Resolver o Simulado Prefeitura Municipal de Araguaína - Pedagogo - IDIB - Nível Superior

0 / 30

Português

1
PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA

Considerada um marco na educação brasileira, porém pouco praticada no cotidiano escolar, a Pedagogia Histórico-Crítica, teoria criada pelo pedagogo brasileiro Dermeval Saviani, tem como foco a transmissão de conteúdos científicos por parte da escola, porém sem ser conteudista. O ensino conteudista é aquele em que se passa uma quantidade enorme de conteúdo, sem se preocupar com o desenvolvimento intelectual, cultural e de raciocínio do aluno. A teoria de Saviani, no entanto, preza pelo acesso aos conhecimentos e sua compreensão por parte do estudante para que este seja inclusive capaz de transformar a sociedade.

Trata-se de uma pedagogia contra-hegemônica, inspirada no marxismo, portanto preocupada com os problemas educacionais decorrentes da exploração do homem pelo homem. É uma teoria de orientação socialista, organizada no Brasil a partir da década de 1980.

Na Pedagogia Histórico-Crítica, a educação escolar é valorizada, tendo o papel de garantir os conteúdos que permitam aos alunos compreender e participar da sociedade de forma crítica, superando a visão de senso comum. A ideia é socializar o saber sistematizado historicamente e construído pelo homem. Nesse sentido, o papel da escola é propiciar as condições necessárias para a transmissão e a assimilação desse saber.

Conforme Dermeval Saviani, que esteve em Sorocaba na segunda-feira passada, dia 10, para a aula inaugural do curso de Pedagogia na UFSCar, e concedeu entrevista exclusiva ao Educare, sua teoria pedagógica entende que a sociedade atual é injusta, baseada na exploração do trabalho pelo capital, por isso ele acredita que o movimento operário deve se organizar para que não existam mais exploradores e explorados. "Para que essa teoria se desenvolva efetivamente, é necessário um outro tipo de organização social e isso é difícil porque nesse caso a nossa sociedade é questionada, mas a ideia é assegurar aos alunos o domínio dos conhecimentos e conquistas humanas para que eles possam agir na sociedade de maneira diferente".

O professor frisa que as teorias dominantes tendem a desconsiderar a importância dos conhecimentos elaborados de base científica. "A Escola Nova secundariza o conhecimento do professor assim como o Construtivismo, entre outras propostas, que assumem posições negadoras da escola", afirma.

De acordo com Dermeval, para uma pessoa aprender a falar, ela não precisa da escola, mas para ler e escrever, sim. "Os conteúdos acabam sendo sonegados da população, dos trabalhadores na verdade, porque a elite dominante tem escolas que asseguram esse acesso. Por isso é que defendo a valorização dos conteúdos e conhecimentos sistematizados. A escola tem de priorizar isso", diz.

O educador observa que nos últimos anos as escolas têm sido incentivadas a cuidar de outras coisas. O que existe, afirma, é a inclusão de elementos que não são relevantes, que não precisam ou não deveriam entrar no currículo das escolas. "Mas há deputados que querem introduzir disciplinas. Teve um que queria incluir aula de xadrez nas escolas porque estimula o raciocínio, enfim, enquanto muitos estudantes questionam diversos tipos de conteúdos porque acreditam que não serão usados em seu dia a dia e serão esquecidos, eu defendo que eles são necessários para que se entre em outro patamar".

Como exemplo, Dermeval diz que é preciso ter acesso à norma culta da Língua Portuguesa para que o aluno tenha condições de ler os clássicos. "O andaime é indispensável para uma construção, não é porque ele não será usado mais tarde que devemos abrir mão do andaime. Então da mesma forma, na Educação, há coisas que a escola tem de desenvolver para que o estudante consiga alcançar outros degraus. O óbvio precisa ser reiterado porque acaba sendo esquecido", afirma.

Dermeval lembra que os alunos reclamam dos professores, alegando que as aulas são muito teóricas e que deveriam ser mais práticas. "Mas sem a teoria a prática fica cega. Por sua vez, a teoria sem a prática é mera abstração, então é preciso saber dosar, mas quiçá tivesse mesmo mais teorias, aí sim muita gente teria aprendido mais coisas."

Quando Dermeval fala de teoria, ele não está falando em "jogar conteúdos aos ventos", mas sim trabalhar adequadamente esses conhecimentos nas escolas.

Outra observação que o pedagogo faz é com relação às várias teorias existentes e que muitos professores têm se perdido. Alguns já não sabem mais o que seguir e acabam misturando conceitos. Aqui vai a dica: "Não cabe misturar teorias, pois isso não permite que seja feito um trabalho consistente. É preciso, sim, conhecer as várias teorias para superá-las", diz ele.

(JACINTO, Daniela. Criador da Pedagogia Histórico-Crítica fala sobre o papel da escola. Disponível em: http://bit.ly/2prSepa)
Com base no texto 'PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA', leia as afirmativas a seguir:
I. De acordo com a autora do texto, as ideias da pedagogia Histórico-Crítica estão centradas num processo de aquisição real do conhecimento em que o educando assimila passivamente uma gama de saberes para mudança de classe social. II. Demerval Saviani sugere que haja um equilíbrio entre teoria e prática, pois uma não anula a existência da outra. Entretanto, lamenta não existir um maior arcabouço de teorias.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
2
PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA

Considerada um marco na educação brasileira, porém pouco praticada no cotidiano escolar, a Pedagogia Histórico-Crítica, teoria criada pelo pedagogo brasileiro Dermeval Saviani, tem como foco a transmissão de conteúdos científicos por parte da escola, porém sem ser conteudista. O ensino conteudista é aquele em que se passa uma quantidade enorme de conteúdo, sem se preocupar com o desenvolvimento intelectual, cultural e de raciocínio do aluno. A teoria de Saviani, no entanto, preza pelo acesso aos conhecimentos e sua compreensão por parte do estudante para que este seja inclusive capaz de transformar a sociedade.

Trata-se de uma pedagogia contra-hegemônica, inspirada no marxismo, portanto preocupada com os problemas educacionais decorrentes da exploração do homem pelo homem. É uma teoria de orientação socialista, organizada no Brasil a partir da década de 1980.

Na Pedagogia Histórico-Crítica, a educação escolar é valorizada, tendo o papel de garantir os conteúdos que permitam aos alunos compreender e participar da sociedade de forma crítica, superando a visão de senso comum. A ideia é socializar o saber sistematizado historicamente e construído pelo homem. Nesse sentido, o papel da escola é propiciar as condições necessárias para a transmissão e a assimilação desse saber.

Conforme Dermeval Saviani, que esteve em Sorocaba na segunda-feira passada, dia 10, para a aula inaugural do curso de Pedagogia na UFSCar, e concedeu entrevista exclusiva ao Educare, sua teoria pedagógica entende que a sociedade atual é injusta, baseada na exploração do trabalho pelo capital, por isso ele acredita que o movimento operário deve se organizar para que não existam mais exploradores e explorados. "Para que essa teoria se desenvolva efetivamente, é necessário um outro tipo de organização social e isso é difícil porque nesse caso a nossa sociedade é questionada, mas a ideia é assegurar aos alunos o domínio dos conhecimentos e conquistas humanas para que eles possam agir na sociedade de maneira diferente".

O professor frisa que as teorias dominantes tendem a desconsiderar a importância dos conhecimentos elaborados de base científica. "A Escola Nova secundariza o conhecimento do professor assim como o Construtivismo, entre outras propostas, que assumem posições negadoras da escola", afirma.

De acordo com Dermeval, para uma pessoa aprender a falar, ela não precisa da escola, mas para ler e escrever, sim. "Os conteúdos acabam sendo sonegados da população, dos trabalhadores na verdade, porque a elite dominante tem escolas que asseguram esse acesso. Por isso é que defendo a valorização dos conteúdos e conhecimentos sistematizados. A escola tem de priorizar isso", diz.

O educador observa que nos últimos anos as escolas têm sido incentivadas a cuidar de outras coisas. O que existe, afirma, é a inclusão de elementos que não são relevantes, que não precisam ou não deveriam entrar no currículo das escolas. "Mas há deputados que querem introduzir disciplinas. Teve um que queria incluir aula de xadrez nas escolas porque estimula o raciocínio, enfim, enquanto muitos estudantes questionam diversos tipos de conteúdos porque acreditam que não serão usados em seu dia a dia e serão esquecidos, eu defendo que eles são necessários para que se entre em outro patamar".

Como exemplo, Dermeval diz que é preciso ter acesso à norma culta da Língua Portuguesa para que o aluno tenha condições de ler os clássicos. "O andaime é indispensável para uma construção, não é porque ele não será usado mais tarde que devemos abrir mão do andaime. Então da mesma forma, na Educação, há coisas que a escola tem de desenvolver para que o estudante consiga alcançar outros degraus. O óbvio precisa ser reiterado porque acaba sendo esquecido", afirma.

Dermeval lembra que os alunos reclamam dos professores, alegando que as aulas são muito teóricas e que deveriam ser mais práticas. "Mas sem a teoria a prática fica cega. Por sua vez, a teoria sem a prática é mera abstração, então é preciso saber dosar, mas quiçá tivesse mesmo mais teorias, aí sim muita gente teria aprendido mais coisas."

Quando Dermeval fala de teoria, ele não está falando em "jogar conteúdos aos ventos", mas sim trabalhar adequadamente esses conhecimentos nas escolas.

Outra observação que o pedagogo faz é com relação às várias teorias existentes e que muitos professores têm se perdido. Alguns já não sabem mais o que seguir e acabam misturando conceitos. Aqui vai a dica: "Não cabe misturar teorias, pois isso não permite que seja feito um trabalho consistente. É preciso, sim, conhecer as várias teorias para superá-las", diz ele.

(JACINTO, Daniela. Criador da Pedagogia Histórico-Crítica fala sobre o papel da escola. Disponível em: http://bit.ly/2prSepa)
Com base no texto 'PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA', leia as afirmativas a seguir:
I. O acesso à norma culta da Língua Portuguesa, a fim de que o aluno tenha condições de ler os clássicos, é um dos diversos tipos de conteúdos necessários para o educando entrar em outro patamar, alcançar outros degraus, como sugere o teórico. II. O educador Saviani corrobora com a ideia de que existem muitas teorias relacionadas à educação e os docentes já não sabem mais qual devem seguir. Sendo assim, não se deve misturá-las.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
3

Com relação à colocação dos pronomes átonos, assinale a alternativa correta.

  • A Se debatem muitas vezes, nas gestões municipais, interesses conflitantes, dado o grande número de segmentos que integram os municípios.
  • B Os gestores dos municípios brasileiros não podem deixar de se envolver com a discussão acerca do futuro do planeta.
  • C O governo local que não mune‐se de informações tem dificuldade de identificar e priorizar questões estratégicas para o planejamento de suas ações.
  • D Os governos municipais têm inquietado‐se com desafios de toda ordem e com a escassez de recursos financeiros.
  • E Nas gestões municipais, deveria‐se pensar, em primeiro lugar, em ações concretas para a melhoria da qualidade de vida da população local.
4

A fotografia está morrendo?

De tempos em tempos temos algum artigo apocalíptico dizendo que algo está morrendo, ou simplesmente vai acabar. Até hoje estamos esperando a morte do rádio ou o fim do papel. Mas, alguns destes artigos nos trazem coisas para pensarmos. É o caso do texto intitulado “The Death of Photography: are camera phones destroying an artform?” (Em português: “A morte da fotografia: as câmeras de celular estão destruindo uma forma de arte?”) publicado no The Guardian por Stuart Jeffries em 13 de dezembro. Ele parte de uma pergunta simples: estaria a massificação da fotografia destruindo a arte? Pergunta complicada. Em vez de expressar unicamente sua opinião, o jornalista procurou alguns grandes fotógrafos e os fez pensar sobre o assunto.

O primeiro a ser questionado foi Antonio Olmos, fotógrafo mexicano que vive em Londres. Segundo ele, nunca houve tantas fotografias tiradas no mundo, mas ao mesmo tempo a fotografia está morrendo. Para o fotógrafo isso se deve justamente pela massificação. Para falar a verdade, a reportagem toda foi motivada por dois acontecimentos da semana passada. O primeiro foi flagrante do autorretrato em que participou o Presidente dos Estados Unidos Barack Obama na cerimônia em memória a Nelson Mandela. Segundo a reportagem ela mostra toda a natureza narcisista que cerca a nova fotografia executada com celulares. O segundo fato foi a divulgação de uma pesquisa feita por psicólogos onde foi demonstrado que o atual comportamento que nos leva a fotografar tudo o que vemos tem por consequência o fato de não vivermos intensamente o momento, levando a sua não assimilação total dos fatos. Ou seja, quanto mais você fotografa o seu cotidiano, menos capacidade de se lembrar dele você tem.

É nesse segundo ponto que Olmos bate mais forte: “As pessoas que tomam fotografias de sua comida em um restaurante em vez de comê-la. As pessoas que tomam fotografias da Mona Lisa, em vez de olhar para ela. Acho que o iPhone está levando as pessoas para longe de suas experiências.” O argumento do fotógrafo também passa pela história do surgimento da fotografia, na qual os pintores perderam o filão de retratos de família para os fotógrafos. Agora, os profissionais estão perdendo o seu espaço para as fotografias feitas pelo cidadão comum. Entendo o argumento do fotógrafo, mas sinto aqui também um pouco de amargura. Sabemos que o ramo do fotojornalismo, a área de Olmos, está em crise. Antigamente era necessário enviar um profissional para uma zona de conflito. Hoje é possível encontrar diversas fotos desses conflitos feitas por quem está vivendo o acontecimento. Imagens feitas com celulares e postadas em redes sociais. Complicado competir com esse tipo de interatividade.

Por outro lado, o fotógrafo Eamonn McCabe tem uma visão um pouco diferente. Para ele, a massificação da tecnologia digital está deixando os fotógrafos cada vez mais preguiçosos. Antes uma sessão fotográfica era feita com dois rolos de filme de 24 poses. Hoje pode-se fazer mil fotos em uma sessão e todos os defeitos são corrigidos no pós processamento. Sem dizer que tamanha quantidade de fotos nos tira a capacidade de apreciar uma imagem. Por isso que sempre digo que ninguém vai querer ver as 2 mil fotos de suas férias. Faça uma seleção de 20 fotos e vai ser um sucesso. “As pessoas estão fazendo um monte de fotos, mas ninguém está olhando para elas”.

E, no final do artigo, temos a voz da razão na pessoa do fotógrafo Nick Knight, que já publicou um livro e fez uma campanha de moda utilizando apenas o iPhone. Para ele, o iPhone trouxe uma liberdade que só tem paralelo com os anos 60, quando deixou-se de utilizar tripé nas sessões de moda com a utilização de câmeras 35mm em detrimento das de médio formato. Segundo Nick, “O que importa, artisticamente, não é quantos pixels elas tem, mas se as imagens funcionam. A máquina com que você cria sua arte é irrelevante.”

O artigo é muito mais denso e merece uma leitura detalhada. Mas, qual minha opinião? A arte sempre vai estar morrendo, segundo a opinião de alguém. Além do mais, a fotografia não é arte. É uma forma de comunicação que pode ser utilizada como arte. Esta utilização é que se encontra em baixa ultimamente e é de difícil acesso para o público comum. Até mesmo para os fotógrafos que investiram milhares de Reais em seu equipamento. Vejo muita foto feita com câmeras caras, lentes soberbas, conhecimento técnico e pós processamento exorbitante que são, apenas, bonitinhas. Expressões máximas da frase “sua fotografia é tão boa quanto seu equipamento”. A fotografia, como expressão da arte, não está morrendo. Ela continua existindo no mesmo nicho que sempre existiu. Talvez agora um pouco mais escondida por conta da massificação, mas ela está lá, vivendo bem. 

Disponível em: <https://meiobit.com/274065/fotografia-estamorrendo/>. Acesso em: 31 jul. 2019 (Adaptação).

Na conclusão do texto, o autor expressa sua opinião própria sobre o tema. Assinale a alternativa que a sintetiza corretamente.

  • A Para o autor, não se trata da morte da fotografia enquanto expressão artística, pois esta continua existindo, e, sim, da massificação da fotografia como um todo.
  • B O autor, concordando com o fotógrafo Nick Knight, acredita que o maior acesso das pessoas a dispositivos de fotografar é responsável pela queda na qualidade expressiva da fotografia.
  • C O autor acredita que fotografia não é arte e, por isso, nem mesmo os melhores equipamentos seriam capazes de produzir fotografias artísticas.
  • D O autor do texto acredita que a massificação promovida pelas novas formas de fotografar gera fotógrafos preguiçosos, incapazes de produzir arte.
5
PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA
Considerada um marco na educação brasileira, porém pouco praticada no cotidiano escolar, a Pedagogia Histórico-Crítica, teoria criada pelo pedagogo brasileiro Dermeval Saviani, tem como foco a transmissão de conteúdos científicos por parte da escola, porém sem ser conteudista. O ensino conteudista é aquele em que se passa uma quantidade enorme de conteúdo, sem se preocupar com o desenvolvimento intelectual, cultural e de raciocínio do aluno. A teoria de Saviani, no entanto, preza pelo acesso aos conhecimentos e sua compreensão por parte do estudante para que este seja inclusive capaz de transformar a sociedade.

Trata-se de uma pedagogia contra-hegemônica, inspirada no marxismo, portanto preocupada com os problemas educacionais decorrentes da exploração do homem pelo homem. É uma teoria de orientação socialista, organizada no Brasil a partir da década de 1980.

Na Pedagogia Histórico-Crítica, a educação escolar é valorizada, tendo o papel de garantir os conteúdos que permitam aos alunos compreender e participar da sociedade de forma crítica, superando a visão de senso comum. A ideia é socializar o saber sistematizado historicamente e construído pelo homem. Nesse sentido, o papel da escola é propiciar as condições necessárias para a transmissão e a assimilação desse saber.

Conforme Dermeval Saviani, que esteve em Sorocaba na segunda-feira passada, dia 10, para a aula inaugural do curso de Pedagogia na UFSCar, e concedeu entrevista exclusiva ao Educare, sua teoria pedagógica entende que a sociedade atual é injusta, baseada na exploração do trabalho pelo capital, por isso ele acredita que o movimento operário deve se organizar para que não existam mais exploradores e explorados. "Para que essa teoria se desenvolva efetivamente, é necessário um outro tipo de organização social e isso é difícil porque nesse caso a nossa sociedade é questionada, mas a ideia é assegurar aos alunos o domínio dos conhecimentos e conquistas humanas para que eles possam agir na sociedade de maneira diferente".

O professor frisa que as teorias dominantes tendem a desconsiderar a importância dos conhecimentos elaborados de base científica. "A Escola Nova secundariza o conhecimento do professor assim como o Construtivismo, entre outras propostas, que assumem posições negadoras da escola", afirma.

De acordo com Dermeval, para uma pessoa aprender a falar, ela não precisa da escola, mas para ler e escrever, sim. "Os conteúdos acabam sendo sonegados da população, dos trabalhadores na verdade, porque a elite dominante tem escolas que asseguram esse acesso. Por isso é que defendo a valorização dos conteúdos e conhecimentos sistematizados. A escola tem de priorizar isso", diz.

O educador observa que nos últimos anos as escolas têm sido incentivadas a cuidar de outras coisas. O que existe, afirma, é a inclusão de elementos que não são relevantes, que não precisam ou não deveriam entrar no currículo das escolas. "Mas há deputados que querem introduzir disciplinas. Teve um que queria incluir aula de xadrez nas escolas porque estimula o raciocínio, enfim, enquanto muitos estudantes questionam diversos tipos de conteúdos porque acreditam que não serão usados em seu dia a dia e serão esquecidos, eu defendo que eles são necessários para que se entre em outro patamar".

Como exemplo, Dermeval diz que é preciso ter acesso à norma culta da Língua Portuguesa para que o aluno tenha condições de ler os clássicos. "O andaime é indispensável para uma construção, não é porque ele não será usado mais tarde que devemos abrir mão do andaime. Então da mesma forma, na Educação, há coisas que a escola tem de desenvolver para que o estudante consiga alcançar outros degraus. O óbvio precisa ser reiterado porque acaba sendo esquecido", afirma.

Dermeval lembra que os alunos reclamam dos professores, alegando que as aulas são muito teóricas e que deveriam ser mais práticas. "Mas sem a teoria a prática fica cega. Por sua vez, a teoria sem a prática é mera abstração, então é preciso saber dosar, mas quiçá tivesse mesmo mais teorias, aí sim muita gente teria aprendido mais coisas."

Quando Dermeval fala de teoria, ele não está falando em "jogar conteúdos aos ventos", mas sim trabalhar adequadamente esses conhecimentos nas escolas.

Outra observação que o pedagogo faz é com relação às várias teorias existentes e que muitos professores têm se perdido. Alguns já não sabem mais o que seguir e acabam misturando conceitos. Aqui vai a dica: "Não cabe misturar teorias, pois isso não permite que seja feito um trabalho consistente. É preciso, sim, conhecer as várias teorias para superá-las", diz ele.

(JACINTO, Daniela. Criador da Pedagogia Histórico-Crítica fala sobre o papel da escola. Disponível em: http://bit.ly/2prSepa)

Com base no texto 'PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA', leia as afirmativas a seguir: I. A teoria de Saviani coloca em evidência a importância da escola ao sugerir que ela tem o papel de garantir os conteúdos que permitam aos alunos compreender e participar da sociedade de forma crítica, superando a visão de senso comum. Ou seja, há uma preocupação com o desenvolvimento intelectual, cultural e de raciocínio do aluno. II. Teórico fundador da Pedagogia Histórico-Crítica, Demerval Saviani propôs, conforme anuncia o texto, uma metodologia ativa do conhecimento uma sistematização dos saberes historicamente construídos, bem como a inclusão em que o educando é assujeitado, isto é, recebe o conhecimento enquanto o professor se torna um mediador. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
6

Urubus e sabiás

Rubem Alves

Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam... Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores.

E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros.

Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência.

Tudo ia muito bem até que a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás.

Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.

— Onde estão os documentos dos seus concursos? E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvesse. Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente...

— Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem.

E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás...

MORAL: Em terra de urubus diplomados não se ouve canto de sabiá.

ANTUNES, Irande: Análise de textos: fundamentos e práticas.

São Paulo: Parábola, 2013.

Leia a seguinte definição e, na sequência, um excerto retirado do texto “Urubus e sabiás”:

“A oração e seus termos acessórios

Chamam-se acessórios os termos que se juntam a um nome ou a um verbo para precisar-lhes o significado. Embora tragam um dado novo à oração, não são eles indispensáveis ao entendimento do enunciado. Daí sua denominação.

São termos acessórios:

a) o adjunto adnominal;

b) o adjunto adverbial;

c) o aposto.”

CUNHA, Celso; CINTRA Lindley. Nova gramática do português

contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. p. 149

(Adaptação).

“Os urubus, aves por natureza becadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores.”

No excerto, a expressão destacada se classifica como

  • A adjunto adnominal, mas traz informação indispensável ao entendimento do enunciado.
  • B aposto e pode ser retirada da oração, sem qualquer prejuízo de sentido, dado o seu caráter meramente explicativo.
  • C adjunto adnominal, pois caracteriza o substantivo com uma informação secundária, que não é essencial ao texto.
  • D aposto, mas não é indispensável, dada a sua relevância para os efeitos discursivos do texto.
7
PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA

Considerada um marco na educação brasileira, porém pouco praticada no cotidiano escolar, a Pedagogia Histórico-Crítica, teoria criada pelo pedagogo brasileiro Dermeval Saviani, tem como foco a transmissão de conteúdos científicos por parte da escola, porém sem ser conteudista. O ensino conteudista é aquele em que se passa uma quantidade enorme de conteúdo, sem se preocupar com o desenvolvimento intelectual, cultural e de raciocínio do aluno. A teoria de Saviani, no entanto, preza pelo acesso aos conhecimentos e sua compreensão por parte do estudante para que este seja inclusive capaz de transformar a sociedade.

Trata-se de uma pedagogia contra-hegemônica, inspirada no marxismo, portanto preocupada com os problemas educacionais decorrentes da exploração do homem pelo homem. É uma teoria de orientação socialista, organizada no Brasil a partir da década de 1980.

Na Pedagogia Histórico-Crítica, a educação escolar é valorizada, tendo o papel de garantir os conteúdos que permitam aos alunos compreender e participar da sociedade de forma crítica, superando a visão de senso comum. A ideia é socializar o saber sistematizado historicamente e construído pelo homem. Nesse sentido, o papel da escola é propiciar as condições necessárias para a transmissão e a assimilação desse saber.

Conforme Dermeval Saviani, que esteve em Sorocaba na segunda-feira passada, dia 10, para a aula inaugural do curso de Pedagogia na UFSCar, e concedeu entrevista exclusiva ao Educare, sua teoria pedagógica entende que a sociedade atual é injusta, baseada na exploração do trabalho pelo capital, por isso ele acredita que o movimento operário deve se organizar para que não existam mais exploradores e explorados. "Para que essa teoria se desenvolva efetivamente, é necessário um outro tipo de organização social e isso é difícil porque nesse caso a nossa sociedade é questionada, mas a ideia é assegurar aos alunos o domínio dos conhecimentos e conquistas humanas para que eles possam agir na sociedade de maneira diferente".

O professor frisa que as teorias dominantes tendem a desconsiderar a importância dos conhecimentos elaborados de base científica. "A Escola Nova secundariza o conhecimento do professor assim como o Construtivismo, entre outras propostas, que assumem posições negadoras da escola", afirma.

De acordo com Dermeval, para uma pessoa aprender a falar, ela não precisa da escola, mas para ler e escrever, sim. "Os conteúdos acabam sendo sonegados da população, dos trabalhadores na verdade, porque a elite dominante tem escolas que asseguram esse acesso. Por isso é que defendo a valorização dos conteúdos e conhecimentos sistematizados. A escola tem de priorizar isso", diz.

O educador observa que nos últimos anos as escolas têm sido incentivadas a cuidar de outras coisas. O que existe, afirma, é a inclusão de elementos que não são relevantes, que não precisam ou não deveriam entrar no currículo das escolas. "Mas há deputados que querem introduzir disciplinas. Teve um que queria incluir aula de xadrez nas escolas porque estimula o raciocínio, enfim, enquanto muitos estudantes questionam diversos tipos de conteúdos porque acreditam que não serão usados em seu dia a dia e serão esquecidos, eu defendo que eles são necessários para que se entre em outro patamar".

Como exemplo, Dermeval diz que é preciso ter acesso à norma culta da Língua Portuguesa para que o aluno tenha condições de ler os clássicos. "O andaime é indispensável para uma construção, não é porque ele não será usado mais tarde que devemos abrir mão do andaime. Então da mesma forma, na Educação, há coisas que a escola tem de desenvolver para que o estudante consiga alcançar outros degraus. O óbvio precisa ser reiterado porque acaba sendo esquecido", afirma.

Dermeval lembra que os alunos reclamam dos professores, alegando que as aulas são muito teóricas e que deveriam ser mais práticas. "Mas sem a teoria a prática fica cega. Por sua vez, a teoria sem a prática é mera abstração, então é preciso saber dosar, mas quiçá tivesse mesmo mais teorias, aí sim muita gente teria aprendido mais coisas."

Quando Dermeval fala de teoria, ele não está falando em "jogar conteúdos aos ventos", mas sim trabalhar adequadamente esses conhecimentos nas escolas.

Outra observação que o pedagogo faz é com relação às várias teorias existentes e que muitos professores têm se perdido. Alguns já não sabem mais o que seguir e acabam misturando conceitos. Aqui vai a dica: "Não cabe misturar teorias, pois isso não permite que seja feito um trabalho consistente. É preciso, sim, conhecer as várias teorias para superá-las", diz ele.

(JACINTO, Daniela. Criador da Pedagogia Histórico-Crítica fala sobre o papel da escola. Disponível em: http://bit.ly/2prSepa)
Com base no texto 'PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA', leia as afirmativas a seguir:
I. A teoria de Saviani, de acordo com o texto, considera o estudante como um ser passivo, que recebe os conhecimentos advindos do mestre, sem um posicionamento crítico ante os saberes. II. Infere-se do texto que a leitura de clássicos é condição para que o estudante tenha concluído, com êxito, o seu processo de escolarização.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
8

Assinale a alternativa correta no que se refere à pontuação.

  • A Os gestores municipais devem examinar as relações entre saneamento, resíduos sólidos, desigualdade e inclusão sociais, relações público‐privadas e questões institucionais específicas para a organização e funcionamento do governo.
  • B O respeito no trato da gestão municipal, será cada vez mais exigido, como se pode ver pelos recentes posicionamentos da população, que não reelegeu muitos gestores.
  • C A descentralização deve ser objeto, da atenção dos gestores municipais. Recebendo reforço da valorização da territorialidade como abordagem predominante para a definição e implementação de políticas públicas setoriais.
  • D A questão da segurança pública exige, reflexão acerca do papel do governo municipal nesse segmento; e sua contribuição para uma ação coordenada e eficaz dos três níveis de governo.
  • E A contribuição e a formação de parcerias com outros setores e com a população, devem ser trabalhadas pelos governos municipais. Para o bom encaminhamento de todas as questões de interesse público.
9

A fotografia está morrendo?

De tempos em tempos temos algum artigo apocalíptico dizendo que algo está morrendo, ou simplesmente vai acabar. Até hoje estamos esperando a morte do rádio ou o fim do papel. Mas, alguns destes artigos nos trazem coisas para pensarmos. É o caso do texto intitulado “The Death of Photography: are camera phones destroying an artform?” (Em português: “A morte da fotografia: as câmeras de celular estão destruindo uma forma de arte?”) publicado no The Guardian por Stuart Jeffries em 13 de dezembro. Ele parte de uma pergunta simples: estaria a massificação da fotografia destruindo a arte? Pergunta complicada. Em vez de expressar unicamente sua opinião, o jornalista procurou alguns grandes fotógrafos e os fez pensar sobre o assunto.

O primeiro a ser questionado foi Antonio Olmos, fotógrafo mexicano que vive em Londres. Segundo ele, nunca houve tantas fotografias tiradas no mundo, mas ao mesmo tempo a fotografia está morrendo. Para o fotógrafo isso se deve justamente pela massificação. Para falar a verdade, a reportagem toda foi motivada por dois acontecimentos da semana passada. O primeiro foi flagrante do autorretrato em que participou o Presidente dos Estados Unidos Barack Obama na cerimônia em memória a Nelson Mandela. Segundo a reportagem ela mostra toda a natureza narcisista que cerca a nova fotografia executada com celulares. O segundo fato foi a divulgação de uma pesquisa feita por psicólogos onde foi demonstrado que o atual comportamento que nos leva a fotografar tudo o que vemos tem por consequência o fato de não vivermos intensamente o momento, levando a sua não assimilação total dos fatos. Ou seja, quanto mais você fotografa o seu cotidiano, menos capacidade de se lembrar dele você tem.

É nesse segundo ponto que Olmos bate mais forte: “As pessoas que tomam fotografias de sua comida em um restaurante em vez de comê-la. As pessoas que tomam fotografias da Mona Lisa, em vez de olhar para ela. Acho que o iPhone está levando as pessoas para longe de suas experiências.” O argumento do fotógrafo também passa pela história do surgimento da fotografia, na qual os pintores perderam o filão de retratos de família para os fotógrafos. Agora, os profissionais estão perdendo o seu espaço para as fotografias feitas pelo cidadão comum. Entendo o argumento do fotógrafo, mas sinto aqui também um pouco de amargura. Sabemos que o ramo do fotojornalismo, a área de Olmos, está em crise. Antigamente era necessário enviar um profissional para uma zona de conflito. Hoje é possível encontrar diversas fotos desses conflitos feitas por quem está vivendo o acontecimento. Imagens feitas com celulares e postadas em redes sociais. Complicado competir com esse tipo de interatividade.

Por outro lado, o fotógrafo Eamonn McCabe tem uma visão um pouco diferente. Para ele, a massificação da tecnologia digital está deixando os fotógrafos cada vez mais preguiçosos. Antes uma sessão fotográfica era feita com dois rolos de filme de 24 poses. Hoje pode-se fazer mil fotos em uma sessão e todos os defeitos são corrigidos no pós processamento. Sem dizer que tamanha quantidade de fotos nos tira a capacidade de apreciar uma imagem. Por isso que sempre digo que ninguém vai querer ver as 2 mil fotos de suas férias. Faça uma seleção de 20 fotos e vai ser um sucesso. “As pessoas estão fazendo um monte de fotos, mas ninguém está olhando para elas”.

E, no final do artigo, temos a voz da razão na pessoa do fotógrafo Nick Knight, que já publicou um livro e fez uma campanha de moda utilizando apenas o iPhone. Para ele, o iPhone trouxe uma liberdade que só tem paralelo com os anos 60, quando deixou-se de utilizar tripé nas sessões de moda com a utilização de câmeras 35mm em detrimento das de médio formato. Segundo Nick, “O que importa, artisticamente, não é quantos pixels elas tem, mas se as imagens funcionam. A máquina com que você cria sua arte é irrelevante.”

O artigo é muito mais denso e merece uma leitura detalhada. Mas, qual minha opinião? A arte sempre vai estar morrendo, segundo a opinião de alguém. Além do mais, a fotografia não é arte. É uma forma de comunicação que pode ser utilizada como arte. Esta utilização é que se encontra em baixa ultimamente e é de difícil acesso para o público comum. Até mesmo para os fotógrafos que investiram milhares de Reais em seu equipamento. Vejo muita foto feita com câmeras caras, lentes soberbas, conhecimento técnico e pós processamento exorbitante que são, apenas, bonitinhas. Expressões máximas da frase “sua fotografia é tão boa quanto seu equipamento”. A fotografia, como expressão da arte, não está morrendo. Ela continua existindo no mesmo nicho que sempre existiu. Talvez agora um pouco mais escondida por conta da massificação, mas ela está lá, vivendo bem. 

Disponível em: <https://meiobit.com/274065/fotografia-estamorrendo/>. Acesso em: 31 jul. 2019 (Adaptação).

O texto em questão, como se trata de um artigo de opinião, traz o posicionamento do autor em relação ao tema debatido.

Nesse sentido, é correto afirmar que, a respeito das opiniões expressas pelos fotógrafos abordados, o autor

  • A discorda da opinião de Eamonn McCabe e de Antonio Olmos.
  • B discorda de Antonio Olmos, enquanto concorda com Nick Knight.
  • C refuta a opinião de todos os fotógrafos abordados.
  • D reitera a opinião de Eamonn McCabe e discorda de Nick Knight.
10

Assinale a alternativa em que a divisão silábica de todas as palavras está correta:

  • A res – sur – gir, su – bli – nhar, fu – gi – u
  • B i – guais, ca- ná – rio, due – lo
  • C in – te – lec – ção, mi – ú – do, sa – guões
  • D e – nig – ma, su – bju – gar, rai – nha

Raciocínio Lógico

11

Lista de símbolos:

⇒ Condicional

⇔ Bicondicional

∧  Conector “e”

∨ Conector “ou”

 Conector “ou” exclusivo

¬ Negação da proposição

Considere as seguintes proposições:


• Todo morador de Chuí tem algum animal de estimação.

• Nenhum morador de Chuí tem uma tartaruga como animal de estimação.

• Pedro tem um animal de estimação e este não é uma tartaruga.


Pode-se concluir que:

  • A Pedro certamente é morador do Chuí.
  • B Pedro pode ser morador do Chuí.
  • C Pedro tem um gato de animal de estimação.
  • D Pedro tem uma casa no Chuí.
  • E Pedro tem alergia aos pêlos dos animais.
12

Considere a sentença: “Rubens tem mais de 18 anos e sabe dirigir”.

A negação lógica dessa sentença é:

  • A Rubens não tem mais de 18 anos e não sabe dirigir;
  • B Rubens não tem mais de 18 anos ou não sabe dirigir;
  • C Rubens tem mais de 18 anos e não sabe dirigir;
  • D Rubens não tem mais de 18 anos e sabe dirigir;
  • E Rubens tem mais de 18 anos ou sabe dirigir.
13

Cinco pessoas, Rute, Margarete, Severino, Antônio e Tânia, têm alturas diferentes. É sabido que:
- Severino é mais alto do que Rute; - Rute é mais alta do que Margarete; - Tânia é mais baixa do que Rute e mais alta do que Antônio.
Podemos afirmar que Antônio é mais baixo do que:

  • A Rute, Margarete e Severino.
  • B Severino e Margarete, mas não necessariamente Rute.
  • C Margarete, mas não necessariamente Severino ou Rute.
  • D Rute e Severino, mas não necessariamente Margarete.
  • E Rute, mas não necessariamente Severino ou Margarete.
14

Lista de símbolos:

⇒ Condicional

⇔ Bicondicional

∧  Conector “e”

∨ Conector “ou”

 Conector “ou” exclusivo

¬ Negação da proposição

Se P , Q e ¬ R são proposições simples verdadeiras, então o valor lógico da proposição (P ¬Q) ⇒ R é:

  • A Tautológico.
  • B Positivo.
  • C Verdadeiro.
  • D Falso.
  • E Impossível de saber.
15

João, o dono da casa, atende Célio, o recenseador.


Início da entrevista:

Célio – Quantas pessoas moram nesta casa?

João – Três: eu, que me chamo João, minha esposa Maria e meu primo Pedro.

Célio – Todos trabalham?

João – Não.


É correto concluir que:

  • A nenhuma das três pessoas trabalha;
  • B apenas uma das três pessoas não trabalha;
  • C apenas uma das três pessoas trabalha;
  • D pelo menos uma das três pessoas não trabalha;
  • E nenhuma das três pessoas possui emprego formal, com carteira assinada.
16

Considere a sentença: “Se corro ou faço musculação, então fico cansado”.

Uma sentença logicamente equivalente a essa é:

  • A Se não corro ou faço musculação, então não fico cansado;
  • B Se não corro e não faço musculação, então não fico cansado;
  • C Não corro e não faço musculação ou fico cansado;
  • D Corro ou faço musculação e não fico cansado;
  • E Não corro ou não faço musculação e fico cansado.
17

André, Bento, Cláudio e Diogo estão sentados em volta de uma mesa quadrada e, entre os quatro, há dois cozinheiros, um músico e um pintor.


Sabe-se que:

• Os cozinheiros estão um ao lado do outro.

• Bento é músico e está ao lado de André.

• Diogo é cozinheiro e tem Bento à sua esquerda.


É correto afirmar que:

  • A André está à esquerda de Cláudio;
  • B Diogo está à direita de André;
  • C André é cozinheiro;
  • D Bento está em frente ao pintor;
  • E O pintor tem Cláudio à sua esquerda.
18

Considere as 3 proposições abaixo:


• 2 + 7 = 9 e 4 + 8 = 12

• 3 ≠ 3 ou 5 ≠ 5

• Se √3> 1 então √2 é um número irracional


O número de proposições que possui o valor lógico verdade é igual a:

  • A 0
  • B 1
  • C 2
  • D 3
19

Admita que n(X) represente o número de elementos de um conjunto X. Dados os conjuntos A e B é verdade que:


• n(A ∪ B) = 42

• n(A – B) = 2.n(A ∩ B)

• n(B) = 4.n(A ∩ B)


O valor de n(A) é:

  • A 7
  • B 14
  • C 21
  • D 28

Matemática

20

Numa sacola há 10 bolas numeradas de 1 a 10. Retira-se ao acaso uma das bolas e a probabilidade de o número desta bola ser um múltiplo de k é igual a 1/5. A soma dos possíveis valores de k é igual a:

  • A 11
  • B 9
  • C 7
  • D 5

Noções de Informática

21
Nas questões que avaliem conhecimentos de informática, a  menos  que  seja  explicitamente  informado  o  contrário,  considere que: todos os programas mencionados estejam em  configuração‐padrão,  em  português;  o  mouse  esteja  configurado  para  pessoas  destras;  expressões  como  clicar,  clique  simples  e  clique  duplo  refiram‐se  a  cliques  com  o  botão esquerdo do mouse; e teclar  corresponda à operação  de  pressionar  uma  tecla  e,  rapidamente,  liberá‐la,   acionando‐a  apenas  uma  vez.  Considere  também  que  não  haja restrições  de proteção, de funcionamento e de uso em  relação  aos  programas,  arquivos,  diretórios,  recursos  e  equipamentos mencionados. 

Para que um funcionário da prefeitura de Jataí encontre, na Internet, resultados contendo arquivos do Microsoft Excel que versem sobre o assunto prestação de contas, ele deverá inserir a seguinte informação na caixa de busca do Google:

  • A -prestação de contas arquivo:xlsx.
  • B info:xls ‐prestação de contas‐.
  • C ‐xls ou prestação de contas.
  • D ‐Excel > prestação de contas.
  • E filetype:xlsx “prestação de contas”.
22
Nas questões que avaliem conhecimentos de informática, a  menos  que  seja  explicitamente  informado  o  contrário,  considere que: todos os programas mencionados estejam em  configuração‐padrão,  em  português;  o  mouse  esteja  configurado  para  pessoas  destras;  expressões  como  clicar,  clique  simples  e  clique  duplo  refiram‐se  a  cliques  com  o  botão esquerdo do mouse; e teclar  corresponda à operação  de  pressionar  uma  tecla  e,  rapidamente,  liberá‐la,   acionando‐a  apenas  uma  vez.  Considere  também  que  não  haja restrições  de proteção, de funcionamento e de uso em  relação  aos  programas,  arquivos,  diretórios,  recursos  e  equipamentos mencionados. 

O sistema operacional Windows 10 e o editor de texto Word 2016 pertencem à categoria de software conhecida como

  • A freeware.
  • B shareware.
  • C licensed.
  • D adware.
  • E spyware.
23
Nas questões que avaliem conhecimentos de informática, a  menos  que  seja  explicitamente  informado  o  contrário,  considere que: todos os programas mencionados estejam em  configuração‐padrão,  em  português;  o  mouse  esteja  configurado  para  pessoas  destras;  expressões  como  clicar,  clique  simples  e  clique  duplo  refiram‐se  a  cliques  com  o  botão esquerdo do mouse; e teclar  corresponda à operação  de  pressionar  uma  tecla  e,  rapidamente,  liberá‐la,   acionando‐a  apenas  uma  vez.  Considere  também  que  não  haja restrições  de proteção, de funcionamento e de uso em  relação  aos  programas,  arquivos,  diretórios,  recursos  e  equipamentos mencionados. 

O protocolo que permite ao Thunderbird acessar as mensagens armazenadas em um servidor de correio eletrônico e que suporta tanto atividades on‐line quanto atividades off‐line é o

  • A FTP.
  • B HTTP.
  • C TELNET.
  • D IMAP.
  • E TCP/IP.
24
SEGURANÇA DA INTERNET

A segurança da Internet é um ramo da segurança de computadores especificamente relacionado não apenas à Internet, geralmente envolvendo a segurança do navegador e a World Wide Web, mas também à segurança da rede, conforme se aplica a outros aplicativos ou sistemas operacionais como um todo.

PHISHING E GOLPES PELO WHATSAPP

Na Internet, o roubo de dados pessoais tem sido uma prática recorrente, que afeta milhares de internautas. A técnica é praticamente a mesma, o que muda é o enredo usado para enganar as vítimas. Para reduzir o risco desse tipo de crime, recomenda-se que entidade alguma realize campanha pela internet que obrigue o participante a compartilhar a sua agenda de contatos e também a enviar a mensagem da promoção para uma quantidade determinada de amigos.

Deve-se também evitar clicar sobre links desconhecidos recebidos em aplicativos de troca de mensagens. É preciso redobrar a atenção ao informar os dados de login de redes sociais e contas em lojas de aplicativos, pois os golpistas criam páginas idênticas às originais, para enganar os usuários e roubar os dados de acesso.

FRAUDES DIGITAIS

Para usufruir com segurança das facilidades encontradas em usar o celular, por exemplo, para realizar compras online, é preciso adotar algumas medidas:
• Evite acessar o internet banking usando redes de acesso à internet públicas;
• Só informe dados pessoais a sites conhecidos;
• Desconfie de preços de produtos oferecidos com um valor muito abaixo do mercado. Se o site de comércio eletrônico é novo, procure verificar se existe uma organização registrada e ativa na Receita Federal por meio da consulta de CNPJ. Antes de finalizar a compra, verifique se existe algum contato de atendimento ao consumidor;
• Em transações que envolverem o uso do cartão de crédito, o endereço do site deverá ser acessado usando o protocolo “https”.

EVITE COMPARTILHAR BOATOS

Com a produção independente de conteúdo para a Internet, a eventual monetização através de anúncios acaba servindo como estímulo a muitos sites publicarem informações não verificadas apenas para atrair a atenção de leitores. Em alguns casos, o compartilhamento de boatos pode causar constrangimentos, e incitar a violência.

MANTENHA O SISTEMA OPERACIONAL ATUALIZADO

Os sistemas operacionais Windows, Mac OS X e Linux podem estar vulneráveis, e ter as suas falhas exploradas por hackers ou algum tipo de praga virtual. O ideal é sempre que possível instalar as atualizações disponibilizadas pelos desenvolvedores do sistema. O mesmo se aplica para dispositivos móveis.

OFENSAS PELA INTERNET

A falsa sensação de privacidade na internet serve para motivar pessoas a criarem perfis falsos para o compartilhamento de ofensas pela rede – em alguns casos as ofensas são publicadas nos próprios perfis pessoais. Esse tipo de conduta pode ter implicações sérias, inclusive criminais. Quando isso acontece, a vítima pode buscar ajuda com as autoridades.

USE UMA FERRAMENTA DE SEGURANÇA NO PC

Os usuários dos sistemas operacionais Windows e Android são os principais alvos de pragas virtuais.

Para evitar problemas no PC o ideal é instalar um antivírus, e principalmente mantê-lo atualizado. Nos dispositivos móveis, é recomendável instalar apenas aplicativos disponibilizados nas lojas oficiais de aplicativos (como Google Play). Em caso de roubo, existem programas que permitem localizar smartphones, tablets e computadores perdidos.

INSTALE APENAS PROGRAMAS DE FONTES CONFIÁVEIS

Existem milhares de programas disponíveis para download na internet, porém boa parte deles podem vir acrescidos de programas complementares que comprometem a estabilidade do sistema operacional, ou roubar informações do usuário. E por esse motivo, é recomendado evitar baixar programas de sites desconhecidos.

Adaptado. Disponível em: https://glo.bo/33wuy1g.
Com base no texto 'SEGURANÇA DA INTERNET', leia as afirmativas a seguir:
I. Clicar sobre links desconhecidos recebidos em aplicativos de troca de mensagens ou por e-mail é uma prática recomendável para elevar a segurança do internauta ao navegar na rede mundial de computadores, conforme pode ser observado no texto. II. Atualmente, em caso de roubo do computador pessoal ou do celular, não existem tecnologias que permitam auxiliar na busca pelo bem perdido, conforme pode ser observado no texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
25

O programa NVDA é uma plataforma de leitura de tela para sistema operacional Windows. Auxilia pessoas com deficiências visuais descrevendo os itens na tela do computador por meio de audiodescrição. Após a instalação do NVDA, para iniciá‐lo basta pressionar as teclas

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
26

Assinale a alternativa que apresenta os controles que podem ser considerados como bons pontos de partida para a implementação da segurança da informação nas organizações.

  • A proteção de registros organizacionais e de dados e privacidade de informações pessoais
  • B proteção de registros organizacionais e liberação do acesso à Internet, sem restrições, para todos os funcionários da organização
  • C liberação do acesso à Internet, sem restrições, para todos os funcionários da organização, proteção de dados e privacidade de informações pessoais
  • D eliminação de qualquer tipo de documentação de política de segurança da informação e a não atribuição de responsabilidades para a segurança da informação
  • E eliminação de qualquer tipo de documentação de política de segurança da informação e proteção de registros organizacionais
27

O sistema operacional Windows 10 e o editor de texto Word 2016 pertencem à categoria de software conhecida como

  • A freeware.
  • B shareware.
  • C licensed.
  • D adware.
  • E spyware.
28
Nas questões que avaliem conhecimentos de informática, a menos que seja explicitamente informado o contrário, considere que: todos os programas mencionados estejam em configuração‐padrão, em português; o mouse esteja configurado para pessoas destras; expressões como clicar, clique simples e clique duplo refiram‐se a cliques com o botão esquerdo do mouse; e teclar corresponda à operação de pressionar uma tecla e, rapidamente, liberá‐la, acionando‐a apenas uma vez. Considere também que não haja restrições de proteção, de funcionamento e de uso em relação aos programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos mencionados.

A página que é exibida quando o usuário inicia o programa de navegação Google Chrome, em sua versão mais atual, no computador é chamada de página

  • A de inicialização.
  • B inicial.
  • C principal.
  • D central.
  • E de configuração.
29
SEGURANÇA DA INTERNET

A segurança da Internet é um ramo da segurança de computadores especificamente relacionado não apenas à Internet, geralmente envolvendo a segurança do navegador e a World Wide Web, mas também à segurança da rede, conforme se aplica a outros aplicativos ou sistemas operacionais como um todo.

PHISHING E GOLPES PELO WHATSAPP

Na Internet, o roubo de dados pessoais tem sido uma prática recorrente, que afeta milhares de internautas. A técnica é praticamente a mesma, o que muda é o enredo usado para enganar as vítimas. Para reduzir o risco desse tipo de crime, recomenda-se que entidade alguma realize campanha pela internet que obrigue o participante a compartilhar a sua agenda de contatos e também a enviar a mensagem da promoção para uma quantidade determinada de amigos.

Deve-se também evitar clicar sobre links desconhecidos recebidos em aplicativos de troca de mensagens. É preciso redobrar a atenção ao informar os dados de login de redes sociais e contas em lojas de aplicativos, pois os golpistas criam páginas idênticas às originais, para enganar os usuários e roubar os dados de acesso.

FRAUDES DIGITAIS

Para usufruir com segurança das facilidades encontradas em usar o celular, por exemplo, para realizar compras online, é preciso adotar algumas medidas:
• Evite acessar o internet banking usando redes de acesso à internet públicas;
• Só informe dados pessoais a sites conhecidos;
• Desconfie de preços de produtos oferecidos com um valor muito abaixo do mercado. Se o site de comércio eletrônico é novo, procure verificar se existe uma organização registrada e ativa na Receita Federal por meio da consulta de CNPJ. Antes de finalizar a compra, verifique se existe algum contato de atendimento ao consumidor;
• Em transações que envolverem o uso do cartão de crédito, o endereço do site deverá ser acessado usando o protocolo “https”.

EVITE COMPARTILHAR BOATOS

Com a produção independente de conteúdo para a Internet, a eventual monetização através de anúncios acaba servindo como estímulo a muitos sites publicarem informações não verificadas apenas para atrair a atenção de leitores. Em alguns casos, o compartilhamento de boatos pode causar constrangimentos, e incitar a violência.

MANTENHA O SISTEMA OPERACIONAL ATUALIZADO

Os sistemas operacionais Windows, Mac OS X e Linux podem estar vulneráveis, e ter as suas falhas exploradas por hackers ou algum tipo de praga virtual. O ideal é sempre que possível instalar as atualizações disponibilizadas pelos desenvolvedores do sistema. O mesmo se aplica para dispositivos móveis.

OFENSAS PELA INTERNET

A falsa sensação de privacidade na internet serve para motivar pessoas a criarem perfis falsos para o compartilhamento de ofensas pela rede – em alguns casos as ofensas são publicadas nos próprios perfis pessoais. Esse tipo de conduta pode ter implicações sérias, inclusive criminais. Quando isso acontece, a vítima pode buscar ajuda com as autoridades.

USE UMA FERRAMENTA DE SEGURANÇA NO PC

Os usuários dos sistemas operacionais Windows e Android são os principais alvos de pragas virtuais.

Para evitar problemas no PC o ideal é instalar um antivírus, e principalmente mantê-lo atualizado. Nos dispositivos móveis, é recomendável instalar apenas aplicativos disponibilizados nas lojas oficiais de aplicativos (como Google Play). Em caso de roubo, existem programas que permitem localizar smartphones, tablets e computadores perdidos.

INSTALE APENAS PROGRAMAS DE FONTES CONFIÁVEIS

Existem milhares de programas disponíveis para download na internet, porém boa parte deles podem vir acrescidos de programas complementares que comprometem a estabilidade do sistema operacional, ou roubar informações do usuário. E por esse motivo, é recomendado evitar baixar programas de sites desconhecidos.

Adaptado. Disponível em: https://glo.bo/33wuy1g.
Com base no texto 'SEGURANÇA DA INTERNET', leia as afirmativas a seguir:
I. A falsa sensação de privacidade na internet serve para motivar pessoas a criarem perfis falsos para o compartilhamento de ofensas pela Internet, afirma o texto. Em alguns casos, as ofensas são publicadas nos próprios perfis pessoais, alega o autor do texto em questão. II. Para usufruir com segurança das facilidades encontradas em usar o celular, por exemplo, para realizar compras online, é preciso adotar algumas medidas, como evitar acessar o internet banking usando redes públicas de acesso à internet, de acordo com as informações apresentadas pelo texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
30

Leitores de tela são softwares usados para obter resposta do computador por meio sonoro, usado principalmente por deficientes visuais. O programa vai percorrendo textos e imagens e lendo em voz alta tudo o que ele encontra na tela. Assinale a alternativa que apresenta softwares totalmente livres de custos.

  • A ORCA e NVDA
  • B NVDA e JAWS
  • C Virtual Vision e NVDA
  • D ORCA e JAWS
  • E JAWS e Virtual Vision
Voltar para lista