Resolver o Simulado Nível Superior

0 / 31

Português

1

Leia o texto e responda a questão abaixo.


UM DIA SEM RECLAMAR - Renata Nunes


    Ela mal chega e já avisa que está indo embora, trata-se apenas de “uma passadinha”. Tem sempre muita coisa para fazer no dia seguinte. Está exausta, fruto de um problema ou de outro. O tempo é sempre curto. Aliás, curtíssimo para que consiga se organizar. No entanto, perde grande parte dos seus dias envolvida com as próprias reclamações. O blá-blá-bla – às vezes até muito bem fundamentado – rouba a energia e leva a um inevitável sofrimento.

    Já ele se afunda nas banalidades e se prende a elas como se fossem as coisas mais importantes de sua vida. Um problema pequeno parece sempre um bicho-papão. Uma fechada no trânsito ganha proporções inimagináveis. A fila do supermercado é o assunto da mesa durante o jantar, mesmo que ninguém esteja muito interessado em ouvir. A raiva alimenta as reclamações, que parecem cíclicas. O trabalho, por exemplo, nunca está bom. Há sempre um colega querendo puxar o seu tapete. E, se muda de emprego, em pouco tempo, lá está ele reclamando de novo. Nada parece estar bem.

    Para ela, os filhos, que deveriam ser motivos do mais puro amor, só dão trabalho. Já sei de cor e salteado o texto que ela irá repetir: a bagunça na casa, as más respostas, o videogame do menino, as roupas curtas da garota. Ah, e as notas! Estas, sim, lhe roubam o sono. As queixas são diárias e praticamente inevitáveis.

    A mulher reclama do marido, e o marido, da mulher. Ele não escuta, não faz o que ela pede, bebe demais. Ela só fala, vive pedindo as coisas, não bebe. E assim vão vivendo, enfiados em reclamações e, muitas vezes, sem perceber quantas coisas boas deixam de enxergar um no outro, nas pessoas que os cercam, na cidade onde vivem ou no próprio lar. A vida é tão curta, e passamos grande parte dela produzindo queixas e mais queixas.

    Atire a primeira pedra quem não reclama. E, convenhamos, é muito difícil ver o mundo com um olhar apenas de gratidão. Existem, é claro, formas distintas de mostrar as insatisfações. Pode ser uma simples objeção, uma crítica mais embasada, um mantra de lamúrias e até uma lástima profunda. Às vezes, falando dos nossos próprios problemas, parecemos suplicar por outras vidas, que sempre nos parecem melhores.

    Foi de tanto reclamar que parei para pensar no assunto, e a reflexão é sempre “boa amiga”. Quando repetimos menos os problemas, apontamos menos as falhas, eles parecem, de alguma forma, mais leves, mais fáceis de serem superados. Queixar-se é uma espécie de vício, quanto mais entramos, mais somos tomados por ele. O contraponto está no olhar para si mesmo.

    Já experimentou ficar um dia inteiro sem reclamar? Foi numa tentativa dessas que me dei conta realmente de como os reclamões são chatos. E me incluo entre eles. Invadimos a vida do outro como seres especiais. Como se apenas nós tivéssemos problemas ou como se o mundo girasse em torno do nosso umbigo. Não gira! Veja como anda sua autoestima, se reclama por insegurança ou se te falta força para enfrentar aquilo que não anda bem. Bons pensamentos e menos blá-blá-blá podem mudar seu ambiente de trabalho, a convivência com a família e com os amigos. Não custa tentar.

A flexão dos verbos está corretamente identificada entre parênteses, EXCETO em:

  • AAtire a primeira pedra quem não reclama.” (presente do subjuntivo)
  • BInvadimos a vida do outro como seres especiais.” (presente do indicativo)
  • C “Já experimentou ficar um dia inteiro sem reclamar?” (pretérito perfeito do indicativo)
  • D “Para ela, os filhos, que deveriam ser motivos do mais puro amor [...]” (futuro do pretérito do indicativo)
2

As regras da Nova Ortografia - que passaram a fazer parte do nosso vocabulário oficialmente em 2016 - trouxeram algumas modificações, tais como a escrita da palavra "supercidadão". Seguindo as orientações de uso/desuso do hífen, assinale a alternativa que contém uma grafia "antiga" não aceita pela nova regra:

  • A Super-radical
  • B Hiperautoritário
  • C Superamigável
  • D Hiper-racional
  • E Super-moderno
3

Considere o seguinte trecho de um texto publicado na revista Mente Curiosa (Ano 3, nº 49, fev. 2019): As selfiessão comuns nas redes sociais. O termo americano não tem tradução para o português, elas basicamente funcionam como __________. O que as pessoas não sabem é que essas publicações revelam muito sobre a __________ de quem posta e têm um impacto direto na de quem vê.


Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas acima, na ordem em que aparecem no texto.

  • A auto retrato – auto estima.
  • B autorretrato – autoestima.
  • C auto-retrato – autoestima.
  • D auto-retrato – auto-estima.
  • E autorretrato – auto-estima
4

Texto 1


Antes que elas cresçam


Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.

É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores, tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular. Entre os estupros dos preços, os disparos dos discursos e o assalto das estações, elas crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância.

Mas não crescem todos os dias, de igual maneira; crescem, de repente.

Um dia se assentam perto de você no terraço e dizem uma frase de tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

Onde e como andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?

Ela está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil. E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais, ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos sobre as ancas. Essas são as nossas filhas, em pleno cio, lindas potrancas.

Entre hambúrgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão elas, com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros ou, então com a suéter amarrada na cintura. Está quente, a gente diz que vão estragar a suéter, mas não tem jeito, é o emblema da geração.

Pois ali estamos, depois do primeiro e do segundo casamento, com essa barba de jovem executivo ou intelectual em ascensão, as mães, às vezes, já com a primeira plástica e o casamento recomposto. Essas são as filhas que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas, das notícias e da ditadura das horas. E elas crescem meio amestradas, vendo como redigimos nossas teses e nos doutoramos nos nossos erros.

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos. Longe já vai o momento em que o primeiro mênstruo foi recebido como um impacto de rosas vermelhas. Não mais as colheremos nas portas das discotecas e festas, quando surgiam entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, da cultura francesa e inglesa. Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas. Só nos resta dizer “bonne route, bonne route”, como naquela canção francesa narrando a emoção do pai quando a filha oferece o primeiro jantar no apartamento dela.

Deveríamos ter ido mais vezes à cama delas ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância, e os adolescentes cobertores daquele quarto cheio de colagens, pôsteres e agendas coloridas de Pilot. Não, não as levamos suficientemente ao maldito “drive-in”, ao Tablado para ver “Pluft”, não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.

Elas cresceram sem que esgotássemos nelas todo o nosso afeto.

No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, comidas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhas. Sim, havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de sorvetes e sanduíches infantis. Depois chegou a idade em que subir para a casa de campo com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível deixar a turma aqui na praia e os primeiros namorados. Esse exílio dos pais, esse divórcio dos filhos, vai durar sete anos bíblicos. Agora é hora de os pais na montanha terem a solidão que queriam, mas, de repente, exalarem contagiosa saudade daquelas pestes.

O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco.

Por isso, os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto. Por isso, é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que elas cresçam.



Affonso Romano de Sant´ Anna (Fonte: http://www.releituras.com/arsant_antes.asp, acesso em janeiro de 2020.)




Texto 2


POEMA ENJOADINHO


Filhos... Filhos?

Melhor não tê-los!

Mas se não os temos

Como sabê-lo?

Se não os temos

Que de consulta

Quanto silêncio

Como o queremos!

Banho de mar

Diz que é um porrete...

Cônjuge voa

Transpõe o espaço

Engole água

Fica salgada

Se iodifica

Depois, que boa

Que morenaço

Que a esposa fica!

Resultado: filho,

E então começa

A aporrinhação:

Cocô está branco

Cocô está preto

Bebe amoníaco

Comeu botão. F

ilhos? Filhos.

Melhor não tê-los

Noite de insônia

Cãs prematuros

Prantos convulsos

Meu Deus, salvai-o!

Filhos são o demo

Melhor não tê-los...

Mas se não os temos

Como sabê-los?

Como saber

Que macieza

Nos seus cabelos

Que cheiro morno

Na sua carne

Que gosto doce

Na sua boca!

Chupam gilete

Bebem xampu

Ateiam fogo

No quarteirão

Porém, que coisa

Que coisa louca

Que coisa linda

Que os filhos são!


(Fonte: Vinícius de Moraes. Poesia completa & prosa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1987. p. 261-2.)

Assinale a alternativa contendo vocábulos acentuados pela mesma regra:

  • A exílio/ divórcio/ gírias.
  • B pôsteres/ exílio/ país.
  • C órfãos/ há/ princípio.
  • D mênstruo/ pôsteres/ há.
  • E exílio/ país/ órfãos.
5

A questão diz respeito ao Texto. Leia-o atentamente antes de respondê-la.



(Adaptado de Folha de S.Paulo, em 29/01/2020)

Em “... seja comprado como uma espécie de subproduto do curso, da palestra ou da exposição que se realizou naquele dia.” (linhas 6 a 8), a partícula “se” é utilizada com o fim de:

  • A Indeterminar o sujeito da oração em que se insere.
  • B Atuar como partícula integrante do verbo.
  • C Tornar a voz verbal passiva.
  • D Complementar o sentido do verbo.
  • E Condicionar o sentido da oração subordinada.
6

A questão diz respeito ao Texto. Leia-o atentamente antes de respondê-la.



(Adaptado de Folha de S.Paulo, em 29/01/2020)

Através do uso dos sinais de pontuação, o autor pode marcar na escrita uma explicação relacionada à ideia principal. Assinale a alternativa em que esse recurso foi utilizado no texto:

  • A “... e, quando vou a livrarias, sempre me assusto com a insuficiência do que é oferecido.” (linhas 1 a 3).
  • B “... seja comprado como uma espécie de subproduto do curso, da palestra ou da exposição que se realizou naquele dia.” (linhas 6 a 8).
  • C “Tudo bem quanto às livrarias, portanto.” (linha 9).
  • D “Vão surgindo 'lojas' que são como depósitos, onde você acessa um terminal de computador (...)” (linhas 12 a 14).
  • E “O que fazer para manter as lojas de pé?” (linhas 18 e 19).
7

Texto 1


Antes que elas cresçam


Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.

É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores, tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular. Entre os estupros dos preços, os disparos dos discursos e o assalto das estações, elas crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância.

Mas não crescem todos os dias, de igual maneira; crescem, de repente.

Um dia se assentam perto de você no terraço e dizem uma frase de tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

Onde e como andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?

Ela está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil. E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais, ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos sobre as ancas. Essas são as nossas filhas, em pleno cio, lindas potrancas.

Entre hambúrgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão elas, com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros ou, então com a suéter amarrada na cintura. Está quente, a gente diz que vão estragar a suéter, mas não tem jeito, é o emblema da geração.

Pois ali estamos, depois do primeiro e do segundo casamento, com essa barba de jovem executivo ou intelectual em ascensão, as mães, às vezes, já com a primeira plástica e o casamento recomposto. Essas são as filhas que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas, das notícias e da ditadura das horas. E elas crescem meio amestradas, vendo como redigimos nossas teses e nos doutoramos nos nossos erros.

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos. Longe já vai o momento em que o primeiro mênstruo foi recebido como um impacto de rosas vermelhas. Não mais as colheremos nas portas das discotecas e festas, quando surgiam entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, da cultura francesa e inglesa. Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas. Só nos resta dizer “bonne route, bonne route”, como naquela canção francesa narrando a emoção do pai quando a filha oferece o primeiro jantar no apartamento dela.

Deveríamos ter ido mais vezes à cama delas ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância, e os adolescentes cobertores daquele quarto cheio de colagens, pôsteres e agendas coloridas de Pilot. Não, não as levamos suficientemente ao maldito “drive-in”, ao Tablado para ver “Pluft”, não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.

Elas cresceram sem que esgotássemos nelas todo o nosso afeto.

No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, comidas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhas. Sim, havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de sorvetes e sanduíches infantis. Depois chegou a idade em que subir para a casa de campo com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível deixar a turma aqui na praia e os primeiros namorados. Esse exílio dos pais, esse divórcio dos filhos, vai durar sete anos bíblicos. Agora é hora de os pais na montanha terem a solidão que queriam, mas, de repente, exalarem contagiosa saudade daquelas pestes.

O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco.

Por isso, os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto. Por isso, é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que elas cresçam.



Affonso Romano de Sant´ Anna (Fonte: http://www.releituras.com/arsant_antes.asp, acesso em janeiro de 2020.)




Texto 2


POEMA ENJOADINHO


Filhos... Filhos?

Melhor não tê-los!

Mas se não os temos

Como sabê-lo?

Se não os temos

Que de consulta

Quanto silêncio

Como o queremos!

Banho de mar

Diz que é um porrete...

Cônjuge voa

Transpõe o espaço

Engole água

Fica salgada

Se iodifica

Depois, que boa

Que morenaço

Que a esposa fica!

Resultado: filho,

E então começa

A aporrinhação:

Cocô está branco

Cocô está preto

Bebe amoníaco

Comeu botão. F

ilhos? Filhos.

Melhor não tê-los

Noite de insônia

Cãs prematuros

Prantos convulsos

Meu Deus, salvai-o!

Filhos são o demo

Melhor não tê-los...

Mas se não os temos

Como sabê-los?

Como saber

Que macieza

Nos seus cabelos

Que cheiro morno

Na sua carne

Que gosto doce

Na sua boca!

Chupam gilete

Bebem xampu

Ateiam fogo

No quarteirão

Porém, que coisa

Que coisa louca

Que coisa linda

Que os filhos são!


(Fonte: Vinícius de Moraes. Poesia completa & prosa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1987. p. 261-2.)

Como recurso de embelezamento textual, a “licença poética” autoriza que os desvios em relação à normapadrão façam parte dos textos, por exemplo, em “Como sabê-los?”, assinale a alternativa com colocação pronominal correta:

  • A “Melhor não tê-los!”
  • B “Se não os temos”
  • C “Meu Deus, o salvai!”
  • D “Como queremo-nos”
  • E “Iodificar-se-ia”
8

A questão diz respeito ao Texto. Leia-o atentamente antes de respondê-la.



(Adaptado de Folha de S.Paulo, em 29/01/2020)

“... em vez de simplesmente entregarem ao turista o lugar para onde ele vai.” (linhas 32 a 34). É correto afirmar que o verbo “vai” utilizado na frase acima está regido de forma:

  • A Correta, pois apresenta o sentido de “deslocar-se para algum lugar”, sendo, contudo, preferível a utilização da preposição “a”.
  • B Incorreta, pois apresenta o sentido de “desejar algo”, devendo ser regido pela preposição “a”.
  • C Incorreta, pois apresenta o sentido de “chegar a outro nível”, devendo ser regido pela preposição “de”.
  • D Correta, pois apresenta o sentido de “emancipar-se”.
  • E Correta, pois apresenta o sentido de “ir além dos limites de algo”.
9

A questão diz respeito ao Texto. Leia-o atentamente antes de respondê-la.



(Adaptado de Folha de S.Paulo, em 29/01/2020)

De acordo com as regras de concordância, é correto afirmar que a locução verbal “seja comprado” (linha 6) do texto está flexionada de forma:

  • A Incorreta, pois o verbo “ser”, quando empregado no sentido de “existir”, é impessoal.
  • B Incorreta, pois a concordância nas locuções verbais deve ser efetuada no verbo principal.
  • C Correta, pois concorda com seu sujeito simples “o livro” (linha 5).
  • D Incorreta, pois deveria concordar em número, pessoa e gênero com o núcleo do sujeito simples “espécie” (linha 7).
  • E Incorreta, pois deveria concordar em número, pessoa e gênero com os núcleos do sujeito composto “curso” (linha 7), “palestra” (linha 7) e “exposição” (linha 8).
10

A questão diz respeito ao Texto. Leia-o atentamente antes de respondê-la.



(Adaptado de Folha de S.Paulo, em 29/01/2020)

Sobre a frase “Compra-se uma música, é claro, tanto no velho CD quanto na „degustação‟ de um vinil, ou ainda pela assinatura de um site de streaming.” (linhas 36 a 39), é correto afirmar que:

  • A Utiliza-se o recurso da translação do sentido próprio de uma palavra para outro, por analogia ou por semelhança.
  • B Há substituição do sentido de um vocábulo pelo de outro com o qual está intimamente relacionado.
  • C Há o emprego de um vocábulo já existente e com significação própria em outro sentido, por falta de vocábulo adequado.
  • D Há, nas palavras, uma mistura de sensações perceptíveis por órgãos do sentido diferentes.
  • E Utiliza-se poderoso recurso estilístico, pois ressalta-se relações de contraste, de oposição entre os termos, entre as ideias.
11
“Em meio ao tumulto, todos eram favoráveis à aprovação das mudanças propostas para o futuro.”
O termo destacado na frase poderia ser substituído por uma oração, mantendo-se a correção gramatical e o sentido original, por:
  • A “Que fosse aprovada as mudanças propostas para o futuro.”
  • B “À que se aprovassem as mudanças propostas para o futuro.”
  • C “Para serem aprovadas às mudanças propostas para o futuro.”
  • D “A que fossem aprovadas as mudanças propostas para o futuro.”
  • E “Que aprovem as mudanças propostas para o futuro.”
12

No fragmento textual “Muitos terapeutas utilizam a metáfora da panela de pressão, ou seja, a pressão sobe, sobe e sobe, podendo chegar a um ponto tal que estoura e joga o que está em seu interior para todos os lados de uma forma desmedida”, a conjunção sublinhada inicia orações que exprimem:

  • A Finalidade.
  • B Concessão.
  • C Condição.
  • D Conformidade.
  • E Consequência.
13

Luta contra o preconceito

Empresas e instituições financeiras se unem à Faculdade

Zumbi dos Palmares para assegurar maior acesso dos

negros a empregos de alta qualidade


Para um sonho se tornar realidade, em primeiro lugar, obviamente, é preciso sonhar. Depois, faz-se necessário lutar por esse sonho com seriedade e persistência. Há dez anos, o reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, o advogado e professor José Vicente, sonhou com uma bem sucedida inclusão profissional do negro nas grandes empresas. Desde então, dedicou-se a isso com afinco e esmero. Na terça-feira 19, véspera do Dia da Consciência Negra, foi realizada a sétima edição do evento Jornadas da Diversidade. Reuniu, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, instituições financeiras, como o Banco Bradesco, e empresários para discutir e promover a mesma causa de José Vicente. As 70 empresas signatárias desse projeto de inclusão atuam na expansão da contratação e na retenção de pessoas negras em seus quadros de funcionários.

Para José Vicente, o acesso dos negros aos empregos de alta qualidade em empresas de grande porte, é condição indispensável para que a democracia avance de forma significativa no País. “Isso tem importância extraordinária. Coloca na agenda esse tema estruturante da nossa sociedade”, diz ele. A iniciativa pela equidade e diversidade dentro das corporações tem dado bons frutos. No evento, presidentes e diretores dessas empresas engajadas na luta contra o preconceito deixaram claro que têm o objetivo de superar obstáculos para incluir os negros no topo das corporações. “Quando o indivíduo é valorizado, ele se sente seguro, respeitado e vai apresentar o que tem de melhor”, diz a empresária Claudia Pohlmann, vice-presidente da Corteva.

Políticas públicas

A iniciativa empresarial é de suma importância para mudar a realidade do negro no mercado de trabalho. Segundo o Instituto de Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 65% dos desempregados no Brasil são pretos ou pardos. “Nas cinco mil maiores empresas brasileiras não encontramos negros no primeiro, segundo ou no terceiro escalão da hierarquia de comando”, diz José Vicente. A Faculdade Zumbi do Palmares se propõe a cumprir esse papel aglutinador e estimular a reflexão, o debate e a qualificação profissional para mudar essa dura realidade do mercado de trabalho. A capacidade do reitor para unir corporações empresariais e propor políticas públicas e ações afirmativas em torno da causa tem sido notável. “Na Coca-Cola damos força ao Comitê de Diversidade”, afirma o presidente da multinacional no Brasil, Henrique Braun. É importante que, cada vez mais, empresas se juntem a essa luta inclusiva e humanizadora.

Disponível em https://istoe.com.br/luta-contra-o-preconceito/

O vocábulo “qualificação” apresenta 12 letras e quantos fonemas?
  • A 12.
  • B 11.
  • C 10.
  • D 9.
14
Para Maria da Graça
Paulo Mendes Campos
Agora, que chegaste à idade avançada de 15 anos, Maria da Graça, eu te dou este livro: Alice no País das Maravilhas.
Este livro é doido, Maria. Isto é: o sentido dele está em ti.
Escuta: se não descobrires um sentido na loucura, acabarás louca. Aprende, pois, logo de saída para a grande vida, a ler este livro como um simples manual do sentido evidente de todas as coisas, inclusive as loucas. Aprende isso a teu modo, pois te dou apenas umas poucas chaves entre milhares que abrem as portas da realidade.
A realidade, Maria, é louca.
Nem o Papa, ninguém no mundo, pode responder sem pestanejar à pergunta que Alice faz à gatinha: "Fala a verdade Dinah, já comeste um morcego?"
Não te espantes quando o mundo amanhecer irreconhecível. Para melhor ou pior, isso acontece muitas vezes por ano. "Quem sou eu no mundo?" Essa indagação perplexa é lugar-comum de cada história de gente. Quantas vezes mais decifrares essa charada, tão entranhada em ti mesma como os teus ossos, mais forte ficarás. Não importa qual seja a resposta; o importante é dar ou inventar uma resposta. Ainda que seja mentira.
A sozinhez (esquece essa palavra que inventei agora sem querer) é inevitável. Foi o que Alice falou no fundo do poço: "Estou tão cansada de estar aqui sozinha!" O importante é que ela conseguiu sair de lá, abrindo a porta. A porta do poço! Só as criaturas humanas (nem mesmo os grandes macacos e os cães amestrados) conseguem abrir uma porta bem fechada ou viceversa, isto é, fechar uma porta bem aberta.
Somos todos tão bobos, Maria. Praticamos uma ação trivial, e temos a presunção petulante de esperar dela grandes consequências. Quando Alice comeu o bolo e não cresceu de tamanho, ficou no maior dos espantos. Apesar de ser isso o que acontece, geralmente, às pessoas que comem bolo.
Maria, há uma sabedoria social ou de bolso; nem toda sabedoria tem de ser grave.
A gente vive errando em relação ao próximo e o jeito é pedir desculpas sete vezes por dia, pois viver é falar de corda em casa de enforcado. Por isso te digo, para tua sabedoria de bolso: se gostas de gato, experimenta o ponto de vista do rato. Foi o que o rato perguntou à Alice: "Gostarias de gato se fosses eu?"
Os homens vivem apostando corrida, Maria. Nos escritórios, nos negócios, na política, nacional e internacional, nos clubes, nos bares, nas artes, na literatura, até amigos, até irmãos, até marido e mulher, até namorados, todos vivem apostando corrida. São competições tão confusas, tão cheias de truques, tão desnecessárias, tão fingindo que não é, tão ridículas muitas vezes, por caminhos tão escondidos, que, quando os atletas chegam exaustos a um ponto, costumam perguntar: "A corrida terminou! Mas quem ganhou?" É bobice, Maria da Graça, disputar uma corrida se a gente não irá saber quem venceu. Se tiveres de ir a algum lugar, não te preocupe a vaidade fatigante de ser a primeira a chegar. Se chegares sempre onde quiseres, ganhaste. [...]

Adaptado de: https://contobrasileiro.com.br/tag/cronica-de-paulomendes-campos/ Acesso em: 04/02/2020.
Assinale a alternativa que reescreve adequadamente a frase “O importante é que ela conseguiu sair de lá [...]”, preservando-lhe o sentido.
  • A A saída dela foi importante lá.
  • B É importante que ela saia daqui.
  • C Importa ela sair dali.
  • D O fato de ela ter saído de lá é importante.
  • E Lá, ela conseguiu sair.
15

Na palavra “antigas” (l. 33), a desinência nominal exclusivamente de gênero é determinada pela:

  • A Terminação “as”.
  • B Vogal “i”.
  • C Primeira vogal “a”.
  • D Segunda vogal “a”.
  • E Consoante “s”.

Psicologia

16

Conforme o DSM-V, os ataques de pânico destacam-se, nos transtornos de ansiedade, como um tipo particular de resposta ao medo. Os transtornos de ansiedade diferem, entre si, nos tipos de objetos ou situações que induzem medo, ansiedade ou comportamento de esquiva e na ideação cognitiva associada. A respeito desse assunto, julgue os itens que se seguem.


I. As principais características do transtorno de ansiedade social (fobia social) são ansiedade e preocupação persistentes e excessivas acerca de vários domínios, incluindo desempenho no trabalho e escolar, que o indivíduo tem dificuldades de controlar. Além disso, são experimentados sintomas físicos, como, por exemplo, inquietação ou sensação de “nervos à flor da pele”; fadiga; dificuldade de concentração ou “ter brancos”; irritabilidade; tensão muscular; e perturbação do sono.
II. O indivíduo com agorafobia é temeroso, ansioso ou se esquiva de interações e situações sociais que envolvam a possibilidade de ser avaliado. Estão inclusas também as situações sociais de se encontrar com pessoas que não são familiares, as situações em que o indivíduo pode ser observado comendo ou bebendo e as situações de desempenho diante de outras pessoas. A ideação cognitiva associada é a de ser avaliado negativamente pelos demais, ficar embaraçado, ser humilhado ou rejeitado ou ofender os outros.
III. Os indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada são apreensivos e ansiosos acerca de duas ou mais das seguintes situações: usar transporte público; estar em espaços abertos, estar em lugares fechados; ficar em fila ou estar no meio de uma multidão; ou estar fora de casa sozinho em outras situações. O indivíduo teme essas situações devido aos pensamentos de que pode ser difícil escapar ou de que pode não haver auxílio disponível caso desenvolva sintomas de pânico ou outros sintomas incapacitantes ou constrangedores.

Assinale a alternativa correta.

  • A Nenhum item está certo.
  • B Apenas o item I está certo.
  • C Apenas o item II está certo.
  • D Apenas o item III está certo.
  • E Apenas os itens I e II estão certos.
17

Considerando a atuação do psicólogo nos ambulatórios, é incorreto afirmar que:

  • A Confusão e dúvidas sobre o papel do psicólogo na equipe de saúde são incomuns, sendo a Psicologia facilmente associada ao processo de humanização pelo qual passam grande parte dos hospitais gerais.
  • B É relativamente comum a solicitação de atendimento psicológico por um membro da família do paciente, muitas vezes associada a queixas psicopatológicas ou doenças psiquiátricas prévias.
  • C O encaminhamento do paciente ao psicólogo, pelos profissionais de saúde, muitas vezes envolve aspectos ligados a não adesão ao tratamento médico e as queixas expressas pelos familiares do enfermo.
  • D A expectativa da equipe é a de que o atendimento psicológico restaure a saúde mental do paciente e possibilite o enfrentamento, por parte deste, de procedimentos médicos, tais como uma cirurgia de revascularização do miocárdio.
18

Sobre a morte e o processo de morrer, é FALSO afirmar:

  • A Durante a fase terminal da doença, algumas dores mais encontradas são o medo da dor e da mutilação, o medo da morte e o medo de perder o controle sobre a própria vida.
  • B O paciente gravemente enfermo vive várias perdas, que instalam um processo de luto, com a presença de sentimentos de tristeza, raiva, medo e resignação.
  • C Segundo Torres (1996), quando o paciente adentra o hospital, ao ser despojado de sua identidade de “ser pensante”, devem ser estimuladas a passividade e a adaptação para uma adequada aceitação do processo de morrer.
  • D Na psicoterapia com pessoas em fase terminal da doença, deve-se possibilitar o insight, um aprofundamento das relações e uma ressignificação de certos eventos da vida, para favorecer a possibilidade de elaboração.
19

Sobre os preceitos éticos ligados à Psicologia no Hospital, é incorreto afirmar:

  • A O princípio de responsabilidade científica e profissional estabelecido pela Associação de Psicologia Americana (APA) aponta que o psicólogo deve reconhecer a importância do seu comportamento e atuação, procurando sempre atender, com técnicas específicas, as necessidades de diferentes tipos de clientela.
  • B O respeito à dignidade das pessoas, tal como definido pela APA, refere-se à necessidade do reconhecimento do direito de privacidade, confidencialidade, autodeterminação e autonomia dos indivíduos atendidos. Tal princípio determina não só a guarda sigilosa da informação, mas também o direito à recusa de continuar determinado tratamento.
  • C Na questão da integridade, a APA define o comportamento e atitudes éticas tanto no aspecto científico quanto nas relações entre o ensino e a prática da Psicologia. Em sua atuação, espera-se que o psicólogo tenha comportamentos honestos, justos e respeitosos, qualquer que seja o âmbito de seu trabalho.
  • D A responsabilidade social é colocada como uma responsabilidade científica do profissional diante da comunidade e da sociedade na qual está inserido. As obrigações éticas e deontológicas, neste sentido, referem-se à divulgação dos conhecimentos psicológicos para reduzir o sofrimento e contribuir para a melhoria da humanidade.
20

Considerando os estudos sobre estresse, é incorreto afirmar:

  • A O modelo trifásico proposto por Selye (1936) considera que o quadro sintomático do stress varia dependendo da fase em que se encontra.
  • B Na fase de quase-exaustão há a persistência dos fatores estressantes, em frequência ou intensidade, quando ocorre uma quebra na resistência da pessoa acometida.
  • C No modelo quadrifásico do stress, proposto por Lipp (1997), foi acrescida a fase de resistência, considerada a fase positiva do stress, onde a sobrevivência é preservada e uma sensação de plenitude é frequentemente alcançada.
  • D Durante a fase de exaustão, doenças graves podem ocorrer em órgãos vulneráveis.
21

Sobre a sintomatologia depressiva, bastante presente entre os enfermos que cursam internados, é incorreto afirmar que:

  • A Diminuição da energia, cansaço e fadiga são comuns e até tarefas leves podem exigir um esforço substancial.
  • B A perturbação do sono mais comumente associada com um episódio depressivo maior é a insônia, tipicamente intermediária ou terminal.
  • C Com maior frequência os indivíduos apresentam sonolência excessiva, na forma de episódios prolongados de sono noturno ou de sono durante o dia.
  • D Há relatos de prejuízo na capacidade de pensar, concentrarse e tomar decisões. Pode haver queixas de dificuldades de memória.
22

A partir das assertivas a seguir, é incorreto afirmar:

  • A Ao examinar a ansiedade em pacientes, é frequente a sobreposição de sintomas, onde a depressão é sempre uma possibilidade.
  • B Na aplicação das escalas Beck, ao ser identificada a presença de sintomas depressivos, é necessário utilizar a escala BHS (Escala de desesperança de Beck) para identificar se há algum potencial suicida.
  • C Dentre a sintomatologia investigada na BDI (Inventário de depressão de Beck), estão a redução da libido, a perda de apetite e a expectativa de punição.
  • D A BSI (Escala de ideação suicida de Beck) é um auto-relato que objetiva investigar a presença de ideação suicida e a gravidade das ideias, planos e desejos de suicídio.
23

É considerada falta ética na atuação do psicólogo hospitalar, em relação ao uso de testes:

  • A Fotocopiar folhas respostas de testes psicológicos, quando estas não estiverem disponíveis.
  • B O psicólogo deve considerar a necessidade de explicação sobre o resultado dos testes psicológicos aplicados aos solicitantes da avaliação.
  • C Faz-se necessária a explicação sobre os objetivos da aplicação dos testes psicológicos a todos os sujeitos avaliados.
  • D Não permitir a aplicação de testes psicológicos por pessoal não qualificado.
24

Sobre Neuropsicologia, é incorreto afirmar:

  • A Dentre as funções neuropsicológicas avaliadas, são exemplos de funções executivas a capacidade de discernimento, raciocínio e flexibilidade mental.
  • B A avaliação neuropsicológica não deve, em condições ideais, ser realizada durante momentos de crise vividos pelo paciente.
  • C Instrumentos de rastreio sensíveis não devem ser aplicados pelo psicólogo no ambiente hospitalar para a detecção de sinais e/ou sintomas de déficits cognitivos.
  • D A não adesão do enfermo ao tratamento médico pode estar associada à presença de déficits cognitivos.
25

Ao considerar as reações de ajustamento que o enfermo pode apresentar ao ambiente hospitalar, assinale a resposta correta:

  • A Delirium é uma síndrome de curso crônico.
  • B O nível de consciência mostra-se alterado.
  • C A função atencional é reduzida, assim como a memória de trabalho.
  • D Está associada à presença de confusão mental.
26

O transtorno do estresse pós-traumático apresenta alguns critérios para seu diagnóstico, exceto:

  • A Na classificação de quadro agudo, a duração dos sintomas é inferior a dois meses.
  • B O indivíduo acometido pode ter testemunhado um ou mais eventos ligados à morte ou ameaça à integridade física própria ou a de outros.
  • C A resposta ao evento deve envolver medo intenso, impotência ou horror.
  • D O evento traumático pode ser revivido de várias maneiras, onde a pessoa tem recordações recorrentes e intrusivas do evento.
27

Sobre a medida psicométrica e o conceito de “traço latente”, é correto afirmar que:

  • A Spearman (1904) defende a teoria do fator intelectual geral e único, o fator G.
  • B Piaget (1952) defende o desenvolvimento das estruturas cognitivas em sucessivos estágios.
  • C No campo da personalidade, temos concepções a partir de Jung (1921), de Kretschmer (1925) e de Sheldon (1940, 1942).
  • D Nas tipologias mais modernas do temperamento, a tendência é de considerar os traços latentes como pequenas estruturas que variam de sujeito a sujeito.
28

No ambulatório o psicólogo pode acompanhar pacientes que estão em processo de pré e pós-internação. Sobre esta forma de atenção psicológica, é correto afirmar que:

  • A Quanto ao atendimento psicológico no ambulatório, cabe ao psicólogo observar questões vinculadas diretamente às queixas do enfermo.
  • B O psicólogo deve intervir apenas quando houver “cronificação” do ponto de vista emocional do enfermo, situação em que tende a apresentar dependência, regressão e passividade.
  • C Somente deverão ser acompanhados no ambulatório de psicologia, aqueles pacientes cujo problema principal guarde estreita relação com a enfermidade.
  • D No atendimento ambulatorial, o psicólogo não atua no nível da atenção psicoeducativa, nem estimula comportamentos de saúde.
29

A respeito dos conhecimentos em Psicoterapia Breve, é correto afirmar que:

  • A Se utilizada em situação de emergência, proporciona ao indivíduo ajuda psicológica com a finalidade de intervir na ressignificação da sua história de vida.
  • B No hospital geral as intervenções psicológicas aliviam e previnem reações desadaptadas do indivíduo internado.
  • C No hospital geral são observadas crises depressivas reacionais, ansiedade pré e pós-operatória e reações emocionais que são objeto de intervenção do processo em psicoterapia breve.
  • D Requer formação específica do psicólogo e terapêutica orientada por objetivos.
30

Quanto aos aspectos ligados à ansiedade, é incorreto afirmar:

  • A O transtorno de ansiedade devido a uma condição médica geral é uma ansiedade clinicamente significativa decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma patologia.
  • B Um dos aspectos que diferenciam a ansiedade não-patológica do transtorno de ansiedade generalizada é que a segunda pode ocorrer sem a presença de desencadeantes.
  • C No transtorno de ansiedade generalizada os indivíduos experimentam irritabilidade, dores musculares ou outros sintomas somáticos.
  • D A intensidade e frequência da ansiedade são claramente proporcionais a real probabilidade ou impacto do evento temido.

Redação Oficial

31
Leia o texto para responder à questão:

Qual é o papel de um museu que
conta histórias de vida?

    O Museu da Pessoa foi criado em 1991 com o objetivo de registrar e preservar histórias de vida de todo e qualquer indivíduo. A ideia é valorizar essas memórias e torná-las uma fonte de compreensão, conhecimento e conexão entre as pessoas, dos narradores aos visitantes que a instituição atrai.
    O Museu da Pessoa é colaborativo, ou seja, qualquer pessoa pode se voluntariar para contar sua história. Todas as pessoas que se dispõem a falar são entrevistadas por colaboradores da instituição, que durante longas conversas buscam estimular os participantes a lembrar os detalhes de sua trajetória. É possível encontrar nos arquivos histórias de professores, poetas, comerciantes e trabalhadores rurais, de variadas idades e regiões do país
     A curadora e fundadora do Museu da Pessoa, Karen Worcman, teve a ideia de criar a instituição no fim dos anos 1980, quando participou de um projeto de entrevistas com imigrantes no Rio e percebeu que os depoimentos ouvidos ajudavam a contar a história mais ampla do país. Mais de 25 anos depois da fundação do museu, Worcman pensa o mesmo. “A história de cada pessoa é uma perspectiva única sobre a história comum que todos nós vivemos como sociedade”, disse a curadora ao jornal Nexo.
      Para Worcman, as narrativas do acervo podem fazer o público do museu não só conhecer a vida de outras pessoas mas também “aprender sobre o mundo e a sociedade com o olhar do outro”. Abertas a outros pontos de vista, as pessoas transformam seu modo de ver o mundo e criam uma sociedade mais justa e igualitária.

(Mariana Vick, Nexo Jornal, 29 de junho de 2020. Adaptado)

Assinale a alternativa correta quanto à norma-padrão de concordância verbal, em conformidade com o Manual de Redação da Presidência da República.

  • A No Museu da Pessoa, existe colaboradores que entrevistam as pessoas dispostas a falar.
  • B O mundo e a sociedade torna-se objeto de conhecimento quando se conhece a vida de outras pessoas.
  • C Histórias comuns das pessoas compõe o acervo do Museu da Pessoa, concebido por Karen Worcman.
  • D Worcman teve a ideia de criar o museu quando participou de um projeto no qual se entrevistavam imigrantes no Rio.
  • E No Museu da Pessoa, tratam-se de questões relevantes para o debate público nacional.
Voltar para lista