reagente em massa é igual a 38%.

Nessas condições, é CORRETO afirmar que o volume necessário da solução estoque para você preparar 500mL de uma solução de HCl 0,5mol/L é igual a

  • A 1,0mL.
  • B 2,0mL.
  • C 20,0mL.
  • D 40,0mL.
27

O modelo proposto por Bohr introduziu um único número quântico para descrever o comportamento do elétron no átomo. O modelo da mecânica quântica usa três números quânticos.

Sobre os números quânticos propostos no modelo de Bohr e no modelo da mecânica quântica, é CORRETO afirmar que

  • A o modelo atômico de Bohr está relacionado a um número quântico que descreve sobre a orientação dos orbitais.
  • B o número quântico azimutal tem valores positivos e inteiros e à medida que esse número quântico aumenta, o orbital torna-se maior.
  • C o nível com o número quântico principal n consistirá em n subníveis, e cada subnível corresponde a um valor permitido diferente do número quântico secundário entre 1 e n-1.
  • D as energias relativas do elétron nos orbitais do átomo de hidrogênio têm valores diferentes quando o elétron estiver nos orbitais de mesmo subnível.
28

A molécula 2- buteno (C4H8) pode sofrer certa variação chamada isomerização cis- trans.

Sobre a molécula 2- buteno foram feitas as seguintes afirmações:

I. os carbonos da ligação dupla da molécula 2- buteno têm cada um, um orbital p não hibridizado.

II. as ligações duplas entre carbonos são de difícil rotação devido as ligações sigma que se superpões lateralmente.

III. a densidade eletrônica na ligação π está acima e abaixo dos eixos de ligação, enquanto nas ligações σ a densidade eletrônica localiza-se ao longo do eixo de ligação.

A partir dessa análise, conclui-se que estão CORRETAS as afirmativas

  • A I e II apenas.
  • B I e III apenas.
  • C II e III apenas.
  • D I, II e III.
29

Um estudante vai à escola diariamente de bicicleta em um percurso de 5km nos dois sentidos, levando, para esse percurso, 30 minutos em cada direção. O estudante utiliza 1.250KJ/hora no esforço de pedalar. A distância de 5km, um automóvel necessita de 0,4 litros de gasolina. Considere que o estudante vai à escola 150 dias por ano e que a entalpia de combustão da gasolina é igual à entalpia de combustão do octano, cuja densidade é 0,7g/cm3 . A combustão do octano é expressa pela equação abaixo:

C8H18 (L) + 25/2 O2(g) ➡ 8CO2(g) + 9H2O(L) Δ H0 = -5471KJ

Nestas condições, é CORRETO afirmar que a razão entre as energias gastas em um ano, nessa jornada, pelo automóvel e o estudante na bicicleta, é aproximadamente

  • A 0,4.
  • B 12.
  • C 22.
  • D 44.
30

As ligações duplas carbono-carbono dos alquenos são mais reativas do que as ligações simples e dão aos alquenos suas propriedades características.

Sobre a reatividade dos alquenos, assinale com V para as alternativas verdadeiras e com F para as falsas.

( ) O mecanismo de adição aos alquenos é o ataque nucleofílico aos hidrogênios de uma ligação dupla.
( ) A reação de bromação do alqueno é caracterizada pela mudança de cor na solução de bromo à medida que o bromo reage com o alqueno.
( ) Os átomos de carbono da ligação dupla tem hibridização sp2 e usam três orbitais híbridos para formar três ligações sigma.
( ) A desidro-halogenação é caracterizado pela remoção de dois átomos de halogênios de átomos de carbonos vizinhos.

A sequência CORRETA é

  • A F V V F.
  • B V F V F.
  • C V V F F.
  • D F V F V.

Física

31

No início do século XX, os espectros de emissão e absorção de radiação de vários átomos eram conhecidos com grande precisão. Entre eles, destacava-se o espectro do átomo de hidrogênio que, devido à sua simplicidade, chegou a ser satisfatoriamente descrito por fórmulas empíricas. Porém, em 1913, Niels Bohr desenvolveu um modelo atômico, cujas previsões para as energias de emissão e absorção dos átomos de hidrogênio e de hélio ionizado apresentavam concordância quantitativa muito elevada com os dados experimentais. Para construir seu modelo, Niels Bohr formulou quatro postulados sobre a natureza dos átomos que misturavam física clássica e não clássica.

Em relação aos postulados de Bohr, assinale a alternativa INCORRETA.

  • A Um elétron em um átomo se move em órbita circular ao redor do núcleo sob a influência da atração coulombiana entre o elétron e o núcleo, obedecendo às leis da mecânica clássica.
  • B Em vez de infinitas órbitas, possíveis na mecânica clássica, um elétron move-se apenas em uma órbita, na qual seu momento angular (L) é múltiplo inteiro de h/2 π (h = constante de Planck).
  • C Apesar de estar constantemente acelerado, um elétron, que se move em uma dessas órbitas possíveis, não emite radiação eletromagnética, mas reduz sua energia total (E).
  • D É emitida radiação eletromagnética se um elétron, que se move inicialmente sobre uma órbita de energia total Ei, muda seu movimento descontinuamente, de forma a se mover em uma órbita de energia total Ef.
32

Para trocar uma lâmpada, João, que pesa 800N, sobe lentamente em uma escada uniforme de 5,0m de comprimento apoiada contra uma parede vertical sem atrito. A extremidade inferior da escada é mantida a 3,0m de distância da parede, apoiada sobre uma superfície na qual existe atrito. A escada pesa 100N e o coeficiente de atrito estático entre o solo e a base da escada é igual a 0,40.

Qual a distância máxima ao longo da escada João poderá subir antes que ela comece a escorregar?

  • A 1,5m.
  • B 1,7m.
  • C 2,5m.
  • D 2,7m.

Direitos Humanos

33
Analise o seguinte trecho do preâmbulo da Declaração Universal dos Direitos Humanos:
"[...] considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo, [...]"
Assinale a alternativa que NÃO está de acordo com as ideias contidas no trecho acima.
  • A Para haver liberdade, justiça e paz no mundo, é importante que se reconheça a dignidade de todo ser humano.
  • B Todo ser humano tem o direito de ser livre para fazer tudo o que desejar.
  • C A igualdade de direitos é um princípio fundamental da justiça.
  • D A dignidade humana é condição para que haja paz no mundo.

História

34

“A atividade missionária nas áreas de mineração de ouro e de diamantes – os atuais estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul – durante a primeira metade do século XVIII foi singular (...). Isto decorreu de políticas específicas desenvolvidas pela coroa. Foi necessário manter um controle rígido da exportação do ouro e diamantes para Portugal e de todo o comércio oficial, e o contrabando teve de ser erradicado”.

HOORNAERT, Eduardo. A Igreja Católica no Brasil colonial. In: BETHELL, Leslie, org. América Latina colonial. São Paulo: Edusp, 1998. p.560.

O resultado dessa política metropolitana para as áreas mineradoras foi a

  • A generalização da presença de ordens regulares, responsáveis pelos serviços religiosos.
  • B hegemonia do clero secular e das “ordens terceiras” nas atividades religiosas.
  • C implantação de seminários e colégios jesuítas, capazes de ordenar a sociedade.
  • D proliferação de dominicanos e franciscanos, responsáveis pelas visitações do Santo Ofício.
35

Leia a afirmação a seguir, com especial atenção ao período grifado.

“O que constitui a comunidade, e leva os homens do livre estado da natureza para uma só sociedade política, é o acordo que cada um faz com os outros para se incorporar com eles e deliberar como um só corpo e, desse modo, formar uma única sociedade política distinta”.

Essa afirmação foi feita por

  • A Bodin, ressaltando a unidade política configurada pela teoria do direito divino dos reis.
  • B Hobbes, destacando o pacto de todos os indivíduos que transferem sua soberania ao Leviatã.
  • C Locke, enfatizando o contrato que se estabelece para a formação da sociedade política.
  • D Maquiavel, apresentando a força do Príncipe no processo de aglutinação da sociedade civil.
36

Em 1979, no processo de abertura política no Brasil, foi editada a nova Lei Orgânica dos Partidos, que resultou no fim do bipartidarismo no país.

Assinale a alternativa que apresenta a alteração decorrente da nova Lei Orgânica dos Partidos.

  • A O MBD transformou-se no Partido Popular com tendências políticas de centro.
  • B O Partido dos Trabalhadores surgiu na cena política, defendendo os interesses do novo sindicalismo.
  • C O PTB reassumiu o histórico ideário varguista sob a liderança de Leonel Brizola.
  • D O registro eleitoral da ARENA foi cancelado, tendo os seus filiados integrado o novo PMDB.
37

Leia o fragmento a seguir.

“1989 surpreendeu até mesmo os dissidentes que operavam na contracultura dos países do bloco socialista do Leste Europeu. A onda de revoluções que sacudiu a região surgiu sem aviso, como um vírus devastador, derrubando um sistema assegurado pelos tanques de Moscou” (Jornal do Brasil, 07 nov.1999).

Apresentam mudanças ocorridas no bloco socialista em 1989, EXCETO:

  • A A União Soviética concluiu a retirada das tropas que ocupavam o Afeganistão desde 1979.
  • B O partido Solidariedade venceu as eleições pluripartidárias para o Senado polonês.
  • C A Alemanha Oriental promoveu um pacote de reformas que resultou na queda do muro de Berlim.
  • D A Romênia promoveu eleições diretas para presidente com o apoio da URSS e da Securitate.
38

Sobre a questão agrária no Brasil, assinale a alternativa INCORRETA.

  • A As Ligas Camponesas, no início de seu funcionamento, lutavam pelo fim do foro e do cambão, e pela assistência técnica e creditícia aos pequenos proprietários rurais, assumindo, a partir de 1961, uma luta radical a favor da reforma agrária.
  • B O Estatuto do Trabalhador Rural, promulgado no governo Goulart, embora tenha levado ao campo a legislação trabalhista e institucionalizado o movimento sindical rural, teve poucos resultados.
  • C O governo Sarney, tendo no horizonte seu slogan de “Tudo pelo Social”, foi uma conjuntura extremamente favorável aos sem-terra ao colocar na ilegalidade a União Democrática Ruralista, impedindo que a violência se alastrasse no campo.
  • D O surgimento de um novo padrão de acumulação no Brasil dos anos 30 não teve impacto no campo, já que foi desprezada a extensão de direitos sociais aos camponeses, como fora garantido aos operários urbanos.

Geografia

39

Em um mapa de determinado país construído na escala 1:5.000.000, a distância entre seus pontos extremos Leste e Oeste é de 12 cm. Em outro mapa do mesmo país, a distância entre esses mesmos pontos extremos é de 8 cm.

A escala desse último mapa é de

  • A 1:4.500.000.
  • B 1:6.000.000.
  • C 1:7.500.000.
  • D 1:9.000.000.
40

Leia este trecho:

Onde eu vivo, nos Estados Unidos, resta-nos menos de 4% da nossa floresta original, 40% dos cursos de água estão impróprios para o consumo. E o nosso problema não é apenas estarmos utilizando demasiados recursos, mas o fato de estarmos utilizando mais do que a nossa parte.

Adaptado de: A História das Coisas. Disponível em: < http://youtu.be/7qFiGMSnNjw>. Acesso em: 08 abr. 2014.

Assinale a alternativa CORRETA.

  • A Nos Estados Unidos, a sustentabilidade econômica foi alcançada em consonância com o equilíbrio ambiental, o que confirma a importância em se adotar esse modelo em escala mundial.
  • B Nos Estados Unidos, o modelo de consumo hoje vigente não compromete os recursos ambientais mundiais, tendo em vista que há países cujo padrão de consumo é aquém daquele estadunidense.
  • C Nos Estados Unidos, o padrão de consumo e o modo de vida de sua população se alicerçam no uso predatório dos recursos ambientais, o que reflete na perda de parcela de sua biodiversidade.
  • D Nos Estados Unidos, os abundantes recursos naturais são suficientes para o atendimento às necessidades de sua população, o que torna seu padrão de consumo sustentável.
Voltar para lista