Resolver o Simulado VUNESP - Nível Médio

0 / 50

Português

1

Leia os quadrinhos para responder a questão.



A fala da personagem oculta, no segundo quadrinho, está formulada, em um enunciado completo, segundo a norma-padrão da língua portuguesa, em:

  • A É melhor seguir nos caminhos da verdade, distanciando-se pela alienação.
  • B É melhor seguir pelos caminhos da verdade, distanciando-se da alienação.
  • C É melhor seguir com os caminhos da verdade, distanciando-se à alienação.
  • D É melhor seguir os caminhos da verdade, distanciando-se sob a alienação.
  • E É melhor seguir aos caminhos da verdade, distanciando-se sobre a alienação.
2

Sob ordens da chefia

Ah, os chefes! Chefões, chefinhos, mestres, gerentes, diretores, quantos ao longo da vida, não? Muitos passam em brancas nuvens, perdem-se em suas próprias e pequenas histórias. Mas há outros cujas marcas acabam ficando bem nítidas na memória: são aqueles donos de qualidades incomuns.

Por exemplo, o meu primeiro chefe, lá no finalzinho dos anos 50: cinco para as oito da noite, e eu começava a ficar aflito, pois o locutor do horário ainda não havia aparecido. A rádio da pequena cidade do interior, que funcionava em três horários, precisava abrir às oito e como fazer? Bem, o fato é que eu era o técnico de som do horário, precisava “passar” a transmissão lá para a câmara, e o locutor não chegava para os textos de abertura, publicidade, chamadas. Meu chefe, de lá, tomou a iniciativa: – Ei rapaz, deixe ligado o microfone, largue isso aí, vá pro estúdio e ponha a rádio no ar. Vamos lá, firme, coragem! – foi a minha primeira experiência: fiz tudo como mandava e ele pôde, assim, transmitir tudo sem problemas.

No dia seguinte, muita apreensão logo de manhã, aguardando o homem. Será que tinha alguma crítica? Mas eis que ele chega, simpático e sorridente como sempre, e me abraça.

– Muito bem! Você está aprovado. Quer começar amanhã na locução?

Alguns meses antes do seu falecimento, reencontrei-o num lançamento de livro: era o mesmo de cinquenta e tantos anos atrás: magrinho, calva luzidia, falante, sempre cheio de planos para o futuro.

E o chefe das pestanas brancas, anos depois: estremecíamos quando ele nos chamava para qualquer coisa, fazendo-nos entrar na sua sala imensa, já suando frio e atentos às suas finas e cortantes palavras. Olhar frio, imperturbável, postura ereta, ágil, sempre trajando ternos impecáveis. Suas atitudes? Dinâmicas, surpreendentes.

Uma vez, precisando de algumas instruções, perguntei a sua secretária se poderia “entrar”.

– Não vai dar. – Respondeu-me ela. – Está ocupadíssimo, em reunião. Mas volte aqui um pouco mais tarde. Vamos ver!

Voltei uns cinquenta minutos depois, cauteloso, e quase não acreditei no que ouvi: – Sinto muito, o chefe está viajando para a Alemanha.

Era bem diferente daquele outro da mesma empresa, descontraído, amigão de todos: não era somente um chefe, era um líder, bem conhecido entre os revendedores. Todos sentíamos prazer em trabalhar com ele, e para ele. Até quando o serviço resultava numa sonora bronca – sempre justificada, é claro. Jeitão simples, de fino humor, tratava tudo com o tempero da sua criatividade nata. “Punha para frente” até quem precisava demitir: intercedia lá fora em seu favor, o que víamos com nossos próprios olhos.

Não chamava ninguém do seu pessoal a toda hora, a não ser que o assunto fosse sério mesmo: se tinha algo a tratar no dia a dia, chegava pessoalmente, numa boa, às vezes até sentava numa de nossas mesas para expor o assunto. Aliás, era o único chefe que se lembrava de me dar um abraço e dizer “parabéns” no dia do meu aniversário.

O chefe que tratava o autor com maior intimidade é o:

  • A segundo, porque este permitia que o autor entrasse em sua sala sem precisar avisar.
  • B primeiro, porque este convidou o autor a trabalhar como técnico de som.
  • C segundo, porque este sempre recebia o autor com palavras finas e ternos impecáveis.
  • D terceiro, porque este cumprimentava o autor com um abraço no dia de seu aniversário.
  • E terceiro, porque, após arrepender-se de demitir o autor, recomendou-o a um novo empregador
3

O caso dos mecânicos que sabiam ler

Segundo alguns historiadores, houve dois sacolejões maiores na história da humanidade. O resto foi tremelique. O primeiro foi domesticação dos cereais – começando com o trigo selvagem. Com isso, gerou-se uma relativa abundância de alimentos, o que permitiu tribos, até então nômades, sedentarizarem-se. As cidades trouxeram densidade humana requerida para o fermento da criatividade e para inúmeras atividades produtivas e artísticas. Afirma-se que elas foram a grande inovação de todos os tempos. Mas a agricultura induziu o seu desenvolvimento.

A segunda transformação drástica foi a Revolução Industrial. Um tecelão, em Constantinopla, trabalhava três horas para comprar um pão de meio quilo – o mesmo que na Roma de César. A partir de 1600, o tempo baixou para duas horas. Hoje são necessários cinco minutos. Esse espantoso salto de produtividade tornou possível oferecer a todos um padrão digno de vida.

Mas por que a Revolução Industrial aconteceu na Inglaterra, no século XVIII?

Há uma nova explicação, curiosa e persuasiva. Como resultado do desenvolvimento das escolas inglesas, pela primeira vez na história apareceram mecânicos capazes de ler artigos científicos. E também de se corresponder com colegas e pesquisadores.

Os bons mecânicos sabiam lidar com máquinas e construir toda espécie de engenhoca. Mas aos que tinham novas ideias faltavam o horizonte intelectual e a motivação para implementá-las.

No mundo das sociedades científicas de então, os pesquisadores elucubravam, mas não sabiam fazer coisas, não conheciam a manufatura. Portanto, os avanços do pensamento não tinham pontes para o mundo da indústria.

É então que entram em cena os mecânicos-leitores. Na ânsia de ficarem ricos, começaram a escarafunchar o que escreviam os cientistas. Como tinham amigos com interesses similares, trocavam cartas, discutindo seus projetos.

Perceberam que, se inventassem, se inovassem, poderiam abrir empresas e que patentes poderiam proteger suas novidades. Os tais mecânicos-leitores começam a inovar, criando bombas a vapor, teares e uma infinidade de pequenas invenções que permitem os grandes saltos subsequentes.

Portanto, os mecânicos-leitores foram diretamente os responsáveis por uma das duas mais importantes transformações da humanidade. Sugestivo, pois não?

De acordo com o texto, uma nova explicação para a Revolução Industrial, que aconteceu na Inglaterra, defende que o desenvolvimento da indústria, nesse período, pode ser diretamente relacionado.

  • A ao aumento da densidade humana e da produção de cereais, o que permitiu aos habitantes das cidades formar tribos nômades que disseminavam conhecimento.
  • B ao desenvolvimento das escolas, o que permitiu a mecânicos que construíam máquinas consultar a produção científica e compartilhar esse conhecimento.
  • C ao surgimento das cidades e à escassez de alimentos, que foram determinantes para o desenvolvimento de novas formas de aumentar a produção agrícola.
  • D à inovação no campo das atividades de produção artística e cultural, que teve início nas cidades, e se estendeu para a produção industrial, ainda na Roma de César.
  • E ao aumento na produção de pães, na Roma de César, o que permitiu às pessoas, bem alimentadas, dedicarem-se às atividades produtivas e artísticas
4

Leia a tira para responder às questões



Considerando os sentidos expressos nas falas das personagens, assinale a alternativa correta quanto à concordância.

  • A Ela é meia humana e meia zebra, diferente dele.
  • B Humano e cavalo são duas metade que me compõe.
  • C Existe muitas diferenças entre nós.
  • D O meu amor e o seu sofre com nossas diferenças.
  • E É impossível os nossos sentimentos de amor.
5

Como ampliar o alcance das inovações científicas?

     A incorporação de novas tecnologias médicas constitui hoje um dos grandes desafios dos sistemas de saúde. Se, por um lado, é desejável ampliar o acesso a terapias mais eficazes, por outro, esse é um dos fatores que mais encarecem a assistência. Estudos estimam que ao menos um terço dos custos na saúde se deve às novas tecnologias, presentes hoje em todas as áreas médicas, de prevenção e diagnóstico a tratamento e reabilitação.

    A telemedicina, por exemplo, tem permitido que o conhecimento de hospitais de ponta chegue a unidades públicas distantes. Os aplicativos prometem revolucionar os meios de prevenção de doenças e aumentar a adesão das pessoas aos tratamentos. Os robôs possibilitam que cirurgias sejam feitas por meio de pequenos cortes, com menos sangramento e recuperação mais rápida. Mas como aumentar o acesso a essas terapias cada vez mais caras?

       Nos Estados Unidos, por exemplo, as novas tecnologias em saúde respondem por até 48% do crescimento dos custos médicos. Quase um quinto (17%) do PIB americano é gasto em saúde. Na década de 1980, a fatia era de 9% – a mesma de países como Suécia e Dinamarca, que mantêm patamares em torno de 10%. “Gastar mais não tem significado melhor qualidade dos serviços de saúde”, diz o economista Amitabh Chandra, professor da Harvard Kennedy School of Government. Na comparação com outros países desenvolvidos, como Holanda, Reino Unido, Austrália, Alemanha e Canadá, os EUA gastam mais e têm indicadores de saúde piores.

       Para Luiz Augusto Carneiro, superintendente-executivo do IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar), se não houver freios, o Brasil corre o risco de repetir os mesmos erros dos norte-americanos. Estudo do IESS mostra que os cinco Estados brasileiros com maior PIB (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná) têm, proporcionalmente, mais mamógrafos, ressonância magnética e tomógrafos do que o Reino Unido. Na opinião de Paulo Furquim, coordenador do centro de pesquisa em estratégia do Insper, é importante que o setor usufrua dos avanços da medicina, porém é fundamental que os efeitos dos custos sejam mais bem analisados.

      O médico Álvaro Atallah lembra que, para serem incorporadas, as novas tecnologias requerem evidências de boa qualidade. “Precisam apresentar bons resultados no mundo real, eficiência, ser simples de implementar, trazer menor custo e se provar seguras para os pacientes. Tudo isso em comparação com o tratamento já existente”, diz ele. Qual o risco de uma incorporação sem esses critérios? “Jogar saú- de, vida e outras riquezas fora”, afirma.

(Cláudia Collucci. www.temas.folha.uol.com.br/tecnologia-em-saude/debate/, 24.08.2015. Adaptado)

Assinale a alternativa em que a pontuação e a concordância verbal e nominal estão de acordo com a norma culta da língua portuguesa.

  • A Os gastos relacionados à área da saúde representa hoje, 17% do PIB dos Estados Unidos, os quais na década de 1980, era de apenas 9%.
  • B Os gastos relacionados à área da saúde representa, hoje, 17% do PIB dos Estados Unidos o qual, na década de 1980, era de apenas 9%.
  • C Os gastos relacionados à área da saúde, representam, hoje 17% do PIB dos Estados Unidos, os quais, na década de 1980 eram de apenas 9%.
  • D Os gastos relacionados à área da saúde representam, hoje, 17% do PIB dos Estados Unidos, os quais, na década de 1980, eram de apenas 9%.
  • E Os gastos relacionados à área da saúde representam hoje, 17% do PIB dos Estados Unidos, o qual na década de 1980, era de apenas 9%.
6

Leia o texto para responder a questão.

Este ano marca o 20.º aniversário do genocídio em Ruanda.
Em exatos cem dias, de abril a julho de 1994, entre 800 mil e
um milhão de ruandeses, predominantemente da etnia tutsi,
foram massacrados, quando um governo extremista liderado por
outra etnia, a hutu, lançou um plano nacional para basicamente
exterminar a minoria tutsi e qualquer outra que fizesse oposição
a suas políticas, até mesmo hutus moderados. Foi um cenário
infernal no qual assassinatos brutais – inclusive de crianças e
bebês – eram realizados por pessoas que poucos dias antes eram
vizinhas, colegas ou mesmo amigas
O genocídio só chegou ao final quando a Frente Patriótica
de Ruanda (RPF, na sigla em inglês), movimento tutsi liderado
por Paul Kagame, saiu da vizinha Uganda e derrubou o governo
hutu. Kagame tornou-se presidente em abril de 2000 e continua
sendo até hoje.
As coisas mudaram muito em Ruanda desde então, e para
melhor. Foi a partir de 2006 que a evolução do país passou a
mostrar dados impressionantes: mais de um milhão de ruandeses
saíram da pobreza; o acesso à saúde e à educação está em
expansão; um boom imobiliário transformou a capital Kigali; e
pelo menos dois terços da população do país estão abaixo dos 25
anos, tornando o potencial para a força de trabalho de Ruanda
extremamente promissor..
Apesar disso, o austero e exigente Kagame reconhece que
do vírus do ódio, da raiva e do desejo de vingança não é fácil de
se livrar.

(http://revistasamuel.uol.com.br, 28.03.2014. Adaptado)

Em relação à classificação dos numerais, os fracionários indicam a parte de um inteiro, como se comprova com a expressão:

  • A o 20.º aniversário.
  • B de abril a julho de 1994.
  • C mais de um milhão de ruandeses.
  • D pelo menos dois terços da população.
  • E Em exatos cem dias.
7

O Tribunal de Apelações do Estado de Nova York está estudando um caso peculiar: o apelo pela libertação de um chimpanzé. Tommy, o símio em questão, não sofre maus-tratos. Mas é obrigado a viver sozinho numa jaula.
“O que tem isso de ilegal?" - perguntou a juíza responsável pelo caso, numa primeira audiência. Steve Wise, o responsável pelo pedido de libertação, rebateu: “Manter uma pessoa em confinamento solitário é contra a lei, sim", ele disse à juíza.
O tribunal não chegou ainda a um veredito. Caso a decisão seja favorável ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez um animal será solto por ser considerado uma “pessoa". Teremos estendido o conceito de “humanidade" a outra espécie além do Homo sapiens.
Faz mais sentido do que parece. Se você voltar 7 milhões de anos no tempo e procurar bem, vai encontrar indivíduos amacacados que são ancestrais tanto do Homo sapiens como dos chimpanzés modernos. Ou seja: você e eles compartilham um mesmo tatata(…)tataravô, que viveu há 70 séculos. Até por isso, um humano é geneticamente mais próximo de um chimpanzé que um chimpanzé é de um gorila. Jared Diamond, um cientista multidisciplinar, resumiu tudo isso com uma frase certeira: “Não é que eles sejam humanos. Nós é que somos mais uma espécie de chimpanzé."
Steve Wise, o advogado que move o pedido pela libertação do chimpanzé nova-iorquino, diz que, se ganhar o caso, vai lutar para que a noção de direitos humanos seja aplicada a qualquer ser vivo com cérebro relativamente complexo - gorilas, orangotangos, elefantes, golfinhos. A lógica é a mesma.

(Superinteressante,novembro de 2014. Adaptado)

Considere o trecho – Caso a decisão seja favorável ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez um animal será solto por ser considerado uma “pessoa". – para responder às questões de números 05 e 06.

Use no plural os termos em destaque e assinale a alternativa correta.

  • A Caso as decisões seja favorável ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez animais serão soltos por serem considerados uma “pessoa".
  • B Caso as decisões sejam favoráveis ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez animais será soltos por serem considerado uma “pessoa".
  • C Caso as decisões sejam favoráveis ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez animais serão solto por ser considerados uma “pessoa".
  • D Caso as decisões sejam favorável ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez animais serão solto por serem considerado uma “pessoa".
  • E Caso as decisões sejam favoráveis ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez animais serão soltos por serem considerados uma “pessoa".
8
Texto I

Foi no pátio da escola, à hora do recreio. Eugênio abaixou-se para apanhar a bola de pano, e de repente atrás dele alguém gritou:

- O Genoca tá com as carça furada no fiofó!

Os outros rapazes cercaram Eugênio numa algazarra. Houve pulos, atropelos, pontapés, cotoveladas, gritos e risadas: eram como galinhas correndo cegas a um tempo para bicar o mesmo punhado de milho. No meio da roda, atarantado e vermelho, Eugênio tapava com ambas as mãos o rasgão da calça, sentindo um calorão no rosto. Os colegas romperam em vaia frenética:

Calça furada!
Calça furada!
Calça furada-dá!

Gritavam em cadência uniforme, batendo palmas. Eugênio sentiu os olhos se encherem de lágrimas. Balbuciava palavras de fraco protesto, que se sumiam devoradas pelo grande alarido.

Calça furada-dá!
No fio-fó-fó-fó!
Oia as calça dele, vovó!
Calça furada-dá!

Do outro lado do pátio, as meninas olhavam curiosas, com ar divertido, pulando e rindo. Em breve começaram a gritar também, integrando-se no coro, num alvoroço de gralhas.

O vento da manhã levava no seu sopro frio aquelas vozes agudas, espalhava-as pela cidade inteira, anunciando a toda a gente que o menino Eugênio estava com as calças rasgadas, bem naquele lugar... As lágrimas deslizavam pelo rosto do rapaz e ele deixava que elas corressem livres, lhe riscassem as faces, lhe entrassem pela boca, lhe pingassem do queixo, porque tinha ambas as mãos postas como um escudo sobre as nádegas. Agora, de braços dados, os rapazes formavam um grande círculo e giravam de um lado para outro, berrando sempre: Calça furada! Calça furada! Eugênio cerrou os olhos como para não ver por mais tempo a sua vergonha.

Soou a sineta.

Terminara o recreio. Na aula, Eugênio sentiu-se humilhado como um réu. Na hora da tabuada, a professora apontava os números no quadro-negro com o ponteiro, e os alunos gritavam em coro:

Dois e dois são quatro!
Três e três são seis!

E o ritmo desse coro lembrava a Eugênio a vaia do recreio. Calça furada-dá!

Que vergonha! O pai estava devendo o dinheiro do mês passado, a professora tinha reclamado o pagamento em voz alta, diante de todos os alunos. Ele era pobre, andava malvestido. Porque era quieto, os outros abusavam dele, botavam-lhe rabos de papel... Sábado passado ficara de castigo, de pé num canto, por estar de unhas sujas. O pior de tudo eram as meninas. Se ao menos na aula só houvesse rapazes... Meu Deus, como era triste, como era vergonhoso ser pobre!

(Erico Verissimo, Olhai os lírios do campo, Companhia das Letras, 2005. Adaptado)

Releia as seguintes frases do texto:

• Os colegas romperam em vaia frenética:
• ... a professora tinha reclamado o pagamento em voz alta...

No contexto em que se inserem, as expressões em destaque podem ser substituídas, correta e respectivamente, procedendo-se às devidas alterações, por:

  • A vergonhosa; protestado o.
  • B enérgica; se oposto ao.
  • C exaltada; perdoado o.
  • D alegre; se lamentado do.
  • E desvairada; exigido o.
9

A pátria de ponteiros


Numa demonstração de inequívoca coragem, Fritz pediu uma feijoada. Eu comentei que, aparentemente, ele não estava tendo dificuldades de adaptação. O alemão disse que não.
Por conta do seu trabalho, viajava o mundo todo. A única coisa que lhe incomodava, no Brasil, era nunca saber quando as pessoas chegariam aos encontros. “O pessoa manda mensagem, diz ‘tô chegando!’, mas pessoa chega só quarenta minutos depois”. Então me fez a pergunta que só poderia vir de um compatriota de Emanuel Kant*: “Quando a brasileiro diz ‘tô chegando!’, em quanto tempo brasileiro chega?”
Pensei em mentir, em dizer que uns atrasam, mas outros aparecem rapidinho. Achei, porém, que em nome de nossa dignidade - ali, naquela mesa, eu era a “pátria de ponteiros” - o melhor seria falar a verdade: “Fritz, é assim: quando o brasileiro diz ‘tô chegando!’ é porque, na real, ele tá saindo”. Tentei atenuar o assombro do alemão: veja, não é exatamente mentira, afinal, ao pôr o pé pra fora de casa dá-se início ao processo de chegada, assim como ao sair do útero se começa a caminhar para a cova. É só uma questão de perspectiva.
“Mas e quando o pessoa diz ‘tô saindo!’?” Expliquei que as declarações do brasileiro, no que tange ao atraso, estão sempre uma etapa à frente da realidade. Se a pessoa diz que está chegando, é porque tá saindo, e se diz que tá saindo, é porque ainda precisa tomar banho, tirar a roupa da máquina e botar comida pro cachorro.
Fritz ficou pensativo. “E o ‘cinco minutinhos’?”
Já o “cinco minutinhos!” é um pouco mais vago. Pode significar tanto que o brasileiro está a cem metros do destino quanto a 27 quilômetros. Às vezes, cinco minutinhos demoram muito mais do que quinze, mais do que uma hora; há casos, até, em que a pessoa a cinco minutinhos jamais aparece.
Fritz ficou olhando o chope, imaginando, talvez, na espuma branca, a tomografia multicolor desses cérebros tropicais. Senti que era o momento de mudar de assunto, de mostrar ressonâncias, digamos, mais magnéticas do nosso país. Chamei o garçom. “Chefe, a gente pediu uma feijoada, já faz um tempinho...” “Tá chegando, amigo, tá chegando!”

(Antonio Prata. Folha de S.Paulo, 23.02.2014. Adaptado)

* Emanuel Kant: filósofo de origem alemã

De acordo com o texto, em seu diálogo com Fritz, o narrador.

  • A sentiu-se envergonhado e pediu desculpas a Fritz pela falta de civilidade que, infelizmente, é prática corriqueira no Brasil.
  • B empregou linguagem formal e ininteligível para definir a pontualidade dos brasileiros, visto que seu objetivo era ludibriar Fritz.
  • C explicou ao amigo alemão, por meio da descrição de situações cotidianas, como os brasileiros se comportam em relação a horários e compromissos.
  • D optou por mentir ao amigo estrangeiro ao dar sua resposta, pois, afinal, precisava defender e representar a “pátria de ponteiros”
  • E tentou convencer o alemão de que o respeito à pontualidade é um exagero, recomendando a Fritz ser menos perfeccionista no trabalho.
10

     O mal-estar provocado por gripes e resfriados é o principal motivo que os brasileiros alegam para se ausentar do trabalho, apontou a PNS (Pesquisa Nacional de Saúde), divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

     O levantamento mostrou que 17,8% dos brasileiros que faltaram ao trabalho pelo menos um dia alegaram ter tido gripe ou resfriado. A pesquisa foi feita em 2013, em 62,9 mil domicílios em todos os Estados da federação. O estudo é inédito e não tem, portanto, base de comparação.

     Ainda que virais, a gripe e o resfriado têm diferenças. Segundo o médico Drauzio Varela, o resfriado é menos intenso e caracteriza-se por coriza, cabeça pesada e irritação na garganta. Mais brando, pode provocar febres isoladas, que não ultrapassam 38,5 graus. A gripe pode derrubar a pessoa por alguns dias, requer repouso, boa hidratação e, com a orientação profissional, uso de analgésicos e antitérmicos.

(Lucas Vettorazzo. “Resfriado é principal motivo para falta no trabalho ou estudos, aponta IBGE”. www.folha.uol.com.br, 02.06.2015. Adaptado)

A forma verbal requer, destacada no terceiro parágrafo, está corretamente substituída, sem alteração da mensagem, por:

  • A restitui.
  • B prescinde.
  • C delata.
  • D exige.
  • E previne.
11
Arte sobre a pobreza tem mais impacto que pesquisas

A forma como livros e filmes mostram populações pobres
ou países em desenvolvimento influencia mais as organizações
multilaterais do que pesquisas econômicas.
Pelo menos é o que afirmam três pesquisadores que publi­-
caram um estudo pelo Banco Mundial em junho e que, recen-­
temente, lançaram um livro sobre esse tema. O raciocínio dos
autores é que as instituições multilaterais são compostas por
g overnos, que, por sua vez, são influenciados pelas opiniões do
público de seus países.
E pouca gente lê artigos. O que se sabe sobre um país pobre
é, geralmente, descoberto em livros e filmes.
Dennis Rodgers, um dos autores e professor de sociologia
da Universidade de Glasgow, diz que isso pode ser positivo: um
relatório nunca fará alguém ser voluntário por uma causa, mas
um filme teria esse poder.
O estudo, no entanto, diz que pode haver falhas nos retra­-
tos de pobreza. Rodgers lista dois: a simplificação excessiva e a
figura do europeu ou do americano “herói”.
“Na maioria dos filmes, o conhecimento, a tecnologia e a
bondade vão do Norte para o Sul. E, se olharmos para como o
desenvolvimento funciona, muitas inovações vieram do Sul para
o Norte”.
O filme Cidade de Deus é citado como “um dos primeiros
a chamar a atenção, no circuito de cinema dos países ricos, para
o tema da violência urbana, crítico para o desenvolvimento eco­-
nômico”. No texto, os autores lamentam que ele seja exibido em
universidades como um “quase documentário”, algo que ele não
se propõe a ser.
(Felipe Gutierrez. Folha de S.Paulo, 15.12.2013. Adaptado)

Leia o texto para responder à questão.

Releia o trecho a seguir:

No texto, os autores lamentam que ele seja exibido em uni­versidades como um “quase documentário”, algo que ele não se propõe a ser.

O pronome em destaque se refere a:

  • A o filme Cidade de Deus
  • B circuito de cinema
  • C tema da violência urbana
  • D desenvolvimento econômico
  • E um “quase documentário”
12

SÃO PAULO – Se você leu Cândido, de Voltaire, e achou o dr. Pangloss um sujeito muito otimista, é porque não abriu Abundance, de Peter Diamandis e Steven Kotler.

Os autores, um milionário com formação em engenharia espacial, genética e medicina e um jornalista científico, dizem com todas as letras que a humanidade está para entrar numa era de superabundância, na qual tecnologias tornarão itens essenciais tão baratos que todos os habitantes da Terra terão acesso a bens e serviços até há pouco ao alcance apenas dos muito ricos. E tudo isso no horizonte de uma geração.

Os autores têm até explicação para o fato de não acreditarmos muito nessas promessas. Como fomos programados para ver o mundo como um lugar ameaçador, nutrimos um inescapável pessimismo global, que não nos deixa perceber as revoluções silenciosas de que participamos.

Talvez sim, talvez não. Abundance é definitivamente um livro ousado, e mesmo que lhe apliquemos um deságio cético de, vá lá, 80%, ainda ____________ coisas surpreendentes.

Na frase – Os autores têm até explicação para o fato de não acreditarmos muito nessas promessas. –, é correto afirmar que

  • A o termo “até”, considerando seu uso contextual, pode­ria ser substituído por “inclusive”.
  • B a forma verbal “acreditarmos” está errada, pois o sujeito da oração é “Os autores”.
  • C o termo “para” introduz oração adverbial, expressan­do sentido de finalidade.
  • D a expressão “nessas promessas” não tem um referente preciso nas informações textuais.
  • E a forma verbal “têm” está grafada incorretamente, pois não haveria acento nesse contexto.
13
Grupo quer criar cooperativa de catadores de pelo

Catadores de pelo de cachorro. É a mais nova modalidade de cooperativa de reciclagem, que pretende recolher o material da tosa em pet shops* e transformá-lo em roupas de animais.

O projeto de transformar pelo de poodle em tecido começou em uma escola do Senai em 2008 e ganhou legitimidade após pesquisa na USP demonstrar que o material é similar ao da lã de carneiro e pode passar pelo processo de fiação.

“Um leigo não conseguiria diferenciar um do outro", diz Renato Lobo, que realizou o estudo com pelo de poodle em seu mestrado. Segundo ele, há similaridade entre os dois em relação à maciez, tingibilidade (capacidade de receber corante), alongamento, absorção de líquido e isolamento térmico.

Do ponto de vista técnico, Lobo explica que a única diferença entre o pelo do poodle e a lã do carneiro é o comprimento da fibra - mais curta no primeiro. Mas essa diferença não altera o processo de fiação, porque há um maquinário próprio para fibras mais curtas.

Agora, a proposta é montar uma cooperativa de catadores de pelo seguindo o mesmo modelo das que hoje reciclam latinhas e papelão. Lobo diz que há negociações com três dessas cooperativas para possível parceria.

Hoje, o pelo é descartado no lixo pelos pet shops. A ideia é que, após a coleta, limpeza e fiação, ele vire roupinhas para animais que serão vendidas também nas lojas. “Estamos em contato com ONGs que produzem essas roupas para animais de estimação para apresentar o tecido feito de pelo."

“A procura por roupas de animais é grande, principalmente no inverno. Tenho certeza de que haverá interesse, porque as pessoas adoram uma novidade", diz o veterinário Sergio Soares Júnior.

E roupas para humanos? Segundo Lobo, “Há viabilidade técnica para produzi-las, mas não sei se haveria aceitação. As pessoas usam casacos de couro, mas não sei se aceitariam roupas de pelo de cão. De animal para animal, fica mais fácil."

(Cláudia Collucci, Folha de S.Paulo, 20.07.2014. Adaptado)

* pet shops: lojas especializadas em serviços e artigos relativos a animais de estimação

Conforme o texto, a cooperativa de catadores de pelo de poodle

  • A deverá ser gerenciada por veterinários ou por proprietários de pet shops.
  • B poderá trabalhar em conjunto com cooperativas que reciclam latinhas e papelão.
  • C foi inicialmente idealizada por cooperativas de catadores de latinhas e de papelão.
  • D venderão o pelo diretamente a lojas especializadas em roupas de animais.
  • E passou a operar em 2008 a partir da parceria estabe- lecida entre o Senai e a USP
14

Quanto à regência padrão, está correta a frase:

  • A O autor pressupõe de que o leitor tenha conhecimento do livro O Guia do Mochileiro das Galáxias.
  • B O contexto em que o romance de Douglas Adams nos remete diz respeito aos primeiros estágios da revolução da tecnologia da informação.
  • C A era do “paradoxo da produtividade" de que o autor menciona ocorreu ao longo das décadas de 1970 e 1980.
  • D O surgimento de novas versões de iPhones e iPads, a cada ano, faz supor de que a evolução tecnológica se tornou muito limitada.
  • E A conclusão a que parece chegar o autor é a de que toda a era digital, desde a década de 1970, parece uma decepção.
15

Palavras, percebemos, são pessoas. Algumas são sozinhas: Abracadabra. Eureca. Bingo. Outras são pro­ míscuas (embora prefiram a palavra “gregária”): estão sempre cercadas de muitas outras: Que. De. Por.

Algumas palavras são casadas. A palavra caudaloso, por exemplo, tem união estável com a palavra rio - você dificilmente verá caudaloso andando por aí acompanha­ da de outra pessoa. O mesmo vale para frondosa, que está sempre com a árvore. Perdidamente, coitado, é um advérbio que só adverbia o adjetivo apaixonado. Nada é ledo a não ser o engano, assim como nada é crasso a não ser o erro. Ensejo é uma palavra que só serve para ser aproveitada. Algumas palavras estão numa situação pior, como calculista, que vive em constante ménage (*) , sempre acompanhada de assassino, frio e e.

Algumas palavras dependem de outras, embora não sejam grudadas por um hífen - quando têm hífen elas não são casadas, são siamesas. Casamento acontece quando se está junto por algum mistério. Alguns dirão que é amor, outros dirão que é afinidade, carência, preguiça e outros sentimentos menos nobres (a palavra engano, por exemplo, só está com ledo por pena - sabe que ledo, essa palavra moribunda, não iria encontrar mais nada a essa altura do campeonato)

Esse é o problema do casamento entre as palavras, que por acaso é o mesmo do casamento entre pessoas. Tem sempre uma palavra que ama mais. A palavra árvore anda com várias palavras além de frondosa. O casamento é aberto, mas para um lado só. A palavra rio sai com vá­ rias outras palavras na calada da noite: grande, comprido, branco, vermelho - e caudaloso fica lá, sozinho, em casa, esperando o rio chegar, a comida esfriando no prato.

Um dia, caudaloso cansou de ser maltratado e resol­ veu sair com outras palavras. Esbarrou com o abraço que, por sua vez, estava farto de sair com grande, essa palavra tão gasta. O abraço caudaloso deu tão certo que ficaram perdidamente inseparáveis. Foi em Manuel de Barros. Talvez pra isso sirva a poesia, pra desfazer ledos enganos em prol de encontros mais frondosos. (Gregório Duvivier, Abraço caudaloso.

Disponível em: . Acesso em: 02 fev 2015. Adaptado)

(*) ménage: coabitação, vida em comum de um casal, unido legitima­ mente ou não.

Observe o comentário acerca de advérbio e de adje­tivo expresso na frase – Perdidamente, coitado, é um advérbio que só adverbia o adjetivo apaixonado. – e assinale a alternativa em que os termos destacados são (I) advérbio modificando adjetivo e (II) adjetivo.

  • A (I) várias palavras; (II) palavra moribunda
  • B (I) tem sempre; (II) é aberto
  • C (I) menos nobres; (II) união estável.
  • D (I) sempre acompanhada; (II) algum mistério
  • E (I) dificilmente verá; (II) outras palavras.

Matemática

16

Foram digitados 10 livros de 200 páginas cada um e armazenados em 0,0001 da capacidade de um microcomputador. Utilizando-se a capacidade total desse microcomputador, o número de livros com 200 páginas que é possível armazenar é

  • A 100
  • B 1 000.
  • C 10 000
  • D 100 000.
  • E 1 000 000.
17

O policiamento de um grande evento musical deteve 100 pessoas. Sabe-se que 50 pessoas foram detidas por furto de celulares, que 25 pessoas detidas são mulheres, e que 20 mulheres foram detidas por furto de celulares. Para a elaboração do relatório, o PM Jurandir montou uma tabela e inseriu esses dados, para depois completá-la.



Tomando-se ao acaso uma das pessoas detidas por outros motivos, a probabilidade de que ela seja do sexo masculino é de

  • A 90%.
  • B 75%.
  • C 50%.
  • D 45%.
  • E 30%.
18

Uma escola de ensino médio tem 420 alunos matricula-dos no primeiro ano, 336 no segundo ano e 252 no terceiro ano. Esses alunos terão uma palestra sobre uso consciente de água no auditório, que tem capacidade para apenas 100 pessoas e por isso serão divididos em grupos. Os grupos deverão ter o mesmo número de alunos e cada grupo só pode conter alunos de um mesmo ano. O menor número de grupos que poderão ser criados dessa maneira é

  • A 8
  • B 10
  • C 12
  • D 14
  • E 16
19

Imprimindo 60 cópias por minuto e trabalhando 6 horas por dia, uma máquina de uma gráfica conclui certo trabalho em 10 dias. Outra máquina da mesma gráfica, imprimindo 48 cópias por minuto e trabalhando 5 horas por dia, concluirá o mesmo trabalho em um número de dias igual a

  • A 18.
  • B 16.
  • C 15.
  • D 14.
  • E 12.
20
Sabe-se que o custo de um litro do produto x é R$ 15,00, e que o custo de um litro do produto y é R$ 6,00. Se o custo de um litro de uma mistura de determinadas quantidades desses dois produtos é igual a R$ 8,70, então o número de litros do produto x necessários para preparar 7 litros dessa mistura será igual a
  • A 1,75.
  • B 2,10.
  • C 2,45.
  • D 2,80.
  • E 3,25
21

Uma pessoa foi a uma papelaria e comprou 2 pastas grandes, 3 pastas médias e 1 pasta pequena, pagando, no total, R$ 21,20. Se tivesse comprado 3 pastas grandes, 2 pastas médias e 1 pasta pequena, teria gastado R$ 22,80, mas se tivesse comprado 3 pastas de cada tamanho teria gastado R$ 30,00. A diferença de preço entre a pasta mais cara e a pasta mais barata era

  • A R$ 4,80.
  • B R$ 4,50.
  • C R$ 3,20.
  • D R$ 3,00.
  • E R$ 2,80.
22

Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu adversário, que fez apenas a terça parte do total de pontos feitos pelo time vencedor. Nesse jogo, o time derrotado marcou

  • A 21 pontos.
  • B 31 pontos.
  • C 32 pontos.
  • D 42 pontos.
  • E 48 pontos.
23

Na festa de seu aniversário em 2014, todos os sete filhos de João estavam presentes. A idade de João nessa ocasião representava 2 vezes a média aritmética da idade de seus filhos, e a razão entre a soma das idades deles e a idade de João valia

  • A 1,5.
  • B 2,0.
  • C 2,5.
  • D 3,0.
  • E 3,5.
24

O número total de pagantes que foi assistir à apresentação de uma peça de teatro foi de 180 pessoas entre crianças e adultos. O ingresso infantil custou R$ 12,00 e o do adulto, R$ 20,00. Como arrecadaram-se R$ 2.520,00, pode-se afirmar que a diferença entre o número de crianças e o de adultos pagantes que foram assistir à apresentação foi igual a:

  • A 40.
  • B 45.
  • C 60.
  • D 90.
  • E 100
25

A soma das idades de três amigos, João, Carlos e Antonio, é de 46 anos e 3 meses. João e Antonio juntos têm 31 anos e 11 meses. Conclui-se que a idade de Carlos é

  • A 13 anos e 5 meses.
  • B 13 anos e 9 meses.
  • C 13 anos e 11 meses.
  • D 14 anos e 2 meses.
  • E 14 anos e 4 meses.
26

Seis mestres e três aprendizes produzem, em dois dias, a mesma quantidade de sapatos que quatro aprendizes e três mestres produzem em três dias. Pode-se concluir que, em um dia, a quantidade de sapatos que um mestre produz é

  • A o triplo da produzida por um aprendiz.
  • B o dobro da produzida por um aprendiz.
  • C igual à produzida por um aprendiz.
  • D a metade da produzida por um aprendiz.
  • E um terço da produzida por um aprendiz.
27

Planejando uma operação de policiamento ostensivo, um oficial desenhou em um mapa três círculos concêntricos de centro P, conforme mostrado na figura.



Sabe-se que as medidas dos raios r, r 1 e r 2 estão, nessa ordem, em progressão geométrica. Se r + r 1 + r 2 = 52 cm, e r . r 2 = 144 cm, então r + r 2 é igual, em centímetros, a

  • A 36.
  • B 38.
  • C 39.
  • D 40.
  • E 42.
28

Um grupo de pessoas participou da fase final de um concurso, sendo que, nesse grupo, o número de mulheres era igual a 3/5 do número de homens. Sabe-se que, concluída a fase final, apenas 1/5 do número de homens e 1/3 do número mulheres foram aprovados, num total de 8 pessoas.
O número de mulheres no grupo que iniciou a participação na fase final desse concurso era igual a

  • A 18.
  • B 9.
  • C 12.
  • D 21.
  • E 15.
29

A tabela relaciona as quantidades de lápis de preços iguais e, também, de borrachas de preços iguais, que Aline, Beatriz e Carolina compraram em uma papelaria, e o valor total que cada uma pagou.

De acordo com as informações dadas, pode-se afirmar que o valor que substitui, corretamente, o ponto de interrogação na tabela é de

  • A 11,85
  • B 12,45
  • C 12,90.
  • D 13,50.
  • E 14,25.
30

Três tábuas de espessura igual a 3 cm, cujos comprimentos são iguais a 2,4 m, 3,6 m e 3 m, respectivamente, deverão ser totalmente cortadas em pedaços iguais e do maior comprimento possível, de modo que não haja sobras. Os pedaços cortados devem ser sobrepostos, formando uma única pilha, cuja altura, em centímetros, deverá ser igual a

  • A 30.
  • B 35.
  • C 45.
  • D 50.
  • E 55.

Raciocínio Lógico

31

Leonardo, Giovana e Érica estão treinando para um campeonato de resolução de cubos mágicos. O treino consiste em resolver 300 cubos que estão em uma caixa, todos com as cores de suas faces misturadas. Leonardo resolve um cubo a cada 32 segundos; Giovana, a cada 18 segundos; e Érica, que é iniciante, resolve um cubo a cada 1 minutos e 24 segundos. Os três iniciaram a resolução dos cubos ao mesmo tempo e quando terminam de resolver um, imediatamente pegam outro da caixa e iniciam a resolução. No momento em que os três terminarem a resolução de um cubo ao mesmo tempo, na caixa ainda restará um número de cubos igual a

  • A 85.
  • B 89.
  • C 93.
  • D 97.
  • E 101.
32

Sabe­-se que o valor lógico da afirmação “Se Márcia faz aniversário hoje, então Dario fará aniversário amanhã” é falsidade. Dessa forma, é verdade que

  • A Dario fará aniversário amanhã.
  • B Márcia não faz aniversário hoje.
  • C Márcia não faz aniversário hoje e Dario não fará aniver­sário amanhã.
  • D Dario fará aniversário amanhã ou Márcia não faz ani­versário hoje.
  • E Se Dario não fará aniversário amanhã, então Márcia faz aniversário hoje.
33

Numa sexta-feira de chuva forte Lívia afirmou que: “se chover no fim de semana, então não irei ao estádio ver meu time jogar”. Na segunda-feira, o irmão de Lívia confirmou que toda vez que chove muito forte ela sempre mente, o que permite concluir corretamente que, nesse fim de semana,

  • A não choveu.
  • B Lívia não foi ao estádio.
  • C Lívia foi ao estádio.
  • D Lívia foi ao estádio apenas se tiver chovido.
  • E se Lívia foi ao estádio, então não choveu.
34

Daniel trabalha como professor particular para uma empresa. Quando atende no domicílio do aluno, recebe 20% a mais por hora do que o valor recebido quando atende nas dependências da empresa. No mês de setembro, Daniel fez 25 atendimentos na empresa e 35 atendimentos domiciliares, recebendo pelas 60 aulas uma média de R$ 67,00 por aula. O valor que Daniel recebe por hora quando atende na empresa é

  • A R$ 75,00.
  • B R$ 72,00.
  • C R$ 68,00.
  • D R$ 65,00.
  • E R$ 60,00.
35

Assinale a alternativa que indica a conclusão que se segue logicamente das seguintes premissas: “Todos os seres vivos são mortais”. “As tartarugas são seres vivos”.

  • A “As tartarugas são imortais”.
  • B “Os seres vivos são tartarugas”.
  • C “As tartarugas são mortais”.
  • D “Os seres mortais são vivos”.
  • E “Os seres mortais são tartarugas”.

Legislação Municipal

36

Uma obra foi objeto de notificação preliminar por irregularidade, tendo o responsável presente no local se recusado a assinar a notificação. Essa recusa

  • A impede a interposição de recurso à notificação.
  • B sujeita o responsável à multa em valor dobrado.
  • C só é admissível mediante representação contra o agente fiscal.
  • D deve ensejar a requisição de força policial para autuação por desobediência.
  • E não favorece nem prejudica o infrator.
37

Segundo o regramento previsto no Código Tributário do Município de Arujá, no que respeita às consultas, assinale a alternativa correta.

  • A As medidas repressivas só serão tomadas contra os contribuintes infratores que dolosamente lesarem ou tentarem lesar o fisco.
  • B Não se admite consulta formulada por sindicato, associação ou confederação de categorias econômicas, já que seu processamento cabe aos contribuintes individuais.
  • C Admite-se consulta, ainda que verse sobre objeto de ação fiscal já iniciada contra o consulente.
  • D No decurso da ação fiscal, ocorrendo dúvidas relativas à interpretação e à aplicação da legislação tributária, poderá o Fiscal formular consulta, mas sem interrupção da fiscalização iniciada, em qualquer caso.
  • E Não se admitirá a consulta quando se fundar, exclusivamente, em esclarecimentos sobre a interpretação da legislação tributária.
38

Impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural, conforme dispõe a Lei Orgânica do Município de Descalvado, é uma competência

  • A concorrente entre o Município de Descalvado e o Estado.
  • B comum entre a União, os Estados, o Distrito Federal e o Município de Descalvado.
  • C privativa do Estado.
  • D privativa do Município de Descalvado.
  • E concorrente entre a União, o Estado e o Município de Descalvado.
39

Nos termos do que estabelece o Estatuto do Servidor Público do Município de São José dos Campos (Lei Complementar n° 56/92), é correto afirmar que a responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de

  • A a conduta não ter sido considerada criminosa.
  • B o servidor não ter sido responsabilizado civilmente.
  • C o servidor ter confessado a infração durante o processo administrativo.
  • D absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria.
  • E não haver testemunha presencial do fato delituoso.
40
A Lei municipal nº 2.674/2014 dispõe sobre as receitas e despesas do município de Duque de Caxias e estabelece que o orçamento se divide em:
  • A Clássico e participativo.
  • B Incremental e impositivo.
  • C Fiscal e da seguridade social.
  • D Macrorregional e microrregional.

Noções de Informática

41

Para organizar arquivos baixados pela internet, um usuário do MS-Windows 7, em sua configuração padrão, acessa o aplicativo acessório padrão Windows Explorer e inicia os trabalhos. Para recortar arquivos e/ou pastas por meio do teclado, de modo a movê-los para outro local, o usuário deve, após selecioná-los, escolher o atalho

  • A CTRL + P
  • B CTRL + R
  • C CTRL + C
  • D CTRL + V
  • E CTRL + X
42

Durante o processo de edição de um documento no MS-Word 2016, um usuário decidiu formatar um parágrafo selecionado, clicando sobre o botão “Justificar”, presente no grupo Parágrafo da guia Página Inicial. Essa ação fará com que o texto do parágrafo selecionado seja

  • A distribuído uniformemente entre as margens superior e inferior.
  • B distribuído uniformemente entre as margens esquerda e direita.
  • C centralizado na página.
  • D alinhado apenas à margem esquerda.
  • E alinhado apenas à margem direita.
43

No MS-Windows 7, a partir da sua configuração padrão, a tecla que permite capturar uma tela inteira e copiá-la para a Área de Transferência é PrtScn (em alguns teclados, PrtScn pode aparecer como PRTSC, PRTSCN, Print Screen, ou uma abreviação similar). Em vez de capturar uma Tela inteira, é possível capturar apenas uma janela ativa.

Assinale a alternativa que contém o conjunto de teclas que efetua essa operação.

  • A Alt + PrtScn
  • B Ctrl + PrtScn
  • C ESC + PrtScn
  • D F1 + PrtScn
  • E F2 + PrtScn
44

No Windows Explorer do Windows 7, na sua configuração padrão, apresenta o conteúdo de uma pasta chamada “Teste”, conforme ilustra a figura.



O conteúdo da pasta “Teste” apresenta dois atalhos, uma planilha do Excel 2010, uma apresentação do PowerPoint 2010 e um documento do Word 2010.

Analisando a figura, assinale a alternativa cuja afirmação é correta.

  • A Para selecionar os dois atalhos usando o mouse, a tecla Alt precisa estar pressionada durante a seleção.
  • B Para selecionar os dois atalhos usando o mouse, a tecla Esc precisa estar pressionada durante a seleção.
  • C Para selecionar os dois atalhos usando o mouse, a tecla Tab precisa estar pressionada durante a seleção.
  • D Para selecionar os dois atalhos usando o mouse, a tecla Ctrl precisa estar pressionada durante a seleção.
  • E Para selecionar os dois atalhos usando o mouse, a tecla F1 precisa estar pressionada durante a seleção.
45

No MS-Word 2010, no guia “Inserir", o ícone que permite incluir uma quebra de página é

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
46

Um técnico de manutenção recebeu, para reparo, um micro-computador do tipo IBM-PC que, após ser ligado, não inicia corretamente. Uma das primeiras providências recomendadas e que pode ser tomada na tentativa de resolver o problema é:

  • A reiniciar o computador e acionar a BIOS, executando o seu Programa de Diagnóstico.
  • B reiniciar o computador e manter pressionadas, por alguns segundos, as teclas Ctrl + Alt + Del, o que fará com que o Windows entre no Modo de Diagnóstico.
  • C reiniciar o computador no Modo de Segurança do Windows e, em caso de sucesso, tentar descobrir a origem do problema.
  • D trocar o disco rígido do computador.
  • E trocar os pentes de memória do computador.
47

Um usuário criou uma AutoForma de estrela em um slide no Microsoft PowerPoint 2010, em sua configuração padrão, como se segue:



Considerando os pontos de marcação destacados na AutoForma, assinale a alternativa que apresenta qual foi o ponto selecionado pelo usuário para alterar o formato da AutoForma para ficar como se apresenta a seguir:

  • A E
  • B A
  • C D
  • D B
  • E C
48

Observe as figuras a seguir, extraídas do MS-Excel 2010, em sua configuração padrão. A Figura I apresenta parte de uma planilha com dados no intervalo A2:C6. A Figura II apresenta uma proposta de classificação, que ainda não foi aplicada, configurada na caixa de diálogo Classificar, que pode ser acessada no grupo Classificar e Filtrar, da guia Dados, ao selecionar um intervalo de células.





Assinale a alternativa que contém o novo valor que será apresentado na célula C5, quando a nova proposta de classificação for aplicada sobre o intervalo de células A2:C6.


  • A 23
  • B 35
  • C 31
  • D 22
  • E 14
49

No MS­-PowerPoint 2010, a finalidade da função Ocultar Slide, acionável por meio do botão de mesmo nome, é fazer com que o slide selecionado

  • A tenha bloqueadas tentativas de alteração de seu conteúdo.
  • B seja designado como o último a ser exibido na apresentação de slides.
  • C tenha sua resolução reduzida até o mínimo suportado pelo computador em uso.
  • D não seja exibido no modo de apresentação de slides.
  • E tenha sua velocidade de transição entre slides fixada no valor médio.
50

No sistema operacional Windows, em sua configuração padrão, os nomes de arquivos ou pastas seguem algumas regras, sobre as quais é correto afirmar que

  • A o tamanho máximo de caracteres que pode ser utilizado no Windows 10 inclui o nome do arquivo e do seu caminho.
  • B o nome do arquivo no Windows 10 não pode ter caracteres como \ / : * ? “ < > |, mas a sua extensão pode incluí-los.
  • C os nomes dos arquivos no Windows 10 podem ter até 128 caracteres.
  • D caracteres como \ / : * ? “ < > | podem ser utilizados nos nomes no Windows 10.
  • E o nome do arquivo no Windows 10 não pode ter caracteres como \ / : * ? “ < > |, mas o nome do seu caminho pode incluí-los.
Voltar para lista