Resolver o Simulado CONSULPAM

0 / 30

Português

1

Choveu!. Aqui temos:

  • A Uma oração.
  • B Um período.
  • C Uma frase.
  • D Um período composto.
2
O Escriba


         Conhecida também pelo pernóstico apelido de Sorbonne, a Escola Superior de Guerra era produto de um sincero interesse da cúpula militar pelo aprimoramento intelectual dos oficiais superiores, mas também de um desejo dos ministros de manter longe dos comandos de tropa e de posições importantes no Estado-Maior os oficiais de muita capacidade e pouca confiança. Enquanto se puniam com transferências para circunscrições de recrutamento os coronéis chucros ou extremados, a oposição militar bem-educada ganhava escrivaninhas na ESG, cuja primeira virtude era a localização: no Rio de Janeiro, debruçada sobre a praia da Urca. Em 1953, somando-se os estagiários ao seu quadro de pessoal, a ESG dava o que fazer a doze generais, três almirantes, dois brigadeiros, 33 coronéis e onze capitães-de-mar-e-guerra, efetivo equivalente a mais que o dobro dos coronéis e generais que foram para a guerra.
         Desde 1950 a escola juntava por volta de setenta civis e militares num curso de um ano, verdadeira maratona de palestras e estudos em torno dos problemas nacionais. Essa convivência de oficiais, burocratas e parlamentares era experiência inédita, mas seria exagero dizer que nos seus primeiros dez anos de vida a ESG aglutinou uma amostra da elite nacional. O número de estagiários sem ligação funcional com o Estado dificilmente alcançava um terço das turmas. A seleção dos 483 militares que fizeram qualquer tipo de curso na ESG entre 1950 e 1959 deu-se sem dúvida no estrato superior da oficialidade. Dois chegaram à Presidência da República (Geisel e Castello Branco), 23 ao ministério, e, deles, seis chefiaram o Exército. Com os 335 civis que passaram pela escola no mesmo período, o resultado foi outro. Só quatro chegaram ao ministério. Um deles, Tancredo Neves, pode ser computado como se tivesse chegado à Presidência.
           A escola funcionava num clima grandiloquente e autocongratulatório. Suas primeiras turmas incluíam oficiais sinceramente convencidos de que participavam de um mutirão intelectual que repensava o Brasil. Havia neles um verdadeiro sentido de missão. “Nenhum de nós sabia nada e queríamos que alguém nos desse ideias”, contaria mais tarde o general Antônio Carlos Muricy. Ainda assim, a ESG não produziria uma só ideia ao mesmo tempo certa e nova. Seus fundadores empilharam conceitos redundantes, como Planejamento da Segurança Nacional, e impenetráveis, como o Conceito Estratégico Nacional, atrás dos quais se escondia uma metafísica do poder estranha à ordem e às instituições democráticas, aos sistemas partidários e aos mecanismos eleitorais. Carlos Lacerda chamava-a de “escola do blá-blá-blá”. Com o tempo edificou-se a mitologia de que a Sorbonne foi laboratório de aperfeiçoamento da elite nacional e sacrário ideológico do regime de 1964. Parte da cúpula militar que a criou, no entanto, haveria de tomá-la como mau exemplo tanto pela fauna como pela flora. “Cuidado com os picaretas. Veja a ESG”, advertiu Geisel a um amigo. As famosas apostilas de capa cinza eram documentos irrelevantes para o general: “Podem ir para o lixo, pois as turmas e os grupos são muito díspares”.
        Fundada na premissa de que o subdesenvolvimento brasileiro era produto da falta de articulação e competência de sua elite, a ESG se propunha a sistematizar o debate dos problemas do país. Oferecia-se também como centro de estudos para uma crise universal muito mais ameaçadora e urgente. Em maio de 1949 a escola ainda não estava legalmente organizada, mas seu comandante, o general Oswaldo Cordeiro de Farias, advertia: “Precisamos preparar-nos para a eventualidade da terceira guerra mundial, o que é uma consequência do panorama internacional, uma política de autodefesa, um imperativo de nossa soberania e do nosso espírito de sobrevivência. Viver despreocupado problema, num mundo que não se entende, é ter mentalidade suicida”.
          Esse mundo vivia sob a influência de duas expressões: Cortina de Ferro e Guerra Fria.
        A primeira fora mais uma expressão genial do ex-primeiro-ministro inglês Winston Churchill. Em março de 1946, discursando na pequena cidade de Fulton, nos Estados Unidos, ele denunciou: “De Stettin, no Báltico, a Trieste no Adriático, uma cortina de ferro caiu sobre o Continente. Atrás dessa linha, todas as capitais dos velhos Estados da Europa Central, Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapest, Belgrado, Bucarest e Sofia, todas essas famosas cidades, bem como as populações que as circundam, estão submetidas não só à influência soviética, mas a um grande e crescente controle por Moscou”.
         A segunda fora produto da memória do jornalista americano Walter Lippmann. Ao dar título a uma coletânea de artigos dos últimos meses de 1947, ele recorreu à expressão francesa usada em 39 para designar a política de intimidação de Hitler na Europa, “la guerre froide”.


(GASPARI, E. A ditadura derrotada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 121-124). 

Quanto às regras de concordância nominal e verbal, o único item CORRETO é:

  • A Os diversos Estudos estão organizados por meio de Disciplinas, pelo critério de afinidade e coordenação dos assuntos e áreas de conhecimento.
  • B A fase básica apresenta fundamentos e conceitos que servirá de fundamento para os estudos e atividades de alta complexidade que se ocorrerá a seguir.
  • C A fase conjuntural aprofunda e integra conhecimentos que vão possibilitar a efetivação de avaliações conjunturais e a construção de cenário, nacional e internacional, elaborados nesta fase.
  • D Durante esse período, são estabelecidos condições para que o estagiário complemente os conhecimentos iniciais por meio de estudos de problemas conjunturais do Brasil.


    (Disponível em: <https://www.esg.br/cursos-regulares> Acessado em: 07 de fev. de 2019 - com adaptações)
3
Leia atentamente o texto abaixo e responda à questão.

TEXTO I
Idosos são mais propensos a espalhar notícias falsas

Um estudo apontou que pessoas com mais de 65 anos são mais propensas a divulgar na internet notícias falsas, também chamadas de "fake news".
O artigo - assinado por Andrew Guess, da Universidade Princeton, e Jonathan Nagler e Joshua Tucker, da Universidade de Nova York (NYU), ambas nos EUA - foi publicado pela revista científica Science Advances na última quarta-feira (9). Nele, os autores analisaram as publicações de um grupo de usuários do Facebook durante a campanha presidencial americana, em 2016.
A pesquisa concluiu que, de forma geral, o "compartilhamento de artigos de sites de notícias falsas foi uma atividade rara". "A ampla maioria dos usuários do Facebook no nosso banco de dados (91,5%) não divulgou nenhum artigo de portais de notícias falsas em 2016", dizem os autores.
Mas o estudo identificou que os usuários na faixa etária mais velha, acima dos 65 anos, compartilharam sete vezes mais artigos de portais de notícias falsas do que o grupo etário mais jovem (18 a 29 anos).
Dentre os que divulgaram notícias falsas, havia mais eleitores do Partido Republicano (38 usuários) - grupo político do presidente Donald Trump - do que do Partido Democrata (17). Ao todo 18,1% dos eleitores republicanos analisados pelo estudo divulgaram notícias falsas, ante 3,5% dos eleitores democratas.
Para definir quais sites eram difusores de "fake news", os autores se basearam em listas de acadêmicos e jornalistas, entre os quais uma elaborada pelo jornalista Craig Silverman, do portal BuzzFeed.

Influência de "fake news" em eleições
A eleição de Trump - assim como a de Jair Bolsonaro (PSL) no Brasil - foi marcada por discussões sobre a possível influência das chamadas "fake news" - conteúdos falsos divulgados como se fossem notícias verdadeiras, muitas vezes para gerar receitas publicitárias.
Alguns analistas afirmaram que esses conteúdos tiveram um impacto que pode ter afetado o resultado eleitoral nos EUA em 2016. Os autores do artigo dizem, porém, que estudos indicam que esses argumentos "são exagerados".
A pesquisa afirma ainda que as pessoas que compartilhavam mais notícias eram em geral menos propensas a divulgar conteúdos falsos. "Esses dados são consistentes com a hipótese de que pessoas que compartilham muitos links têm mais familiaridade com o que elas estão vendo e são mais aptas a distinguir notícias falsas de notícias reais", diz o estudo.
Os autores apontam, porém, que não foi possível descobrir se os participantes sabiam que estavam divulgando notícias falsas.
Os pesquisadores dizem também que os achados indicam que questões demográficas devem ser mais enfocadas em pesquisas sobre o comportamento político, conforme a população americana envelhece e a tecnologia muda com grande velocidade.
https://www.bbc.com/portuguese/brasil46849533?ocid=socialflow_facebook. Acesso em: 12 jan. 2019.

Quanto ao emprego dos verbos, qual é a afirmativa FALSA?

  • A O verbo ser, no trecho “Esses dados são consistentes com a hipótese”, está flexionado de forma correta.
  • B O verbo saber, no trecho “não foi possível descobrir se os participantes sabiam que estavam divulgando notícias falsas”, está no modo subjuntivo.
  • C O verbo dizer, no trecho “os pesquisadores dizem também que os achados indicam”, está no presente do indicativo.
  • D O verbo ser, no trecho “conteúdos falsos divulgados como se fossem notícias verdadeiras”, está no pretérito imperfeito do subjuntivo.
4

Pedro vive sempre correndo pelo mundo. Ele é um grande GUERREIRO! A palavra guerreiro nessa frase tem função de:

  • A Advérbio.
  • B Locução.
  • C Adjetivo.
  • D Adjunto.
5

Marque o item abaixo onde a palavra está acentuada de forma INCORRETA:

  • A Pragmátismo.
  • B Café.
  • C Tráfego.
  • D Terapêutico.
6

Marque o item onde só constam palavras derivadas:

  • A Maresia, sol, infiel.
  • B Pedreiro, vidraça, luzeiro.
  • C Caiado, roubo, insuportável.
  • D Maremoto, terremoto, terra.
7

O texto de uma novela é do gênero textual:

  • A Dissertativo.
  • B Conotativo.
  • C Argumentativo.
  • D Narrativo.
8

Pedro, Paulo, Macedônia, Brasil, Teles, são:

  • A Advérbios.
  • B Adjetivos.
  • C Verbos.
  • D Substantivos.
9
Mulher Maravilha (Zé Neto e Cristiano)

Tem brinquedo espalhado pela casa toda
E as paredes rabiscadas com o giz de cera
Mudou de tal maneira
Nossa vida já não é a mesma

A gente já não dorme mais a noite inteira
Na mesa tem dois copos e uma mamadeira
Mudou de tal maneira
Nossa vida já não é a mesma

Tem um pinguinho de gente correndo na sala
Com o sorriso banguelo, eu não quero mais nada

Sabe aquele amor que se multiplica?
Quem nunca sonhou ter isso na vida?
Ser herói de alguém e, melhor ainda
Ter do lado a Mulher Maravilha

O texto traz como conteúdo principal:

  • A Um cachorrinho que vive correndo pela casa.
  • B Tem muito brinquedo espalhado e que é impossível viver assim.
  • C O problema de não dormir direito a noite.
  • D A alegria de ter um filho, que ainda é bem pequeno.
10
Mulher Maravilha (Zé Neto e Cristiano)

Tem brinquedo espalhado pela casa toda
E as paredes rabiscadas com o giz de cera
Mudou de tal maneira
Nossa vida já não é a mesma

A gente já não dorme mais a noite inteira
Na mesa tem dois copos e uma mamadeira
Mudou de tal maneira
Nossa vida já não é a mesma

Tem um pinguinho de gente correndo na sala
Com o sorriso banguelo, eu não quero mais nada

Sabe aquele amor que se multiplica?
Quem nunca sonhou ter isso na vida?
Ser herói de alguém e, melhor ainda
Ter do lado a Mulher Maravilha

A palavra pinguinho foi empregada no texto no sentido de:

  • A Se referindo ao tamanho da criança.
  • B Um pingo de algum líquido escorrendo pela sala.
  • C Coisa muito pequena espalhada pela casa.
  • D Uma pequena mancha na roupa do bebê.

Legislação de Trânsito

11

Julgue as assertivas abaixo, referentes ao uso de luzes em veículo, para, ao final, escolher a sequência CORRETA:

I - A troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e por curto período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar a intenção de ultrapassar o veículo que segue à frente, para estimular o motorista da frente a imprimir maior velocidade ou para indicar a existência de risco à segurança para os veículos que circulam no sentido contrário.

II – o condutor manterá acesas pelo menos as luzes de posição do veículo quando sob chuva forte, neblina ou cerração.

III - O condutor utilizará o pisca alerta exclusivamente nas situações de imobilizações ou situações de emergência.

IV - Os veículos de transporte coletivo regular de passageiros, quando circularem em faixas próprias a eles destinadas, e os ciclos motorizados deverão utilizar-se de farol de luz baixa durante o dia e a noite.

  • A V, V, V, V
  • B F, F, F, F
  • C F, V, F, V
  • D V, F, F, V
12

De acordo com o Código de Transito brasileiro, das Normas Gerais de Circulação e Conduta, Art. 40 - O uso de luzes em veículo obedecerá às seguintes determinações, EXCETO:

  • A O condutor manterá acesos os faróis do veículo, utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminação pública.
  • B Nas vias não iluminadas o condutor deve usar luz alta, exceto ao cruzar com outro veículo ou ao segui-lo.
  • C A troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e por curto período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar a intenção de ultrapassar o veículo que segue à frente ou para indicar a existência de risco à segurança para os veículos que circulam no sentido contrário.
  • D O condutor deverá evitar acender as luzes de posição do veículo quando estiver sob chuva forte, neblina ou cerração.
13

São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre outros, a seremestabelecidos pelo CONTRAN, EXCETO:

  • A Cinto de segurança, com exceção dos veículos destinados ao transporte de passageiros em percursos em que seja permitido viajar em pé.
  • B Para os veículos de transporte e de condução escolar, os de transporte de passageiros com mais de dez lugares e os de carga com peso bruto total superior a quatro mil quinhentos e trinta e seis quilogramas, equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo.
  • C Encosto de cabeça, para todos os tipos de veículos automotores.
  • D Pneus novos e renovados a cada seis meses de uso.
14

Complete as lacunas abaixo, para, ao final escolher a alternativa correta, utilizando aos parâmetros relativos à velocidade máxima permitida para as vias urbanas, em locais onde não exista sinalização regulamentadora:

I - _______quilômetros por hora, nas vias de trânsito rápido.
II - ______quilômetros por hora, nas vias arteriais.
III - ______quilômetros por hora, nas vias coletoras.
IV - ______quilômetros por hora, nas vias locais.

  • A oitenta, cinquenta, quarenta, trinta.
  • B sessenta, cinquenta, quarenta, trinta.
  • C oitenta, sessenta, quarenta, trinta.
  • D sessenta, cinquenta, trinta, vinte.
15

De acordo com o Código de Transito Brasileiro e com as Normas Gerais de Circulação e Conduta, o condutor utilizará o pisca - alerta nas seguintes situações:

  • A Em imobilizações ou situações de emergência e quando a regulamentação da via assim o determinar.
  • B Ao realizar uma ultrapassagem e nas vias não iluminadas.
  • C Durante a noite e ao realizar uma ultrapassagem.
  • D Em situações de emergência e durante a noite.
16

Qual das hipóteses abaixo relacionadas não correspondem às classificações dos sinais de trânsito, segundo o Código de Trânsito Brasileiro:

  • A dispositivos de sinalização auxiliar.
  • B gestos oriundos exclusivamente dos agentes de trânsito.
  • C sonoros.
  • D horizontais
17

Aponte o item que indica a parte da via destinada exclusivamente a parada ou estacionamento de veículos em caso de emergência e circulação de pedestres e ciclistas na ausência de calçadas ou ciclovias.

  • A Bordo da Pista.
  • B Acostamento.
  • C Ciclofaixa.
  • D Pista.
18

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, constituem-se exigências de segurança para os veículos especialmente destinados à condução coletiva de escolares, EXCETO:

  • A pintura de faixa horizontal exclusivamente na cor amarela, com quarenta centímetros de largura, à meia altura, em toda a extensão das partes laterais e traseira da carroçaria, com o dístico ESCOLAR, em preto.
  • B inspeção semestral para verificação dos equipamentos obrigatórios e de segurança.
  • C lanternas de luz branca, fosca ou amarela dispostas nas extremidades da parte superior dianteira e lanternas de luz vermelha dispostas na extremidade superior da parte traseira.
  • D equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo.
19

De acordo com o Código de Transito Brasileiro, Capitulo XV das infrações, Art.180 - Ter seu veículo imobilizado na via por falta de combustível é uma infração:

  • A Leve.
  • B Média.
  • C Grave.
  • D Gravíssima.
20

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, são equipamentos obrigatórios dos veículos, entre outros a serem estabelecidos pelo CONTRAN, EXCETO:

  • A cinto de segurança, conforme regulamentação específica do CONTRAN, com exceção dos veículos destinados ao transporte de passageiros em percursos em que seja permitido viajar em pé.
  • B para os veículos de transporte e de condução escolar, os de transporte de passageiros com mais de dez lugares e os de carga com peso bruto total superior a quatro mil, quinhentos e trinta e seis quilogramas, equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo.
  • C equipamento suplementar de retenção - air bag frontal para o condutor e os demais passageiros do veículo.
  • D para as bicicletas, a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

Noções de Informática

21

Podemos dizer que internet é um conjunto de redes interligadas através de Backbones que é o termo principal utilizado para:

  • A Interpretar as páginas da web.
  • B Enviar mensagens instantâneas pelos sites.
  • C Solicitar informação em qualquer lugar do mundo por meio de sites.
  • D Identificar a rede principal pela qual os dados de todos os clientes da Internet passam.
22

Para criar um novo documento no Word 2007:

  • A Na aba inserir clicar em “novo”.
  • B Na aba editar clicar em “novo”.
  • C No botão office clicar em “novo”.
  • D No botão office clicar em “abrir”.
23

A barra representada na imagem abaixo é onde inserimos o conteúdo de uma célula podendo conter fórmulas, cálculos ou textos. Esta barra é denominada:

Fonte: Disponível em https://bit.ly/2M9Y9ch. Acessado em 31/12/2018

  • A Barra de Zoom.
  • B Barra de Fórmulas.
  • C Barra de ferramentas de acesso rápido.
  • D Barra de Status com estatísticas da seleção.
24

No MS Excel 2013 a Caixa de Nome, conforme representado na imagem é onde podemos:
Fonte: Disponível em https://bit.ly/2M9Y9ch Acessado em 31/07/2018.

  • A Identificar o endereço das células
  • B Inserir o conteúdo de uma célula.
  • C Selecionar duas ou mais células.
  • D Abrir um arquivo do Excel.
25

De modo geral, o papel da barra de tarefas, no Windows 7, é dar acesso aos programas instalados no computador, permitindo alternar entre janelas abertas e abrir outras ou acessar rapidamente certas configurações do Windows. Ela se divide em três seções:

  • A O plano de fundo, os ícones e a barra de ferramentas.
  • B O painel de controle, os programas e o Windows Explorer.
  • C O Explorer, os jogos e os ícones (meu computador e lixeira).
  • D O botão e o menu Iniciar, a super barra e a área de notificação.
26

O Bloqueio Dinâmico, uma função do Windows 10 que sincroniza seu celular com seu computador, bloqueando o PC automaticamente se seu celular ficar afastado dele. Para ativar essa opção, basta ir a:

  • A Opções gráficas > Teclas de Atalho > Ativar.
  • B Configurações > Contas > Opções de entrada.
  • C Notificações e ações > Ações Rápidas > Modo Tablet.
  • D Configurações > Armazenamento > Sensor de Armazenamento.
27

A configuração de uma arquitetura redundante garante apenas a disponibilidade dos dados de um sistema, mas não os protege contra os erros de manipulação dos usuários ou contra catástrofes como incêndios, inundações ou terremotos. Por isso, é necessário prever mecanismos de:

  • A Plug & play.
  • B Criptografia.
  • C Backup.
  • D Reset.
28

“Esta opção sai do perfil do usuário que estava usando o computador, mas não finaliza nenhum programa”. Essa afirmativa refere-se a qual procedimento do Windows 7:

  • A Trocar usuário.
  • B Bloquear.
  • C Desligar.
  • D Fazer Logoff.
29

No Windows 7 quais teclas combinadas são utilizadas para selecionar todos os itens da área de trabalho?

  • A CTRL+C.
  • B CTRL+A.
  • C CTRL+Y.
  • D CTRL+X.
30

No Windows 7 quais teclas combinadas são utilizadas para selecionar todos os itens da área de trabalho?

  • A CTRL+C.
  • B CTRL+A.
  • C CTRL+Y.
  • D CTRL+X.
Voltar para lista