Resolver o Simulado CPCON - Nível Superior

0 / 30

Português

1

Atente ao fragmento abaixo, extraído do romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, de Ariano Suassuna, de modo a responder a questão.


“Folheto I - Pequeno Cantar Acadêmico a Modo de Introdução Daqui de cima, no pavimento superior, pela janela gradeada da Cadeia onde estou preso, vejo os arredores da nossa indomável Vila sertaneja. O Sol treme na vista, reluzindo nas pedras mais próximas. Da terra agreste, espinhenta e pedregosa, batida pelo Sol esbraseado, parece desprender-se um sopro ardente, que tanto pode ser o arquejo de gerações e gerações de Cangaceiros, de rudes Beatos e Profetas, assassinados durante anos e anos entre essas pedras selvagens, como pode ser a respiração dessa Fera estranha, a Terra - esta Onça-Parda em cujo dorso habita a Raça piolhosa dos homens. Pode ser, também, a respiração fogosa dessa outra Fera, a Divindade, Onça-Malhada que é dona da Parda, e que, há milênios, acicata a nossa Raça, puxando-a para o alto, para o Reino e para o Sol. Daqui de cima, porém, o que vejo agora é a tripla face, de Paraíso, Purgatório e Inferno, do Sertão. Para os lados do poente, longe, azulada pela distância, a Serra do Pico, com a enorme e alta pedra que lhe dá nome. Perto, no leito seco do Rio Taperoá, cuja areia é cheia de cristais despedaçados que faíscam ao Sol, grandes Cajueiros, com seus frutos vermelhos e cor de ouro. Para o outro lado, o do nascente, o da estrada de Campina Grande e Estaca-Zero, vejo pedaços esparsos e agrestes de tabuleiro, cobertos de Marmeleiros secos e Xiquexiques. Finalmente, para os lados do norte, vejo pedras, lajedos e serrotes, cercando a nossa Vila e cercados, eles mesmos, por Favelas espinhentas e Urtigas, parecendo enormes Lagartos cinzentos, malhados de negro e ferrugem; Lagartos venenosos, adormecidos, estirados ao Sol e abrigando Cobras, Gaviões e outros bichos ligados à crueldade da Onça do Mundo. Aí, talvez por causa da situação em que me encontro, preso na Cadeia, o Sertão, sob o Sol fagulhante do meio-dia, me aparece, ele todo, como uma enorme Cadeia, dentro da qual, entre muralhas de serras pedregosas que lhe servissem de muro inexpugnável a apertar suas fronteiras, estivéssemos todos nós, aprisionados e acusados, aguardando as decisões da Justiça; sendo que, a qualquer momento, a Onça-Malhada do Divino pode se precipitar sobre nós, para nos sangrar, ungir e consagrar pela destruição. É meio-dia, agora, em nossa Vila de Taperoá. Estamos a 9 de Outubro de 1938. É tempo de seca, e aqui, dentro da Cadeia onde estou preso, o calor começou a ficar insuportável desde as dez horas da manhã. Pedi então ao Cabo Luís Riscão que me deixasse sair lá de baixo, da cela comum, e vir cá para cima, varrer o chão de madeira do pavimento superior, onde funcionava, até o fim do ano passado, a Câmara Municipal”. ".

(SUASSUNA, Ariano. O Romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1971).

Atente ao fragmento a seguir e responda ao que se pede: “Aí, talvez por causa da situação em que me encontro, preso na Cadeia, o Sertão, sob o Sol fagulhante do meio-dia, me aparece, ele todo, como uma enorme Cadeia, dentro da qual, entre muralhas de serras pedregosas que lhe servissem de muro inexpugnável a apertar suas fronteiras, estivéssemos todos nós, aprisionados e acusados, aguardando as decisões da Justiça”.


Julgue cada uma das afirmações abaixo acerca das partes sublinhadas no fragmento acima:


I- “Ele todo” é um exemplo de coesão referencial por pronominalização e retoma, anaforicamente, “O Sertão”.

II- “Da qual” retoma cataforicamente, “Cadeia”.

III- “Lhe” exemplifica coesão referencial por pronominalização e retoma “Cadeia”.

IV- “Suas” exemplifica coesão referencial por reiteração e retoma, cataforicamente, “do sertão”.


Está CORRETO o que se afirma em:

  • A I e IV.
  • B II e IV.
  • C I, III e IV.
  • D II e III.
  • E I e III.
2

Atente ao fragmento abaixo, extraído do romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, de Ariano Suassuna, de modo a responder a questão.


“Folheto I - Pequeno Cantar Acadêmico a Modo de Introdução Daqui de cima, no pavimento superior, pela janela gradeada da Cadeia onde estou preso, vejo os arredores da nossa indomável Vila sertaneja. O Sol treme na vista, reluzindo nas pedras mais próximas. Da terra agreste, espinhenta e pedregosa, batida pelo Sol esbraseado, parece desprender-se um sopro ardente, que tanto pode ser o arquejo de gerações e gerações de Cangaceiros, de rudes Beatos e Profetas, assassinados durante anos e anos entre essas pedras selvagens, como pode ser a respiração dessa Fera estranha, a Terra - esta Onça-Parda em cujo dorso habita a Raça piolhosa dos homens. Pode ser, também, a respiração fogosa dessa outra Fera, a Divindade, Onça-Malhada que é dona da Parda, e que, há milênios, acicata a nossa Raça, puxando-a para o alto, para o Reino e para o Sol. Daqui de cima, porém, o que vejo agora é a tripla face, de Paraíso, Purgatório e Inferno, do Sertão. Para os lados do poente, longe, azulada pela distância, a Serra do Pico, com a enorme e alta pedra que lhe dá nome. Perto, no leito seco do Rio Taperoá, cuja areia é cheia de cristais despedaçados que faíscam ao Sol, grandes Cajueiros, com seus frutos vermelhos e cor de ouro. Para o outro lado, o do nascente, o da estrada de Campina Grande e Estaca-Zero, vejo pedaços esparsos e agrestes de tabuleiro, cobertos de Marmeleiros secos e Xiquexiques. Finalmente, para os lados do norte, vejo pedras, lajedos e serrotes, cercando a nossa Vila e cercados, eles mesmos, por Favelas espinhentas e Urtigas, parecendo enormes Lagartos cinzentos, malhados de negro e ferrugem; Lagartos venenosos, adormecidos, estirados ao Sol e abrigando Cobras, Gaviões e outros bichos ligados à crueldade da Onça do Mundo. Aí, talvez por causa da situação em que me encontro, preso na Cadeia, o Sertão, sob o Sol fagulhante do meio-dia, me aparece, ele todo, como uma enorme Cadeia, dentro da qual, entre muralhas de serras pedregosas que lhe servissem de muro inexpugnável a apertar suas fronteiras, estivéssemos todos nós, aprisionados e acusados, aguardando as decisões da Justiça; sendo que, a qualquer momento, a Onça-Malhada do Divino pode se precipitar sobre nós, para nos sangrar, ungir e consagrar pela destruição. É meio-dia, agora, em nossa Vila de Taperoá. Estamos a 9 de Outubro de 1938. É tempo de seca, e aqui, dentro da Cadeia onde estou preso, o calor começou a ficar insuportável desde as dez horas da manhã. Pedi então ao Cabo Luís Riscão que me deixasse sair lá de baixo, da cela comum, e vir cá para cima, varrer o chão de madeira do pavimento superior, onde funcionava, até o fim do ano passado, a Câmara Municipal”. ".

(SUASSUNA, Ariano. O Romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1971).

O sujeito sintático da sentença “Aqualquer momento, a Onça-Malhada do Divino pode se precipitar sobre nós” é

  • A “A Onça-Malhada do Divino” e se classifica como simples.
  • B “A qualquer momento” e se classifica como simples.
  • C “Nós” e se classifica como simples.
  • D “A Onça-Malhada” e se classifica como simples.
  • E “Divino” e se classifica como simples.
3

Atente ao fragmento abaixo, extraído do romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, de Ariano Suassuna, de modo a responder a questão.


“Folheto I - Pequeno Cantar Acadêmico a Modo de Introdução Daqui de cima, no pavimento superior, pela janela gradeada da Cadeia onde estou preso, vejo os arredores da nossa indomável Vila sertaneja. O Sol treme na vista, reluzindo nas pedras mais próximas. Da terra agreste, espinhenta e pedregosa, batida pelo Sol esbraseado, parece desprender-se um sopro ardente, que tanto pode ser o arquejo de gerações e gerações de Cangaceiros, de rudes Beatos e Profetas, assassinados durante anos e anos entre essas pedras selvagens, como pode ser a respiração dessa Fera estranha, a Terra - esta Onça-Parda em cujo dorso habita a Raça piolhosa dos homens. Pode ser, também, a respiração fogosa dessa outra Fera, a Divindade, Onça-Malhada que é dona da Parda, e que, há milênios, acicata a nossa Raça, puxando-a para o alto, para o Reino e para o Sol. Daqui de cima, porém, o que vejo agora é a tripla face, de Paraíso, Purgatório e Inferno, do Sertão. Para os lados do poente, longe, azulada pela distância, a Serra do Pico, com a enorme e alta pedra que lhe dá nome. Perto, no leito seco do Rio Taperoá, cuja areia é cheia de cristais despedaçados que faíscam ao Sol, grandes Cajueiros, com seus frutos vermelhos e cor de ouro. Para o outro lado, o do nascente, o da estrada de Campina Grande e Estaca-Zero, vejo pedaços esparsos e agrestes de tabuleiro, cobertos de Marmeleiros secos e Xiquexiques. Finalmente, para os lados do norte, vejo pedras, lajedos e serrotes, cercando a nossa Vila e cercados, eles mesmos, por Favelas espinhentas e Urtigas, parecendo enormes Lagartos cinzentos, malhados de negro e ferrugem; Lagartos venenosos, adormecidos, estirados ao Sol e abrigando Cobras, Gaviões e outros bichos ligados à crueldade da Onça do Mundo. Aí, talvez por causa da situação em que me encontro, preso na Cadeia, o Sertão, sob o Sol fagulhante do meio-dia, me aparece, ele todo, como uma enorme Cadeia, dentro da qual, entre muralhas de serras pedregosas que lhe servissem de muro inexpugnável a apertar suas fronteiras, estivéssemos todos nós, aprisionados e acusados, aguardando as decisões da Justiça; sendo que, a qualquer momento, a Onça-Malhada do Divino pode se precipitar sobre nós, para nos sangrar, ungir e consagrar pela destruição. É meio-dia, agora, em nossa Vila de Taperoá. Estamos a 9 de Outubro de 1938. É tempo de seca, e aqui, dentro da Cadeia onde estou preso, o calor começou a ficar insuportável desde as dez horas da manhã. Pedi então ao Cabo Luís Riscão que me deixasse sair lá de baixo, da cela comum, e vir cá para cima, varrer o chão de madeira do pavimento superior, onde funcionava, até o fim do ano passado, a Câmara Municipal”. ".

(SUASSUNA, Ariano. O Romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1971).

O fragmento acima tem base tipológica, majoritariamente,

  • A descritiva.
  • B narrativa.
  • C descritivo-argumentativa.
  • D injuntiva.
  • E expositivo.
4

Atente ao fragmento abaixo, extraído do romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, de Ariano Suassuna, de modo a responder a questão.


“Folheto I - Pequeno Cantar Acadêmico a Modo de Introdução Daqui de cima, no pavimento superior, pela janela gradeada da Cadeia onde estou preso, vejo os arredores da nossa indomável Vila sertaneja. O Sol treme na vista, reluzindo nas pedras mais próximas. Da terra agreste, espinhenta e pedregosa, batida pelo Sol esbraseado, parece desprender-se um sopro ardente, que tanto pode ser o arquejo de gerações e gerações de Cangaceiros, de rudes Beatos e Profetas, assassinados durante anos e anos entre essas pedras selvagens, como pode ser a respiração dessa Fera estranha, a Terra - esta Onça-Parda em cujo dorso habita a Raça piolhosa dos homens. Pode ser, também, a respiração fogosa dessa outra Fera, a Divindade, Onça-Malhada que é dona da Parda, e que, há milênios, acicata a nossa Raça, puxando-a para o alto, para o Reino e para o Sol. Daqui de cima, porém, o que vejo agora é a tripla face, de Paraíso, Purgatório e Inferno, do Sertão. Para os lados do poente, longe, azulada pela distância, a Serra do Pico, com a enorme e alta pedra que lhe dá nome. Perto, no leito seco do Rio Taperoá, cuja areia é cheia de cristais despedaçados que faíscam ao Sol, grandes Cajueiros, com seus frutos vermelhos e cor de ouro. Para o outro lado, o do nascente, o da estrada de Campina Grande e Estaca-Zero, vejo pedaços esparsos e agrestes de tabuleiro, cobertos de Marmeleiros secos e Xiquexiques. Finalmente, para os lados do norte, vejo pedras, lajedos e serrotes, cercando a nossa Vila e cercados, eles mesmos, por Favelas espinhentas e Urtigas, parecendo enormes Lagartos cinzentos, malhados de negro e ferrugem; Lagartos venenosos, adormecidos, estirados ao Sol e abrigando Cobras, Gaviões e outros bichos ligados à crueldade da Onça do Mundo. Aí, talvez por causa da situação em que me encontro, preso na Cadeia, o Sertão, sob o Sol fagulhante do meio-dia, me aparece, ele todo, como uma enorme Cadeia, dentro da qual, entre muralhas de serras pedregosas que lhe servissem de muro inexpugnável a apertar suas fronteiras, estivéssemos todos nós, aprisionados e acusados, aguardando as decisões da Justiça; sendo que, a qualquer momento, a Onça-Malhada do Divino pode se precipitar sobre nós, para nos sangrar, ungir e consagrar pela destruição. É meio-dia, agora, em nossa Vila de Taperoá. Estamos a 9 de Outubro de 1938. É tempo de seca, e aqui, dentro da Cadeia onde estou preso, o calor começou a ficar insuportável desde as dez horas da manhã. Pedi então ao Cabo Luís Riscão que me deixasse sair lá de baixo, da cela comum, e vir cá para cima, varrer o chão de madeira do pavimento superior, onde funcionava, até o fim do ano passado, a Câmara Municipal”. ".

(SUASSUNA, Ariano. O Romance d´APedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1971).

No fragmento acima expressões como “Fera estranha” e “Onça-Parda”; “Onça-Malhada” e “Onça-Mundo” fazem referência, no processo de descrição aos referentes terra, divindade e mundo, constituindo o processo de referenciação através de sinônimos, um dos muitos recursos utilizados pelo autor. Aeste processo chamamos de

  • A coesão referencial por pronominalização.
  • B coesão referencial (lexical).
  • C coesão lexical por omissão.
  • D coerência.
  • E coesão referencial por reiteração.
5

Quem escreve deve trabalhar com o máximo possível de atenção, adotando todos os cuidados necessários à eficácia da boa redação tanto em relação à forma, como em relação à clareza do que se afirma. Neste sentido, atente aos enunciados abaixo:


I- Os filhos de seu Francisco, que estudaram, tiveram sucesso na vida.

II- Os filhos de seu Francisco que estudaram tiveram sucesso na vida.

III- Vi uma foto sua no ônibus.

IV- O motorista infligiu a lei, ao estacionar em fila dupla, e foi multado. O guarda lhe infringiu uma multa de 270,00 reais.

V- As questões ligadas à assessoria parlamentar devem ser meticulosamente avaliadas afim de que não se cometam injustiças.

VI- Desculpem-me, mas não dá para fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado. (CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002) (fragmento).


Com base nas sentenças acima assinale a alternativa que julgar VERDADEIRA:

  • A Em IV e V, embora tenhamos equívocos na escolha e no uso de algumas palavras, este fato em nada compromete a intencionalidade, a clareza e, com efeito, a eficácia do que se pretende comunicar conforme os sentidos propostos autorizados nos enunciados.
  • B Em I e II, a presença ou ausência do uso das vírgulas não altera substancialmente o efeito final de sentido destes enunciados.
  • C No enunciado III, não se apresenta qualquer registro de ambiguidade que comprometa a sua clareza e eficácia comunicacional.
  • D Em IV e V, temos equívocos na escolha e no uso de algumas palavras, fato responsável por quebrar a intencionalidade, a clareza e, com efeito, a eficácia do que se pretende comunicar, conforme os sentidos propostos autorizados nos enunciados.
  • E Em VI, embora se vislumbrem registros em menor intensidade de outras funções da linguagem, a função que predomina é fática.
6

Leia as sentenças a seguir com atenção para a organização sintática:


I- “O Magnífico Reitor, em face de estar acometido de patologia, não deve estar presente hoje à abertura dos festejos relativos aos 40 anos da instituição. ”

II- “O ofício enviado a Vossa Excelência tem falhas estruturais e de compreensão primárias. ”

III- “Não pode ter havido erros no envio do documento”.

IV- “Precisa-se de bons analistas para esta função”.

V- “Anexas ao requerimento solicitado seguem as comprovações. ”


Acerca dos enunciados acima, é possível afirmar que

  • A em III e IV, os sujeitos sintáticos são classificados como indeterminados.
  • B em III e IV, os predicados se classificam como nominais.
  • C o sujeito sintático no enunciado V se classifica como simples e é “requerimento”.
  • D em II, o sujeito é classificado como composto.
  • E há apenas um enunciado cujo sujeito sintático se classifica como inexistente.
7

Comentário:

Em uma bronca, em vídeo, na equipe que cuida de suas redes sociais, Caetano Veloso deu uma aula de como usar a contração de preposição e artigo. Tudo porque, em sua página no Facebook, um acento grave foi publicado fora do lugar na expressão “homenagem à Bituca [apelido de Milton Nascimento] (sic)”. O erro irritou o cantor. “O ‘a’ é apenas a preposição nesse caso. Bituca não é uma mulher, nem um nome em que você pode usar o artigo feminino antes”, explicou. A composição correta seria “homenagem a Bituca”. “Um erro chato, que eu não gosto. Um erro que eu acho idiota. Até os linguistas estimulam, dizendo que não se deve ligar para a crase. Nada disso! Tem que saber português e saber trabalhar bem a língua no Brasil.”

(Disponível em: > http://www.gazetadopovo.com.br/caderno-g/gente/caetano-veloso-da-bronca-e-ensina-como-usar-a-crase762flvs9zjcabxfoibdst7a7e<. Data da consulta: 26/09/2017.

Com relação ao desabafo de Caetano Veloso, na página anterior, acerca da “derrapagem linguística” de sua equipe redatora: “O ‘a’é apenas a preposição nesse caso. Bituca não é uma mulher, nem um nome em que você pode usar o artigo feminino antes”, julgue cada uma das afirmativas abaixo.


I- Embora no Sudeste não seja percebido, em usos linguísticos de algumas regiões do Brasil, mais precisamente no Norte, é comum, sim, o uso de artigos, femininos ou masculinos, antecedendo nomes próprios, tais como: O Luiz..., A Luiza, etc. Portanto, na sua admoestação - do ponto de vista do reconhecimento do chamado regionalismo linguístico no Brasil - o nobre poeta Caetano pode ter cometido um preconceito linguístico de natureza regional.

II- Seguindo a mesma lógica sintática acima de Caetano Veloso, no período “Devo a você a minha vida. O meu desabafo a outros não convém, mas a ti, sim.”, há dois casos de objeto indireto que exigem, necessariamente, acento marcador de crase.

III- O desabafo de Caetano Veloso é impertinente, improcedente e demonstra certo desconhecimento do poeta acerca do normativismo gramatical.


É CORRETO o que se afirma em:

  • A II e III.
  • B I e III.
  • C apenas em I.
  • D Apenas em II.
  • E Apenas em III.
8

Texto I


Eu, etiqueta

Em minha calça está grudado um nome

Que não é meu de batismo ou de cartório

Um nome... estranho

Meu blusão traz lembrete de bebida

Que jamais pus na boca, nessa vida,

Em minha camiseta, a marca de cigarro

Que não fumo, até hoje não fumei.

Minhas meias falam de produtos

Que nunca experimentei

Mas são comunicados a meus pés.

Meu tênis é proclama colorido

De alguma coisa não provada

Por este provador de longa idade.

Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

Minha gravata e cinto e escova e pente,

Meu copo, minha xícara,

Minha toalha de banho e sabonete,

Meu isso, meu aquilo.

Desde a cabeça ao bico dos sapatos,

São mensagens,

Letras falantes,

Gritos visuais,

Ordens de uso, abuso, reincidências.

Costume, hábito, premência,

Indispensabilidade,

E fazem de mim homem-anúncio itinerante,

Escravo da matéria anunciada.

Estou, estou na moda.

É duro andar na moda, ainda que a moda

Seja negar minha identidade,

Trocá-lo por mil, açambarcando

Todas as marcas registradas,

Todos os logotipos do mercado.

Com que inocência demito-me de ser

Eu que antes era e me sabia

Tão diverso de outros, tão mim mesmo,

Ser pensante sentinte e solitário

Com outros seres diversos e conscientes

De sua humana, invencível condição.

Agora sou anúncio

Ora vulgar ora bizarro.

Em língua nacional ou em qualquer língua

(Qualquer, principalmente.)

E nisto me comprazo, tiro glória

De minha anulação.

Não sou – vê lá – anúncio contratado.

Eu é que mimosamente pago

Para anunciar, para vender

Em bares festas praias pérgulas piscinas,

E bem à vista exibo esta etiqueta

Global no corpo que desiste

De ser veste e sandália de uma essência

Tão viva, independente,

Que moda ou suborno algum a compromete.

Onde terei jogado fora

meu gosto e capacidade de escolher,

Minhas idiossincrasias tão pessoais,

Tão minhas que no rosto se espelhavam

E cada gesto, cada olhar,

Cada vinco da roupa

Sou gravado de forma universal,

Saio da estamparia, não de casa,

Da vitrine me tiram, recolocam,

Objeto pulsante mas objeto

Que se oferece como signo de outros

Objetos estáticos, tarifados.

Por me ostentar assim, tão orgulhoso

De ser não eu, mas artigo industrial,

Peço que meu nome retifiquem.

Já não me convém o título de homem.

Meu nome novo é Coisa.

Eu sou a Coisa, coisamente.

(Carlos Drummond de Andrade)

Atente aos vocábulos em destaque nos versos a seguir, extraídos do texto I, e responda ao que se pede:


“Meu nome novo é Coisa. / Eu sou a Coisa, coisamente.”


Com base nas pistas semântico-discursivas propostas no texto, e fazendo-se as devidas adaptações morfossintáticas, as palavras que, na sequência, melhor podem substituir as sublinhadas são:

  • A Luz... – a luz... – luzentemente.
  • B Venda... – a venda... – vendamente.
  • C Realidade... – a realidade... – realmente.
  • D Objeto... – o objeto... – objetivamente.
  • E Vendido... – o vendido... – vendamente.
9

Considere o enunciado a seguir: “Todas as crianças que leram Alice no País das Maravilhas aprenderam a questionar o mundo que as cerca”.


Sobre este enunciado, é CORRETO afirmar que

  • A o trecho que leram Alice no País das Maravilhas é uma oração substantiva completiva norminal e por isso deveria vir entre vírgulas.
  • B o trecho que leram Alice no País das Maravilhas é uma oração adjetiva restritiva e por isso deveria vir entre vírgulas para garantir o efeito de sentido propiciado por esse tipo de oração.
  • C o trecho que leram Alice no País das Maravilhas é uma oração adjetiva restritiva e a ausência de vírgulas nesse caso confirma o sentido construído a partir desse tipo de oração.
  • D o trecho que leram Alice no País das Maravilhas é um aposto e por isso deveria vir entre vírgulas.
  • E o trecho que leram Alice no País das Maravilhas é uma oração adjetiva explicativa e a ausência de vírgulas nesse caso confirma o sentido construído a partir desse tipo de oração.
10

Em “Caso haja exposição intensa ao sol [...] é aconselhável a utilização de um bloqueador solar [...]. Após o clareamento da pele, deve-se proteger as áreas tratadas da radiação solar, [...] a fim de prevenir a repigmentação das áreas cutâneas tratadas.”


Os trechos destacados expressam, respectivamente,

  • A condição e finalidade.
  • B concessão e explicação.
  • C condição e explicação.
  • D causa e finalidade.
  • E concessão e causa.

Psicologia

11

Associe as duas colunas relacionando PATOLOGIAcom SINTOMATOLOGIA.


1. Depressão.

2. Histeria dissociativa.

3. Neurose obsessiva compulsiva.

4. Fobia.

5. Psicose.


( ) Desmaios, desligamentos, ataques do tipo epiléptico, estado de “belle indiference”, sensações de despersonalização e estranheza, estados crepusculares, “personalidade múltipla”, entre outros.

( ) Medo excessivo, persistente e irracional na presença de um objeto, ou situação que causa ansiedade, taquicardia, sudorese, tremores, vertigens ou desmaios, mal estar gástrico, calafrios, dificuldade psicomotora.

( ) Impossibilidade angustiante de cumprir tarefas diárias, “vazio” interior, tristeza persistente e perda continua de motivação e de interesse, fadiga, insônia, baixa autoestima, hipotonia generalizada, astenia, inibição psicomotora.

( ) Ideias obsedantes, compulsão a realizar atos indesejáveis, luta contra estes pensamentos e estas tendências, ritos esconjuratórios.

( ) Incapacidade de adaptação social, gravidade maior ou menor dos sintomas, perturbação da faculdade de comunicação, ausência de consciência do estado mórbido, perda de contato com a realidade, alterações mais ou menos profundas e irreversíveis do ego.


A sequência CORRETA é

  • A 4 – 1 – 3 – 5 – 2.
  • B 1 – 3 – 5 – 2 – 4.
  • C 2 – 4 – 1 – 3 – 5.
  • D 3 – 5 – 1 – 2 – 4.
  • E 5 – 2 – 4 – 1 – 3.
12

Quatro foram as vertentes que influenciaram decisivamente o pensamento e a obra psicanalítica de Jacques Lacan. Indique, dentre as alternativas abaixo, a(s) que representa(m) tais vertentes.


Analise as sentenças abaixo sobre a obra deste autor e, em seguida, responda ao que se pede.


I- Linguística: inspirado no linguista Saussure que, de 1906 a 1911 ministrou em Genebra uma visão estruturalista da linguagem.

II- Antropológica: baseada na “antropologia de enfoque estruturalista”, concebida e divulgada por Levi Strauss.

III- Lançou as primeiras sementes para a teoria das relações objetais e do conceito de introjeção.

IV- Filosófica: sofreu uma forte influência da obra Fenomenologia do Espírito, do filósofo Hegel.

V- Psicanalítico: fundamentada numa releitura da obra de Freud.


Está CORRETO o que se afirma, apenas, em:

  • A II, III, IV e V.
  • B I, II, IV e V.
  • C III.
  • D IV e V.
  • E I, II, III, IV e V.
13

Historicamente a prática do psicólogo organizacional esteve mais voltada para os processos de administração de recursos humanos. Na última década tem se consolidado a atuação deste profissional em atividades consideradas emergentes (Zanelli, 2002). Desta forma, assinale a alternativa em que explicita o que se pode considerar como um campo emergente de atuação do psicólogo organizacional e do trabalho nos dias atuais.

  • A Motivação Humana.
  • B Desenvolvimento Organizacional.
  • C Seleção de Pessoal.
  • D Saúde Mental e Trabalho.
  • E Treinamento de Equipes.
14

No inconsciente estão_________________________________ que nunca foram conscientes e que não são acessíveis à _____________________. Além disso, há material que foi excluído da consciência, ________________ e _________________. Esse material não é esquecido ou perdido, mas não lhe é permitido ser________________. Processos mentais inconscientes são em si mesmos____________________. Isso significa em primeiro lugar que não são ordenados temporariamente, que o tempo de modo algum os altera e que a ideia de tempo não lhes pode ser aplicada.


As palavras que completam CORRETAMENTE as lacunas acima são, na sequência:

  • A elementos instintivos, consciência, censurado, lembrado, reprimido, atemporais.
  • B elementos instintivos, consciência, lembrado, reprimido, censurado, atemporais.
  • C elementos instintivos, consciência, reprimido, censurado, lembrado, atemporais.
  • D elementos instintivos, consciência, lembrado, censurado, reprimido, atemporais.
  • E elementos instintivos, consciência, censurado, reprimido, lembrado, atemporais.
15

A categoria trabalho é central nos estudos e práticas da psicologia organizacional até porque é no acontecer do trabalho que a psicologia procederá aos estudos dos aspectos psicológicos neste contexto. E as formas de executarmos o trabalho têm diversas dimensões. Assim, assinale a alternativa que apresenta as características da dimensão ideológica.

  • A Abrange os aspectos subjetivos da relação de cada indivíduo com o trabalho.
  • B Refere-se à tecnologia com a qual se pode contar para realizar o trabalho e às condições materiais e/ou ambientais em que se realiza, incluindo segurança física e conforto.
  • C Refere-se ao modo pelo qual o trabalho é gerido, segundo o exercício das funções de planejar, organizar (dividir e distribuir tarefas), dirigir e controlá-lo.
  • D Consiste na articulação entre o modo de realizar o trabalho e as estruturas sociais, econômicas e políticas no plano macro da sociedade, incluindo aí aspectos como o ritmo de crescimento econômico societal, a prosperidade de um setor econômico, a renda média etc.
  • E Consiste no discurso elaborado e articulado sobre o trabalho, no nível coletivo e societal, justificando o entrelaçamento das demais dimensões e, especialmente, as relações de poder na sociedade. Deriva diretamente das grandes correntes do pensamento.
16

O trecho a seguir revela as influências de um importante teórico para o desenvolvimento humano. “Enfatiza o aspecto interacionista, pois considera que é no plano intersubjetivo, isto é, na troca entre as pessoas, que têm origem às funções mentais superiores. O plano interno, não preexiste, mas é constituído pelo processo de internalização, fundado nas ações, nas interações sociais e na linguagem”.


O responsável por tais ideias chama-se

  • A Freud.
  • B Wallon.
  • C Vygotsky.
  • D Winnicot.
  • E Piaget.
17

O desenvolvimento humano deve ser entendido como uma globalidade, mas, para efeito de estudo, tem sido abordado a partir de aspectos básicos. A partir dessa ideia analise as assertivas abaixo:


I- Aspecto físico motor: refere-se ao crescimento orgânico, à maturação neurofisiológica, à capacidade de manipulação de objetos e de exercício do próprio corpo.

II- Aspecto social: maneira como o indivíduo reage diante das situações que envolvem outras pessoas.

III- Aspecto intelectual: refere-se à capacidade de pensamento, raciocínio.

IV- Aspecto afetivo-emocional: modo particular de o indivíduo integrar as suas experiências.


Está CORRETO o que se afirma apenas

  • A I, II, III e IV.
  • B I e III.
  • C II e IV.
  • D I, III e IV.
  • E II e III.
18

As atitudes e qualidades do psicoterapeuta interferem no processo, assim o estabelecimento de um bom relacionamento entre o terapeuta e o cliente pode garantir situações futuras de mudanças satisfatórias. Todavia, algumas qualidades específicas são reconhecidas como ideais. Assim, a qualidade do terapeuta de ter a capacidade de pensar o pensamento do outro, de sentir o sentimento dele, ver e sentir as coisas como ele vê, é chamada de:

  • A Simpatia
  • B Empatia
  • C Rapport
  • D Acolhimento
  • E Sintonia
19

No processo psicoterapêutico podemos afirmar, amparando em RIBEIRO (1988), que, de acordo com a sintomatologia, são três os tipos de pessoas que recorrem à psicoterapia. Assinale a alternativa onde estão essas três possibilidades.

  • A Pessoas com os chamados problemas afetivos, pessoas ditas neuróticas e pessoas ditas neurastênicas.
  • B Pessoas com os chamados problemas afetivos, pessoas ditas neuróticas e pessoas ditas psicóticas.
  • C Pessoas com os chamados problemas existenciais, pessoas ditas esquizofrênicas e pessoas ditas neuróticas.
  • D Pessoas com os chamados problemas emocionais, pessoas ditas apáticas e pessoas ditas psicóticas.
  • E Pessoas com os chamados problemas existenciais, pessoas ditas neuróticas e pessoas ditas psicóticas.
20

O acolhimento realizado nas Unidades Básicas de Saúde pode ser o dispositivo responsável pela formação do vínculo e a prática de cuidado entre o profissional e o usuário, podendo gerar resultados importantes para um melhor funcionamento da referida unidade. A partir desta premissa analise as assertivas abaixo e assinale (V) para verdadeiro e (F) para falso.

( ) A partir dos resultados do acolhimento é possível conhecer as demandas de saúde da população e de seu território.

( ) A partir dos resultados do acolhimento é possível definir quais enfermidades acometem aquela comunidade.

( ) A partir dos resultados do acolhimento é possível alterar os procedimentos de saúde utilizados pela unidade.

( ) A partir dos resultados do acolhimento a equipe de saúde tem como criar recursos coletivos e individuais de cuidados avaliados como os mais necessários para a comunidade.

A sequência CORRETA é:

  • A F – F – V– F
  • B V– F – F – F
  • C V– F – F – V
  • D F – V– V– V
  • E V– F – V– V

Raciocínio Lógico

21

Se os avôs de jogadores sempre são jogadores, então

  • A os netos de não jogadores sempre são jogadores.
  • B os netos de não jogadores nunca são jogadores.
  • C os netos de jogadores sempre são jogadores.
  • D os netos de jogadores nunca são jogadores.
  • E os netos de jogadores quase sempre são jogadores.
22

Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica comum, enquanto uma dela NÃO tem essa característica. Aponte-a

  • A escreva uma carta.
  • B que belo rio!
  • C um excelente livro de inglês.
  • D quem ganhou o jogo?
  • E existem muitos buracos nas estradas do Brasil.
23

Em silogismos condicionais, o modo de se provar pela afirmação é chamado

  • A Modus ponens.
  • B Condicional afirmativa.
  • C Condicional aditiva.
  • D Modus tollens.
  • E Proposição.
24

Analise as afirmativas abaixo.


I - Aparte sempre cabe no todo.

II- O amigo do meu amigo é meu amigo.

III-Uma odontóloga afirma que todas as odontólogas são mentirosas.


Do ponto de vista da lógica, é (são) sempre verdadeira(s) somente a(s) afirmativa(s):

  • A I e II
  • B II
  • C III
  • D I
  • E I e III
25

Ao fazer sua defesa, diante de uma juíza de direito, Ana declarou: Senhora juíza, eu sou uma grande mentirosa. Assim, a declaração de Ana à juíza é uma estrutura lógica que utiliza a figura

  • A da ambiguidade.
  • B da metonímia.
  • C da antítese.
  • D do paradoxo.
  • E do pleonasmo.
26

Qual é o número que completa o quadro abaixo?

  • A 67
  • B 49
  • C 47
  • D 58
  • E 55
27

Afirmar que José é jogador ou Pedro não é escultor é logicamente equivalente a afirmar que:

  • A José é jogador se e somente se Pedro não é escultor.
  • B Se Pedro é escultor, então José é Jogador.
  • C Se José é jogador, então Pedro não é escultor.
  • D Se José não é jogador, então Pedro é escultor.
  • E José não é jogador e Pedro é escultor.
28

Qual das proposições abaixo é uma Contradição?

  • A Ser ou não ser, eis a questão.
  • B Pai é pai.
  • C Se eu ficar em casa, eu não irei à escola.
  • D Pedro é paraibano e Pedro não é paraibano.
  • E Tudo que é demais é muito.
29

Considere o seguinte argumento: Todas as frutas que Maria comprou no mercado estão boas. Assim, todas as frutas vendidas no mercado são boas. Pode ser considerado:

  • A Ambiguidade.
  • B Um pleonasmo.
  • C Onomatopeia.
  • D Metonímia.
  • E Uma falácia.
30

Todo obstetra é médico. Todo médico é responsável. Portanto,

  • A Algum obstetra não é responsável.
  • B Todo responsável é médico.
  • C Todo responsável é obstetra
  • D Nenhum obstetra é responsável.
  • E Algum responsável é obstetra.
Voltar para lista