Resolver o Simulado VUNESP - Nível Médio

0 / 50

Português

1

Instrução: Leia o poema O constante diálogo, de Carlos Drummond de Andrade, para responder às questões.

Há tantos diálogos

Diálogo com o ser amado
o semelhante
o diferente
o indiferente
o oposto
o adversário
o surdo-mudo
o possesso
o irracional
o vegetal
o mineral
o inominado

Diálogo consigo mesmo
com a noite
os astros
os mortos
as ideias
o sonho
o passado
o mais que futuro
Escolhe teu diálogo
e
tua melhor palavra
ou
teu melhor silêncio
Mesmo no silêncio e com o silêncio
dialogamos.

(Carlos Drummond de Andrade. Discurso de primavera e algumas sombras, 1977.)

O eu lírico, ao mostrar as variedades do diálogo, revela que este

  • A é uma forma que, na verdade, dissimula um monólogo.
  • B é uma realidade inerente à condição humana.
  • C implica necessariamente um outro, distinto do eu.
  • D constrói a ideia de que comunicar exige afinidade.
  • E concebe o presente desprovido das marcas do passado.
2
Questão de isonomia

Meu último artigo levou alguns leitores a me perguntarem o que acho da isonomia salarial. Como sempre, a resposta depende de como definimos os termos da pergunta.
Se entendemos por isonomia apenas o tratamento jurídico dispensado ao trabalhador, sou totalmente a favor. Mas, se tentarmos, numa interpretação mais forte, aplicar o conceito no nível dos resultados, isto é, ao salário final de cada empregado, sou contra.
Colocando de outra forma, devemos nos opor a toda e qualquer discriminação salarial que não tenha por base o desempenho individual do trabalhador, e defendê-la quando tem essa origem. É injusto pagar menos uma mulher apenas pelo fato de ela ser mulher, mas, se a diferença no vencimento se deve ao fato de um profissional ter produzido mais que o outro, ela é bem-vinda, por mais difícil que seja, em muitas atividades, definir e mensurar o que é “produzir mais”.
Um bom exemplo é o dos jogadores de futebol. Em princípio, todos eles exercem a mesma função, que é jogar futebol e, pela regra da isonomia forte, deveriam receber o mesmo, mas, se você quiser acabar com os campeonatos e dificultar o surgimento de craques, é só baixar uma lei que iguale o salário dos Neymares aos de qualquer cabeça de bagre.
No setor privado, a coisa até funciona, pois se permite ao empresário avaliar seus funcionários como quiser e fixar seus vencimentos dentro de parâmetros elásticos. A complicação surge no serviço público, onde a isonomia forte é levada a ferro e fogo. Reconheça-se que é muito difícil criar um sistema de avaliação impessoal, como se exige do poder público. Mas fazê-lo é imperativo. A razão principal do fracasso dos países socialistas é que, numa caricatura da isonomia, desenvolveram um regime em que valia mais a pena esconder- se na ineficiência do que buscar a inovação e a excelência.

(Hélio Schwartsman. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br. Acesso em 25.05.14. Adaptado)


No quarto parágrafo, o autor cita o exemplo dos jogadores de futebol para justificar o ponto de vista defendido ao longo do texto de que a isonomia salarial

  • A compromete a busca pela excelência profissional.
  • B melhora o desempenho individual dos trabalhadores.
  • C incentiva os trabalhadores a buscarem melhores resultados.
  • D deve ser praticada entre todos que desempenham a mesma função.
  • E estimula o esforço pelo alcance da eficiência e da inovação profissional.
3
Ritmo da evolução
A evolução humana está em processo de aceleração ou de
desaceleração? A pergunta, que pode parecer de um academi­
cismo meio bizantino, na verdade encerra uma ácida polêmica
que cinde em dois o habitat dos biólogos.
O trabalho da brasileira Carolina Marchetto, que usou célu­-
las embrionárias reprogramadas para mostrar que o homem está
evoluindo de forma mais lenta do que chimpanzés, dá algum
suporte para a hipótese da desaceleração, mas a questão está
longe de resolvida.
Para os cientistas que se perfilam nesse grupo, o advento
da cultura, com seus desenvolvimentos sociais e tecnológicos,
nos tornou menos dependentes da genética. O paleontologista
Stephen Jay Gould era um campeão dessa teoria. Para ele, não
houve mudança biológica significativa nos últimos 40 mil anos.
Na outra ponta, pesquisadores como os antropólogos
Henry Harpending e John Hawks sustentam não só que a evo-­
lução genética continua viva e atuante na humanidade como se
acelerou nos últimos 40 milênios, especialmente desde o surgi­-
mento da agricultura, dez mil anos atrás. Essa teoria, embora
longe de consensual, tem ganhado a simpatia de pesquisadores
de várias áreas.
As conclusões desse grupo se baseiam principalmente em
análises estatísticas de mutações observadas no genoma de
diferentes populações humanas. Em suas contas, 23% de nossos
genes estiveram sob pressão seletiva recente. No plano teórico, a
ideia é que a concentração demográfica e a exposição a ambien-­
tes mais diversos favorecem a evolução.
É cedo para cravar quem está certo. Mais trabalhos deverão
ser produzidos e, pelo menos em princípio, as evidências podem
resolver a questão. O complicador aqui é político. Evolução
recente pode ser interpretada como sinônimo de raça, e este é um
assunto que tende a ser especialmente explosivo na academia.
(Hélio Schwartsman. Folha de S.Paulo, 26.10.2013. Adaptado)

Leia o texto para responder à questão.

A expressão explosivo, em destaque no último parágrafo do texto, foi utilizada pelo autor para enfatizar a ideia de que os debates acadêmicos que envolvem o conceito de raça tendem a ser

  • A triviais.
  • B parciais.
  • C acalorados.
  • D corriqueiros.
  • E desacreditados.
4
Leia o texto disposto a seguir e responda a questão.

Diante da Lei está um porteiro. Um homem que vem do campo acerca-se dele e pede para entrar na Lei. O porteiro, porém, responde que naquele momento não pode deixá-lo entrar. O homem medita e pergunta se mais tarde terá autorização para entrar. “É possível", responde o porteiro, “mas agora não pode ser". Como o portão que dá acesso à Lei se encontra, como sempre, aberto, e o porteiro se afasta um pouco para o lado, o homem inclina-se a fim de olhar para o interior. Assim que o porteiro percebe isso, desata a rir e diz: “se te sentes tão atraído, experimenta entrar, apesar da minha proibição. Contudo, repara: sou forte. E ainda assim sou o mais ínfimo dos porteiros. De sala para sala, há outros sentinelas, cada um mais forte que o outro. Eu não posso sequer suportar o olhar do terceiro."
O camponês não esperava encontrar tais dificuldades, “a Lei devia ser sempre acessível a toda a
gente
", pensa ele. Porém, ao observar melhor o porteiro envolto no seu capote de peles, o seu grande
nariz afilado, a longa barba rala e negra à tártaros, acha que é melhor esperar até lhe darem autorização para entrar. O porteiro dá ao jovem um banquinho e o faz sentar-se a um lado, frente à porta. Durante anos ele permanece sentado. Faz diversas diligências para entrar e fatiga o porteiro com os seus pedidos. Às vezes, o sentinela o submetia a pequenos interrogatórios sobre a sua terra e muitas outras coisas, mas de uma maneira indiferente, como fazem os grandes senhores, e no fim, diz-lhe sempre que ainda não pode deixá-lo entrar. O homem, que se provera bem para a viagem, emprega tudo, por mais valioso que fosse, para subornar o porteiro. Este aceita tudo, mas diz: “só aceito o que me dás para que te convenças de que nada omitiste."
Durante todos aqueles longos anos, o homem olha quase ininterruptamente para o porteiro. Esquece-se dos outros porteiros; parece-lhe que o porteiro é o único obstáculo que se opõe à sua entrada na Lei. Amaldiçoa em voz alta o infeliz acaso dos primeiros anos; mais tarde, à medida que envelhece, já não faz outra coisa senão resmungar. Torna-se acriançado e, como durante anos a fio estudou o porteiro, acaba também por conhecer as pulgas da gola do seu capote; assim, pede-lhes que o ajudem a demover o porteiro. Por fim, a sua vista torna-se tão fraca que já nem sabe se escurece realmente à sua volta ou se é apenas ilusão dos seus olhos. Agora, em meio às trevas, percebe um raio de luz inextinguível através da porta da Lei. Mas ele já não tem muito tempo de vida.
Antes de morrer, todas as experiências por que passara durante esse tempo convergem para uma pergunta que, até essa altura, ainda não formulara. Faz um sinal ao porteiro para que se aproxime, pois não podia mover o seu corpo já arrefecido. O porteiro tem de curvar-se profundamente, visto que a diferença das estaturas se modificara bastante. “Que queres tu ainda saber?", pergunta o porteiro. “És insaciável." “Se todos aspiram à Lei", diz o homem, “como é que, durante todos esses anos, ninguém mais, além de mim, pediu para entrar?" O porteiro percebe que o homem já está às portas da morte, de modo que para alcançar o seu ouvido moribundo, berra: “Aqui, ninguém, a não ser tu,
podia entrar, pois esta entrada era apenas destinada a ti. Agora, vou-me embora e a fecho
."

KAFKA, F. O Processo. Biblioteca Visão. p. 152-153.
Tradução Gervásio Álvaro. (Fragmento adaptado)
“Torna-se acriançado e, como durante anos a fio estudou o porteiro, acaba também por conhecer as pulgas da gola do seu capote; assim, pede-lhes que o ajudem a demover o porteiro.”.
O pronome oblíquo em destaque estabelece a coesão textual, pois substitui o termo:
  • A pulgas.
  • B anos.
  • C porteiro.
  • D torna-se.
  • E acriançado.
5

Leia o texto para responder a questão.

Chuvas com lembranças

Começam a cair uns pingos de chuva. Tão leves e raros que
nem as borboletas ainda perceberam, e continuam a pousar, às
tontas, de jasmim em jasmim. As pedras estão muito quentes, e
cada gota que cai logo se evapora. Os meninos olham para o céu
cinzento, estendem a mão – vão fazer outra coisa. (Como deseja-
riam pular em poças d’água! – Mas a chuva não vem...)
Nas terras secas, tanta gente a esta hora está procurando, também,
no céu um sinal de chuva! E nas terras inundadas, quanta
gente estará suspirando por um raio de sol!
Penso em chuvas de outrora: chuvas matinais, que molham
cabelos soltos, que despencam as flores das cercas, que entram
pelos cadernos escolares e vão apagar a caprichosa caligrafia dos
exercícios!
Chuvas de viagens: tempestade na Mantiqueira, quando nem
os ponteiros do para-brisa dão vencimento à água; quando
apenas se vê, na noite, a paisagem súbita e fosfórea mostrada pelos
relâmpagos.
Chuvas antigas, nesta cidade nossa, de eternas enchentes:
a de 1811, que com o desabamento de uma parte do Morro do
Castelo soterrou várias pessoas, arrastou pontes, destruiu
caminhos e causou tal pânico em toda a cidade que durante sete dias
as igrejas e capelas estiveram abertas, acesas, com os sacerdotes
e o povo a pedirem a misericórdia divina.
Chuvas modernas, sem igrejas em prece, mas com as ruas
igualmente transformadas em rios, os barracos a escorregarem
pelos morros; barreiras, pedras, telheiros a soterrarem pobre gente!
Por enquanto, caem apenas algumas gotas aqui e ali, que
nem as borboletas percebem. Os meninos esperam em vão pelas
poças d’água onde pulariam contentes. Tudo é apenas calor e
céu cinzento, um céu de pedra onde os sábios e avisados tantas
coisas liam, outrora...
“São Jerônimo, Santa Bárbara Virgem, lá no céu está escrito,
entre a cruz e a água benta: Livrai-nos, Senhor, desta tormenta!”

(Cecília Meireles, Escolha o seu sonho. Adaptado)

Na passagem – Chuvas antigas, nesta cidade nossa, de eternas enchentes… – (5.º parágrafo), o termo eternas, no contexto em que está empregado, significa

  • A finitas.
  • B eventuais.
  • C indesejáveis.
  • D contínuas.
  • E intermitentes.
6

      Há quatro anos, Chris Nagele fez o que muitos executivos no setor de tecnologia já tinham feito – ele transferiu sua equipe para um chamado escritório aberto, sem paredes e divisórias.

      Os funcionários, até então, trabalhavam de casa, mas ele queria que todos estivessem juntos, para se conectarem e colaborarem mais facilmente. Mas em pouco tempo ficou claro que Nagele tinha cometido um grande erro. Todos estavam distraídos, a produtividade caiu, e os nove empregados estavam insatisfeitos, sem falar do próprio chefe.

      Em abril de 2015, quase três anos após a mudança para o escritório aberto, Nagele transferiu a empresa para um espaço de 900 m² onde hoje todos têm seu próprio espaço, com portas e tudo.

      Inúmeras empresas adotaram o conceito de escritório aberto – cerca de 70% dos escritórios nos Estados Unidos são assim – e até onde se sabe poucos retornaram ao modelo de espaços tradicionais com salas e portas.

      Pesquisas, contudo, mostram que podemos perder até 15% da produtividade, desenvolver problemas graves de concentração e até ter o dobro de chances de ficar doentes em espaços de trabalho abertos – fatores que estão contribuindo para uma reação contra esse tipo de organização.

      Desde que se mudou para o formato tradicional, Nagele já ouviu colegas do setor de tecnologia dizerem sentir falta do estilo de trabalho do escritório fechado. “Muita gente concorda – simplesmente não aguentam o escritório aberto. Nunca se consegue terminar as coisas e é preciso levar mais trabalho para casa”, diz ele.

      É improvável que o conceito de escritório aberto caia em desuso, mas algumas firmas estão seguindo o exemplo de Nagele e voltando aos espaços privados.

      Há uma boa razão que explica por que todos adoram um espaço com quatro paredes e uma porta: foco. A verdade é que não conseguimos cumprir várias tarefas ao mesmo tempo, e pequenas distrações podem desviar nosso foco por até 20 minutos.

      Retemos mais informações quando nos sentamos em um local fixo, afirma Sally Augustin, psicóloga ambiental e de design de interiores.

(Bryan Borzykowski, “Por que escritórios abertos podem ser ruins para funcionários.” Disponível em:<www1.folha.uol.com.br>. Acesso em: 04.04.2017. Adaptado)

O trecho destacado na passagem – Todos estavam distraídos, a produtividade caiu, e os nove empregados estavam insatisfeitos, sem falar do próprio chefe.– tem sentido de:

  • A até mesmo o próprio chefe.
  • B apesar do próprio chefe.
  • C exceto o próprio chefe.
  • D diante do próprio chefe.
  • E portanto o próprio chefe.
7

Leia trechos da entrevista do pianista João Carlos Martins ao jornal O Estado de S.Paulo para responder a questão.

De pianista _____ maestro, o músico aprendeu com os desafios, sem deixar morrer seu amor pela arte erudita.

Que valores nortearam a sua vida para que o senhor conseguisse lidar com as más notícias que recebeu e superá-las?

Um percalço físico pode _______ ____ depressão ou _____ reflexão. Se você refletir com a razão e com o coração, tendo como meta a palavra esperança, o percalço poderá ser um estímulo para o sucesso. Embora eu prefira não usar a palavra su­cesso, tenho certeza _______ a palavra superação ajudará pessoas que estejam enfrentando adversidades em suas vidas.

Assinale a alternativa cujas palavras completam, correta e respectivamente, as lacunas do texto.

  • A a … levar-­lhe … à … à … que
  • B à … levá-­lo … à … à … que
  • C a … levá-­lo … à … à … de que
  • D à … levar-­lhe … a … a … que
  • E à … levar-­lhe … a … a … de que
8

Tato
Na poltrona da sala
as minhas mãos sob a nuca
sinto nos dedos
a dureza dos ossos da cabeça
a seda dos cabelos
que são meus
A morte é uma certeza invencível
mas o tato me dá
a consistente realidade
de minha presença no mundo

(Ferreira Gullar, Muitas vozes, 2013)
A leitura do poema revela que a criação poética baseia-se em
  • A uma situação prosaica.
  • B um momento melancólico.
  • C uma cena imaginária.
  • D um fato inusitado.
  • E uma circunstância irreal.
9

Assinale a alternativa em que o acento indicador da crase está corretamente empregado.

  • A Ele se dizia preso à cadeira de rodas há 10 anos.
  • B De outubro à dezembro, ele conseguiu muito dinheiro.
  • C Eles não conheciam à artimanha daquele pedinte.
  • D Vários mendigos estão nas ruas de segunda à domingo.
  • E Há mulheres que usam à criança para causar piedade.
10

TEXTO 5

Letra da MARCHA DA PENICILINA, a composição, de Klécius Caldas e Armando Cavalcanti, foi gravada por Linda Batista para o carnaval de 1954, em meio ao ambiente do debate nacional sobre o monopólio da exploração do petróleo brasileiro.

Ai!

Penicilina cura até defunto!

Ai!

Petróleo bruto faz nascer cabelo!

Mas ainda está pra nascer o doutor

Que cure a dor de cotovelo!

Ai, ai, ai!
(bis)


Vem desde os tempos de Adão

Esta dorzinha infernal.

Foi comer maçã,

Logo que mordeu,

O cotovelo doeu!

Marque a alternativa que relaciona correta e ordenadamente as classes gramaticais de cada uma das palavras usadas no verso “Petróleo bruto faz nascer cabelo!” do TEXTO 5

  • A locução adjetiva – verbo – verbo – substantivo
  • B locução adverbial – locução verbal – substantivo.
  • C substantivo – adjetivo – verbo – verbo – substantivo
  • D substantivo – substantivo – verbo – verbo – adjetivo
  • E substantivo – advérbio – locução verbal – verbo – adjetivo.
11
A reconstrução da democracia

A sociedade brasileira acorda para os 50 anos de um trauma que viveu em sua história democrática.
O golpe de 1964 atrasou a consolidação das bases da democracia brasileira e o alargamento de suas vias de desenvolvimento político, socioeconômico e cultural. É extremamente oportuno trazer à memória os eventos arbitrários que levaram à destituição do presidente João Goulart, que cumpria legítimo mandato democrático. Tais eventos abriram ao país os terríveis anos de chumbo, fechando as portas da liberdade com a instalação de 21 anos de ditadura.
Todos os desdobramentos, danos e reflexos daquele fatídico 31 de março devem ser lembrados como aprendizado, como antídoto a eliminar, de pronto, eventuais sinais de ameaça que venham a pairar sobre o Estado democrático de Direito.
Regimes de exceção perpetuam privilégios, disseminam a injustiça, atrasam o desenvolvimento, comprometem as perspectivas de emancipação do povo e fecham as janelas do futuro de uma nação.
As sociedades atuais encontraram nas legislações de caráter democrático a referência para estabilizar a convivência entre os homens, sob a base ampla de direitos e deveres comuns a todos. Nesse contexto está a advocacia, profissão com status constitucional que defende os direitos dos cidadãos junto ao Estado, exercendo extraordinária função de caráter social. Na moldura arbitrária e sombria imposta aos brasileiros entre 1964 e 1985, a advocacia emergiu como principal defensora da cidadania, a despeito de pressões, prisões, ameaças e abusos de toda a espécie que se abateram sobre seus quadros.
A seccional paulista e o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) enfrentaram corajosamente os governos militares pela salvaguarda das prerrogativas dos advogados em seu papel de defesa dos presos e perseguidos políticos, procurando-os em delegacias, quartéis e em centros clandestinos de detenção e tortura. Pesava aí não apenas a demanda pela legalidade processual, mas a urgência da preservação da vida. É sabido que centenas de brasileiros, vítimas de prisões arbitrárias, acabaram mortos sob tortura.
A advocacia emergiu na linha de frente pela reconstrução da ordem democrática, mesmo nos anos mais duros da repressão. Conduziu as bandeiras libertárias a um Congresso que atuava com direitos mínimos e controlados, aos representantes do Judiciário, à imprensa, às entidades organizadas da sociedade civil, às praças. Viveu-se nesse tempo sob a imposição de atos institucionais, como o AI-5, que estabeleceu o estado de sítio, suspendeu direitos políticos e cassou o habeas corpus daqueles acusados de crimes contra a Lei de Segurança Nacional.
Momento digno de nota, porque memorável, foi a leitura da “Carta aos Brasileiros” pelo jurista Goffredo Telles Júnior. Em 8 de agosto de 1977, sob as arcadas da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, ele conclamou a volta da democracia, do “Estado de Direito, já”. Goffredo justifica o brado dizendo-se representante da família do Direito, uma “família indestrutível, espalhada por todos os rincões da pátria”.
Nos duros anos do regime militar, os advogados, em todos os espaços do país, assumiram com destemor seu papel em defesa dos cidadãos e da normalidade institucional. Alguns desses nomes ainda permanecem à frente de ações que, hoje, buscam promover o resgate da memória nacional e da verdade, em uma demonstração de que o caminho mais viável para o Brasil superar seus imensos desafios passa, necessariamente, pela democracia.

(Marcos da Costa. Folha de São Paulo. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/04/1434430-marcos-da-costa-a- reconstrucao-da-democracia.shtml. Adaptado.)

No trecho “Viveu-se nesse tempo sob a imposição de atos institucionais, [...]” (7º§), percebe-se que o sujeito do verbo “viver” está

  • A oculto.
  • B explícito.
  • C implícito.
  • D indeterminado.
12

Leia o texto para responder a questão.

Chuvas com lembranças

Começam a cair uns pingos de chuva. Tão leves e raros que
nem as borboletas ainda perceberam, e continuam a pousar, às
tontas, de jasmim em jasmim. As pedras estão muito quentes, e
cada gota que cai logo se evapora. Os meninos olham para o céu
cinzento, estendem a mão – vão fazer outra coisa. (Como deseja-
riam pular em poças d’água! – Mas a chuva não vem...)
Nas terras secas, tanta gente a esta hora está procurando, também,
no céu um sinal de chuva! E nas terras inundadas, quanta
gente estará suspirando por um raio de sol!
Penso em chuvas de outrora: chuvas matinais, que molham
cabelos soltos, que despencam as flores das cercas, que entram
pelos cadernos escolares e vão apagar a caprichosa caligrafia dos
exercícios!
Chuvas de viagens: tempestade na Mantiqueira, quando nem
os ponteiros do para-brisa dão vencimento à água; quando
apenas se vê, na noite, a paisagem súbita e fosfórea mostrada pelos
relâmpagos.
Chuvas antigas, nesta cidade nossa, de eternas enchentes:
a de 1811, que com o desabamento de uma parte do Morro do
Castelo soterrou várias pessoas, arrastou pontes, destruiu
caminhos e causou tal pânico em toda a cidade que durante sete dias
as igrejas e capelas estiveram abertas, acesas, com os sacerdotes
e o povo a pedirem a misericórdia divina.
Chuvas modernas, sem igrejas em prece, mas com as ruas
igualmente transformadas em rios, os barracos a escorregarem
pelos morros; barreiras, pedras, telheiros a soterrarem pobre gente!
Por enquanto, caem apenas algumas gotas aqui e ali, que
nem as borboletas percebem. Os meninos esperam em vão pelas
poças d’água onde pulariam contentes. Tudo é apenas calor e
céu cinzento, um céu de pedra onde os sábios e avisados tantas
coisas liam, outrora...
“São Jerônimo, Santa Bárbara Virgem, lá no céu está escrito,
entre a cruz e a água benta: Livrai-nos, Senhor, desta tormenta!”

(Cecília Meireles, Escolha o seu sonho. Adaptado)

As informações do segundo parágrafo – Nas terras secas, tanta gente a esta hora está procurando, também, no céu um sinal de chuva! E nas terras inundadas, quanta gente estará suspirando por um raio de sol! – deixam claro que o mundo convive com

  • A pouca variação climática.
  • B a satisfação com o clima em diferentes regiões.
  • C as contradições das condições climáticas.
  • D um padrão climático equilibrado.
  • E a invariabilidade climática.
13
Das margens ao centro da família

Até o final do século 13, a infância não existia. As crianças eram consideradas apenas como homens de tamanho e capacidades reduzidas.
Como muitas delas morriam ainda pequenas, os adultos não tinham muito apego a elas. Durante muitos séculos, as crianças não eram nem retratadas, já que esse período da vida não era considerado digno de lembranças.
Nada era pensado em função dos pequenos. Só com o avanço do capitalismo, a partir do século 18, a criança passou a ser pensada e tratada de forma diferente. A partir do século 19, a criança se tornou o objeto principal da preocupação e atenção dos pais, com necessidades próprias que devem ser respeitadas.
Dos anos 1980 até os dias de hoje, a criança ganhou ainda mais importância e espaço, passando da margem ao centro da família. Surgiram programas só para elas, lojas de produtos infantis, marcas de roupas só para crianças, entre outros. Tudo isso colocou as crianças no centro das preocupações - e consumo - dos adultos.

(Cidade Nova. maio 2014. Adaptado)

Segundo o texto, a criança é vista, atualmente, como sendo um importante

  • A leitor de livros infantis.
  • B elo entre os familiares
  • C público consumidor.
  • D telespectador de desenhos animados.
  • E incentivo a novas descobertas na pediatria.
14
Incoerência americana

Fechar Guantánamo. Barack Obama prometeu fazê-lo em 2008, quando disputava seu primeiro mandato como presidente dos EUA, supostamente o cargo mais poderoso do mundo.

Seis anos e duas eleições depois, o campo de prisioneiros continua em funcionamento,_________ os valores democráticos ___________ os americanos tanto se vangloriam.

Alguns dos 136 detidos (número que resta após o envio de seis deles para o Uruguai) estão presos há mais de uma década sem acusação formal. São, entretanto, considerados “perigosos demais”.

(Folha de S.Paulo, 11.12.2014. Adaptado)

No primeiro parágrafo do texto, o advérbio “supostamen- te” sugere que
  • A o presidente dos EUA certamente é o homem mais poderoso do mundo.
  • B o cargo de presidente dos EUA pode não ser o mais poderoso do mundo.
  • C o cargo de presidente dos EUA é pouco poderoso no mundo.
  • D o presidente dos EUA é o homem menos poderoso do mundo.
  • E o cargo de presidente dos EUA nunca foi o mais poderoso do mundo.
15

Leia a tira. A reescrita da fala do último quadrinho está correta quanto à pontuação, de acordo com a norma-­padrão da língua portuguesa, em:

  • A Acho, que as pessoas quando crescem, perdem a noção do que é ou não legal.
  • B Acho que, as pessoas quando crescem, perdem a noção do que é ou não legal.
  • C Acho que as pessoas, quando crescem, perdem a noção do que é ou não legal.
  • D Acho que as pessoas, quando crescem perdem, a noção do que é ou não legal.
  • E Acho que as pessoas, quando crescem perdem a noção, do que é ou não legal.

Matemática

16

Uma instituição de caridade será beneficiada com três quiosques na praça de alimentação de uma festividade regional. Com isso, além dos quiosques do cachorro quente e da pipoca, destinados à instituição todo ano, ela também será responsável pelo quiosque do milho verde. No ano anterior, o lucro com os quiosques de cachorro quente e de pipoca totalizou R$ 12.000,00, e projeta-se, para este ano, um aumento de 10% no lucro desses quiosques, além de um aumento de 50% no lucro total, considerando os três quiosques.

Dessa forma, é correto afirmar que essa projeção estipula que o lucro do quiosque de milho verde seja igual a

  • A R$ 1.200,00.
  • B R$ 2.400,00.
  • C R$ 3.600,00.
  • D R$ 4.800,00.
  • E R$ 6.000,00.
17

Os triângulos ABC e DEF são equiláteros e congruentes, com o vértice D pertencendo ao lado CB e o vértice A pertencendo ao lado EF. A intersecção desses triângulos forma um polígono de área 1 cm2 , sombreado na figura.




A área, em cm2 , do retângulo BCEF vale

  • A 4
  • B 5
  • C 6
  • D 7
  • E 8
18

Convidei 65 pessoas para minha festa de aniversário. Minha mãe calculou que cada pessoa consumiria duas latas de refrigerante de 350 mL cada uma. Quando ela foi comprar os refrigerantes, só tinham garrafas de 1,5 litro. Minha mãe então comprou

  • A 90 garrafas
  • B 81 garrafas
  • C 28 garrafas.
  • D 16 garrafas.
  • E 15 garrafas.
19

Uma empresa transportou, em 3 dias, várias caixas de material de escritório do depósito para os compradores. Do total das caixas, no primeiro dia transportou 2/7, no 2o dia, 2/5 e no 3o dia, o restante das caixas, isto é, 220 caixas. Portanto, a quantidade de caixas transporta- das no primeiro dia, foi

  • A 200
  • B 240.
  • C 280
  • D 320.
  • E 360.
20

Uma empresa encomendou determinada quantidade de blocos de rascunho, personalizados com o seu logotipo, para distribuir entre funcionários e clientes. Do total encomendado, 500 blocos foram separados para os clientes; ao se distribuírem os demais blocos entre os funcionários, percebeu-se que, se cada funcionário recebesse 3 blocos, sobrariam 140, mas, se cada um recebesse 5 blocos, sobrariam 20. Então, o número total de blocos encomendados foi

  • A 680.
  • B 570.
  • C 540.
  • D 820.
  • E 750.
21

Uma pessoa comprou um produto exposto na vitrine por um valor promocional de 20% de desconto sobre o preço P do produto. Como ela pagou em dinheiro, teve mais 10% de desconto sobre o valor promocional. Então, essa pessoa pagou, sobre o preço P do produto, um valor igual a

  • A 0,28P.
  • B 0,03P.
  • C 0,7P
  • D 0,3P.
  • E 0,72P.
22

Uma pessoa parte da cidade A em direção à cidade B, que fica a 350 km da cidade A. Após percorrer 2/5 da distância total entre as duas cidades, faz uma parada em um posto de gasolina. Sabendo que a distância do posto de gasolina até uma banca de frutas que fica na estrada, corresponde à metade da distância entre o posto e a cidade B, então, a distância entre a cidade A e a banca de frutas, em quilômetros, é

  • A 260.
  • B 245.
  • C 210.
  • D 185.
  • E 140.
23

Numa loja, um determinado produto é vendido com descontos de 15% ou de 20% sobre o preço de tabela, dependendo da condição de pagamento. Sabe-se que a diferença entre o preço obtido após o desconto de 15% e o preço obtido após o desconto de 20% é de R$ 120,00. Nesse caso, é correto afirmar que o preço de tabela desse produto é igual a

  • A R$ 1.660,00.
  • B R$ 1.800,00.
  • C R$ 1.920,00.
  • D R$ 2.040,00.
  • E R$ 2.400,00.
24

No jogo de futebol entre Brasil e Holanda, todos os 31 500 torcedores presentes no estádio torciam pelo Brasil ou pela Holanda. Se de cada 7 torcedores, 5 torciam para o Brasil, os torcedores da Holanda, no estádio, totalizavam

  • A 8 600
  • B 9 000.
  • C 9 400.
  • D 9 600.
  • E 9 800.
25

Em um terreno retangular com 35 m de largura por 80 m de comprimento, foi construída uma piscina retangular, com 25 m de largura por 50 m de comprimento, e um vestiário (V), conforme mostra a figura.




Sabendo que a área do vestiário corresponde a 1/70 da área total do terreno, é correto concluir que a área livre desse terreno, assinalada na figura, é, em metros quadrados,


  • A 1510.
  • B 1535.
  • C 1560.
  • D 1575.
  • E 1590.
26
O gráfico de setores representa, em %, o comportamento de algumas empresas brasileiras que foram analisadas em relação ao uso da água, das quais algumas consideram a água essencial e importante para garantir a produtividade.






Se, do total das empresas analisadas, apenas 6 fizeram mudanças radicais, o número de empresas que estão representadas no setor III é
  • A 45.
  • B 68.
  • C 73.
  • D 78.
  • E 93.
27

A tabela, com dados relativos à cidade de São Paulo, compara o número de veículos da frota, o número de radares e o valor total, em reais, arrecadado com multas de trânsito, relativos aos anos de 2004 e 2013:



Se o número de radares e o valor da arrecadação tivessem crescido de forma diretamente proporcional ao crescimento da frota de veículos no período considerado, então em 2013 a quantidade de radares e o valor aproximado da arrecadação, em milhões de reais (desconsiderando-se correções monetárias), seriam, respectivamente,

  • A 336 e 424.
  • B 336 e 426.
  • C 334 e 428.
  • D 334 e 430.
  • E 330 e 432.
28

A figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros, mostra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos retângulos, situadas em uma praça e destinadas a atividades de recreação infantil para faixas etárias distintas.

Se a área de R1 é 54 m², então o perímetro de R2 é, em metros, igual a

  • A 54.
  • B 48.
  • C 36.
  • D 40.
  • E 42.
29

No ano passado, uma escola funcionava, no período matutino, com 18 salas de aula, com média de 25 alunos por sala. Neste ano, no mesmo período, essa escola funciona com 15 salas de aula, com média de 27 alunos por sala. Com essas informações, é correto afirmar que, do ano passado para este, o número total de alunos

  • A aumentou o correspondente a 4/5.
  • B aumentou o correspondente a 1/10.
  • C diminuiu o correspondente a 1/20.
  • D diminuiu o correspondente a 4/5.
  • E diminuiu o correspondente a 1/10.
30

Semanalmente, o apresentador de um programa televisivo reparte uma mesma quantia em dinheiro igualmente entre os vencedores de um concurso. Na semana passada, cada um dos 15 vencedores recebeu R$ 720,00. Nesta semana, houve 24 vencedores; portanto, a quantia recebida por cada um deles, em reais, foi de

  • A 675,00.
  • B 600,00.
  • C 450,00.
  • D 540,00.
  • E 400,00.

Raciocínio Lógico

31
De uma verba de V reais, um sexto foi utilizado para saldar uma dívida A, 0,6 do valor não utilizado na dívida A foi utilizado para saldar uma dívida B, e os R$ 1.800,00 que sobraram foram aplicados em um projeto. Sendo assim, a diferença entre as dívidas B e A, nessa ordem, é
  • A RS 1.600,00.
  • B R$ 1.700,00.
  • C R$ 1.800,00.
  • D R$ 1.900,00.
  • E R$ 2.000,00.
32

Em uma mercearia, a razão entre o número de latas de cerveja escura e o número de latas de cerveja clara, nessa ordem, é 2/9 . Se um cliente comprar 3 latas de cada tipo, a razão entre o número de latas de cerveja escura e o número de latas de cerveja clara que restaram passará a ser de 1/5 . O número total de latas de cerveja que ficaram na mercearia após a compra desse cliente foi

  • A 124.
  • B 126.
  • C 128.
  • D 130.
  • E 132.
33

Rafael é mais baixo que Felipe. André é mais alto do que Felipe. Rafael é mais alto do que Ciro. Logo:

  • A Rafael é mais alto do que André.
  • B Felipe é mais baixo do que Ciro.
  • C André é mais baixo do que Rafael.
  • D Ciro é mais alto do que André.
  • E Felipe é mais alto do que Ciro.
34

Uma negação lógica para a proposição “Pedro estudou e está participando de um concurso” está contida na alternativa:

  • A Pedro não estudou ou não está participando de um concurso.
  • B Pedro não estudou e não está participando de um concurso.
  • C Pedro estudou pouco, mas está participando de um concurso.
  • D Pedro estudou, mas não está participando de um concurso
  • E Pedro estudou pouco e não está participando de um concurso.
35
Maria tem duas filhas cuja soma das idades é igual a 50. Sabendo que uma delas é dois anos mais velha que a outra,  quais são as idades das filhas de Maria? 
  • A 20 e 30.
  • B 24 e 26.
  • C 25 e 27.
  • D 32 e 28.

Redes de Computadores

36

Com relação aos conceitos intranet, Extranet e Internet, analise as assertivas a seguir e assinale a alternativa que apresenta somente assertivas corretas.

I. Usualmente uma intranet possui um ou mais computadores que são conectados à internet.

II. Em uma extranet são compartilhadas informações internas de uma empresa ou organização.

III. Uma intranet usa protocolos da internet.

IV. Intranet é uma rede pública como a internet e extranet.

V. Extranet pode ser parte de uma intranet.

  • A I e II
  • B I, II e V
  • C I, III, e V
  • D II, III e V.
  • E II, III e IV

Noções de Informática

37

Observe a planilha a seguir, editada por meio do MS-Excel 2010, em sua configuração padrão.

Assinale a alternativa que contém o resultado que será exibido na célula A3, após ser preenchida com a fórmula =MÉDIA(A1:C2;B1)

  • A 1
  • B 2
  • C 3
  • D 4
  • E 5
38

Com relação ao Inspetor de Propriedades do Adobe Dreamweaver CC, é correto afirmar que:

  • A não existe um padrão de posicionamento na Área de trabalho, sendo sempre um painel flutuante
  • B por padrão, se encontra na borda inferior da Área de trabalho, sendo possível desencaixá-lo, tornando-o um painel flutuante.
  • C por padrão, se encontra na borda superior da Área de trabalho, sendo possível desencaixá-lo, tornando-o um painel flutuante.
  • D por padrão, se encontra no centro da Área de trabalho, sendo possível desencaixá-lo, tornando-o um painel flutuante.
  • E por padrão, se encontra no centro da Área de trabalho, não sendo possível desencaixá-lo e torná-lo um painel flutuante.
39

Na planilha do Microsoft Excel 2010, o intervalo representado pelo endereço A1:A6 significa:

  • A Soma das células: A1 e A6.
  • B Faixa de células de A1 até A6.
  • C Multiplicação das células A2 e A6.
  • D Intervalo para subtração de A1 e A6.
40

Um usuário do MS­Excel 2010 (versão para a língua portuguesa), em sua configuração padrão, elaborou uma planilha e protegeu todas suas células para que outros usuários não as alterem. Caso algum usuário deseje remover essa proteção, ele deve

  • A selecionar a aba Proteção do Menu, clicar no íco­ne Desbloquear Planilha do grupo Proteção.
  • B selecionar a aba Proteção do Menu, clicar no íco­ne Senha de Desproteção do grupo Proteção e digitar a senha solicitada.
  • C selecionar a aba Revisão do Menu, clicar no íco­ne Destravar Planilha do grupo Proteção.
  • D selecionar a aba Revisão do Menu, clicar no íco­ne Desproteger Planilha do grupo Alterações e digitar a senha solicitada.
  • E ter privilégios de Administrador quando da aber­tura do arquivo.
41

Um aplicativo para trabalhar com planilhas eletrônicas, por meio do Windows 7, é o _____

Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna.

  • A MS-PowerPoint 2007
  • B MS-Excel 2010
  • C MS-Word 2010
  • D Paint
  • E MS-Word 2014
42

Assinale a alternativa que contempla uma orientação correta de como os usuários devem proceder na utilização de um navegador (browser).

  • A Ative sempre Java e ActiveX durante a navegação.
  • B Mantenha seu navegador sempre atualizado
  • C Habilite JavaScript, cookies e pop-up windows ao acessar sites em que são necessários.
  • D Desative temporariamente seu antivírus caso o site não funcione corretamente.
43

Analise as afirmações sobre práticas recomendadas em ma­nutenção de rotina de microcomputadores.


I. Alterar senhas periodicamente.


II. Fazer backup dos arquivos mais importantes.


III. Verificar periodicamente os arquivos com um software antivírus atualizado.


Sobre as afirmações, está correto o contido em

  • A I, apenas.
  • B II, apenas.
  • C I e II, apenas.
  • D II e III, apenas.
  • E I, II e III.
44

No modo Design de um relatório do MS­Access 2010, a inserção de uma imagem de fundo pode ser feita por meio de um botão presente no grupo Ferramentas de Design de Relatório, guia

  • A Configuração de Página.
  • B Criar.
  • C Design.
  • D Formato.
  • E Organizar.
45

Assinale a alternativa que contém o nome do ícone, pertencente à guia Exibição, que permite que duas seções diferentes de um mesmo documento do MS-­Word 2010, em sua configuração padrão, possam ser vistas ao mesmo tempo.

  • A Dividir.
  • B Zoom.
  • C Largura da página.
  • D Régua.
  • E Linhas de grade.
46

No Windows 7, acessando-se o Painel de Controle no modo de exibição por categoria, e clicando-se em Relógio, Idioma e Região, e posteriormente em Data e Hora, uma janela é apresentada na tela, parcialmente reproduzida a seguir:

Caso a guia Horário na Internet seja selecionada, será possível

  • A avaliar a precisão do relógio do computador em relação ao relógio da internet.
  • B disponibilizar na internet o horário contabilizado pelo computador
  • C selecionar a opção de sincronizar o relógio do computador com um servidor de horário na internet.
  • D testar o relógio do computador
  • E visualizar um painel com o horário de qualquer país conectado na internet

Raciocínio Lógico

47

Uma atitude bastante antiética que ocorre no “mundo da Informática” é o envio de vírus por meio de e-mails, o que traz prejuízos de natureza financeira ou de ordem pessoal. Pedro recebeu um e-mail aparentemente inofensivo. Quando o abriu, apareceram na tela três animais e essa quantidade ia dobrando, a cada segundo que passava.

Assinale a alternativa que indica a quantidade de animais que aparecerá na tela ao final de 3 segundos.

  • A 36
  • B 32
  • C 28
  • D 24

Noções de Informática

48

Observe a figura a seguir, extraída do MS-Access 2010, em sua configuração padrão, para responder às questões de números 92 e 93.



     A figura apresenta o Modo Design de uma consulta com duas tabelas: Ensaios e Valores, previamente relacionadas pelo campo idEnsaio. Essa consulta está configurada para exibir todos os campos das duas tabelas, sem filtros, e o tipo de junção deve incluir todos os registros da tabela Ensaios e somente os registros da tabela Valores quando os campos idEnsaio forem iguais.

O ícone posicionado em frente ao campo idEnsaio, indica que o campo é uma chave ____________ da tabela Ensaios, ou seja, dentre outras características, não permite valores duplicados ou nulos, e identifica de forma exclusiva cada registro armazenado na tabela.

Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna.

  • A de pesquisa
  • B primária
  • C recursiva
  • D exclusiva
  • E automática

Redes de Computadores

49

Observe as sequências de cores dos condutores de um cabo UTP categoria 5e, definidas pelo padrão EIA/TIA-568-B:

I. branco-laranja, laranja, branco-verde, azul, branco-azul, verde, branco-marrom, marrom.

II. branco-verde, verde, branco-laranja, azul, branco-azul, laranja, branco-marrom, marrom.

Assinale a alternativa que contempla corretamente os tipos de montagem a serem utilizados em um conector RJ-45 em cada uma dessas sequências, respectivamente.

  • A T568B e T568A
  • B T586A e T586B
  • C T658A e T658B
  • D T856B e T856A

Noções de Informática

50

A figura a seguir mostra uma planilha sendo editada no MS-Excel 2010, em sua configuração padrão.



Assinale a alternativa que contém o valor correto exibido na célula B4 ao ser preenchida com a fórmula =A2-MÉDIA(A1;A3)

  • A 1
  • B 2
  • C 3
  • D 5
  • E 6
Voltar para lista