Resolver o Simulado Prefeitura de Santos - SP - Enfermeiro UTI Pediátrica - Neonatal - ZAMBINI - Nível Superior

0 / 37

Saúde Pública

1
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para, entre outros objetivos, impedir o planejamento do atendimento aos pacientes e usuários do SUS, conforme pode ser observado no texto. II. Os SIS buscam apoiar o processo de tomada de decisão e desamparar as atividades de controle das organizações de saúde brasileiras, de acordo com o autor.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
2
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para, entre outros objetivos, atrapalhar o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do SUS, de acordo com as informações apresentadas pelo texto. II. Os SIS devem permitir o planejamento, a coordenação e a supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações. no contexto da saúde, conforme pode ser observado no texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
3
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. Os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para, entre outros objetivos, impedir o planejamento do atendimento aos pacientes e usuários do SUS, conforme pode ser observado no texto. II. Os SIS buscam apoiar o processo de tomada de decisão e desamparar as atividades de controle das organizações de saúde brasileiras, de acordo com o autor. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
4
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, de acordo com o texto. II. Um dos objetivos específicos dos SIS, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, de acordo com as informações apresentadas pelo autor do texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
5
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão, de acordo com as informações apresentadas pelo texto. II. Os SIS não devem permitir a inclusão dos dados necessários aos profissionais de saúde ou aos utilizadores dos sistemas de informações em saúde, de acordo com o autor.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
6
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, de acordo com o texto. II. Um dos objetivos específicos dos SIS, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, de acordo com as informações apresentadas pelo autor do texto. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
7
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. O nível local dos serviços de saúde tem a responsabilidade apenas com a alimentação dos SIS, não sendo responsável por sua organização ou gestão, de acordo com o texto. II. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS não foram desenvolvidos historicamente por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo, de acordo com o autor.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
8
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS podem ser definidos como um conjunto de componentes desassociados que coletam, processam, armazenam e corrompem as informações relacionadas à saúde, de acordo com o texto. II. O texto afirma que, segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como o monitoramento das metas estabelecidas e a redução do direito de acesso aos serviços do SUS pelos usuários, por exemplo.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
9
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. Os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para, entre outros objetivos, atrapalhar o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do SUS, de acordo com as informações apresentadas pelo texto. II. Os SIS devem permitir o planejamento, a coordenação e a supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações. no contexto da saúde, conforme pode ser observado no texto. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
10
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. O nível local dos serviços de saúde tem a responsabilidade apenas com a alimentação dos SIS, não sendo responsável por sua organização ou gestão, de acordo com o texto. II. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS não foram desenvolvidos historicamente por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo, de acordo com o autor. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.

Psiquiatria

11

Assinale as três condições psiquiátricas de maior prevalência para o suicídio.

  • A Transtorno obsessivo-compulsivo, dependência química e esquizofrenia.
  • B Esquizofrenia, transtorno de personalidade Borderline, transtorno bipolar.
  • C Transtorno bipolar, esquizofrenia e dependência química.
  • D Transtorno de personalidade Borderline, depressão maior e transtorno de ansiedade
  • E Depressão pós-esquizofrenia, transtorno de personalidade borderline e depressão maior.
12

Uma mulher de 30 anos presencia a morte de um assaltante de bancos. Nos dias seguintes, ela se isola do contato social, mas, posteriormente, volta à sua rotina de trabalho e lazer com amigos. No entanto, ela desenvolveu uma ideia prevalente de que os supostos comparsas do bandido morto a estavam seguindo, sendo sempre reconhecidos pelo uso de bonés. Esse comportamento já dura dois anos, e ela é convencida pela família e amigos de trabalho e faculdade a buscar ajudar médica. Na entrevista, nega alterações em outras esferas cognitivas. Assinale a alternativa condizente com esse caso.

  • A Transtorno de estresse pós-traumático.
  • B Transtorno delirante.
  • C Esquizofrenia paranoide.
  • D Transtorno de personalidade com instabilidade emocional.
  • E Esquizofrenia simples.
13

Assinale a distorção cognitiva ou o pensamento automático compatível com o discurso de uma paciente com fobia social: “Todos os alunos da minha turma me acham feia e vão rir de mim durante minha fala do trabalho em equipe”.

  • A Catastrofização
  • B Leitura mental
  • C Personalização
  • D Generalização
  • E Inferência arbitrária
14

Qual a precaução que devemos ter ao suspeitar de um quadro de anorexia nervosa?

  • A Confirmar se a perda de peso é intencional ou decorrente de outra causa.
  • B Evitar revelar o diagnóstico, a fim de poupar o paciente.
  • C Excluir a hipótese, caso o paciente tenha histórico de bulimia.
  • D Excluir a hipótese, caso o paciente tenha mais de 30 anos.
  • E Excluir a possibilidade de internamento, evitando o estigma e o trauma da experiência.
15

O exame mental no idoso portador de quadro demencial pode identificar várias alterações típicas de linguagem, memória e outras funções cognitivas. Assinale a alternativa que retrata a condição de um paciente que, estimulado por falsas dicas e informações do entrevistador, fala extensamente sobre fatos e ocorrências que, segundo os familiares, nunca ocorreram no seu passado.

  • A Parafasias.
  • B Amnésia retrógrada.
  • C Amnésia anterógrada.
  • D Confabulação.
  • E Anosognosia.
16

Em relação à Hipnose, assinale a alternativa correta.

  • A Foi banida dos serviços de saúde mental.
  • B Há escalas que avaliam a susceptibilidade à hipnose.
  • C Foi desenvolvida após a teoria da Psicanálise.
  • D Não pode induzir analgesia.
  • E Faz parte da abordagem conhecida por Flooding.
17

Em relação ao sonambulismo e a outros transtornos do sono, assinale a alternativa correta.

  • A Paradoxalmente, o terror noturno prevê um despertar espontâneo e calmo para o paciente.
  • B Assim como o sonambulismo, os pesadelos se manifestam com deambulação por longos trechos.
  • C A manifestação do sonambulismo pode ser favorecida pela existência prévia de outros transtornos do sono, tais como: apneia obstrutiva, síndrome das pernas inquietas e narcolepsia.
  • D O diagnóstico padrão ouro se dá através do eletroencefalograma.
  • E O sonambulismo é mais comum em idosos.
18

Em relação aos tratamentos menos comuns para quadros depressivos refratários à medicação, assinale o tratamento alternativo frequentemente usado na depressão sazonal.

  • A Privação do sono
  • B Fototerapia
  • C Hypericum perfuratum
  • D Erva de São João
  • E Kava-Kava
19

As avaliações psiquiátricas podem ser estruturadas com escalas objetivas. Assinale a alternativa correta em relação a algumas delas.

  • A A escala de Glasgow avalia a consciência vígil e é largamente usada no ambiente ambulatorial.
  • B A versão do miniexame do estado mental aplicada no Brasil não sofreu adaptações de ponto de corte em razão do tempo de escolaridade.
  • C O inventário de Beck é preenchido apenas pelo psicólogo.
  • D A escala MCHAT para autismo é preenchida por pais de crianças de 16 a 30 meses.
  • E O inventário de Beck é preenchido apenas pelo psiquiatra.
20

Há alguns subtipos de quadro depressivo mais facilmente reconhecíveis por alguns achados estereotipados, principalmente quando observados em um mesmo paciente. Considerando esse fato, o termo “depressão atípica” compreende:

  • A um quadro de depressão sobreposto a um de hipomania.
  • B um quadro depressivo com aumento do apetite e hipersonia, associado a humor reativo (que melhora com estímulos agradáveis).
  • C um quadro depressivo com diminuição do apetite e hipersonia.
  • D um quadro depressivo com hiperfagia e insônia.
  • E um quadro distímico sobreposto a uma depressão maior.

Ciências Humanas

21

A decisão, ao final de cada combate dos jogos de gladiadores, estava nas mãos da multidão, a testemunhar um ato de soberania popular que só teria equivalência, no mundo moderno, com os referendos ou plebiscitos, em que todos se manifestam. O princípio da soberania popular manifestava-se, na arena, de forma direta e incisiva. Se nas eleições as mulheres não tinham direito ao voto, na arena todos podiam manifestar-se, prerrogativa que a cidadania moderna atingiria apenas no século XX.

(Jaime Pinsky e Carla Pinsky (orgs.), História da Cidadania)


De acordo com o texto, os jogos de gladiadores

  • A eram um aspecto importante da participação da coletividade na vida pública.
  • B destinavam-se à diversão dos escravos, distraindo-os das questões sociais.
  • C faziam parte da política social do Império, contribuindo para a redução das desigualdades.
  • D reproduziam o caráter horizontal e igualitário da estrutura da sociedade romana.
  • E funcionavam como o sistema penal da sociedade romana, punindo ladrões e marginais.
22

Já se disse, numa expressão feliz, que a contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade – daremos ao mundo o “homem cordial”, um traço definido do caráter brasileiro, na medida, ao menos, em que permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal.


(Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil. Adaptado)


O “meio rural e patriarcal” a que se refere o trecho está relacionado


  • A à exploração das drogas do sertão no vale amazônico, em que os comandantes das expedições de extrativismo cumpriam o papel simultâneo de autoridades públicas e agentes comerciais.
  • B à interiorização da ocupação no vale do Rio São Francisco, graças à expansão da pecuária que abastecia os engenhos da zona da mata, centrada na figura dos vaqueiros.
  • C à produção de açúcar no engenho, no qual se constituíram relações sociais marcadas pela escravidão e pelo convívio familiar, organizadas em torno da autoridade do senhor.
  • D ao bandeirantismo, em que os bandeirantes portugueses exerciam o poder sobre uma vasta população de negros, índios e mestiços que adentravam o continente em busca de ouro.
  • E às missões jesuíticas, em que os jesuítas escravizavam povos indígenas com o objetivo de explorar a sua mão de obra para fins comerciais relacionados à monocultura exportadora.
23

A filosofia crítica, que é o pano de fundo do Iluminismo, caracteriza-se por três pressupostos básicos: 1) a liberdade, exemplificada pela defesa da livre iniciativa no comércio, segundo o pensamento liberal e opondo-se ao absolutismo de direito divino; 2) o individualismo, que se baseia na existência do indivíduo livre e autônomo, consciente e capaz de se autodeterminar; 3) a igualdade jurídica, que visa garantir a liberdade do indivíduo contra os privilégios da nobreza.


(Danilo Marcondes, Iniciação à história da filosofia. Adaptado)


De acordo com essa definição, o Iluminismo foi

  • A um movimento elitista, voltado para a defesa de privilégios sociais e econômicos.
  • B uma ideologia socialista, defensora da abolição da propriedade privada.
  • C um pensamento universalista originado na sociedade burguesa no século XVIII.
  • D uma filosofia de natureza teológica, voltada para a defesa de valores tradicionais.
  • E um movimento anarquista, contrário à autoridade do Estado sobre o indivíduo.
24

Ora, nada é mais meigo do que o homem em seu estado primitivo, quando, colocado pela natureza a igual distância da estupidez dos brutos e das luzes funestas do homem civil e compelido tanto pelo instinto quanto pela razão a defender-se do mal que o ameaça, é impedido pela piedade natural de fazer mal a alguém sem ser a isso levado por alguma coisa ou mesmo depois de atingido por algum mal. Porque, segundo o sábio Locke, “não haveria afronta se não houvesse propriedade”.


(Jean-Jacques Rousseau, Discurso sobre a origem e o fundamento da desigualdade entre os homens. Adaptado)


Baseando-se no texto, é correto afirmar que o pensamento do filósofo Rousseau

  • A concebeu a existência da propriedade como origem das desigualdades sociais.
  • B exaltou a civilização burguesa em detrimento das sociedades primitivas.
  • C considerou a vida em estado de natureza como “guerra de todos contra todos”.
  • D defendeu a autoridade totalitária do Estado contra os direitos individuais.
  • E desenvolveu argumentos ideologicamente favoráveis ao colonialismo europeu.
25

A razão que serve para o desenvolvimento da técnica é a razão instrumental, bem diferente da razão vital, por meio da qual o homem se torna capaz de compreender criticamente a situação em que vive. O “especialista competente” pode ser o “aprendiz de feiticeiro” que não reflete suficientemente bem a respeito dos fins de sua ação. Presenciamos no século XX um período de crise: a razão, que deveria servir para vincular o homem ao real a fim de compreendê-lo, para escolher o que é melhor para sua vida, essa razão se acha “enlouquecida”.


(Maria Lúcia de Aranha e Maria Helena P. Martins, Temas de filosofia. Adaptado)


Com base no texto, sobre a crise da razão, é correto afirmar que

  • A sob o ponto de vista filosófico, a ciência é dotada da neutralidade de valores.
  • B a razão instrumental garante uma relação equilibrada entre ciência e meio ambiente.
  • C a reflexão filosófica sobre a razão instrumental fundamenta-se em critérios religiosos.
  • D a razão vital proporciona critérios reflexivos sobre as finalidades da ciência.
  • E trata-se de um problema filosófico desvinculado do irracionalismo da ciência.
26

Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às ideias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.


(Marilena Chauí, Convite à Filosofia)


Sobre o método filosófico, é correto afirmar que

  • A a utilidade da filosofia relaciona-se com horizontes éticos e críticos sobre a realidade.
  • B proporciona conhecimentos politicamente neutros e cientificamente objetivos.
  • C a reflexão filosófica tem por objetivo reproduzir os preconceitos do senso comum.
  • D produz um pensamento para o qual a aparência das coisas é igual à sua essência.
  • E a filosofia é um conhecimento abstrato incapaz de induzir transformações sociais.
27

Como a programação se dirige ao que já sabemos e já gostamos, e como toma a cultura sob a forma de lazer e entretenimento, a mídia satisfaz imediatamente nossos desejos porque não exige de nós atenção, pensamento, reflexão, crítica, perturbação de nossa sensibilidade e de nossa fantasia. Em suma, não nos pede o que as obras de arte e de pensamento nos pedem: trabalho sensorial e mental para compreendê-las, amá-las, criticá-las, superá-las. A Cultura nos satisfaz, se tivermos paciência para compreendê-la e decifrá-la. Exige maturidade. A mídia nos satisfaz porque nada nos pede, senão que permaneçamos para sempre infantis.

(Marilena Chauí, Convite à Filosofia)


De acordo com o texto, sobre a mídia, ou indústria cultural, é correto afirmar que

  • A tem por objetivo a realização de finalidades educativas e de aprimoramento estético.
  • B está baseada na padronização e mercantilização da cultura e na gratificação imediata.
  • C está desconectada da realização de interesses econômicos dos patrocinadores.
  • D solicita dos consumidores de cultura níveis elevados de amadurecimento emocional.
  • E busca subverter padrões sociais de passividade intelectual durante o tempo de lazer.

Administração Pública

28

A estrutura de governança demonstra independência em relação a seus executivos e supervisiona o desenvolvimento e o desempenho do controle interno. Esse princípio da estrutura de controle interno está ligado ao componente de

  • A ambiente de controle.
  • B avaliação dos riscos.
  • C atividade de controle.
  • D informação e comunicação.
  • E atividade de monitoramento.
29

Na evolução da Administração Pública em diversos contextos mundiais, há um elemento fundamental que baliza o entendimento da necessidade da superação do patrimonialismo.


É uma característica central do patrimonialismo

  • A contratar pessoal com base em regras explícitas que garantam igualdade formal.
  • B definir racionalmente funções e responsabilidades por leis ou regulamentos.
  • C manter a sobreposição da esfera pessoal, privada e familiar frente à esfera pública e ao trabalho.
  • D organizar, de forma estável e duradoura, grande número de prestadores de serviços, cada qual com uma função especializada.
  • E separar formalmente a função das características pessoais do indivíduo que a ocupa.
30

Um governante, defensor da Nova Gestão Pública, decidiu que implementaria um plano de gestão voltado à convergência da gestão pública à gestão privada. Para tal, aprovou um conjunto de orientações de gestão alinhadas à gestão privada. Entretanto, uma das orientações aprovadas estava equivocada por não permitir essa convergência.


A orientação equivocada do governante era a que dizia respeito à(ao)

  • A ênfase no desempenho por meio de mensuração de indicadores de custos, processos e resultados/ impactos.
  • B constituição de grandes organizações multifuncionais centralizadoras.
  • C preferência por formas organizacionais mais enxutas e especializadas.
  • D foco no tratamento de usuários de serviços como clientes.
  • E compartilhamento de responsabilidades e remuneração por desempenho.
31

A reforma do Estado, iniciada na última década do século XX, no Brasil, buscou ofertar bens e serviços públicos com mais qualidade, bem como diminuir a interferência do Estado no mercado, por meio das privatizações e da desregulamentação das atividades econômicas, com foco em controle de resultado.

Mathias-Pereira, J. Manual de gestão pública contemporânea.

São Paulo: Ed.Atlas, 2007, p. 23. Adaptado.


Esse movimento de reforma, mencionado no trecho acima, refere-se à justificativa para a implantação do modelo de gestão pública denominado

  • A autocrático
  • B burocrático
  • C estadocêntrico
  • D gerencial
  • E patrimonial
32

A burocracia na gestão pode apresentar um conjunto de disfunções na Administração Pública que justificaram a reforma do estado em diferentes países.


O excesso de burocracia gera nas organizações a

  • A ampliação da liberdade de ação
  • B internalização de normas e formalismo
  • C personalização de tarefas e cargos
  • D redução de autoridade hierárquica
  • E restrição de documentação formal
33
Sobre a ética no setor público, assinale a alternativa correta.
  • A Princípio da diligência se refere a agir com zelo e escrúpulo em todas funções
  • B O princípio da conduta ilibada é o de agir da melhor maneira esperada em sua profissão e fora dela, com técnica, justiça e discrição
  • C O princípio da correção profissional diz respeito a não acumular funções incompatíveis
  • D O princípio da lealdade e da verdade orienta a guardar segredo sobre as informações que acessa no exercício da profissão
34

Os movimentos de Reforma do Estado, ao ensejar importantes transformações na estrutura e no funcionamento do Estado, visam fortalecer capacidades institucionais de entrega de valor público por meio de políticas públicas e serviços públicos de qualidade. A respeito da evolução da administração pública no Brasil, assinale a opção correta.

  • A A Reforma Desenvolvimentista de 1967 buscou criar o serviço público profissional, competente e livre das amarras da burocracia, desenvolvendo sistemas e estruturas voltadas ao planejamento e à gestão do Estado.
  • B A Reforma Burocrática de 1936 procurou criar condições institucionais para que administradores públicos e políticos administrassem o Estado com mais autonomia e responsabilidade a partir do controle a posteriori.
  • C A Reforma Gerencial dos anos 1990 estabeleceu maior clareza na distinção entre a administração direta e a administração indireta, dando mais autonomia de gestão às autarquias, fundações e empresas públicas.
  • D A Reforma da Constituição de 1988 reafirma os princípios de uma administração pública moderna e profissional estabelecida nas reformas da década de 60 do século passado.
  • E A Reforma do Novo Serviço Público foi consolidada neste século e postula a conexão entre cidadãos e seus governos por meio de processos democráticos de compartilhamento da escolha pública.
35

Governos tradicionalmente burocráticos continuam operando com excessivo foco em insumos e recursos e não em resultados e impactos. Nesse sentido, assinale a opção correta acerca da gestão por resultado na produção de serviços públicos.

  • A Essa gestão tem como princípios delegar competências, reagrupar funções e suprimir órgãos desnecessários.
  • B A referida gestão visa planejar, descentralizar e delegar competências, focando apenas na coordenação e no controle.
  • C Nesse tipo de gestão, o excesso de regras e burocracias fazem que se perca de vista as pessoas que deveriam estar servindo.
  • D Na gestão em apreço, o papel do cidadão é olhar para além do autointeresse, é enxergar o interesse público mais amplo.
  • E Um dos princípios dessa gestão consiste em olhar cidadãos como cidadão, e não meramente como eleitores, clientes ou consumidores.
36

A ferramenta de gestão que serve para definir, com clareza, determinado problema e que se embasa nas respostas às perguntas “o quê?”, “por quê?”, “quem?”, “onde?”, “quando?”, “como?” e “quanto?” denomina-se

  • A matriz SWOT.
  • B gráfico de Gantt.
  • C análise 5W2H.
  • D diagrama espinha de peixe.
  • E matriz GUT.
37

Considerando o modelo patrimonial que marca nossa herança e os elementos da prática de gestão do Estado, assinale a opção correta.

  • A O patrimonialismo pode ser visto como uma superposição estreita entre a dimensão pública e a privada, possibilitando essa imbricação o surgimento de uma estrutura que mais tarde será importante para fortalecimento do Estado de bem-estar nacional.
  • B A noção de patrimonialismo está arraigada a uma concepção de sociedade marcada por liberdades individuais, com exaltação máxima do indivíduo que atue em nome de seus interesses particulares.
  • C Na definição de modelos de gestão pública, são marcantes a dimensão pública e a privada; no patrimonialismo elas se caracterizam como extensão uma da outra
  • D O patrimonialismo encontra-se profundamente engendrado na lógica inaugurada pelo Estado moderno e encontra apoio em muitas formações sociais até os dias atuais.
  • E Após as muitas reformas administrativas ocorridas nos Estados modernos, elementos de práticas de gestão contemporâneas estão imunes às lógicas identificadas no patrimonialismo.
Voltar para lista