Resumo de Biologia - Membrana Plasmática

A membrana plástica é uma camada fina que protege a célula dos seres vivos eucariontes e procariontes, isolando-os do meio externo. A sua espessura é de 6 a 9 nm, tão fina, que só pode ser vista com a ajuda de um microscópio especializado.

A membrana possui uma estrutura semipermeável, ou seja, ela é responsável pelo transporte e seleção de substâncias que entram e saem da célula. Além disso, a camada também é conhecida como membrana citoplasmática ou plasmalema.

Somente após o desenvolvimento da microscopia eletrônica que a membrana plasmática pôde ser observada. A partir daí, os pesquisadores conseguiram observar melhor os cortes transversais da membrana.

Estrutura química da membrana plástica

A estrutura da membrana plasmática apresenta uma grande quantidade de fosfolipídios, colesterol e proteínas. Por isso, é comum ler em alguns livros comentários informando que as membranas plasmáticas têm constituição lipoprotéica.

Em 1972, os pesquisadores perceberam que a dupla camada de fosfolipídios é fluida e de consistência oleosa, já as proteínas eram livres e mudavam de posição constantemente como se fossem peças de um mosaico.

Assim, surgiu o “modelo do mosaico fluido”, nome sugerido por dois biólogos estadunidenses: Seymour Jonathan Singer e Garth L. Nicolson.

A quantidade desses componentes varia muito de acordo com a função, tipo de célula e até mesmo a estrutura que a célula está envolvida. Normalmente, elas são compostas de uma porção fluida e uma porção sólida, representando os lipídeos e as proteínas respectivamente.

Os fosfolipídios e as proteínas são os principais componentes moleculares de uma membrana plasmática.

Modelo do mosaico fluído

Os fosfolipídeos, moléculas relativamente complexas e longas, são tipos de lipídeos associados às moléculas de fosfato. A sua principal função é manter a estrutura da membrana plasmática.

Por outro lado, as proteínas possuem várias funções, uma delas é o transporte de substâncias essenciais para o metabolismo energético. Quando as substâncias dissolvidas na membrana plasmática não conseguem passagem por meio dos lipídeos, elas são transportadas para as células através das proteínas.

Fosfolipídeos

Os fosfolipídios possuem duas cabeças, uma polar e a outra apolar. Assim, eles formam uma dupla de anfipatia (afinidade) com a água. A cabeça polar é denominada hidrofílica, e por ter uma afinidade com a água está voltada para o exterior. A apolar é classificada como hidrofóbica e como não tem afinidade com a água, sua cabeça é voltada para o interior da membrana.

Além disso, os fosfolipídios conseguem se mover sem perder o contato, o que permite a flexibilidade e elasticidade da membrana. Eles também estão conectados às gorduras e proteínas que compõem as membranas celulares.

Proteínas

As proteínas podem preencher até metade da composição total de uma membrana plasmática. Para cada tipo de função a membrana exige um tipo diferente de proteína. Além disso, essa substância funciona como principal meio de acesso das moléculas para dentro das células.

No estudo da Citologia, as proteínas de uma membrana plasmática são representadas por enzimas, glicoproteínas, proteínas transportadoras e antígenos. Quando elas atravessam a bicamada lipídica uma do lado da outra elas são denominadas proteínas transmembranas ou integrais.

Porém, quando permanecem em apenas um dos lados da bicamada são classificadas proteínas periféricas ou extrínsecas. Elas estão associadas aos lipídios de maneira superficial e podem estar voltadas tanto para a superfície interna quanto externa da membrana, desenvolvendo uma função enzimática e acelerando as reações da célula.

Gordura

A gordura é uma grande aliada do fosfolipídios, pois ela é responsável por dar mais rigidez a bicamada lipídica, evitando a sua deformação. As moléculas de colesterol aumentam as propriedades da barreira da bicamada e diminuem a sua mobilidade.

Como a membrana plasmática faz o transporte de substâncias?

O transporte das substâncias pode ser realizado de forma ativa ou passiva. Na primeira, as substâncias deslocam-se da menor para a maior concentração com o gasto de energia. Veja dois exemplos:

  • Bomba de Sódio e Potássio: realiza a passagem de íons sódio e potássio para a célula;
  • Transporte em Bloco: acontece quando a célula transfere grande quantidade de substâncias para dentro ou para fora do seu meio intracelular.

Na segunda, as substâncias deslocam-se do meio mais concentrado para o menos concentrado sem gastar energia. Veja como isso acontece:

  • Difusão Simples: nessa difusão a transferência de partículas ocorre de regiões mais concentradas para regiões menos concentradas;
  • Difusão Facilitada: faz a transferência de substâncias que não conseguem se dissolver em lipídeos;
  • Osmose: transfere a água de um meio menos concentrado (hipotônico) para um meio mais concentrado (hipertônico).
Voltar

Questões