Resolver o Simulado

0 / 30

Odontologia

1

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos, afirma o autor. O mais comum e primário deles é a vacinação, conforme pode ser entendido a partir das informações do autor.

II. A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para o agravamento do risco à saúde dos trabalhadores e dos pacientes que frequentam um consultório odontológico, conforme pode ser entendido a partir das informações do autor.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
2

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. Os consultórios de odontologia são ambientes livres do risco de contaminações por bactérias de qualquer natureza, de acordo com o autor.

II. Seguir os procedimentos e regras de biossegurança corretamente aumenta o risco de transmissão de doenças, amplia o risco ocupacional e de infecção cruzada e também potencializa os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça, conforme pode ser entendido a partir das informações do texto.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
3

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. É essencial evitar seguir os procedimentos que minimizam problemas e mantêm a segurança no consultório odontológico, conforme pode ser entendido a partir das informações do texto.

II. O texto afirma que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária define a biossegurança como a condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a agravar, descontrolar, elevar ou potencializar os riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
4

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. A máscara, o gorro, os óculos de proteção, as luvas de procedimento e o jaleco são itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, conforme pode ser entendido a partir das informações do texto.

II. A biossegurança é dispensável a todos os consultórios odontológicos, pois ela agrava os riscos à segurança de todas as pessoas que frequentam esse ambiente, de acordo com o autor.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
5

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. A anti-sepsia compreende a eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo, de acordo com o texto.

II. O responsável técnico pelo consultório odontológico não deve ter qualquer conhecimento sobre o tema da biossegurança, conforme pode ser entendido a partir das informações do autor.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
6

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. Em partes não esterilizáveis dos equipamentos odontológicos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 30% (ou 330 GL), solução alcoólica de clorexidine (52 a 55% em álcool a 10%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta, de acordo com o texto.

II. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, de acordo com o texto.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
7

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. De acordo com o autor, uma medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual.

II. A esterilização é o processo que elimina os microrganismos (esporos, bactérias e resíduos de radiação ionizante) por meios físicos, apenas, conforme pode ser entendido a partir das informações do autor.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
8

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. A desinfecção compreende a eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos, conforme pode ser entendido a partir das informações do texto.

II. O texto afirma que a limpeza é um método de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas que compreende a remoção de sujeiras para a redução de microrganismos presentes em superfícies.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
9

Leia as afirmativas a seguir:


I. A cárie, por ser uma doença multifatorial, é afetada pelas condições socioeconômicas.

II. A cárie dentária é uma doença multifatorial.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
10

BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS


No ambiente odontológico é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e às medidas de manutenção da segurança de todas as pessoas envolvidas nesse universo. A biossegurança é o campo do conhecimento que contribui para esse objetivo.

Quando o assunto é saúde, a prevenção é o melhor remédio. Afinal, sabe-se que os consultórios de odontologia são ambientes susceptíveis a contaminações de bactérias que podem ser oriundas da boca do paciente, de gotículas eliminadas durante os procedimentos, das mãos dos cirurgiões dentistas ou dos instrumentos e equipamentos do consultório. Por isso mesmo, é essencial estar atento aos procedimentos que podem evitar problemas e manter em segurança todas as pessoas envolvidas nesse universo.


O QUE É BIOSSEGURANÇA?


A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, proteção do trabalhador e\ou paciente, minimização de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e operacional e amplia-se para a proteção ambiental e a qualidade.

A biossegurança é uma área de conhecimento definida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como: “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”.

Biossegurança em odontologia é o conjunto de procedimentos adaptados ao consultório com o objetivo de dar proteção e segurança ao paciente, ao dentista e à sua equipe. São regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos.


MEDIDAS BÁSICAS DA BIOSSEGURANÇA


A biossegurança possui uma série de medidas e procedimentos. A mais comum e primária delas é a vacinação. Todos os profissionais envolvidos no trabalho em um consultório odontológico devem ser imunizados contra as principais doenças a que estão expostos, como: hepatite B, febre amarela, sarampo, caxumba e rubéola, tuberculose, difteria e tétano e influenza. No entanto, a exigência das vacinas pode mudar de acordo com a região em que o profissional atua.

Outra medida muito conhecida de biossegurança é a utilização dos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual. São itens essenciais no dia a dia de um consultório odontológico, como: máscara, gorro, óculos de proteção, luvas de procedimento e jaleco.

Além disso, existem os métodos de eliminação de microrganismos dos materiais e ferramentas odontológicas:

• Assepsia: são medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado;

• Anti-sepsia: eliminação das formas vegetativas de bactérias patogênicas de um tecido vivo;

• Limpeza: remoção de sujeiras para redução de microrganismos presentes em superfícies. É um procedimento que deve ser realizado antes da desinfecção e/ou esterilização;

• Desinfecção: eliminação de microrganismos patogênicos de seres inanimados, sem atingir necessariamente os esporos;

• Esterilização: processo que elimina todos os microrganismos (esporos, bactérias, fungos e protozoários) por meios físicos ou químicos.

Em partes não esterilizáveis dos equipamentos, preconiza-se fazer uma desinfecção das superfícies com álcool 70% (ou 770 GL), solução alcoólica de clorexidine (2 a 5% em álcool a 70%), compostos sintéticos do iodo, compostos fenólicos ou hipoclorito ou sódio (0,5%) dependendo da resistência do material que reveste a ferramenta.


BIOSSEGURANÇA: VITAL PARA QUALQUER CONSULTÓRIO


A biossegurança é essencial para qualquer consultório odontológico, pois ela cuida da segurança de todas as pessoas quando o assunto é o risco biológico. Seguir seus procedimentos e regras corretamente previne a transmissão de doenças, reduz o risco ocupacional e de infecção cruzada e também diminui os riscos de penalização legal e criminal perante a justiça. Sendo assim, o responsável técnico pelo consultório deve ter conhecimento profundo sobre o tema.

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/2qlqlQs. 

Com base no texto 'BIOSSEGURANÇA NOS CONSULTÓRIOS', leia as afirmativas a seguir:


I. Conforme pode ser entendido a partir das informações do autor, a assepsia inclui medidas adotadas para impedir que determinado local seja contaminado.

II. A biossegurança é o conjunto de regras e normas pré-estabelecidas que reduzem os riscos biológicos em funções em que o profissional fica exposto a material orgânico, como sangue, saliva e dejetos, conforme pode ser entendido a partir das informações do texto.


Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.

Saúde Pública

11
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. O nível local dos serviços de saúde tem a responsabilidade apenas com a alimentação dos SIS, não sendo responsável por sua organização ou gestão, de acordo com o texto. II. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS não foram desenvolvidos historicamente por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo, de acordo com o autor.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
12
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão, de acordo com as informações apresentadas pelo texto. II. Os SIS não devem permitir a inclusão dos dados necessários aos profissionais de saúde ou aos utilizadores dos sistemas de informações em saúde, de acordo com o autor.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
13
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Segundo a Organização Mundial de Saúde, afirma o texto, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como a redução da eficácia no trabalho dos tomadores de decisão no contexto dos serviços de saúde. II. Os SIS não devem contribuir com o desenvolvimento ou com a proteção da saúde das populações, conforme pode ser observado no texto.
Marque a alternativa CORRETA
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
14
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. O nível local dos serviços de saúde tem a responsabilidade apenas com a alimentação dos SIS, não sendo responsável por sua organização ou gestão, de acordo com o texto. II. No âmbito do Ministério da Saúde, os SIS não foram desenvolvidos historicamente por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo, de acordo com o autor. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
15
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. Os SIS podem ser definidos como um conjunto de componentes desassociados que coletam, processam, armazenam e corrompem as informações relacionadas à saúde, de acordo com o texto. II. O texto afirma que, segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como o monitoramento das metas estabelecidas e a redução do direito de acesso aos serviços do SUS pelos usuários, por exemplo. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
16
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Segundo a Organização Mundial de Saúde, afirma o texto, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como a redução da eficácia no trabalho dos tomadores de decisão no contexto dos serviços de saúde. II. Os SIS não devem contribuir com o desenvolvimento ou com a proteção da saúde das populações, conforme pode ser observado no texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
17
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. Os SIS podem ser definidos como um conjunto de componentes desassociados que coletam, processam, armazenam e corrompem as informações relacionadas à saúde, de acordo com o texto.
II. O texto afirma que, segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como o monitoramento das metas estabelecidas e a redução do direito de acesso aos serviços do SUS pelos usuários, por exemplo.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
18
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.
Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir:
I. A forma como os SIS foram historicamente desenvolvidos acarretou uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação, de acordo com as informações apresentadas pelo autor do texto. II. Os SIS são constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, de acordo com o texto.
Marque a alternativa CORRETA:
  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
19
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. Segundo a Organização Mundial de Saúde, afirma o texto, o investimento nos SIS possui vários benefícios, como a redução da eficácia no trabalho dos tomadores de decisão no contexto dos serviços de saúde. II. Os SIS não devem contribuir com o desenvolvimento ou com a proteção da saúde das populações, conforme pode ser observado no texto. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.
20
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE
Os sistemas de informação em saúde (SIS) podem ser definidos como um conjunto de componentes interrelacionados que coletam, processam, armazenam e distribuem a informação para apoiar o processo de tomada de decisão e auxiliar no controle das organizações de saúde. Assim, os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para sustentar o planejamento, o aperfeiçoamento e o processo decisório dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

No âmbito do Ministério da Saúde (MS), os SIS foram conformados historicamente, de acordo com necessidades específicas e iniciativas isoladas de diferentes áreas, e não por meio de uma estratégia mais ampla que considerasse o setor saúde como um todo. Isto por sua vez, acarretou uma profunda fragmentação das bases de informação do SUS, além de uma grande redundância na produção de informações em saúde no contexto de cada sistema de informação.

OBJETIVOS DOS SIS

Os SIS são influenciados pela organização do SUS, e como tal, integram suas estruturas organizacionais e contribuem para sua missão. São constituídos por vários subsistemas e têm como objetivo geral facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando o processo de tomada de decisões. Para tanto, deve contar com os requisitos técnicos e profissionais necessários ao planejamento, coordenação e supervisão das atividades relativas à coleta, ao registro, ao processamento, à análise, à apresentação, à difusão de dados e à geração de informações.

Um de seus objetivos específicos, na concepção do SUS, é possibilitar a análise da situação de saúde no nível local, e considerando, necessariamente, as condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença. O nível local tem, então, responsabilidade não apenas com a alimentação do sistema de informação em saúde, mas também com sua organização e gestão.

PRINCIPAIS SIS

Os SIS devem incluir todos os dados necessários aos profissionais de saúde e utilizadores dos sistemas, com o objetivo de desenvolverem e protegerem a saúde das populações. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o investimento nestes sistemas de informação possui vários benefícios, como ao nível do auxílio aos tomadores de decisão, no controle e detecção de problemas de saúde endêmicos, na monitorização de progressos e metas pré-estabelecidos e na promoção da equidade e da qualidade dos serviços.

Algumas das principais aplicações informáticas presentes nos sistemas de informação em saúde do Brasil são:
• Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM);
• Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC);
• Sistema de informações da atenção básica (SIAB);
• Sistema de informação de agravos de notificação (SINAN);
• Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS);
• B.I. Saúde Brasil - reúne dados de diversas fontes para criar estudos conclusivos do mercado de saúde brasileiro (ANS, ANVISA, RFB, CFM, DATASUS e IBGE).

Adaptado. Disponível em: http://bit.ly/35KKJJD.

Com base no texto 'SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE', leia as afirmativas a seguir: I. Os SIS, na concepção do SUS, devem permitir a consideração das condições de vida da população na determinação do processo saúde-doença, de acordo com as informações apresentadas pelo texto. II. Os SIS congregam um conjunto de dados, informações e conhecimento utilizados na área de saúde para, entre outros objetivos, impedir o aperfeiçoamento dos múltiplos profissionais da área da saúde envolvidos no atendimento aos pacientes e usuários do SUS, de acordo com as informações apresentadas pelo autor do texto. Marque a alternativa CORRETA:

  • A As duas afirmativas são verdadeiras.
  • B A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
  • C A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
  • D As duas afirmativas são falsas.

Técnicas em Laboratório

21
Vários agentes químicos podem ser usados para a desinfecção e esterilização em laboratórios. Assinale a alternativa que NÃO corresponde à concentração usualmente recomendada para uma perfeita desinfecção e/ou esterilização:
  • A Álcool – 98%
  • B Formaldeído – 4%
  • C Glutaraldeído – 2%
  • D Compostos liberadores de cloro ativo – 10.000 ppm
  • E Iodóforos – 1%
22
Considerando a Portaria 2616, de 12/05/99, que atualiza conceitos e normas do controle de infecção hospitalar assinale a alternativa que exemplifica respectivamente: artigos, superfícies e substâncias:
  • A Vaselina, pinça e autoclave.
  • B Aparelho de raios-x, cadeira odontológica e caneta de baixa rotação.
  • C Compressor, espelho clínico e porta-agulha.
  • D Sonda exploradora, resina composta e aparelho foto-polimerizador.
  • E Fórceps, cadeira odontológica e cimento de óxido de zinco e eugenol.

Biomedicina - Análises Clínicas

23
As cabines de segurança biológica são classificadas em 3 classes, sendo I, II e III. Analise as proposições abaixo: I . As cabines de Classe I e II são consideradas como barreiras de proteção parcial, enquanto a cabine de classe III é uma barreira de proteção total. II . A da classe III é a forma mais simples de cabine, podendo ser construída com o painel frontal aberto. III . Na classe I não há proteção para o experimento, somente para o operador e o meio ambiente. IV . A cabine de classe II tem como princípio fundamental a proteção do trabalhador (operador), meio ambiente e do experimento ou produto. As proposições CORRETAS são:
  • A I, II e IV
  • B I e II
  • C I, III e IV
  • D II e IV
  • E Todas as proposições estão corretas.

Técnicas em Laboratório

24
De acordo com a definição de Artigos, estes se diferenciam em 3 classes: artigos críticos, semicríticos e não críticos. Aponte a resposta INCORRETA sobre essa classificação:
  • A Os artigos destinados ao contato com a pele não íntegra, ou com mucosas íntegras, são chamados de semicríticos e requerem desinfecção de médio ou alto nível, ou esterilização, para ter garantia na qualidade do múltiplo uso desses.
  • B Os artigos destinados à penetração através da pele e mucosas adjacentes, nos tecidos subepiteliais e no sistema vascular, bem como todos os que diretamente relacionados com esse sistema, são chamados de artigos críticos.
  • C Os artigos semicríticos, se forem termorresistentes, poderão ser submetidos a autoclavagem, por facilidade operacional, eficácia e redução de custos mesmo que a esterilização não seja indicada.
  • D Os artigos destinados ao contato com a pele íntegra são chamados de artigos não críticos e não requerem limpeza ou desinfecção de baixo ou médio nível, dependendo do uso a que se destinam ou do último uso realizado.
  • E Os artigos críticos requerem esterilização para satisfazerem os objetivos a que se propõem.

Biomedicina - Análises Clínicas

25
Entre as alternativas abaixo, qual a alternativa CORRETA em relação ao procedimento para uso da cabine de segurança biológica?
  • A Usar incinerador elétrico ou microqueimador automático.
  • B Manter-se dentro da cabine quando equipamentos como centrífugas e outros estiverem ligados.
  • C Introduzir a cabeça na zona estéril.
  • D Manter a luz UV ligada enquanto a cabine estiver sendo utilizada.
  • E Usar bico de Bunsen.

Técnicas em Laboratório

26

Considerando o processamento dos artigos:

  • A Independentemente do processo a ser submetido, todo artigo deverá ser considerado como contaminado, sem levar em conta o grau de sujidade presente.
  • B Seus passos sequenciais devem ser desinfecção/ esterilização/ estocagem/ limpeza e descontaminação.
  • C É necessário classificar o artigo de acordo com o risco potencial de infecção envolvido em seu uso e definir o tipo de processamento ao qual será submetido (desinfecção ou esterilização).
  • D Para que a remoção da sujidade ou matéria orgânica não se constitua em risco à pessoa que as manuseia, e ao local onde essa limpeza ou descontaminação é realizada, é imprescindível o uso do EPI.
  • E Nenhuma das respostas anteriores.

Medicina

27
Em se tratando de Scrapie, como e quando ocorreu sua introdução no Brasil?
  • A Através de navios ancorados no Rio de Janeiro, em 1890 e 1900.
  • B Através da importação de ovinos da Inglaterra, em 1977 e 1995.
  • C Através de produtos contaminados importados da Itália, em 1970 e 1990.
  • D Através da importação de equinos importados da Inglaterra, em 1971 e 1980.
  • E Através da doação de sangue, em 1955 e 1990.

Técnicas em Laboratório

28
A esterilização por meio físico pode ser realizada por auto claves e estufa. Já por meio químico engloba líquidos, como glutaraldeído e formaldeído, e substâncias gasosas, como óxido de etileno, água em ebulição entre outros. Diante do exposto, marque a alternativa CORRETA:
  • A Não é necessário acondicionar os artigos em invólucros de grau cirúrgico e outros para esse fim, adequados ao tipo de processamento escolhido.
  • B Autoclaves são equipamentos que se utilizam de substâncias para realizarem o processo de esterilização, como, por exemplo, etanol.
  • C O vapor saturado, ou seja, de temperatura equivalente ao ponto de ebulição da água, na pressão considerada, é o meio de esterilização mais econômico para materiais termorresistentes.
  • D Nas estufas, os tempos de exposição e temperaturas não variam conforme o tipo de material a ser esterilizado.
  • E Usualmente, o tempo mínimo para a esterilização com formaldeído é de 10 minutos, independentemente da orientação do fabricante.

Medicina

29
O termo genérico de encefalopatia subaguda espongiforme reúne várias doenças neurodegenerativas e fatais, EXCETO:
  • A O Scrapie.
  • B A Encefalopatia Espongiforme Bovina.
  • C A Encefalopatia Espongiforme de outras espécies.
  • D A Doença de Creutzfeldt-Jakob.
  • E A Síndrome da insônia familiar fatal.

Técnicas em Laboratório

30
Considerando a esterilização por óxido de etileno, aponte a alternativa INCORRETA em relação aos artigos submetidos ao procedimento:
  • A Marca-passos.
  • B Luvas de procedimento clínico.
  • C Prótese e instrumentos de hemodinâmica.
  • D Acessórios e respiradores.
  • E Transdutores.
Voltar para lista