Resolver o Simulado VUNESP - Nível Médio

0 / 30

Matemática

1
O gráfico de setores representa, em %, o comportamento de algumas empresas brasileiras que foram analisadas em relação ao uso da água, das quais algumas consideram a água essencial e importante para garantir a produtividade.






Se, do total das empresas analisadas, apenas 6 fizeram mudanças radicais, o número de empresas que estão representadas no setor III é
  • A 45.
  • B 68.
  • C 73.
  • D 78.
  • E 93.
2

Ao estudar um exemplar de uma espécie de peixe ornamental, os pesquisadores constataram que, no 1° dia de observação, o comprimento do peixe era de 2 cm e que, até o 10.° dia de observação, o comprimento desse peixe obedeceu à função y = 2 + log2 x, sendo y o comprimento, em cm, e x o número de dias, com 1 ≤ x ≤ 10.

Usando log 2 ≅ 0,30 e log 3 ≅ 0,48, é correto afirmar que o comprimento do peixe, em cm, no 6.° dia, era

  • A 4,8.
  • B 4,6.
  • C 4,4.
  • D 4,2.
  • E 4,0.

Raciocínio Lógico

3

Uma pesquisa identificou o gosto de um grupo de pessoas pela leitura dos jornais A, B e C. Doze pessoas afirmaram gostar de ler os três jornais, 60 pessoas afirmaram gostar de ler o jornal A, 70 pessoas afirmaram gostar de ler o jornal B, e 85 pessoas afirmaram gostar de ler o jornal C. Em se tra­tando de gostar de ler apenas dois desses jornais, 15 pessoas afirmaram gostar de ler A e B, 18 pessoas afirmaram gostar de ler B e C, e 12 pessoas afirmaram gostar de ler A e C. Se 25 pessoas afirmaram não gostar de ler esses jornais, então é verdade que o número de pessoas pesquisadas foi

  • A 171.
  • B 151.
  • C 131.
  • D 111.
  • E 91.

Matemática

4

Com a quantidade de água contida em um recipiente é possível encher, completamente, copos com 250 mL cada um, ou copos com 300 mL cada um, ou copos com 350 mL cada um, e não restará nenhuma água no recipiente. O menor número de litros de água desse recipiente é

  • A 8,5.
  • B 11,8.
  • C 10,5.
  • D 7,4.
  • E 9,6.
5

A tabela a seguir apresenta dados dos ingressantes em uma universidade, com informações sobre área de estudo e classe socioeconômica.

Classe A Classe B Classes C ou D
Exatas 300 200 150
Humanas 250 &nbsp 150 150
Biológicas 450 250 100

Se um aluno ingressante é aleatoriamente escolhido, é verdade que a probabilidade de ele

  • A pertencer à classe B é de 40%.
  • B estudar na área de Biológicas é de 40%.
  • C pertencer à classe B e estudar na área de Biológicas é de 25%.
  • D pertencer à classe B é de 20%.
  • E estudar na área de Biológicas é de 22,5%.
6

Em uma notícia publicada em março de 2013, uma agência afirmou que quase 80% dos usuários de informática da América Latina já perderam informações por armazenamento inadequado de dados. Supondo-se que essa razão correspondesse a 150 milhões de usuários, teríamos, como usuários de informática na América Latina, o número aproximado de pessoas corespondente, em milhões, a

  • A 187,5.
  • B 185.
  • C 182,5
  • D 180.
  • E 177,5.
7

A respeito de cinco amigos, sabe-se que Larissa é mais velha que Dimas, que Márcio é mais novo que Anderson e mais velho que Rosana, e que Dimas é mais velho que Anderson. Sendo assim, pode-se afirmar corretamente que a segunda maior idade nesse grupo é a de

  • A Anderson.
  • B Rosana.
  • C Márcio.
  • D Larissa.
  • E Dimas.
8

Em uma empresa há três máquinas, Y, W e Z, que produzem o mesmo produto. Considerando-se um determinado período de tempo, verifica-se que:

Y e W, juntas, produzem 1500 unidades;

Y e Z, juntas, produzem 1600 unidades;

W e Z, juntas, produzem 1700 unidades.

Desse modo, é correto afirmar que o número de unidades produzidas pela máquina Y, sozinha, no período de tempo considerado, é igual a

  • A 700.
  • B 750.
  • C 800.
  • D 850.
  • E 900.
9

Nove recipientes idênticos comportam um total de 28 litros de água. Para comportar 16 litros de água, será necessário, desses recipientes, o número mínimo de

  • A 2.
  • B 3.
  • C 4.
  • D 5.
  • E 6.
10
Em um concurso, o número de mulheres inscritas foi muito superior ao de homens. Considerando o total de mulheres e homens inscritos, se mais 15 mulheres se inscrevessem no concurso, o número de mulheres seria o triplo do número de homens. Em contrapartida, seriam necessários outros 656 homens inscritos para que o total de homens inscritos fosse igual a metade do total de mulheres inscritas. Sendo assim, é correto concluir que o número de mulheres que se inscreveram no concurso foi de
  • A 3711.
  • B 3843.
  • C 3966.
  • D 4122.
  • E 4230.
11
A tabela a seguir mostra os metros quadrados de parede que um pedreiro rebocou na semana passada, de segunda a quinta-feira, exceto na sexta-feira.

Dia da semana Metros quadrados rebocados(m2)
segunda 8
terça 10
quarta 13
quinta 9
sexta X

Se esse pedreiro atingiu, nessa semana, a média de 11 m2 diários de parede rebocada, o número de metros quadrados de parede que ele rebocou na sexta-feira foi
  • A 13.
  • B 14.
  • C 15.
  • D 16
  • E 17.
12

O preço de um litro de óleo de copaíba aumentou de R$ 30,00, em 2009, para R$ 134,00, em 2013. Supondo que o aumento do preço, ano a ano, tenha ocorrido em progressão aritmética e que este aumento se mantenha na mesma razão nos próximos anos, é correto afirmar que o preço de um litro de óleo de copaíba estará aproximadamente 600% maior do que o preço de 2009, no ano de

  • A 2014.
  • B 2015.
  • C 2016.
  • D 2017.
  • E 2018.
13

José está reformando sua casa, e a fase atual da obra consiste em cobrir sua nova área de lazer. O responsável pela obra lhe pediu 1323 telhas, sendo que nessa quantidade já estava incluso um acréscimo de 5% para eventuais quebras e reposição. José estranhou o número de telhas e decidiu refazer os cálculos junto do responsável. Para tanto, utilizaram as seguintes informações:

• o telhado terá duas áreas retangulares de 7 por 6 metros;

• são necessárias 15 telhas por m2 para o tipo de telha escolhida.

Ao refazer os cálculos, José percebeu que o número de telhas pedido incialmente pelo responsável da obra estava

  • A correto.
  • B incorreto, pois pediu 63 telhas a mais.
  • C incorreto, pois pediu 126 telhas a mais.
  • D incorreto, pois pediu 63 telhas a menos.
  • E incorreto, pois pediu 126 telhas a menos.
14

Julieta, ao receber sua mesada, foi ao shopping e gastou 2/5 da sua mesada com roupas,1/6 com maquiagem e 1/3 com sapatos, sobrando R$ 60,00 de sua mesada. O valor da mesada que Julieta gastou com roupas foi de

  • A R$ 600,00.
  • B R$ 240,00.
  • C R$ 176,00.
  • D R$ 54,00.
  • E R$ 53,60.
15

Certa competição tem 6 etapas eliminatórias. Sabe- se que a média aritmética do número de pessoas que participaram da primeira e da segunda etapa é igual ao quádruplo da média aritmética do número de pessoas que participaram de cada uma das quatro etapas seguintes. Desse modo, a razão entre o número de pessoas que participaram da primeira e da segunda etapa e o número total de pessoas que participaram dessa competição é de

  • A 3/4
  • B 1/2
  • C 1/3
  • D 1/4
  • E 2/3

Português

16
Das margens ao centro da família

Até o final do século 13, a infância não existia. As crianças eram consideradas apenas como homens de tamanho e capacidades reduzidas.
Como muitas delas morriam ainda pequenas, os adultos não tinham muito apego a elas. Durante muitos séculos, as crianças não eram nem retratadas, já que esse período da vida não era considerado digno de lembranças.
Nada era pensado em função dos pequenos. Só com o avanço do capitalismo, a partir do século 18, a criança passou a ser pensada e tratada de forma diferente. A partir do século 19, a criança se tornou o objeto principal da preocupação e atenção dos pais, com necessidades próprias que devem ser respeitadas.
Dos anos 1980 até os dias de hoje, a criança ganhou ainda mais importância e espaço, passando da margem ao centro da família. Surgiram programas só para elas, lojas de produtos infantis, marcas de roupas só para crianças, entre outros. Tudo isso colocou as crianças no centro das preocupações - e consumo - dos adultos.

(Cidade Nova. maio 2014. Adaptado)

No trecho do 3o parágrafo – Foi só com o avanço do capitalismo... – a palavra destacada apresenta sentido contrário de

  • A sucesso
  • B conhecimento
  • C surgimento.
  • D mérito.
  • E recuo
17

Os turistas que visitarão o Brasil neste ano, atraídos, especialmente, pela Copa do Mundo, devem injetar US$ 9,2 bilhões na economia do País, estima o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Em todo o ano de 2014, são esperados sete milhões de turistas estrangeiros no país, o que seria um recorde. Se for confirmada a previsão, esse valor representará um crescimento de 38,5% sobre os US$ 6,64 bilhões que ingressaram no País, trazidos pelos turistas, em 2013.

“A presença de sete milhões de turistas significa, provavelmente, a geração de recursos superiores aos da indústria automobilística e aos da indústria de papel e celulose no Brasil, mostrando a importância econômica do turismo e, portanto, a necessidade de haver investimentos públicos e privados, como vem ocorrendo na expansão da rede hoteleira”, disse o presidente da Embratur, Flávio Dino.

Segundo Dino, é preciso receber bem o turista estrangeiro e, para isso, é necessário ampliar investimentos em infraestrutura (como aeroportos) e ensinar línguas estrangeiras a profissionais que têm contato com esses turistas. “Tenho muita confiança na necessidade de haver investimentos e competitividade, ou seja, haver políticas públicas e ações privadas que garantam preços justos, para que esses turistas possam ser bem acolhidos e também economicamente estimulados a voltar ao Brasil”, disse.

Atendendo às regras de concordância da norma-padrão da língua portuguesa, o trecho do segundo parágrafo – ... a necessidade de haver investimentos públicos e privados, como vem ocorrendo na expansão da rede hoteleira... – está reescrito corretamente em:

  • A ... a necessidade de que existam investimentos públicos e privados, como os que estão sendo aplicados na expansão da rede hoteleira...
  • B .. a necessidade de que existam investimentos públicos e privados, como os que está sendo aplicado na expansão da rede hoteleira...
  • C ... a necessidade de que exista investimentos públicos e privados, como os que estão sendo aplicados na expansão da rede hoteleira...
  • D .. a necessidade de que exista investimentos públicos e privados, como os que estão sendo aplicado na expansão da rede hoteleira...
  • E ... a necessidade de que existam investimentos públicos e privados, como os que estão sendo aplicado na expansão da rede hoteleira...
18

O Tribunal de Apelações do Estado de Nova York está estudando um caso peculiar: o apelo pela libertação de um chimpanzé. Tommy, o símio em questão, não sofre maus-tratos. Mas é obrigado a viver sozinho numa jaula.
“O que tem isso de ilegal?" - perguntou a juíza responsável pelo caso, numa primeira audiência. Steve Wise, o responsável pelo pedido de libertação, rebateu: “Manter uma pessoa em confinamento solitário é contra a lei, sim", ele disse à juíza.
O tribunal não chegou ainda a um veredito. Caso a decisão seja favorável ao chimpanzé, será uma revolução: pela primeira vez um animal será solto por ser considerado uma “pessoa". Teremos estendido o conceito de “humanidade" a outra espécie além do Homo sapiens.
Faz mais sentido do que parece. Se você voltar 7 milhões de anos no tempo e procurar bem, vai encontrar indivíduos amacacados que são ancestrais tanto do Homo sapiens como dos chimpanzés modernos. Ou seja: você e eles compartilham um mesmo tatata(…)tataravô, que viveu há 70 séculos. Até por isso, um humano é geneticamente mais próximo de um chimpanzé que um chimpanzé é de um gorila. Jared Diamond, um cientista multidisciplinar, resumiu tudo isso com uma frase certeira: “Não é que eles sejam humanos. Nós é que somos mais uma espécie de chimpanzé."
Steve Wise, o advogado que move o pedido pela libertação do chimpanzé nova-iorquino, diz que, se ganhar o caso, vai lutar para que a noção de direitos humanos seja aplicada a qualquer ser vivo com cérebro relativamente complexo - gorilas, orangotangos, elefantes, golfinhos. A lógica é a mesma.

(Superinteressante,novembro de 2014. Adaptado)

Interpretando-se a frase de Steve Wise, no segundo parágrafo, conclui-se:

  • A a lei permite que pessoas e animais vivam isolados.
  • B o isolamento de pessoas é prática comum entre os humanos.
  • C a lei condena separar pessoas isolando-as das demais
  • D o confinamento de pessoas não pode ser aplicado aos animais
  • E as pessoas não devem submeter-se às leis que regem os animais.
19

Leia a tira para responder às questões de números 76 a 78.


No contexto em que está empregada, a frase – Pode experimentar… –, em conformidade com a norma-padrão da lín- gua portuguesa, pode ser substituída por

  • A Pode experimentar eles…
  • B Pode experimentar-nos…
  • C Pode experimentá-los…
  • D Pode-lhes experimentar…
  • E Pode experimentar-lhes…
20

TEXTO 1
SERGIO CASTRO/ESTADÃO CONTEÚDO
imagem-001.jpg
A gestão da água não construiu um sistema interligado que
equilibrasse demanda e estoque

O MITO DA ESTIAGEM DE SÃO PAULO
Luis Antonio Bittar Venturi

A água é um dos recursos naturais mais abundantes no planeta e as quantidades existentes sobram diante da necessidade humana. Mesmo considerando apenas as águas doces continentais, 3%do total da Terra, há muito mais água do que a capacidade humana de utilizá-la. Indo além, apenas a quantidade de água que precipita anualmente só na superfície dos continentes (cerca de 110 km3) já seria capaz, se fosse captada e armazenada, de suprir toda a humanidade. Considerando a água subterrânea, o Alter do Chão, maior aquífero do mundo sob a Bacia Amazônica, armazena água suficiente (86 mil km3) para abastecer a humanidade por pelo menos três séculos, já que ele é continuamente recarregado pela infiltração de água proveniente da atmosfera e da superfície.
Os estoques de água doce são inesgotáveis, na medida em que são alimentados principalmente
pelos oceanos, infinitos via evaporação e precipitação, ou seja, pelo ciclo hidrológico, que depende de forças físicas as quais o homem nunca poderá interromper. Enquanto existirem, o ciclo funcionará
e os estoques de água doce nos continentes serão repostos indefinidamente.
O alerta de que a água vai acabar, portanto, não tem fundamento. Obviamente que a água não se
distribui equitativamente pelo planeta. Há regiões com muita água, normalmente na zona tropical, na
qual a evaporação é maior, e regiões áridas, onde, por razões específicas da dinâmica climática, as taxas de evaporação são maiores do que a precipitação, gerando déficit de reposição de estoques de água doce. Esse não é o caso de São Paulo, cidade situada em uma região úmida, com elevados índices pluviométricos, em grande parte decorrente da umidade trazida do oceano pelas massas de ar.
Enquanto o Sol brilhar, a Terra girar e a Lei da Gravidade não for “revogada", as recargas de água
doce na Região Sudeste estarão garantidas, em volumes muito superiores à nossa necessidade.

POR QUE FALTA ÁGUA EM SÃO PAULO?

Considerando apenas a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), há mananciais na parte norte da região, a (Serra da Cantareira), e em toda a parte sul, na região da Bacia do Guarapiranga, do Alto Cotia etc., além de reservatórios (represamentos artificiais) que formam um sistema de abastecimento. Além disso, São Paulo importa água de outras bacias, como a do Rio Piracicaba, como também planeja fazer com a Bacia do Rio Ribeira de Iguape.
Ocorre que, embora haja diversas fontes de abastecimento para a região, elas não estão interligadas. Trata-se de um sistema desconexo, no qual, se falta água em um reservatório por um período – como tem ocorrido com a Cantareira –, não há como compensar esse déficit com a água dos outros. Os sistemas Alto Cotia e Guarapiranga, por exemplo, estiveram, em 2014, com níveis de água superiores ao da Cantareira, que sozinha abastece cerca de 8 milhões de pessoas.
Mas não puderam “socorrer" essa demanda por não estarem interligados. Havendo um período de
estiagem natural mais prolongado, como tem ocorrido na Cantareira, a retirada de água tornou-se mais
intensa do que a reposição natural dos estoques, daí o porquê de suas represas estarem secas. A gestão dos recursos hídricos não foi inteligente o suficiente para construir um sistema interligado que equilibrasse demandas e estoques. Se assim o tivessem feito, amais faltaria água em São Paulo, pois o total de água existente em torno da RMSP é mais do que suficiente para atender à demanda.
Outro fator auxiliar na compreensão da falta d\'água em São Paulo refere-se às perdas, que estão entre 27% e 30% de toda a água tratada. Elas advêm, sobretudo, de vazamentos e de captações
clandestinas, embora, nesse último caso, apesar da ilegalidade, não haja o desperdício, não haja a perda de fato da água como há nos vazamentos. Alguém a está usando, só que sem pagar.

TEXTO 2
RECADOS
José Miguel Wisnik

O Cerrado é o Matusalém dos biomas. Enquanto a Amazônia tem três mil anos de formada, e a Mata Atlântica, sete mil, o Cerrado tem quarenta milhões. É, ou chegou a ser, o maior viveiro de espécies florais do planeta. Ali, em sua lentidão ancestral, um buriti de vinte e cinco ou trinta metros de altura tem a idade do Brasil. Nas suas áreas planas, a água das chuvas é absorvida pela vegetação nativa, tendo esta a maior parte da sua estrutura dentro da terra, como uma verdadeira floresta invertida. Por suas raízes são alimentados os lençóis freáticos e os lençóis artesianos dos aquíferos, cuja carga interna afora, por sua vez, na forma das nascentes dos rios (ou, para dizer como Guimarães Rosa, “rebrotam desengolidos num bilo-bilo fácil").
Essa respiração hídrica veio sendo sufocada, no entanto, pela introdução de gramíneas para o pastoreio, pela expansão da fronteira agrícola com a soja e o algodão, cujas raízes são superficiais, pela ação dos fertilizantes, pela devastação dos insetos e animais polinizadores, impedindo a renovação da vegetação nativa, ditadas todas pela ocupação desenfreada que o agronegócio impôs ao Cerrado desde os anos 1970. Aparentemente, teríamos aí apenas uma mudança de paisagem, e a substituição da flora anciã pelas inovações progressistas das monoculturas, junto com o império do eucalipto a ser convertido em carvão. Mas, [...] o processo envolve uma devastação invisível de grandes consequências estruturais: é a floresta subterrânea das raízes que desaparece junto com a vegetação nativa, com ela o bioma de milhões de anos e o sistema que alimenta e realimenta os aquíferos.
Assim, dezenas de pequenos rios vêm desaparecendo, enquanto as nascentes dos grandes rios estão secando ou migrando para áreas mais baixas, à medida que o lençol que as abastece vai sendo também rebaixado. O esvaziamento a olhos nus das represas que abastecem São Paulo teria seu correspondente literalmente mais profundo no esgotamento invisível dos reservatórios subterrâneos, que deu seu sinal emblemático, faz poucos dias, com o estancamento da nascente do São Francisco. As chuvas que sobrevierem, quando vierem, não têm a mesma capacidade de nutrir, na falta da vegetação mediadora, os enfraquecidos reservatórios ocultos. O Brasil não pode mais ser visto, senão irresponsavelmente, como o paraíso dos mananciais inesgotáveis.

O Globo, 25, out. 2014



Marque a alternativa em que o termo destacado tem o mesmo valor semântico do termo em destaque no trecho a seguir:

“Considerando a água subterrânea, o Alter do Chão, maior aquífero do mundo sob a Bacia Amazônica, armazena água suficiente (86 mil km3 ) para abastecer a humanidade por pelo menos três séculos, já que ele é continuamente recarregado pela infiltração de água proveniente da atmosfera e da superfície." (texto 1)

  • A “O alerta de que a água vai acabar, portanto, não tem fundamento." (texto 1)
  • B “Elas advêm, sobretudo, de vazamentos e de captações clandestinas, embora, nesse último caso, apesar da ilegalidade, não há o desperdício, não há perda de fato da água como há nos vazamentos." (texto 1)
  • C “Essa respiração hídrica veio sendo sufocada, no entanto, pela introdução de gramíneas para o pastoreio, pela expansão da fronteira agrícola com a soja e o algodão, cujas raízes são superficiais,[...]." (texto 2)
  • D “Assim, dezenas de pequenos rios vêm desaparecendo, enquanto as nascentes dos grandes rios estão secando ou migrando para áreas mais baixas, à medida que o lençol que as abastece vai sendo também rebaixado." (texto 2)
  • E “Se assim o tivessem feito, jamais faltaria água em São Paulo, pois o total de água existente em torno da RMSP é mais do que suficiente para atender à demanda." (texto 1)
21
O líder narcisista

Manfred Kets de Vries, fundador do Centro de Liderança da escola de negócios Insead, revela já ter identificado em altos executivos características de personalidade nocivas e deses­tabilizadoras tanto para a equipe quanto para a organização. Um desses perfis comportamentais é o narcisista.
Todos nós, em maior ou menor grau, manifestamos caracte­rísticas narcisistas, o que muitas vezes é necessário para manter nosso equilíbrio emocional. Há momentos em que o amor pró­prio predomina, sentimo­-nos orgulhosos de nossas realizações e somos levados a externar uma saudável autoestima.
O problema surge quando o narcisismo se manifesta de uma forma exacerbada. Ou seja, quando o indivíduo sucumbe sob o peso da vaidade. Em torno desta postura invariavelmente gravi­tam o autoritarismo, a dificuldade do diálogo, a falta de empatia e, consequentemente, uma coleção de animosidades.
No contexto empresarial, sobretudo em cargos de gestão, uma dose moderada de narcisismo – evidentemente alicerçada em reais competências – fortalece ainda mais habilidades como a iniciativa, a criatividade, a versatilidade, o gosto por desafios, componentes fundamentais para o exercício de uma liderança efetiva.
Em face dessa autovalorização, o líder com essa caracterís­tica coloca mais empenho no alcance de resultados, não teme seus pares, inspira e valoriza a participação da equipe, e, por entender que um bom convívio social é fundamental para sua liderança, não transforma o ambiente de trabalho em batalha ccompetitiva. É o que se denomina de líder narcisista produtivo.
Por outro lado, quando essa autovalorização é vivenciada de forma excessiva, devemos entendê-la como uma liderança tóxica que afetará negativamente a moral e a efetividade de sua equipe.
Um líder que adota tal postura a manifesta de formas varia­das: dificuldade em aceitar as falhas alheias, autoritarismo nas suas decisões, necessidade compulsiva de se destacar, pretensa autossuficiência, clichês baseados em convicções pessoais, ausência de empatia, entre outras de igual efeito destrutivo.
Nenhum líder está imune ao narcisismo. No entanto, se suas ações são movidas unicamente por uma vitaminada vaidade, cui­dado! Você é um líder com tendências narcisistas destrutivas e o convívio difícil não será apenas com seus liderados; com a alta gestão da empresa você também não transitará com facilidade.
Um salto sem rede para sua carreira!
O antídoto para não cair na malha dos efeitos tóxicos do narcisismo exagerado será o contínuo exercício do autoconhe­cimento, a busca do equilíbrio. Fugir desse “império do ego" é retirar tanto a lente de aumento que procura superdimensionar habilidades, como a máscara que esconde limites.
(Ruth Duarte. O Estado de S.Paulo, 13 de abril de 2014. Adaptado)

De acordo com o último parágrafo, o antídoto para fugir do narcisismo exagerado pressupõe

  • A praticar constantes exercícios físicos e buscar equilíbrio.
  • B reconhecer suas limitações e dimensionar apropriada­mente suas aptidões.
  • C esconder limites interiormente e supervalorizar­se.
  • D superestimar suas habilidades e valorizar a competição com máscaras.
  • E agir dissimuladamente para não criar animosidades.
22
Ortotanásia e eutanásia

O que é a vida, afinal? É simplesmente um conjunto de reações bioquímicas? Ou algo maior, sagrado e eterno? A nossa perplexidade diante desse tema tão polêmico, que é a eutanásia, advém das incertezas que cercam o sentido da existência humana.
Sou oncologista e imunologista. Faz 28 anos que busco mais vida com qualidade para os pacientes com câncer e portadores de Aids com câncer. Os pacientes que já na primeira consulta me dizem que querem morrer antes de tentar os tratamentos são exceções. Mas existem. Todos os pacientes, tanto os que querem enfrentar tratamentos antes de morrer como os que não querem, têm um elemento comum, que é a falta de esperança, a depressão e o medo do sofrimento. Independentemente das novas e eficientes técnicas de tratamento, há instantes em que se perde a batalha contra as doenças. É então que uma pergunta se faz necessária: até quando é lícito prolongar com medidas artificiais a manutenção da vida vegetativa? Existe grande confusão entre os diversos tipos de eutanásia – ou boa morte. Uma é a eutanásia ativa, na qual o médico ou alguém causa ativamente a morte do indivíduo. Ela é proibida por lei no Brasil, mas é prática regulamentada, em alguns outros países, como Holanda e Dinamarca.
Em um outro extremo, há a distanásia que, segundo o especialista em bioética padre Leo Pessini, “é um procedimento médico que prolonga inútil e sofridamente o processo de morrer procurando distanciar a morte”. Sou contra a distanásia. E como seria a verdadeira boa morte? Creio que é aquela denominada morte assistida que prefiro denominar de ortotanásia. É cuidar dos sintomas sem recorrer a medidas intervencionistas de suporte em quadros irreversíveis. É respeitar o descanso merecido do corpo, o momento da limpeza da caixa preta de mágoas e rancores; é a hora de dizer coisas boas, os agradecimentos que não fizemos antes. É a hora da despedida e da partida. Então, talvez possamos acreditar no escritor Jorge Luis Borges: “Morrer é como uma curva na estrada, é não ser visto”.

(Nise Hitomi Yamaguchi, doutora pela Faculdade de Medicina da USP. Folha de S.Paulo, Tendências/Debates, 26 de março de 2005. Adaptado)

De acordo com o texto, a distanásia consiste

  • A em afastar, por meios médicos, pelo maior tempo possível, a morte de um doente terminal.
  • B na tentativa obstinada de acabar com as dores nos últimos instantes de um doente com doença irreversível.
  • C no método sofrido de atender à vontade que os doentes têm de morrer, pois já não têm esperanças de cura.
  • D no empenho dos médicos em abreviar a vida dos pacientes em estado terminal por meio de tratamentos alternativos.
  • E em deixar o doente terminal sem os procedimentos médicos, tentando, dessa forma, apressar a morte.
23

Nas questões de números 09 e 10, assinale a alternativa que preenche as lacunas, correta e respectivamente, considerando a norma culta da língua portuguesa.

Existem vários _____ a que temos direito, _____ não sabemos

  • A benefícios … porque
  • B benefício … quando
  • C benefício … se
  • D benefícios … porém
  • E benefícios … conforme
24
Com este movimento antipositivista e anticientificista, nota-se o despontar de uma poesia nova que ressuscitava o culto do vago em substituição ao culto da forma e do descritivo. No tocante à métrica, seus adeptos defendem o verso livre, os metros sonoros, coloridos, evocativos, com sinestesias, tudo convergindo para o ritmo, logo para a musicalidade do verso. É, em suma, a busca da “poesia pura”, isenta de contágio do mundo material, cria- ção de um mundo utópico, apenas intuível por vias místicas ou metafísicas.

O texto em questão refere-se ao movimento;
  • A parnasiano.
  • B naturalista.
  • C simbolista.
  • D realista.
  • E modernista
25

Assinale a alternativa em que o emprego das vírgulas está correto.

  • A Frederico muito assustado, na porta da sala, observava, aquelas pessoas silenciosas.
  • B Frederico, muito assustado, na porta da sala observava, aquelas pessoas, silenciosas.
  • C Frederico muito assustado, na porta da sala observava, aquelas pessoas, silenciosas.
  • D Frederico, muito assustado, na porta da sala, observava aquelas pessoas silenciosas.
  • E Frederico muito, assustado, na porta da sala observava, aquelas pessoas silenciosas.

Raciocínio Lógico

26
Se um litro de gasolina custa R$ 3,00 e a minha moto anda 18 quilômetros com um litro da mesma, quanto gastarei para percorrer 198 quilômetros usando a minha moto e abastecendo-a com gasolina? 
  • A R$ 3,00.
  • B R$ 18,00.
  • C R$ 33,00.
  • D R$ 198,00.
27

Assinale a alternativa que apresenta um argumento válido.

  • A O cisne é uma ave. Aves são ovíparas. Logo, o cisne é ovíparo.
  • B João é contador. João é alto. Logo, contadores são altos.
  • C Pulgas não são répteis. Répteis não são mamíferos. Logo, pulgas são insetos.
  • D Pedro não gosta de arroz. O arroz não é orgânico. Logo, Pedro não é orgânico.
  • E América é um continente. Brasil fica na América. Logo, Brasil não é um continente.
28

Considerando a premissa maior “Todos os cavalos são vertebrados” e a conclusão “Logo, Teodoro é vertebrado”, assinale a alternativa que apresenta a premissa menor do silogismo válido.

  • A “Os vertebrados são cavalos”.
  • B “Os cavalos são seres vivos”.
  • C “Teodoro é mortal”.
  • D “Os vertebrados são mortais”.
  • E “Teodoro é um cavalo”.
29

Considerando a premissa maior “Nenhum inseto tem coluna vertebral” e a premissa menor “Todas as moscas são insetos”, a conclusão correta do silogismo válido é:

  • A “Nenhum inseto é mosca”.
  • B “Alguns insetos não são moscas”
  • C “Nenhuma mosca tem coluna vertebral”.
  • D “Alguns insetos têm coluna vertebral”.
  • E “Algumas moscas são insetos”.
30

Considerando os conectivos usuais de negação, disjunção (inclusiva), conjunção e implicação (material), assinale a alternativa correta.

  • A Não existem tautologias só com o conectivo de implicação.
  • B Não existem tautologias com o conectivo de conjunção.
  • C Não existem contradições sem que ocorra o conectivo de negação.
  • D Não existem contradições com apenas uma letra sentencial (considerando que ela pode ser utilizada mais de uma vez).
  • E Existem tautologias que só possuem os conectivos de disjunção e conjunção.
Voltar para lista