Resolver o Simulado Nível Superior

0 / 30

Português

1


A correção gramatical e os sentidos do texto 1A1BBB seriam mantidos caso se inserisse uma vírgula logo após

  • A “alertas” (ℓ.28).
  • B “também” (ℓ.3).
  • C “tempo” (ℓ.10).
  • D “lista” (ℓ.15).
  • E “processo” (ℓ.22).
2

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Assinale a opção que apresenta o segmento do texto em que a conjunção e tem valor adversativo (oposição), e não aditivo (adição).

  • A “... meu companheiro de aventuras, e eu iríamos receber”.
  • B “... demoravam semanas para ir e vir”.
  • CE quando chegamos à nossa base...”.
  • D “... arrolando em seguida o inesperado e a ironia...”.
  • E “... atrás de urânio e outros metais preciosos”.
3

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Apesar de bem escrito, o primeiro parágrafo do texto apresenta uma incorreção, segundo a norma padrão.
Assinale a opção que a apresenta.

  • A O segmento “Para a maioria dela” deveria ser substituído por “Para a maioria delas”.
  • B O segmento “têm sentido diferente” deveria ser substituído por “têm sentidos diferentes”.
  • C O segmento “a falta desses direitos” deveria ser substituído por “a falta desse direito”.
  • D O segmento “É possível existir” deveria ser substituído por “É possível existirem”.
  • E O segmento “devem-se essas prerrogativas” deveria ser substituído por “deve-se essas prerrogativas”.
4


Cada uma das opções seguintes apresenta uma proposta de reescrita do seguinte trecho do texto 1A1BBB: “Quando se trata de enfrentar a desigualdade, não há saída fácil ou receita de bolo” (ℓ. 26 e 27). Assinale a opção em que a reescrita, além de manter o sentido da informação originalmente apresentada, preserva a correção gramatical.

  • A Não existe solução simples nem prescrição adequada para eliminar a desigualdade.
  • B Se tratarmos de afrontar à desigualdade, não existirá instruções precisas nem solução fácil.
  • C Naquilo que tange ao combate à desigualdade, não há solução fácil, tampouco fórmula simples.
  • D No que se refere à enfrentar a desigualdade, não existe remédio simples, nem dosagem certa.
  • E O enfrentamento da desigualdade se trata de algo sem saída fácil e sem receita secreta.
5

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Assinale a opção em que o conector sublinhado tem corretamente indicado o seu significado.

  • Aentre os índios gaviões no sul do Pará” / companhia.
  • B “Mas, como os exilados também se comunicam” / modo.
  • C “... demoravam semanas para ir e vir” / direção.
  • D “... que até hoje permeiam a atividade” / inclusão.
  • E “... atrás de urânio e outros metais preciosos” / finalidade.
6

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Segundo os dois primeiros períodos do texto, o significado atribuído às palavras

  • A deve ser preservado pelos dicionários, para que não se altere com a passagem do tempo.
  • B está diretamente ligado à época em que essas palavras são empregadas.
  • C depende da experiência pessoal dos usuários.
  • D é uma construção histórica e deve ser mantido a partir de sua origem.
  • E se modifica com o tempo, já que os fatos geradores desses vocábulos também se modificam.
7


No último parágrafo do texto 1A1BBB, a autora sugere que a responsabilidade pela existência da desigualdade social é de todos os indivíduos, entre eles incluído o leitor, o que é denotado pela

  • A alusão à “concentração dos benefícios públicos” (ℓ.25).
  • B escolha do termo “apostar” (ℓ.28) para definir sua posição quanto ao tema.
  • C utilização dos pronomes “nos” (ℓ.22) e “nossas” (ℓ.23).
  • D recusa a definir a desigualdade como “natural” (ℓ.21).
  • E referência a escolhas “institucionais” (ℓ.24).
8

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida”.


No contexto, esse fragmento representa o que pensa(m)

  • A o intermediário da correspondência.
  • B a sociedade em geral.
  • C os antropólogos modernos.
  • D o enunciador do texto.
  • E o autor do texto e seu amigo.
9

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Um dos conselhos para uma boa escrita é que as frases de um texto tenham a mesma organização sintática numa enumeração.

No fragmento “Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos...”, para que as duas frases tenham a mesma organização, a mudança adequada seria:

  • A a primeira frase deveria ser “Se é possível que existam redes sociais”.
  • B a primeira frase deveria ser “Se é possível a existência de redes sociais”.
  • C a segunda frase deveria ser “se é possível a organização de pessoas em grupos”.
  • D a segunda frase deveria ser “se é possível que pessoas sejam organizadas em grupos”.
  • E a segunda frase deveria ser “se é possível pessoas organizando-se em grupos”.
10

Texto I.


Ao assumir a direção de um carro, o pacato e humilde senhor Andante se transforma no terrível senhor Volante, modelo de arrogância e violência. Protagonizada pelo personagem Pateta, a cena do desenho clássico da Disney (1950) ilustra uma situação comum até hoje no trânsito, onde os motoristas descarregam toda sorte de frustrações. São condutores que não usam as luzes indicadoras de direção (conhecidas como piscas ou setas) nas conversões – e apontam o dedo médio para os pedestres que lhes chamam a atenção por isso –, ou ultrapassam pela direita – inclusive pelo acostamento das rodovias –, ignoram as faixas de pedestres e dirigem veículos com pneus carecas ou amortecedores vencidos.

Não por acaso, o fator humano é responsável pela maioria dos acidentes. Dirigir defensivamente é essencial para prevenir os desastres ou pelo menos minimizar suas consequências. De acordo com o professor Adilson Lombardo, especialista em segurança no trânsito, a direção defensiva passa por uma série de comportamentos ligados à inteligência emocional e ao raciocínio lógico. “É preciso avaliar o risco, analisar as possibilidades, reduzir a velocidade perto de escolas ou em dias de chuva, não fazer ultrapassagens perigosas”, ensina. Na prática, são medidas simples, que podem ser resumidas em duas: bom senso e respeito às normas.

Para o especialista, um trânsito mais seguro depende do comportamento mais inteligente não apenas do condutor de veículo automotor, mas também do pedestre e do ciclista. Assim como o motorista tem de respeitar a preferência do pedestre na faixa de segurança nos casos em que não há semáforo, o pedestre precisa atravessar na faixa e respeitar a sinalização luminosa, quando houver. Bicicletas, por sua vez, não devem trafegar em pistas exclusivas de ônibus, e cabe ao ciclista usar os equipamentos de segurança obrigatórios, como o capacete.

Lombardo lembra que as pessoas costumam transferir muitos de seus comportamentos para o trânsito. “O carro não é uma extensão do corpo”, adverte. “O motorista deve seguir as regras e respeitar o próximo, demonstrando gentileza e educação.”

                           Adaptado de Gazeta do Povo.com.br. Curitiba, 22/08/2009. 

A introdução do texto se refere a uma cena bastante famosa de um desenho animado. A finalidade dessa referência é

  • A procurar despertar a atenção do leitor para o problema grave da segurança no trânsito.
  • B destacar a importância da mídia (cinema) para a discussão do tema-alvo do texto.
  • C introduzir a discussão sobre a influência do fator humano nos acidentes de trânsito.
  • D alertar o leitor para certos problemas psicológicos que interferem na segurança do trânsito.
  • E motivar o leitor para uma leitura do texto, apelando para referências lúdicas e não técnicas.

Matemática

11

Se a curva x2 + 4xy + y2 = 1 admitir alguma reta tangente horizontal, em qual ponto sobre a mesma a reta tangente será horizontal?

  • A Esta curva não possui reta horizontal.
  • B 0.
  • C 1.
  • D 2.
  • E Para todos os valores onde x = – 2y.
12

A equação 2x2 + y2 + 4x − 6y = 7 representa:

  • A um círculo de raio r = 7 e centro C(4, −6)
  • B uma elipse de centro C(−2, 6) e eixo menor de comprimento 6
  • C uma elipse de centro C(1, −3) e eixo maior de comprimento 6
  • D um círculo de raio r = 3 e centro C(−1, 3)
  • E uma elipse de centro C(−1, 3) e eixo menor de comprimento 6.
13

Simplificando a expressão y = a −1 . a 4 ÷ a 6 , teremos y igual a :

  • A 1 /a3
  • B a3
  • C 1/ a2
  • D 2/ 3a
  • E a9
14
Em um triângulo equilátero de lado igual a 4 cm, a medida de sua altura é igual a:
  • A 2 cm
  • B √12 cm
  • C 8 cm
  • D 16 cm
  • E 10 cm
15

Dalva, Bruna e Carla são advogadas, sendo duas delas irmãs. Cada advogada possui uma especialidade: uma é trabalhista; outra, civilista; e, a outra, penalista.

Sabe-se que:


▪ Dalva não é advogada trabalhista;

▪ Bruna não é advogada civilista;

▪ a irmã de Carla é advogada penalista;

▪ a que não tem irmã nesse grupo é advogada trabalhista.


É correto concluir que

  • A Dalva é advogada civilista.
  • B Carla é advogada civilista.
  • C Bruna é advogada penalista.
  • D Carla é advogada trabalhista.
  • E Bruna e Carla são irmãs.
16

Os pontos de máximo local de f(x) = exp(-cos(3x)), x ∈ ℝ, são

  • A 2k π / 3 ,k ∈ ℤ
  • B (2k + 1)π, k ∈ ℤ
  • C 2kπ, k ∈ ℤ
  • D (2k + 1) π /3,k ∈ ℤ
  • E k π / 3 , k ∈ ℤ
17
 Dada a função f(x – 1) = x2 + 3x – 2, considerando os valores de f(1) e f(2), pode-se afirmar corretamente que 
  • A f(1) = f(2) + 4
  • B f(2) = f(1) – 1
  • C f(2) = 2 f(1)
  • D f(1) = 2 f(2)
18

Uma urna contém n bolas numeradas de 1 até n. Ao serem extraídas da urna 2 bolas, sucessivamente e sem reposição, a quantidade de sequências de 2 números, que podem ser obtidas, é igual a 182. É CORRETO afirmar que n é divisível por

  • A 4
  • B 5
  • C 6
  • D 7
  • E 13
19

Um hotel possui 100 apartamentos. Se todos os apartamentos forem alugados, o preço de cada apartamento será R$ 140,00. Caso contrário, o hotel acresce R$ 10,00 por apartamento não alugado.

Para que o hotel obtenha lucro máximo, o número de apartamentos alugados será

  • A 36.
  • B 43.
  • C 39.
  • D 42.
20

Em uma empresa, 51 dos funcionários são homens. Sabe-se que para cada 12 funcionários homens, trabalham na empresa 8 funcionárias mulheres.


Portanto, o total de funcionários (homens e mulheres) que trabalham na empresa é:

  • A 91.
  • B 90.
  • C 88.
  • D 87.
  • E 85.

Pedagogia

21

Segundo a Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, contemplar o cuidado na esfera da instituição da educação infantil significa compreendê-lo como parte integrante da educação, embora possa exigir conhecimentos, habilidades e instrumentos que extrapolam a dimensão pedagógica, ou seja:

I. Cuidar de uma criança em um contexto educativo não demanda a integração de vários campos de conhecimentos nem a cooperação de profissionais de diferentes áreas.

II. A base do cuidado humano é compreender como ajudar o outro a se desenvolver como ser humano.

III. Cuidar significa valorizar e ajudar a desenvolver capacidades.

IV. O cuidado é um ato em relação ao outro e a si próprio que possui uma dimensão expressiva e implica em procedimentos específicos.

Assinale as afirmativas corretas em relação ao cuidar:

  • A I, II e III.
  • B I, II e IV.
  • C I, III e IV.
  • D II, III e IV.
  • E II e IV.
22

Cabe às secretarias de educação dos estados e do Distrito Federal, visando definir e implementar a política estadual para a área, em consonância com a legislação vigente e com os princípios expressos na Política Nacional de Educação Infantil:

I. Articular-se com o Ministério da Educação, secretarias municipais, órgãos, organismos, organizações, áreas, programas, poderes Legislativo e Judiciário para propiciar uma gestão integrada e colaborativa entre os três níveis de governo e entre os diversos setores das políticas sociais em assuntos que dizem respeito à criança de 0 até 6 anos de idade.

II. Estabelecer diretrizes, objetivos, metas e estratégias para a área.

III. Divulgá-la por meio de distribuição de documento impresso e disponibilizá-la na Internet.

IV. Ampliar progressivamente, em colaboração com os sistemas municipais, o atendimento às crianças de 0 até 4 anos de idade com objetivo de atingir toda a demanda em âmbito estadual. 

A alternativa correta é:

  • A I, II e III.
  • B I e III.
  • C II e III.
  • D II e IV.
  • E Todas estão corretas.
23

No que concerne aos níveis e modalidades de educação e ensino, previstos na Lei nº 9394/96, pode-se afirmar que:

  • A A educação básica é formada pela educação infantil e pelo ensino fundamental.
  • B A educação escolar compõe-se de educação básica, média e superior.
  • C A escola poderá reclassificar os alunos tendo como base as normas curriculares gerais.
  • D A educação básica tem a finalidade de desenvolver o educando para o exercício da cidadania, sendo a educação média e média técnica meios para progressão no trabalho e em estudos posteriores.
  • E O calendário escolar do ensino básico deve ser obedecido em todo o território nacional, com a previsão de dois ciclos de férias escolares, em julho e em janeiro.
24

No documento “Avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais” inspira-se na intensificação dos movimentos em prol da efetiva melhoria da qualidade da educação para todos e com todos, oferecida em escolas que:

I. Cultuem valores alicerçados na Democracia.

II. Não excluam alunos e nem os rotulem.

III. Funcionem como sistemas abertos.

Assinale a alternativa correta:

  • A Apenas a I.
  • B I e II.
  • C I e III.
  • D Todas estão corretas.
  • E N.D.A.
25

Para a valorização dos profissionais da educação, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN – Lei nº 9.394/1996) assinala uma série de requisitos. Esses requisitos referem-se

  • A à consideração prioritária para a experiência profissional em qualquer nível ou modalidade de ensino e piso salarial diferenciado, baseado, excepcionalmente, na experiência técnica.
  • B às condições adequadas de trabalho e ao estabelecimento de cotas para docentes provenientes de segmentos sociais integrantes de minorias étnicas.
  • C à excepcionalidade para contratação temporária por meio de indicação e seleção diferenciada fundamentada na meritocracia.
  • D ao ingresso exclusivo por concurso público, aperfeiçoamento contínuo, condições de trabalho, piso salarial, progressão funcional baseada na titulação e na avaliação do desempenho.
26

Um dos clássicos escritos por Paulo Freire traz como título “Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa”. Nessa obra é abordada a questão da formação docente aliada à reflexão sobre a prática educativa-progressista para o desenvolvimento da autonomia do ser dos educandos. Com base nos escritos, leia atentamente as afirmativas a seguir:


I) ensinar exige criticidade: a curiosidade ingênua não é a mesma curiosidade que, aproximandose de forma cada vez mais metodicamente rigorosa do objeto cognoscível, torna-se curiosidade epistemológica;

II) ensinar exige bom senso: a vigilância do bom senso tem grande importância na avaliação que o professor, a todo momento, deve fazer de sua prática;

III) ensinar exige curiosidade: sem a curiosidade o professor não aprende e nem ensina;

IV) ensinar exige liberdade e autoridade: quanto mais criticamente a liberdade assume o limite necessário, tanto menos autoridade ela tem para continuar lutando em seu nome.

V) ensinar exige disponibilidade para o diálogo: o professor se sente seguro porque não há razão para se envergonhar por desconhecer algo.


Com base nas afirmativas anteriores, marque a opção em que todas as alternativas estejam CORRETAS:

  • A I, II e IV apenas.
  • B I, III, IV apenas.
  • C II, III e V apenas.
  • D II, III, IV e V apenas.
  • E I, IV e V apenas.
27
O professor dispõe de vários métodos avaliativos, aquele que vai ser de sua escolha vai depender de qual é sua identidade docente, bem como o objetivo que ele vai querer alcançar com o tipo de resultado que ela proporcionará. Um desses métodos diz respeito ao processo de coletar, sintetizar e interpretar informações tendo em vista o aprimoramento do aprendizado dos discentes durante a aula, voltando-se mais como algo para aprimoramento do que atribuição de nota.

Com base nos escritos anteriores, marque a alternativa CORRETA que traga o nome do método avaliativo em questão:
  • A avaliação holística;
  • B avaliação instrucional;
  • C avaliação somativa;
  • D avaliação formativa;
  • E avaliação inicial.
28

Em relação ao uso de tecnologias digitais no processo ensino e aprendizagem, leias as afirmações a seguir e marque (V) (para as VERDADEIRAS) ou (F) (para as FALSAS).


( ) Com a utilização de tecnologia em sala de aula o professor assume um papel secundário no processo de ensino e aprendizagem.

( ) A Internet é muito útil para a realização de pesquisas acadêmicas, de onde o aluno pode copiar livremente qualquer conteúdo sem citar autoria ou fonte.

( ) O uso de recursos multimídia, como imagens, sons e vídeos, quando bem aplicados, fornecem um meio mais atraente de aprendizagem.

( ) A simples utilização de um computador pelo professor, por si só, já garante a melhoria do processo de ensino e aprendizagem.


A sequência CORRETA, de cima para baixo, é:

  • A F, V, F, V
  • B V, F, V, F
  • C F, V, V, V
  • D V, V, F, F
  • E F, F, V, F

Libras

29

Segundo o MEC (2007), o ensino fundamental e a educação infantil são duas etapas extremamente importantes para o desenvolvimento integral do ser humano. Os estímulos que uma criança recebe nos primeiros anos de vida definem seu sucesso escolar e seu desenvolvimento. Nesse sentido, assume-se, então, que a educação a ser oferecida para as crianças com necessidades educativas especiais não pode ser olhada como um sistema paralelo à educação geral, e sim fazer como um conjunto de recursos pedagógicos e de serviços de apoio que facilite a aprendizagem de todos (Oliveira, 2005). Com base na afirmação de Oliveira (2005), é CORRETO afirmar:

  • A Os professores regentes são os responsáveis por ultrapassar as barreiras comunicacionais e pedagógicas, além de atuarem como mediadores no processo de ensino/aprendizagem do aluno surdo.
  • B A escola deve extrapolar ações e ainda discutir com os órgãos competentes questões relacionadas ao ingresso dos alunos surdos no processo de ensino/aprendizagem.
  • C É de extrema importância que a escola esteja preparada para o acolhimento de pessoas surdas e que possa apoiá-las em sua condição bilíngue, fazendo que ela seja inserida de forma a favorecer que vista como sujeito no processo de ensino/aprendizagem.
  • D Os TILS devem estar prontos para o acolhimento, uma vez que está estabelecida a relação entre tradutor e intérprete e aluno surdo e este preparo facilita o apoio aos alunos surdos.
  • E Professores e TILS somente são os responsáveis pelo acolhimento do aluno, já que são eles os profissionais que atuam diretamente no processo de ensino/aprendizado deles.

Pedagogia

30
O financiamento da educação é abordado na meta 20 do Plano Nacional de Educação. Essa meta visa ampliar o investimento público em educação de forma a atingir, no mínimo, o patamar de:
  • A 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no quinto ano de vigência da lei e, no mínimo, o equivalente a 8% do PIB ao final do decênio.
  • B 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no quinto ano de vigência da lei e, no mínimo, o equivalente a 10% do PIB ao final do decênio.
  • C 7% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no quinto ano de vigência da lei e, no mínimo, o equivalente a 10% do PIB ao final do decênio.
  • D 7% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no quinto ano de vigência da lei e, no mínimo, o equivalente a 12% do PIB ao final do decênio.
  • E 9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país no quinto ano de vigência da lei e, no mínimo, o equivalente a 12% do PIB ao final do decênio.
Voltar para lista