Resolver o Simulado Psicólogo - IBAM - Nível Superior

0 / 30

Psicologia

1

_______________ são concebidos como um instrumento capaz de contribuir com o desenvolvimento da autonomia e condições de vida e saúde. O método é identificado como uma intervenção coletiva e interdisciplinar de saúde, constituída por um _______________________, e orienta para o desenvolvimento de atitudes e comportamentos direcionados à transformação contínua do nível de saúde e condições de vida dos seus participantes (SANTOS et al, 2006, p. 346).


A alternativa que preenche, correta e sequencialmente, as lacunas do trecho acima é

  • A Mutirões médicos / profissional treinado
  • B Grupos de promoção à saúde / processo grupal
  • C Planos terapêuticos singulares / processo individual
  • D Grupos de vigilância de adesão / documento norteador
  • E Relatórios de assistência psicossocial / instrumento padronizado
2

Nos moldes em que foi criada, a psicopatologia dirigiu-se a uma noção geral dos elementos mentais patológicos, estudando as alterações das funções psíquicas, da personalidade e do comportamento. A psicopatologia clínica, equivalente ao olhar exercido pela psiquiatria clínica, engloba:

  • A a semiótica, a propedêutica e a erradicação de diagnósticos.
  • B a fisiopatologia da doença, a nosologia psiquiátrica e a semiótica.
  • C os métodos de classificação, a propedêutica e a nosologia psiquiátrica.
  • D a classificação biológica, a fisiopatologia da doença e as técnicas de verificação in vitro.
  • E os métodos de classificação, a erradicação de diagnósticos e as técnicas de verificação in vitro.
3

Elisa compareceu à Policlínica com queixas de fortes dores de cabeça e diagnóstico recente de diabetes tipo II. Orientada por sua tia, pergunta se é possível ter uma consulta com o médico, depois com a enfermeira, em seguida com a nutricionista e por fim com o psicólogo, para ver se eles, conversando entre si, conseguem ajudá-la a criar maneiras de melhorar a saúde.


A noção de trabalho em equipe pensada por Elisa se refere ao modelo:

  • A Holístico.
  • B Intersubjetivo.
  • C Transpessoal.
  • D Interdisciplinar.
  • E Multidisciplinar.
4

Glaucia compareceu à Policlínica com paralisia nos membros inferiores. Em avaliação neurológica, os achados físicos evidenciam incompatibilidade entre o sintoma e as condições médicas encontradas. Relata estar emocionalmente mobilizada com o quadro, essencialmente por já apresentar perdas no trabalho e no convívio social.


O quadro descrito é compatível com os critérios diagnósticos do transtorno:

  • A delirante.
  • B conversivo.
  • C neuroimunológico.
  • D dismórfico corporal.
  • E factício e simulação.
5

Trentini et al (2009) conceituam a personalidade como o conjunto de características dos indivíduos, sendo única e que o diferencia dos demais, baseada em padrões consistentes de sentimentos, pensamentos e comportamentos.


Há ainda __________________, que representa(m) tendências relativamente estáveis na forma de pensar, sentir e atuar com as pessoas, caracterizando, contudo, possibilidades de mudanças, como produto das interações das pessoas com seu meio social (SISTO; OLIVEIRA, 2007 apud TRENTINI et al, 2009).


A alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do trecho acima é

  • A as estruturas clínicas
  • B os aspectos do caráter
  • C os elementos neuróticos
  • D o modelo dos cinco fatores
  • E os traços de personalidade
6

Cordioli (2008) discorre que, embora sejam listadas pela literatura mais de 250 modalidades de psicoterapias, há um relativo consenso sobre sua efetividade como método de tratamento.


Sobre os elementos comuns às psicoterapias, analise as assertivas e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) As psicoterapias utilizam a comunicação verbal como principal recurso.

( ) As técnicas são planejadas pelo paciente/cliente sob anuência do terapeuta.

( ) A psicoterapia é um método realizado por um profissional de nível técnico e treinado.

( ) A psicoterapia ocorre no contexto de uma relação de confiança dirigida ao Terapeuta.


A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

  • A V F F V
  • B V F V F
  • C V V F F
  • D F V F V
  • E F V V F
7

Na prática do psicólogo clínico, a realização do psicodiagnóstico é um processo fundamental para diagnóstico e direção do tratamento.


A realização do psicodiagnóstico bem fundamentado requer que o psicólogo:

  • A reúna modalidades mistas de testagem psicológicas.
  • B privilegie a epistemologia cognitivista de compreensão psicológica.
  • C adapte e valide testes psicométricos de acordo com sua experiência.
  • D adote prioritariamente as leituras psicodinâmicas dos dados psicológicos.
  • E possua conhecimentos teóricos, e domine procedimentos e técnicas psicológicas.
8

Jéssica é uma psicóloga clínica que realiza o acompanhamento da paciente Paula. Dentro do percurso inicial de compreensão do funcionamento psíquico de sua paciente, realizou um processo de avaliação psicológica. Considerando os documentos consecutivos a este processo que Jéssica está profissionalmente amparada a produzir, analise as opções a seguir e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas.


( ) Declaração.

( ) Parecer psicológico.

( ) Atestado psicológico.

( ) Relatório psicológico.


A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é

  • A F F V V
  • B F V F V
  • C F V V F
  • D V F V F
  • E V V F F
9

“Os princípios da redução de danos se sustentam no pragmatismo de que o consumo de drogas sempre esteve e sempre estará presente na história da humanidade. Assim, o ideário de uma sociedade livre de drogas perde por completo o seu sentido. Se o consumo de drogas não pode ser suprimido da sociedade, é possível traçar estratégias para reduzir os danos a ele relacionados, tanto para os usuários quanto para a coletividade” (ALVES, 2009, p. 2312).


Sobre as diretrizes e atividades de atenção e de reinserção social de usuários ou dependentes de drogas, é correto afirmar que

  • A indicam o seguimento do projeto de institucionalização terapêutica, orientado para a inclusão social e para a redução de riscos e de danos sociais e à saúde.
  • B estabelecem a observância das orientações previstas no Conselho Nacional de Entorpecentes (CONFEN) sobre busca e apreensão de substâncias psicoativas ilícitas.
  • C orientam a adoção de estratégias de atenção e reinserção social do usuário e do dependente de drogas e respectivos familiares que considerem as premissas universais de não-uso.
  • D consideram as variáveis socioculturais associadas ao uso de drogas, autorizando a produção de compostos sintéticos derivados da cannabis sativa para fins terapêuticos, recreativos e comerciais.
  • E preconizam o respeito ao usuário e ao dependente de drogas, independentemente de quaisquer condições, observados os direitos fundamentais da pessoa humana, os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Política Nacional de Assistência Social.
10

Reginaldo é um paciente que foi submetido a uma avaliação psicológica há um ano e meio, da qual resultou um laudo psicológico, que descrevia, dentre outras coisas, sintomatologia ansiosa, humor depressivo e baixo autoconceito. No presente momento, procura novamente o psicólogo Diogo, autor do laudo, para solicitar uma via com data atual, pois refere ter extraviado o laudo original.


Neste sentido, a conduta profissionalmente correta a ser adotada por Diogo é:

  • A aceitar o pedido, uma vez que uma potencial recusa pode desestabilizar um paciente com histórico de transtorno de ansiedade.
  • B aceitar o pedido, uma vez que os dados psicológicos descritos no laudo são elementos de personalidade e, portanto, imutáveis.
  • C recusar o pedido, uma vez que os dados aferidos em uma avaliação psicológica são dinâmicos, não-definitivos e tangentes ao período avaliativo.
  • D recusar o pedido, uma vez que um paciente somente pode ser submetido a uma avaliação psicológica dentro de um intervalo de cinco anos.
  • E aceitar o pedido, uma vez que é direito do avaliado solicitar, sempre que necessário, uma cópia de documentos referentes aos seus dados psicológicos/subjetivos.
11

As Reformas Sanitária e Psiquiátrica no Brasil apontam um novo caminho na perspectiva do cuidado das pessoas com sofrimento psíquico, a exemplo da constituição dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), assim como uma nova postura da família que as abriga e cuida, considerando o aumento da proximidade e do convívio, não só no contexto familiar, mas também com a comunidade em que vivem.


Sobre o cuidado às pessoas com sofrimento psíquico, é correto afirmar que

  • A os CAPS compõem uma política de reorientação da atenção em saúde mental, com abrangência nacional, sem possuir vinculação com os governos estaduais e municipais.
  • B os novos serviços de atenção à saúde mental buscam integrar a cidadania e a valorização da participação da família no tratamento, sem que, para tal, se torne necessário promover o processo de desmistificação da loucura junto à comunidade.
  • C a tendência da nova visão acerca da saúde mental prima pelo entendimento da pessoa, em sua totalidade, como um ser que sofre, passa por transformações, nem sempre livres de traumas, decorrentes do luto, carência afetiva, doenças, dentre outros motivos, que levem o indivíduo a requerer ajuda, podendo esta última, encontrar-se na criação e fortalecimento de vínculos entre aquele que apresenta o sofrimento psíquico, a sua família e a comunidade em que se encontra inserido.
  • D o novo modelo de atenção à saúde mental defende que à medida que a família assume o cuidado com o seu familiar, que apresenta sofrimento psíquico, as crises que venham a ocorrer já poderão ser contornadas pela própria família e respectiva comunidade, sem requerer o apoio e atendimento por parte dos serviços de saúde.
  • E a inclusão da família no tratamento da pessoa com sofrimento psíquico, com o apoio e intervenção dos serviços de saúde, não solicita, permanentemente, processos e momentos que envolvam trocas de informações com a equipe de saúde, participação na definição de mudanças no tratamento, que se façam necessárias, e debate em torno de temáticas atinentes à saúde mental.
12

O atendimento psicológico de qualidade procura ser assegurado à sociedade através da atuação do Conselho Federal de Psicologia, afinado com as unidades regionais.


O controle interno da profissão é feito através da fiscalização das condutas profissionais com dispositivos formais, entre os quais se destaca ________________________ do psicólogo.


A alternativa que preenche, corretamente, a lacuna do trecho acima é

  • A o Código de Ética
  • B a Cartilha de Testes
  • C a Diretriz Nacional de Boas Práticas
  • D o Código de Processamento Disciplinar
  • E o Manual de Vigilância Técnico-científica
13

A Medicina do Trabalho e da Saúde Ocupacional, comumente, privilegiam os aspectos físicos, mecânicos, químicos e biológicos dos ambientes de trabalho como fatores de risco à saúde dos trabalhadores (SELIGMANN-SILVA, 2010).


Por outro lado, a Psicologia Organizacional, em sua essência:

  • A prioriza a esfera econômica do trabalho por compreender a totalidade que o capital ocupa na construção do autoconceito do trabalhador.
  • B ocupa-se dos elementos ergonômicos e de biossegurança, criando técnicas de proteção individual e coletiva nos ambientes de trabalho.
  • C compreende o trabalho como mediador de integração social, com importância fundamental na constituição da subjetividade dos indivíduos
  • D problematiza a noção de trabalho como elemento crucial na experiência humana, já que esse se constitui como a principal fonte de estresse na sociedade.
  • E descreve os elementos inter e intra-subjetivos presentes nas organizações, estabelecendo condutas de contracultura como medida adaptada aos interesses da organização.
14

As especificidades da Terapia Sistêmica auxiliam o psicólogo como reconhecido aparato teórico-técnico para compreender, manejar e dirigir o acompanhamento psicológico familiar.
A propriedade de equifinalidade, que pode ser observada no sistema familiar, permite compreender que:

  • A uma mesma condição inicial de um sistema familiar pode resultar em estados finais diversos.
  • B não são observadas assimetrias de papéis entre os mais diversos membros de um sistema familiar.
  • C os diversos sistemas familiares se organizam de maneiras distintas, mas têm o mesmo objetivo final: a conexão afetiva.
  • D um sistema familiar pode alcançar o mesmo estado final a partir de condições iniciais distintas, o que dificulta buscar uma única causa para o problema.
  • E os novos sintomas familiares desbancam os princípios organizados até então, pois exigem equidade afetiva entre os mais diversos membros de um sistema familiar.
15
Funções mentais, como sensação, percepção, atenção, memória, pensamento, linguagem, motivação, aprendizagem etc, são caracterizadas na psicologia por:
  • A Processos Psicológicos Básicos.
  • B Raciocínio.
  • C Processo Cognitivo.
  • D Aprendizagem Social e Emocional.
16

Psicologias, dos autores Bock; Furtado; Teixeira, considera que o desenvolvimento humano sofre algumas influências.

Sendo assim, relacione as colunas a seguir e, ao final, assinale a opção que contém a sequência correta:


A- Hereditariedade

B- Crescimento orgânico

C- Maturação neurofisiológica

D- Meio


1- Trata-se do aspecto físico.

2- É o que torna possível o desenvolvimento comportamental.

3- São todos os ambientes em que o indivíduo está inserido.

4- É sua carga genética.

  • A A 1 – B 2 – C 3 – D 4.
  • B A 4 – B 1 – C 2 – D 3.
  • C A 4 – B 3 – C 2 – D 1.
  • D A 2 – B 3 – C 4 – D 1.
17

É na família que a criança adquire a __________. Essa aquisição é a condição básica para que ela “entre” no mundo. Ela depende da ___________ para comunicar-se com os outros e também para entender a si mesma. Através da __________, a criança passa a ter um controle racional da realidade que, por sua vez, irá estruturar o seu psiquismo, dando significado aos seus sentimentos.


Assinale a opção que preenche as lacunas de modo correto.

  • A percepção
  • B memória
  • C aprendizagem
  • D linguagem
18

A prestação de trabalho de qualidade refere-se ao cuidado que o profissional deve ter para utilizar técnicas de avaliação reconhecidas pela Psicologia.


I- É importante considerar que a produção do conhecimento sobre avaliação psicológica pode ser proveniente de várias fontes pertinentes à área de Psicologia, e devem ser condizentes com os pressupostos epistemológicos assumidos pelo avaliador.

II- Técnicas ou instrumentos usados pelo profissional vão ter sempre um marco de referência: as teorias e as concepções de homem assumidas por ele.

III- É incongruente a um psicólogo que assume, por exemplo, como pressuposto uma formação na linha comportamental, a utilização de técnicas projetivas.

IV- A metodologia empregada no processo de avaliação precisa ser coerente com o referencial teórico adotado, para que suas interpretações possam ser válidas.


Sobre as proposições, assinale a alternativa correta.

  • A Todas as proposições estão corretas.
  • B Somente a proposição I está correta.
  • C Somente as proposições I e II estão corretas.
  • D Somente as proposições III e IV estão corretas.
19

Na saúde mental em relação à família, a reforma psiquiátrica, a temática do cuidado e as questões familiares nos colocam inúmeros desafios.


O grande desafio nos parece ser a ___________ da indissociabilidade entre indivíduo e família, estando aí compreendidos aspectos de adoecimento e de cuidado. O trabalho com as famílias requer o estabelecimento de _________ de cuidado com o cuidador e não apenas a relação com o familiar no papel de familiar, isto é, uma relação que se volta para ouvir como esta pessoa se sente e como está sendo para ela _______ e conviver numa família, onde há a presença de muito _________ psíquico, e não apenas trabalhar questões de como esta pessoa pode ajudar o seu familiar, o que deve fazer ou não fazer para que ele melhore.


Assinale a alternativa cujas palavras preenchem corretamente as lacunas.

  • A intenção / relações / cuidar / sofrimento
  • B compreensão / relações / cuidar / sofrimento
  • C compreensão / combinação / apoiar / entendimento
  • D intenção / combinação / apoiar / entendimento
20

É um estado físico, emocional e mental de exaustão extrema, resultado do acúmulo excessivo em situações de trabalho que são emocionalmente exigentes e/ou estressantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade, especialmente nas áreas de educação e saúde. Essa síndrome é comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, dentre outros. Foi oficializada como uma síndrome crônica. A OMS incluiu essa síndrome na nova Classificação Internacional de Doenças.


O nome do conceito descrito é:

  • A Síndrome de burnout.
  • B Síndrome de transtorno de humor.
  • C Síndrome de depressão.
  • D Síndrome de boderline.

Português

21
Texto CB1A1-I 



Assinale a opção que apresenta o tema central do texto CB1A1-I.

  • A “somos contraditórios no que diz respeito aos direitos humanos” (l. 1 e 2)
  • B “chegamos a um máximo de racionalidade técnica e de domínio sobre a natureza” (l. 3 e 4)
  • C “a irracionalidade do comportamento é também máxima” (l. 8 e 9)
  • D “as conquistas do progresso seriam canalizadas no rumo imaginado pelos utopistas” (l. 33 e 34)
  • E “a barbárie continuou entre os homens” (l. 37)
22
Texto CB1A1-I 



No texto CB1A1-I, indica o momento da produção textual a expressão

  • A “em nosso tempo” (R.1).
  • B "eras passadas” (R.3).
  • C “ao mesmo tempo” (R.11).
  • D “séculos XVIII e XIX” (R.28).
  • E “durante muito tempo” (R.31).
23
Texto CB1A1-I 



Conforme o texto CB1A1-I, a humanidade atingiu sua capacidade máxima de

  • A A respeito aos direitos humanos.
  • B racionalidade técnica.
  • C resolução de todos os problemas materiais do homem.
  • D padronização do comportamento.
  • E E produção de alimentos.
24
Texto CB1A1-I 



De acordo com o texto CB1A1-I, o progresso

  • A gera maior distribuição dos bens.
  • B perpetua a felicidade coletiva.
  • C causa a degradação da humanidade.
  • D prolonga a barbárie entre os homens.
  • E E produz força criadora.
25
Texto CB1A1-I 



Cada uma das opções a seguir apresenta uma proposta de reescrita que altera o seguinte trecho do texto CB1A1-I: “o que permite imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais do homem, quem sabe, inclusive, o da alimentação” (l. 5 a 7). Assinale a opção em que a proposta apresentada mantém a correção e os sentidos originais do texto.

  • A o que permite imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais do homem: quem sabe, inclusive, o da alimentação
  • B permitindo imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais do homem; quem sabe, inclusive, o da alimentação
  • C o que permite imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais do homem — quem sabe, inclusive, o da alimentação
  • D o que permite imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais, do homem quem sabe, inclusive, o da alimentação
  • E permitindo imaginar a possibilidade de resolver grande número de problemas materiais do homem quem sabe, inclusive, o da alimentação
26
Texto CB1A1-I 



No texto CB1A1-I, o trecho “quanto mais cresce a riqueza, mais aumenta a péssima distribuição dos bens” (R. 16 e 17) expressa uma relação de

  • A comparação.
  • B oposição.
  • C proporcionalidade.
  • D conformidade.
  • E alternância.
27

      Em 1925, um estudante de farmácia e jovem poeta que assinava Carlos Drummond publicou um artigo afirmando que, em relação a Machado de Assis, o melhor a fazer era repudiá-lo. Cheio de ímpeto juvenil, considerava o criador de Brás Cubas um “entrave à obra de renovação da cultura geral”. Na correspondência que manteve com Mário de Andrade nas décadas de 1920 e 1930, Machado também teria papel crucial no embate acerca da tradição. Nas cartas, o escritor volta e meia surge como encarnação de um passado a ser descartado.

      Décadas mais tarde, em 1958, Drummond publicou o poema “A um bruxo, com amor”, uma das mais belas homenagens de escritor para escritor na literatura brasileira. Um único verso dá a medida do elogio: “Outros leram da vida um capítulo, tu leste o livro inteiro”. O poema compõe-se de frases do escritor, cujo cinquentenário de morte então se comemorava. O poeta maduro, que agora assinava Carlos Drummond de Andrade, emprestava palavras do próprio Machado para compor um epíteto que ganharia ampla circulação, o “bruxo do Cosme Velho”. O que teria se passado com Drummond para mudar tão radicalmente de posição?

      Harold Bloom descreve as razões que marcam a relação entre escritores de diferentes gerações. O processo passa pela ironia do mais jovem em relação ao seu precursor; pelo movimento que marca a construção de um sublime que se contrapõe ao do precursor; e, finalmente, pela reapropriação do legado.

      A assimilação dificultosa do passado é também um processo vivido pela geração de Drummond. Os antepassados foram vistos muitas vezes como obstáculos aos desejos de renovação que emergiram a partir da década de 1910 em vários pontos do Brasil. E tanto no âmbito individual como no geracional, Machado surge como emblema do antigo. Alguém que fora sepultado com os elogios fúnebres de Rui Barbosa e Olavo Bilac não podia deixar de ser uma pedra no caminho para escritores investidos do propósito de romper com as convenções. Até Drummond chegar à declaração de respeito, admiração e amor, foi um longo percurso. Pouco a pouco, Machado deixa de ser ameaça para se tornar uma presença imensa que ocupa a imaginação do poeta.

(Adaptado de: GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Amor nenhum dispensa uma gota de ácido. São Paulo: Três Estrelas, 2019, p. 9-30.)

O termo sublinhado pode ser substituído pelo que se encontra entre parênteses em:

  • A O poema compõe-se de frases do escritor, cujo (do qual) cinquentenário de morte então se comemorava.
  • B correspondência que (à qual) manteve com Mário de Andrade nas décadas de 1920 e 1930.
  • C pelo movimento que (no qual) marca a construção de um sublime que se contrapõe ao do precursor.
  • D Harold Bloom descreve as razões que (nas quais) marcam a relação entre escritores de diferentes gerações.
  • E considerava o criador de Brás Cubas um “entrave à (para a) obra de renovação da cultura geral”.
28

      Lembrei-me dele e senti saudades... Tanto tempo que a gente não se vê. Dei-me conta da coisa rara que é a amizade. E, no entanto, é a coisa mais alegre que a vida nos dá.

      Lembrei-me de um trecho de Jean-Christophe, que li quando era jovem, e do qual nunca esqueci. Romain Rolland descreve a primeira experiência com a amizade do seu herói adolescente. Já conhecera muitas pessoas nos curtos anos de sua vida. Mas o que experimentava naquele momento era diferente de tudo o que já sentira antes.

      Um amigo é alguém com quem estivemos desde sempre. Pela primeira vez, estando com alguém, não sentia necessidade de falar. Bastava a alegria de estarem juntos.

      “Christophe voltou sozinho dentro da noite. Nada via. Nada ouvia. Estava morto de sono e adormeceu apenas deitou-se. Mas durante a noite foi acordado duas ou três vezes, como que por uma ideia fixa. Repetia para si mesmo: ‘Tenho um amigo’, e tornava a adormecer.”

      Jean-Christophe compreendera a essência da amizade. Amiga é aquela pessoa em cuja companhia não é preciso falar. Se o silêncio entre vocês lhe causa ansiedade, então a pessoa com quem você está não é amiga. Porque um amigo é alguém cuja presença procuramos não por causa daquilo que se vai fazer juntos, seja bater papo ou comer. Quando a pessoa não é amiga, terminado o alegre e animado programa, vêm o silêncio e o vazio, que são insuportáveis.

      Com o amigo é diferente. Não é preciso falar. A amizade anda por caminhos que não passam por programas.

      Um amigo vive de sua inutilidade. Pode até ser útil eventualmente, mas não é isso que o torna um amigo. Sua inútil e fiel presença silenciosa torna a nossa solidão uma experiência de comunhão. E alegria maior não pode existir.

(Adaptado de: ALVES, Rubem. O retorno e terno. Campinas: Papirus, 1995, p. 11-13)

Para o autor,

  • A a perda de um amigo, conforme descreve no 1° parágrafo, foi para ele uma experiência marcante.
  • B a cumplicidade da amizade é maior quando se compartilha intenso interesse por atividades culturais em comum.
  • C verdadeiros amigos conseguem manter uma conversa animada por horas a fio.
  • D amigo é aquele a quem se recorre e que oferece ajuda em momentos de necessidade.
  • E quando se está diante de um verdadeiro amigo, o silêncio não causa desconforto.
29

                                    [Nossa duplicidade]


      Querem saber a história abreviada de quase todo o mal-estar na civilização? Ei-la: a evolução natural produziu o animal homem. No âmago desse homem, entretanto, foi-se instalando um inquilino altivo, exigente e dado à hipocrisia e ao autoengano: o homem civilizado. As rusgas foram crescendo, o conflito escalou, mas nenhum dos dois é forte o bastante para aniquilar o outro. E assim brotou no interior da caverna uma guerra civil que se prolonga por toda a vida.

(Adaptado de: GIANNETTI, Eduardo. Trópicos utópicos: uma perspectiva brasileira da crise civilizatória. São Paulo: Companhia das Letras, 2016) 

Com a afirmação As rusgas foram crescendo, o conflito escalou, o autor do texto está-se referindo

  • A às difíceis alternativas que o homem vem enfrentando na escolha dos processos naturais de sua evolução.
  • B à disputa que permanece entre traços primitivos de sua evolução e seus passos no processo civilizatório.
  • C aos frequentes desenganos que a humanidade sofre a cada vez que afirma sua civilização em projetos ilusórios.
  • D aos conflitos que se agravam toda vez que uma mudança de rumo da civilização acentua as desigualdades sociais.
  • E às batalhas que se travavam nas cavernas primitivas por conta dos princípios da evolução natural.
30

      Estabelecida na Sicília no século V a.C., a retórica terá como primeiros cultores a Empédocles, Córax e Tísias. Segundo Armando Plebe (1968, p. 3-6, passim), já nesse momento nebuloso de suas origens, a disciplina conheceria duas linhagens: primeira, uma demonstração técnica e racional do verossímil; segunda, uma psicagogia (literalmente, “condução da alma”), isto é, exploração do potencial de sedução da palavra, aquém ou além de sua inteligibilidade. A primeira linhagem aspira a tornar mais potente o discurso válido de uma perspectiva lógica, tendo como fonte Córax, Tísias e Protágoras; a segunda, mergulhada em princípios pitagóricos − magia, medicina e música como terapias − e parmenídicos − distinção entre a via da verdade e a da opinião − pretende trabalhar o fascínio enganador a que se presta a palavra, originando-se no pensamento de Empédocles, para daí passar a Górgias e depois a Isócrates.

      A partir de fins do século V a. C., a retórica entra num período que ficou melhor documentado, podendo-se dizer, contudo, que a controvérsia já referida, entre a arte da palavra como embalagem do raciocínio ou como encantamento e ilusionismo, se transforma em verdadeiro mote do debate filosófico que atravessaria os séculos. Desse período, são de destacar as obras de Platão − que em geral reagiu contra a retórica enquanto hipertrofia da linguagem como forma sedutora, ou então a avaliou positivamente, desde que identificada com a dialética − e de Aristóteles − que lhe dedicou um tratado específico destinado a ampla influência, concebendo-a como técnica rigorosa de argumentação e como arte do estilo, além de estudá-la sob os pontos de vista do ethos do orador e do pathos dos ouvintes.

(Adaptado de ACÍZELO, Roberto. O império da eloquência: retórica e poética no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUERJ: EdUFF, 1999, p. 7) 

Em linhas gerais, os sofistas foram mestres da retórica e da oratória, que ensinavam na pólis aos cidadãos interessados em dominar as técnicas do discurso. No entanto, eram constantemente acusados por Platão e por Aristóteles, por exemplo, de empregar sofismas, silogismos falsos, para impressionar os seus ouvintes. Referência semelhante sobre a sofística e sobre os sofistas está presente em:

  • A [...] pretende trabalhar o fascínio enganador a que se presta a palavra, originando-se no pensamento de Empédocles, para daí passar a Górgias e depois a Isócrates. (1°parágrafo)
  • B [...] já nesse momento nebuloso de suas origens, a disciplina conheceria duas linhagens [...]. (1° parágrafo)
  • C A partir de fins do século V a. C., a retórica entra num período que ficou melhor documentado [...]. (2° parágrafo)
  • D [...] uma demonstração técnica e racional do verossímil. (1° parágrafo)
  • E Desse período são de destacar as obras de Platão [...]. (2° parágrafo)
Voltar para lista