Resolver o Simulado Psicólogo - FUNDEP (Gestão de Concursos)

0 / 30

Psicologia

1
Sobre a indicação de pacientes para o tratamento por meio da técnica da psicoterapia breve dinâmica abordada por EIZIRIK (1998), WILHELMS (1998); PADILHA (1998), GAUER (1998), é incorreto afirmar:
  • A O paciente ideal para essa técnica deve ter a capacidade de rapidamente fazer uma aliança de trabalho com o terapeuta.
  • B O paciente deve ter a capacidade de tolerar a ansiedade e a frustação desencadeadas pela psicoterapia.
  • C O paciente deve ter uma queixa circunscrita.
  • D O paciente deve ter a capacidade de associar livremente os sonhos, favorecendo o acesso do terapeuta ao seu material inconsciente.
2
Sobre uma intervenção adequada para problemas com álcool, por meio do modelo da psicoterapia breve, assinale com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas. ( ) É necessária a identificação da visão do paciente acerca do álcool, sua função e atividades a ele relacionadas. ( ) É preciso a identificação das circunstância de uso excessivo, ou seja, as situações de risco. ( ) É essencial a identificação de pensamentos automáticos e crenças básicas, erros cognitivos, redução de substâncias e controle do comportamento. ( ) É importante o desenvolvimento de estratégias para a manutenção da abstinência ou consumo reduzido. Assinale a sequência CORRETA.
  • A V F V F
  • B V V F V
  • C V V V F
  • D V F F V
3

Sobre o risco na infância, abordado por Martins (2008), é correto afirmar:

  • A A inadaptação precoce constitui condição fundamental de vulnerabilidade na vida adulta, ou seja, crianças com problemas de adaptação em fases precoces da vida registram perturbações na vida adulta.
  • B Os modelos mediacionais das influências ambientais contribuíram para a integração das perspectivas sociológica e psicológica dos problemas de comportamento, por relacionarem os indicadores de risco mais globais com as influencias psicológicas e sociais mais próximas do funcionamento da criança.
  • C Ao considerar a cultura como um recurso para tratar o risco, a autora propõe que a família seja tomada como um alvo secundário de transmissão cultural, uma vez que existe uma constante inadequação cultural entre os serviços providenciados e os seus clientes.
  • D Na perspectiva do modelo transacional, o risco é considerado resultante de apenas um fator, gerado em consequência de alguma transação desfavorável entre a criança e o seu entorno, no âmbito da qual as crianças assumem um papel de vítimas do meio.
4

Assinale a alternativa incorreta sobre os saberes e fazeres grupais desenvolvidos por Fernández (2006).

  • A Foi a influência da teoria Gestalt que possibilitou afirmar: “em um grupo o todo é mais que a soma das partes”.
  • B Bion trabalha com a representação do grupo como um objeto duplamente investido pelo psiquismo e pelo discurso social.
  • C Nos primeiros pensadores sobre o grupal: K. Lewin, Moreno, Pichon Rivière, esteve sempre presente uma preocupação intensa com a mudança social, pois eles pensavam os grupos como instrumentos válidos para a realização das fortes utopias sociais que os animaram.
  • D Para Bion, o comportamento de um grupo transcorre em dois níveis: o da tarefa comum e o das emoções comuns.
5

A pesquisa realizada por Leão, Oliveira e Carvalho (2014), sobre o trabalho desenvolvido pelos psicólogos no CRAS – Centros de Referências em Assistência Social –, aponta que, apesar de existirem limitações, pode-se observar avanços condizentes ao ideário da garantia de direitos e cidadania. Sobre esses avanços, analise as afirmativas a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.

( ) Existe, por parte do psicólogo, a ação de registrar as informações em instrumentais que facilitam a prática profissional de uma forma mais qualificada e organizada, ajudando na produção de dados para a gestão.

( ) Apesar do importante trabalho desenvolvido pelos profissionais, ainda se encontra a incompreensão da Psicologia como área importante no espaço das políticas públicas e, em específico, da Assistência Social.

( ) Há mobilização para realizar a articulação entre os profissionais envolvidos na demanda do usuário (reuniões, encontros etc.), desenvolvendo, assim, estratégias de trabalho que potencializam ações e recursos já existentes.

( ) Encontra-se na execução das ações a persistência dos profissionais que não se abatem com as dificuldades e os obstáculos encontrados no cotidiano e nos limites da Política de Assistência 

Assinale a sequência CORRETA.

  • A F F V F
  • B V V F V
  • C V V V V
  • D V F V V
6

Para Leão, Oliveira e Carvalho (2014), a atuação no CRAS – Centros de Referências em Assistência Social – requer dos profissionais a identificação das demandas dos territórios de abrangência, levando em consideração as diversas dimensões que afetam o homem. Os profissionais necessitam encarregar-se das situações que demandam cuidados e atenção, realizando intervenções que ultrapassem o modelo individualizante – o homem é causa e efeito do seu comportamento – e buscando estratégias de trabalho que minimizem as desigualdades sociais e as violações de direitos. Assim, as atividades desenvolvidas no CRAS devem:

I. realizar o acompanhamento familiar, pois esta é a atividade principal e base de todas as ações do CRAS. Ela deve acontecer desde a entrada, ou seja, da acolhida do usuário, passando por procedimentos como encaminhamento e inserção em grupos de convivência e serviço socioeducativo.

II. ser realizadas exclusivamente com os indivíduos de um grupo familiar com o objetivo de fortalecimento dos vínculos e da convivência desse grupo.

III. oferecer às famílias uma escuta empática e acolhedora, entendendo essa família a partir da vivência singular e particular de seus membros, ao invés de uma atenção burocrática.

IV. apenas informar sobre espaços e serviços como forma de incentivar as famílias a buscar por benefícios, programas e projetos da política social.

Estão incorretas as atividades a serem desenvolvidas no CRAS:

  • A I, II e III, apenas.
  • B I e III, apenas.
  • C II e IV, apenas.
  • D I, II, III e IV.
7

São características básicas da Terapia Cognitiva, descritas por Rangé e Souza (1998), EXCETO:

  • A É uma abordagem ativa, pois o terapeuta e o paciente estão continuamente agindo de forma cooperativa no sentido de solucionar os problemas, de maneira a permitir que o próprio paciente aprenda a identificar e a modificar seus pensamentos.
  • B É uma abordagem diretiva, pois foca os problemas apresentados no “aqui e agora”, trabalhando pensamentos, sentimentos e comportamentos atuais do cliente.
  • C É uma abordagem educativa, pois o terapeuta ensina ao paciente o modelo cognitivo, a natureza de seus problemas.
  • D É uma abordagem modelar, pois estimula a prática do comportamento assertivo, iniciando com situações nas quais a chance do reforço positivo é grande.
8

Numere a COLUNA II de acordo com a COLUNA I, associando o funcionamento familiar, descrito por Beavers (1982), à sua classificação.

COLUNA I

1.Famílias adequadas

2. Famílias médias, de estilo centrípeto

3. Famílias médias, de estilo centrífugo

4. Famílias médias mistas

COLUNA II

( ) Intercalam comportamentos centrífugos e centrípetos. Tipicamente os encontros parentais variam de momentos de dominação-submissão a outros de luta de poder. Os filhos alternam aceitação e desafio do controle parental.

( ) Constituída por indivíduos competentes e sem patologia, mas constantemente se observa um ambiente mais tenso e sofrimento em algum membro da família, em geral manifestações psicossomáticas na mãe.

( ) Frequentemente apresentam pessoas com transtornos de comportamento. Os encontros parentais não são eficazes: ambos os pais se sentem ineficazes para seguir regras e habitualmente brigam pelo controle dos filhos. Alianças ilícitas entre um ou outro dos pais e filhos são frequentes.

( ) Frequentemente apresentam indivíduos neuróticos. Os encontros parentais não são nunca igualitários e sem conflito, alternam o padrão de submissão-dominação e de constante luta por controle. A interação dos pais com os filhos é caracterizada por lutas de poder explicitas ou subliminares.

Assinale a sequência CORRETA.

  • A 4 1 3 2
  • B 1 4 2 3
  • C 3 1 2 4
  • D 1 3 4 2
9

Sobre os desafios encontrados por psicólogos especificamente em relação ao trabalho desenvolvido em equipe no campo de atuação da saúde pública, é correto afirmar:

  • A O psicólogo encontra desafios decorrentes da falta de formação específica dos diversos profissionais para atuar no campo da Atenção Básica à Saúde.
  • B O profissional da Psicologia encontra dificuldades de relacionamento entre os profissionais e a integração dos saberes das diferentes disciplinas.
  • C O psicólogo encontra dificuldades de superar a “medicalização” na Atenção Básica à Saúde.
  • D O profissional da Psicologia encontra dificuldades relativas à formação acadêmica dos psicólogos, muitas vezes, ainda pautada na medicina tradicional.
10

São medidas específicas de proteção aplicáveis às crianças e aos adolescentes sempre que os seus direitos forem violados, EXCETO:

  • A Internação em estabelecimento educacional.
  • B Orientação, apoio e acompanhamento temporários.
  • C Matrícula e frequência obrigatórias em estabelecimento oficial de ensino fundamental.
  • D Requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou ambulatorial.

Português

11

                           Destes penhascos fez a natureza


Destes penhascos fez a natureza

O berço em que nasci: oh! quem cuidara

Que entre penhas tão duras se criara

Uma alma terna, um peito sem dureza.


Amor, que vence os tigres, por empresa

Tomou logo render-me; ele declara

Contra o meu coração guerra tão rara,

Que não me foi bastante a fortaleza.


Por mais que eu mesmo conhecesse o dano,

A que dava ocasião minha brandura,

Nunca pude fugir ao cego engano:


Vós, que ostentais a condição mais dura,

Temei, penhas*, temei, que Amor tirano,

Onde há mais resistência, mais se apura.

COSTA, Cláudio Manuel da. In: PROENÇA FILHO, Domício (Org.). A poesia dos inconfidentes. Rio de Janeiro: Aguilar, 1996. p. 95.

                           *Penhas: designação de um cenário rochoso, montanhas

Considerando que Minas Gerais é a paisagem local desses versos de Cláudio Manuel da Costa, analise as afirmativas a seguir.


I. Nem mesmo um cenário como o desse soneto garantiu a proteção do eu lírico contra o sentimento que o tomou.

II. O eu lírico alerta as “penhas” sobre a tirania do Amor, que será mais forte quanto mais resistência houver.

III. O eu lírico sugere que o cenário “duro” é o que determina a força maior que o Amor empregará para vencer seu adversário.


Estão corretas as afirmativas

  • A I e II, apenas.
  • B II e III, apenas.
  • C I e III, apenas.
  • D I, II e III.
12

                           Destes penhascos fez a natureza


Destes penhascos fez a natureza

O berço em que nasci: oh! quem cuidara

Que entre penhas tão duras se criara

Uma alma terna, um peito sem dureza.


Amor, que vence os tigres, por empresa

Tomou logo render-me; ele declara

Contra o meu coração guerra tão rara,

Que não me foi bastante a fortaleza.


Por mais que eu mesmo conhecesse o dano,

A que dava ocasião minha brandura,

Nunca pude fugir ao cego engano:


Vós, que ostentais a condição mais dura,

Temei, penhas*, temei, que Amor tirano,

Onde há mais resistência, mais se apura.

COSTA, Cláudio Manuel da. In: PROENÇA FILHO, Domício (Org.). A poesia dos inconfidentes. Rio de Janeiro: Aguilar, 1996. p. 95.

                           *Penhas: designação de um cenário rochoso, montanhas

Em relação aos elementos evidenciados nesse soneto, assinale a alternativa incorreta.

  • A O Amor é personificado como um forte guerreiro que vence tigres e que tem como alvo render o eu lírico, declarando-lhe guerra ao coração.
  • B O eu lírico dirige-se às pedras como interlocutor e diz-lhes para temerem a ferocidade do Amor, que mais se empenha onde há mais resistência.
  • C O cenário é relevante no desenvolvimento do soneto, pois, no poema, há oposição entre ele e o eu lírico de alma terna e um peito sem dureza.
  • D O eu lírico refere-se ao sentimento amoroso como um “cego engano” do qual conseguiu fugir, apesar de o Amor não lhe ter causado sofrimento.
13

Em relação aos gêneros literários, é correto afirmar que

  • A a comédia define-se como peça teatral do gênero dramático na qual figuram nobres e procura levar a plateia a um estado de tensão devido ao final funesto.
  • B a origem do gênero lírico está em dois elementos até hoje indispensáveis para esse tipo de texto: a importância do público e a representação de papéis teatrais.
  • C as epopeias clássicas definem-se como gênero em que a voz particular do eu lírico manifesta a expressão do mundo interior e trata de sentimentos e emoções.
  • D os longos poemas narrativos em que um acontecimento histórico protagonizado por um herói é celebrado em estilo solene, grandioso, representam o gênero épico.
14

Em relação à regência verbal, assinale a alternativa incorreta.

  • A O verbo ASPIRAR é transitivo direto no sentido de sugar, respirar e é transitivo indireto no sentido de pretender.
  • B O verbo ASSISTIR é transitivo direto no sentido de ver e de pertencer e é transitivo indireto no sentido de ajudar
  • C O verbo QUERER é transitivo direto no sentido de desejar e é transitivo indireto no sentido de amar, gostar.
  • D O verbo VISAR é transitivo direto no sentido de mirar e de por visto e é transitivo indireto no sentido de objetivar.
15

Leia o trecho a seguir.


“Existem inúmeras medidas de combate às enchentes.”


Considerando a análise sintática desse período, é correto afirmar que o

  • A sujeito se classifica como indeterminado.
  • B predicado se classifica como verbo-nominal.
  • C termo “às enchentes” se classifica como complemento nominal.
  • D termo “inúmeras” se classifica como adjunto adverbial de intensidade.
16

                           O problema das enchentes


O problema das enchentes passou a ser algo comum na vida das populações de algumas cidades. Infelizmente, todo o ano é a mesma coisa: entre os meses de dezembro e fevereiro, os noticiários são tomados por problemas relacionados com a elevação dos cursos d´água e a inundação de casas e ruas, desencadeando uma série de tragédias que, quase sempre, poderia ser evitada. Mas por que as enchentes ocorrem? É possível combatê-las?

Em geral, os rios perenes costumam ter dois tipos de leito: um menor e principal, por onde a água corre durante a maior parte do tempo, e um maior e complementar, que é inundado apenas em períodos de cheias. [...] Eventualmente, dependendo do curso d’água e das condições meteorológicas e locais, o leito maior é inundado, provocando as cheias em sua área. [...] Casas, vilas e até cidades são surpreendidas pelas cheias naturais eventuais. Em alguns casos, cidades inteiras ficam embaixo d´água. Além dessas causas das enchentes, há as antrópicas.

A interferência humana sobre os cursos d’água ocorre das mais diversas formas. Em casos extremos, porém menos comuns, tais situações podem estar relacionadas com rompimentos de diques e barragens, o que pode causar sérios danos à sociedade. Mas, quase sempre, essa questão está ligada ao mau uso do espaço urbano.

Um problema que parece não ter uma solução rápida é o elevado índice de poluição, causado tanto pela ausência de consciência por parte da população quanto por sistemas ineficientes de coleta de lixo ou de distribuição de lixeiras pela cidade. Além do mais, há problemas causados pela poluição gerada por empresas e outros órgãos. Com isso, ocorre o entupimento dos bueiros que seriam responsáveis por conter parte da água que eleva o nível dos rios. Além disso, o lixo gerado é levado pelas enxurradas e contribui ainda mais para elevar o volume das águas. [...]

Outra questão é a ocupação irregular ou desordenada do espaço geográfico. Como explicamos, algumas áreas correspondem ao leito maior de um rio que, esporadicamente, inunda. Com a ocupação irregular dessas áreas – muitas vezes causada pela ausência de planejamento adequado –, as pessoas estão sujeitas à ocorrência de inundações. Além disso, a remoção da vegetação que compõe o entorno do rio pode intensificar o processo, pois ela teria a função de reter parte dos sedimentos que vão para o leito e aumentam o nível das águas.

Apesar de todos os problemas mencionados, a causa considerada principal para as enchentes é, sem dúvida, a impermeabilização do solo. Com a pavimentação das ruas e a cimentação de quintais e calçadas, a maior parte da água, que deveria infiltrar no solo, escorre na superfície, provocando o aumento das enxurradas e a elevação dos rios. Além disso, a impermeabilização contribui para a elevação da velocidade desse escoamento, provocando erosões e causando outros tipos de desastres ambientais urbanos.

Existem inúmeras medidas de combate às enchentes. A cidade de Belo Horizonte, por exemplo, contratou em outubro de 2013 alguns “olheiros”, que são funcionários encarregados de detectar o início de inundações em áreas de risco. Eles teriam a função de minimizar os efeitos da “inundação relâmpago”, aquela que ocorre em um curtíssimo período de tempo. Outras ações envolvem a construção de barragens e o desassoreamento do leito dos rios, em que todos os sedimentos existentes no fundo dos cursos d’água são removidos, aumentando a sua profundidade.

Mas todas essas medidas são paliativas. [...] A melhor forma de lidar com esse problema é realizar uma devida prevenção, através da construção de sistemas eficientes de drenagem, a desocupação de áreas de risco, criação de reservas florestais nas margens dos rios, diminuição dos índices de poluição e geração de lixo, além de um planejamento urbano mais consistente.

PENA, Rodolfo F. Alves. O problema das enchentes. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/geografia/enchentes.htm> . Acesso em: 14 mar. 2018 [Fragmento]

De acordo com o texto, uma das medidas preventivas de enchentes é

  • A a organização da ocupação nas áreas de alto risco.
  • B o cuidado com planejamento dos índices de poluição.
  • C o financiamento para reflorestar as margens dos rios.
  • D o investimento em sistemas eficientes de drenagem.
17

                           O problema das enchentes


O problema das enchentes passou a ser algo comum na vida das populações de algumas cidades. Infelizmente, todo o ano é a mesma coisa: entre os meses de dezembro e fevereiro, os noticiários são tomados por problemas relacionados com a elevação dos cursos d´água e a inundação de casas e ruas, desencadeando uma série de tragédias que, quase sempre, poderia ser evitada. Mas por que as enchentes ocorrem? É possível combatê-las?

Em geral, os rios perenes costumam ter dois tipos de leito: um menor e principal, por onde a água corre durante a maior parte do tempo, e um maior e complementar, que é inundado apenas em períodos de cheias. [...] Eventualmente, dependendo do curso d’água e das condições meteorológicas e locais, o leito maior é inundado, provocando as cheias em sua área. [...] Casas, vilas e até cidades são surpreendidas pelas cheias naturais eventuais. Em alguns casos, cidades inteiras ficam embaixo d´água. Além dessas causas das enchentes, há as antrópicas.

A interferência humana sobre os cursos d’água ocorre das mais diversas formas. Em casos extremos, porém menos comuns, tais situações podem estar relacionadas com rompimentos de diques e barragens, o que pode causar sérios danos à sociedade. Mas, quase sempre, essa questão está ligada ao mau uso do espaço urbano.

Um problema que parece não ter uma solução rápida é o elevado índice de poluição, causado tanto pela ausência de consciência por parte da população quanto por sistemas ineficientes de coleta de lixo ou de distribuição de lixeiras pela cidade. Além do mais, há problemas causados pela poluição gerada por empresas e outros órgãos. Com isso, ocorre o entupimento dos bueiros que seriam responsáveis por conter parte da água que eleva o nível dos rios. Além disso, o lixo gerado é levado pelas enxurradas e contribui ainda mais para elevar o volume das águas. [...]

Outra questão é a ocupação irregular ou desordenada do espaço geográfico. Como explicamos, algumas áreas correspondem ao leito maior de um rio que, esporadicamente, inunda. Com a ocupação irregular dessas áreas – muitas vezes causada pela ausência de planejamento adequado –, as pessoas estão sujeitas à ocorrência de inundações. Além disso, a remoção da vegetação que compõe o entorno do rio pode intensificar o processo, pois ela teria a função de reter parte dos sedimentos que vão para o leito e aumentam o nível das águas.

Apesar de todos os problemas mencionados, a causa considerada principal para as enchentes é, sem dúvida, a impermeabilização do solo. Com a pavimentação das ruas e a cimentação de quintais e calçadas, a maior parte da água, que deveria infiltrar no solo, escorre na superfície, provocando o aumento das enxurradas e a elevação dos rios. Além disso, a impermeabilização contribui para a elevação da velocidade desse escoamento, provocando erosões e causando outros tipos de desastres ambientais urbanos.

Existem inúmeras medidas de combate às enchentes. A cidade de Belo Horizonte, por exemplo, contratou em outubro de 2013 alguns “olheiros”, que são funcionários encarregados de detectar o início de inundações em áreas de risco. Eles teriam a função de minimizar os efeitos da “inundação relâmpago”, aquela que ocorre em um curtíssimo período de tempo. Outras ações envolvem a construção de barragens e o desassoreamento do leito dos rios, em que todos os sedimentos existentes no fundo dos cursos d’água são removidos, aumentando a sua profundidade.

Mas todas essas medidas são paliativas. [...] A melhor forma de lidar com esse problema é realizar uma devida prevenção, através da construção de sistemas eficientes de drenagem, a desocupação de áreas de risco, criação de reservas florestais nas margens dos rios, diminuição dos índices de poluição e geração de lixo, além de um planejamento urbano mais consistente.

PENA, Rodolfo F. Alves. O problema das enchentes. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/geografia/enchentes.htm> . Acesso em: 14 mar. 2018 [Fragmento]

Analise os seguintes recursos textuais.


I. Emissão de opinião para expressar ponto de vista acerca do assunto abordado.

II. Citação de medidas que minimizam, mas não combatem desastres ambientais.

III. Menção a estudo que evidencia a dimensão do problema das enchentes no país.

IV. Utilização de linguagem hermética para dar informações advindas de sua experiência.


O autor, para desenvolvimento do texto, empregou os recursos

  • A I e II, apenas.
  • B III e IV, apenas.
  • C II e III, apenas.
  • D I e IV, apenas.
18

                           O problema das enchentes


O problema das enchentes passou a ser algo comum na vida das populações de algumas cidades. Infelizmente, todo o ano é a mesma coisa: entre os meses de dezembro e fevereiro, os noticiários são tomados por problemas relacionados com a elevação dos cursos d´água e a inundação de casas e ruas, desencadeando uma série de tragédias que, quase sempre, poderia ser evitada. Mas por que as enchentes ocorrem? É possível combatê-las?

Em geral, os rios perenes costumam ter dois tipos de leito: um menor e principal, por onde a água corre durante a maior parte do tempo, e um maior e complementar, que é inundado apenas em períodos de cheias. [...] Eventualmente, dependendo do curso d’água e das condições meteorológicas e locais, o leito maior é inundado, provocando as cheias em sua área. [...] Casas, vilas e até cidades são surpreendidas pelas cheias naturais eventuais. Em alguns casos, cidades inteiras ficam embaixo d´água. Além dessas causas das enchentes, há as antrópicas.

A interferência humana sobre os cursos d’água ocorre das mais diversas formas. Em casos extremos, porém menos comuns, tais situações podem estar relacionadas com rompimentos de diques e barragens, o que pode causar sérios danos à sociedade. Mas, quase sempre, essa questão está ligada ao mau uso do espaço urbano.

Um problema que parece não ter uma solução rápida é o elevado índice de poluição, causado tanto pela ausência de consciência por parte da população quanto por sistemas ineficientes de coleta de lixo ou de distribuição de lixeiras pela cidade. Além do mais, há problemas causados pela poluição gerada por empresas e outros órgãos. Com isso, ocorre o entupimento dos bueiros que seriam responsáveis por conter parte da água que eleva o nível dos rios. Além disso, o lixo gerado é levado pelas enxurradas e contribui ainda mais para elevar o volume das águas. [...]

Outra questão é a ocupação irregular ou desordenada do espaço geográfico. Como explicamos, algumas áreas correspondem ao leito maior de um rio que, esporadicamente, inunda. Com a ocupação irregular dessas áreas – muitas vezes causada pela ausência de planejamento adequado –, as pessoas estão sujeitas à ocorrência de inundações. Além disso, a remoção da vegetação que compõe o entorno do rio pode intensificar o processo, pois ela teria a função de reter parte dos sedimentos que vão para o leito e aumentam o nível das águas.

Apesar de todos os problemas mencionados, a causa considerada principal para as enchentes é, sem dúvida, a impermeabilização do solo. Com a pavimentação das ruas e a cimentação de quintais e calçadas, a maior parte da água, que deveria infiltrar no solo, escorre na superfície, provocando o aumento das enxurradas e a elevação dos rios. Além disso, a impermeabilização contribui para a elevação da velocidade desse escoamento, provocando erosões e causando outros tipos de desastres ambientais urbanos.

Existem inúmeras medidas de combate às enchentes. A cidade de Belo Horizonte, por exemplo, contratou em outubro de 2013 alguns “olheiros”, que são funcionários encarregados de detectar o início de inundações em áreas de risco. Eles teriam a função de minimizar os efeitos da “inundação relâmpago”, aquela que ocorre em um curtíssimo período de tempo. Outras ações envolvem a construção de barragens e o desassoreamento do leito dos rios, em que todos os sedimentos existentes no fundo dos cursos d’água são removidos, aumentando a sua profundidade.

Mas todas essas medidas são paliativas. [...] A melhor forma de lidar com esse problema é realizar uma devida prevenção, através da construção de sistemas eficientes de drenagem, a desocupação de áreas de risco, criação de reservas florestais nas margens dos rios, diminuição dos índices de poluição e geração de lixo, além de um planejamento urbano mais consistente.

PENA, Rodolfo F. Alves. O problema das enchentes. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/geografia/enchentes.htm> . Acesso em: 14 mar. 2018 [Fragmento]

Considerando os argumentos expostos no texto, é correto afirmar que

  • A a ocorrência das enchentes é incomum na natureza devido ao fato de os rios terem dois tipos de leito para conter inundações.
  • B as causas antrópicas das enchentes e inundações não estão relacionadas à intervenção do homem sobre os cursos d’água.
  • C as enchentes são fenômenos naturais, todavia podem ser intensificadas pelas práticas humanas no espaço das cidades.
  • D os problemas da elevação dos cursos d´água e das inundações invadindo casas e ruas desencadeiam tragédias inevitáveis.
19

O acento diferencial é utilizado para diferenciar palavras que, mesmo com significados diferentes, possuem escrita e pronúncia semelhantes.
Assinale a alternativa que indica uma palavra que pode ser acentuada por esse motivo.

  • A Pôr
  • B Contínuo
  • C Bôrra
  • D Pêlo
20

Assinale a alternativa em que as palavras dos pares a seguir são formadas pelo mesmo processo de formação de palavras.

  • A Desaparecer / desabamento
  • B Desmatar / entristecer
  • C Equidade / felicidade
  • D Abalo / badalado

Conhecimentos Gerais

21

A denominação Outubro Rosa é dada a um movimento mundial, que tem como objetivo:

  • A combater a violência contra mulher, especialmente o crime de feminicídio.
  • B divulgar a importância do combate à discriminação sexual e de gênero.
  • C divulgar e ressaltar a necessidade de prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.
  • D conscientizar a população sobre as dificuldades enfrentadas pelas pessoas portadoras de deficiência física.
22

Assinale a alternativa que apresenta a região de planejamento do estado de Minas Gerais que conta com cidades como Uberaba e Uberlândia e que tem destaque nas indústrias de processamento de alimentos e madeira, açúcar e álcool, fumo e fertilizantes.

  • A Norte de Minas
  • B Zona da Mata
  • C Sul de Minas
  • D Triângulo Mineiro
23

A economia está cada vez mais globalizada. A desvalorização da moeda chinesa interfere nas exportações da China para o mundo, como também do Brasil para o país asiático.

Assinale a alternativa que apresenta a moeda oficial da República Popular da China.

  • A Iene
  • B Yuan
  • C Rúpia
  • D Won
24
Assinale a alternativa que apresenta a principal fonte de energia elétrica produzida no Brasil, segundo o Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2013.
  • A Usinas Nucleares
  • B Usinas Termelétricas
  • C Usinas Hidrelétricas
  • D Usinas Eólicas
25
Outubro Rosa é um movimento promovido pelo Ministério da Saúde desde 2010, que busca conscientizar e compartilhar informações sobre o controle de um determinado tipo de câncer.
Assinale a alternativa que apresenta o tipo de câncer, foco dessa campanha.
  • A Câncer de próstata
  • B Câncer de colo de útero
  • C Câncer de tireoide
  • D Câncer de mama
26
Assinale a alternativa que identifica a sigla correspondente ao órgão vinculado ao Ministério da Cultura que tem a missão de preservar o patrimônio cultural material e imaterial brasileiro.
  • A IPHAN
  • B FUNAI
  • C IBGE
  • D INPE
27
Assinale a alternativa que apresenta o site que permite que seus usuários carreguem e compartilhem vídeos em formato digital, fundado em 2005.
  • A Google
  • B Uber
  • C Youtube
  • D Yahoo
28
Segundo o Instituto Brasileiro de Mineração, qual o bem mineral mais produzido no Brasil (em toneladas), em 2014? 
  • A Ouro.
  • B Liga de nióbio.
  • C Fosfato.
  • D Minério de ferro.
29
Atualmente, no Brasil, existem 53 especialidades médicas. Assinale a alternativa que apresenta a especialização dedicada aos cuidados com a visão:
  • A Geriatria
  • B Oftalmologia
  • C Dermatologia
  • D Angiologia
30
Assinale a alternativa que identifica a sigla correspondente ao órgão vinculado ao Ministério da Cultura que tem a missão de preservar o patrimônio cultural material e imaterial brasileiro. 
  • A IPHAN
  • B FUNAI
  • C IBGE
  • D INPE
Voltar para lista