Resolver o Simulado Prefeitura de Santa Helena - SC - Odontólogo - IESES - Nível Superior

0 / 30

Odontologia

1

Considerando hipoteticamente uma luxação extrusiva com deslocamento visível do dente 51 em uma criança de 3 anos de idade, atendida seis horas após o traumatismo, assinale a alternativa correta que indica o tratamento de escolha imediato nesse caso.

  • A Reposicionamento do dente e contenção dentária.
  • B Reposicionamento do dente e pulpectomia.
  • C Exodontia.
  • D Nenhum tratamento; apenas proservação clínica e radiográfica.
  • E Desgaste da superfície incisal.
2

No que concerne aos selantes de fóssulas e fissuras, assinale a alternativa correta.

  • A A respectiva efetividade independe da retenção na região aplicada.
  • B São efetivos na paralisação de lesões de cárie ativas não cavitadas em esmalte e em lesões cavitadas em dentina (localizadas na metade externa), desde que permaneçam intactos.
  • C São contraindicados em dentes parcialmente irrompidos.
  • D Selantes apresentam relação de custo-efetividade igual às demais medidas de prevenção de cárie dentária na região de fóssulas e fissuras.
  • E A retenção dos selantes ionoméricos é equiparada à dos selantes resinosos, porém, a respectiva efetividade é maior em função da capacidade de liberar e reincorporar flúor.
3

Uma técnica exodôntica pode ser classificada como sendo por via alveolar ou por via não alveolar. Com relação às extrações por via alveolar, assinale a alternativa correta.

  • A O movimento inicial de uso do fórceps para extração de um dente permanente é a luxação lateral, tomando-se cuidado para se iniciar para o lado que apresentar tábuas ósseas mais delgadas.
  • B Para o uso dos extratores, o princípio da cunha significa colocar a ponta ativa alojada o máximo possível entre a raiz e a parede do alvéolo, tendo a parte mais arredondada e lisa colocada em contato com o osso, e a outra face da ponta, a mais saliente e mais aguda, em contato com a raiz ou o dente a ser extraído.
  • C Para a realização de extrações do dente 44 com coroa (primeiro pré-molar inferior direito) e do resto radicular do 15 (segundo pré-molar superior direito), estão indicados os fórceps de números 150 e 69.
  • D A odontosecção não pode ser realizada pela técnica da extração por via alveolar.
  • E Quando do uso do fórceps ou alavanca, a fratura do dente que está sendo extraído é comum. Quando isso ocorre, normalmente o remanescente radicular é sepultado, pois o risco de lesão vascular, na tentativa da respectiva remoção, é muito alto.
4

Quanto à análise cefalométrica, assinale a alternativa correta

  • A Os valores da variável ANB descrevem o erro vertical da maxila em relação à mandíbula.
  • B Um valor do ângulo SN.GoMe aumentado positivamente implica que o paciente apresenta uma face côncava.
  • C A variável 1.NA descreve a distância anteroposterior dos incisivos superiores em relação à linha NA.
  • D A medida Wits avalia o grau de desarmonia maxilomandibular no sentido anteroposterior.
  • E O ângulo nasolabial reduzido geralmente implica que os incisivos superiores estão verticalizados.
5

O domínio da anatomia dentária humana figura como um grande desafio ao cirurgião-dentista. Com base no exposto, assinale a alternativa correta.

  • A O forame apical, na maioria dos dentes, encontra-se lateralmente à superfície da raiz, em uma distância que pode variar de 3,2 mm a 7,8 mm do ápice anatômico.
  • B O forame apical, dependendo do dente, pode coincidir com o ápice anatômico em 83% das vezes.
  • C O diâmetro médio do forame apical varia de 0,21 mm a 0,39 mm.
  • D Os forames múltiplos aparecem com maior frequência (50%) na raiz palatina dos molares superiores.
  • E A topografia da constrição apical não é constante e, quando presente, normalmente se localiza de 2,0 mm a 2,5 mm a partir de um ponto de referência virtual no centro do forame.
6

Com relação aos músculos da mastigação, assinale a alternativa correta.

  • A O músculo masseter é inervado pelo nervo massetérico, e o respectivo suprimento vascular se dá pela artéria facial.
  • B A ação do músculo temporal é primariamente a retração, apesar de algumas capacidades de elevação pelas fibras posteriores.
  • C O músculo pterigóideo medial atua principalmente como um antagonista do músculo masseter durante a elevação da mandíbula.
  • D Todos os músculos da mastigação são inervados pelos ramos do nervo mandibular, que é uma divisão do nervo trigêmeo.
  • E O músculo pterigóideo lateral localiza-se na fossa temporal.
7
Atenção: Para responder à questão considere as informações abaixo.

    Paciente com 44 anos de idade, sexo masculino, apresenta queixa principal relacionada com o aspecto da gengiva na região do dente 36, que deixa o “osso à mostra”, sem dor ou sangramento. O exame clínico mostra recessão gengival na região vestibular do dente 36 e a sondagem periodontal revela bolsa de 10 mm na região mesial e de 9 mm na região distal desse dente. A sondagem da região inter-radicular por acesso vestibular mostra perda horizontal de tecido de suporte atingindo a largura total do dente 36. A resposta aos testes térmicos aplicados no dente 36 é positiva. O exame radiográfico mostra perda óssea horizontal na altura do terço apical e defeito inter-radicular no dente 36.

Este quadro clínico é compatível com o diagnóstico de

  • A lesão de furca Grau I.
  • B lesão de furca Grau II.
  • C lesão de furca Grau III.
  • D trauma oclusal.
  • E lesão endodôntica e periodontal combinadas.
8
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Paciente com 52 anos de idade, sexo masculino, refere ser portador de prótese valvar cardíaca. Relata tratamento endodôntico e protético no dente 22, realizado há cerca de dois anos. O exame clínico mostra a condição satisfatória da coroa protética do dente 22. O exame radiográfico mostra que o dente 22 foi tratado endodonticamente e apresenta uma lesão radiolúcida persistente na área periapical. O pino intrarradicular metálico mostra adaptação satisfatória.

O quadro sistêmico do paciente requer a profilaxia da endocardite infecciosa por meio de

  • A clindamicina 2 g, por via oral, 24 horas antes do procedimento clínico.
  • B amoxicilina 2 g, por via oral, uma hora antes do procedimento clínico.
  • C cefalexina 500 mg, por via oral, duas horas antes do procedimento clínico.
  • D claritromicina 500 mg, por via oral, 12 horas antes do procedimento clínico.
  • E azitromicina 2 g, por via oral, 30 minutos antes do procedimento clínico.
9
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Na realização de perícia odontológica mediante solicitação judiciária, paciente com 31 anos de idade, sexo feminino, relata ter se submetido a um implante osseointegrado após fratura vertical no dente 21, há cerca de um ano. A queixa principal da paciente é a “movimentação do implante”, impedindo-a de mastigar ou conversar. A paciente refere sucessivas tentativas de contato com o profissional que efetuou este tratamento, sem êxito, culminando com a via judicial. Na anamnese, a paciente refere fumar “até dois maços de cigarro por semana”. O exame clínico mostra cálculo dental supragengival na área lingual inferior e biofilme bacteriano dental espesso nas faces vestibulares e linguais dos dentes presentes. Observa-se mobilidade do elemento 21 nos sentidos horizontal e vertical e supuração ao redor do implante. Na sondagem periodontal, foi empregada uma força leve, suficiente para detectar uma profundidade de 8 mm ao redor do implante. O exame radiográfico mostra perda óssea radiográfica de cerca de 4 mm.

A atuação do perito louvado

  • A contempla a intermediação entre a paciente e o profissional, oferecendo subsídio técnico-científico para a identificação da parte responsável pelo insucesso clínico.
  • B abrange a identificação dos nexos causais envolvidos no insucesso clínico, a busca de soluções para a reabilitação da paciente e a apresentação de denúncia contra o profissional.
  • C restringe-se a elaborar o parecer técnico detalhado com a verificação de exames clínicos e radiográficos e entregá-lo à autoridade judiciária.
  • D limita-se a apresentar à autoridade judiciária um parecer conclusivo sobre o caso clínico, estipulando um valor indenizatório a ser pago à parte ofendida.
  • E consiste em identificar as necessidades e interesses de cada um, buscando o empoderamento das partes por meio da educação para a solução do conflito.
10
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    O exame clínico de paciente com 12 anos de idade, sexo feminino, mostrou fratura dos dentes 21 e 22, avulsão do dente 11 e abrasão no lábio superior. A mãe da paciente mostrava-se trêmula e relatou que a paciente escorregou e caiu, cerca de 30 minutos antes, sem oferecer detalhamentos sobre o ocorrido. O cirurgião-dentista solicitou à mãe que aguardasse fora da sala clínica e conduziu a entrevista diagnóstica com a paciente de forma cuidadosa e acolhedora, a fim de coletar informações sobre as circunstâncias causadoras dos traumatismos apresentados pela paciente. Em seguida, iniciou o atendimento de urgência.

No exame radiográfico para a complementação do diagnóstico clínico, o cirurgião-dentista deverá dedicar atenção

  • A ao grau de fechamento apical radicular do dente 22, para a definição de eventual tratamento pulpar.
  • B à presença de fratura coronária complicada, com envolvimento de esmalte e dentina no dente 21.
  • C à existência de fratura coronária descomplicada, quando não há envolvimento de fratura na raiz do dente 22.
  • D à presença de complicações decorrentes do trauma, como reabsorção apical no dente 22.
  • E à dimensão da câmara pulpar do dente 21, cujas características anatômicas favorecem o sucesso do capeamento pulpar.

Português

11

                    Infestação de escorpiões no Brasil pode ser imparável


A infestação de escorpião no Brasil é o exemplo perfeito de como a vida moderna se tornou imprevisível. É uma característica do que, no complexo campo de problemas, chamamos de um mundo “VUCA” (Volatility, uncertainty, complexity and ambiguity em inglês) - um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo.

Escorpiões, como as baratas que eles comem, são um a espécie incrivelmente adaptável. O número de pessoas picadas em todo o Brasil aumentou de 12 mil em 2000 para 140 mil no ano passado, de acordo com o Ministério da Saúde. A espécie que aterroriza os brasileiros é o perigoso escorpião amarelo, ou Tityus serrulatus. Ele se reproduz por meio do milagre da partenogênese, s ignificando que um escorpião feminino simplesmente gera cópias de si mesma duas vezes por ano - nenhuma participação masculina é necessária.

A infestação do escorpião urbano no Brasil é um clássico "problema perverso". Este termo, usado pela primeira vez em 1973, refere-se a enormes problemas sociais ou culturais como pobreza e guerra - sem solução simples ou definitiva, e que surgem na interseção de outros problemas. Nesse caso, a infestação do escorpião urbano no Brasil é o resultado de uma gestão inadequada do lixo, saneamento inapropriado, urbanização rápida e mudanças climáticas.

No VUCA, quanto mais recursos você der para os problemas, melhor. Isso pode significar tudo, desde campanhas de conscientização pública que educam brasileiros sobre escorpiões até forças-tarefa exterminadoras que trabalham para controlar sua população em áreas urbanas. Os cientistas devem estar envolvidos. O sistema nacional de saúde pública do Brasil precisará se adaptar a essa nova ameaça.

Apesar da obstinada cobertura da imprensa, as autoridades federais de saúde mal falaram publicamente sobre o problema do escorpião urbano no Brasil. E, além de alguns esforços mornos em nível nacional e estadual para treinar profissionais de saúde sobre o risco de escorpião, as autoridades parecem não ter nenhum plano para combater a infestação no nível epidêmico para o qual ela está se dirigindo.

Temo que os escorpiões amarelos venenosos tenham reivindicado seu lugar ao lado de crimes violentos, tráfico brutal e outros problemas crônicos com os quais os urbanitas no Brasil precisam lidar diariamente.

* Hamilton Coimbra Carvalho é pesquisador em Problemas Sociais Complexos, na Universidade de São Paulo (USP).

Text o adaptado de Revista Galileu (https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Meio Ambiente /noticia/2019/02/infestacao-de-escorpioes-no-brasil-pode-ser-imparavel-diz-pesquisador.html)

Observe o emprego de “mal” no trecho em destaque.


"... as autoridades federais de saúde mal falaram publicamente sobre o problema do escorpião urbano no Brasil.”


Agora preencha as lacunas com o adjetivo ou com o advérbio.


Ele falava ______ do governo, mas sempre se comportava______ diante dos empregados, que o tinham como um _____ chefe, porque, além de os pagar_____ , desempenhava_____ seu papel de líder.


A sequência está correta em:

  • A mau - mau - mal - mau - mau.
  • B mal - mau - mal - mau - mau.
  • C mau - mal - mau - mal - mal.
  • D mau - mal - mau - mal - mau.
  • E mal - mal - mau - mal - mal.
12

Envelhecer

            Vá um homem envelhecendo, e caia na tolice de pensar que envelhece por inteiro - famosa tolice. Alguém já notou: envelhecemos nisto, não naquilo; este trecho ainda é verde, aquele outro já quase apodrece; aqui há seiva estuando, além é coisa murcha. 

            A infância não volta, mas não vai - fica recolhida, como se diz de certas doenças. Pode dar um acesso. Outro dia sofri um ataque não de infância, mas de adolescência: precipitei-me célere, árdego*, confuso. Meus olhos estavam úmidos e ardiam; mãos trêmulas; os demônios me apertavam a garganta; eu me sentia inibido, mas agia com estranha velocidade por fora. Exatamente o contrário do que convém a um senhor de minha idade e condição. 

            Pior é o ataque de infância: o respeitável cavalheiro de repente começa a agir como um menino bobo. Será que só eu sou assim, ou os outros disfarçam melhor?

            *árdego: impetuoso. 


(BRAGA, Rubem. Recado de primavera. Rio de Janeiro: Record, 1984, p. 71) 

O emprego da pontuação e a observância do sinal de crase estão adequados na frase:

  • A Quando se está à envelhecer, as nossas sensações boas ou más, parecem confundir-se em nosso espírito.
  • B Não se tribute as nossas experiências desafortunadas, a responsabilidade maior de um penoso envelhecimento.
  • C Em meio aquelas boas horas da infância, sempre havia alguma suspeita, de que tudo logo acabaria.
  • D Quem diria, que a proporção que o tempo passa, mais retornos imaginários experimentamos à outras idades?
  • E Corresse o tempo de modo uniforme, como alguns acreditam, não voltaríamos às mais antigas sensações.
13

Sobre a amizade

O clássico pensador romano Cícero dizia que nada é mais difícil do que conservar intacta uma amizade até o último dia da vida. Para ele, os interesses e mesmo o caráter dos homens costumam variar com o tempo, por conta dos reveses ou dos sucessos por que passamos. As mais vivas amizades da infância podem não resistir aos anos da adolescência, quando grandes transformações nos atingem.

Mesmo para aqueles cuja amizade resiste por muito tempo, há a possibilidade de desavenças políticas porem tudo a perder. Outras violentas dissensões surgem quando se exige de um amigo algo de inconveniente, como se tornar cúmplice de uma fraqueza nossa, ou quando se lhe pede uma providência que esteja acima de suas forças. Mas essas ameaças à amizade não devem enfraquecer a potência desse sentimento; devem nos lembrar o quanto um amigo é precioso, e quão preciosa será a conservação de sua leal companhia.


(Cláudio Augusto Catilino, inédito)

Há correta flexão das formas verbais e plena observância das normas para emprego do sinal de crase em:

  • A É a muito custo que preservaremos uma amizade, sobretudo se não contivermos nossos primeiros impulsos.
  • B Ele acabará se desfazendo dos amigos a medida que eles virem a contrariar seus ímpetos caprichosos.
  • C Uma amizade resiste à toda prova quando, em qualquer das ocasiões da vida, se manter leal e verdadeira.
  • D Se aprouviesse a alguém construir uma sólida amizade, teria de renunciar as fraquezas mais comuns.
  • E Nada poderei fazer em reparo a fragilidade de uma amizade que não advir de uma leal construção.
14

Texto IV


                          UMA PROIBIÇÃO NECESSÁRIA


      Um assunto que vem despertando a atenção não só da comunidade acadêmica, mas da sociedade como um todo, é a proibição do uso de celulares e bonés pelos estudantes em sala de aula. A discussão acirrou-se após a restrição do uso desses objetos em algumas escolas. Apesar da polêmica instaurada, cremos que a vedação é a melhor solução.

      No que se refere ao celular, a proibição do seu uso em sala de aula é uma medida que se harmoniza com o ambiente em que o estudante está. A sala de aula é um local de aprendizagem, onde o discente deve se esforçar ao máximo para extrair do professor os conhecimentos da matéria. Nesse contexto, o celular é um aparelho que só vem dificultar a relação ensino-aprendizagem, visto que atrapalha não só quem atende, mas todos os que estão ao seu redor.

      Quanto ao boné, a restrição de seu uso em sala de aula se deve a uma questão de educação e de respeito pela figura do mestre. Deve-se ter em mente que o professor, assim como os pais e as autoridades religiosas, merece todo o respeito no exercício do seu ofício, que é o de transmitir conhecimentos. Do mesmo modo que é mal-educado sentar-se à mesa com um chapéu na cabeça, assistir a uma aula usando um boné também o é.

      Por outro lado, alguns entendem que o Estado não poderia proibir os celulares e os bonés em sala de aula, visto que violaria o direito da pessoa de ir e vir com seus bens. Entretanto, devemos ter em mente que não existe direito absoluto: todos são relativos e, sempre que há um conflito entre eles, deve-se realizar uma ponderação de valores, a fim de determinar qual prevalecerá. No caso em análise, o direito da coletividade {alunos e professores) prevalece sobre o direito individual de usar o celular ou o boné em sala de aula.

      Desse modo, percebe-se que há razoabilidade nos objetivos pretendidos pela proibição, visto que beneficia toda a comunidade acadêmica. Os estudantes devem se conscientizar de que escola é sinônimo de aprendizagem e de que todo o esforço deve ser feito para valorizar o processo de ensino e a figura do professor.

Disponível em: <http://thunderms1.blogspot.com/2009/05/ modelo-de-dissertação_12.html>.Acesso em: 12 dez. 2018

"Do mesmo modo que é mal-educado sentar-se à mesa com um chapéu na cabeça, assistir a uma aula usando um boné também o é."


No período destacado do texto, está correto o uso da preposição “a” após o verbo “assistir", uma vez que esse verbo, no sentido de “ver, presenciar", é transitivo indireto. Entre as alternativas abaixo, assinale aquela em que há erro quanto à regência verbal:

  • A Atualmente, o patrão assiste em Paris.
  • B Esteve no cinema e assistiu um filme incrível.
  • C A mãe assistiu o filho em suas necessidades.
  • D Assistiu, incrédulo, ao acidente.
  • E Ontem, assistiu a um excelente show.
  • Procuram persuadir o estudante da importância do ensino para a construção de uma vida melhor.
  • Procuram mostrar que tudo o que se aprende nas escolas pode ser útil em sua vida diária.
  • Procuram fazer com que suas posições sejam acolhidas e que suas teorias sejam aceitas.
  • Procuram capacitar os estudantes, de um modo geral, a resolver os problemas da cidade em que moram.
  • Procuram fazer com que o estudante se convença de que o melhor caminho para sua formação profissional é a dedicação aos estudos.
  • Procuram persuadir o estudante da importância do ensino para a construção de uma vida melhor.
  • Procuram mostrar que tudo o que se aprende nas escolas pode ser útil em sua vida diária.
  • Procuram fazer com que suas posições sejam acolhidas e que suas teorias sejam aceitas.
  • Procuram capacitar os estudantes, de um modo geral, a resolver os problemas da cidade em que moram.
  • Procuram fazer com que o estudante se convença de que o melhor caminho para sua formação profissional é a dedicação aos estudos.
  • Procuram persuadir o estudante da importância do ensino para a construção de uma vida melhor.
  • Procuram mostrar que tudo o que se aprende nas escolas pode ser útil em sua vida diária.
  • Procuram fazer com que suas posições sejam acolhidas e que suas teorias sejam aceitas.
  • Procuram capacitar os estudantes, de um modo geral, a resolver os problemas da cidade em que moram.
  • Procuram fazer com que o estudante se convença de que o melhor caminho para sua formação profissional é a dedicação aos estudos.
  • Procuram persuadir o estudante da importância do ensino para a construção de uma vida melhor.
  • Procuram mostrar que tudo o que se aprende nas escolas pode ser útil em sua vida diária.
  • Procuram fazer com que suas posições sejam acolhidas e que suas teorias sejam aceitas.
  • Procuram capacitar os estudantes, de um modo geral, a resolver os problemas da cidade em que moram.
  • Procuram fazer com que o estudante se convença de que o melhor caminho para sua formação profissional é a dedicação aos estudos.
15

Texto IV


                          UMA PROIBIÇÃO NECESSÁRIA


      Um assunto que vem despertando a atenção não só da comunidade acadêmica, mas da sociedade como um todo, é a proibição do uso de celulares e bonés pelos estudantes em sala de aula. A discussão acirrou-se após a restrição do uso desses objetos em algumas escolas. Apesar da polêmica instaurada, cremos que a vedação é a melhor solução.

      No que se refere ao celular, a proibição do seu uso em sala de aula é uma medida que se harmoniza com o ambiente em que o estudante está. A sala de aula é um local de aprendizagem, onde o discente deve se esforçar ao máximo para extrair do professor os conhecimentos da matéria. Nesse contexto, o celular é um aparelho que só vem dificultar a relação ensino-aprendizagem, visto que atrapalha não só quem atende, mas todos os que estão ao seu redor.

      Quanto ao boné, a restrição de seu uso em sala de aula se deve a uma questão de educação e de respeito pela figura do mestre. Deve-se ter em mente que o professor, assim como os pais e as autoridades religiosas, merece todo o respeito no exercício do seu ofício, que é o de transmitir conhecimentos. Do mesmo modo que é mal-educado sentar-se à mesa com um chapéu na cabeça, assistir a uma aula usando um boné também o é.

      Por outro lado, alguns entendem que o Estado não poderia proibir os celulares e os bonés em sala de aula, visto que violaria o direito da pessoa de ir e vir com seus bens. Entretanto, devemos ter em mente que não existe direito absoluto: todos são relativos e, sempre que há um conflito entre eles, deve-se realizar uma ponderação de valores, a fim de determinar qual prevalecerá. No caso em análise, o direito da coletividade {alunos e professores) prevalece sobre o direito individual de usar o celular ou o boné em sala de aula.

      Desse modo, percebe-se que há razoabilidade nos objetivos pretendidos pela proibição, visto que beneficia toda a comunidade acadêmica. Os estudantes devem se conscientizar de que escola é sinônimo de aprendizagem e de que todo o esforço deve ser feito para valorizar o processo de ensino e a figura do professor.

Disponível em: <http://thunderms1.blogspot.com/2009/05/ modelo-de-dissertação_12.html>.Acesso em: 12 dez. 2018

“A sala de aula é um local de aprendizagem, onde o discente deve se esforçar ao máximo para extrair do professor os conhecimentos da matéria.”


No período acima, o pronome relativo “onde” foi usado corretamente, referindo-se a um antecedente que apresenta uma noção locativa. Entre as frases abaixo há uma alternativa em que o relativo ONDE está sendo utilizado de maneira incorreta, assinale-a.

  • A Quero viajar para alguma cidade tranquila, ONDE possa passar alguns dias em paz.
  • B Este é o bairro ONDE morei durante toda a minha infância.
  • C "Minha terra tem palmeiras ONDE canta o sabiá.”
  • D Aquela é a ponte ONDE nos encontramos pela primeira vez.
  • E Vivemos uma época muito difícil, ONDE a violência gratuita impera.
16

Texto III


Infeliz iniciativa do senador Cyro Miranda (PSDB- GO), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, ao criar um grupo de trabalho com Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto, propondo uma simplificação do sistema ortográfico brasileiro. [...] O mais importante é que a grande motivação alegada por seus autores - a facilitação da alfabetização e do domínio da escrita - revela uma concepção bem equivocada da questão, pois a ortografia é um problema de somenos na formação de leitores e produtores de bons textos. Por exemplo, a norma gramatical brasileira, desatualizada e adventícia, coloca problemas muito mais sérios para quem quer escrever hoje um texto na norma-padrão do que o atual sistema ortográfico.”

LUCCHESI, Dante. Um erro crasso de ortografia. Disponível em: <www1 .folha.uol.com.br/opiniao/2014/09/1512848-dante- lucchesi-um-erro-crasso-de-ortografia.shtml>. Acesso em: 11 dez. 2018

O Texto III aborda a “simplificação do sistema ortográfico brasileiro". Entre as alternativas abaixo, assinale aquela cujas palavras NÃO tiveram sua escrita modificada pelo Novo Acordo Ortográfico:

  • A enjoo-veem-perdoo.
  • B papéis-cartéis - rouxinóis.
  • C frequente - aguentar - sequência.
  • D geleia - paranoia - heroico.
  • E micro-ondas - autoescola - antissocial.
17

                               A VIOLÊNCIA INFANTIL


      Nos últimos tempos, a violência infantil vem crescendo de modo alarmante. Muitas razões têm sido apontadas como causa para um problema tão grave, entretanto acredita-se que a prática dos crimes infantis se deva ao modo como se vive nos dias atuais.

      Em primeiro lugar, pode-se constatar que as crianças passam durante muitas horas assistindo, pela televisão, a uma programação baseada na violência. Os desenhos, com personagens utilizando- se de espadas, armas de fogo etc., fazem, todo o tempo, apologia da força física, da coragem mediante o uso de uma arma. Os filmes apresentam lutas, brigas, disputas, homens fortes, como Schwarzenegger, com armas possantes, destruindo tudo à sua frente. As novelas, muitas vezes, mostram o lado negativo do ser humano, através de intrigas, vícios, maldades, enfim. Na verdade, podem ser contados nos dedos os programas que não incitem a criança e o próprio adulto a sair pelas ruas cometendo desatinos. Podem ser contados nos dedos os programas que acalmem o telespectador, que direcionem para as boas ações.

      Em segundo lugar, verifica-se que a maioria das mães não está dentro de casa para educar os filhos, o que tem sido, aliás, fator determinante para a sua desestruturação. Com as dificuldades financeiras por que passa grande parte das famílias, a mulher precisou sair para trabalhar e ajudar nas despesas do lar. Sua saída embora positiva por um lado, por outro foi desastrosa, pois os filhos ficaram a mercê das empregadas ou até sozinhos em grande parte dos casos. Isso significa que a educação ficou por conta de pessoas que não tem condições nem motivo para educar, ou ainda, por conta deles próprios. A criança passou a ter liberdade para fazer o que bem quer; os pais, por seu turno, com sentimento de culpa por se encontrarem somente à noite com os filhos, não lhes impõem limites, e tudo fica por isso mesmo.

      Por fim, outro dado que se destaca é a separação tão frequente dos casais hoje em dia. Marido e mulher já não estão tendo paciência para enfrentar os problemas, os desentendimentos, o dia-a-dia complicado que é viver em família; por qualquer coisa um pouco mais grave estão desfazendo o compromisso e indo cada um para o seu lado. Com isso, ficam os filhos normalmente com a mãe e vendo o pai apenas uma vez por semana. A mãe, como já se comentou, passa a maior parte do tempo trabalhando, o que faz com que a convivência seja mínima. Mais uma vez está a criança sozinha, agora encontrando somente um dos pais, no final do dia, a atenção, se for o caso.

      Em vista de tudo isso, pergunta-se o que pensa essa criança durante o dia inteiro, como ela encara a vida, que noção tem de certo e de errado, que sentimentos tem no coração. A mãe não está em casa; não pode, portanto, ensiná-la, orientá-la. O pai só a vê no fim de semana, o que o fará sentir-se culpado e o impedirá de ministrar qualquer ensinamento. Sobra-lhe a TV amiga das horas de solidão, a passar mensagens de violência e mais violência. Com essa vida, é difícil seguir outro caminho.

                                                                         (Lucia Helena Gouvêa, 2004)

“(...), entretanto acredita-SE que a prática dos crimes infantis se deva ao modo como se vive nos dias atuais”

A palavra SE em destaque classifica-se como:

  • A índice de indeterminação do sujeito.
  • B partícula expletiva
  • C conjunção subordinativa integrante.
  • D pronome reflexivo.
  • E partícula apassivadora.
18

                               A VIOLÊNCIA INFANTIL


      Nos últimos tempos, a violência infantil vem crescendo de modo alarmante. Muitas razões têm sido apontadas como causa para um problema tão grave, entretanto acredita-se que a prática dos crimes infantis se deva ao modo como se vive nos dias atuais.

      Em primeiro lugar, pode-se constatar que as crianças passam durante muitas horas assistindo, pela televisão, a uma programação baseada na violência. Os desenhos, com personagens utilizando- se de espadas, armas de fogo etc., fazem, todo o tempo, apologia da força física, da coragem mediante o uso de uma arma. Os filmes apresentam lutas, brigas, disputas, homens fortes, como Schwarzenegger, com armas possantes, destruindo tudo à sua frente. As novelas, muitas vezes, mostram o lado negativo do ser humano, através de intrigas, vícios, maldades, enfim. Na verdade, podem ser contados nos dedos os programas que não incitem a criança e o próprio adulto a sair pelas ruas cometendo desatinos. Podem ser contados nos dedos os programas que acalmem o telespectador, que direcionem para as boas ações.

      Em segundo lugar, verifica-se que a maioria das mães não está dentro de casa para educar os filhos, o que tem sido, aliás, fator determinante para a sua desestruturação. Com as dificuldades financeiras por que passa grande parte das famílias, a mulher precisou sair para trabalhar e ajudar nas despesas do lar. Sua saída embora positiva por um lado, por outro foi desastrosa, pois os filhos ficaram a mercê das empregadas ou até sozinhos em grande parte dos casos. Isso significa que a educação ficou por conta de pessoas que não tem condições nem motivo para educar, ou ainda, por conta deles próprios. A criança passou a ter liberdade para fazer o que bem quer; os pais, por seu turno, com sentimento de culpa por se encontrarem somente à noite com os filhos, não lhes impõem limites, e tudo fica por isso mesmo.

      Por fim, outro dado que se destaca é a separação tão frequente dos casais hoje em dia. Marido e mulher já não estão tendo paciência para enfrentar os problemas, os desentendimentos, o dia-a-dia complicado que é viver em família; por qualquer coisa um pouco mais grave estão desfazendo o compromisso e indo cada um para o seu lado. Com isso, ficam os filhos normalmente com a mãe e vendo o pai apenas uma vez por semana. A mãe, como já se comentou, passa a maior parte do tempo trabalhando, o que faz com que a convivência seja mínima. Mais uma vez está a criança sozinha, agora encontrando somente um dos pais, no final do dia, a atenção, se for o caso.

      Em vista de tudo isso, pergunta-se o que pensa essa criança durante o dia inteiro, como ela encara a vida, que noção tem de certo e de errado, que sentimentos tem no coração. A mãe não está em casa; não pode, portanto, ensiná-la, orientá-la. O pai só a vê no fim de semana, o que o fará sentir-se culpado e o impedirá de ministrar qualquer ensinamento. Sobra-lhe a TV amiga das horas de solidão, a passar mensagens de violência e mais violência. Com essa vida, é difícil seguir outro caminho.

                                                                         (Lucia Helena Gouvêa, 2004)

“O pai só a vê no fim de semana, O QUE O FARÁ SENTIR-SE CULPADO (...)."


A oração em destaque classifica-se como:

  • A oração relativa substantiva.
  • B oração relativa explicativa
  • C oração relativa apositiva.
  • D oração relativa cortadora.
  • E oração relativa restritiva
19

     "O certo a ser feito": as marcas do utilitarismo no nosso dia-a-dia

                               Por Carlos Henrique Cardoso


      Ultimamente tenho analisado e refletido sobre a situação política do país e sua judicialização. E enxergo muito dos princípios do utilitarismo instaurados nos desejos de boa parte dos cidadãos. Enxergo o que? Como assim?

      O utilitarismo é uma teoria social desenvolvida pelo jurista, economista, e filósofo Jeremy Bentham, lá pelos fins do século XVIII e início do XIX. Essa teoria também foi objeto de estudo do filósofo John Stuart Mill. Tem como princípio a busca do prazer e da felicidade, mas também satisfazer os indivíduos na coletividade, almejando benefícios, onde as leis seriam socialmente úteis e as escolhas mais corretas. Alguns testes e dinâmicas de grupo também utilizam conceitos de base utilitarista, pautadas nas melhores escolhas para cada situação posta com a finalidade de encontrarmos um bem comum a todos.

      Um exemplo. No único hospital de uma pequena cidade, há apenas uma máquina de hemodiálise e quatro doentes renais. As características sociais, econômicas, profissionais, familiares, e pessoais de cada um são apresentadas e faz-se a pergunta: qual deles merece ser salvo para que possa utilizar o equipamento? Após um pequeno debate, chega-se à conclusão e as razões para que aquele felizardo seja o escolhido. Ou seja, o intuito é tomar decisões para obter o melhor resultado para todos.

      O utilitarismo pode ser transposto para o nosso cotidiano e sua doutrina ética pode estar incrustada em vários fatos e decisões. Sua aplicação pode ser considerável diante de fatores que venham a ocorrer e se tornar aceitável para diversos setores sociais.

      Digamos que comecem a aparecer pessoas feridas por rajadas de metralhadora nas ruas de um município e que muitos testemunharam um homem portando essa arma por aí. As autoridades partem a sua busca, mas não o encontram em lugar nenhum. E novas pessoas são baleadas. Com o rumo das investigações, familiares do suspeito são localizados. Como não informam seu paradeiro, os policiais passam a torturar seus pais, irmãos, e outros parentes a fim de obterem respostas ou pistas para sua descoberta. Dias depois, o “louco da metralhadora” é encontrado. A tortura é proibida por lei, mas sua utilização foi justificada pelo bem-estar público, ou seja, “o certo a ser feito”. Um cálculo que foi interpretado como moralmente aceitável por muitos que consideram aquela postura adequada para que mais ninguém fosse alvejado. Mesmo que jamais fosse preciso tomar tal atitude para um crime ser desvendado. Um princípio utilitarista.

      E assim observo muitas atitudes manifestadas por seguimentos de nossa população. Na véspera da decisão do Supremo Tribunal Federal em conceder ou não o Habeas Corpus para o ex-presidente Lula, grupos pediam que o STF não concedesse o HC porque Lula “tinha que ser preso”, pois já havia sido condenado. Apesar do HC ser um quesito legal, o desejo de prisão parecia ser maior que a virtude da lei. O que imperava era a vontade popular, o desejo de ver alguém que aprenderam a detestar, encarcerado. Importava menos o previsto em lei e mais “a voz das ruas”.

      Declarações de ministros e ex-ministros do STF engrossaram os manifestos. “Temos que ouvir a voz das ruas”, “o sentimento social”, e “o clamor popular” foram termos utilizados pelos ocupantes da Suprema Corte. Apesar das decisões judiciais não serem pautadas, obviamente, pelas vontades do povo profissionais que interpretam as leis não podem estimular aproximações demasiadas entre “as ruas” e os juízes, como termômetro a medir algum “choque térmico” entre a conclusão dos processos e os anseios sociais amparados pelas paixões e ódios. Uma linha tênue entre a lei e “o certo a ser feito”. Reflexões realizadas no calor dos acontecimentos podem influenciar atos finais moralmente justificáveis. Um receio calcado em posturas utilitaristas.

      Essas condutas são visíveis quando qualificam defensores dos Direitos Humanos – que seguem resoluções ratificadas por órgãos internacionais – como “defensores de bandidos”. Isso porque “o pessoal” dos Direitos Humanos defendem medidas previstas em leis e na Constituição Federal. Curioso que muitos dos críticos se referem aos Direitos Humanos como se fosse uma ONG, uma entidade representativa, com CNPJ, sede, funcionários (“o pessoal”) que se reúnem frequentemente em torno de uma grande mesa e passam a discutir políticas de apoio a assassinos, estupradores, e ladrões – uma espécie de “Greenpeace” voltado para meliantes. Com isso, proporcionam reflexões equivocadas sobre como devem ser tratados detentos, como a justiça deve agir com acusados de crime hediondo, ou como nossos policiais devem ser protegidos em autos de resistência ou intervenções repressoras. Tudo para alcançar o bem-estar social e “o certo a ser feito”. E a lei? Que se lasque!! Atos para que o “cidadão de bem” fique protegido das mazelas sociais e que se cumpra a vontade popular acima de qualquer artigo, parágrafo, inciso, ou decreto. Enquanto não se reestrutura o nosso defasado Código Penal, podemos bradar juntos as delicias de um Estado Utilitarista.

https://www.soteroprosa.com/inicio/author/Carlos-Henrique-Cardoso. Acessado em 28/01/2019 (Com adaptação)

“Sua aplicação pode ser considerável diante de fatores que venham a ocorrer e se tornar aceitável para diversos setores sociais.” (4º parágrafo).


O elemento grifado no período acima pode ser substituído, preservando-se a correção gramatical e o sentido, por:

  • A aos quais
  • B cujos
  • C os quais
  • D de que
  • E nos quais
20

Texto: É brincando que se aprende


      O professor Pardal gostava muito do Huguinho, do Zezinho e do Luizinho e queria fazê-los felizes. Inventou, então, brinquedos que os fariam felizes para sempre, brinquedos que davam certo sempre: uma pipa que voava sempre, um peão que rodava sempre e um taco de beisebol que acertava sempre na bola. Os três patinhos ficaram felicíssimos ao receber os presentes e se puseram logo a brincar com seus brinquedos que funcionavam sempre.

      Mas a alegria durou pouco. Veio logo o enfado. Porque não existe nada mais sem graça que um brinquedo que dá certo sempre. Brinquedo, para ser brinquedo, tem de ser um desafio. Um brinquedo é um objeto que, olhando para mim, me diz: “Veja se você pode comigo!”. O brinquedo me põe à prova. Testa as minhas habilidades. Qual é a graça de armar um quebra-cabeça de 24 peças? Pode ser desafio para uma criança de 3 anos, mas não para mim. Já um quebra-cabeça de 500 peças é um desafio. Eu quero juntar as suas peças! Para isso, sou capaz de gastar meus olhos, meu tempo, minha inteligência, meu sono.

      Qualquer coisa pode ser um brinquedo. Não é preciso que seja comprado em lojas. Na verdade, muitos dos brinquedos que se vendem em lojas não são brinquedos precisamente por não oferecerem desafio algum.

      Que desafio existe numa boneca que fala quando se aperta a sua barriga? Que desafio existe num carrinho que anda ao se apertar um botão? Como os brinquedos do professor Pardal, eles logo perdem a graça. Mas um cabo de vassoura vira um brinquedo se ele faz um desafio: “Vamos, equilibre-me em sua testa!”. Quando era menino, eu e meus amigos fazíamos competições para saber quem era capaz de equilibrar um cabo de vassoura na testa por mais tempo. O mesmo acontece com uma corda no momento em que ela deixa de ser coisa para se amarrar e passa a ser coisa de se pular.

      Laranjas podem ser brinquedos? Meu pai era um mestre em descascar laranjas sem arrebentar a casca e sem ferir a fruta. Para o meu pai, a laranja e o canivete eram brinquedos. Eu olhava para ele e tinha inveja. Assim, tratei de aprender. E ainda hoje, quando vou descascar uma laranja, ela vira brinquedo nas minhas mãos ao me desafiar: “Vamos ver se você é capaz de tirar a minha casca sem me ferir e sem deixar que ela arrebente”.

       Para um alpinista, o Aconcágua é um brinquedo: é um desafio a ser vencido. Mas um morrinho baixo não é brinquedo porque é muito fácil – não é desafio. Ao escalar o Aconcágua, ele está medindo forças com a montanha ameaçadora! Pelo desafio dos picos, os alpinistas arriscam as suas vidas, e muitos morrem. Parodiando o Riobaldo: “Brincar é muito perigoso...”.

      Há brinquedos que são desafios ao seu corpo, à sua força, à sua habilidade, à sua paciência. E há brinquedos que são desafios à inteligência. A inteligência gosta de brincar. Brincando, ela salta e fica mais inteligente ainda. Brinquedo é tônico para a inteligência. Mas se ela tem de fazer coisas que não são desafio, ela fica preguiçosa e emburrecida.

      Todo conhecimento científico começa com um desafio: um enigma a ser decifrado! A natureza desafia: “Veja se você me decifra!”. E aí os olhos e a inteligência do cientista se põem a trabalhar para decifrar o enigma. Assim aconteceu com Johannes Kepler (15711630), cuja inteligência brincava com o movimento dos planetas. Assim aconteceu com Galileu Galilei (1564-1642), que, ao observar a natureza, tinha a suspeita de que ela falava uma linguagem que ele não entendia. Pôs-se, então, a observar e a pensar (ciência se faz com essas duas coisas, olho e cérebro!) até que decifrou o enigma: a natureza fala a linguagem da matemática! E até hoje os cientistas continuam a brincar o mesmo brinquedo descoberto por Galileu.

      Aconteceu assim também com um monge chamado Gregor Johann Mendel (1882-1962). No seu mosteiro havia uma horta onde cresciam ervilhas. Os outros monges, vendo as ervilhas, pensavam em sopa. Mas Mendel percebeu que elas escondiam um segredo. E ele tanto fez que acabou por descobrir o segredo que nos revelou o incrível mundo da genética. E não é esse mesmo jogo que faz a criança que está começando a aprender a ler? Ela olha para as letras-ervilhas e tenta decifrar a palavra que elas formam. Tudo é brinquedo!

Rubem Alves
https://institutorubemalves.org.br/wp-content/uploads/2018/08/2002.12.17.pdf

A palavra para traz a ideia de finalidade no seguinte fragmento de texto:

  • A “Pode ser desafio para uma criança de 3 anos...”
  • BPara isso, sou capaz de gastar meus olhos...”
  • C “Um brinquedo é um objeto que, olhando para mim...”
  • DPara um alpinista, o Aconcágua é um brinquedo...”

Matemática

21

Um taxista com velocidade média de 72 km/h, leva 1,65 horas para ir da cidade A à cidade B. Quanto tempo levaria para fazer o mesmo percurso se a velocidade média fosse reduzida para 54 km/h?

  • A 2 h 20 min
  • B 2 h 08 min
  • C 1 h 58min
  • D 1 h 24 min
  • E 2 h 12 min
22

A oferta para determinado produto foi modelada pela função y = 90 - 1,2x, em que y representa o preço unitário para uma oferta de x unidades do produto. A demanda para o mesmo produto foi modelada pela função y = 1,4x + 12, em que x representa o número de unidades procuradas quando o preço do produto é y. Nessas condições, as coordenadas para o ponto de equilíbrio de mercado, isto é, o ponto em que a oferta é igual à demanda, são:

  • A (50, 30).
  • B (40, 42).
  • C (30, 54).
  • D (20, 66).
  • E (10, 78).
23

Após licitação, notebooks foram adquiridos por secretaria municipal, no valor unitário de 12 mil reais. Suponha que o preço do equipamento (y) seja uma função y = mx + n, sendo x o número de anos de utilização do equipamento, com m e n parâmetros reais. Considerando que na época inicial (x = 0) tem-se que y = 12 mil reais e que para x = 7 o valor de y é igual a 800 reais, o valor do equipamento para x = 4 é igual a, em reais,

  • A 4200.
  • B 4600.
  • C 5200.
  • D 5600.
  • E 7200.
24

Em uma negociação salarial, o sindicato representativo dos trabalhadores de uma empresa de alta tecnologia em manufatura de peças para computadores pediu 31,25 reais por hora de trabalho mais uma taxa adicional por empreitada de 7,05 reais por unidade inteira fabricada em cada hora. A empresa por sua vez ofereceu 12,03 reais por hora trabalhada mais 12,03 reais por taxa de empreitada por unidade inteira produzida por hora. Na audiência de negociação, foram estabelecidas equações para o salário por hora de cada uma das propostas em termos de n, o número inteiro de peças produzidas por hora. O valor por hora trabalhada mais a taxa de empreitada que a empresa ofereceu só é maior que o valor solicitado pelo sindicato quando

  • A n < 2.
  • B n = 2.
  • C n = 3.
  • D n < 3.
  • E n > 3.
25

Uma repartição pública analisou metade de um lote de processos ao ritmo de 40 processos por dia e, com a equipe de funcionários reforçada, a outra metade a um ritmo de 360 processos por dia. O ritmo médio de análise dos processos constantes desse lote foi de

  • A 96 processos por dia.
  • B 200 processos por dia
  • C 100 processos por dia
  • D 84 processos por dia
  • E 72 processos por dia.
26

De quantas formas distintas é possível rearranjar as letras da palavra “propriedade” sem que o resultado comece com as letras “i” ou com “o”?

  • A 11*10²*9*7*6*5*4*3
  • B 11*10*9²*7*6*5*4*3
  • C 11*10*9*7*6*5*4*3
  • D 10²*9*7*6*5*4*3
  • E 10*9²*7*6*5*4*3
27

Considerando os conjuntos A ={1,2,3,4}, B={4,5,6,7} e C={1,2,3,6}, qual das alternativas apresenta uma igualdade verdadeira referente às operações em tais conjuntos?

  • A (A-B) = (C-B)
  • B (A-C) = (B-C)
  • C (B-A) = (C-A)
  • D (C-A) = (A-B)
  • E (C-B) = (B-C)
28

Leia as afirmativas a seguir:


I. Um quadrado com aresta igual a 7m terá uma área igual a 49m².

II. Se Ana possui 10 camisas, 8 calças e 3 saias, então ela possui mais de 20 peças de roupa.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
29

Sejam ~, ˅, ˄ e ↔ os símbolos, respectivamente, dos seguintes conectivos lógicos: negação, disjunção, conjunção e bicondicional. Considere as proposições p e q a seguir:


p: O Brasil é o maior país da América do Sul;

q: A França é um país asiático.


Pode-se afirmar sobre o valor lógico da proposição composta R: ~(p ˄ q) ˅ ~ (q↔ p) que:

  • A Não é possível determinar o valor lógico de R.
  • B O valor lógico de R é a falsidade.
  • C R não tem valor lógico.
  • D R é verdadeiro e falso ao mesmo tempo.
  • E O valor lógico de R é a verdade.
30

Em um treinamento em um velódromo, iniciado exatamente às 7 horas e 30 minutos, um ciclista percorreu um total de 40 km, sem interrupções. Ele completou a quarta parte do percurso total em 50 minutos com velocidade constante e, instantaneamente, aumentou essa velocidade em 25%, mantendo-a constante até completar o percurso. Nessas condições, é correto afirmar que esse ciclista concluiu o percurso de 40 km às

  • A 9 horas e 15 minutos.
  • B 9 horas e 20 minutos.
  • C 9 horas e 45 minutos.
  • D 10 horas e 20 minutos.
  • E 10 horas e 30 minutos.
Voltar para lista