Resolver o Simulado Especialista em Psicologia - Clínica

0 / 30

Psicologia

1
A atividade do psicólogo inclui o processo de coleta de dados, cuja realização inclui métodos e técnicas de investigação. No contexto clínico, a avaliação psicológica é denominada de ___________, que, por sua vez, é definido como processo científico, que parte de um levantamento prévio de hipóteses que serão confirmadas ou não através de passos predeterminados e com objetivos precisos, sendo um processo limitado no tempo, que utiliza métodos e técnicas psicológicas, para entender problemas à luz de pressupostos teóricos.
Complete a lacuna acima de forma CORRETA:
  • A Psicoterapia
  • B Psicojuridico
  • C Psicodiagnóstico
  • D Psicopedagógico
  • E Psicanálise
2
A proteção social especial oferece um conjunto de serviços e programas especializados de média e alta complexidade a famílias e indivíduos, inclusive a pessoas idosas e a pessoas com deficiência, em situação de risco ou com direitos violados. A PSE está voltada às famílias e indivíduos que se encontram em situação de risco pessoal e social, por violação dos direitos humanos. Alguns grupos são particularmente vulneráveis à vivência das situações de violência e violação de direitos, tais como, EXCETO:
  • A Crianças, adolescentes
  • B Pessoas idosas
  • C Pessoas com deficiência, mulheres
  • D Pessoa jurídica
  • E Populações LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais)
3
Conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente, é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. A garantia de prioridade compreende, EXCETO:
  • A Primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias;
  • B Precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública;
  • C Preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas;
  • D Destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude.
  • E As instituições de educação superior ofertarão, na perspectiva da educação ao longo da vida, cursos e programas de extensão, presenciais ou a distância, constituídos por atividades formais e não formais.
4
A missão primordial de um código de ética profissional não é de normatizar a natureza técnica do trabalho, e, sim, a de assegurar, dentro de valores relevantes para a sociedade e para as práticas desenvolvidas, um padrão de conduta que fortaleça o reconhecimento social daquela categoria. São princípios fundamentais, EXCETO:
  • A O psicólogo baseará o seu trabalho no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
  • B O psicólogo trabalhará visando promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuirá para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.
  • C O psicólogo atuará com irresponsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, antissocial e cultural.
  • D O psicólogo atuará com responsabilidade, por meio do contínuo aprimoramento profissional, contribuindo para o desenvolvimento da Psicologia como campo científico de conhecimento e de prática.
  • E O psicólogo contribuirá para promover a universalização do acesso da população às informações, ao conhecimento da ciência psicológica, aos serviços e aos padrões éticos da profissão.
5
De acordo com o Catálogo Brasileiro de Ocupações (CBO), são inúmeras as aplicações da Psicologia dentro da área da Educação. O psicólogo pode ajudar na criação e avaliação de planos de ensino, planejar o ambiente de modo que ele favoreça a aprendizagem, lidar com alunos com necessidades especiais de educação e elaborar planos de estudo. Ainda de acordo com o CBO, algumas das temáticas de estudo, pesquisa e atuação profissional no campo da psicologia educacional são:
I. Pesquisa, diagnóstico e intervenção psicopedagógico (modelo clínico). II. Estudo dos educadores e do educando em relação ao sistema educacional (avaliação institucional). III. Planejamento e execução de pesquisas relacionadas à compreensão do processo de ensino e aprendizagem. IV. Análise das características do indivíduo portador de NEE. Recomendando programas comuns de ensino compostos de currículos e técnicas inadequadas à condição intelectual e de saúde mental.
Quais dos itens acima estão corretos?
  • A I, II e III somente
  • B II, III e IV somente
  • C I e II somente
  • D II somente
  • E Todos estão corretos
6
Sendo o ajustamento depressivo algo vital, as intervenções orientadas para o otimismo, como por exemplo, pedir ao cliente que este deve ser mais otimista com a vida são ineficazes e, ainda podem comprometer o vínculo terapêutico uma vez que demonstra uma pobre qualidade de presença do terapeuta. Na Gestalt Terapia a tristeza é vista como:
  • A uma oportunidade a ser trabalhada. Solicitando ao paciente, por exemplo, que faça a escuta dessa tristeza, por meio de diálogo ou outras atividades experienciais, pois ela traz uma importante mensagem.
  • B ajustamentos criativos em que se utilizam do padrão depressivo de contato e não são vistos como disfunções, mas como forma importante de ajuste às diversas situações de vida.
  • C medidas que poderiam ser desastrosas para a pessoa. Assim ela entristece ou se ajusta, depressivamente.
  • D Nenhuma das alternativas.
7
A experiência normal do tempo implica a ampliação de um agora que se estende ao passado e se dirige ao porvir. Implica também um movimento mental que integra o fluir dos acontecimentos objetivos e externos à dimensão temporal subjetiva, ou seja, ao devir da vida subjetiva. A anormalidade da sensação do fluir do tempo corresponde:
  • A à falta da sensação do avançar subjetivo do tempo, na qual o sujeito perde o sincronismo entre o passar do tempo objetivo, cronológico, e o fluir de seu tempo interno.
  • B a de um espaço, extremamente, dilatado e amplo, que invade o das outras pessoas. O indivíduo desconhece as fronteiras espaciais e vive como se todo o espaço exterior fosse seu. Esse espaço não oferece resistências ao seu eu.
  • C ao seu espaço interior como invadido por aspectos ameaçadores, perigosos e hostis do mundo. O espaço exterior é, em princípio, invasivo, fonte de perigos e ameaças.
  • D Nenhuma das alternativas.
8
A euforia ou alegria patológica e a elação (ou expansão do Eu) constituem a base da síndrome maníaca Além disso, é fundamental e está quase sempre presente a aceleração de todas as funções psíquicas (taquipsiquismo), manifestando-se como agitação psicomotora, exaltação, loquacidade ou logorreia e pensamento acelerado. Dos sinais e sintomas das síndromes maníacas, é CORRETO afirmar que a desinibição sexual e social:
  • A geralmente é desorganizada e sem objetivos precisos.
  • B leva o indivíduo a comportamentos inadequados em seu meio sociocultural; comportamentos que o paciente não realizaria fora da fase maníaca.
  • C pode ocorrer em graus variados, desde leve irritabilidade, passando pela beligerância, até a franca agressividade.
  • D Nenhuma das alternativas.
9
Jovens que tentam suicídio ou pensam nele tendem a ter históricos de doença emocional. Eles são mais propensos a serem perpetradores ou vítimas de violência e a ter problemas na escola, acadêmicos ou comportamentais. Muitos sofreram maus-tratos na infância e têm graves problemas de relacionamento. Sendo assim esses jovens:
  • A correm risco de vir a apresentar transtorno bipolar, ansiedade, medo do contato social, eventos estressantes, doenças crônicas como diabetes ou epilepsia.
  • B frequentemente, relatam incapacidade para se concentrar, fadiga, apatia, sentimentos de inutilidade e problemas com a sexualidade.
  • C tendem a desvalorizar-se, a sentir-se desamparados e a ter pouco controle sobre os impulsos e uma baixa tolerância a frustração e a estresse.
  • D Nenhuma das alternativas.
10
A elaboração de hipóteses exige a reflexão sobre a língua. A consciência metalinguística colabora para a apreensão e o uso adequado da língua, e diversos estudos apontam para sua importância na aprendizagem da leitura e da escrita. No processo de alfabetização, a consciência é ______________, é a consciência metalinguística que se caracteriza pela capacidade de refletir sobre a estrutura sonora da fala, bem como manipular seus componentes estruturais.
Assinale a alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do texto:
  • A foco de análise e reflexão
  • B reflexão sobre a estruturação
  • C apropriação da leitura
  • D Nenhuma das alternativas

Português

11

Assinale a alternativa correta sobre o uso de crase:

  • A Estou à procura de conhecimento.
  • B Não vendemos à prazo.
  • C Estava à celebrar sua prova.
  • D Requeiro à V.Sa., a minha contratação.
12

Texto

Leia o texto, ele é fragmento de um poema de Carlos Drummond de Andrade.


Procura da poesia

Penetra surdamente no reino das palavras.

Lá estão os poemas que esperam ser escritos.

Estão paralisados, mas não em desespero,

há calma e frescura na superfície intata.

Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.

Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.

Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam.

Espera que cada um se realize e consume

com seu poder de palavra

e seu poder de silêncio.

Em nenhuma das frases abaixo a crase foi usada.


Assinale a alternativa em que ela é obrigatória.

  • A Ele foi a Balneário Camboriú.
  • B Chegarei até as 10 horas, prometo!
  • C Meu colega dedicou-se a artes literárias.
  • D A noite, em todas as casas, deveria trazer o sono reparador.
  • E Obedece a sinalização, pois dela depende tua vida!
13

Covid-19: Fiocruz produzirá vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford


Resultados preliminares dos estudos clínicos de fase 3 da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford divulgados nesta segunda-feira (23/11) confirmam a expectativa de especialistas e põem o Brasil cada vez mais perto de uma resposta em larga escala. “Com uma eficácia demonstrada de 90% e um esquema vacinal que permitirá otimizar as doses a serem produzidas, esta vacina deixa de ser uma candidata promissora para ser uma vacina que será produzida pela Fiocruz e uma resposta à saúde pública brasileira”, destaca a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

Para a Fiocruz, o protocolo de maior eficácia, com 90%, representa a possibilidade de vacinar ainda mais pessoas com o mesmo número de doses a serem produzidas. Segundo os dados apresentados, a eficácia de 90% foi alcançada ao se utilizar uma primeira dose reduzida pela metade e uma segunda dose padrão, com um mês entre as duas dosagens, o que permite o aumento de 30% no número de pessoas a serem vacinadas, já que, inicialmente, pensava-se que seria necessário utilizar o esquema vacinal de duas doses para cada pessoa.

“No primeiro semestre teríamos 100,4 milhões de doses para oferecer para 50,2 milhões de brasileiros. No entanto, com esse protocolo anunciado, as mesmas 100,4 milhões de doses poderão ser utilizadas na vacinação de cerca de 65 milhões de pessoas. E no segundo semestre, com a produção 100% nacional na Fiocruz e mais 110 milhões de doses, poderemos vacinar mais 71,5 milhões de pessoas. Isso coloca o país numa posição privilegiada entre as nações que terão um grande número de doses para as suas populações”, anuncia o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger.

Outro aspecto positivo desses resultados é que, dos 11.636 voluntários que tiveram seus dados analisados, apenas 30 testaram positivo para a Covid-19 mesmo após a vacina e nenhum deles precisou ser hospitalizado ou teve reações graves. No caso dos estudos conduzidos pela Universidade de Oxford, mesmo os participantes assintomáticos estão realizando testes laboratoriais de diagnóstico para monitoramento.

Segundo o vice-presidente, esses resultados positivos se somam aos dados que foram publicados recentemente sobre a ação da vacina em idosos. “Vimos recentemente dados divulgados que mostram que essa vacina fornece uma resposta imunológica muito forte em idosos, uma população vulnerável que não tem respondido tão bem em outras vacinas que têm sido estudadas, e que os adultos jovens têm resposta tão boa quanto os mais velhos. Ou seja, a vacina cumpre o papel de proteger as pessoas e ainda tem efeito adicional de diminuir a transmissão do vírus”, avalia Krieger.

O diretor do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), Mauricio Zuma, lembra ainda das vantagens associadas ao preço e ao quantitativo que está sendo oferecido. “Estamos trabalhando dentro do cronograma previsto, com uma expectativa de produção de 210,4 milhões de doses em 2021, com um valor por dose extremamente acessível, entre US$ 3 e US$ 4 e uma vacina que pode ser armazenada e transportada na temperatura de 2-8oC, podendo ser distribuída e armazenada utilizando toda a logística já existente no Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS). Nossas equipes estão se dedicando muito e vamos entregar uma vacina segura e de qualidade para a população brasileira”, avalia o diretor.


Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

https://portal.fiocruz.br/noticia/covid-19-fiocruz-produzira-vacina-desenvolvida-pela-universidade-de-oxford

“´[...], esta vacina deixa de ser uma candidata promissora para ser uma vacina que será produzida pela Fiocruz e uma resposta à saúde pública brasileira’, destaca a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.”

O sinal indicativo de crase está sendo utilizado de maneira correta no trecho em destaque. Assinale a alternativa que o uso da crase também encontra-se correto.

  • A As vendas à prazo aumentaram no Natal
  • B Os cientistas da Fiocruz começaram à pesquisar diversas vacinas
  • C Os cientistas foram à Londres conhecer a Universidade de Oxford
  • D É necessário o respeito às leis sanitárias
  • E Os médicos foram à uma visita ao Instituto BioManguinhos
14

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Para esclarecer o título, o leitor tem de

  • A acionar, tão somente, as informações implícitas.
  • B recorrer às informações do segundo parágrafo.
  • C recorrer às informações do primeiro parágrafo.
  • D acionar, tão somente, o conhecimento linguístico.
15

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



O objetivo central do texto é

  • A definir o significado da expressão “regra de ouro” utilizada pelo mercado imobiliário na venda e na locação de imóveis.
  • B opinar sobre a desproporcionalidade entre os preços venal e de locação de um imóvel depois da crise do mercado imobiliário.
  • C ensinar os proprietários de imóveis a calcularem o valor da locação de um imóvel a partir do seu valor de venda.
  • D explicitar as causas para a não utilização da “regra de ouro” no cálculo do valor de locação de imóveis.
16

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Considerando o objetivo central e a organização linguística, a sequência dominante do texto é a

  • A explicativa.
  • B descritiva.
  • C argumentativa.
  • D narrativa.
17

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Considerando a progressão discursiva,

  • A o texto já inicia com a problematização, sem realizar a apresentação do tema a ser discutido.
  • B o primeiro e o segundo parágrafos contextualizam o problema a ser desenvolvido, o que corresponde à introdução.
  • C o texto não apresenta um parágrafo conclusivo no qual retomaria a discussão, realizada anteriormente.
  • D o quinto e o sexto parágrafos apresentam uma resolução para o problema discutido nos parágrafos anteriores.
18

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Para responder à questão, considere o parágrafo abaixo.


Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz.


No parágrafo, há

  • A presença apenas de citação direta.
  • B ausência de citações direta e indireta.
  • C ausência apenas de citações indiretas.
  • D presença de citações direta e indireta.
19

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Para responder à questão, considere o parágrafo abaixo.


Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz.


O parágrafo está interligado aos parágrafos anteriores por meio

  • A da conjunção explícita “segundo”.
  • B do substantivo “economista”.
  • C do numeral “primeiro”.
  • D da conjunção elíptica “portanto”.
20

Crise aposentou “regra de ouro” para aluguel


    A crise do mercado imobiliário nos últimos anos, a dificuldade na venda de unidades e a grande oferta de imóveis para locação fizeram a "regra de ouro" usada para calcular o preço do aluguel ficar ultrapassada. Hoje, o valor a ser cobrado pelo aluguel de um imóvel é motivo de preocupação para muitos proprietários – é preciso achar um ponto de equilíbrio entre quanto o dono gostaria de cobrar pelo aluguel e quanto o futuro inquilino está disposto a pagar. 


   Esse cálculo sempre envolve comparação de preços de imóveis semelhantes, consulta a corretores e jogo de cintura na hora de negociar com o novo locatário. O mercado costumava usar como regra uma conta simples: a referência era cobrar pelo aluguel cerca de 0,5% do valor de venda do imóvel. Por essa conta, um apartamento avaliado em R$ 500 mil poderia ser alugado por cerca de R$ 2,5 mil. 


   Durante os anos de crise, que afetaram duramente o setor, os preços de venda pararam de subir e o mercado de locação foi inundado por imóveis que não foram vendidos, fazendo com que os reajustes de aluguel variassem bem abaixo da inflação. Se o engenheiro Milton Fontoura, de 63 anos, tentasse alugar seu apartamento na Barra Funda, em São Paulo, usando a "regra de ouro", ficaria com ele fechado. O imóvel custa R$ 800 mil, mas Fontoura anunciou o aluguel por R$ 2,9 mil. "A locação está melhorando, principalmente para quem tem um imóvel perto de estação de metrô. Até consigo alugar rapidamente, mas o preço em comparação com o de venda não é o mesmo de dez anos atrás".


   A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) calcula todos os meses a taxa de rentabilidade do aluguel. O último ano em que o retorno com a locação chegou a 0,5% do preço de venda foi 2013, antes do início da recessão, em 2014. No ano passado, o valor de aluguel passou a representar, em média, 0,37% do valor de venda.


   Uma comparação ajuda a entender como os preços de venda e de locação se comportaram de maneiras diferentes na crise. Em janeiro de 2015, o valor de venda dos imóveis havia subido 12,7%, em 12 meses, segundo a Fipe. Em 2017, último ano da crise, esse valor de venda havia caído apenas 0,74%, também em 12 meses. Enquanto isso, as locações, que subiam 1,6% em janeiro de 2015, caíram 2,9% em janeiro de 2017. "O preço de aluguel é mais sensível ao mercado. O valor de locação caiu bastante durante a crise, teve três anos de queda e só voltou a subir no ano passado em termos nominais. Enquanto isso, o preço de venda ficou estagnado", resume o economista Bruno Oliva, da Fipe. 


   Segundo o economista do Grupo Zap, Sergio Castelani, o primeiro passo para quem precisa calcular o valor de locação do imóvel, e não pode contratar um profissional para fazer a avaliação, é olhar os sites que publicam os preços por metro quadrado por bairro. "Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação. O preço, por mais que se mude, não é tão descontínuo assim", diz. 


Disponível em: https ://economia.uol.com.br/noticias /estadao-conteudo/2019/02/18/crise-aposentou-regra-de-ouro-para aluguel.htm. Acesso em: 10 fev. 2020. [Adaptado]



Para responder à questão, considere o excerto abaixo.


Por mais que os imóveis sejam diferentes, é sempre bom olhar no próprio prédio e fazer uma avaliação honesta dos pontos fortes e fracos do imóvel e da conservação.


O termo em destaque conecta

  • A períodos e estabelece relação de adição.
  • B períodos e estabelece relação de oposição.
  • C orações e estabelece relação de causa.
  • D orações e estabelece relação de concessão.

Psiquiatria

21
O abuso de álcool é a situação mais comum que encontramos na Atenção Básica. A abordagem ao alcoolismo na Atenção Básica tem como objetivo a detecção precoce de problemas relacionados, além da integração do tratamento de outras patologias agravadas pelo álcool. Sobre essa condição, assinale a alternativa incorreta.
  • A Os profissionais de saúde também devem considerar o abuso ou a dependência de álcool como uma possível causa de sintomas de ansiedade ou depressão.
  • B Recomenda-se que o generalista avalie o padrão de consumo de álcool como rotina, desde a adolescência.
  • C Um dos questionários utilizados é o Audit, composto por 4 perguntas que investigam o padrão de uso de álcool no último mês.
  • D É importante que se mostre claramente as consequências clínicas, psicológicas e sociais do uso contínuo de álcool.
22
Sobre o Programa de Volta Para Casa, analise as assertivas e assinale a alternativa correta.

I. Garante o auxílio-reabilitação psicossocial para a atenção e o acompanhamento de pessoas em sofrimento mental, egressas de internação em hospitais psiquiátricos. II. Para a obtenção do benefício é necessário que o paciente seja egresso de internação cuja duração tenha sido, comprovadamente, por um período igual ou superior a cinco anos. III. Busca a restituição do direito de morar e conviver em liberdade nos territórios e também a promoção de autonomia e protagonismo dos usuários.
  • A Apenas I e II estão corretas.
  • B Apenas I e III estão corretas.
  • C Apenas II e III estão corretas.
  • D I, II e III estão corretas.
23

O diagnóstico diferencial entre transtorno factício, transtorno dissociativo e transtorno de personalidade antissocial pode representar um grande desafio para a prática psiquiátrica. A base para realizá-lo está nas diferenças entre os mecanismos de produção de sinais e / ou sintomas (consciente ou inconsciente) e a motivação para tal (que também pode ser consciente ou inconsciente).


Sobre esse tema, assinale a alternativa incorreta.

  • A O diagnóstico de transtorno factício deve ser excluído se forem identificados incentivos externos, o que pode ser problemático, pois assumir o papel de doente tende a promover modificações das responsabilidades do indivíduo.
  • B Nos transtornos dissociativos, o paciente desconhece as motivações relacionadas à produção dos sinais e / ou sintomas, porém a produção destes se dá de forma consciente.
  • C Nos pacientes com transtorno de personalidade antissocial, o ato de produzir sinais e / ou sintomas é consciente e voluntário, além de frequentemente instrumental, isto é, direcionado para um objetivo.
  • D A motivação para a produção intencional de sinais ou sintomas físicos e / ou psicológicos, no transtorno factício, provém de um desejo inconsciente de assumir o papel de doente.
24

O termo catatimia foi cunhado por Eugen Bleuler, psiquiatra suíço mais conhecido por nomear a esquizofrenia. Considere as seguintes manifestações.


I. A atenção ser captada, dirigida ou desviada.

II. Uma memória ser mais ou menos detalhada.

III. As possíveis alterações da sensopercepção.

IV. As ideias prevalentes ou sobrevaloradas.

V. Os delírios secundários.


São exemplos de manifestações de catatimia

  • A I, II e V, apenas.
  • B I, III e IV, apenas.
  • C I, II, III, IV e V.
  • D II, III e V, apenas.
25

Há vários critérios de normalidade e anormalidade em Medicina e Psicopatologia. A adoção desses critérios dependerá de opções filosóficas, ideológicas e pragmáticas do profissional médico e apresenta implicações clínicas, éticas e legais.


Relacione a COLUNA II com a COLUNA I, associando critérios de normalidade utilizados na prática médica às principais críticas a eles associadas.


COLUNA I



1. Normalidade como ausência de doença

2. Normalidade ideal

3. Normalidade estatística

4. Normalidade como bem-estar

5. Normalidade operacional


COLUNA II


( ) Nem tudo o que é frequente é saudável, e nem tudo que é infrequente é patológico.

( ) Depende de critérios socioculturais e ideológicos.

( ) Baseia-se em uma “definição negativa”, ou seja, define-se a normalidade por aquilo que lhe falta.

( ) Aplicam-se conceitos arbitrários, com finalidades pragmáticas explícitas.

( ) Conceito criticável por ser muito vasto e impreciso.


Assinale a sequência correta.

  • A 3 1 2 4 5
  • B 1 4 2 5 3
  • C 1 4 3 5 2
  • D 3 2 1 5 4
26

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é caracterizado por sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade, que podem se manifestar de forma isolada ou coexistir, sendo mais ou menos prevalentes em diferentes fases do ciclo vital.

Assinale a alternativa que apresenta corretamente as principais manifestações de acordo com as diferentes fases da vida de um indivíduo.

  • A Na Pré-Escola, a principal manifestação é a hiperatividade. A desatenção fica mais proeminente nos anos do Ensino Fundamental. Na adolescência, sinais de hiperatividade são menos comuns e, na vida adulta, a impulsividade pode ser a principal manifestação do problema.
  • B Na Pré-Escola, tanto a hiperatividade quanto a desatenção se mostram importantes. A impulsividade fica mais proeminente nos anos do Ensino Fundamental. Na adolescência, sinais de hiperatividade são menos comuns e, na vida adulta, a desatenção costuma ser a principal manifestação do problema.
  • C Na Pré-Escola, a principal manifestação é a desatenção. A hiperatividade fica mais proeminente nos anos do Ensino Fundamental. Na adolescência, sinais de hiperatividade são menos comuns e, na vida adulta, a impulsividade pode ser a principal manifestação do problema.
  • D Na Pré-Escola, a principal manifestação é a impulsividade. A desatenção fica mais proeminente nos anos do Ensino Fundamental. Na adolescência, sinais de hiperatividade são menos comuns e, na vida adulta, a hiperatividade costuma ser a principal manifestação do problema.
27

Acerca das Conferências de Saúde, assinale com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas.


( ) Devem ser realizadas em todos os níveis de governo, a cada quatro anos, não havendo limite em relação ao contingente de participantes.

( ) Visam debater e avaliar a situação da saúde no país e propor intervenções e mudanças ou estabelecer diretrizes para a formulação das políticas de saúde.

( ) São convocadas pelo Poder Executivo ou, extraordinariamente, pelo Conselho de Saúde e apresentam caráter consultivo, não possuindo poder de decisão.

( ) Devem ser constituídas por membros de diversos estratos sociais, agrupados nas categorias de usuários – prestadores de serviços e trabalhadores de saúde, obedecendo ao princípio da paridade.


Assinale a sequência correta.

  • A V V V V
  • B F V F F
  • C V F F V
  • D F F V F
28

A atuação em urgência e emergência psiquiátrica exige que o profissional considere a possibilidade de causa orgânica para a sintomatologia psiquiátrica apresentada por um paciente.


São características indicativas de organicidade e que demandam sua investigação, exceto:

  • A Histórico de uso de substâncias psicoativas ou de exposição ocupacional a substâncias capazes de causar sintomas psiquiátricos.
  • B Características catatônicas, tais como imobilidade motora, extremo negativismo ou mutismo, peculiaridades dos movimentos corpóreos, ecolalia ou ecopraxia.
  • C Redução no nível de consciência, comprometimento da memória, presença de alucinações visuais e alterações da atenção com preservação da orientação.
  • D História familiar de condições clínicas que cursem com sintomas psiquiátricos e presença de resposta não habitual ao tratamento.
29

Olítio é um fármaco que possui ampla utilização na prática psiquiátrica. Após sua administração oral, é rápida e completamente absorvido pelo trato gastrointestinal. Seu pico plasmático é atingido em cerca de 1 a 2 horas após ingestão terapêutica de produtos de libertação imediata, e de 4 a 6 horas no caso das formulações de libertação sustentada. A intoxicação pelo lítio pode deixar sequelas, daí a necessidade de intervenção imediata e apropriada.


Sobre esse tema, assinale a alternativa incorreta.

  • A Certos medicamentos, como anti-inflamatórios não esteroides, diuréticos e outros medicamentos para tratamento da hipertensão, podem aumentar os níveis de lítio. Assim, é necessário instruir o paciente que sempre informe a todos os seus médicos sobre o tratamento com o fármaco.
  • B Pacientes idosos são especialmente vulneráveis à toxicidade do lítio devido a uma menor taxa de filtração glomerular e menor volume de distribuição (secundário à redução da massa corporal magra e da água corporal total).
  • C Não há um antídoto específico para a intoxicação por lítio. O tratamento, portanto, consiste na administração de fluidos endovenosos, além da administração de carvão ativado oral; também podem ser indicados descontaminação gastrintestinal e hemodiálise.
  • D Otratamentodeverásebasearnasmanifestações clínicas, e não somente nos níveis séricos do fármaco, uma vez que há lenta penetração do lítio no sistema nervoso central, fazendo com que, muitas vezes, a litemia não se correlacione com a gravidade dos sinais apresentados.
30

O Projeto Terapêutico Singular (PTS) é um importante instrumento para prover o cuidado integral em saúde mental.


Sobre o PTS, assinale a alternativa incorreta.

  • A A construção do PTS é contínua, e deve passar por reavaliações periódicas, considerando-se, assim, o dinamismo inerente das relações e as potencialidades de mudança dos sujeitos que nele estão envolvidos.
  • B O PTS articula um conjunto de ações resultantes da discussão e da construção coletiva de uma equipe multidisciplinar, considerando o contexto social da pessoa ou do coletivo para o qual está dirigido.
  • C A noção de singularidade do PTS se deve à especificidade irreprodutível das situações a que se destina, sejam elas relacionadas ao problema de uma determinada pessoa, de uma família, de um grupo ou de um coletivo.
  • D A organização de um PTS conta com momentos distintos e bem delimitados, cuja ordem é: diagnóstico situacional, definição de objetivos e metas, divisão de tarefas e responsabilidades e reavaliação.
Voltar para lista