Resolver o Simulado Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) - ESAF - Nível Médio

0 / 49

Administração Pública

1

Assinale a opção que não contribui para a definição dos sistemas de trabalho no Poder Executivo Federal.

  • A Definições estratégicas do órgão ou entidade.
  • B Composição da força de trabalho.
  • C Modelo de governança do órgão ou entidade.
  • D Desenho dos postos de trabalho como fruto da gestão por competência.
  • E Recursos disponíveis.
2

A respeito do processo evolutivo da Administração Pública brasileira, incluindo as reformas administrativas, seus princípios, objetivos e resultados, analise as assertivas a seguir, classificando-as em verdadeiras (V) ou falsas (F).

Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.

( ) No plano organizacional das estruturas internas às suas unidades administrativas e de produção, a burocracia brasileira foi sempre centralista e uniformizadora, desde a sua configuração moderna estabelecida no final dos anos trinta.

( ) A fragmentação da Administração Pública brasileira foi reflexo do poder local exercido outrora por representantes da economia agrária.

( ) O DASP foi criado na década de trinta com diversas funções à exceção da colaboração e controle do orçamento.

( ) O estilo da reforma administrativa da década de trinta foi, ao mesmo tempo, prescritivo e coercitivo.

  • A V, V, F, V
  • B F, F, V, F
  • C F, F, V, V
  • D V, V, V, V
  • E V, V, V, F

3

De acordo com os termos do Decreto n. 6.944/2009, compete ao órgão central do SIORG analisar e manifestar- se sobre as seguintes propostas, exceto:

  • A criação e extinção de órgãos e entidades
  • B aprovação e revisão de estrutura regimental e de estatuto
  • C revisão de categoria jurídico-institucional dos órgãos e entidades.
  • D provimento, criação, transformação e extinção de cargos e funções.
  • E remanejamento de cargos em comissão e funções de con?ança.

Administração de Recursos Materiais

4

O sistema estruturador da Administração Pública Federal que oferece apoio à administração do patrimônio imobiliário da União é o:

  • A SIASG
  • B SIMOB
  • C SIPIM
  • D SIAPA
  • E SIAPI

Administração Pública

5

A respeito da avaliação e mensuração do desempenho governamental, analise as afirmativas abaixo, classificando-as em verdadeiras (V) ou falsas (F).

Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.

( ) Análise e avaliação sistemáticas de políticas públicas são essenciais para o enfrentamento de problemas persistentes de déficit de governança.

( ) A avaliação dos programas deve gerar um fluxo contínuo de informações, em vez de evidências baseadas em estudos isolados

( ) Os agentes públicos devem perceber a avaliação como aliada e não como ameaça, assim como as punições pelo mau desempenho e premiações pelos bons resultados devem ser percebidas igualmente

  • A V, V, V
  • B V, F, V
  • C F, V, V
  • D V, V, F
  • E F, F, F

Direito Administrativo

6

Referente ao controle da administração pública, assinale a opção correta.

  • A O Senado Federal não tem o poder de convocar Ministro de Estado para prestar pessoalmente informações sobre assunto previamente determinado.
  • B Não é possível supervisão ministerial de empresas estatais.
  • C O Congresso Nacional não possui a função de julgar anualmente as contas prestadas pelo Presidente da República.
  • D O Poder Judiciário não tem sistema de controle interno.
  • E Ação popular não pode ser proposta por pessoa jurídica.
7

Determinado servidor do Ministério da Fazenda recorre da decisão do Chefe da Divisão de Recursos Humanos – DRH do órgão em que está lotado, que lhe negou o pedido de gozo de sua licença capacitação.

O único fundamento utilizado pelo recorrente centrou- se na ausência de competência do chefe da DRH para decidir a respeito de seu pleito.

O recorrente sustenta que, ante a ausência de previsão específica da competência decisória no regimento interno do órgão para a referida DRH, somente o dirigente máximo poderia decidir o pleito.

Tendo em mente o caso concreto acima narrado e os termos da Lei n. 9.784/99, que regula o processo administrativo em âmbito federal, assinale a opção que contenha a resposta correta.

  • A Assiste razão ao recorrente. A ausência de previsão legal específica desloca a competência decisória para a autoridade de maior grau.
  • B A autoridade competente para julgar o recurso do servidor poderá delegar esta competência desde que para agente de grau hierárquico superior ao da primeira instância decisória.
  • C A delegação da competência para julgamento do recurso deve ter sido prévia a sua interposição e divulgada na internet do órgão.
  • D A competência para decidir acerca da licença capacitação era da DRH, unidade organizacional de menor nível na hierarquia, não sendo admissível em nenhuma hipótese, a avocatória.
  • E Inexistindo competência legal específica, o processo administrativo deverá ser iniciado perante a autoridade de menor grau hierárquico para decidir.
8

São critérios de julgamento passíveis de serem utilizados no âmbito do Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, exceto:

  • A Menor preço ou maior desconto.
  • B Menor retorno econômico.
  • C Melhor técnica ou conteúdo artístico.
  • D Maior oferta.
  • E Técnica e preço.
9

Em se tratando da disciplina constitucional dos Agentes Públicos, assinale a opção correta.

  • A Em virtude das alterações constitucionais advindas da Emenda Constitucional n. 19 e o disposto na Lei n. 8.112/90, restou incabível a coexistência do regime estatutário com o regime contratual.
  • B De acordo com a Emenda Constitucional n. 19 o acesso de estrangeiros a cargos, empregos e funções públicas é livre e independe de lei específica, exceto para o cargo de médico.
  • C A Constituição Federal estabelece que seja reservado no mínimo o percentual de 5% das vagas oferecidas em concurso público para os portadores de deficiência enquanto a Lei n. 8.112/90 assegura a eles até 20% das vagas.
  • D A Constituição Federal veda expressamente a limitação de idade para a inscrição em concurso público.
  • E A obrigatoriedade do concurso público para ingresso na Administração Pública se refere à primeira investidura.
10

A respeito das parcerias público-privadas, analise as assertivas a seguir classificando-as em falsas ou verdadeiras.

Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.

( ) As obrigações pecuniárias contraídas pela Administração Pública em contrato de parceria público-privada poderão ser garantidas mediante títulos da dívida agrária.

( ) É possível haver pagamento de contraprestação pela Administração Pública sem que obrigatoriamente seja precedido pela integral disponibilização do serviço pelo parceiro privado.

( ) Os contratos de parceria público-privada poderão prever a possibilidade de emissão de empenho em nome dos financiadores do projeto em relação às obrigações pecuniárias da Administração Pública.

( ) A contraprestação da Administração Pública nos contratos de parceria público-privada poderá ser feita mediante outorga de direitos sobre bens públicos afetados de uso comum do povo.

( ) As concessões patrocinadas em que mais de 70% da remuneração do parceiro privado deva ser paga pela Administração Pública dependerão de autorização legislativa.

  • A V, V, V, F, V
  • B F, V, V, V, V
  • C V, F, F, F, V
  • D V, V, V, V, F
  • E F, V, V, F, V
11

O procedimento licitatório observa vários atos até o encerramento do certame. Neste sentido,é correto afirmar que o ato que atribui ao vencedor o objeto da licitação, encerrando-se o certame,nos termos da lei,é:

  • A julgamento.
  • B homologação.
  • C contratação.
  • D habilitação.
  • E adjudicação.
12

 Correlacione as colunas abaixo e, ao fi nal, assinale a opção que contenha a sequência correta para a coluna II.

COLUNA I

(1) É a extinção do ato administrativo quando o seu beneficiário deixa de cumprir os requisitos que deveria permanecer atendendo.

(2) Ocorre quando uma nova legislação impede a permanência da situação anteriormente consentida pelo poder público. 

(3) Ocorre quando um ato, emitido com fundamento em determinada competência, extingue outro ato, anterior, editado com base em competência diversa, ocorrendo a extinção porque os efeitos daquele são opostos aos deste.

(4) Consiste, segundo orientação majoritária, em um ato privativo da Administração Pública, mediante o qual ela aproveita um ato nulo de uma determinada espécie, transformando-o, retroativamente em ato válido de outra categoria, pela modificação de enquadramento legal.

  COLUNA II

( ) Caducidade

( ) Contraposição

( ) Conversão

( ) Cassação

  • A 1, 3, 4, 2
  • B 2, 3, 4, 1
  • C 3, 2, 1, 4
  • D 1, 3, 2, 4
  • E 2, 4, 1, 3
13

Assinale a opção em que consta princípio da Administração Pública que não é previsto expressamente na Constituição Federal.

  • A Publicidade.
  • B Eficiência.
  • C Proporcionalidade.
  • D Legalidade.
  • E Moralidade.
14

Julgue as modalidades de licitação e relacione a Coluna A, à esquerda, com a Coluna B, à direita.


Coluna A Coluna B
AI - Leilão BI - Na fase inicial de habilitação deve comprovar
possuir os requisitos mínimos exigidos no edital.
AII - Tomada de preços BII - Atender às condições exigidas para cadastramento
até o terceiro dia anterior à data do recebimento
das propostas.
AIII - Concurso BIII - Venda de bens móveis inservíveis para a
administração ou de produtos legalmente
apreendidos ou penhorados.
AIV - Concorrência BIV - Interessados cadastrados ou não, escolhidos e
convidados em número mínimo de 3 (três).
AV - Convite BV - Escolha de trabalho técnico, científico ou artístico



Assinale a opção que indica as relações corretas.
  • A AI – BIII; AII – BII; AIII – BV; AIV – BI; AV – BIV.
  • B AI – BIII; AII – BV; AIII – BII; AIV– BIV; AV – BI.
  • C AI – BIV; AII – BV; AIII – BI; AIV – BII; AV – BIII.
  • D AI – BI; AII – BII; AIII – BV; AIV – BIV; AV – BIII.
  • E AI – BII; AII – BIV; AIII – BIII; AIV – BI; AV – BV.
15

Determinado reitor de uma Universidade Federal laborou na assinatura de contrato que posteriormente foi considerado pelo Ministério Público Federal como o início de um esquema delituoso.

Em ação judicial específica, foi deferida a indisponibilidade dos bens do referido reitor.

Acerca do caso concreto acima narrado, e tendo em mente a jurisprudência do STJ a respeito do tema, analise as assertivas abaixo classificando-as como verdadeiras (V) ou falsas (F). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.

( ) A medida constritiva de indisponibilidade de bens pela Lei n. 8.429/92 deve observar, no mínimo, a data de vigência da referida Lei.

( ) A decretação de indisponibilidade de bens em decorrência da apuração de atos de improbidade administrativa deve limitar-se aos bens necessários ao ressarcimento integral do dano, somente sendo passíveis de constrição os bens adquiridos posteriormente ao fato ímprobo.

( ) A possibilidade de indisponibilidade de bens está condicionada à prévia manifestação dos réus.

( ) A natureza jurídica da indisponibilidade de bens prevista na Lei de Improbidade Administrativa é manifestamente acautelatória, pois visa assegurar o resultado prático de eventual ressarcimento ao erário causado pelo ato ímprobo.

  • A F, F, V, V
  • B V, V, F, V
  • C F, F, V, F
  • D V, V, V, F
  • E F, F, F, V

Português

16

As opções abaixo compõem um texto adaptado de http://www.brasil-economia-governo.org.br/. Assinale a opção em que o segmento foi transcrito com erro gramatical.

  • A Entre 2000 e 2009, segundo dados disponíveis do exame Pisa, a Finlândia esteve sempre entre os primeiros colocados, nas três áreas avaliadas (leitura, matemática e ciências), alcançando resultados significativamente acima das médias da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).
  • B No caso finlandês, qualidade anda de mãos dadas com equidade – o país registra a menor diferenciação de resultados entre escolas. As reformas que levaram ao sucesso educacional finlandês foram implementadas ao longo de quatro décadas, a partir dos anos 1960.
  • C Paralelamente, durante o mesmo período, a Finlândia experimentou significativas mudanças sociais e econômicas, transformando-se em uma das sociedades mais avançadas do mundo em termos de bem-estar social, competitividade econômica e inovação tecnológica.
  • D O marco inicial das reformas foi à introdução da escolarização básica de caráter público, universal e compulsório, dos 7 aos 16 anos de idade, sem barreiras de seleção ou concursos de admissão. Essa etapa foi delegada as escolas municipais - sistema ao qual se integrou as escolas privadas até então existentes.
  • E Peça importante nesse processo foi um novo currículo básico nacional. Outro fator crucial foi o reconhecimento de que, para lograr um sistema educacional que atendesse bem a todos os alunos, seria imprescindível contar com um corpo docente altamente qualificado.
17

Assinale o trecho de relatório contábil que se apresenta inteiramente correto quanto ao emprego do padrão formal escrito da língua portuguesa.

  • A A crédito desta conta vem sendo contabilizada mensalmente a importância de R$10.628,75. Indagamos ao setor contábil sobre os referidos valores, que ao longo do ano soma-se mais de cem mil reais. No entanto, não nos foi fornecida nenhuma explicação.
  • B Alertamos que, a falta de controles internos e da conciliação contábil da conta podem propiciar fraudes e desvios de valores, pois funcionários que têm conhecimento do fato podem utilizá-lo para fins de desfalques.
  • C Alertamos que empréstimos feitos a funcionários não firmados mediante contrato, e sem cláusula de cobrança de encargos financeiros, poderão ser considerados pelo fisco como adiantamentos salariais e tributados na fonte, na ocasião da liberação dos recursos.
  • D Recomendamos ampliar as atenções sobre os adiantamentos pendentes de longa data, haja visto, que, desta forma, eles se caracterizam como empréstimo, sendo necessário, daqui por diante, a elaboração de contratos com previsão de cobrança de encargos financeiros.
  • E Entre as adições ao ativo fixo da companhia, persiste situação comentada em nosso relatório anterior onde se constatou valores que se caracterizam como despesa operacional invez de custo de aquisição ou desenvolvimento de bens permanentes.

    (http://pt.scribd.com/doc/55427164/Modelo-Relatorio-Auditoria-Contabil, com adaptações)
18

Leia com atenção o texto abaixo.

Hoje em dia vemos muitas matérias em jornais, títulos de livros, artigos em periódicos e magazines que usam a palavra crise: “crise financeira”, “crise política”, “crise moral”, “crise existencial”, “crise da representação”, “crise do livro”, “crise da educação” etc. Quando começamos a ler estes textos, frequentemente nos damos conta de que são narrativas em que se projetam imagens de uma estabilidade antes inexistente, seguida por uma decadência ou fi m de alguma coisa. Em outras palavras, presume-se que algo estável (o mundo das finanças, a política, a moral, a existência humana, o livro...) perde esta condição ou tem esta condição colocada em xeque. A crise é apresentada, então, como um problema, sem que se argumente que há também um problema nessas narrativas. Qual?

Muitas vezes a presumida “estabilidade” que existiria antes e que supostamente é ameaçada na crise é apenas uma idealização que nunca correspondeu a uma realidade efetiva. Claro, a partir dessa idealização, pode-se criticar o que se presume ser uma ameaça, decadência ou fi m; mas a crítica é feita em relação ao que foi idealizado anteriormente.

Os verbos “perder” e “ter", no período “Em outras palavras, presume-se que algo estável (o mundo das finanças, a política, a moral, a existência humana, o livro...) perde esta condição ou tem esta condição colocada em xeque” (l. 11-15), têm, como sujeito,

  • A “algo”.
  • B “algo estável".
  • C “que algo estável".
  • D “algo estável (o mundo das finanças, a política, a moral, a existência humana, o livro...)”.
  • E “que algo estável (o mundo das finanças, a política, a moral, a existência humana, o livro...)”.
19
Em um regime democrático, todo poder emana do povo, prevalecendo a vontade da maioria sobre a vontade de indivíduos ou de grupos. Desse modo, o bom governante é aquele que compreende as demandas da população e se empenha em atendê-las. No entanto, numa democracia saudável, é também responsabilidade dos dirigentes tomar medidas que podem eventualmente desagradar a uma parte dos eleitores, pois eles devem administrar pensando no conjunto da sociedade que governam, e não na estridência de interesses insatisfeitos ou contrariados.
Em relação às estruturas linguísticas do texto, assinale a opção correta.
  • A Em “se empenha" (l. 5) o pronome “se" indica que o sujeito é indeterminado.
  • B Ao se substituir “em" (l. 5) por para, prejudicam-se a coerência e a correção gramatical do período.
  • C Preservam-se as relações sintáticas e a correção gramatical do período ao se substituir “No entanto" (l. 6) por qualquer um dos seguintes termos: Contudo, Entretanto, Porquanto, Uma vez que.
  • D Em “a uma parte" (l. 8), o emprego de “a" decorre da regência de “podem", que exige complemento regido por essa preposição.
  • E A palavra “estridência" (l. 11) está sendo empregada em sentido figurado e se associa ao barulho provocado pelas manifestações e protestos populares.
20

Os trechos a seguir constituem um texto adaptado do Editorial do Correio Braziliense, de 14/8/2012, mas estão desordenados. Ordene-os nos parênteses e indique a ordem correta para que componham um texto coerente.

( ) A deterioração do quadro — crescente e generalizada — não permite ver luz no fim do túnel e carrega consigo o Estado de bem-estar social, arduamente construído no pós-guerra.

( ) De outro, o Brasil, que, com os fundamentos econômicos sólidos, conseguiu conviver com o cenário adverso sem grandes solavancos, mas sabe que tem uma espada de Dâmocles sobre a cabeça.

( ) Estados Unidos e União Europeia há cinco anos veem despencar o PIB, a produção e os empregos.

( ) Em poucas ocasiões da história recente, o nosso país enfrentou momentos tão cruciais quanto agora.

( ) As teorias conhecidas mostram-se impotentes para dar resposta eficaz ao problema.

( ) De um lado, uma crise financeira que afeta os mercados mais ricos do planeta.

  • A 2 - 5 - 3 - 6 - 4 - 1
  • B 3 - 4 - 1 - 5 - 2 - 6
  • C 6 - 3 - 4 - 1 - 5 - 2
  • D 1 - 6 - 2 - 5 - 4 - 3
  • E 4 - 1 - 5 - 2 - 6 - 3
21

Leia o texto que se segue.

      Na área ficcional, opondo-se 1__ inconsciência,ou seja, reagindo 2__ má consciência, haveremosde governar, dentro do possível, a obra em gerale, em particular, as personagens. Negaremos 3 __personagens, honestamente, qualquer parcela devontade. Cada uma será assim porque nos pareceu,quase sempre ao cabo de cálculos e ensaios, acréscimose cortes, que assim devia ser; e está no relato porquefoi necessário, porque julgamos oportuno dar-lhe umafunção ainda que fosse 4__ de parecer disponível.Nem uma palavra lhes será disponível sem licença ouaprovação. Ainda que alguns dos seus remotos modelospossam existir fora de nós, só existem 5__ partir domomento em que nossas palavras o efetivam.

                                                       (Adaptado de Osman Lins, Guerra sem testemunhas, 1974, p.16)

Leia os trechos a seguir e ordene-os de modo a preservar a coerência e a coesão textual.

( ) A palavra “filosofia" deriva dos termos gregos filos (amante, amigo) e sofia (sabedoria, saber). A junção desses dois termos é atribuída, tradicionalmente a Pitágoras.

( ) Neste sentido, o filósofo seria apenas um amigo ou amante do saber e a filosofia significaria o amor à sabedoria.

( ) Seguindo a linha de seu mestre Sócrates, que reconhecia nada saber, parecia-lhe que a ninguém era possível apossar-se da verdade.

( ) Atribui-se também a origem dessa composição a Platão, que teria questionado a ideia de posse do saber, comum aos pensadores do seu tempo.

( ) Diz-se que Pitágoras, ao ser perguntado pelo príncipe Leonte sobre a origem de sua sabedoria, teria respondido que era apenas um filósofo, assumindo assim a posição não de um sábio, mas de alguém que buscava a sabedoria.

(Adaptado de Filosofi a, de Cleides Antonio Cabral, p. 11)

A sequência correta obtida é


  • A (5), (2), (4), (1) e (3)
  • B (2), (3), (5), (1) e (4)
  • C (1), (5), (3), (2) e (4)
  • D (4), (3), (1), (2) e (5)
  • E (1), (5), (4), (3) e (2)
22

Assinale a opção que constitui introdução coesa e coerente para o texto a seguir.


_________________________________________________________________________________
Em 2000, só havia 10 cursos desse tipo. Em 2008, estavam credenciados no Ministério da Educação (MEC) 349 cursos de graduação e 255 cursos de pós-graduação lato sensu. Em 2005, 11 mil pessoas concluíram a licenciatura a distância. Atualmente, os alunos de cursos de graduação a distância representam 30% do total de estudantes matriculados em licenciaturas. Há seis anos, eles eram 5%. Atualmente, há 1 milhão de estudantes cursando a graduação e pós-graduação a distância. Para atender à demanda, o MEC acaba de autorizar 40 instituições de ensino a criarem 148,4 mil vagas nessa modalidade de ensino.
(O Estado de S. Paulo, 17/6/2013, com adaptações).
  • A O ensino a distância em cursos de graduação cresceu significativamente nos últimos anos.
  • B Ao final do período letivo, para avaliar o aproveitamento dos alunos, vários cursos aplicam provas escritas e provas práticas presenciais, enquanto outros pedem um trabalho de conclusão.
  • C Essa graduação a distância funciona por meio da distribuição de livros e apostilas e de uma plataforma na internet que permite aos estudantes acessar aulas e sugestões bibliográficas.
  • D Por terem mensalidades baixas, esses cursos a distância são os mais acessíveis para grandes parcelas da população, especialmente nas cidades do interior.
  • E Os empréstimos educacionais feitos pelo governo com base no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) têm uma taxa de juros muito baixa, de 34%.
23

Assinale o segmento que dá sequência ao texto, respeitando a coerência entre as ideias e a correção gramatical.

Quando a maré sobe, ergue todos os barcos, diz o velho adágio. Nos anos de crescimento acelerado e excesso de capitais fi nanceiros na economia mundial, mesmo as embarcações de casco avariado tiraram proveito da maré favorável. O Brasil, como grande exportador de matérias-primas e um dos principais destinos dos dólares investidos internacionalmente, foi um dos países mais benefi ciados.
Os efeitos foram ainda mais sentidos ................................ ........................................................................

(Ana Luiza Daltro e Érico Oyama, “As razões do pibinho”. Veja, 13/06/2012, p. 76/77)


  • A por causa das reformas econômicas levadas a efeito na década passada.
  • B devido a ótima fase de comercialização de nossas matérias-primas.
  • C a despeito dos acertos internos na condução de reformas econômicas.
  • D enquanto se aguarda o aumento na taxa de investimento.
  • E graças à onerosa carga tributária sobre o setor produtivo.
24

Assinale a opção que preenche a lacuna do texto de forma a torná-lo coeso e coerente.


Os últimos meses não têm sido fáceis para muitos países emergentes. Bolsas em queda, moedas com forte desvalorização, redução das projeções de crescimento e aparentes problemas financeiros começam a trazer lembranças das recorrentes crises dos anos 1980 e 1990 e a suscitar temores de que tais episódios se repetirão.______________________________________________ __________________________________________________________________________________ Mas é possível prever que o mais provável é que os próximos anos sejam árduos para aqueles países que acumularam grandes desequilíbrios na última década de juros baixos e capital farto.

(Adaptado de Folha de S. Paulo, 10/2/2014)
  • A Saber se em breve haverá crise generalizada é questão de difícil resposta mesmo para os especialistas
  • B Porquanto a Ásia cresceu perto de 8% ao ano e respondeu por mais da metade da expansão mundial.
  • C Há, portanto, a mudança do padrão desse crescimento da China, agora menos voltado para o consumo de matérias-primas
  • D Entretanto, tende a haver saída em massa de divisas de países que há pouco eram a coqueluche.
  • E Hoje essa situação de crescimento rápido é diferente, e a distância entre o desempenho do centro e o da periferia se estreita
25

Assinale a opção em que o trecho do texto foi transcrito de forma gramaticalmente correta.

  • A O governo espera uma melhoria da economia, até o final do ano, mas, mesmo que essa hipótese se confirme, o efeito positivo sobre as contas fiscais não serão imediatos, com maior impacto no ano que vem.
  • B Até junho a receita de tributos vinha evoluindo em ritmo inferior ao esperado, como já reconheceu a Secretaria da Receita Federal. O mesmo parece estar ocorrendo com a arrecadação previdenciária, que vinha ajudando à sustentar o patamar da arrecadação federal, como mostraram dados do Ministério da Previdência relativos ao primeiro semestre.
  • C As contas fiscais de junho foram influenciadas negativamente pelo efeito estatístico do recolhimento do Refis da Crise, em junho de 2011. Provavelmente será tarefa mais difícil atingir as metas de superávit primário deste ano, num momento em que o Tesouro promete mais recursos para os Estados e promove desonerações fiscais.
  • D Afinal, a área fiscal ganhou mais relevancia para o equilíbrio macroeconômico — e, assim, para o controle da inflação —, na medida da perda relativa de importancia da política de juros e do regime de metas de inflação.
  • E Se as pressões sobre os preços visíveis nos últimos dias se confirmar, a política fiscal exigirá ainda mais atenção, por fragilidades tanto no longo como no curto prazo.
    (Editorial, O Estado de S. Paulo, 1/8/2012)
26

Assinale a opção em que o trecho preenche de forma coesa e coerente a lacuna do texto abaixo.

Mesmo com o aperto orçamentário resultante do impasse entre governo e oposição, a economia americana vinha avançando bem mais velozmente que a europeia. O desemprego tem diminuído nos Estados Unidos e chegou a 7% em novembro. Na zona do euro, caiu ligeiramente de 12,2% para 12,1% em outubro, mas a desocupação dos jovens continua superior a 24%. _____________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Há enormes desafios à frente, incluída a reforma do sistema financeiro, mas os dados são animadores.


(Adaptado de O Estado de S. Paulo, 14/12/2013)
  • A Isso porque, para os países avançados a recomendação continua sendo a de combinações políticas mais favoráveis a uma recuperação segura. Isso inclui um ajuste fiscal mais propício ao crescimento, com mais folga no início e maior aperto na fase final.
  • B Apesar do cenário ainda muito ruim no mercado de trabalho, a maior parte da Europa ocidental começa a vencer a recessão e, pelas projeções disponíveis, deve continuar nesse rumo em 2014.
  • C Inclui também muito cuidado no abandono gradual das políticas monetárias frouxas, dominantes nos últimos anos - recomendação válida para autoridades americanas e europeias, mas especialmente para as primeiras, neste momento.
  • D Portanto, os Estados Unidos já começam a se mover na direção sugerida pelo FMI. Depois de um longo impasse, a Câmara de Representantes aprovou uma proposta de orçamento com mais espaço para estímulos federais à reativação econômica.
  • E Essa fórmula aprovada atende apenas em parte à pretensão do Executivo, mas é muito menos restritiva do que vinham defendendo as alas mais conservadoras do Partido Republicano americano. O próximo passo, a votação no Senado, deve ser facilitado pela maioria democrata.
27

Os trechos a seguir constituem um texto adaptado de O Globo de 7/6/2013. Assinale a opção que foi transcrita com erro gramatical.

  • A Para que a economia consiga trilhar por um caminho sustentável nos próximos anos, com crescimento razoável, preços e contas externas sob controle, o país precisará incrementar significativamente suas exportações.
  • B Essa expansão dependerá de vários fatores, mas entre os principais está uma eficiente estrutura portuária, pois é pelos terminais marítimos e fluviais que são movimentados acerca de 90% das cargas do comércio exterior brasileiro.
  • C O Brasil necessita tanto de terminais para carga geral, capazes de receber os navios gigantes que chegam a transportar mais de cinco mil vagões de carga de uma vez, como de portos que possibilitem o embarque de líquidos e sólidos.
  • D É no agronegócio e na produção de minérios, petróleo e biocombustíveis que temos mais possibilidades de exportar, pelas vantagens comparativas que o país ainda reúne nesses itens.
  • E E tanto maior será a competitividade se houver portos adequados para embarque de tais mercadorias, conjugados também a uma satisfatória rede de transportes rodoviária, ferroviária, hidroviária e por dutos.
28

Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas do texto.


A importância da indústria __1__ o país é inegável, __2__seus efeitos multiplicadores, __3__ salários que paga, __4__arrecadação de impostos. __5__ ganhar competitividade, a indústria necessita de melhoras alheias ao setor, como, por exemplo, uma infraestrutura mais eficiente e um sistema tributário mais adequado. __6__, a indústria brasileira também precisa se renovar. Processos produtivos desatualizados, deficiências de qualidade e questões gerenciais são desafios específicos do setor, que não dependem inteiramente de políticas públicas.
(Editorial, O Globo, 3/8/2012)

  • A 1-para
    2-por
    3-pelos
    4-pela
    5-Para
    6-Porém
  • B 1-do
    2-de
    3-dos
    4-com a
    5-Se
    6-Todavia

  • C 1-com
    2-que
    3-para
    4-na
    5-Quando
    6-Entretanto

  • D 1-no
    2-com
    3-com os
    4-da
    5-Ao
    6-Mas

  • E 1-em relação ao
    2-dos
    3-por
    4-para a
    5-Enquanto
    6-No entanto

29

Assinale a opção que indica a necessidade de modificar a colocação de acento gráfico para que o texto fique gramaticalmente correto.

É urgentemente necessário (a) promover o aumento da entrada de estrangeiros.
Deve-se completar o trabalho da natureza, oferecendo segurança e transporte publico (b) eficientes, preparação do pessoal receptivo, serviço decente de telecomunicações, controle de endemias, (c) limpeza das cidades, pronto-atendimento de saúde, (d) preços honestos e boa qualidade em hotéis e restaurantes, além, é claro, de carga tributária (e) que não espante o freguês.


(Adaptado de Correio Braziliense, 31/12/2013)
  • A necessário > necessario
  • B publico > público
  • C endemias > endêmias
  • D saúde > saude
  • E tributária > tributaria
30

Assinale a opção em que, ao menos, um dos dois termos não completa correta e coerentemente o texto abaixo.

A memória do setor público no Brasil não pode _____ (A)_____ registros tópicos, _____(B)_____ sucessão de elementos, atos e instrumentos de política com influência _____(C)_____ sobre o curso da história econômica do país. As últimas décadas, embora não _____(D)_____ avaliações inteiramente favoráveis do ponto de vista dos resultados finais do processo de acumulação de riquezas, ou de sua distribuição socialmente mais justa, exibem intensa atividade institucional, como _____(E)_____ considerável esforço de transformação da gestão pública.

(http://www.bcb.gov.br/htms/infecon/? npub/manualfinpublp.pdf)

  • A prescindir de / dispensar
  • B diante da / em face da
  • C ponderável / reflexiva
  • D contem com / tenham
  • E contrapartida ao / condutividade a um
31

Assinale o trecho inteiramente correto quanto ao emprego do padrão formal escrito da língua portuguesa.

  • A Quando falamos em prova, no direito, tem-se a idéia de que existe algo a ser defendido ou algo que venha a ser contestado. Dentro dessa linha cognoscível, entende-se que vai existir sempre um agente acusador e um agente acusado.
  • B Pois bem, a prova é o meio de resolução desse conflito existente, da qual é dela que o juiz irá extrair aqueles meios exequíveis à resolução pendente.
  • C O juiz não tem o ônus de buscar a verdade – ele somente apresenta as partes a verdade mais justa diante do caso em questão. A parte é quem tem o ônus de buscar a verdade, daí as provas serem de suma importância para a resolução do litígio.
  • D Devido à atribuição de pontos a cada tipo de prova, o sistema tarifal de provas passou a facilitar as decisões dos juízes, que somente se encarregavam da somatória dos pontos que cada parte obtera mediante suas provas apresentadas e decidia o caso a favor de quem somou mais pontos.
  • E Para adquirir força probatória no processo judicial, os meios “moralmente legítimos” de obtenção de provas devem está em congruência com os aspectos lícitos do nosso ordenamento legal.
32
Assinale a opção em que ocorre erro gramatical ou ortográfico na transcrição do texto.

Máquinas são funcionários exemplares, como atestam os radares eletrônicos espalhados por cidades e estradas do Brasil. Trabalham 24 horas por dia, concentram-se 100% do tempo na tarefa,não têm (A) férias, não ganham 130 salário e nunca reividicam (B).A indústria de armamento e defesa está encantada com esses operários-padrão guerreiros. A evolução tecnológica já permite antever(C) a fabricação de aparelhos com autonomia para combater e decidir, sozinhos, se e quando devem exterminar (D) alguém.As centenas de ataques realizados por drones (aeronaves não tripuladas que decolam de aviões cargueiros) americanos no Oriente Médio, nos últimos anos, estimulam uma reflexão mais profunda sobre um cenário de guerra envolvendo (E) os robôs-soldados.
  • A (A)
  • B (B)
  • C (C)
  • D (D)
  • E (E)
33

Nem muros, nem cercas, nem mares. Muito menos passaportes: quando uma pessoa decide abandonar seu próprio país para tentar uma vida melhor em outro lugar, nenhuma dessas barreiras é suficiente para dissuadi-la. As fronteiras europeias nunca estiveram tão fechadas e, ao mesmo tempo, nunca tantos imigrantes ilegais entraram no continente. Um estudo da Frontex, agência europeia de vigilância das fronteiras, aponta que, entre julho e setembro de 2014, cerca de 110 mil pessoas chegaram à Europa clandestinamente por terra e sobretudo por mar. Este número é quase três vezes maior do que o pico da Primavera Árabe, em 2011.

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Até então, a maior catástrofe do tipo havia sido o naufrágio próximo à ilha de Lampedusa, que fez 366 vítimas fatais em 2013. Na época houve uma grande mobilização para o caso, chamando a atenção para a realidade dos imigrantes clandestinos. Logo após o ocorrido, a marinha italiana lançou uma operação humanitária e militar batizada Mare Nostrum, que tinha como objetivo socorrer pessoas à deriva.

Com relação aos fragmentos a seguir – adaptados – assinale a opção que constitua o parágrafo correto para completar o texto de forma coesa e coerente.

Nem muros, nem cercas, nem mares. Muito menos passaportes: quando uma pessoa decide abandonar seu próprio país para tentar uma vida melhor em outro lugar, nenhuma dessas barreiras é suficiente para dissuadi-la. As fronteiras europeias nunca estiveram tão fechadas e, ao mesmo tempo, nunca tantos imigrantes ilegais entraram no continente. Um estudo da Frontex, agência europeia de vigilância das fronteiras, aponta que, entre julho e setembro de 2014, cerca de 110 mil pessoas chegaram à Europa clandestinamente por terra e sobretudo por mar. Este número é quase três vezes maior do que o pico da Primavera Árabe, em 2011.

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Até então, a maior catástrofe do tipo havia sido o naufrágio próximo à ilha de Lampedusa, que fez 366 vítimas fatais em 2013. Na época houve uma grande mobilização para o caso, chamando a atenção para a realidade dos imigrantes clandestinos. Logo após o ocorrido, a marinha italiana lançou uma operação humanitária e militar batizada Mare Nostrum, que tinha como objetivo socorrer pessoas à deriva.

(Adaptação da reportagem “Por um porto seguro", de Amanda

Lourenço (revista Caros amigos, ano XIX, nº 220, julho 2015)


  • A Para uma solução mais duradoura, o representante da Anistia Internacional na França, Jean-François Dubost, acha que a abertura do acesso às vias legais de imigração para a União Europeia, principalmente para os refugiados, é o ideal. “Hoje, mais da metade das pessoas que atravessam o Mediterrâneo são refugiados, isto é, pessoas que fogem da guerra e da perseguição em seus países".
  • B O caminho, porém, é perigoso e sem a menor garantia de sucesso. Em uma hipótese otimista, o imigrante pode ser descoberto por autoridades locais e encaminhado de volta, caso não seja um refugiado, mas pode ser também que seu destino seja mais trágico e ele sequer consiga completar o percurso em vida. Este foi o caso de mais de 1.800 pessoas apenas neste 2015, a maior parte vítimas de afogamento no mar Mediterrâneo. No mês de abril, em apenas um único naufrágio, morreram aproximadamente oitocentos clandestinos.
  • C É importante fazer a diferenciação entre refugiados e imigrantes quando o tema é fluxo migratório e políticas de asilo. O primeiro grupo é considerado mais vulnerável que o segundo, pois as razões que os expulsaram de seus próprios países seriam mais graves, geralmente questões de vida e morte. Guerras, perseguições políticas, étnicas e sociais, assim como grandes catástrofes, naturais ou não, fazem com que populações busquem abrigo em lugar seguro.
  • D Abrir as fronteiras definitivamente não está nos planos de nenhum governo europeu por enquanto. Entretanto, o debate continua e um dos capítulos mais importantes da discussão foi o plano de propostas apresentado pela Comissão Europeia em maio. O projeto prevê, entre outras medidas, a redistribuição de 40 mil refugiados em diferentes países europeus.
  • E Apesar de as autoridades tratarem as contas como um assunto prioritário, a verdade é que os números propostos são quase simbólicos. Apenas no ano passado, 626 mil pedidos de asilo foram contabilizados em todo continente, ou seja, os 20 mil refugiados distribuídos pela Europa em dois anos representariam apenas 1,5% de toda a demanda anual.
34

Numere os fragmentos seguintes, de modo a compor um texto coeso e coerente.

( ) Este parece ser um problema para um país que, a partir de 1992, quer-se dentro de um mundo globalizado.

( ) Um dos pontos dominantes é o grande número de resenhas de livros “clássicos" traduzidos pela primeira vez no Brasil.

( ) É verdade que o número de editoras citadas no Mais! é maior, mas o espaço é regionalizado, com a hegemonia dos lançamentos das editoras do eixo Rio-São Paulo.

( ) Aqui há o rebaixamento de um procedimento modernista: sabemos que o intelectual modernista pode ser pensado como um tradutor, como um pedagogo, e o que acontece agora é que o suplemento retoma esse procedimento, porém “deslumbrado".

( ) O Mais! parece oferecer uma compensação para este “atraso', traduzindo e publicando grande quantidade de textos de autores estrangeiros de renome na cena intelectual, como Darton, Kurz, Bloom, Derrida e, ao mesmo tempo, oferecendo regularmente espaço para as traduções literárias dos Irmãos Campos.

(Adaptado de Valdir Prigol, Leituras do presente: narrativas

de comemoração no Mais! da Folha de São Paulo, p. 31)

A sequência correta da ordem dos fragmentos de texto é


  • A (1), (5), (4), (3), (2)
  • B (2), (3), (5), (1), (4)
  • C (3), (2), (1), (5), (4)
  • D (5), (3), (1), (2), (4)
  • E (3), (5), (4), (1), (2)
35

Assinale a opção em que foi introduzido erro gramatical ou de grafia de palavra na transcrição do texto.

O Brasil é personagem e protagonista do processo de desenvolvimento das comunicações, com mais da metade de sua população já inserida (1) na era digital e mais de 90% das escolas públicas e privadas do país utilizando computadores e acessando (2) a internet, de acordo com o Centro de Estudos sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic). Falta-nos (3) qualificar à (4) educação para que os jovens possam tirar melhor proveito da tecnologia e utilizá-la (5) para a construção de um país melhor.


(Adaptado de Zero Hora (RS), 31/12/2013)
  • A (1)
  • B (2)
  • C (3)
  • D (4)
  • E (5)

Inglês

36

Customs enforcement is concerned with the protection of society and fghting trans-national organized crime based on the principles of risk management. In discharging this mandate, Customs compliance and enforcement services are involved in a wide range of activities relating to information and intelligence exchange, combating commercial fraud, counterfeiting, the smuggling of highly taxed goods (especially cigarettes and alcohol), drug traffcking, stolen motor vehicles, money laundering, electronic crime, smuggling of arms, nuclear materials, toxic waste and weapons of mass destruction. Enforcement activities also aim to protect intellectual and cultural property and endangered plants and animal species.
In order to assist its Members improve the effectiveness of their enforcement efforts and achieve a balance between control and facilitation, the World Customs Organisation has developed a comprehensive technical assistance and training programmes. In addition, it has established Regional Intelligence Liaison Offces (RILOs) that are supported by a global database, the Customs Enforcement Network (CEN), to facilitate the exchange and use of information.

The WCO has also developed instruments for international co-operation in the form of the revised Model Bilateral Agreement (MBA); the Nairobi Convention, which provides for mutual administrative assistance in the prevention, investigation and repression of Customs offences; and the Johannesburg Convention, which provides for mutual administrative assistance in Customs matters. The WCO’s Customs Control and Enforcement programme therefore aims to promote effective enforcement practices and encourage co-operation among its Members and with its various competent partners and stakeholders.


(Source: http://www.wcoomd.org/en/topics/enforcement-and-compliance/ overview.aspx, retrieved on 12 March 2014.)


In accordance with the passage, 'customs enforcement' can best be defined as the prevention of criminal activities

  • A requiring coordination between enforcement agencies of neighboring countries.
  • B of a strictly commercial nature, taking place on border areas.
  • C restricted to trans-national intellectual and cultural property infringement .
  • D that can pose fnancial or physical harm to societies and affect at least two countries.
  • E that can put societies and the environment at risk in the broadest sense.
37

Questions 34 through 38 refer to the following text.


We've been keeping our veterinarian in business lately.
First Sammy, our nine-year-old golden retriever, needed
surgery. (She's fine now.) Then Inky, our curious cat,
burned his paw. (He'll be fine, too.) At our last visit, as we
were writing our fourth (or was it the fifth?) consecutive
check to the veterinary hospital, there was much joking
about how vet bills should be tax-deductible. After all, pets
are dependents, too, right? (Guffaws all around.)

Now, halfway through tax-filing season, comes news
that pets are high on the list of unusual deductions
taxpayers try to claim. From routine pet expenses to the
costs of adopting a pet to, yes, pets as "dependents," tax
accountants have heard it all this year, according to the
Minnesota Society of Certified Public Accountants, which
surveys its members annually about the most outlandish

tax deductions proposed by clients. Most of these doggy

deductions don't hunt, but, believe it or not, some do. Could

there be a spot for Sammy and Inky on our 1040?


Scott Kadrlik, a certified public accountant in Eden Prairie,

Minn., who moonlights as a stand-up comedian (really!),

gave me a dog's-eye view of the tax code: "In most cases

our family pets are just family pets," he says. They cannot

be claimed as dependents, and you cannot deduct the

cost of their food, medical care or other expenses. One

exception is service dogs. If you require a Seeing Eye

dog, for example, your canine's costs are deductible as

a medical expense. Occasionally, man's best friend also

is man's best business deduction. The Doberman that

guards the junk yard can be deductible as a business

expense of the junk-yard owner, says Mr. Kadrlik. Ditto the

convenience-store cat that keeps the rats at bay.


For most of us, though, our pets are hobbies at most.

Something's a hobby if, among other things, it hasn't turned

a profit in at least three of the past five years (or two of the

past seven years in the case of horse training, breeding

or racing). In that case, you can't deduct losses—only

expenses to the extent of income in the same year. So if

your beloved Bichon earns $100 for a modeling gig,

you could deduct $100 worth of vet bills (or dog food or doggy

attire).




(Source: Carolyn Geer, The Wall Street Journal, retrieved on 13 March 2014 - slightly adapted)


The phrase “Guffaws all around" (paragraph1) shows that those hearing the conversation

  • A believed tax deductions for expenses with pets do not really apply.
  • B resented not being able to consider their pets as dependents.
  • C found the jokes about pets as dependents preposterous.
  • D were unaware that vet bills could be knocked off their income tax.
  • E bemoaned the unfair treatment given to pet owners by the IRS.
38

Questions 34 through 38 refer to the following text.


We've been keeping our veterinarian in business lately.
First Sammy, our nine-year-old golden retriever, needed
surgery. (She's fine now.) Then Inky, our curious cat,
burned his paw. (He'll be fine, too.) At our last visit, as we
were writing our fourth (or was it the fifth?) consecutive
check to the veterinary hospital, there was much joking
about how vet bills should be tax-deductible. After all, pets
are dependents, too, right? (Guffaws all around.)

Now, halfway through tax-filing season, comes news
that pets are high on the list of unusual deductions
taxpayers try to claim. From routine pet expenses to the
costs of adopting a pet to, yes, pets as "dependents," tax
accountants have heard it all this year, according to the
Minnesota Society of Certified Public Accountants, which
surveys its members annually about the most outlandish

tax deductions proposed by clients. Most of these doggy

deductions don't hunt, but, believe it or not, some do. Could

there be a spot for Sammy and Inky on our 1040?


Scott Kadrlik, a certified public accountant in Eden Prairie,

Minn., who moonlights as a stand-up comedian (really!),

gave me a dog's-eye view of the tax code: "In most cases

our family pets are just family pets," he says. They cannot

be claimed as dependents, and you cannot deduct the

cost of their food, medical care or other expenses. One

exception is service dogs. If you require a Seeing Eye

dog, for example, your canine's costs are deductible as

a medical expense. Occasionally, man's best friend also

is man's best business deduction. The Doberman that

guards the junk yard can be deductible as a business

expense of the junk-yard owner, says Mr. Kadrlik. Ditto the

convenience-store cat that keeps the rats at bay.


For most of us, though, our pets are hobbies at most.

Something's a hobby if, among other things, it hasn't turned

a profit in at least three of the past five years (or two of the

past seven years in the case of horse training, breeding

or racing). In that case, you can't deduct losses—only

expenses to the extent of income in the same year. So if

your beloved Bichon earns $100 for a modeling gig,

you could deduct $100 worth of vet bills (or dog food or doggy

attire).




(Source: Carolyn Geer, The Wall Street Journal, retrieved on 13 March 2014 - slightly adapted)


The opening sentence of the text reveals that the author has been

  • A paying frequent visits to her vet's pet.
  • B making loans to her pets' veterinary doctor.
  • C assisting her vet financially.
  • D delaying payments to her veterinarian.
  • E using the services of a vet quite often.
39
A cooling consensus

Global warming has slowed. The rate of warming
over the past 15 years has been lower than that of
the preceding 20 years. There is no serious doubt
that our planet continues to heat, but it has heated
less than most climate scientists had predicted. Nate
Cohn of the New Republic reports: "Since 1998, the
warmest year of the twentieth century, temperatures
have not kept up with computer models that seemed
to project steady warming; they’re perilously close to
falling beneath even the lowest projections".
Mr Cohn does his best to af? rm that the urgent
necessity of acting to retard warming has not abated,
as does Brad Plumer of the Washington Post, as
does this newspaper. But there's no way around
the fact that this reprieve for the planet is bad news
for proponents of policies, such as carbon taxes
and emissions treaties, meant to slow warming by
moderating the release of greenhouse gases. The
reality is that the already meagre prospects of these
policies, in America at least, will be devastated if
temperatures do fall outside the lower bound of
the projections that environmentalists have used to
create a panicked sense of emergency. Whether
or not dramatic climate-policy interventions remain
advisable, they will become harder, if not impossible,
to sell to the public, which will feel, not unreasonably,
that the scienti? c and media establishment has cried
wolf.
(Source: The Economist, June 20th, 2013)

The text starts by citing data revealing that

  • A the planet has not been getting warmer in the past 15 years.
  • B average temperatures are lower now than they were 20 years ago.
  • C the rate of temperature rises has eased off in recent years.
  • D 20 years ago temperatures were significantly higher.
  • E in the past 15 years temperatures have leveled off.
40

Questions 34 through 38 refer to the following text.


We've been keeping our veterinarian in business lately.
First Sammy, our nine-year-old golden retriever, needed
surgery. (She's fine now.) Then Inky, our curious cat,
burned his paw. (He'll be fine, too.) At our last visit, as we
were writing our fourth (or was it the fifth?) consecutive
check to the veterinary hospital, there was much joking
about how vet bills should be tax-deductible. After all, pets
are dependents, too, right? (Guffaws all around.)

Now, halfway through tax-filing season, comes news
that pets are high on the list of unusual deductions
taxpayers try to claim. From routine pet expenses to the
costs of adopting a pet to, yes, pets as "dependents," tax
accountants have heard it all this year, according to the
Minnesota Society of Certified Public Accountants, which
surveys its members annually about the most outlandish

tax deductions proposed by clients. Most of these doggy

deductions don't hunt, but, believe it or not, some do. Could

there be a spot for Sammy and Inky on our 1040?


Scott Kadrlik, a certified public accountant in Eden Prairie,

Minn., who moonlights as a stand-up comedian (really!),

gave me a dog's-eye view of the tax code: "In most cases

our family pets are just family pets," he says. They cannot

be claimed as dependents, and you cannot deduct the

cost of their food, medical care or other expenses. One

exception is service dogs. If you require a Seeing Eye

dog, for example, your canine's costs are deductible as

a medical expense. Occasionally, man's best friend also

is man's best business deduction. The Doberman that

guards the junk yard can be deductible as a business

expense of the junk-yard owner, says Mr. Kadrlik. Ditto the

convenience-store cat that keeps the rats at bay.


For most of us, though, our pets are hobbies at most.

Something's a hobby if, among other things, it hasn't turned

a profit in at least three of the past five years (or two of the

past seven years in the case of horse training, breeding

or racing). In that case, you can't deduct losses—only

expenses to the extent of income in the same year. So if

your beloved Bichon earns $100 for a modeling gig,

you could deduct $100 worth of vet bills (or dog food or doggy

attire).




(Source: Carolyn Geer, The Wall Street Journal, retrieved on 13 March 2014 - slightly adapted)


Among the domesticated animals considered eligible for tax deductions are

  • A family pets.
  • B guide dogs.
  • C Doberman dogs.
  • D horses in general.
  • E house cats.
41

Text 1

                                                                                                                            The good oil boys club

      It should have been a day of high excitement. A public auction on July 15th marked the end of a 77-year monopoly on oil exploration and production by Pemex, Mexico`s state-owned oil company, and ushered in a new era of foreign investment in Mexican oil that until a few years ago was considered unimaginable.

      The Mexican government had hoped that its firstever auction of shallow-water exploration blocks in the Gulf of Mexico would successfully launch the modernisation of its energy industry. In the run-up to the bidding, Mexico had sought to be as accommodating as its historic dislike for foreign oil companies allowed it to be. Juan Carlos Zepeda, head of the National Hydrocarbons Commission, the regulator, had put a premium on transparency, saying there was “zero room” for favouritism.

      When prices of Mexican crude were above $100 a barrel last year (now they are around $50), the government had spoken optimistically of a bonanza. It had predicted that four to six blocks would be sold, based on international norms.

      It did not turn out that way. The results fell well short of the government’s hopes and underscore how residual resource nationalism continues to plague the Latin American oil industry. Only two of 14 exploration blocks were awarded, both going to the same Mexican-led trio of energy fi rms. Offi cials blamed the disappointing outcome on the sagging international oil market, but their own insecurity about appearing to sell the country’s oil too cheap may also have been to blame, according to industry experts. On the day of the auction, the fi nance ministry set minimum-bid requirements that some considered onerously high; bids for four blocks were disqualifi ed because they failed to reach the offi cial fl oor.

                                                                (Source: http://www.economist.com/news/business/21657827-

                                   latinamericas-oil-fi rms-need-more-foreign-capital-historic-auctionmexico-shows)

In the sentence “Officials blamed the disappointing outcome on the sagging international oil market” the word “sagging” means

  • A stable
  • B unhappy
  • C reduced in value
  • D full of interest
  • E greedy
42

Text 1

                                                                                                                            The good oil boys club

      It should have been a day of high excitement. A public auction on July 15th marked the end of a 77-year monopoly on oil exploration and production by Pemex, Mexico`s state-owned oil company, and ushered in a new era of foreign investment in Mexican oil that until a few years ago was considered unimaginable.

      The Mexican government had hoped that its firstever auction of shallow-water exploration blocks in the Gulf of Mexico would successfully launch the modernisation of its energy industry. In the run-up to the bidding, Mexico had sought to be as accommodating as its historic dislike for foreign oil companies allowed it to be. Juan Carlos Zepeda, head of the National Hydrocarbons Commission, the regulator, had put a premium on transparency, saying there was “zero room” for favouritism.

      When prices of Mexican crude were above $100 a barrel last year (now they are around $50), the government had spoken optimistically of a bonanza. It had predicted that four to six blocks would be sold, based on international norms.

      It did not turn out that way. The results fell well short of the government’s hopes and underscore how residual resource nationalism continues to plague the Latin American oil industry. Only two of 14 exploration blocks were awarded, both going to the same Mexican-led trio of energy fi rms. Offi cials blamed the disappointing outcome on the sagging international oil market, but their own insecurity about appearing to sell the country’s oil too cheap may also have been to blame, according to industry experts. On the day of the auction, the fi nance ministry set minimum-bid requirements that some considered onerously high; bids for four blocks were disqualifi ed because they failed to reach the offi cial fl oor.

                                                                (Source: http://www.economist.com/news/business/21657827-

                                   latinamericas-oil-fi rms-need-more-foreign-capital-historic-auctionmexico-shows)

According to text 1 above, Juan Carlos Zepeda

  • A disliked all foreign oil companies.
  • B was for favouritism.
  • C gave reluctant support to the first auction.
  • D was certain that no rigging was to happen.
  • E was against the auction.
43

Text 1

                                                                                                                            The good oil boys club

      It should have been a day of high excitement. A public auction on July 15th marked the end of a 77-year monopoly on oil exploration and production by Pemex, Mexico`s state-owned oil company, and ushered in a new era of foreign investment in Mexican oil that until a few years ago was considered unimaginable.

      The Mexican government had hoped that its firstever auction of shallow-water exploration blocks in the Gulf of Mexico would successfully launch the modernisation of its energy industry. In the run-up to the bidding, Mexico had sought to be as accommodating as its historic dislike for foreign oil companies allowed it to be. Juan Carlos Zepeda, head of the National Hydrocarbons Commission, the regulator, had put a premium on transparency, saying there was “zero room” for favouritism.

      When prices of Mexican crude were above $100 a barrel last year (now they are around $50), the government had spoken optimistically of a bonanza. It had predicted that four to six blocks would be sold, based on international norms.

      It did not turn out that way. The results fell well short of the government’s hopes and underscore how residual resource nationalism continues to plague the Latin American oil industry. Only two of 14 exploration blocks were awarded, both going to the same Mexican-led trio of energy fi rms. Offi cials blamed the disappointing outcome on the sagging international oil market, but their own insecurity about appearing to sell the country’s oil too cheap may also have been to blame, according to industry experts. On the day of the auction, the fi nance ministry set minimum-bid requirements that some considered onerously high; bids for four blocks were disqualifi ed because they failed to reach the offi cial fl oor.

                                                                (Source: http://www.economist.com/news/business/21657827-

                                   latinamericas-oil-fi rms-need-more-foreign-capital-historic-auctionmexico-shows)

As stated in the passage, the public auction

  • A gave rise to new times concerning oil production.
  • B started the monopoly on oil exploration.
  • C cut off the hopes for a bonanza.
  • D was successful in achieving the modernization of Mexican economy.
  • E set out apprehension for the expansion of oil exploration and production.
44

Questions 34 through 38 refer to the following text.


We've been keeping our veterinarian in business lately.
First Sammy, our nine-year-old golden retriever, needed
surgery. (She's fine now.) Then Inky, our curious cat,
burned his paw. (He'll be fine, too.) At our last visit, as we
were writing our fourth (or was it the fifth?) consecutive
check to the veterinary hospital, there was much joking
about how vet bills should be tax-deductible. After all, pets
are dependents, too, right? (Guffaws all around.)

Now, halfway through tax-filing season, comes news
that pets are high on the list of unusual deductions
taxpayers try to claim. From routine pet expenses to the
costs of adopting a pet to, yes, pets as "dependents," tax
accountants have heard it all this year, according to the
Minnesota Society of Certified Public Accountants, which
surveys its members annually about the most outlandish

tax deductions proposed by clients. Most of these doggy

deductions don't hunt, but, believe it or not, some do. Could

there be a spot for Sammy and Inky on our 1040?


Scott Kadrlik, a certified public accountant in Eden Prairie,

Minn., who moonlights as a stand-up comedian (really!),

gave me a dog's-eye view of the tax code: "In most cases

our family pets are just family pets," he says. They cannot

be claimed as dependents, and you cannot deduct the

cost of their food, medical care or other expenses. One

exception is service dogs. If you require a Seeing Eye

dog, for example, your canine's costs are deductible as

a medical expense. Occasionally, man's best friend also

is man's best business deduction. The Doberman that

guards the junk yard can be deductible as a business

expense of the junk-yard owner, says Mr. Kadrlik. Ditto the

convenience-store cat that keeps the rats at bay.


For most of us, though, our pets are hobbies at most.

Something's a hobby if, among other things, it hasn't turned

a profit in at least three of the past five years (or two of the

past seven years in the case of horse training, breeding

or racing). In that case, you can't deduct losses—only

expenses to the extent of income in the same year. So if

your beloved Bichon earns $100 for a modeling gig,

you could deduct $100 worth of vet bills (or dog food or doggy

attire).




(Source: Carolyn Geer, The Wall Street Journal, retrieved on 13 March 2014 - slightly adapted)


The title that best conveys the main purpose of the article is:

  • A Sammy and Inky Run Up a Hospital Bill.
  • B Vet Bills Should Be Tax-Deductible.
  • C Are Your Pets Tax Deductions?
  • D The Case for Pets as Dependents.
  • E How to Increase Your Tax Refund.

Noções de Informática

45

No Microsoft Word,

  • A pode-se copiar um texto através do recurso arrastar-e- soltar, mantendo-se a tecla Ctrl pressionada.

  • B são efeitos de fonte: Tachado misto, Sobrescrito, Contorno, Relevância, Versalete.

  • C pode-se copiar um texto através do recurso arrastar-e- soltar, mantendo-se a tecla Alt pressionada.

  • D são efeitos de fonte: Tachado, Sobreposto, Compactado, Relevo, Versalete.

  • E são efeitos de fonte: Tachado duplo, Inter-escrito, Contorno, Relevo, Versão.

46

Assinale a opção correta relativa à Segurança da Informação

  • A Criptografa: técnica para converter uma mensagem de texto entre sistemas operacionais distintos
  • B Autenticação: sequência de símbolos destinada a permitir que o algoritmo cifre uma mensagem em texto claro ou decifre uma mensagem criptografada.
  • C Autenticação: procedimento destinado a autorizar a sintaxe de determinada mensagem.
  • D Autenticação: procedimento destinado a verificar a validade de determinada mensagem.
  • E Inicializador: sequência de símbolos destinada a permitir que o algoritmo inicie uma mensagem em texto claro para decifrar uma mensagem criptografada.
47

No Microsoft PowerPoint,

  • A adota-se uma estrutura de slide inicial para uma apresentação por meio de Apresentação de SlidesLayoutEstrutura inicialSlide de título.
  • B uma imagem pode ser inserida em um slide por meio de DesignConfigurar páginaMarcação de arquivo de imagemAbrir.
  • C uma imagem pode ser inserida em um slide por meio de ExibiçãoImagemMarcação de arquivo de imagemInserir.
  • D uma imagem pode ser inserida em um slide por meio de InserirImagemMarcação de arquivo de imagemAbrir.
  • E adota-se uma estrutura de slide inicial para uma apresentação por meio de InícioRedefinirEstrutura padrãoSlide mestre.
48
A virtualização de servidores é o particionamento de um servidor físico em múltiplos servidores afim de que cada um:
  • A tenha os provedores e as capacidades de monitoramento em sua própria máquina de compilação.
  • B tenha a execução e as aparências de provedores semânticos em sua própria hierarquia dedicada.
  • C tenha a aparência e as capacidades de execução em sua própria máquina dedicada.
  • D virtualize usuários dedicados em sua máquina de centralização dedicada
  • E tenha a aparência lógica das capacidades de roteamento em sua própria máquina de depuração.
49

A Microsoft permite que os arquivos do Word, Excel, PowerPoint e OneNote da suíte Office 2010 sejam armazenados na Web, tornando possível que os arquivos sejam acessados, exibidos, editados e compartilhados de qualquer lugar. A solução que viabiliza isto é a

  • A Microsoft Office Web Apps.
  • B Microsoft Online Web PPT Files.
  • C Microsoft Internet Explorer.
  • D Microsoft Windows Office for Web.
  • E Microsoft Office Intranet System.
Voltar para lista