Resolver o Simulado Prefeitura Municipal de Portão - Psicólogo - Nível Superior

0 / 35

Português

1

Notícia publicada na imprensa na penúltima semana de setembro de 2019:

OCDE reduz projeções para Brasil e Argentina

País vizinho deve ter retração de 2,7%; no 2º trimestre, economia recua 0,3% e desemprego atinge 10,6%. Estimativa para o PIB brasileiro é de alta de 0,8% este ano e expansão de 1,75% em 2020. Crescimento global previsto é o menor em uma década.


O texto acima traz uma manchete na primeira linha e um pequeno desenvolvimento no parágrafo seguinte. A afirmação inadequada sobre esse texto é:

  • A o segundo período do texto explicita o que é dito na manchete;
  • B todo o texto traz informações previstas, o que confirma o termo “previsões” presente na manchete;
  • C OCDE e PIB são siglas que contribuem para a redução da extensão do texto;
  • D o texto traz uma comparação entre a situação econômica geral do Brasil e da Argentina;
  • E o último período do texto mostra uma visão pessimista para o crescimento global específico da economia brasileira.
2

O sistema linguístico

(1) Entendida como a soma de seus usos, a língua constitui a mais poderosa “engenharia simbólica” à disposição do ser humano. Valemo-nos dessa engenharia tanto para dizer um previsível e elementar “Parece que vai chover” quanto para escrever uma reportagem, um ensaio filosófico ou um poema lírico. A frase banal e a reportagem buscam uma correspondência entre o discurso e o fato, fazendo crer que a realidade a que se referem existe por si, independentemente da linguagem. O ensaio filosófico e o poema lírico têm outra natureza; a “realidade” de ambos é produto da linguagem com que são elaborados. O ensaio consiste em uma proposta de compreender as situações da vida como obra do pensamento racional movido pela associação livre de ideias. Já o poema revela, em sua essência, a captação do mundo dos sentimentos e sua representação por meio de recursos de linguagem em que sobressai a materialidade sonora e rítmica das palavras.

(2) Nossa tarefa, como linguistas e estudiosos da linguagem, é promover a compreensão do papel comum da palavra na construção de todas as espécies de textos. A palavra é, em qualquer caso, uma forma de construir significado, quer quando está a serviço da comunicação de uma experiência do cotidiano moldado pela bitola do senso comum - a exemplo do comentário sobre o tempo -, quer quando sua função é abrir caminhos que produzam fissuras na superfície da realidade imediata, abalando certezas e projetando-nos em outros universos de significação - como se passa na escrita/leitura do ensaio ou do poema lírico.

(3) Para apreender a palavra como forma de construir significado, é preciso ir além de sua utilidade como simples instrumento de comunicação e passar a tratá-la como objeto de observação, de reflexão e de análise. Cabe à escola levar o aluno à percepção e à compreensão de que a palavra desempenha múltiplos papéis em nossa vida, de que os horizontes de nossas experiências simbólicas se ampliam na mesma medida em que se ampliam nossos recursos de expressão. A educação linguística e literária - que propicia a compreensão do funcionamento da linguagem - é o passaporte que permite ao indivíduo transitar conscientemente pelo mundo da interação verbal.

AZEREDO, José Carlos de. A Linguística, o texto e o ensino da língua. São Paulo: Parábola, 2018. p. 63-64. Adaptado.

Observe a formulação do seguinte fragmento: “A palavra é (...) uma forma de construir significado, quer quando está a serviço da comunicação de uma experiência do cotidiano, quer quando sua função é abrir caminhos na superfície da realidade imediata”. Nesse fragmento, os marcadores sublinhados expressam um sentido de

  • A temporalidade.
  • B causalidade.
  • C alternância.
  • D oposição.
  • E concessão.
3

OCDE reduz projeções para Brasil e Argentina

As manchetes jornalísticas seguem um padrão em sua elaboração; NÃO faz parte desse padrão, segundo o que se pode deduzir a partir da manchete acima:

  • A emprego de verbos no presente;
  • B ausência de pontuação;
  • C concentração de informações;
  • D siglas não explicitadas;
  • E emprego de linguagem coloquial.
4

“Português é muito difícil”.

Essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia de que “brasileiro não sabe português”. Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical literária de Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte, não correspondem à língua que realmente falamos e escrevemos no Brasil.

Por isso, achamos que “português é uma língua difícil”: temos de fixar regras que não significam nada para nós. No dia em que nosso ensino se concentrar no uso real, vivo e verdadeiro da língua portuguesa do Brasil, é bem provável que ninguém continue a pensar assim. Todo falante nativo de uma língua sabe essa língua. Saber uma língua, na concepção científica da linguística moderna, significa conhecer intuitivamente e empregar com facilidade e naturalidade as regras básicas de seu funcionamento.

Está provado e comprovado que uma criança, por volta dos 7 anos de idade, já domina perfeitamente as regras gramaticais de sua língua. O que ela não conhece são sutilezas e irregularidades no uso dessas regras, que só a leitura e o estudo podem lhe dar. Nenhuma criança brasileira dessa idade vai dizer, por exemplo: “Uma meninos chegou aqui amanhã”. (...)

Se tantas pessoas inteligentes e cultas continuam achando que “não sabem português” ou que “português é muito difícil”, é porque o uso da língua foi transformado numa ciência esotérica, numa doutrina cabalística que somente alguns iluminados conseguem dominar completamente. (...)

No fundo, a ideia de que “português é muito difícil” serve como um dos instrumentos de manutenção do status quo das classes sociais prestigiadas.

É lamentável que a imagem da língua tenha sido empobrecida e reduzida a uma nomenclatura confusa e a exercícios descontextualizados, práticas que se revelam irrelevantes para, de fato, levar alguém a se valer dos muitos recursos que a língua oferece.

Marcos Bagno. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015. p. 57-63. Adaptado.

O Texto 2 se reconhece como um comentário expositivo de teor acadêmico-científico. Avaliando as ideias e os argumentos apresentados, podemos avaliá-lo como:

1) pertinente, pois pondera sobre um objeto de discriminação social ainda existente e pouco combatido.

2) contrário a visões tradicionais que imperam em determinados setores sociais de pessoas e comunidades de falantes.

3) oportuno, uma vez que, como outros fatores de discriminação, o 'jeito de falar' de algumas comunidades é objeto de rejeição.

4) categórico e, por vezes, taxativo, pois, no texto, se trata de um despropósito que macula e desprestigia os falares brasileiros.

5) incabível, já que desmerece a norma gramatical literária de Portugal e considera confusa a nomenclatura linguística.

Estão corretas:

  • A 1, 2, 3, 4, e 5.
  • B 1, 3 e 4, apenas.
  • C 1, 4 e 5, apenas.
  • D 2, 3 e 5, apenas.
  • E 1, 2, 3 e 4, apenas.
5

Texto 1


Uma propaganda sobre o aniversário de um programa de notícias diz o seguinte:

O maior programa brasileiro de notícias completa 40 anos

A história de quatro décadas do programa registra os fatos mais relevantes da história mundial, bem como as evoluções tecnológicas e de tratamento de informação que vêm transformando as comunicações em todo o mundo. 

Segundo o texto 1, o destaque de maior valor do programa de notícias é:

  • A a procura incessante pela verdade nas informações;
  • B a durabilidade sempre atualizada do programa;
  • C a documentação histórica de fatos e evoluções;
  • D a transformação do programa através do tempo;
  • E as mudanças no tratamento das informações.
6

“Português é muito difícil”.

Essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia de que “brasileiro não sabe português”. Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical literária de Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte, não correspondem à língua que realmente falamos e escrevemos no Brasil.

Por isso, achamos que “português é uma língua difícil”: temos de fixar regras que não significam nada para nós. No dia em que nosso ensino se concentrar no uso real, vivo e verdadeiro da língua portuguesa do Brasil, é bem provável que ninguém continue a pensar assim. Todo falante nativo de uma língua sabe essa língua. Saber uma língua, na concepção científica da linguística moderna, significa conhecer intuitivamente e empregar com facilidade e naturalidade as regras básicas de seu funcionamento.

Está provado e comprovado que uma criança, por volta dos 7 anos de idade, já domina perfeitamente as regras gramaticais de sua língua. O que ela não conhece são sutilezas e irregularidades no uso dessas regras, que só a leitura e o estudo podem lhe dar. Nenhuma criança brasileira dessa idade vai dizer, por exemplo: “Uma meninos chegou aqui amanhã”. (...)

Se tantas pessoas inteligentes e cultas continuam achando que “não sabem português” ou que “português é muito difícil”, é porque o uso da língua foi transformado numa ciência esotérica, numa doutrina cabalística que somente alguns iluminados conseguem dominar completamente. (...)

No fundo, a ideia de que “português é muito difícil” serve como um dos instrumentos de manutenção do status quo das classes sociais prestigiadas.

É lamentável que a imagem da língua tenha sido empobrecida e reduzida a uma nomenclatura confusa e a exercícios descontextualizados, práticas que se revelam irrelevantes para, de fato, levar alguém a se valer dos muitos recursos que a língua oferece.

Marcos Bagno. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015. p. 57-63. Adaptado.

É possível constatar afinidade semântica entre algumas palavras do Texto 2 (língua-português; norma-regras; escola-ensino; português-brasileiro; falamos-escrevemos; linguística-concepção científica; entre outras). Essa aproximação de sentidos tem uma função textual, qual seja a de:

  • A propiciar o uso de um vocabulário menos comum, adequado a um texto acadêmico.
  • B produzir a continuidade semântica necessária à coerente inteligibilidade do texto.
  • C dar cumprimento às normas gramaticais que regem a escrita em português.
  • D garantir fidelidade aos princípios que se aplicam à execução de um comentário opinativo.
  • E promover a rejeição às visões preconceituosas comuns ao âmbito da Linguística.
7

Texto 1


Uma propaganda sobre o aniversário de um programa de notícias diz o seguinte:

O maior programa brasileiro de notícias completa 40 anos

A história de quatro décadas do programa registra os fatos mais relevantes da história mundial, bem como as evoluções tecnológicas e de tratamento de informação que vêm transformando as comunicações em todo o mundo. 

“...que vêm transformando as comunicações em todo o mundo”.

Nessa frase do texto 1, empregou-se corretamente o artigo definido após o pronome indefinido todo; a frase abaixo em que esse emprego também está correto é:

  • A Todo o jornal do planeta cobre acontecimentos mundiais;
  • B As notícias aparecem em todas as páginas dos jornais;
  • C Todo o repórter deve trabalhar muito diariamente;
  • D Toda a notícia deve ser checada antes de publicação;
  • E Todo o texto publicitário deve elogiar produtos.
8

“Português é muito difícil”.

Essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia de que “brasileiro não sabe português”. Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical literária de Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte, não correspondem à língua que realmente falamos e escrevemos no Brasil.

Por isso, achamos que “português é uma língua difícil”: temos de fixar regras que não significam nada para nós. No dia em que nosso ensino se concentrar no uso real, vivo e verdadeiro da língua portuguesa do Brasil, é bem provável que ninguém continue a pensar assim. Todo falante nativo de uma língua sabe essa língua. Saber uma língua, na concepção científica da linguística moderna, significa conhecer intuitivamente e empregar com facilidade e naturalidade as regras básicas de seu funcionamento.

Está provado e comprovado que uma criança, por volta dos 7 anos de idade, já domina perfeitamente as regras gramaticais de sua língua. O que ela não conhece são sutilezas e irregularidades no uso dessas regras, que só a leitura e o estudo podem lhe dar. Nenhuma criança brasileira dessa idade vai dizer, por exemplo: “Uma meninos chegou aqui amanhã”. (...)

Se tantas pessoas inteligentes e cultas continuam achando que “não sabem português” ou que “português é muito difícil”, é porque o uso da língua foi transformado numa ciência esotérica, numa doutrina cabalística que somente alguns iluminados conseguem dominar completamente. (...)

No fundo, a ideia de que “português é muito difícil” serve como um dos instrumentos de manutenção do status quo das classes sociais prestigiadas.

É lamentável que a imagem da língua tenha sido empobrecida e reduzida a uma nomenclatura confusa e a exercícios descontextualizados, práticas que se revelam irrelevantes para, de fato, levar alguém a se valer dos muitos recursos que a língua oferece.

Marcos Bagno. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015. p. 57-63. Adaptado.

Avaliando as ideias expressas no Texto 2, é correto afirmar que:

  • A são mostradas as consequências do problema, mas não se discutem as causas que o provocam.
  • B faltam argumentos que sustentem outras possibilidades de contornar a realidade tratada.
  • C conforme a visão do Texto 2, a escola fica inteiramente dispensada de ensinar a língua.
  • D os preconceitos que atingem o fenômeno da língua têm repercussão socialmente danosa.
  • E o uso real da língua portuguesa falada no Brasil constitui o referencial de estudo nas escolas.
9

Texto 2


Notícia publicada na imprensa na penúltima semana de setembro de 2019:

“Tráfico da Rocinha ameaça quem joga lixo na rua

Bandidos espalham cartazes em área onde houve deslizamentos de terra nas últimas chuvas, alertando moradores para não despejar detritos em beco. Medida seria tomada porque venda de drogas é interrompida quando a região alaga”.

Sobre a estruturação do texto 2, é INCORRETO afirmar que:

  • A a palavra “tráfico” é empregada em lugar de “traficantes”;
  • B a forma verbal “houve” está empregada corretamente;
  • C a palavra “deslizamentos” deveria ser grafada com S em lugar de Z;
  • D o verbo “despejar” poderia ser substituído por “jogar”;
  • E a palavra “região” se refere aos becos em geral.
10

“Português é muito difícil”.

Essa afirmação preconceituosa é prima-irmã da ideia de que “brasileiro não sabe português”. Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical literária de Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte, não correspondem à língua que realmente falamos e escrevemos no Brasil.

Por isso, achamos que “português é uma língua difícil”: temos de fixar regras que não significam nada para nós. No dia em que nosso ensino se concentrar no uso real, vivo e verdadeiro da língua portuguesa do Brasil, é bem provável que ninguém continue a pensar assim. Todo falante nativo de uma língua sabe essa língua. Saber uma língua, na concepção científica da linguística moderna, significa conhecer intuitivamente e empregar com facilidade e naturalidade as regras básicas de seu funcionamento.

Está provado e comprovado que uma criança, por volta dos 7 anos de idade, já domina perfeitamente as regras gramaticais de sua língua. O que ela não conhece são sutilezas e irregularidades no uso dessas regras, que só a leitura e o estudo podem lhe dar. Nenhuma criança brasileira dessa idade vai dizer, por exemplo: “Uma meninos chegou aqui amanhã”. (...)

Se tantas pessoas inteligentes e cultas continuam achando que “não sabem português” ou que “português é muito difícil”, é porque o uso da língua foi transformado numa ciência esotérica, numa doutrina cabalística que somente alguns iluminados conseguem dominar completamente. (...)

No fundo, a ideia de que “português é muito difícil” serve como um dos instrumentos de manutenção do status quo das classes sociais prestigiadas.

É lamentável que a imagem da língua tenha sido empobrecida e reduzida a uma nomenclatura confusa e a exercícios descontextualizados, práticas que se revelam irrelevantes para, de fato, levar alguém a se valer dos muitos recursos que a língua oferece.

Marcos Bagno. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015. p. 57-63. Adaptado.

Analise a formulação do trecho a seguir: “Como o nosso ensino da língua sempre se baseou na norma gramatical literária de Portugal, as regras que aprendemos na escola, em boa parte, não correspondem à língua que falamos e escrevemos no Brasil”. O sentido do conectivo sublinhado coincide com o sentido expresso na seguinte alternativa:

  • A Aprendemos como usar a língua fora dos usos falados e escritos em contextos brasileiros.
  • B As regras que aprendemos na escola são como as regras que usamos no dia a dia quando falamos e escrevemos.
  • C Como a língua falada no Brasil corresponde à língua usada em Portugal?
  • D Até agora desconhecíamos que a língua é como um sistema que se apreende pelo uso falado e escrito no cotidiano.
  • E A verdade é esta: como a língua escolar difere da língua usada informalmente, achamos que o português é muito difícil.

Legislação Municipal

11

A Lei n° 3.359, de 09 de novembro de 1983, que instituiu o Código Tributário do Município de São José do Rio Preto, estabelece, entre outras coisas, normas relativas às Taxas de Licença.


Segundo esse mesmo Código, as taxas de licença serão devidas pela fiscalização

  • A da comercialização de aves em quitandas e estabelecimentos comerciais congêneres.
  • B dos locais de higienização dos veículos que promovem a condução não eventual de animais domésticos pelas vias públicas.
  • C da comercialização de aves e mamíferos silvestres de pequeno porte.
  • D de funcionamento em horário normal e especial.
  • E da comercialização de animais domésticos de pequeno e médio portes.
12

De acordo com a Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, a exploração dos meios de publicidade no município depende de licença prévia da Prefeitura.


Segundo essa Lei Complementar,

  • A a propaganda falada, feita em lugares públicos da zona rural do Município, por meio de amplificadores de vozes, altofalantes e propagandista, não está sujeita à prévia licença da Prefeitura.
  • B a colocação de anúncios ou cartazes, independentemente de seu conteúdo, tamanho e forma, não é permitida a menos de trezentos metros das pistas de aeroportos e de aeródromos, públicos ou particulares.
  • C os anúncios que, embora apostos em terrenos de domínio privado, forem visíveis dos lugares públicos, precisam de licença prévia da Prefeitura.
  • D a propaganda muda, feita por meio de cinema ambulante, no horário das vinte e duas horas às seis horas do dia imediatamente seguinte, está dispensada da prévia licença da Prefeitura.
  • E está dispensada a licença prévia da Prefeitura, relativamente à exploração dos meios de publicidade, quando esta for pintada artesanal e artisticamente, sobre paredes, muros e tapumes.
13

De acordo com a Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, a Prefeitura fiscalizará, no interesse público, a fabricação, o comércio, o transporte e o emprego de inflamáveis, explosivos e radioativos.


Segundo essa Lei Complementar,

  • A são considerados inflamáveis o fósforo, a gasolina e demais derivados de petróleo, a nitroglicerina e seus compostos e derivados, os carburetos, o alcatrão e as matérias betuminosas líquidas.
  • B os fogueteiros e exploradores de pedreiras poderão manter depósito de explosivos, desde que esses depósitos estejam localizados a uma distância mínima de duzentos e cinquenta metros da habitação mais próxima e a cento e cinquenta metros das ruas ou estradas.
  • C é proibido soltar balões em toda a extensão do Município, podendo esta proibição ser suspensa, mediante licença da Prefeitura, em dias de festividades religiosas de caráter tradicional.
  • D são considerados explosivos os fogos de artifício, a pólvora e o algodão-pólvora, os carburetos e o alcatrão, os cartuchos de guerra, caça e minas e os derivados de petróleo.
  • E desde que autorizada pela Agência Nacional do Petróleo − ANP, a instalação de postos de abastecimento de veículos e de bombas de gasolina não ficará sujeita à licença da Prefeitura, que, no entanto, poderá manifestar sua discordância quanto a essa instalação, fazendo-o junto àquela Agência, caso se comprove que ela irá prejudicar, de algum modo, a segurança ou sossego público.
14

De acordo com a Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, o trânsito é livre e a sua regulamentação tem por objeto manter a ordem, a segurança e o bem-estar dos transeuntes e da população em geral.


Segundo essa Lei Complementar,

  • A o cão, registrado ou não, com peso de até cinco quilos, poderá transitar livremente na via pública, em companhia de seu dono ou de adestrador, respondendo o proprietário pelas perdas e danos que o animal causar a terceiros.
  • B é proibida a criação de qualquer espécie de gado na zona urbana da sede do Município e dos distritos, exceto quando se trate de pequena quantidade e se destine exclusivamente à subsistência familiar.
  • C é proibido prejudicar o trânsito ou molestar pedestres, locomovendo-se por meio de patins, a não ser nos logradouros destinados a tal fim, bem como conduzindo, pelos passeios, veículos de qualquer espécie, excetuados os carrinhos de crianças e os de paralíticos.
  • D quaisquer animais soltos encontrados nas ruas, praças, estradas, caminhos públicos e terrenos baldios serão recolhidos ao depósito da municipalidade e sacrificados, no prazo de setenta e duas horas, quando não resgatados pelos seus proprietários ou detentores.
  • E é proibida a criação ou engorda de porcos na zona urbana da sede do Município e dos distritos, exceto quando se trate de pequena quantidade de suínos e se destine exclusivamente à subsistência familiar, vedada, sob qualquer hipótese, sua destinação comercial.
15

De acordo com a Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, cabe também à Municipalidade zelar pela moralidade e pelo sossego públicos.


Segundo essa Lei Complementar,

  • A são expressamente proibidas às casas comerciais e aos ambulantes a exposição e venda de gravuras, livros, revistas ou jornais pornográficos ou obscenos.
  • B são permitidos banhos nos rios, córregos ou lagoas do Município, bem como a prática de esportes náuticos, independentemente de a Prefeitura designar esses locais como próprios para essas atividades, desde que os praticantes dos esportes e os banhistas estejam trajados com roupas apropriadas.
  • C nas igrejas, conventos e capelas, os sinos não poderão tocar antes das cinco horas e depois das vinte e duas horas, salvo os toques de rebates por ocasião de incêndios ou inundações e por júbilo ou fúnebre.
  • D é expressamente proibido perturbar o sossego com ruídos ou sons excessivos, evitáveis, tais como os de propaganda realizada com alto-falantes, bumbos, tambores, cornetas, buzinas, clarins, tímpanos, campainhas ou outros aparelhos.
  • E é proibido executar qualquer trabalho ou serviço que produza ruído que perturbe o sossego público, antes das sete horas e depois das vinte e duas horas, nas proximidades de hospitais, escolas, salas de velórios, templos de quaisquer cultos, asilos e casas residenciais.
16

Um dos objetivos da Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, é preservar a higiene pública no Município.


Segundo essa Lei Complementar, é terminantemente proibido

  • A aterrar vias públicas com lixo, sendo permitido esse aterramento com materiais velhos, desde que tais materiais não sejam nocivos à saúde e que o Poder Público tenha se mantido omisso quanto a isso, por mais de cento e oitenta dias.
  • B queimar nas vias públicas, ou mesmo nos próprios quintais, folhas de árvores, lixo ou quaisquer corpos em quantidade capaz de molestar a vizinhança.
  • C conduzir pela cidade, pelos distritos ou pelos núcleos urbanos do Município, doentes portadores de moléstias infectocontagiosas letais, exceto quando essa condução se fizer em veículo especificamente destinado ao transporte da pessoa enferma e com expressa permissão da Secretaria Municipal de Saúde.
  • D transportar, em quaisquer veículos, exceto em caminhões, pedra, argila, calcário, terra e outros detritos que possam comprometer a higiene.
  • E aterrar vias públicas com dejetos orgânicos ou inorgânicos, sendo permitido esse aterramento com materiais velhos, desde que tais materiais não sejam nocivos à saúde e que o Poder Público tenha se mantido omisso ou inerte quanto a isso, por mais de noventa dias.
17

No texto da Lei Complementar n° 17, de 17 de dezembro de 1992, que instituiu o Código que contém as medidas do poder de polícia administrativa a cargo do Município de São José do Rio Preto, a higiene dos estabelecimentos é objeto de um capítulo específico.


Segundo essa Lei Complementar,

  • A nos hotéis, restaurantes e botequins, a lavagem da louça e dos talheres deverá fazer-se em água corrente, sendo permitida a lavagem em baldes, tonéis ou vasilhames, seguida de higienização com álcool em gel ou com produto equivalente, nos casos de botequins que não sejam abastecidos com água encanada.
  • B a instalação dos necrotérios e capelas que abriguem corpos cadavéricos de pessoas que faleceram em razão de moléstias infectocontagiosas será feita em prédio isolado, distante, no mínimo, cinquenta metros de imóveis residenciais, ou em andar isolado de prédio de múltiplos andares, de maneira que seu interior não seja devassado ou descortinado.
  • C nos salões de barbeiros e cabeleireiros, é obrigatório o uso de toalhas e golas individuais e de instrumentos metálicos que tenham sido higienizados em água fervente, a uma temperatura não inferior a 100 °C.
  • D nos restaurantes, bares "buffet" e cafés é obrigatório o fornecimento de açúcar em forma líquida ou, se em forma sólida, acondicionado em saquinhos com porções individuais, sendo proibido o uso de açucareiros.
  • E nos hospitais, casas de saúde e maternidade, é obrigatória também a instalação de uma cozinha com, no mínimo, três compartimentos destinados, respectivamente, a depósito de gêneros alimentícios, a preparo da comida, à distribuição de comida e lavagem e esterilização de louças e utensílios.
18

A Lei Complementar n° 588, de 1° de março de 2019, institui e regula, no âmbito da Administração Pública Municipal Direta, a fase contenciosa do processo administrativo de natureza tributária, fiscal e de posturas.


Segundo essa Lei Complementar, essa fase contenciosa inicia-se a partir

  • A da impugnação da parte em face de lançamento tributário, fiscal e de posturas.
  • B da data do cometimento da infração que dá suporte à imposição de multa por infração à legislação de posturas municipais.
  • C da apresentação de requerimento ou pretensão, formulados pela municipalidade, relativamente ao teor de norma legal abstratamente considerada.
  • D da lavratura de Auto de Infração ou de Notificação de Lançamento tributário, fiscal ou de posturas.
  • E do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que tiver sido cometida a infração que dá suporte à imposição de multa por infração à legislação de posturas municipais.
19

De acordo com a Lei Complementar no 109 de 3 de março de 2010 do Município de Fraiburgo (SC), o processo disciplinar é o instrumento destinado a apurar e punir infrações cometidas por servidores e demais pessoas sujeitas ao regime funcional da Administração Pública cuja punição seja de suspensão superior a:

  • A 10 dias ou advertência.
  • B 15 dias ou advertência.
  • C 15 dias ou demissão.
  • D 30 dias ou advertência.
  • E 30 dias ou demissão.
20

De acordo com a Lei Complementar no 109, de 3 de março de 2010 do Município de Fraiburgo (SC), o servidor habilitado em concurso público e empossado em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no serviço público ao completar quanto tempo de efetivo exercício e após ser aprovado em estágio probatório?

  • A 18 meses
  • B 30 meses
  • C 1 ano
  • D 2 anos
  • E 3 anos

Matemática

21

Antônio tem que visitar 120 clientes esse mês. Ele já visitou 35% dos clientes até agora.

O número de clientes que Antônio ainda tem que visitar para cumprir sua meta é:

  • A 42;
  • B 65;
  • C 72;
  • D 76;
  • E 78.
22

Sabe-se que 3 recenseadores, com a mesma capacidade de trabalho, entrevistam 360 pessoas em 8 dias.

O número de dias que 2 desses recenseadores levarão para entrevistar 510 pessoas é:

  • A 14;
  • B 15;
  • C 16;
  • D 17;
  • E 18.
23

Marlene comeu, inicialmente, um quarto da barra de chocolate que comprou. Depois, comeu um terço do que tinha sobrado.


A fração da barra de chocolate que Marlene ainda tem para comer é:

  • A 1/2;
  • B 1/3;
  • C 1/4;
  • D 3/4;
  • E 1/12.
24

Ricardo, João e Pedro marcaram um encontro em determinada hora de certo dia. Aconteceu que:


- Ricardo chegou meia hora depois de Pedro;

- João chegou 12 minutos depois da hora marcada;

- Pedro chegou 8 minutos antes da hora marcada.


O tempo que João esperou até Ricardo chegar foi de:

  • A 10min;
  • B 12min;
  • C 14min;
  • D 16min;
  • E 20min.
25

Joana construiu um muro em 3 dias. No primeiro dia, ela construiu 7 metros e 67 centímetros de muro; no segundo dia, ela construiu 8 metros e 25 centímetros e, no terceiro dia, construiu 7 metros e 48 centímetros.

O comprimento total do muro construído por Joana foi de:

  • A 22 metros e 35 centímetros;
  • B 22 metros e 50 centímetros;
  • C 23 metros e 30 centímetros;
  • D 23 metros e 40 centímetros;
  • E 24 metros e 10 centímetros.

Psicologia

26

Quando se aproxima dos 24 meses de idade, a criança estará desenvolvendo ativamente a linguagem, o que lhe proporcionará a capacidade de iniciar a representar uma coisa por outra, isto é, formar esquemas simbólicos.


O trecho exprime o período piagetiano de desenvolvimento infantil:

  • A Período pré-operacional.
  • B Período das operações formais.
  • C Período das operações concretas.
  • D Período sensório-motor.
  • E Fase de latência.
27

A respeito do mecanismos de defesa denominado Regressão, é correto afirmar:

  • A Representa a volta a níveis anteriores do desenvolvimento, que em geral se caracterizam por respostas menos maduras, diante de uma frustração.
  • B Diante de sentimentos de inadequação, o sujeito internaliza características de alguém valorizado, passando a sentir-se como ele.
  • C Representa isolar um pensamento ou atitude das conexões que teria com o resto da elaboração mental.
  • D Tendência a projetar no mundo externo maus sentimentos. O mundo externo adquire as características daquilo que não pode ser visto no indivíduo.
  • E Tendência a abstrair-se de vivências afetivas e, a partir de pensamentos lógicos, justificar as próprias atitudes.
28

Sobre Recrutamento de pessoal, é correto afirmar:

  • A O recrutamento não busca atrair candidatos com as qualificações exigidas.
  • B O recrutamento externo é mais rápido que o recrutamento interno e aproveita o pessoal já existente na organização.
  • C São exemplos de fontes de recrutamento exclusivamente interno: anúncio de jornal, agências de empregos e contatos com outras empresas.
  • D Quanto maior o número de candidatos que atendam ao perfil da vaga, maiores as chances de escolher um bom profissional, pois, se houver apenas um candidato, isso pode ser um sinal de que o recrutamento não foi eficaz.
  • E Uma vantagem do recrutamento externo é que é sempre mais barato em relação ao recrutamento interno.
29

Analise as afirmativas abaixo sobre entrevista de seleção.


1. Não se exige preocupação com a maneira de abrir a entrevista, sendo sempre dispensável a apresentação do entrevistador.

2. As perguntas devem exigir somente respostas do tipo “sim” ou “não”.

3. É considerada um instrumento auxiliar no processo de seleção.

4. Deve buscar fatos, principalmente profissionais, educacionais e socioeconômicos relativos ao candidato.


Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

  • A É correta apenas a afirmativa 4.
  • B São corretas apenas as afirmativas 1 e 2.
  • C São corretas apenas as afirmativas 3 e 4.
  • D São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 3.
  • E São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.
30

Analise as afirmativas abaixo a respeito do histórico da Psicologia no Brasil.


1. A Psicologia foi regulamentada no país pela Lei 4.119 de 1962.

2. A Psicologia se apresentou com os testes psicológicos, que tiveram amplo uso na Segunda Guerra Mundial.

3. Os testes psicológicos foram historicamente utilizados para situações nas quais a classificação fosse vista como adequada para atividades específicas como a indústria.

4. A sociedade brasileira viu na Psicologia uma fonte de possibilidades de intervenções objetivas com base em conhecimento científico.


Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

  • A É correta apenas a afirmativa 4.
  • B São corretas apenas as afirmativas 1 e 2.
  • C São corretas apenas as afirmativas 1, 2 e 3.
  • D São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4.
  • E São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.
31

São funções da área de Recursos Humanos:


1. Dimensionar e planejar as necessidades de pessoal.

2. Manter os cargos e funções adequadamente preenchidos.

3. Desprover a qualificação profissional dos recursos humanos da empresa.

4. Assegurar o mau relacionamento da empresa com o empregado.


Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

  • A É correta apenas a afirmativa 2.
  • B São corretas apenas as afirmativas 1 e 2.
  • C São corretas apenas as afirmativas 1 e 4.
  • D São corretas apenas as afirmativas 3 e 4.
  • E São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.
32

Analise as afirmativas abaixo a respeito dos testes de inteligência.


1. Os primeiros foram criados por Alfred Binet, na França.

2. Os resultados de grande parte dos testes de inteligência são apresentados sob forma de Quociente Intelectual (QI).

3. Os resultados podem ser obtidos relacionando a idade do indivíduo com o seu desempenho no teste, verificando-se se ele está no nível de desenvolvimento intelectual considerado normal e padronizado para a sua idade.

4. Um dos problemas relacionados aos testes de inteligência é que o seu uso frequente levou ao questionamento quanto à rotulação de crianças.


Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.

  • A É correta apenas a afirmativa 1.
  • B São corretas apenas as afirmativas 1 e 3.
  • C São corretas apenas as afirmativas 2 e 4.
  • D São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4.
  • E São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e 4.
33

Relacione abaixo os princípios da aprendizagem aplicados ao treinamento de recursos humanos.


Coluna 1 Princípios da aprendizagem

1. Princípio da frequência

2. Formação de receptividade

3. Princípio do efeito

4. Princípio da continuidade


Coluna 2 Descrição

( ) Os alunos se mostram dispostos a aprender quando estão conscientes de como, em que e por que se beneficiarão aos adquirirem novos conhecimentos.

( ) Em alguns casos é necessário que o instrutor repita a nova técnica para que o aprendiz assimile melhor a mensagem.

( ) O treinamento é um processo de aperfeiçoamento. Desse modo, o colaborador deve assimilar novos conhecimentos e atitudes continuamente.

( ) Os aprendizes assimilam mais facilmente o que aprendem de forma agradável.


Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.

  • A 1 • 2 • 3 • 4
  • B 2 • 1 • 4 • 3
  • C 2 • 4 • 1 • 3
  • D 3 • 4 • 2 • 1
  • E 4 • 3 • 1 • 2
34

Assinale a alternativa que indica corretamente o transtorno com início no período do desenvolvimento que inclui déficits funcionais, intelectuais e adaptativos, nos domínios conceitual, social e prático.

  • A Défict Associativo
  • B Deficiência Intelectual
  • C Transtorno de Ansiedade
  • D Transtorno de Eliminação
  • E Transtorno Alimentar
35

Assinale a alternativa que indica corretamente o transtorno que apresenta padrão difuso de preocupação com ordem, perfeccionismo e controle mental e interpessoal à custa de flexibilidade, abertura e eficiência que surge no início da vida adulta e está presente em variados contextos.

  • A Exibicionista
  • B Neurocognitivo leve
  • C da Personalidade Obsessivo-Compulsiva
  • D da Personalidade Dependente
  • E da Personalidade Evitativa
Voltar para lista