Resolver o Simulado Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBM-CE) - Oficial do Corpo de Bombeiros Militar - IDECAN - Nível Superior

0 / 29

Português

1


A notícia é um gênero textual cujo objetivo principal é informar o leitor acerca da realidade. A respeito da manchete apresentada na primeira página do jornal de 1968, é correto afirmar que
  • A o uso da conjunção "e" indica uma explicação para o fato anteriormente citado.
  • B de acordo com a construção feita, a ênfase é dada à luta que acontecia no Rio de Janeiro.
  • C sua substituição por "Rio é dominado por luta e estudantes irão continuar" mantém a mesma intenção discursiva original.
  • D o tempo verbal escolhido, presente através da escolha da forma verbal "domina", indica uma intensificação da luta que acontecia.
  • E a expressão "vão continuar" é inapropriada, nos dias de hoje, ao contexto comunicativo do jornal por se tratar de uma linguagem informal.
2

Texto I

Consumo e consumismo: pela consciência em primeiro lugar

Não há como fugir do consumo. Ele representa nossa sobrevivência e não é possível passar um único dia sem praticá-lo. Precisamos adquirir bens para suprir nossas necessidades de alimentação, vestuário, lazer, educação, abrigo.

Associado ao termo consumo sempre surge a ideia do consumismo e cuja diferenciação não é tão simples quanto parece. Muito mais do que pessoas que compram muito e adquirem bens que não precisam, o consumismo é um retrato do modelo atual de sociedade, do desperdício e dos valores que imperam. O consumismo refere-se a um modo de vida orientado por uma crescente busca pelo consumo de bens ou serviços e sua relação simbólica com prazer, sucesso, felicidade, que todos os seres humanos almejam, e frequentemente é observada nas mensagens comerciais dos meios de comunicação de massa.

Em meio às suas rotinas de consumo, as pessoas têm cada vez mais dificuldade em perceber o que é necessário e o que é supérfluo e avaliar o tamanho do seu consumo. E é natural que o que é essencial para uma pessoa seja dispensável para outra devido à complexidade e à diversidade do ser humano. Qual é, afinal, o consumo ideal para uma pessoa ou uma família? Podemos mensurar as necessidades do outro? E seus desejos? Mais do que focar nos consumidores, podemos ter a percepção do tamanho do consumismo observando o culto ao consumo que impera em todos os meios. O nosso sistema de produção e toda a engrenagem que alimenta o sistema capitalista são impulsionados pelo consumo excessivo. Basta verificarmos como produzimos bens para serem pouco usados e logo descartados, com enorme impacto ambiental, gasto de água, recursos, energia e trabalho humano, para sentirmos como nossos processos não são sustentáveis, por mais que tentem pintá-los de verde. Enquanto convivermos com o bombardeio publicitário incentivando o consumismo, com a obsolescência programada não apenas de produtos tecnológicos mas também de pessoas, suas roupas e demais objetos, e um modelo de produção linear, que produz grande volume de resíduos, estamos vivenciando o consumismo. [...]

Para que as pessoas possam entender como elas vivem em um processo de consumo sem consciência é importante um entendimento individual acerca das necessidades reais e fabricadas. O condicionamento ao consumo pode acontecer de várias formas, mas a comunicação mercadológica que chega a homens, mulheres e crianças tem um papel decisivo. Os modismos chegam por novelas, desfiles, comerciais, incentivando hábitos que não eram comuns a determinado grupo. E com isso cria-se, então, um consumo que não existia.

Como resistir aos comportamentos consumistas? Quando pensamos na consciência antes do consumo temos como objetivo justamente entender o que é necessidade para o ser humano hoje. É tirar o foco do consumo e colocar em um entendimento de nossas necessidades e desejos e nos impactos pessoais, sociais e ambientais de nossas escolhas. Em meio a suas rotinas estressantes de trabalho, a uma corrida para ganhar dinheiro e pagar as contas no fim do mês, estamos perdendo a essência da vida. Qual seria um olhar com consciência da relação trabalho e obtenção de renda e estilo de vida e de consumo? Ocupamos nosso tempo, fazemos tarefas que não gostamos, nos afastamos de nossas famílias por longas horas para consumir coisas que a gente não precisa ou não precisaria e que são, inclusive, maléficas à nossa saúde física e mental. Mas estamos mergulhados em uma comunicação mercadológica que diz que aquele item é importante para que a gente se sinta bem e que pertença a determinados grupos. O consumo é visto como algo que credencia as pessoas e dá acesso a um mundo ilusório de perfeição e felicidade.

Mais grave ainda é a situação vivida pelas crianças e adolescentes, nos dias de hoje, que crescem em meio a valores extremamente materialistas e consumistas. Como falar em sustentabilidade se não cuidamos da infância em um sentido amplo, não oferecemos proteção contra todo tipo de abuso, inclusive a exploração comercial, e a disseminação de comportamentos insustentáveis? Estamos garantindo as condições para que no futuro as pessoas possam viver com qualidade.

Comerciais abusivos que falam direto para as crianças, promoções que nos ofertam brindes e descontos tipo leve 6 e pague 5, campanhas sedutoras e estratégias de venda com profundo conhecimento do comportamento humano. Armadilhas para um mundo consumista. Conseguir se desvencilhar deste grande emaranhado de recursos que induzem ao consumismo é hoje uma tarefa que exige um redescobrir do que é o ser humano, do nosso papel, e da nossa condição acima de “sujeitos-mercadorias", como coloca o escritor Zygmunt Bauman. Será que conseguimos? Um desafio que engloba uma tomada de consciência, uma nova comunicação midiática, mudança de valores, educação ambiental e para o consumo e, sobretudo, uma educação para a vida.

(Disponível em: http://conscienciaeconsumo.com.br/artigos/consumo-e-consumismo-pela-consciencia-em-primeiro-lugar.)



Assinale a alternativa que contém o trecho do texto que define bem a charge anterior.
  • A “Precisamos adquirir bens para suprir nossas necessidades de alimentação, vestuário, lazer, educação, abrigo." (1º§)
  • B “Qual seria um olhar com consciência da relação trabalho e obtenção de renda e estilo de vida e de consumo?" (5º§
  • C “O consumo é visto como algo que credencia as pessoas e dá acesso a um mundo ilusório de perfeição e felicidade." (5º§)
  • D “Associado ao termo consumo sempre surge a ideia do consumismo e cuja diferenciação não é tão simples quanto parece." (2º§)
  • E “Em meio a suas rotinas estressantes de trabalho, a uma corrida para ganhar dinheiro e pagar as contas no fim do mês, estamos perdendo a essência da vida." (5º§)
3
Texto I 
Consumo e consumismo: pela consciência em primeiro lugar 
 
Não  há  como  fugir  do  consumo.  Ele  representa  nossa  sobrevivência  e  não  é  possível  passar  um  único  dia  sem 
praticá-lo. Precisamos adquirir bens para suprir nossas necessidades de alimentação, vestuário, lazer, educação, abrigo. 
Associado ao termo consumo sempre surge a  ideia do consumismo e cuja diferenciação não é tão simples quanto 
parece. Muito mais  do  que  pessoas  que  compram muito  e  adquirem  bens  que  não  precisam,  o  consumismo  é  um 
retrato do modelo atual de sociedade, do desperdício e dos valores que imperam. O consumismo refere-se a um modo 
de  vida  orientado  por  uma  crescente  busca  pelo  consumo  de  bens  ou  serviços  e  sua  relação  simbólica  com  prazer, 
sucesso,  felicidade, que  todos os  seres humanos almejam, e  frequentemente é observada nas mensagens  comerciais 
dos meios de comunicação de massa. 
Em meio às suas rotinas de consumo, as pessoas têm cada vez mais dificuldade em perceber o que é necessário e o 
que é supérfluo e avaliar o tamanho do seu consumo. E é natural que o que é essencial para uma pessoa seja dispensável 
para outra devido à complexidade e à diversidade do ser humano. Qual é, afinal, o consumo ideal para uma pessoa ou uma 
família? Podemos mensurar as necessidades do outro? E seus desejos? Mais do que focar nos consumidores, podemos ter 
a percepção do tamanho do consumismo observando o culto ao consumo que impera em todos os meios. O nosso sistema 
de produção e  toda a engrenagem que alimenta o sistema capitalista são  impulsionados pelo consumo excessivo. Basta 
verificarmos como produzimos bens para serem pouco usados e logo descartados, com enorme impacto ambiental, gasto 
de água, recursos, energia e trabalho humano, para sentirmos como nossos processos não são sustentáveis, por mais que 
tentem  pintá-los  de  verde.  Enquanto  convivermos  com  o  bombardeio  publicitário  incentivando  o  consumismo,  com  a 
obsolescência programada não apenas de produtos tecnológicos mas também de pessoas, suas roupas e demais objetos, e 
um modelo de produção linear, que produz grande volume de resíduos, estamos vivenciando o consumismo. [...] 
Para que as pessoas possam entender como elas vivem em um processo de consumo sem consciência é importante 
um entendimento individual acerca das necessidades reais e fabricadas. O condicionamento ao consumo pode acontecer 
de várias formas, mas a comunicação mercadológica que chega a homens, mulheres e crianças tem um papel decisivo. Os 
modismos chegam por novelas, desfiles, comerciais, incentivando hábitos que não eram comuns a determinado grupo. 
E com isso cria-se, então, um consumo que não existia. 
Como resistir aos comportamentos consumistas? Quando pensamos na consciência antes do consumo temos como 
objetivo justamente entender o que é necessidade para o ser humano hoje. É tirar o foco do consumo e colocar em um 
entendimento de nossas necessidades e desejos e nos  impactos pessoais, sociais e ambientais de nossas escolhas. Em 
meio  a  suas  rotinas  estressantes de  trabalho,  a uma  corrida para  ganhar dinheiro  e pagar  as  contas no  fim do mês, 
estamos perdendo a essência da vida. Qual seria um olhar com consciência da relação trabalho e obtenção de renda e 
estilo de  vida e de  consumo? Ocupamos nosso  tempo,  fazemos  tarefas que não  gostamos, nos afastamos de nossas 
famílias por longas horas para consumir coisas que a gente não precisa ou não precisaria e que são, inclusive, maléficas
à nossa saúde física e mental. Mas estamos mergulhados em uma comunicação mercadológica que diz que aquele item 
é importante para que a gente se sinta bem e que pertença a determinados grupos. O consumo é visto como algo que 
credencia as pessoas e dá acesso a um mundo ilusório de perfeição e felicidade. 
Mais grave ainda é a situação vivida pelas crianças e adolescentes, nos dias de hoje, que crescem em meio a valores 
extremamente materialistas e consumistas. Como falar em sustentabilidade se não cuidamos da infância em um sentido 
amplo,  não  oferecemos  proteção  contra  todo  tipo  de  abuso,  inclusive  a  exploração  comercial,  e  a  disseminação  de 
comportamentos  insustentáveis?  Estamos  garantindo  as  condições para que no  futuro  as pessoas possam  viver  com 
qualidade. 
Comerciais abusivos que falam direto para as crianças, promoções que nos ofertam brindes e descontos tipo leve 6 e 
pague  5,  campanhas  sedutoras  e  estratégias  de  venda  com  profundo  conhecimento  do  comportamento  humano. 
Armadilhas para um mundo consumista. Conseguir se desvencilhar deste grande emaranhado de recursos que  induzem 
ao consumismo é hoje uma tarefa que exige um redescobrir do que é o ser humano, do nosso papel, e da nossa condição 
acima  de  “sujeitos-mercadorias”,  como  coloca  o  escritor  Zygmunt  Bauman.  Será  que  conseguimos?  Um  desafio  que 
engloba uma tomada de consciência, uma nova comunicação midiática, mudança de valores, educação ambiental e para 
o consumo e, sobretudo, uma educação para a vida. 
(Disponível em: http://conscienciaeconsumo.com.br/artigos/consumo-e-consumismo-pela-consciencia-em-primeiro-lugar.) 
  
Considere as alternativas a respeito dos superlativos absolutos sintéticos.
I. Simples – simplicíssimo.
II. Pessoal – personalíssimo.
III. Possível – probabilíssimo.
Verifica-se que está(ão) correta(s) apenas a(s) alternativa(s)
  • A I.
  • B II.
  • C III.
  • D I e II.
  • E I e III.
4

Liberdade de imprensa e liberdade de opinião
Há muita dificuldade conceitual, especialmente no Judiciário, para entender o papel dos grupos de mídia e de conceitos como liberdade de imprensa, liberdade de opinião e direito à informação.
Tratam como se fossem conceitos similares.
Direito à informação e liberdade de expressão são direitos dos cidadãos, cláusulas pétreas da Constituição.
Liberdade de imprensa é um direito acessório das empresas jornalísticas. Por acessório significa que só se justifica se utilizado para o cumprimento correto da importantíssima missão constitucional que lhe foi conferida.
No Brasil, no entanto, o conceito de liberdade de imprensa tornou-se extraordinariamente elástico, fugindo completamente dos princípios que o originaram. E há enorme resistência do Judiciário em discutir o tema. É tabu.
Os grupos de mídia trabalham com jornalismo, entretenimento e marketing. E têm interesses comerciais próprios de uma empresa privada.
Jogaram todas as atividades de mídia debaixo da proteção da liberdade de imprensa, mesmo as não jornalísticas, tornando-as imunes a qualquer forma de controle seja de costumes seja da mera classificação indicativa.
Anos atrás, uma procuradora da República intimou a Rede Globo devido a conceitos incorretos sobre educação inclusiva propagados em uma novela. Foi alvo de artigos desmoralizadores do colunista Arthur Xexéo – “acusando-a” de pretender interferir no roteiro, ferindo a liberdade de expressão.
A ação proposta contra o apresentador Gugu, por ocasião da falsa reportagem sobre o PCC, rendeu reportagem desmoralizadora da revista Veja contra os proponentes da ação, em nome da liberdade de expressão.
A mera tentativa do Ministério da Justiça de definir uma classificação etária indicativa para programas de televisão foi torpedeada pela rede Globo, sob a acusação de interferência na liberdade de expressão.
Em todos os casos, a Justiça derrubou as ações em nome da liberdade de imprensa.
Quando o conceito de liberdade de imprensa foi desenvolvido – no bojo da criação do modelo de democracia norte-americano – o pilar central era o da mídia descentralizada, exprimindo a posição de grupos diversificados, permitindo que dessa atoarda nascessem consensos e representações.
As rádios comunitárias eram a expressão mais autêntica desse papel democratizante da mídia, assim como as mídias regionais.
Hoje as rádios comunitárias são criminalizadas. E as concessões públicas tornaram-se moeda de troca com grupos políticos, com coronéis eletrônicos, que a tratam como propriedade privada. É inacreditável a naturalidade com que se aceita o aluguel de horários para grupos religiosos, ou a venda das concessões para outros grupos, como se fossem propriedade privada e não um ativo público.
Tudo isso decorre da enorme concentração do setor, responsável por inúmeras distorções. Houve perda de representatividade da mídia regional, esmagamento das diferenças culturais, ideológicas.
Daí o movimento, em muitos países, por um marco regulatório que de maneira alguma interfira na liberdade de expressão. Mas que permita a desconcentração de mercado, promovendo o florescimento de novos grupos de mídia que tragam a diversificação e a pluralidade para o setor.
Enfim, instituir a verdadeira economia de mercado no setor.
(Luis Nassif. Disponível em: http://jornalggn.com.br/noticia/liberdade-de-imprensa-e-liberdade-de-opiniao.)
Releia o trecho a seguir: “Jogaram todas as atividades de mídia debaixo da proteção da liberdade de imprensa, mesmo as não jornalísticas, [...]" (7º§). Assinale a alternativa cujo conteúdo NÃO sustenta, no texto, a afirmação recortada.
  • A A posição da revista Veja em relação à falsa reportagem do apresentador Gugu.
  • B A postura da justiça ante ações que supostamente feriam a liberdade de imprensa.
  • C Os artigos desmoralizadores do colunista Arthur Xexéo que atacavam um pedido de esclarecimento judicial.
  • D A reação da Rede Globo de Televisão à tentativa de definição de uma classificação etária para programas televisivos.
  • E O pedido de esclarecimento de uma procuradora da República sobre conceitos equivocados vinculados à ideia de educação.

Redação Oficial

5

Termo de abertura:
Este livro contém cem folhas numeradas e rubricadas por mim, Fulano de Tal, e se destina ao registro de ______________ do Colégio Pedro II.

Termo de Encerramento:
Eu, Fulano de Tal, presidente do colegiado do Colégio Pedro II, declaro encerrado este livro de ______________.
Rio de Janeiro, 09 de maio de 2014.
(assinatura)


Os termos anteriores são característicos de um livro que tem por finalidade registrar
  • A as ocorrências de uma reunião através de atas.
  • B a solicitação de algo de direito a uma autoridade.
  • C correspondências internas utilizadas no serviço público.
  • D correspondências externas utilizadas no serviço público.
  • E correspondências internas utilizadas na iniciativa privada.

Português

6

Jornalismo robotizado

Computadores treinados escrevem sobre jogos, terremotos e crimes.

O uso de algoritmos na confecção de textos não é algo novo. A companhia americana Narrative Science treina computadores para escreverem sumários de jogos de diferentes modalidades desde 2012 com grande sucesso. Os resumos são publicados online nos jornais que compram seu serviço logo depois do fim do jogo, com uma velocidade impossível para um redator humano. Embora sejam informativos, os textos com uma descrição dos gols da rodada ou das cestas marcadas no clássico regional são corriqueiros e pouco importantes.
Uma tecnologia criada pelo Los Angeles Times pode mudar os rumos do “robô-jornalismo". Escrito pelo jornalista e programador Ken Schwencke, um algoritmo usado pelo jornal é capaz de gerar um texto sobre terremotos com base nos dados divulgados eletronicamente pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) sempre que o tremor ultrapassa um limite mínimo de magnitude. Assim, o jornal foi capaz de colocar na sua página de internet um texto sobre o terremoto que atingiu Los Angeles na segunda-feira 17, três minutos depois de receber os dados do USGS. O jornalista conta que o terremoto o assustou e o fez levantar-se da cama, quando caminhou até seu computador e encontrou o texto pronto. O único trabalho que teve foi apertar o botão para publicar o texto no site do Los Angeles Times.
Schwencke, que também criou um algoritmo que escreve notícias sobre criminalidade na região de Los Angeles, disse à revista eletrônica Slate (www.slate.com) que o “robô-jornalismo" não chegou para acabar com os jornalistas humanos. “É algo suplementar. As pessoas ganham tempo com isso e para alguns tipos de notícias a informação é disseminada de um modo como qualquer outra. Eu vejo isso como algo que não deve acabar com o emprego de ninguém, mas que deixa o emprego de todo mundo mais interessante", disse o jornalista. “Assim a redação pode se preocupar mais em sair às ruas e verificar se há feridos, se algum prédio foi danificado ou entrevistar o pessoal do USGS", explicou Schwencke, acrescentando que o texto inicial foi atualizado 71 vezes por repórteres e editores até se tornar a matéria de capa do dia seguinte.

(Carta Capital, 26 de março de 2013.)

Analise os trechos abaixo.

I. “[...] e o fez levantar-se [...]"(2º§)
II. “[...] pode se preocupar mais [...]"(3º§)
III. “[...] e verificar se há feridos, [...]"(3º§)

Em relação ao emprego da palavra “se", é correto afirmar que em

  • A apenas dois trechos o “se" indica condição.
  • B todos os trechos o “se" tem o mesmo emprego.
  • C apenas um trecho o “se" é uma conjunção integrante.
  • D todos os trechos o “se" atua como pronome reflexivo.
  • E apenas dois trechos o “se" atua como pronome apassivador.
7
De quem são os meninos de rua?

Eu, na rua, com pressa, e o menino segurou no meu braço, falou qualquer coisa que não entendi. Fui logo dizendo que não tinha. Certa de que ele estava pedindo dinheiro. Não estava. Queria saber a hora.
Talvez não fosse um Menino De Família, mas também não era um Menino De Rua. É assim que a gente divide. Menino De Família é aquele bem-vestido com tênis da moda e camiseta de marca, que usa relógio e a mãe dá outro se o dele for roubado por um Menino De Rua. Menino De Rua é aquele que quando a gente passa perto segura a bolsa com força porque pensa que ele é pivete, trombadinha, ladrão.
Ouvindo essas expressões tem-se a impressão de que as coisas se passam muito naturalmente, uns nascendo De Família, outros nascendo De Rua. Como se a rua, e não uma família, não um pai e uma mãe, ou mesmo apenas uma mãe os tivesse gerado, sendo eles filhos diretos dos paralelepípedos e das calçadas, diferentes, portanto, das outras crianças, e excluídos das preocupações que temos com elas. É por isso, talvez, que, se vemos uma criança bem-vestida chorando sozinha num shopping center ou num supermercado, logo nos acercamos protetores, perguntando se está perdida, ou precisando de alguma coisa. Mas se vemos uma criança maltrapilha chorando num sinal com uma caixa de chicletes na mão,engrenamos a primeira no carro e nos afastamos pensando vagamente no seu abandono.

(COLASANTI, Marina. A casa das palavras. São Paulo: Ática, 2006. p. 40. Adaptado.)


Quanto às relações de sentido produzidas pelos termos destacados em Talvez não fosse um Menino De Família, mas também não era um Menino De Rua.” (2º§), é correto afirmar que indicam, respectivamente,
  • A dedução e razão.
  • B dúvida e ressalva.
  • C exclusão e acréscimo.
  • D alternativa e oposição.
  • E sequência e consequência.
8

No que se refere à entidade sem fins lucrativos Health Clown Association, é correto afirmar que

  • A atualmente, somente o seu fundador Gary Edwards visita 280 hospitais de todo o país a cada mês na República Tcheca para realizar o trabalho de palhaço da saúde.
  • B Gary Edwards, seu fundador, iniciou seu projeto de levar risos e diversão aos hospitais contando com doadores e patrocinadores que ajudavam a cobrir as despesas.
  • C o papel dos palhaços da saúde ligados à referida instituição é discutível por médicos e especialistas de todo o mundo, pois eles atrapalham o processo de cura dos pacientes.
  • D Jakub e Janda são os mais novos integrantes da equipe dos palhaços da saúde da fundação Health Clown Association, na República Tcheca, sob orientação de Gary Edwards.
  • E seu fundador, Gary Edwards, após receber o prêmio de mérito anual pelo seu trabalho pela Sociedade Pediátrica Tcheca em outubro de 2012, resolveu trabalhar no Brasil.
9

No período “Os Doutores da Alegria despertam o desejo pela vida através do humor e riso, entretanto eles não conseguem melhorar o caos da saúde no Brasil”, a oração sublinhada é classificada como oração coordenada sindética

  • A aditiva.
  • B conclusiva.
  • C explicativa.
  • D alternativa.
  • E adversativa.
10

                                                          A essência das coisas

      Uma pesquisa de opinião global, para saber o que as pessoas imaginam que o mundo seja, talvez resultasse numa imagem surpreendentemente convencional.

      O mundo – a Terra e a vida cotidiana das pessoas – possivelmente seria relatado sobre o lugar‐comum do dia a dia, ainda que entremeado por acontecimentos incomuns, ocorrências que fazem com que a vida de cada um possa situar‐se entre um antes e um depois desses acontecimentos extraordinários.

      O que é um acontecimento extraordinário?

      Isso depende de uma história pessoal. Um caso que possa ter sido radicalmente transformador para uma pessoa não passaria de mera repetição para outra e isso aparentemente é válido em escala global.  

      Um antropólogo incomum disse, em uma de suas obras, que a capacidade humana de filtrar os acontecimentos improváveis do Universo e a partir daí elaborar um substrato, referido como consciência comum, a ponto de gerar certa monotonia, é um feito extraordinário, ainda que esteja longe de ser percebido dessa maneira.

      A filosofia – com o desassossego dos filósofos ao longo do tempo, o que não lhes dá alternativa a não ser criar infinitas elaborações para tentar desvendar a natureza do mundo – é uma das habilidades humanas a se ocupar dessa paradoxal preocupação.

      A outra é a literatura.

      Um observador pode dizer que esse é um atributo da arte como um todo, juízo de que é difícil se desembaraçar. Mas sobre o que é possível ponderar e isso porque os humanos são o único animal equipado com a palavra. Talvez a literatura seja uma espécie de meta‐arte, aquela para onde conflui ou de onde emana toda forma de arte, sem que isso implique qualquer hierarquia. [...]                

                                                                   (CAPOZOLLI, Ulisses. Scientific American, agosto de 2014. Adaptado.)

Desconsiderando a alteração de sentido, assinale a alternativa que indica uma substituição do termo destacado por forma verbal que passaria a exigir o uso do acento grave, indicador de crase, em “[...] desvendar a natureza do mundo [...]" (6º§).
  • A Atrair.
  • B Focalizar.
  • C Remeter.
  • D Desmistificar.

Noções de Informática

11

Sobre as configurações de impressão no Microsoft Office Word 2003 (configuração padrão), marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.

( ) Em intervalo de páginas, a opção Seleção imprime apenas a primeira página do documento.

( ) A opção número de cópias é utilizada para indicar a quantidade de cópias a ser impressa.

( ) Em intervalo de páginas, na opção páginas, se for definido o valor “2-10” serão impressas somente a página 2 e 10 do documento.

( ) Em intervalo de páginas, na opção páginas, se for definido o valor “8-” será impressa da página 8 até a última página do documento.

A sequência está correta em

  • A V, V, F, F
  • B V, F, F, V
  • C V, F, V, F
  • D F, V, F, V
  • E F, V, V, F
12

Na ferramenta Microsoft Office Word 2007 (configuração padrão), a caixa de seleção é utilizada para

  • A alterar a cor do texto.
  • B alterar o tipo da fonte.
  • C alinhar o texto à esquerda.
  • D alterar o tamanho da fonte.
  • E aplicar negrito ao texto selecionado.
13

O recurso que estuda os princípios e técnicas pelas quais a informação pode ser transformada da sua forma original para outra ilegível, com o objetivo de dificultar a leitura de pessoas não autorizadas, denomina-se

  • A Backup.
  • B Webgrafia.
  • C criptografia.
  • D quarentena.
  • E endereçamento.
14
No Sistema Operacional Microsoft Windows 7 (configuração padrão), o procedimento para alterar o tamanho máximo de armazenamento da lixeira é na área de trabalho, clicar com o botão direito do mouse em lixeira e, em seguida, clicar em
  • A Propriedades e na caixa “Tamanho da Lixeira” digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • B Opções e na caixa “Configurar Tamanho” digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • C Opções, em “Selecionar Lixeira” clicar no local da lixeira que deseja alterar, clicar em “dimensões da lixeira” e na caixa “Configurar Tamanho” digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedi- mento deve-se clicar no botão OK.
  • D Configurações, em “Local da Lixeira” clicar no local da lixeira que deseja alterar, clicar em “tamanho da lixeira” e na caixa “Tamanho Máximo (MB)” digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • E Propriedades, em “Local da Lixeira” clicar no local da lixeira que deseja alterar, clicar em “tamanho personalizado” e na caixa “Tamanho Máximo (MB)” digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
15

O coordenador do departamento de trânsito de uma pequena cidade utilizou uma planilha produzida com a ferramenta Microsoft Office Excel 2007 (configuração padrão), para acompanhar o número de emplacamentos realizados pelos quatro servidores da unidade no período de quatro meses e obteve o seguinte resultado:



Com base na planilha, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.

( ) Aplicando na célula B8 a fórmula =SOMA(D3:E6), pode-se obter o número de emplacamentos realizados pelo Servidor 140 nos meses março e abril.
( ) Pode-se aplicar na célula C8 a fórmula =MÍNIMO(B3:E6) para obter o menor número de veículos emplacados ao longo dos quatro meses por todos servidores.
( ) Se na célula D8 da planilha for digitada a fórmula =MÉDIA(C3:C6) será obtido a média de emplacamentos do Servidor 120.
( ) Se a fórmula =SE(B3=(E4+E6);MÁXIMO(C4:E4);RAIZ(C3)) for digitada na célula E8 da planilha o resultado será 3.

A sequência está correta em




  • A V, F, V, V.
  • B V, V, F, F.
  • C F, V, V, F.
  • D F, V, F, F.
  • E F, F, V, F.
16

Um usuário está criando um texto que conta a história de uma empresa, utilizando a ferramenta Microsoft Office Word 2007 (configuração padrão). No documento foi solicitado que se utilize o recurso WordArt, que permite

  • A inserir caixas de texto pré-formatadas.
  • B adicionar cabeçalho e rodapé personalizado no documento.
  • C formatar as tabelas com estilos predefinidos pela ferramenta.
  • D criar link para uma página da web que será acessada diretamente do documento
  • E produzir efeitos especiais de texto, como texto curvo, inclinado ou tridimensional.
17
Um usuário que utilizou a ferramenta Broffice Writer para realizar a digitação do seu trabalho de conclusão de curso, após concluir a digitação, verificou que existiam diversas palavras erradas em seu texto que necessitavam ser corrigidas. O procedimento que executado para acionar o corretor ortográfico da ferramenta em questão é: clicar no menu
  • A Formatar e clicar na opção corretor ortográfico.
  • B Formatar e clicar na opção Verificação ortográfica.
  • C Ferramentas e clicar na opção Verificação ortográfica.
  • D Editar, apontar para Opções e clicar na opção corretor ortográfico.
  • E Arquivo, apontar para Verificações e clicar na opção corretor ortográfico.
18

Sobre a ferramenta Microsoft Office Excel 2007 (configuração padrão), analise.

I. Se aplicada a fórmula =SOMA(60;10;2;(10-5)), o resultado será 82.

II. Se a aplicada a fórmula =SE("AGU"="AGU2";SOMA(10;2);10*2), o resultado será 20.

III. Se aplicada a fórmula =MÁXIMO(7;MÍNIMO(MÉDIA(10;2);RAIZ(64))), o resultado será 7.

Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s)

  • A I.
  • B II.
  • C III.
  • D I e II.
  • E II e III.
19
Considere as afirmativas sobre a ferramenta Microsoft Office Word 2007 (configuração padrão). 

I. “A ferramenta Pincel é utilizada para aplicar efeito em um texto como se tivesse sido marcado com um marca texto.” 
II. “Não é possível adicionar uma tabela de grande utilização na Galeria de Tabelas Rápidas.” 

Assinale a alternativa correta.
  • A Apenas a afirmativa I está correta.
  • B As duas afirmativas estão corretas.
  • C As duas afirmativas estão incorretas.
  • D Apenas a afirmativa II está correta.
  • E A afirmativa II contradiz a afirmativa I.
20
No Sistema Operacional Microsoft Windows 7 (configuração padrão), o procedimento para alterar o tamanho máximo de armazenamento da lixeira é na área de trabalho, clicar com o botão direito do mouse em lixeira e, em seguida, clicar em
  • A Propriedades e na caixa "Tamanho da Lixeira" digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • B Opções e na caixa "Configurar Tamanho" digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • C Opções, em "Selecionar Lixeira" clicar no local da Iixeira que deseja alterar, clicar em "dimensões da Iixeira" e na caixa "Configurar Tamanho" digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • D Configurações, em "Local da Lixeira" clicar no local da lixeira que deseja alterar, clicar em "tamanho da lixeira" e na caixa "Tamanho Máximo (MB)" digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.
  • E Propriedades, em "Local da Lixeira" clicar no local da Iixeira que deseja alterar, clicar em "tamanho personalizado" e na caixa "Tamanho Máximo (MB)" digitar o tamanho de armazenamento (em megabytes) para a lixeira. Para finalizar o procedimento deve-se clicar no botão OK.

Inglês

21

They are some of the functions people have in a bank except for:

  • A manager.
  • B teller.
  • C supervisor.
  • D general manager.
  • E salesman.
22
The Office of Weights and Measures

The Office of Weights and Measures promotes uniformity in U.S. weights and measures laws, regulations, and standards to achieve equity between buyers and sellers in the marketplace. This enhances consumer confidence, enables U.S. businesses to compete fairly at home and abroad, and strengthens the U.S. economy.

OWM partners with the National Conference on Weights and Measures (NCWM), an organization of State and local weights and measures officials and representatives of business, industry, consumer groups, and Federal agencies, to develop U.S. standards in the form of uniform laws, regulations, and methods of practice. OWM serves as the U.S. representative to the International Organization of Legal Metrology (OIML) to bring efficiency and cost savings to U.S. manufacturers and other stakeholders doing business overseas, through the promotion of harmonized international standards and regulatory practices.

OWM ensures traceability of state weights and measures standards to the International System of Units (SI); develops procedures for legal metrology tests and inspections, and conducts training for laboratory metrologists and weights and measures officials. OWM provides guidance on the model weights and measures laws and regulations adopted by the NCWM and coordinates the development and publication of key NCWM publications.

It is estimated that sales of products or services impacted by weights and measures laws in the United States represent approximately 50 percent of the U.S. Gross Domestic Product. Industry sectors potentially affected by the decisions of the NCWM include retail food sales, other retail sales, petroleum products, transportation, and chemicals.

The NIST Office of Weights and Measures analyzes weights and measures training needs, obtains input from the weights and measures community, designs and delivers training for laboratory metrologists and weights and measures officials, measures the impact and effectiveness of training to ensure ongoing continual improvement, and consults with the weights and measures community to ensure ongoing professional development.

(Available in: http://www.nist.gov/pml/wmd.)

All of the itens fit into the same category EXCEPT:

  • A Laws.
  • B Sales.
  • C Enables.
  • D Chemicals.
  • E Businesses.
23

Match the two columns.

1. Banking account.
2. Savings account.
3. Interests.
4. Profit.
5. Fine.

( ) Ammount of money that must be paid as a penalty.
( ) Income and expenses assigned to a person, business in a bank.
( ) A banking account to supply money for future use.
( ) Money made after all expenses are paid.
( ) Money a lender charges to someone who borrows money

Mark the option with the right sequence.

  • A 5, 1, 2, 4, 3
  • B 1, 2, 4, 5, 3
  • C 2, 3, 1, 4, 5
  • D 3, 4, 2, 5, 1
  • E 4, 3, 5, 2, 1
24
The Office of Weights and Measures

The Office of Weights and Measures promotes uniformity in U.S. weights and measures laws, regulations, and standards to achieve equity between buyers and sellers in the marketplace. This enhances consumer confidence, enables U.S. businesses to compete fairly at home and abroad, and strengthens the U.S. economy.

OWM partners with the National Conference on Weights and Measures (NCWM), an organization of State and local weights and measures officials and representatives of business, industry, consumer groups, and Federal agencies, to develop U.S. standards in the form of uniform laws, regulations, and methods of practice. OWM serves as the U.S. representative to the International Organization of Legal Metrology (OIML) to bring efficiency and cost savings to U.S. manufacturers and other stakeholders doing business overseas, through the promotion of harmonized international standards and regulatory practices.

OWM ensures traceability of state weights and measures standards to the International System of Units (SI); develops procedures for legal metrology tests and inspections, and conducts training for laboratory metrologists and weights and measures officials. OWM provides guidance on the model weights and measures laws and regulations adopted by the NCWM and coordinates the development and publication of key NCWM publications.

It is estimated that sales of products or services impacted by weights and measures laws in the United States represent approximately 50 percent of the U.S. Gross Domestic Product. Industry sectors potentially affected by the decisions of the NCWM include retail food sales, other retail sales, petroleum products, transportation, and chemicals.

The NIST Office of Weights and Measures analyzes weights and measures training needs, obtains input from the weights and measures community, designs and delivers training for laboratory metrologists and weights and measures officials, measures the impact and effectiveness of training to ensure ongoing continual improvement, and consults with the weights and measures community to ensure ongoing professional development.

(Available in: http://www.nist.gov/pml/wmd.)

Weights and Measures represent approximately 50 percent…" APPROXIMATELY is closest in meaning tolaws in the US

  • A hardly.
  • B clearly.
  • C almost.
  • D seldom.
  • E accurately.
25



The item that completes the comic strip is
  • A a
  • B an
  • C the
  • D some
26


The word myself refers back to
  • A I.
  • B son.
  • C reason.
  • D congressman.
27
Mysterious ancient cemetery in Egypt could contain a million mummies


A mysterious ancient cemetery in Egypt could contain more than a million mummified human remains, archaeologists have claimed.
Around 1,700 bodies have so far been uncovered at the Fag el-Gamous (Way of the Water Buffalo) site, around 60 miles south of Cairo. But experts believe that countless more are contained in the burial ground.
“We are fairly certain we have over a million burials within this cemetery. It's large, and it's dense,” said project director Kerry Muhlestein, an associate professor in the Department of Ancient Scripture at Brigham Young University (BYU), which has been examining the site for around 30 years. They were placed there between the 1st and the 7th centuries AD, but the scale of the site has left many baffled. A nearby village has been deemed too small to warrant such a large cemetery, while the closest major settlements had their own burial grounds.
“It's hard to know where all these people were coming from,” Professor Muhlestein told Live Science.
Another interesting find was that the corpses appeared to be grouped together by hair colour, with one section containing the remains of those with blonde hair and another for those with red hair. The bodies, which included a man of more than seven feet in height, are thought to be of ordinary citizens, rather than the royalty found at many famous Egyptian sites. They were not buried in coffins, according to Muhlestein, and were in fact mummified not by design but by the arid natural environment.
“The people in the cemetery represent the common man. They are the average people who are usually hard to learn about because they are not very visible in written sources. A lot of their wealth, or the little that they had, was poured into these burials.”
His team discovered objects including glassware, jewellery and linen. The findings were presented to the Scholars Colloquim at the Society for the Study of Egyptian Antiquities in Toronto last month.
The Telegraph, London.

(http://www.traveller.com.au/mysterious-ancient-cemetery-in-egypt-could-contain-a-
million-mummies-12aaq7
.)



In: “The bodies, which included a man of more than seven feet in height are thought to be of ordinary citizens, rather than the royalty found at many famous Egyptian sites.” WHICH is a:
  • A Conjunction.
  • B Relative pronoun.
  • C Possessive pronoun.
  • D Interrogative pronoun.
28
Computer shopping

Is computer shopping the way of the future? About 37% of American households now have personal computers. And shopping by computer (or “shopping on-line") is interesting to more people every day. Already, shoppers can use their computers to order many different products, such as computer products, flowers, food, T-shirts, and posters. And new on-line shopping services appear every day. Soon people may be able to shop for anything, anytime, anywhere in the world.

(Richards, Jack C. New Interchange 1. Cambridge University Press, 2000)

It is correct about the text that.
  • A 37% of the people in America use computer shopping
  • B Computer shopping and on-line shopping is the same.
  • C On-line services are the most expensive services ever.
  • D Shopping by computer will be popular in the future.
  • E It is not possible to buy food products on-line.
29

A man stepped onto the overnight train and told the conductor, “I need you to wake me up in Philadelphia. I'm a deep sleeper and can be angry when I get up, but no matter what, I want you to help me make that stop. Here's $100 to make sure".

The conductor agreed. The man fell asleep, and when he awoke he heard the announcement that the train was approaching New York, which meant they had passed Philadelphia a long time ago. Furious, he ran to the conductor. “I gave you $100 to make sure I got off in Philadelphia, you idiot!" “Wow," another passenger said to his traveling companion. “Is that guy mad!" “Yeah," his companion replied. “But not half as mad as that guy they forced off the train in Philadelphia."

(English2Go, No 7,The Reader's Digest Association, 2005. P. 80.)

In “They had passed Philadelphia a long time ago" the verb tense is a:

  • A Past perfect.
  • B Simple past.
  • C Present perfect.
  • D Past progressive.
  • E Conditional perfect.
Voltar para lista