Resolver o Simulado Nível Superior

0 / 30

Português

1


A correção gramatical e os sentidos do texto 1A1BBB seriam mantidos caso se inserisse uma vírgula logo após

  • A “alertas” (ℓ.28).
  • B “também” (ℓ.3).
  • C “tempo” (ℓ.10).
  • D “lista” (ℓ.15).
  • E “processo” (ℓ.22).
2

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Assinale a opção que apresenta o segmento do texto em que a conjunção e tem valor adversativo (oposição), e não aditivo (adição).

  • A “... meu companheiro de aventuras, e eu iríamos receber”.
  • B “... demoravam semanas para ir e vir”.
  • CE quando chegamos à nossa base...”.
  • D “... arrolando em seguida o inesperado e a ironia...”.
  • E “... atrás de urânio e outros metais preciosos”.
3

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Apesar de bem escrito, o primeiro parágrafo do texto apresenta uma incorreção, segundo a norma padrão.
Assinale a opção que a apresenta.

  • A O segmento “Para a maioria dela” deveria ser substituído por “Para a maioria delas”.
  • B O segmento “têm sentido diferente” deveria ser substituído por “têm sentidos diferentes”.
  • C O segmento “a falta desses direitos” deveria ser substituído por “a falta desse direito”.
  • D O segmento “É possível existir” deveria ser substituído por “É possível existirem”.
  • E O segmento “devem-se essas prerrogativas” deveria ser substituído por “deve-se essas prerrogativas”.
4


Cada uma das opções seguintes apresenta uma proposta de reescrita do seguinte trecho do texto 1A1BBB: “Quando se trata de enfrentar a desigualdade, não há saída fácil ou receita de bolo” (ℓ. 26 e 27). Assinale a opção em que a reescrita, além de manter o sentido da informação originalmente apresentada, preserva a correção gramatical.

  • A Não existe solução simples nem prescrição adequada para eliminar a desigualdade.
  • B Se tratarmos de afrontar à desigualdade, não existirá instruções precisas nem solução fácil.
  • C Naquilo que tange ao combate à desigualdade, não há solução fácil, tampouco fórmula simples.
  • D No que se refere à enfrentar a desigualdade, não existe remédio simples, nem dosagem certa.
  • E O enfrentamento da desigualdade se trata de algo sem saída fácil e sem receita secreta.
5

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Assinale a opção em que o conector sublinhado tem corretamente indicado o seu significado.

  • Aentre os índios gaviões no sul do Pará” / companhia.
  • B “Mas, como os exilados também se comunicam” / modo.
  • C “... demoravam semanas para ir e vir” / direção.
  • D “... que até hoje permeiam a atividade” / inclusão.
  • E “... atrás de urânio e outros metais preciosos” / finalidade.
6

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Segundo os dois primeiros períodos do texto, o significado atribuído às palavras

  • A deve ser preservado pelos dicionários, para que não se altere com a passagem do tempo.
  • B está diretamente ligado à época em que essas palavras são empregadas.
  • C depende da experiência pessoal dos usuários.
  • D é uma construção histórica e deve ser mantido a partir de sua origem.
  • E se modifica com o tempo, já que os fatos geradores desses vocábulos também se modificam.
7


No último parágrafo do texto 1A1BBB, a autora sugere que a responsabilidade pela existência da desigualdade social é de todos os indivíduos, entre eles incluído o leitor, o que é denotado pela

  • A alusão à “concentração dos benefícios públicos” (ℓ.25).
  • B escolha do termo “apostar” (ℓ.28) para definir sua posição quanto ao tema.
  • C utilização dos pronomes “nos” (ℓ.22) e “nossas” (ℓ.23).
  • D recusa a definir a desigualdade como “natural” (ℓ.21).
  • E referência a escolhas “institucionais” (ℓ.24).
8

                   Texto I – Há sempre o inesperado


Quem não nasceu de novo por causa de um inesperado?

Iniciei-me no exílio antropológico quando – de agosto a novembro de 1961 – fiz trabalho de campo entre os índios gaviões no sul do Pará. Mas, como os exilados também se comunicam, solicitei a uma respeitável figura do último reduto urbano que visitamos, uma cidadezinha na margem esquerda do rio Tocantins, que cuidasse da correspondência que Júlio César Melatti, meu companheiro de aventura, e eu iríamos receber. Naquele mundo sem internet, telefonemas eram impossíveis e cartas ou pacotes demoravam semanas para ir e vir.

Recebemos uma rala correspondência na aldeia do Cocal. E, quando chegamos à nossa base, no final da pesquisa, descobrimos que nossa correspondência havia sido violada.

Por quê? Ora, por engano, respondeu o responsável, arrolando em seguida o inesperado e ironia que até hoje permeiam a atividade de pesquisa de Brasil. Foi quando soubemos que quem havia se comprometido a cuidar de nossas cartas não acreditava que estávamos “estudando índios”. Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida. Éramos estrangeiros disfarçados – muito provavelmente americanos – atrás de urânio e outros metais preciosos. Essa plausível hipótese levou o nosso intermediário ao imperativo de “conferir” a correspondência.

Mas agora que os nossos rostos escalavrados pelo ordálio do trabalho de campo provavam como estava errado, ele, pela primeira vez em sua vida, acreditou ter testemunhado dois cientistas em ação.

Há sempre o inesperado.

                      Roberto da Matta. O GLOBO. Rio de Janeiro, 18/10/2017 

Na sua mente, éramos bons demais para perdermos tempo com uma atividade tão inútil quanto estúpida”.


No contexto, esse fragmento representa o que pensa(m)

  • A o intermediário da correspondência.
  • B a sociedade em geral.
  • C os antropólogos modernos.
  • D o enunciador do texto.
  • E o autor do texto e seu amigo.
9

Texto I – Do que as pessoas têm medo?


A geração pós-1980 e início de 1990 só conhece os tempos militares pelos livros de História e pelas séries da TV. Para a maioria dela, as palavras “democracia” e “liberdade” têm sentido diferente daquele para quem conheceu a falta desses direitos e as consequências de brigar por eles. Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos ou movimentos e digam ou escrevam o que querem e o que pensam, devem-se essas prerrogativas a quem no passado combateu as arbitrariedades de uma ditadura violenta, a custo muito alto.

A liberdade não é um benefício seletivo. Não existe numa sociedade quando alguns indivíduos têm mais liberdade que outros, ou quando a de uns se sobrepõe à de outros.

É fundamental para a evolução das sociedades compreender que o status quo das culturas está sempre se modificando, e que todas as modificações relacionadas aos costumes de cada época precisaram quebrar paradigmas que pareciam imutáveis. Foi assim com a conquista do voto da mulher, com a trajetória até o divórcio e para que a “desquitada” deixasse de ser discriminada. Foi assim, também, com outros costumes: o comprimento das saias, a introdução do biquíni, a inclusão racial, as famílias constituídas por união estável, o primeiro beijo na TV e tantas outras mudanças que precisaram vencer os movimentos conservadores até conseguirem se estabelecer. Hoje, ninguém se importa em ver um casal se beijando numa novela (desde que o casal seja formado por um homem e uma mulher). Há pouco mais de 60 anos, o primeiro beijo na TV, comportado, um encostar de lábios, foi um escândalo para a época.

A questão do momento é se existe limite para a expressão da arte.

                                    Simone Kamenetz, O Globo, 18/10/2017. (Adaptado) 

Um dos conselhos para uma boa escrita é que as frases de um texto tenham a mesma organização sintática numa enumeração.

No fragmento “Se hoje é possível existir redes sociais; se é possível que pessoas se organizem em grupos...”, para que as duas frases tenham a mesma organização, a mudança adequada seria:

  • A a primeira frase deveria ser “Se é possível que existam redes sociais”.
  • B a primeira frase deveria ser “Se é possível a existência de redes sociais”.
  • C a segunda frase deveria ser “se é possível a organização de pessoas em grupos”.
  • D a segunda frase deveria ser “se é possível que pessoas sejam organizadas em grupos”.
  • E a segunda frase deveria ser “se é possível pessoas organizando-se em grupos”.
10

Texto I.


Ao assumir a direção de um carro, o pacato e humilde senhor Andante se transforma no terrível senhor Volante, modelo de arrogância e violência. Protagonizada pelo personagem Pateta, a cena do desenho clássico da Disney (1950) ilustra uma situação comum até hoje no trânsito, onde os motoristas descarregam toda sorte de frustrações. São condutores que não usam as luzes indicadoras de direção (conhecidas como piscas ou setas) nas conversões – e apontam o dedo médio para os pedestres que lhes chamam a atenção por isso –, ou ultrapassam pela direita – inclusive pelo acostamento das rodovias –, ignoram as faixas de pedestres e dirigem veículos com pneus carecas ou amortecedores vencidos.

Não por acaso, o fator humano é responsável pela maioria dos acidentes. Dirigir defensivamente é essencial para prevenir os desastres ou pelo menos minimizar suas consequências. De acordo com o professor Adilson Lombardo, especialista em segurança no trânsito, a direção defensiva passa por uma série de comportamentos ligados à inteligência emocional e ao raciocínio lógico. “É preciso avaliar o risco, analisar as possibilidades, reduzir a velocidade perto de escolas ou em dias de chuva, não fazer ultrapassagens perigosas”, ensina. Na prática, são medidas simples, que podem ser resumidas em duas: bom senso e respeito às normas.

Para o especialista, um trânsito mais seguro depende do comportamento mais inteligente não apenas do condutor de veículo automotor, mas também do pedestre e do ciclista. Assim como o motorista tem de respeitar a preferência do pedestre na faixa de segurança nos casos em que não há semáforo, o pedestre precisa atravessar na faixa e respeitar a sinalização luminosa, quando houver. Bicicletas, por sua vez, não devem trafegar em pistas exclusivas de ônibus, e cabe ao ciclista usar os equipamentos de segurança obrigatórios, como o capacete.

Lombardo lembra que as pessoas costumam transferir muitos de seus comportamentos para o trânsito. “O carro não é uma extensão do corpo”, adverte. “O motorista deve seguir as regras e respeitar o próximo, demonstrando gentileza e educação.”

                           Adaptado de Gazeta do Povo.com.br. Curitiba, 22/08/2009. 

A introdução do texto se refere a uma cena bastante famosa de um desenho animado. A finalidade dessa referência é

  • A procurar despertar a atenção do leitor para o problema grave da segurança no trânsito.
  • B destacar a importância da mídia (cinema) para a discussão do tema-alvo do texto.
  • C introduzir a discussão sobre a influência do fator humano nos acidentes de trânsito.
  • D alertar o leitor para certos problemas psicológicos que interferem na segurança do trânsito.
  • E motivar o leitor para uma leitura do texto, apelando para referências lúdicas e não técnicas.

Matemática

11
Uma moeda é lançada cinco vezes seguidas e independentes. A probabilidade de serem obtidas três “caras” nessas cinco provas é de:
  • A 1/5.
  • B 3/8.
  • C 1/24.
  • D 5/16.
12

Considerando uma elipse com centro na origem, focos num dos eixos coordenados e passando pelos pontos (5, 0) e (0, 13), determine os focos da elipse.

  • A (13, 0) e (– 13, 0)
  • B (0, 13) e (0, – 13)
  • C (12, 0) e (– 12, 0)
  • D (0, 12) e (0, – 12)
  • E (5, 0) e (– 5, 0)
13

A corrente de um circuito elétrico utiliza em seu cálculo o quociente entre dois números complexos, onde o numerador é a fonte de tensão de uma residência e o denominador é uma carga de impedância. Do resultado deste cálculo utilizam-se as informações do módulo e do argumento para tomar as decisões. Se a, b e c são números complexos, tais que a = −√3+ i e b = 2i e c = a/b , o módulo e o argumento do número complexo “c” são, respectivamente:

  • A 2 e π/6
  • B 1 e π/3
  • C 2 e π/4
  • D 1/2 e π/3
  • E 1 e π/4

Matemática Financeira

14

Uma indústria pretende investir em maquinário com vistas a aumentar sua produção. Para tanto, adquire uma máquina a prazo, cujo valor foi dividido em três parcelas mensais iguais de R$ 10.000,00, postecipadas. Considerando que a taxa de juros do fornecedor é de 10% a.m., o valor à vista desta máquina, em R$, é:

(No valor à vista da máquina, ignorar as casas decimais.)

  • A 24.868,00.
  • B 24.962,00.
  • C 25.104,00.
  • D 25.234,00.

Matemática

15
A alternativa que apresenta o número total de faces, vértices e arestas de um tetraedro é:
  • A 4 faces triangulares, 5 vértices e 6 arestas
  • B 5 faces triangulares, 4 vértices e 6 arestas
  • C 4 faces triangulares, 4 vértices e 7 arestas
  • D 4 faces triangulares, 4 vértices e 6 arestas
  • E 4 faces triangulares, 4 vértices e 5 arestas
16

Um filósofo encontra-se na frente de um juiz que o sentenciou à morte. Mas, no último momento, o juiz lhe concede uma oportunidade de sair livre. Assim, são colocados dois cálices na sua frente. Em um existe um líquido com um veneno poderoso insípido, inodoro e transparente e, em outro, água pura. A seguir, são destacados dois guardas que se colocam atrás dos cálices. Um só diz a verdade e o outro a mentira, e o filósofo não sabe qual é qual. Ele tem o direito de fazer apenas uma pergunta para um dos guardas. Ao final da inquirição, ele deve beber o líquido do cálice escolhido. Qual a pergunta a fazer para um dos guardas e adivinhar o cálice que não contém veneno?

  • A Se tu fosse o outro guarda, qual cálice tu dirias que tem água?
  • B Se tu fosse filósofo, qual cálice tu escolheria?
  • C Qual o cálice que não contém veneno?
  • D Qual o cálice que contém água?
  • E Se tu fosse o outro guarda, tu tomarias veneno?
17

Um veículo trafegando a uma velocidade média de 75 km/h percorre determinada distância em 4 horas e 20 minutos. Se a sua velocidade média cair para 45 km/h, o tempo necessário para percorrer a mesma distância será acrescido de um valor que é

  • A menor do que uma hora.
  • B maior que uma hora e menor que duas horas.
  • C maior que quatro horas.
  • D maior que três horas e menor que quatro horas.
  • E maior que duas horas e menor que três horas.
18

Sejam os números complexos z1 = 1 – i, z2 = 3 + 5i e z3 = z1 + z2. O módulo de z3 é igual a

  • A 2√2
  • B 4√2
  • C 2√3
  • D 4√3
19

A superfície lateral de um cone, ao ser planificada, gera um setor circular cujo raio mede 10 cm e cujo comprimento do arco mede 10π cm. O raio da base do cone, em cm, mede

  • A 5
  • B 10
  • C
  • D 10π
20

Uma máquina copiadora A faz 20% mais cópias do que uma outra máquina B, no mesmo tempo.


A máquina B faz 100 cópias em uma hora.


A máquina A faz 100 cópias em

  • A 44 minutos.
  • B 46 minutos.
  • C 48 minutos.
  • D 50 minutos.
  • E 52 minutos.

Pedagogia

21

Segundo o documento “Os critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças”, a creche que respeita a criança dá a ela direito a proteção, ao afeto e à amizade, sendo assim: I. Procuramos entender porque a criança está triste ou chorando. II. Procuramos ajudar as pessoas da equipe quando enfrentam problemas pessoais sérios. III. Procuramos não interromper bruscamente as atividades das crianças. IV. Evitamos situações em que as crianças se sintam excluídas.
Estão corretas as afirmativas:

  • A I, II e III.
  • B I, II e IV.
  • C I, III e IV.
  • D II, III e IV.
  • E Todas estão corretas.
22

A gestão das instituições de Educação Infantil é de responsabilidade de profissionais que exercem os cargos de direção, administração, coordenação pedagógica ou coordenação-geral e que:

I. Têm, no mínimo, o diploma de nível médio modalidade Normal e, preferencialmente, de nível superior (pedagogia).

II. São selecionados e avaliados a partir do conhecimento de seus direitos e deveres, do seu compromisso com a ética profissional e da dedicação permanente ao seu aperfeiçoamento pessoal e profissional.

III. Atuam em estreita consonância com profissionais sob sua responsabilidade, famílias e representantes da comunidade local.

A alternativa correta é:

  • A Apenas a I.
  • B I e II.
  • C I e III.
  • D II e III.
  • E Todas estão corretas.
23
Acerca da avaliação e aprendizagem da criança, um professor avaliador deve ter como objetivo, exceto:
  • A Manter uma atitude curiosa e investigativa sobre as reações e manifestações das crianças no dia a dia da instituição.
  • B Valorizar a diversidade de interesses e possiblidades de exploração do mundo pelas crianças, respeitando sua identidade sociocultural.
  • C Proporcionar-lhes um ambiente interativo, acolhedor e alegre, rico em materiais e situações a serem experienciadas.
  • D Agir como mediador de suas conquistas, no sentido de apoiá-las, acompanhá-las e favorecer-lhes desafios adequados aos seus interesses e possibilidades.
  • E Fazer anotações diárias sobre aspectos individuais observados, de forma a reunir dados significativos para avaliação e promoção dos alunos.
24

O trabalho da _______________ psicomotora com as crianças deve prever a formação de base indispensável em seu desenvolvimento motor, _____________e psicológico, dando oportunidade para que por meio de ______________, de atividades lúdicas, se conscientize sobre seu corpo. Qual das opções completa as lacunas acima?

  • A Terapia, afetivo, jogos.
  • B Educação, afetivo, provas escritas.
  • C Reeducação, afetivo, jogos.
  • D Educação, afetivo, jogos.
  • E N.D.A.
25

A coluna da esquerda apresenta os entes federados responsáveis pela organização da educação nacional e a da direita, suas respectivas incumbências nos termos da LDBEN (Lei nº 9.394/1996). Numere a coluna da direita de acordo com a da esquerda.

1 - União

2 - Estados

3 - Municípios


( ) Organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino; definir, com os Municípios, formas de colaboração na oferta do Ensino Fundamental, as quais devem assegurar a distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo com a população a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada uma dessas esferas do Poder Público; elaborar e executar políticas e planos educacionais, em consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, integrando e coordenando as suas ações e as dos seus Municípios.

( ) Organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas e planos educacionais da União e dos Estados; oferecer educação infantil em creches e pré-escolas, e, com prioridade, o Ensino Fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino.

( ) Elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus sistemas de ensino e o atendimento prioritário à escolaridade obrigatória, exercendo sua função redistributiva e supletiva.

Marque a sequência correta.

  • A 1, 2, 3
  • B 3, 2, 1
  • C 2, 3, 1
  • D 1, 3, 2
26

Sobre a construção da identidade docente, considere as assertivas abaixo.


I) É um processo concluído após a licenciatura, pois durante a formação inicial recebe-se conhecimentos da teoria da educação e da didática necessários à compreensão do ensino como realidade social.

II) Para construí-la é preciso que desenvolva a capacidade de compreensão da própria prática e, a partir dela, construir e transformar seus saberes-fazeres docentes.

III) A profissão do professor, como as demais, emerge em dado contexto e momento históricos, como resposta às necessidades que estão postas pelas sociedades, adquirindo estatuto de legalidade que a torna definitiva.

IV) O crescimento quantitativo dos sistemas de ensino não tem correspondido a um resultado formativo (qualitativo) adequado às exigências da população envolvida, nem às exigências das demandas sociais, demonstrando assim a necessidade de uma nova identidade profissional do professor.

V) Uma identidade profissional se constrói a partir da significação social da profissão e da revisão constante dos significados sociais da profissão.

Assinale a alternativa que apresenta somente as afirmativas CORRETAS.

  • A II, IV, V
  • B I, II, IV, V
  • C I, III, V
  • D II, III, IV
  • E I, II, III, IV, V
27

Lev Semenovitch Vygotsky tem um papel fundamental na configuração do campo da chamada teoria sócio-histórica. Sobre os estudos de Vygotsky, leia atentamente as afirmativas abaixo.


I) Uma das preocupações do autor era demonstrar as evidências de um processo evolutivo que não poderiam ser identificadas apenas nos processos biológicos.

II) O autor indica em suas contribuições a existência de uma relação de determinação dialética da sociedade e da cultura na constituição de processos psíquicos superiores.

III) Afirma que a natureza humana só pode ser compreendida através da sua história.

IV) O desenvolvimento da criança é composto por fases.

V) Desenvolveu o conceito de Zona de Desenvolvimento Relativo.


Com base nas afirmativas anteriores, marque a opção em que todas as alternativas estejam CORRETAS:

  • A I, II e III apenas.
  • B I, III, IV apenas.
  • C II, III e V apenas.
  • D II, IV e V apenas.
  • E I, IV e V apenas.
28

Sobre as questões técnicas e pedagógicas do uso das tecnologias da informação e da comunicação em educação, entende-se que existem grandes desafios e podemos citar a formação de professores como um deles. Leia com atenção as sentenças abaixo.


I) Deve-se proporcionar ao professor uma formação de base para que possam ser superadas as barreiras de ordem administrativa e pedagógica, possibilitando a transição de um sistema fragmentado de ensino para uma abordagem integradora de conteúdo.

II) É interessante uma formação que possibilite ao professor conhecimentos técnicos sobre a informática, isso já garante mudança, pois se une a formação técnica ao domínio de conteúdo.

III) É preciso que a concepção da formação docente seja a de continuidade, assim é essencial a criação de movimentos cuja dinâmica se estabeleçam na reflexão e na ação; e na reflexão sobre a ação, deste modo amplia-se a vivência de papéis eminentemente práticos sendo desnecessárias as teorias que favoreçam a compreensão dessa nova prática pedagógica.

IV) Durante a formação deve haver condições para a construção de conhecimentos acerca do porquê e do como integrar o computador na prática pedagógica.

V) As experiências de formação precisam ser recontextualizadas de modo que o professor transforme o aprendizado e a experiência vivida durante sua formação para sua realidade de sala de aula.

Assinale a alternativa que apresenta somente as afirmativas CORRETAS.

  • A I, II, IV
  • B II, III, IV, V
  • C I, II, IV, V
  • D II, III, V
  • E I, IV, V
29
A respeito de pesquisas, identifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmativas: ( ) A existência ou não de um problema na pesquisa dependerá da sua natureza ou molaridade. ( ) O objetivo de um trabalho do tipo “estado da arte” é descrever a produção atual de uma dada área de pesquisa. ( ) Quando a realidade pode ser apreendida diretamente, algumas pesquisas prescindem de procedimentos de coleta de dados. ( ) As informações utilizadas na pesquisa podem ser factuais (que dependem de pouca ou nenhuma interpretação) ou opinativas (envolvem crenças, suposições, valores etc.). Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.
  • A V – V – V – F.
  • B F – V – V – V.
  • C F – V – F – V.
  • D V – F – F – V.
  • E V – F – V – F.
30

As Universidades Federais são consideradas autarquias pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Em função disso, considere as seguintes afirmativas:

1. As universidades federais fazem parte da administração indireta da União.

2. As universidades federais atualmente existentes no Brasil podem ter personalidade jurídica de direito privado.

3. As universidades federais atualmente existentes no Brasil estão vinculadas ao Ministério de Educação.

4. As universidades federais atualmente existentes no Brasil podem se constituir na forma de sociedade anônima.


Assinale a alternativa correta.

  • A Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
  • B Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.
  • C Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.
  • D Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras.
  • E As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
Voltar para lista