Resolver o Simulado Nível Superior

0 / 50

Atualidades

1
A Operação Lava Jato, investiga um grande esquema de lavagem e desvio de dinheiro envolvendo a Petrobras, grandes empreiteiras do país e políticos. O ministro _________________ é o atual relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (em maio de 2018), que substituiu Teori Zavascki após sua morte em 19/01/2018. Assinale a alternativa que prenche corretamente a lacuna do texto acima.
  • A Celso de Mello
  • B Ricardo Lewandowski
  • C Roberto Barroso
  • D Edson Fachin
2

Na última quinta-feira [26 de abril], um representante do escritório de comércio dos EUA ligou para um negociador do governo brasileiro e avisou: vocês têm 24 horas para aceitar nossa proposta de limitação de exportações. O tamanho das cotas, considerado inaceitável pelo governo brasileiro, vinha sendo discutido entre Brasília e Washington, mas, naquele telefonema, o emissário do governo Donald Trump deixou claro que a negociação havia acabado. O Brasil, levando em conta o total de exportações de aço (acabados e semi), terá de reduzir em 12% em relação ao total de 2017 para ficar dentro do limite de 4,1 milhões de toneladas.

(Folha de S.Paulo, 03.04.18. Disponível em: https://goo.gl/z9FJ5d. Adaptado)


Antes do fim das negociações, o governo norte-americano ameaçava

  • A subsidiar o aumento da produção norte-americana de aço e alumínio.
  • B sobretaxar o aço e o alumínio fabricados no Brasil e exportados aos EUA.
  • C bloquear a importação de aço e alumínio de origem brasileira.
  • D prejudicar o Brasil por meio de taxas alfandegárias sobre produtos agrícolas.
  • E substituir o aço e o alumínio brasileiros por produtos chineses.
3

Braço direito de Raúl Castro, Miguel Díaz-Canel foi confirmado como líder de Cuba, colocando fim a quase 60 anos de era Castro. O político recebeu quase 100% dos votos na Assembleia Nacional, que confirmou nesta quinta-feira [19 de abril] a sua eleição para substituir Raúl Castro na presidência do país.

(Terra, 19.04.18. Disponível em: https://goo.gl/dfbYtj. Adaptado)


Entre as principais marcas da eleição do novo presidente de Cuba, é correto assinalar que Díaz-Canel

  • A é favorável à abertura política e econômica de Cuba.
  • B vinculou-se, apenas recentemente, ao Partido Comunista Cubano.
  • C acumulará a presidência e o comando direto do Partido Comunista.
  • D defende o aprofundamento dos laços entre Cuba e os EUA.
  • E não pertence à geração que participou da Revolução Cubana de 1959.
4

O Fundo Monetário Internacional (FMI) avalia como avançadas as negociações para um acordo com a Argentina, que solicitou uma linha de crédito “stand-by” para combater uma recente adversidade no país e seguir adiante com as reformas econômicas do governo do presidente Mauricio Macri.

(Valor, 04.06.18. Disponível em: https://goo.gl/QLCfJU. Adaptado)


Um dos problemas enfrentados pela economia argentina no primeiro semestre de 2018 teve origem

  • A na valorização do Peso.
  • B no forte aumento dos juros.
  • C na crise deflacionária.
  • D na crise cambial.
  • E no calote da dívida externa.
5

A paralisação dos caminhoneiros vem perdendo força e dá claros sinais de que está próxima do fim. A Polícia Federal Rodoviária (PRF) notificou nesta quinta-feira, 31 de maio, uma grande redução dos pontos de concentração nas rodovias federais. Em todos os Estados, a vida começa a voltar ao ritmo normal.

(Exame, 31.05.18. Disponível em: https://goo.gl/JsGcc2. Adaptado)


A paralisação dos caminhoneiros evidenciou

  • A a relevância e a extensão da malha ferroviária no Brasil.
  • B a dependência da economia brasileira em relação ao rodoviarismo.
  • C a força do transporte aéreo de cargas na reposição dos estoques.
  • D o investimento crescente do Brasil no transporte fluvial.
  • E a perda de importância dos derivados de petróleo no abastecimento.
6

A Liga Jurídica Estadual do Rio de Janeiro puniu a Atlética de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio) depois de denúncias envolvendo alunos da faculdade de direito durante os Jogos Jurídicos Estaduais de 2018, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. A polícia investiga o caso.

(G1, 04.06.18. Disponível em: https://goo.gl/rVdCjV. Adaptado)


Os estudantes da Puc-Rio foram denunciados por

  • A homofobia.
  • B intolerância religiosa.
  • C racismo.
  • D xenofobia.
  • E machismo.
7

Por unanimidade, o Banco Central manteve os juros básicos da economia em 6,5% ao ano, ao mesmo tempo em que sinalizou o fim do ciclo de cortes no juro iniciado em outubro de 2016.

(Folha de S.Paulo, 17.05.18. Disponível em: https://goo.gl/x3xnz4. Adaptado)


Uma das razões para a manutenção dos juros básicos no Brasil é

  • A a tendência de valorização do dólar.
  • B a perspectiva de espiral inflacionária.
  • C o cenário de recessão econômica.
  • D a crescente geração de emprego.
  • E o aumento expressivo da inadimplência.
8

O governo foi destituído por votação parlamentar nesta sexta-feira [1° de junho] devido a um vultoso escândalo de corrupção semelhante àquele investigado no Brasil pela Operação Lava Jato. Deputados aprovaram pela maioria absoluta de 180 votos, em uma Câmara de 350 cadeiras, a moção de censura contra o premiê do conservador Partido Popular. Diversas figuras de sua sigla, incluindo o ex-tesoureiro, estavam ligadas a um esquema de venda de contratos públicos. A moção fora apresentada na véspera pelo líder opositor.

(Folha de S. Paulo, 01.06.18. Disponível em: https://goo.gl/uDrwyb. Adaptado)


A notícia trata da destituição do governo

  • A francês.
  • B português.
  • C espanhol.
  • D italiano.
  • E inglês.
9

Em sua assembleia anual, iniciada nesta segunda-feira [4 de junho], a OEA (Organização dos Estados Americanos) pode votar pela suspensão da Venezuela da entidade.

(Folha de S. Paulo, 04.06.18. Disponível em: https://goo.gl/Au3nQT. Adaptado)


Assinale a alternativa que apresenta os argumentos utilizados pelos países que apoiam a suspensão.

  • A A situação extrema de pobreza no país e o aumento da mortalidade infantil e da disseminação de doenças tropicais.
  • B O desrespeito à Carta Democrática Interamericana e a falta de legitimidade das eleições presidenciais realizadas no mês de maio.
  • C A presença, no interior da oposição venezuelana, de grupos antidemocráticos e as sucessivas tentativas de golpe contra o presidente.
  • D A atual dificuldade venezuelana em conter o avanço do tráfico de drogas no interior das suas fronteiras e o aumento do crime organizado.
  • E A profunda crise econômica que assola o país e a fuga de venezuelanos para os países vizinhos, agravando a crise migratória na região.
10

O primeiro-ministro da Jordânia, Hani Mulki, ofereceu nesta segunda-feira [04 de junho] sua demissão do cargo ao rei Abdullah, em uma tentativa de diminuir uma onda de protestos que atingiu o país na última semana. Os atos aumentaram no último fim de semana, quando milhares de jordanianos tomaram as ruas da capital Amã e de outras cidades importantes do país.


(Folha de S. Paulo, 04.06.18. Disponível em: https://goo.gl/wVSTUs. Adaptado)


Os protestos tiveram como alvo

  • A o alinhamento do governo jordaniano com a política externa norte-americana.
  • B o envolvimento do país em conflitos regionais como a guerra civil da Síria.
  • C a política repressiva e autoritária imposta pela monarquia jordaniana.
  • D a falta de apoio do rei jordaniano à luta palestina por um Estado nacional.
  • E um projeto de lei que previa um aumento significativo do imposto de renda.

Português

11

A redação clara e correta, segundo a norma-padrão da língua, é:

  • A Quando se atribui a toda uma categoria a necessidade de obter algo que foi atingido por um indivíduo particular, corre-se o risco de provocarem frustrações, como ocorre ao se tratar da fama; nesse caso, peca-se ainda, ao tomar como eterno algo que pode ser bastante efêmero.
  • B O coordenador de um dos grupos defendeu que mais escassez adiviria se os plantadores, principalmente a agricultura familiar, se recusassem a investir na produção que, aliás, já conhecera mais de uma intempérie; não fomos nós, revendedores, que freiamos a carestia.
  • C Diziam que pelo fato de a presença de um animador ser incômoda, muitos recusariam participar da confraternização dos veteranos; mas enquanto vigir o respeito ao combatente mais idoso é a ele que todos seguirão, e tudo indica que, daqui há duas semanas, todos lá estarão.
  • D O guia dos turistas proveu-os de tudo que seria necessário para a escalada, e isso explica por que não houve conflitos ou dissidências; não se trata de excesso de zelo por parte da pessoa encarregada, mas da capacidade de prever possíveis empecilhos e se antecipar a providências para contorná-los.
  • E Muitos não se adéquam a novos caminhos e lamentam que nada é mais como era antes − é notório, certamente, a impressão que o novo destruirá uma ordem perfeita e imporá o caos, mas isso não procede, pois passos em outra vereda nos faz conhecer novas e sempre enriquecedoras paisagens.
12

Redação clara e em concordância com a norma-padrão da língua está presente na alternativa:

  • A Atitudes como aquela do renomado ator são moralmente condenável, por isso sanções previstas na lei devem ser efetivamente aplicadas, como forma de coibir comportamentos indiscutivelmente inadequados.
  • B O tumultuado revesamento de funcionários responsáveis pela revisão dos cinco últimos processos em análise impediu o coordenador de inclui-los num dos malotes recém-enviados à direção, sob a rúbrica de urgência.
  • C A tendência de alguns jovens empresários do setor adotar regras de conduta distintas dos empresários mais antigos merece ser analisada com cautela, pois é relevante considerar a experiência já adquirida.
  • D Se o debate desse assunto foi consensualmente tido como fundamental para o desenvolvimento do programa, os responsáveis haveriam de ter comunicado isso antes, porque agora a inclusão do tema é extemporânea.
  • E Foi convidado à defesa e argumentou de forma contundente, com um preciso e belo jogo de palavras que não deixassem dúvidas sobre a veracidade dos fatos, como comprova o resultado a favor do acusado.
13
Atenção: A questão refere-se ao que segue.
Na primeira audiência, ele se esforçou em manter-se calado. Indignado com tudo, rejeitava e respondia a qualquer gesto que considerasse suspeito, de quem quer que fosse. Via no banco quem o acusava do que não fizera. Era coisa que levaria tempo para digerir. Ou então, seria motivo de vingança, até mesmo de crime.
... respondia a qualquer gesto que considerasse suspeito, de quem quer que fosse.
Seguem propostas de alteração na frase acima. A redação que está em conformidade com a norma-padrão e não prejudica o sentido original é:
  • A respondia a quaisquer que fosse os gestos que considerasse suspeito, de quem quer que fosse.
  • B respondia a quaisquer gestos que considerasse suspeitos, fossem de quem fossem.
  • C respondia a todo e qualquer gesto que os considerasse suspeitos, de quem quer que fosse.
  • D respondia a gestos, qualquer um, que considerasse suspeitos, vindo de quem quer que fossem.
  • E respondia a gesto qualquer que fosse, que o considerasse suspeito, de quem fosse a pessoa.
14

Texto 1


A Política de Tolerância Zero


Suas vozes frágeis e seus corpos miúdos sugerem que elas não têm mais de 7 anos, mas já conhecem a brutal realidade dos desaventurados cuja sina é cruzar fronteiras para sobreviver. O drama dessas crianças tiradas dos braços de seus pais e mães pela “política de tolerância zero” do governo americano tem comovido o mundo e dividido o país do presidente Donald Trump. Os relatos são de solidão e desespero para essas famílias divididas, que, não raro, mal podem se comunicar com o mundo exterior e não conseguem informações sobre o paradeiro de seus parentes após terem cruzado a fronteira do México para os EUA em busca de uma vida menos difícil. Em vez de encontrarem a realização de seu “sonho americano”, elas vêm sendo recebidas por essa prática de hostilidade reforçada na zona fronteiriça, que já separou mais de 2300 crianças de seus pais desde abril.

Época, nº 1043. Adaptado.


Texto 2


“Isso é inacreditável. Autoridades do governo Trump estão enviando bebês e crianças pequenas... desculpem... há pelo menos três...”. Foi o que conseguiu dizer Rachel Maddow, âncora da MSNBC, antes de se render às lágrimas ao tentar noticiar esse drama infantil latino-americano, num vídeo que já viralizou”.

Época, nº 1043, p. 11.

“O drama dessas crianças tiradas dos braços de seus pais e mães.”
Nesse segmento do texto há um exemplo sublinhado de linguagem figurada denominada

  • A ironia.
  • B eufemismo.
  • C metáfora.
  • D metonímia.
  • E hipérbole.
15

                                      Marieta


      Marieta fez 90 anos.

      Não resisto à tentação de revelar a idade de Marieta.

      Sei que é falta de educação (mas pouca gente sabe hoje o que quer dizer falta de educação, ou mesmo educação) falar em idade de mulher.

      São múltiplas as teorias sobre idade feminina. Eu envelheceria ainda mais, se fosse anotar aqui todos os conceitos alusivos a essa matéria; enquanto isso, as mulheres ficariam cada vez mais jovens. Depois, não estou interessado em compendiar a incerta sabedoria em torno do tema incerto. Meu desejo é só este: contar a idade de Marieta, por estranho que pareça.

      E não é nada estranho, afinal. Marieta fazer 90 anos é tão simples quanto ela fazer 15. No fundo, está fazendo seis vezes 15 anos, esta é talvez sua verdadeira idade, por uma graça da natureza que assim o determinou e assim o fez. Privilégio.

      Ah, Marieta, que inveja eu sinto de você, menos pelos seus 90, perdão, 6 x 15 anos, do que pelo sinal que iluminou seu nascimento, sinal de alegria serena, de firmeza e constância, de leve compreensão da vida, que manda chorar quando é hora de chorar, rir o riso certo, curtir uma forma de amor com a seriedade e a naturalidade que todo amor exige.

      Sei não, Marieta (de batismo e certidão, Maria Luísa), mas você é a mais agradável combinação de gente com gente que eu conheço.

                       (Carlos Drummond de Andrade, Boca de Luar. Adaptado)

Na passagem “Eu envelheceria ainda mais, se fosse anotar aqui todos os conceitos alusivos a essa matéria; enquanto isso, as mulheres ficariam cada vez mais jovens.”, tal como estão flexionados, os verbos

  • A exprimem incerteza ou dúvida acerca de fatos ocorridos em tempo próximo.
  • B expressam possibilidades, referindo-se a fatos não ocorridos.
  • C indicam ação que se produzirá em certo momento do futuro.
  • D asseveram que uma ação futura estará realizada antes de outra.
  • E indicam, entre ações simultâneas, a que estava em processo quando a outra ocorreu.
16

                                   Debaixo da ponte


       Moravam debaixo da ponte. Oficialmente, não é lugar onde se more, porém eles moravam. Ninguém lhes cobrava aluguel, imposto predial, taxa de condomínio: a ponte é de todos, na parte de cima; de ninguém, na parte de baixo. Não pagavam conta de luz e gás porque luz e gás não consumiam. Não reclamavam da falta d’água, raramente observada por baixo de pontes. Problema de lixo não tinham; podia ser atirado em qualquer parte, embora não conviesse atirá-lo em parte alguma, se dele vinham muitas vezes o vestuário, o alimento, objetos de casa. Viviam debaixo da ponte, podiam dar esse endereço a amigos, receber amigos, fazer os amigos desfrutarem comodidades internas da ponte.

      À tarde surgiu precisamente um amigo que morava nem ele mesmo sabia onde, mas certamente morava: nem só a ponte é lugar de moradia para quem não dispõe de outro rancho. Há bancos confortáveis nos jardins, muito disputados; a calçada, um pouco menos propícia; a cavidade na pedra, o mato. Até o ar é uma casa, se soubermos habitá-lo, principalmente o ar da rua. O que morava não se sabe onde vinha visitar os de debaixo da ponte e trazer-lhes uma grande posta de carne.

                        (Carlos Drummond de Andrade. A bolsa e a vida. Adaptado)

Observando-se as orações do primeiro parágrafo do texto, é correto afirmar que nele

  • A combinam-se orações coordenadas justapostas e orações subordinadas.
  • B predominam orações coordenadas iniciadas por conjunção.
  • C predominam orações subordinadas não iniciadas por conjunção.
  • D não há orações subordinadas iniciadas por conjunção.
  • E não há orações coordenadas justapostas, não iniciadas por conjunção.
17

                                              Teresa


A primeira vez que vi Teresa

Achei que ela tinha pernas estúpidas

Achei também que a cara parecia uma perna


Quando vi Teresa de novo

Achei que os olhos eram muito mais velhos que

                                                                [o resto do corpo

(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando

                                       [que o resto do corpo nascesse)

Da terceira vez não vi mais nada

Os céus se misturaram com a terra

E o espírito de Deus voltou a se mover

                                                   [sobre a face das águas.

                                                                   (Manuel Bandeira, Libertinagem)

No verso – Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo –, as conjunções destacadas funcionam, respectivamente, para relacionar a oração principal à oração

  • A adverbial e introduzir oração substantiva predicativa.
  • B substantiva e introduzir oração adverbial consecutiva.
  • C substantiva e introduzir oração adverbial comparativa.
  • D coordenada e introduzir oração adjetiva restritiva.
  • E adjetiva e introduzir oração coordenada aditiva.
18

Caso se queira minorar o destaque dado ao sujeito responsável por determinado ato, deve-se adotar a estruturação sintática exemplificada por:

  • A Estamos acostumados a rir do que é baixo ou vil, e atribuímos uma natureza solene às histórias elevadas.
  • B Em seus depoimentos, os indígenas queixavam-se pelo fato de os brancos considerarem-nos como objetos de museu.
  • C À chegada dos antropólogos, os índios escondiam o aparelho de televisão, rindo-se do olhar sisudo que os perscrutava.
  • D O riso, em nossa sociedade, muitas vezes corrobora a ordem moral estabelecida, sobretudo quando se volta contra o que é posto à margem.
  • E As histórias tinham sido contadas com riqueza de detalhes, de modo que todos foram transportados para dentro da ação.
19

Leia com atenção o poema de Gregório de Matos:


Três dúzias de casebres remendados,

Seis becos de mentrastos entupidos

Quinze soldados rotos e despidos

Doze porcos na praça bem criados.


Dois conventos, seis frades, três letrados

Um juiz com bigodes sem ouvidos

Três presos de piolhos carcomidos

Por comer dois meirinhos esfaimados.


As damas com sapatos de baeta

Palmilha de tamanca como frade


Saia de chita, cinta de raquete.


O feijão que só faz ventosidade

Farinha de pipoca, pão de greta

De Sergipe Del Rei esta é a cidade.


Quanto à tipologia textual usada pelo escritor analise as afirmativas a seguir:

I. É uma descrição, por relatar as características de um local.

II. É uma dissertação, por analisar e interpretar dados reais sobre a cidade de Sergipe Del Rei.

III. É apenas a definição de uma linda cidade aos olhos do poeta.

IV. É uma exposição, são apresentadas informações sobre assuntos e fatos específicos; expõe ideias; explica; avalia; reflete.


Estão corretas as afirmativas:

  • A I e IV, apenas.
  • B I, apenas.
  • C III e IV, apenas.
  • D III apenas.
20

TEXTO 3


NÃO SOMOS ESCRAVOS DE NENHUM SENHOR

Dríade Aguiar


“(...) Como editora da Mídia NINJA, não sei colocar em palavras a dor que sentia a cada vez que entrava na página e via o post fixado com a foto de um rapaz negro com a Máscara de Flandres, uma cena tão antiquada quanto torturosamente atual. Esse post chegou a mais de 130 mil compartilhamentos, mais de 15 milhões de pessoas alcançadas – o alcance de quem fura a bolha ao focar sua linguagem para mais de 50% dos brasileiros, a população negra.

Alegorias, fantasias, décimos e quesitos à parte, a agremiação de São Cristóvão, o quilombo da favela, termina aclamada como Campeã do Povo. (...)”


O trecho sublinhado aparece isolado entre vírgulas, porque se trata de:

  • A um aposto recapitulativo ou resumidor.
  • B uma locução adverbial.
  • C um vocativo.
  • D um aposto comparativo.
  • E ocução verbal.
21

                                       O valor da fofoca

                                                                                       Walcyr Carrasco


      Dos aspectos negativos da fofoca, todos sabemos. Em Os miseráveis, Victor Hugo conta a história de Fantine, que se torna prostituta. Quem só viu o filme ou só assistiu ao musical não sabe muito bem como ela vai para as ruas. O livro conta: fofoca! Fantine é operária. Mas tem uma filha, sendo solteira, em época de moral rígida. Paga uma família para cuidar da menina, Cosette. Mas não sabe ler. Para enviar os pagamentos e pedir notícias, usa os trabalhos de um homem, que escreve e envia o dinheiro. As amigas desconfiam. Especulam. O homem não conta, mas uma consegue ver o endereço numa carta. E se dá ao trabalho de ir até o local onde vive Cosette. Volta com a história completa e conta às amigas. A história chega à direção da fábrica e Fantine é demitida por ser mãe solteira. Vende os dentes, os cabelos, torna-se prostituta, morre no hospital. Jean Valjean, que se esconde da polícia, era o dono da fábrica. Culpa-se pela insensibilidade, busca Cosette e a cria. Mas a questão é que a pobre Fantine teve de vender os dentes e se prostituir devido à avidez da fofoca. Hoje, em tempos menos rígidos, a intimidade de uma pessoa, confidenciada entre lágrimas, pode virar piada no próximo jantar de amigos. Ou seja: longe de mim defender a fofoca em si. Mas ela tem seu valor, psicológico e criativo.

      Simples. A fofoca é uma forma de criar.

      Sempre digo que as pessoas têm tanta necessidade de ficção na vida como do ar que respiram. Por isso precisam ler romances, assistir a filmes, novelas. Até mesmo conferir revistas sobre celebridades, uma forma de exercitar a imaginação, já que a vida real é muito mais árdua do que aparece nas reportagens. Criar também faz parte da natureza humana. Alguns se contentam botando posts no Instagram, inventando uma vida que não têm, com a taça de vinho emprestada de alguém, num hotel onde não se hospedaram. Outras preferem criar sobre a vida alheia. Aquela mulher que conta à outra sobre uma terceira, colega de escritório.

      – Sabe que ela está saindo com um rapaz 20 anos mais jovem? E sustenta!

      Pode ser verdade. Ou ela apenas viu a moça com o sobrinho, saindo do trabalho. O resto, inventou. Nem todo mundo é escritor, mas todo mundo pode criar ficção. Eu mesmo aprendi muito com a fofoca. Morava em um prédio onde vivia uma mulher já madura. De dia, recebia um, que a sustentava, dava carro, conforto material. De noite, recebia outro, que amava. Era a fofoca do prédio.

      Acontece que era feia. Garanto, feia de verdade. Os dois senhores, pavorosos. Aliás, o que ela amava, um velho bem mais feio que o outro, o rico. Eu, que tinha certo preconceito estético, aprendi que beleza não é o mais importante. Havia amor, dinheiro e paixão naquela história de pessoas maduras. A fofoca me fez entender mais da vida. Em outra época, soube que o filho da vizinha não era filho, mas neto. Filho da moça que considerava irmã, mãe solteira. Toda a vila onde morava sabia, menos o menino. Isso me fez entender mais sobre os pais, que são capazes de acolher, dar solidariedade num momento difícil. Suponho que o garoto deve ter levado um susto quando soube. Mas é outra história.

      Minha mãe, quando eu era criança, tinha um bazar. Pequeno, típico de interior, em Marília. Era o centro de informações sobre a vida alheia do bairro. Todas as mulheres passavam, comentavam. Eu tentava ouvir. Mamãe me punha para fora quando a história era mais pesada. Isso me ajudou a desenvolver um certo talento. Quando fiz faculdade de jornalismo, e mais tarde trabalhei no ramo, era ótimo com as perguntas ao entrevistar. Destemido. Fiz sucesso com colunas, jornalismo comportamental. Isso me ajuda até hoje. Quando vou construir uma história, falo com pessoas, converso. Extraio segredos. Conto por meio dos personagens. Vejam que ligação bonita saber da vida alheia tem com o ato de criar.

      O que é uma grande biografia, a não ser a vida de alguém? Uma fofoca autenticada, impressa e aplaudida pela crítica?

      Há um porém: a fofoca, mesmo real, passa pelo crivo de quem conta. Pelo meu, pelo seu, pelo nosso olhar. É a velha história – alguém me oferece meio copo de suco de laranja e posso dizer.

      – Adorei, ganhei meio copo de suco refrescante.

      – Odiei, imagine, me dar só meio copo? Era resto! 

      Quando ouvir uma fofoca, abra as orelhas. O que alguém diz sobre o outro revela mais sobre quem fala do que sobre o alvo em questão. Uma fofoca, como todo ato de criação, tira a máscara do criador. 

Disponível em: https://epoca.globo.com/sociedade/walcyr-carrasco/noticia/2017/10/o-valor-da-fofoca.html. Acesso em: 08 maio 2018.

A divisão silábica está correta, EXCETO em:

  • A a.lhei.o
  • B con.fi.den.ci.a.da
  • C cri.a.dor
  • D so.li.da.rie.da.de
22

                                            Texto II


      [...] Saiu da casa da cartomante aos tropeços e parou no beco escurecido pelo crepúsculo — crepúsculo que é hora de ninguém. Mas ela de olhos ofuscados como se o último final da tarde fosse mancha de sangue e ouro quase negro. Tanta riqueza de atmosfera a recebeu e o primeiro esgar da noite que, sim, sim, era funda e faustosa. Macabéa ficou um pouco aturdida sem saber se atravessaria a rua pois sua vida já estava mudada. E mudada por palavras — desde Moisés se sabe que a palavra é divina. Até para atravessar a rua ela já era outra pessoa. Uma pessoa grávida de futuro. Sentia em si uma esperança tão violenta como jamais sentira tamanho desespero. Se ela não era mais ela mesma, isso significava uma perda que valia por um ganho. Assim como havia sentença de morte, a cartomante lhe decretara sentença de vida. Tudo de repente era muito e muito e tão amplo que ela sentiu vontade de chorar. Mas não chorou: seus olhos faiscavam como o sol que morria. Então ao dar o passo de descida da calçada para atravessar a rua, o Destino (explosão) sussurrou veloz e guloso: é agora é já, chegou a minha vez! E enorme como um transatlântico o Mercedes amarelo pegou-a — e neste mesmo instante em algum único lugar do mundo um cavalo como resposta empinou-se em gargalhada de relincho.

      Macabéa ao cair ainda teve tempo de ver, antes que o carro fugisse, que já começavam a ser cumpridas as predições de madama Carlota, pois o carro era de alto luxo. Sua queda não era nada, pensou ela, apenas um empurrão. Batera com a cabeça na quina da calçada e ficara caída, a cara mansamente voltada para a sarjeta. E da cabeça um fio de sangue inesperadamente vermelho e rico. O que queria dizer que apesar de tudo ela pertencia a uma resistente raça não teimosa que um dia vai talvez reivindicar o direito ao grito. [...]

(Excerto adaptado e extraído da obra “A Hora da Estrela”. LISPECTOR, Clarice. 23ª edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.)

O seguinte excerto “[...] um dia vai talvez reivindicar o direito ao grito.”, ao ser transposto para a voz passiva analítica, terá como resultado:
  • A o direito ao grito vai talvez ser reivindicado.
  • B o direito ao grito será talvez reivindicado.
  • C o direito ao grito talvez reivindicar-se-á.
  • D reivindicará o direito ao grito.
  • E irá talvez reivindicar o direito ao grito.
23

Atenção: Considere o texto abaixo para responder a questão.


O filósofo sempre foi considerado um personagem bizarro, estranho, capaz de cair num poço quando se embrenha em suas reflexões − é o que contam a respeito de Tales (cerca de 625-547 a.C.). O primeiro filósofo, segundo a tradição grega, combina enorme senso prático para os negócios com uma capacidade de abstração que o retira do mundo. Por isso é visto como indivíduo dotado de um saber especial, admirado porque manipula ideias abstratas, importantes e divinas. No fundo não está prefigurando as oposições que desenharão o perfil do homem do Ocidente? O divino Platão e o portentoso Aristóteles fizeram desse estranhamento o autêntico espanto diante das coisas, o empuxo para a reflexão filosófica.

Nos dias de hoje essa imagem está em plena decadência; o filósofo se apresenta como um profissional competindo com tantos outros. Ninguém se importa com as promessas já inscritas no nome de sua profissão: a prometida amizade pelo saber somente se cumpre se a investigação for levada até seu limite, cair no abismo onde se perdem suas raízes. A palavra grega filosofia significa “amigo da sabedoria”, por conseguinte recusa da adesão a um saber já feito e compromisso com a busca do correto.

Em contrapartida, o filósofo contemporâneo participa do mercado de trabalho. Torna-se mais seguro conforme aumenta a venda de seus livros, embora aparente desprezar os campeões de venda. Às vezes participa do jogo da mídia. Graças a esse comércio transforma seu saber em capital, e as novidades que encontra na leitura de textos, em moeda de troca. Ao tratar as ideias filosóficas como se fossem meras opiniões, isoladas de seus pressupostos ligados ao mundo, pode ser seduzido pela rigidez de ideias sem molejo, convertendo-se assim num militante doutrinário. Outras vezes, cai nas frivolidades da vida mundana. Não vejo na prática da filosofia contemporânea nenhum estímulo para que o estudioso se comprometa com uma prática moral e política mais consciente de si mesma, venha a ser mais tolerante às opiniões alheias.

Num mundo em que as coisas e as pessoas são descartáveis, a filosofia e o filósofo também se tornam dispensáveis, sempre havendo uma doutrina ou um profissional capaz de enaltecer uma trama de interesses privados. A constante exposição à mídia acaba levando o filósofo a dizer o que o grande público espera dele e, assim, também pode usufruir de seus quinze minutos de celebridade. Diante do perigo de ser engolfado pela teia de condutas que inverte o sentido original de suas práticas, o filósofo, principalmente o iniciante, se pretende ser amante de um saber autêntico, precisa não perder de vista que assumiu o compromisso de afastar-se das ideias feitas − ressecadas pela falta da seiva da reflexão − e de desconfiar das novidades espalhafatosas. Se aceita consagrar-se ao estudo das ideias, que reflita sobre o sentido de seu comportamento.

(Adaptado de: GIANNOTTI, José Arthur. Lições de filosofia primeira. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, edição digital)

...cair no abismo onde se perdem suas raízes (2° parágrafo)


O segmento sublinhado acima possui a mesma função sintática do que se encontra também sublinhado em:

  • A ... que inverte o sentido original de suas práticas (último parágrafo)
  • B ... o filósofo, principalmente o iniciante, [...] precisa não perder de vista que... (último parágrafo)
  • C Se aceita consagrar-se ao estudo das ideias... (último parágrafo
  • D ... para que o estudioso se comprometa com uma prática moral e política mais consciente de si mesma... (3° parágrafo)
  • E Às vezes participa do jogo da mídia (3° parágrafo)
24

                                A não menos nobre vírgula


      [...] Jacob mandou esta questão: “Sempre aprendi que o advérbio deveria vir entre vírgulas, mesmo que, às vezes, a frase fique truncada.

      Quando vi que não colocou os advérbios entre vírgulas, senti que há uma esperança de me libertar dessas verdadeiras amarras dos tempos escolares. Como pontuar, afinal, nesses casos?”.

      O leitor acertou na mosca quando se referiu a “essas verdadeiras amarras escolares”. Tomemos como exemplo o próprio texto do leitor, que na passagem “...mesmo que, às vezes, a frase fique truncada” optou por pôr entre vírgulas a expressão adverbial “às vezes”, que vem entre a locução conjuntiva “mesmo que” e “a frase”, sujeito da oração introduzida por “mesmo que”.

      Vamos lá. Teria sido perfeitamente possível deixar “livre” a expressão adverbial “às vezes”, ou seja, teria sido possível não empregar as duas vírgulas (“...mesmo que às vezes a frase fique truncada”). É bom que se diga que, com as duas vírgulas, a expressão “às vezes” ganha ênfase, o que não ocorreria se não fossem empregadas as vírgulas.

      O que não se pode fazer de jeito nenhum nesses casos é empregar a chamada “vírgula solteira”, que é aquela que perde o par no meio do caminho. Tradução: ou se escreve “...mesmo que, às vezes, a frase fique truncada” ou se escreve “...mesmo que às vezes a frase fique truncada”. [...]

(Pasquale Cipro Neto, publicado em: <https://www1.folha.uol.com.br/colunas/pasquale/2016/11/1831039-a-nao-menos-nobre-virgula.shtml> . Acesso em 24/03/18. Adaptado)

A partir da explicação dada pelo autor, considere o uso da vírgula nas seguintes afirmativas:


1. O presidente eleito disse, durante a campanha que construirá um muro entre o México e os EUA.

2. O presidente eleito disse, durante a campanha, que construirá um muro entre o México e os EUA.

3. O presidente eleito disse durante a campanha que construirá um muro entre o México e os EUA.

4. O presidente eleito disse durante a campanha, que construirá um muro entre o México e os EUA.


Está correto o uso da vírgula em:

  • A 1 apenas.
  • B 2 apenas.
  • C 3 apenas.
  • D 1 e 4 apenas
  • E 2 e 3 apenas.
25

As questão abaixo refere-se ao texto seguinte − parte do prefácio de um livro de sociologia em que o autor se dedicou ao estudo da cultura popular.


[Linguagens e culturas]


    Este livro estuda as modificações que se deram na cultura das classes populares ao longo das últimas décadas, de modo especial aquelas que podem ser atribuídas à influência das publicações de massa. Creio que obteríamos resultados muito semelhantes caso tomássemos como exemplos algumas outras formas de comunicação, como o cinema, o rádio ou a televisão.

    Penso que tenho sempre tentado dirigir-me principalmente ao “leitor comum” sério ou “leigo inteligente” de qualquer classe social. Não significa isto que eu tenha tentado adotar qualquer tom de voz específico, ou que tenha evitado o uso de quaisquer termos técnicos, para só empregar expressões banais. Escrevi tão claramente quanto o permitiu a minha compreensão do assunto, e apenas usei termos técnicos quando me pareceram susceptíveis de se tornarem úteis e sugestivos.

    O “leigo inteligente” é uma figura vaga, e a popularização uma tarefa perigosa; mas parece-me que aqueles de nós que consideram uma urgente necessidade escrever para ele devem continuar a tentá-lo. Porque um dos mais nefastos aspectos da nossa condição cultural é a divisão entre a linguagem dos peritos e o nível extraordinariamente baixo daquela utilizada nos órgãos de comunicação de massa.

(Adaptado de: HOGGART, Richard. As utilizações da cultura. Trad. de Maria do Carmo Cary. Lisboa: Editorial Presença, 1973.)

O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de modo a concordar com o elemento sublinhado na frase:

  • A As modificações da cultura popular (constituir) o centro da preocupação desse livro de Richard Hoggart.
  • B O autor do livro deseja que a linguagem de seus estudos (propiciar) aos seus leitores revelações sobre a cultura das classes populares.
  • C A popularização preocupa o autor porque muitos estudos se tornam simplórios devido à simplificação excessiva a que se (submeter).
  • D O pesquisador acredita que um dos mais negativos aspectos da nossa civilização está no abismo que (permear) as linguagens.
  • E Quem estuda os diferentes níveis de manifestações culturais propõe-se a reconhecer os distintos valores com os quais se (instituir) uma cultura complexa.
26

                                Mobilidade urbana


      Ao longo dos últimos anos a expressão mobilidade urbana – soma das condições e dos critérios oferecidos para a livre circulação das pessoas numa cidade − tem sido empregada para identificar um dos desafios dos grandes centros urbanos. Trata-se de um conceito mais complexo do que parece: não se reduz a uma simples questão de trânsito, diz respeito ao modo e à qualidade de vida das pessoas, à dinâmica instituída em seu cotidiano. Trata-se, enfim, de considerar uma política pública para qualificar os espaços em que os indivíduos se movimentam.

      O desafio está, sobretudo, em escolher os usos do território urbano, em privilegiar este ou aquele meio de transporte, em administrar os rumos e as concentrações de passageiros. Essa escolha não se faz sem pressupostos: o que, de fato, se pretende instituir? A livre circulação dos automóveis? O favorecimento do transporte coletivo? A velocidade máxima em canais de uso regulamentado? Faixas para ciclistas? Calçadões para pedestres? Espaços ambientais interligados? Linhas subterrâneas? A política implicada nesta ou naquela escolha diz muito das convicções de quem administra o espaço das grandes cidades. Como este é fatalmente limitado, e tende a receber um número sempre crescente de usuários, há que se encontrar medidas que otimizem seu uso e favoreçam a mobilidade de quem se considere seu usuário preferencial. Não é à toa que medidas tomadas para a implementação prática da mobilidade urbana provocam polêmicas ácidas, quando não conflitos mais graves, entre setores da população.

      Como regra geral, o poder público deve se envolver sobretudo com o que seja coletivo, o que atenda à parte maior da população, visando criar condições dignas para sua mobilidade. O transporte de massas não pode ser sacrificado em nome do transporte individual. A primazia do automóvel tem infligido enormes custos à qualidade de vida da maioria dos que habitam as grandes cidades.

                                                                              (Argemiro Diaféria, inédito

O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de modo a concordar com o elemento sublinhado na frase:

  • A Se não se (considerar) os efeitos práticos desse novo planejamento urbano, a cidade tornar-se-á um caos em que todos estaremos mergulhados.
  • B A administração de algumas pequenas cidades, de modo bisonho, (simular) problemas de mobilidade urbana para encontrar soluções desnecessárias.
  • C É preciso que se (cobrar) do poder público medidas gerenciais que garantam uma aceitável qualidade de vida para a maioria da população.
  • D Transitar em espaços ambientais ou amplos calçadões não (constituir) privilégios, mas condições dignas de mobilidade urbana.
  • Eresoluções que não (caber) ao poder público tomar sem antes averiguar quais sejam os reais interesses da maior parte dos cidadãos.
27
TEXTO – Sem tolerância com o preconceito
Átila Alexandre Nunes, O Globo, 23/01/2018 (adaptado)
Diante do número de casos de preconceito explícito e agressões, somos levados ao questionamento se nossa sociedade corre o risco de estar tornando-se irracionalmente intolerante. Ou, quem sabe, intolerantemente irracional. Intolerância é a palavra do momento. Da religião à orientação sexual, da cor da pele às convicções políticas.
O tamanho desse problema rompeu fronteiras e torna-se uma praga mundial. Líderes políticos, em conluio com líderes religiosos, ignoram os conceitos de moral, ética, direitos, deveres e justiça. As redes sociais assumiram um papel cruel nesse sistema. Se deveriam servir para mostrar indignação, mostram, muitas vezes, um preconceito medieval.
No campo da religiosidade, o fanatismo se mostra cada dia mais presente no Rio de Janeiro. No último ano, foram registradas dezenas de casos de intolerância religiosa por meio da Secretaria de Estado de Direitos Humanos. Um número ainda subnotificado, pois, muitas ocorrências que deveriam ser registradas como “intolerância religiosa” são consideradas brigas de vizinhos.
A subnotificação desses casos é um dos maiores entraves na luta contra a intolerância religiosa. O registro incorreto e a descrença de grande parte da população na punição a esse tipo de crime colaboram para maquiar o retrato dos ataques promovidos pelo fanatismo religioso em nossa sociedade. A perseguição às minorias religiosas está cada vez mais organizada com braços políticos e até de milícias armadas como o tráfico de drogas.
No último ano recebemos denúncias de ataques contra religiões de matriz africana praticados pelo tráfico de drogas, que não só destruíam terreiros, como também proibiam a realização de cultos em determinada região, segundo o desejo do chefe da facção local.
Não podemos regredir a um estado confessional. A luta de agora pela liberdade religiosa é um dever de todos para garantir o cumprimento da Constituição Federal. Quando uma pessoa de fé é humilhada, agredida ou discriminada devido à sua crença, ela tem seus direitos humanos e constitucionais violados. Hoje, falase muito sobre intolerância religiosa, mas, muito mais do que sermos tolerantes, precisamos aprender a respeitar a individualidade e as crenças de cada um.
Até porque, nessa toada, a intolerância irracional ganha terreno, e nós vamos ficando cada vez mais irracionalmente intolerantes com aquilo que não deveríamos ser. Numa sociedade onde o preconceito se mostra cada dia mais presente, a única saída é a incorporação da cultura do respeito. Preconceito não se tolera, se combate.

“Até porque, nessa toada, a intolerância irracional ganha terreno, e nós vamos ficando cada vez mais irracionalmente intolerantes com aquilo que não deveríamos ser”. A forma verbal “deveríamos ser” forma uma locução verbal como os vocábulos abaixo:

  • A queremos ser;
  • B mandamos ser;
  • C deixemos ser;
  • D vimos ser;
  • E ouvimos ser.
28

Texto para responder à questão.

O despreparo da geração mais preparada

    A crença de que a felicidade é um direito tem tornado despreparada a geração mais preparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada ___ criar _____ partir da dor.

    Há uma geração de classe média que estudou em bons colégios, é fluente em outras línguas, viajou para o exterior e teve acesso à cultura e à tecnologia. Uma geração que teve muito mais do que seus pais. Ao mesmo tempo, cresceu com a ilusão de que a vida é fácil. Ou que já nascem prontos – bastaria apenas que o mundo reconhecesse a sua genialidade.

    Tenho me deparado com jovens que esperam ter no mercado de trabalho uma continuação de suas casas – onde o chefe seria um pai ou uma mãe complacente, que tudo concede. Foram ensinados a pensar que merecem, seja lá o que for que queiram. E quando isso não acontece – porque obviamente não acontece – sentem-se traídos, revoltam-se com a “injustiça” e boa parte se emburra e desiste.

    Como esses estreantes na vida adulta foram crianças e adolescentes que ganharam tudo, sem ter de lutar por quase nada de relevante, desconhecem que a vida é construção – e para conquistar um espaço no mundo é preciso ralar muito. Com ética e honestidade – e não a cotoveladas ou aos gritos. Como seus pais não conseguiram dizer, é o mundo que anuncia a eles que: viver é para os insistentes.

    Por que boa parte dessa nova geração é assim? Penso que este é um questionamento importante para quem está educando uma criança ou um adolescente hoje. Nossa época tem sido marcada pela ilusão de que a felicidade é uma espécie de direito. E tenho testemunhado a angústia de muitos pais para garantir que os filhos sejam “felizes”. Pais que fazem malabarismos para dar tudo aos filhos e protegê-los de todos os perrengues – sem esperar nenhuma responsabilização nem reciprocidade.

    Nossa classe média parece desprezar o esforço. Prefere a genialidade. O valor está no dom, naquilo que já nasce pronto. Dizer que “fulano é esforçado” é quase uma ofensa. Ter de dar duro para conquistar algo parece já vir assinalado com o carimbo de perdedor. Bacana é o cara que não estudou, passou a noite na balada e foi aprovado no vestibular de Medicina. Este atesta a excelência dos genes de seus pais. Esforçar-se é, no máximo, coisa para os filhos da classe C, que ainda precisam assegurar seu lugar no país.

    Da mesma forma que supostamente seria possível construir um lugar sem esforço, existe a crença não menos fantasiosa de que é possível viver sem sofrer. De que as dores inerentes a toda vida são uma anomalia e, como percebo em muitos jovens, uma espécie de traição ao futuro que deveria estar garantido. Pais e filhos têm pagado caro pela crença de que a felicidade é um direito. E a frustração um fracasso. Talvez aí esteja uma pista para compreender a geração do “eu mereço”.

(Eliane Brum. Disponível em: http://www.portalraizes.com/28-2/. Fragmento.)

No título do texto, a autora utiliza palavras que são formadas a partir de um mesmo radical “despreparo” e “preparada”. O prefixo empregado em uma delas possui o mesmo sentido expresso pelo destacado em:
  • A ateu, inativo.
  • B decair, decrescer
  • C aversão, amovível.
  • D adventício, contrasselar.
29

Texto 1 – Orgânico por um bom motivo

Chico Junior, O Globo, 25/11/2017 (fragmento)


O mundo caminha para um consumo cada vez maior de alimento orgânico. A Dinamarca, por exemplo, começou há 25 anos uma política agrícola-ambiental que vai torná-la, até 2020, o primeiro país do mundo a ter sua produção de alimentos 100% orgânica. Está conseguindo isso graças a um forte trabalho de conscientização e por intermédio de subsídios aos pequenos agricultores.

Resumidamente, o alimento orgânico também pode ser chamado de agroecológico – a agroecologia pode ser definida como o estudo da agricultura a partir de uma perspectiva ecológica. É aquele produzido de forma sustentável, respeitando-se e não agredindo o meio ambiente e não utilizando fertilizantes químicos e, muito menos, os defensivos agrícolas químicos, os chamados agrotóxicos. Diga-se de passagem que o Brasil é o país que mais usa agrotóxico no mundo, inclusive vários que são proibidos em diversas partes do planeta, banidos da Europa e dos Estados Unidos.

A produção e consumo de orgânicos se dão por duas razões básicas: aumento do que chamamos de consciência ecológica e o desejo de se consumirem alimentos mais saudáveis.

No Brasil caminha-se ainda lentamente, mas caminha-se, o que faz com que os produtos ainda sejam caros e fora do alcance da maioria. Mas o fato é que a produção vem aumentando ano a ano e os preços, de maneira geral, diminuindo.

Ao dizer que “O mundo caminha para um consumo cada vez maior de alimento orgânico”, o autor do texto 1 apela para um tipo de figura de linguagem caracterizada pela:

  • A personificação de seres inanimados;
  • B utilização de um todo significando uma parte;
  • C comparação entre um termo real e um figurado;
  • D repetição enfática de termos;
  • E presença de termos de significação oposta.
30

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a ´desquitada´ deixasse de ser discriminada.”


Esse período do terceiro parágrafo do texto tem a função de

  • A valorizar a ascensão político-social da mulher.
  • B demonstrar a luta das mulheres ao longo do tempo.
  • C exemplificar modificações nos costumes de uma época.
  • D explicar a que tipos de mudanças o texto se refere.
  • E esclarecer afirmações pouco claras feitas anteriormente.

Odontologia

31
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Durante a anamnese, paciente com 42 anos de idade, sexo feminino, relata sentir “ansiedade e nervosismo” diante de procedimentos médicos e odontológicos. A realização da raspagem supragengival, um procedimento de menor complexidade clínica, transcorria satisfatoriamente, quando a paciente passou a relatar vertigem e dificuldades visuais. O profissional interrompeu prontamente o atendimento e observou alterações na respiração da paciente, que relatou dor abdominal, sensação de “boca seca” e sensação de “apertamento” no peito.

Após a identificação do agravo, o protocolo de atendimento inclui:
I. colocar a paciente em posição supina, orientando-a a respirar dentro de um saco plástico, aumentando o teor de gás carbônico (CO2) inspirado. II. acomodar a paciente em posição semi-inclinada, fazendo-a respirar ar enriquecido com CO2 ao colocar as suas mãos em forma de concha, cobrindo a boca e o nariz. III. administrar Diazepam 10 mg, por via oral. IV. administrar oxigênio, em fluxo de 5 L/min. V. não administrar oxigênio, pois a oxigenação pode produzir vasoconstrição cerebral.
Está correto o que consta APENAS de

  • A I e V.
  • B II e IV.
  • C I e IV.
  • D II e III.
  • E III e V.
32
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Durante a anamnese, paciente com 42 anos de idade, sexo feminino, relata sentir “ansiedade e nervosismo” diante de procedimentos médicos e odontológicos. A realização da raspagem supragengival, um procedimento de menor complexidade clínica, transcorria satisfatoriamente, quando a paciente passou a relatar vertigem e dificuldades visuais. O profissional interrompeu prontamente o atendimento e observou alterações na respiração da paciente, que relatou dor abdominal, sensação de “boca seca” e sensação de “apertamento” no peito.

Este quadro clínico é compatível com o diagnóstico de

  • A crise hipertensiva arterial.
  • B acidente vascular cerebral.
  • C síndrome de hiperventilação.
  • D crise aguda de asma.
  • E infarto agudo do miocárdio.
33
Atenção: Para responder à questão considere as informações abaixo.

    Paciente com 44 anos de idade, sexo masculino, apresenta queixa principal relacionada com o aspecto da gengiva na região do dente 36, que deixa o “osso à mostra”, sem dor ou sangramento. O exame clínico mostra recessão gengival na região vestibular do dente 36 e a sondagem periodontal revela bolsa de 10 mm na região mesial e de 9 mm na região distal desse dente. A sondagem da região inter-radicular por acesso vestibular mostra perda horizontal de tecido de suporte atingindo a largura total do dente 36. A resposta aos testes térmicos aplicados no dente 36 é positiva. O exame radiográfico mostra perda óssea horizontal na altura do terço apical e defeito inter-radicular no dente 36.

Este quadro clínico é compatível com o diagnóstico de

  • A lesão de furca Grau I.
  • B lesão de furca Grau II.
  • C lesão de furca Grau III.
  • D trauma oclusal.
  • E lesão endodôntica e periodontal combinadas.
34
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Paciente com 52 anos de idade, sexo masculino, refere ser portador de prótese valvar cardíaca. Relata tratamento endodôntico e protético no dente 22, realizado há cerca de dois anos. O exame clínico mostra a condição satisfatória da coroa protética do dente 22. O exame radiográfico mostra que o dente 22 foi tratado endodonticamente e apresenta uma lesão radiolúcida persistente na área periapical. O pino intrarradicular metálico mostra adaptação satisfatória.

O tratamento consiste em

  • A cirurgia perirradicular, uma vez que o retratamento endodôntico não cirúrgico do dente 22 acarretaria a perda da reabilitação, elevando os custos do tratamento.
  • B retratamento endodôntico do dente 22, devido ao risco de fratura radicular envolvido em uma abordagem cirúrgica.
  • C extração do dente 22 e implante unitário, devido à necessidade de remover tecido de granulação na região periapical por meio de curetagem.
  • D proservação radiográfica da região do dente 22, com retornos periódicos semestrais, uma vez que a lesão é assintomática.
  • E extração do dente 22, raspagem do ligamento periodontal com objetivo de remover o tecido perirradicular infectado e reimplante intencional.
35
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Durante a realização de abertura coronária para biopulpectomia do dente 25, o cirurgião-dentista (CD) executava o trabalho com apoio direto do auxiliar de saúde bucal (ASB) junto à cadeira odontológica, quando o telefone tocou e o ASB foi atender à ligação, anotando o recado destinado ao CD. Uma segunda interrupção ocorreu no momento do isolamento absoluto do campo operatório, quando um paciente chegou ao consultório e o ASB foi recepcioná-lo.

Na gestão do trabalho odontológico, a superação de situações cotidianas que afetam o conforto dos pacientes e a produtividade do CD é possibilitada pela:
I. delegação de ações diretas de menor complexidade técnica para execução pelo ASB. II. realização da função de preparador e instrumentador pelo ASB, delegando as atividades de recepção, agendamento e dispensa do paciente à secretária do consultório. III. definição das atividades de preparo da bandeja e da mesa clínica, bem como da instrumentação, pelo ASB, enquanto o CD executa as ações indiretas simultâneas. IV. antecipação de movimentos do CD pelo ASB durante a instrumentação, quando o ASB deverá realizar a retração de lábios e bochechas e transferir pontas ativas, instrumentos e materiais.
Está correto o que consta APENAS de

  • A I e II.
  • B II e III.
  • C I e IV.
  • D I e III.
  • E II e IV.
36
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Durante a realização de abertura coronária para biopulpectomia do dente 25, o cirurgião-dentista (CD) executava o trabalho com apoio direto do auxiliar de saúde bucal (ASB) junto à cadeira odontológica, quando o telefone tocou e o ASB foi atender à ligação, anotando o recado destinado ao CD. Uma segunda interrupção ocorreu no momento do isolamento absoluto do campo operatório, quando um paciente chegou ao consultório e o ASB foi recepcioná-lo.

A assepsia dos canais radiculares do dente 25 é

  • A garantida pelo uso de luvas estéreis pelo CD e pela irrigação abundante com solução de hipoclorito de sódio a 2,5% durante a instrumentação.
  • B colocada em risco pelo manuseio de objetos externos ao campo operatório sem uma posterior substituição das luvas de procedimento pelo ASB.
  • C assegurada pelo isolamento absoluto, que deve ser realizado a quatro mãos, sem a necessidade de substituição das luvas do ASB, que não teve contato com o material contaminado proveniente dos canais radiculares.
  • D efetuada por meio de remoção da polpa inflamada com extirpa-nervos e irrigação abundante com solução de hipoclorito de sódio a 2,5%, em trabalho a quatro mãos.
  • E colocada sob questionamento pelo uso de lençol de borracha não estéril, que pode ser contaminado por fragmentos da polpa inflamada durante a abertura coronária.
37
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Na realização de perícia odontológica mediante solicitação judiciária, paciente com 31 anos de idade, sexo feminino, relata ter se submetido a um implante osseointegrado após fratura vertical no dente 21, há cerca de um ano. A queixa principal da paciente é a “movimentação do implante”, impedindo-a de mastigar ou conversar. A paciente refere sucessivas tentativas de contato com o profissional que efetuou este tratamento, sem êxito, culminando com a via judicial. Na anamnese, a paciente refere fumar “até dois maços de cigarro por semana”. O exame clínico mostra cálculo dental supragengival na área lingual inferior e biofilme bacteriano dental espesso nas faces vestibulares e linguais dos dentes presentes. Observa-se mobilidade do elemento 21 nos sentidos horizontal e vertical e supuração ao redor do implante. Na sondagem periodontal, foi empregada uma força leve, suficiente para detectar uma profundidade de 8 mm ao redor do implante. O exame radiográfico mostra perda óssea radiográfica de cerca de 4 mm.

A atuação do perito louvado

  • A contempla a intermediação entre a paciente e o profissional, oferecendo subsídio técnico-científico para a identificação da parte responsável pelo insucesso clínico.
  • B abrange a identificação dos nexos causais envolvidos no insucesso clínico, a busca de soluções para a reabilitação da paciente e a apresentação de denúncia contra o profissional.
  • C restringe-se a elaborar o parecer técnico detalhado com a verificação de exames clínicos e radiográficos e entregá-lo à autoridade judiciária.
  • D limita-se a apresentar à autoridade judiciária um parecer conclusivo sobre o caso clínico, estipulando um valor indenizatório a ser pago à parte ofendida.
  • E consiste em identificar as necessidades e interesses de cada um, buscando o empoderamento das partes por meio da educação para a solução do conflito.
38
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Na realização de perícia odontológica mediante solicitação judiciária, paciente com 31 anos de idade, sexo feminino, relata ter se submetido a um implante osseointegrado após fratura vertical no dente 21, há cerca de um ano. A queixa principal da paciente é a “movimentação do implante”, impedindo-a de mastigar ou conversar. A paciente refere sucessivas tentativas de contato com o profissional que efetuou este tratamento, sem êxito, culminando com a via judicial. Na anamnese, a paciente refere fumar “até dois maços de cigarro por semana”. O exame clínico mostra cálculo dental supragengival na área lingual inferior e biofilme bacteriano dental espesso nas faces vestibulares e linguais dos dentes presentes. Observa-se mobilidade do elemento 21 nos sentidos horizontal e vertical e supuração ao redor do implante. Na sondagem periodontal, foi empregada uma força leve, suficiente para detectar uma profundidade de 8 mm ao redor do implante. O exame radiográfico mostra perda óssea radiográfica de cerca de 4 mm.

A resolução deste caso clínico será feita por meio da remoção do implante e a instalação de prótese

  • A adesiva direta como tratamento temporário.
  • B adesiva direta como tratamento definitivo.
  • C parcial fixa como tratamento temporário.
  • D parcial removível como tratamento temporário.
  • E parcial removível como tratamento definitivo.
39

O exame clínico de paciente com 28 anos de idade, sexo feminino, mostra que houve fratura na região mésio-oclusal de restauração em resina composta no dente 35, com a perda do fragmento. O exame radiográfico mostra ausência de cárie. O prontuário registra que foi realizada uma restauração Classe II MOD em resina composta microparticulada no dente 35, há cinco anos. O procedimento clínico indicado é

  • A remoção total da restauração em resina composta microparticulada e substituição por resina micro-híbrida com baixo módulo de elasticidade, que apresenta menor deformação frente às tensões mastigatórias.
  • B aplicação de ácido fluorídrico a 9,5% e tratamento da restauração remanescente com silano, visando restabelecer uma nova união química entre as partículas inorgânicas e a matriz orgânica da resina reparadora.
  • C confecção de retenções macromecânicas e inserção de resina composta com objetivo de preenchimento do espaço deixado pelo fragmento fraturado da restauração.
  • D asperização da resina composta remanescente com ponta diamantada, limpeza com ácido fosfórico a 37% por 30 segundos e aplicação de uma camada de resina de baixa viscosidade entre a resina antiga e a resina reparadora.
  • E remoção total da restauração em resina composta microparticulada e substituição por amálgama, que é mais resistente aos esforços mastigatórios requeridos pelo dente 35.
40
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    O exame clínico de paciente com 12 anos de idade, sexo feminino, mostrou fratura dos dentes 21 e 22, avulsão do dente 11 e abrasão no lábio superior. A mãe da paciente mostrava-se trêmula e relatou que a paciente escorregou e caiu, cerca de 30 minutos antes, sem oferecer detalhamentos sobre o ocorrido. O cirurgião-dentista solicitou à mãe que aguardasse fora da sala clínica e conduziu a entrevista diagnóstica com a paciente de forma cuidadosa e acolhedora, a fim de coletar informações sobre as circunstâncias causadoras dos traumatismos apresentados pela paciente. Em seguida, iniciou o atendimento de urgência.

A consideração do relato de violências sofridas pela criança, no âmbito familiar, aliada aos achados clínicos e radiográficos, requer do cirurgião-dentista a:
I. atitude de estender o cuidado aos pais da criança, promovendo orientações sobre as necessidades de saúde bucal peculiares à paciente, atendo-se aos limites de sua atuação profissional previstos no Código de Ética Odontológico. II. avaliação minuciosa do quadro clínico baseada em elementos objetivos, visando a um diagnóstico conclusivo sobre uma possível violência contra a criança, antes de oferecer uma denúncia judicial não fundamentada. III. análise ponderada do quadro clínico, subsidiada por informações fornecidas pela paciente, que permitam aventar a possibilidade de maus-tratos contra a criança, situação que deverá ser comunicada aos órgãos competentes. IV. comunicação obrigatória da suspeita de maus-tratos contra a criança ao Conselho Tutelar do Município.
Está correto o que consta APENAS de

  • A I e II.
  • B II e IV.
  • C II e III.
  • D I e III.
  • E III e IV.
41
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    O exame clínico de paciente com 12 anos de idade, sexo feminino, mostrou fratura dos dentes 21 e 22, avulsão do dente 11 e abrasão no lábio superior. A mãe da paciente mostrava-se trêmula e relatou que a paciente escorregou e caiu, cerca de 30 minutos antes, sem oferecer detalhamentos sobre o ocorrido. O cirurgião-dentista solicitou à mãe que aguardasse fora da sala clínica e conduziu a entrevista diagnóstica com a paciente de forma cuidadosa e acolhedora, a fim de coletar informações sobre as circunstâncias causadoras dos traumatismos apresentados pela paciente. Em seguida, iniciou o atendimento de urgência.

O atendimento imediato à paciente consiste em
I. exame radiográfico para avaliar a extensão e características das fraturas dentárias, bem como das condições ósseas da região ântero-superior.

II. irrigação abundante dos lábios e tecidos moles com soro fisiológico para favorecer a limpeza e remoção de corpos estranhos.

III. confecção de sutura festonada no lábio superior, permitindo tracionamento homogêneo do tecido e menor acúmulo de resíduos.

IV. biopulpectomia nos dentes 21 e 22, visando evitar a reabsorção radicular.

V. profilaxia do tétano, por meio de vacina de reforço.

VI. orientação para uma dieta inicialmente líquida, progredindo para a pastosa e a sólida, evitando morder alimentos rígidos com os incisivos.

VII. reimplante do dente 11, tendo em vista o comprometimento da vascularização periodontal e pulpar.

VIII. contenção rígida dos fragmentos ósseos fraturados, visando reduzir a possibilidade de anquilose.

A sequência indicada de procedimentos corretos está em

  • A II, I, VII e VI.
  • B I, II, III e IV.
  • C I, VII, VIII e V.
  • D I, IV, VII e VI.
  • E II, VII, III e V.
42
Atenção: Para responder à questão, considere as informações abaixo.

    Paciente com 27 anos de idade, sexo feminino, relata ter completado 13 semanas de gestação. A queixa principal da paciente é o sangramento gengival ao escovar os dentes, além de apresentar algumas dúvidas sobre a ingestão de complexos vitamínicos contendo fluoretos. O exame clínico mostra gengivite na região dos dentes 31, 32, 33, 41, 42 e 43. A sondagem periodontal não detectou a presença de bolsas.

A suplementação de fluoretos no período pré-natal é:
I. recomendada no segundo trimestre da gestação, visando beneficiar os dentes decíduos da criança, que iniciam a sua mineralização neste período. II. contraindicada se a gestante ingere água fluoretada. III. contraindicada sob a forma de complexos vitamínicos que contêm cálcio, pois o cálcio reage com o flúor, reduzindo a absorção de ambos, o que traz consequências desfavoráveis, pois o cálcio é um elemento importante para a gestante. IV. contraindicada em regiões sem fluoretação das águas de abastecimento público, evitando que esta suplementação some-se a outros métodos tópicos, elevando demasiadamente a concentração de flúor na cavidade bucal.
Está correto o que consta APENAS de

  • A I e IV.
  • B II e IV.
  • C II e III.
  • D I e III.
  • E III e IV.
43

Paciente com 61 anos de idade, sexo feminino, teve os dentes 36 e 37 extraídos por motivo protético, há cerca de 20 anos. Após a instalação da prótese total inferior, a paciente referiu severa dor em queimação na região posterior esquerda. Com a retirada da prótese, a dor cessava. Sucessivos desgastes na prótese total foram efetuados, porém, não resultaram em alívio da dor. O exame clínico mostra ausência de lesões ou ulcerações na cavidade bucal da paciente. O exame radiográfico não mostra qualquer proeminência óssea. A injeção de uma gota de anestésico local na região dolorida debelou imediatamente a dor à pressão. Este quadro clínico é compatível com o diagnóstico de

  • A neuropatia por compressão
  • B odontalgia atípica (dor fantasma).
  • C neuralgia do trigêmeo.
  • D neuralgia do glossofaríngeo.
  • E neuroma traumático.
44

O exame clínico de paciente com 11 anos de idade, sexo feminino, mostra a superfície oclusal dos dentes 15, 25, 35 e 45 com aspecto de giz. Na entrevista diagnóstica, a paciente relata consumo diário de refrigerantes. A mãe da paciente queixa-se da dificuldade em lidar com os “exageros” da filha, detalhando uma ingestão de até três latas de refrigerante ao dia. Os procedimentos para prevenção da cárie dentária
I. privilegiam a aplicação de selantes oclusais ionoméricos na zona de estagnação do biofilme dos dentes 15, 25, 35 e 45. II. implicam a aplicação tópica de fluoretos, visando a uma ação local cada vez que o pH bucal cai a níveis críticos após a ingestão de refrigerante, garantindo a saturação do meio bucal com íons que compõem a fluorapatita. III. necessitam de orientação individual à paciente, uma vez que há evidências da efetividade de abordar o consumo de refrigerante como um fator comum de risco à cárie e à obesidade. IV. demandam que o profissional ajude a paciente a explorar suas atitudes quanto à saúde bucal e descobrir seus valores quanto à saúde, estabelecendo uma negociação de objetivos de saúde bucal para auxiliá-la na redução do consumo de refrigerante.
Está correto o que consta APENAS de

  • A II e IV.
  • B I e IV.
  • C II e III.
  • D I e III.
  • E I e II.
45
De acordo com Novak & Novak (2016), risco é a probabilidade de um indivíduo desenvolver uma doença específica em um determinado período. Os fatores de risco podem ser ambientais, comportamentais ou biológicos que, quando presentes, aumentam a probabilidade de um indivíduo desenvolver a doença. NÃO é um fator de risco para doença periodontal:
  • A Diabetes.
  • B Tabagismo.
  • C Sangramento à sondagem
  • D Depósitos dentais microbianos.
46
“Para a realização de uma restauração, o cirurgião-dentista escolheu uma resina composta que apresentava as seguintes características: partículas com tamanho entre 20 a 75nm, quantidade de carga por volume entre 60 a 66%, lisura e polimento superficial muito bons e adequadas propriedades mecânicas.” Com base nestas características, é correto afirmar que a resina utilizada era:
  • A Micro-híbrida.
  • B Nanoparticulada.
  • C Microparticulada.
  • D Macroparticulada.
47

As doenças periodontais são doenças inflamatórias que ocorrem em resposta aos micro-organismos presentes no biofilme. Assim, diferenças na composição da microbiota dos sítios supra e subgengivais resultam em diferenças na resposta do hospedeiro (Spolidorio & Duque, 2013). Analise as afirmativas a seguir.


I. Os sítios subgengivais associados com a saúde são colonizados por um baixo número de micro-organismos, com domínio de bactérias Gram-negativas, sacarolíticas e anaeróbias facultativas, principalmente representadas por espécies de Actinomyces e Streptococcus.

II. Em sítios onde o controle mecânico do biofilme não é eficiente ocorre aumento do acúmulo de biofilme, que é acompanhado de alteração da composição microbiana, caracterizada por aumento do nível e da proporção de bactérias Gram-negativas, principalmente as anaeróbias estritas, muitas das quais proteolíticas.

III. Os micro-organismos pioneiros no biofilme consomem oxigênio, favorecendo o desenvolvimento de espécies anaeróbias estritas.


Estão corretas as afirmativas

  • A I, II e III.
  • B I e II, apenas.
  • C I e III, apenas.
  • D II e III, apenas.
48
Quando o remanescente dental não possibilita a retenção da restauração, há a necessidade de utilizar um meio de retenção intraradicular para conferir resistência e retenção à restauração. Essa ancoragem pode ser feita por meio de Núcleo Metálico Fundido (NMF). É correto afirmar que:
  • A O NMF é indicado quando o remanescente coronário tiver menos que 2 mm.
  • B Se, após a fundição, houver presença de bolhas positivas, essas não devem ser retiradas.
  • C A cimentação do NMF deve ser feita preferencialmente com cimento de ionômero de vidro.
  • D O preparo do conduto radicular para NMF pode ser realizado preferencialmente com isolamento relativo.
49
Para que a obturação do canal radicular seja bem-sucedida, alguns procedimentos devem ser previamente realizados. Sendo assim, é correto afirmar que
  • A o grau de alargamento e a técnica de instrumentação não influenciam na adaptação do cone principal.
  • B o diâmetro do cone principal deve ser compatível com a da ponta do último instrumento utilizado na região apical.
  • C o cone ajustado no comprimento de trabalho não deve exercer pressão apical e deve ser facilmente removido do conduto radicular.
  • D durante a seleção do cone principal este deve ser introduzido no canal completamente seco, ou seja, sem a presença de solução irrigadora.
50

“As placas oclusais são dispositivos intrabucais removíveis confeccionados geralmente em resina acrílica. São usadas para recobrir as superfícies incisais e/ou oclusais dos dentes, alterando a oclusão do paciente e criando, assim, contatos oclusais mais adequados e um relacionamento maxilomandibular mais favorável.”

(Fernandes Neto, 2013.)


NÃO representa uma função das placas oclusais:

  • A Relaxar a musculatura.
  • B Prevenir hábitos parafuncionais.
  • C Fornecer informação para o diagnóstico.
  • D Proteger dentes e estruturas adjacentes dos hábitos parafuncionais.
Voltar para lista