Resolver o Simulado Câmara Municipal de São José do Rio Preto - SP - Oficial Legislativo - VUNESP - Nível Médio

0 / 30

Matemática

1

Uma pessoa aplicou um capital a juro simples com taxa de 1,5% ao mês, durante 6 meses, e recebeu R$ 45,00 de juros. Se essa pessoa tivesse colocado R$ 200,00 a mais nessa mesma aplicação, pelo mesmo tempo, o juro recebido superaria o juro anterior em

  • A R$ 20,00
  • B R$ 18,00.
  • C R$ 16,00.
  • D R$ 14,00.
  • E R$ 12,00.

Raciocínio Lógico

2

Considere a seguinte sequência numérica: (2, 5, –1, 8, –4, 11, –7,...)

Mantida a regularidade, o próximo elemento dessa sequência será

  • A 14.
  • B 15
  • C 16.
  • D 17
  • E 18.

Matemática

3

A cada 2 horas e meia, um boletim informativo é publicado na internet por uma agência A. Outra agência de informações, B, publica seu boletim informativo na internet a cada 90 minutos, ao passo que uma agência C publica seu boletim informativo de 3 em 3 horas, também na internet. Sabendo-se que exatamente às 8 horas da manhã de um determinado dia essas 3 agências de informações publicaram seus boletins na internet ao mesmo tempo, e considerando que desse horário em diante, naquele dia, não houve atrasos nas publicações dessas agências, é correto afirmar que esses boletins foram novamente publicados ao mesmo tempo, nesse mesmo dia, às

  • A 19 horas.
  • B 20 horas.
  • C 21 horas.
  • D 22 horas.
  • E 23 horas.
4

De 2012 para 2013, duas escolas, A e B, juntas, tiveram um aumento de 16% no número de alunos matriculados. O aumento no número de alunos na escola A foi de 12%, e na escola B, de 18%. Se o número de alunos matriculados na escola A, em 2013, é 252, o número de alunos matriculados, na escola B, em 2013, é

  • A 450.
  • B 482.
  • C 531.
  • D 554.
  • E 573.
5

A tabela a seguir mostra o tempo, aproximado, que um professor leva para elaborar cada questão de matemática.

O tempo, aproximado, gasto na elaboração dessas questões foi

  • A 4h e 48min
  • B 5h e 12min
  • C 5h e 28min
  • D 5h e 42min.
  • E 6h e 08min.
6

Uma caixa tem o formato de um paralelepípedo retân gulo e suas dimensões internas são: 2,4 m, 2,0 m e 1,8 m, respectivamente para comprimento, largura e altura. Essa caixa está completamente cheia de água. Um vazamento faz com que haja uma perda de água à razão de 1,5 litro/segundo. Supondo que essa seja a única causa do esvaziamento da caixa, pode-se concluir que essa caixa estará totalmente vazia em

  • A 1 h 44 min.
  • B 1 h 36 min.
  • C 1 h 24 min.
  • D 1 h 6 min.
  • E 1 h 2 min.
7

Um oficial foi designado para comandar o policiamento ostensivo em uma região de formato triangular, mostrada na figura.



Formou duas equipes, tendo uma 4 e a outra 7 viaturas, e dividiu a área total dessa região de forma diretamente proporcional ao número de viaturas de cada equipe. Sabendo que a equipe com 7 viaturas deverá executar o trabalho em uma área de 5,25 km2 , pode­se afirmar que a distância em linha reta entre os pontos B e D é, em quilômetros, igual a

  • A 2,25.
  • B 2,70.
  • C 3,15.
  • D 3,30.
  • E 3,45.

Raciocínio Lógico

8

Em um grupo composto por X pessoas, os que têm curso de ensino superior cursaram administração de empresas ou ciências econômicas, apenas. Das X pessoas, sabe-se que exatamente 150 cursaram administração de empresas, que exatamente 100 cursaram administração de empresas e ciências econômicas, que exatamente 230 cursaram apenas um desses dois cursos, e que exatamente 110 não cursaram ciências econômicas. Sendo assim, é possível afirmar, corretamente, que o valor de X é

  • A 360.
  • B 370.
  • C 380.
  • D 390.
  • E 400.

Matemática

9

Considere um empréstimo de certo valor por 5 meses, contraído no sistema de juro simples, a uma taxa de 14,4% ao ano. Sabendo-se que o montante a ser pago na data de vencimento do empréstimo será igual a R$ 5.300,00, pode-se afirmar, corretamente, que o valor emprestado foi de

  • A R$ 4.900,00.
  • B R$ 4.950,00.
  • C R$ 5.000,00.
  • D R$ 5.050,00.
  • E R$ 5.100,00.
10

Em um dia de muita chuva e trânsito caótico, 25 dos alunos de certa escola chegaram atrasados, sendo que 14 dos atrasados tiveram mais de 30 minutos de atraso. Sabendo que todos os demais alunos chegaram no horário, pode-se afirmar que nesse dia, nessa escola, a razão entre o número de alunos que chegaram com mais de 30 minutos de atraso e o número de alunos que chegaram no horário, nessa ordem, foi de

  • A 2:3.
  • B 1:3.
  • C 1:6.
  • D 3:4.
  • E 2:5.

Português

11
Nossas palavras

Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos trocado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. Às vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empina papagaio e corta o adversário “no gasgo". Não sei se no universo das pipas, lá fora, ocorrem os mesmos e magníficos embates que se verificam aqui, “cortando e aparando" os adversários.adversários.

Outra situação: personagens estão jogando uma “pelada" enquanto outros estão “na grade". Quem está na grade aguarda o desfecho da partida, para jogar contra o vencedor, certamente porque espera fora do campo, demarcado por uma grade. Vai explicar…

E aqueles dois bebedores eméritos que “bebem de testa" até altas horas? Por aqui, beber de testa é quase um embate para saber quem vai desistir primeiro, empilhando as grades de cerveja ao lado da mesa.

Penso que o uso das gírias - palavras bem locais, quase dialeto, que funcionam na melodia do nosso texto - é parte da nossa criatividade, uma qualidade da literatura brasileira. Quanto a mim, uso pouco, aqui e ali, nossas palavras. Procuro ser econômico. Mesmo assim, vou respondendo aos e-mails. Ele me diz que, enfim, está tudo pronto.

(Edyr Augusto Proença, http://blogdaboitempo.com.br, 26.07.2013. Adaptado)

Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos trocado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. Às vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empina papagaio e corta o adversário “no gasgo".

O pronome possessivo em – “meu Pará" – atribui ao termo Pará a ideia de que se trata de um lugar

  • A desdenhado pelo autor.
  • B estimado pelo autor
  • C adquirido pelo autor.
  • D subjugado pelo autor.
  • E abandonado pelo autor.
12
A tecnologia e o futuro do policiamento

O policiamento - como todas as demais atividades - está sendo reimaginado na era das montanhas de dados, sob a expectativa de que uma análise mais ampla e profunda sobre crimes passados, combinada a algoritmos1 sofisticados, possa ajudar a prever futuros delitos. Trata-se de uma prática conhecida como “policiamento preditivo” e, ainda que exista há apenas alguns anos, muitos especialistas a veem como uma revolução na forma pela qual o trabalho policial é realizado.
Um exemplo é o departamento de polícia de Los Angeles, que está usando um software chamado PredPol. O software começa pela análise de anos de estatísticas criminais disponíveis, depois divide o mapa de patrulha em zonas (de cerca de 45 metros quadrados) e calcula a distribuição e frequência de crimes em cada uma delas. Por fim, informa aos policiais sobre as probabilidades de local e horário de crimes, o que permite que eles policiem de maneira mais intensa as áreas sob ameaça.
A atraente ideia que embasa o policiamento preditivo é a de que é muito melhor prevenir um crime antes que aconteça do que chegar depois e investigá-lo. Assim, mesmo que os policiais em patrulha não apanhem o bandido em flagrante, sua presença no lugar certo e na hora certa pode exercer efeito dissuasório2.
A lógica parece sólida. Em Los Angeles, houve um declínio de 13% na criminalidade. A cidade de Santa Cruz, também usuária do PredPol, viu queda de 30% no número de furtos.
Mas, apesar do mérito inegável do novo sistema, há quem questione sua eficácia, uma vez que as ações da polícia não podem ser guiadas apenas pela interpretação de números aproximados. Isso porque, nos regimes democráticos, a polícia precisa de causa provável - alguma forma de prova, e não apenas um palpite - para deter e revistar alguém na rua.
Também há o problema dos crimes que passam sem denúncia. Embora a maioria dos homicídios seja denunciada, muitos estupros e furtos residenciais não são. Mesmo na ausência desse tipo de denúncia, a polícia continua a desenvolver métodos de descobrir quando algo de estranho acontece em um bairro. Os críticos do policiamento preditivo temem que esse conhecimento obtido pela análise atenta que os policiais fazem de seu entorno seja substituído pela análise exclusiva das estatísticas. Se apenas dados sobre crimes que foram registrados em queixas formais forem usados para prever futuros crimes e orientar o trabalho policial, algumas formas de crime poderão passar sem registro - e, com isso, sem qualquer repressão.
As recompensas do policiamento preditivo podem ser reais, mas seus perigos também o são. A polícia precisa sujeitar seus algoritmos a um rigoroso exame externo e enfrentar a questão das distorções implícitas que carreguem.

1 algoritmo: conjunto das regras e procedimentos lógicos que levam à solução de um problema.
2 dissuasório: que convence ou tenta convencer a desistir.



De acordo com o quinto parágrafo, nos regimes democráticos, para deter e revistar alguém na rua, a polícia precisa agir com base em:

  • A evidências.
  • B rumores.
  • C estimativas.
  • D suspeitas.
  • E instinto.
13

Assinale a alternativa correta quanto à concordância nominal, segundo a norma-padrão.

  • A Os gritos de dona Irene ecoaram alto e deixaram as pessoas atentas
  • B Com o acontecido, dona Irene voltou para casa meia amedrontada
  • C Devido à violência, há menas pessoas andando nas ruas
  • D Dona Irene deu bastante gritos para chamar a atenção das pessoas
  • E Os ladrões, meio assustado, podem fazer coisas inima- gináveis
14

E la nave va...

1 - Atenção, senhores passageiros! Lamentamos informar que neste momento navegamos pelo universo a bordo de uma nave que vem inspirando cuidados cada vez maiores em todos os passageiros. Tecnicamente estamos à deriva, mas não há motivo para pânico. Ainda é possível restabelecer as condições de voo, desde que todos colaborem. Os passageiros da primeira classe, principalmente.

2 - A fumaça lançada no ar pelos mais ricos fez a temperatura da nave aumentar 0,6ºC no último século. Nesse ritmo, chegaremos ao final deste século com a temperatura aumentando de um a seis graus centígrados. Nosso sistema de refrigeração não é capaz de enfrentar esse aquecimento global. Não há água limpa suficiente para todos. Ou evitamos o desperdício, distribuindo melhor o que resta, ou teremos sérios problemas daqui para frente .

3 - Lembramos que dividimos espaço com outras formas de vida, que chegaram antes de nós e que estão desaparecendo rapidamente, numa velocidade dez mil vezes maior do que antes de nossa chegada. Cada um de nós, nesta nave, tem uma função, portanto cada espécie animal ou vegetal extinta produz impactos importantes no equilíbrio da vida.

4 - A distribuição dos passageiros pela nave se dá de forma desigual. Quase metade dos lugares é ocupada por passageiros que sobrevivem com apenas 2 dólares por dia. Pedimos desculpas pelas péssimas condições de viagem desse grupo, mas lembramos que a culpa não é da nave. Estamos equipados com recursos suficientes para que todos façam uma viagem tranquila, sem agonia ou sofrimento.

5 - Se a distribuição dos recursos não se dá de forma satisfatória, o problema é de quem se apossou de muito mais do que precisa, sem prestar atenção para o que acontece em volta. Registramos com desgosto que 800 mil passageiros se encontram subnutridos e 24 mil morrem todos os dias por causa da fome.

6 - A nave é de paz, mas alguns passageiros, não. Percebemos, constrangidos, que os gastos crescentes com a indústria bélica seriam mais do que suficientes para resolver o problema da fome. É importante frisar que nossa nave não dispõe de saídas de emergência, nem há outra opção para os passageiros a não ser permanecer aqui. De design arrojado e semblante azul, nossa nave foi concebida para ser o mais aconchegante abrigo do universo.

7- Agradecemos a boa vontade de todos em discutir o plano de voo que seguiremos daqui para frente. Lembramos que a responsabilidade é compartilhada e que todos contribuímos em maior ou menor grau para o sucesso desta viagem.


Observe que todo o texto é construído em linguagem figurada, uma das características da função poética. No entanto, a função emotiva faz-se presente no seguinte trecho:

  • A Atenção, senhores passageiros! (parágrafo 1)
  • B [...] cada espécie animal ou vegetal extinta produz impactos importantes no equilíbrio da vida. (parágrafo 3)
  • C De [...] semblante azul, nossa nave foi concebida para ser o mais aconchegante abrigo do universo.(parágrafo 6)
  • D Percebemos, constrangidos, [...] os gastos crescentes com a indústria bélica [...] (parágrafo 6)
15
Os desafios da saúde pública no Brasil

Tornou-se lugar comum dizer que o Brasil têm inúmeros problemas e que há enormes dificuldades em serem solucionados, seja devido ao descaso do governo, aos problemas com a corrupção ou ao pouco tempo para colocar em prática políticas públicas que precisam ser implantadas em longo prazo.
A melhoria da saúde pública é um desses grandes desafios que o Brasil precisa vencer, principalmente quando avaliamos o Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, não podemos negar que a recente polêmica em torno da vinda de médicos estrangeiros para o país reacendeu a discussão.
Historicamente, a Constituição Federal de 1988 instituiu o SUS, que tem sua origem no movimento conhecido como Revolução Sanitária, nascido nos meios acadêmicos na década de 1970. A implantação do Sistema foi de grande valia no setor da saúde do brasileiro, porém, hoje, sabe-se que esse Sistema não funciona essencialmente conforme seus princípios: saúde como direito de todos, pregando pela Universalidade, Equidade e Integralidade da atenção à saúde da população brasileira.
Para garantir saúde pública de qualidade a toda população, o Brasil ainda precisa percorrer um longo caminho. A falta de médicos em regiões afastadas em contraponto à intensa concentração nas grandes cidades, a ausência de estrutura nos hospitais da rede pública, além da dificuldade em conseguir atendimento no SUS são apenas alguns dos números problemas que atingem os brasileiros que tentam utilizar a saúde pública diariamente.
Para entendermos a dimensão do SUS, de acordo com o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde é considerado o maior sistema público de transplantes de órgão do mundo, e, em 2013, respondeu por 98% do mercado de vacinas e por 97% dos procedimentos de quimioterapia, tendo atendido entre 2010 e 2012 mais de 32,8 milhões de procedimentos oncológicos.
No entanto, o primeiro desafio do SUS esbarra no suporte dos postos e centros de saúde, além das unidades do Programa Saúde da Família, já que, se estes serviços funcionassem plenamente, seriam capazes de atender e resolver 80% dos problemas de saúde da população, desafogando, assim, os hospitais e clínicas especializadas, que poderiam dar mais atenção aos casos de maior complexidade. Além disso, muitas vezes, as doenças dos pacientes encaminhados aos hospitais poderiam ser evitadas, com ações mais efetivas na área da prevenção ou se tratadas em estágio inicial.
Infelizmente, o Brasil ainda tem muito que aprender e melhorar. Enquanto bilhões de reais foram aplicados em arenas esportivas, milhares de pessoas esperam nas filas em postos de saúde e hospitais públicos, além da falta de leitos e carência de médicos. Não basta apenas ampliar os investimentos em saúde pública,é preciso reverter a má distribuição dos recursos e melhorar a infraestrutura nas regiões mais desassistidas.
(DINIZ, Janguiê. Disponível em: http://www.joaquimnabuco.edu.br/artigo/exibir/cid/10/nid/619/fid/1. Acesso em: 03/02/2015. Adaptado.)

“No trecho “Não basta apenas ampliar os investimentos em saúde pública, é preciso reverter a má distribuição dos recursos e melhorar a infraestrutura nas regiões mais desassistidas.” (7º§), as palavras destacadas significam, respectivamente,
  • A avaliar e abandonadas.
  • B encaminhar e afastadas.
  • C aumentar e desamparadas.
  • D desenvolver e problemáticas.
16
Queixo duplo

Psicólogos, pedagogos e linguistas advertem: o smartphone é antissocial - ao mesmo tempo em que parece conectar as pessoas, na verdade as afasta e faz com que se confinem individualmente na mediocridade de uma telinha de três polegadas. Pode-se estar num restaurante, teatro, praia ou até passeando em Paris - se o sujeito estiver empalmando um smartphone, nada e ninguém mais existirá. A badalhoca abole a vida ao redor.
Apesar disso, raros se habilitam a tentar equilibrar essa servidão com a riqueza da vida real, onde as coisas têm forma, volume, peso, cheiros e cores. Neste momento, já há dezenas de milhões de crianças que não conheceram o mundo antes do smartphone. Mais um pouco e não acreditarão que esse mundo um dia existiu.
Se as pessoas insistem em ignorar as conclusões de tais estudiosos e não se importam de reduzir suas mentes à condição de apêndice de um aparelho, talvez se assustem ao saber que o smartphone também as atinge em algo que ainda devem valorizar: o corpo.
Cidadãos habituados a usar o smartphone enquanto caminham pela rua tendem a torcer o pé em buracos no calçamento, ser tragados por bueiros, tropeçar no meio-fio e abalroar-se uns aos outros. Os mais compenetrados não estão livres de ser atropelados pelo pipoqueiro.
Se isto não basta para que as pessoas deem um pouco de sossego ao smartphone, resta informar que, para alguns fisioterapeutas, a postura curvada - a cabeça em ângulo reto em relação ao pescoço, exigida para se ler ou escrever na telinha - pode vergar a coluna mais ereta à forma de um ponto de interrogação. E o queixo cravado ao peito tantas horas por dia está levando as pessoas mais bonitas a desenvolverem queixo duplo.

(Ruy Castro. Folha de S.Paulo, 12.05.2014. Adaptado)

É correto concluir, a partir da leitura do penúltimo parágrafo do texto, que o hábito de usar o smartphone enquanto caminham torna as pessoas

  • A desacreditadas.
  • B apreensivas.
  • C cuidadosas.
  • D prevenidas.
  • E desatentas.
17

     O mal-estar provocado por gripes e resfriados é o principal motivo que os brasileiros alegam para se ausentar do trabalho, apontou a PNS (Pesquisa Nacional de Saúde), divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

     O levantamento mostrou que 17,8% dos brasileiros que faltaram ao trabalho pelo menos um dia alegaram ter tido gripe ou resfriado. A pesquisa foi feita em 2013, em 62,9 mil domicílios em todos os Estados da federação. O estudo é inédito e não tem, portanto, base de comparação.

     Ainda que virais, a gripe e o resfriado têm diferenças. Segundo o médico Drauzio Varela, o resfriado é menos intenso e caracteriza-se por coriza, cabeça pesada e irritação na garganta. Mais brando, pode provocar febres isoladas, que não ultrapassam 38,5 graus. A gripe pode derrubar a pessoa por alguns dias, requer repouso, boa hidratação e, com a orientação profissional, uso de analgésicos e antitérmicos.

(Lucas Vettorazzo. “Resfriado é principal motivo para falta no trabalho ou estudos, aponta IBGE”. www.folha.uol.com.br, 02.06.2015. Adaptado)

A forma verbal em destaque em cada alternativa está empregada corretamente, no que se refere à concordância padrão da língua portuguesa, em:

  • A Coriza, cabeça pesada e irritação na garganta faz parte do quadro de sintomas do resfriado.
  • B Entre as causas das ausências no trabalho, está o mal-estar característico de gripes e resfriados.
  • C Dados de pesquisa divulgada pelo IBGE revela os principais motivos de faltas ao trabalho.
  • D Em alguns casos de resfriado, ocorre febres isoladas, mais brandas que em estados gripais.
  • E Geralmente, as pessoas com gripe utiliza medicamentos sem a devida orientação profissional.
18

O papa Francisco pediu nesta sexta-feira (23) que os aparelhos tecnológicos, como celulares e tablets, não atrapalhem as conversas em família que, para ele, são o berço da comunicação.

Em seu discurso anual pelo dia católico das comunicações, o pontífice afirmou que o uso dessas ferramentas pode tanto ajudar como prejudicar a comunicação entre as famílias. Ao mesmo tempo, podem ajudar as pessoas a se evitarem.

“O grande desafio que enfrentamos hoje é reaprender a falar uns com os outros, não simplesmente como gerar e consumir informação”, disse.

“Eles atrapalham quando se tornam uma via de escape para ouvir, se isolar, mas podem favorecer se ajudam a conversar e a dividir. Que as famílias orientem o nosso relacionamento com as tecnologias ao invés de serem guiadas por elas”, destacou.

Para Francisco, o núcleo familiar é o primeiro local onde as pessoas aprendem a comunicar e é preciso “voltar a esse momento para deixar a comunicação entre as pessoas mais autêntica e humana”.

“Em um mundo em que se gasta muito tempo em falar mal, semear a discórdia, poluir as conversas com nosso ambiente humano, a família pode ser uma escola de comunicação abençoada. E a bênção deve permanecer, inevitavelmente, acima do ódio e da violência”, ressaltou.

O tema do dia da comunicação deste ano coincide com o encerramento de dois anos de discussões sobre a família que terão seu ponto alto em outubro, no Sínodo da Família, com a participação de bispos e cardeais.

Dentre os assuntos que possivelmente serão debatidos, estão o divórcio, as uniões estáveis, as crianças transgênero e a união homossexual.

No tocante à sintaxe de concordância, examine as afirmações seguintes e observe se elas são verdadeiras ou falsas. Aponte a alternativa correta.

I. No fragmento “as conversas em família que, para ele, são o berço da comunicação” (l. 02), o verbo ser pode ser flexionado no singular, concordando com o predicativo do sujeito.
II. Em “para deixar a comunicação entre as pessoas mais autêntica e humana” (l. 12 e 13), os adjetivos estão no feminino singular porque concordam com o objeto direto “comunicação”.
III. No sintagma “as crianças transgênero” (l. 21), o adjetivo deveria ter concordado com o substantivo, ou seja, deveria ser as crianças transgêneras.

  • A Só III é falsa.
  • B I e II são falsas.
  • C II e III são falsas.
  • D Só II é verdadeira.
19
“Xadrez que liberta”: estratégia, concentração e reeducação

João Carlos de Souza Luiz cumpre pena há três anos e dois meses por assalto. Fransley Lapavani Silva está há sete anos preso por homicídio. Os dois têm 30 anos. Além dos muros, grades, cadeados e detectores de metal, eles têm outros pontos em comum: tabuleiros e peças de xadrez.

O jogo, que eles aprenderam na cadeia, além de uma válvula de escape para as horas de tédio, tornou-se uma metáfora para o que pretendem fazer quando estiverem em liberdade.

“Quando você vai jogar uma partida de xadrez, tem que pensar duas, três vezes antes. Se você movimenta uma peça errada, pode perder uma peça de muito valor ou tomar um xeque-mate, instantaneamente. Se eu for para a rua e movimentar a peça errada, eu posso perder uma peça muito importante na minha vida, como eu perdi três anos na cadeia. Mas, na rua, o problema maior é tomar o xeque-mate”, afirma João Carlos.

O xadrez faz parte da rotina de cerca de dois mil internos em 22 unidades prisionais do Espírito Santo. É o projeto “Xadrez que liberta”. Duas vezes por semana, os presos podem praticar a atividade sob a orientação de servidores da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus). Na próxima sexta-feira, será realizado o primeiro torneio fora dos presídios desde que o projeto foi implantado. Vinte e oito internos de 14 unidades participam da disputa, inclusive João Carlos e Fransley, que diz que a vitória não é o mais importante.

“Só de chegar até aqui já estou muito feliz, porque eu não esperava. A vitória não é tudo. Eu espero alcançar outras coisas devido ao xadrez, como ser olhado com outros olhos, como estou sendo olhado de forma diferente aqui no presídio devido ao bom comportamento”.

Segundo a coordenadora do projeto, Francyany Cândido Venturin, o “Xadrez que liberta” tem provocado boas mudanças no comportamento dos presos. “Tem surtido um efeito positivo por eles se tornarem uma referência positiva dentro da unidade, já que cumprem melhor as regras, respeitam o próximo e pensam melhor nas suas ações, refletem antes de tomar uma atitude”.

Embora a Sejus não monitore os egressos que ganham a liberdade, para saber se mantêm o hábito do xadrez, João Carlos já faz planos. “Eu incentivo não só os colegas, mas também minha família. Sou casado e tenho três filhos. Já passei para a minha família: xadrez, quando eu sair para a rua, todo mundo vai ter que aprender porque vai rolar até o torneio familiar”.

“Medidas de promoção de educação e que possibilitem que o egresso saia melhor do que entrou são muito importantes. Nós não temos pena de morte ou prisão perpétua no Brasil. O preso tem data para entrar e data para sair, então ele tem que sair sem retornar para o crime”, analisa o presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Bruno Alves de Souza Toledo.

(Disponível em: www.inapbrasil.com.br/en/noticias/xadrez-que-liberta-estrategia- -concentracao-e-reeducacao/6/noticias. Acesso em: 18.08.2012. Adaptado)

Segundo o texto, pode-se afirmar corretamente que

  • A o fato de o Brasil não ter pena de morte contribui para o aumento da criminalidade, já que o preso tem data para entrar e data para sair da cadeia
  • B João Carlos e Fransley, presos que cumprem pena por homicídio, passaram a refletir melhor com a ajuda do xadrez antes de tomar qualquer atitude
  • C para o interno Fransley Lapavani, um dos participantes do primeiro torneio fora dos presídios, vencer é o que mais importa.
  • D tomar um xeque-mate na vida significa, indubitavelmente, ser morto por um policial durante um assalto.
  • E para a coordenadora Francyany, o xadrez causa impacto positivo tanto na vida dos que jogam quanto na vida dos que não jogam.
20
Tomadas e oboés

“O do meio, com heliponto, tá vendo?", diz o taxista, apontando o enorme prédio espelhado, do outro lado da marginal: “A parte elétrica, inteirinha, meu cunhado que fez". Ficamos admirando o edifício parcialmente iluminado ao cair da tarde e penso menos no tamanho da empreitada do que em nossa variegada humanidade: uns se dedicam à escrita, outros a instalações elétricas, lembro-me do meu tio Augusto, que vive de tocar oboé. “Fio, disjuntor, tomada, tudo!", insiste o motorista, com tanto orgulho que chega a contaminar-me.

Pergunto quantas tomadas ele acha que tem, no prédio todo. Há quem ria desse tipo de indagação. Meu taxista, não. É um homem sério, eu também, fazemos as contas: uns dez escritórios por andar, cada um com umas seis salas, vezes 30 andares. “Cada sala tem o quê? Duas tomadas?"

“Cê tá louco! Muito mais! Hoje em dia, com computador, essas coisas? Depois eu pergunto pro meu cunhado, mas pode botar aí pra uma média de seis tomadas/sala."

Ok: 10 x 6 x 6 x 30 = 10.800. Dez mil e oitocentas tomadas! Há 30, 40 anos, uma hora dessas, a maior parte das tomadas já estaria dormindo o sono dos justos, mas a julgar pelo número de janelas acesas, enquanto volto para casa, lentamente, pela marginal, centenas de trabalhadores suam a camisa, ali no prédio: criam logotipos, calculam custos para o escoamento da soja, negociam minério de ferro. Talvez até, quem sabe, deitado num sofá, um homem escute em seu iPod as notas de um oboé.

Alegra-me pensar nesse sujeito de olhos fechados, ouvindo música. Bom saber que, na correria geral, em meio a tantos profissionais que acreditam estar diretamente envolvidos no movimento de rotação da Terra, esse aí reservou-se cinco minutos de contemplação.


Está tarde, contudo. Algo não fecha: por que segue no escritório, esse homem? Por que não voltou para a mulher e os filhos, não foi para o chope ou o cinema? O homem no sofá, entendo agora, está ainda mais afundado do que os outros. O momento oboé era apenas uma pausa para repor as energias, logo mais voltará à sua mesa e a seus logotipos, à soja ou ao minério de ferro.

“Onze mil, cento e cinquenta", diz o taxista, me mostrando o celular. Não entendo. “É o SMS do meu cunhado: 11.150 tomadas."

Olho o prédio mais uma vez, admirado com a instalação elétrica e nossa heteróclita humanidade, enquanto seguimos, feito cágados, pela marginal.

(Antonio Prata, Folha de S.Paulo, 06.03.2013. Adaptado)

No trecho do sexto parágrafo – Bom saber que, na correria geral, em meio a tantos profissionais que acreditam estar diretamente envolvidos no movimento de rotação da Terra, esse aí reservou-se cinco minutos de contemplação. –, o segmento em destaque expressa, de modo figurado, um sentido equivalente ao da expressão: profissionais que acreditam ser

  • A flexíveis, que sabem valorizar os momentos de ócio
  • B incompreendidos, que são obrigados a trabalhar além do expediente.
  • C metódicos, que gerenciam com rigidez a vida corporativa.
  • D indispensáveis, que consideram realizar um trabalho de grande importância
  • E desvalorizados, que não são devidamente reconhecidos

Noções de Informática

21
Considere a visualização de recuo de um parágrafo qualquer de um documento do MS-Word 2010, em sua configuração original:





Assinale a alternativa que contém os parâmetros de recuo utilizados neste parágrafo.
  • A Esquerda: 0 cm
    Direita: 0 cm
    Especial: (nenhum)
    Por:
  • B Esquerda: 1,25 cm
    Direita: 1,25 cm
    Especial:
    Primeira linha Por: 1,25 cm
  • C Esquerda: 0 cm
    Direita: 0 cm
    Especial: Deslocamento
    Por: 1,25 cm
  • D Esquerda:1,25 cm
    Direita: 0 cm
    Especial: (nenhum)
    Por:
  • E Esquerda: 0 cm
    Direita: 1,25 cm
    Especial: Deslocamento
    Por: 1,25 cm
22

No MS­Excel 2010, a partir da guia Página Inicial, grupo Alinhamento, existe o botão Orientação, apresentado a seguir.





Por meio desse botão, pode­se, por exemplo,

  • A criar uma nova planilha.
  • B escolher entre os estilos Retrato e Paisagem.
  • C inserir uma fórmula em uma célula.
  • D inclinar um texto no sentido anti­horário.
  • E ordenar uma coluna alfabeticamente.
23

Observe as figuras a seguir, que apresentam o mesmo slide em duas exibições distintas da área de trabalho do Apache OpenOffice Impress 4.0.1, em sua configuração padrão.



A Exibição 1, Normal, é considerada a principal exibição para trabalho com slides individuais. Já a Exibição 2, chamada de__________, é utilizada para adicionar ___________ para um slide.

Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas do enunciado.

  • A Notas … notas
  • B Estrutura de tópicos … tópicos
  • C Folheto … folhetos
  • D Rascunhos … rascunhos
  • E Classificador de slides … classificações
24

No Windows 7, a partir da sua configuração padrão, na sua instalação serão criados, por padrão, 4 Bibliotecas, que são:

  • A Arquivos, Músicas, Fotos e Vídeos.
  • B Arquivos, Download, Músicas e Vídeos.
  • C Documentos, Download, Músicas e Vídeos.
  • D Documentos, Músicas, Imagens e Vídeos.
  • E Documentos, Músicas, Fotos e Vídeos.
25

Considere a janela do MS-Outlook 2010, em sua configuração original, parcialmente apresentada na figura.




Assinale a alternativa que contém a quantidade total de mensagens da Caixa de Entrada

  • A 2029.
  • B 3362
  • C 2607.
  • D 2515
  • E 4
26

Assinale a alternativa que contempla uma orientação correta de como os usuários devem proceder na utilização de um navegador (browser).

  • A Ative sempre Java e ActiveX durante a navegação.
  • B Mantenha seu navegador sempre atualizado
  • C Habilite JavaScript, cookies e pop-up windows ao acessar sites em que são necessários.
  • D Desative temporariamente seu antivírus caso o site não funcione corretamente.
27
“find” é um programa de computador de busca de arquivos utilizado em plataforma Unix e derivados (Linux). Ele procura por um ou mais diretórios na árvore da estrutura do sistema de arquivos, localizando arquivos baseados em um critério estabelecido pelo usuário. Ele também suporta expressões regulares e pode ser usado para aplicar um certo comando em vários arquivos. Então, o comando find ~/ -iname *.pdf ! -size +25M
  • A mostra todos os arquivos “.pdf” maiores que 25MB.
  • B mostra arquivos criados a menos de 25 minutos e que possuem extensão “.pdf”.
  • C mostra todos os arquivos “.pdf” que não sejam maiores que 25MB
  • D conta quantos arquivos “.pdf” há na pasta pessoal “~/”.
28

Observe a figura a seguir para responder à questão. Ela apresenta parte de uma planilha extraída do MS-Excel 2010, em sua configuração padrão.





Considerando que o caractere “;" (ponto e vírgula) está configurado como separador dos argumentos das funções, se substituírmos o conteúdo da célula C7 pela fórmula


=SOMASE(B2:B6;"Analista";C2:C6)-1000


valor apresentado será:

  • A 4.800
  • B 3.800
  • C 1.200
  • D 200
  • E 1
29
No MS-Windows 7, a partir da sua configuração padrão, a tecla que permite capturar uma tela inteira e copiá-la para a Área de Transferência é PrtScn (em alguns teclados, PrtScn pode aparecer como PRTSC, PRTSCN, Print Screen, ou uma abreviação similar). Em vez de capturar uma Tela inteira, é possível capturar apenas uma janela ativa.

Assinale a alternativa que contém o conjunto de teclas que efetua essa operação.
  • A Alt + PrtScn
  • B Ctrl + PrtScn
  • C ESC + PrtScn
  • D F1 + PrtScn
  • E F2 + PrtScn
30

O ícone , encontrado no grupo Modos de Exibição de Documento, guia Exibição do MS-Word 2010, em sua configuração original, está associado ao modo de exibição

  • A Rascunho.
  • B Layout da Web.
  • C Layout de Impressão.
  • D Estrutura de Tópicos.
  • E Leitura em Tela Inteira.
Voltar para lista